biblia.com.br

A resposta ao malfeitor na cruz

bíblia

11 de abril de 2012

Se os mortos estão dormindo, aguardando a segunda vinda, por que Jesus disse ao ladrão na cruz: "hoje estarás comigo no paraíso"?

Por A. B. Christianini 1

“Se os mortos estão dormindo, aguardando a Segunda Vinda, por que Jesus disse ao ladrão na cruz: ‘hoje estarás comigo no paraíso'”?

Muitas dúvidas têm se levantado sobre o significado das palavras de Cristo na cruz: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.”

A nota tônica da escatologia bíblica no que tange ao galardão dos justos é que ocorrerá unicamente por ocasião da volta de Jesus, conforme os textos de Mateus 16:27; Mateus 25:31 a 34; 1 Tessalonicenses 4:16 a 18; 2 Timóteo 4:8; 1 Pedro 5:4; Apocalipse 22:12, além de inúmeros outros.

A passagem de Lucas 23:43, segundo cremos, baseado em razões que a seguir apresentaremos, deve estar incorretamente pontuado. Além de conter sem razão a partícula “que”, Matos Soares, Basílio Pereira e outros traduzem: “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no Paraíso.” Se a pontuação fosse removida para depois da palavra hoje, teríamos: “Em verdade te digo hoje: estarás comigo no Paraíso.” Os manuscritos do Novo Testamento, escritos em grego e em caracteres unciais não tinham pontuação.

Diz-nos J. Angus em sua conhecida obra História, Doutrina e Interpretação da Bíblia, vol. 1, pág. 39, que somente no século VIII é que foram introduzidos alguns sinais de pontuação, e que no século IX introduziram-se o ponto de interrogação e a vírgula. Que a colocação da pontuação altera substancialmente o sentido do texto é evidente. Há um exemplo, muito citado, da imperatriz da Rússia que alterou uma ordem de exílio assim redigida: “Perdão impossível, enviar para a Sibéria.” Com cuidado removeu a vírgula colocando-a noutro lugar, e ficou assim: “Perdão, impossível enviar para a Sibéria.” E o prisioneiro foi salvo.

Alinhemos, sucintamente, algumas evidências a favor de nossa tese:

1.ª – Boas traduções rezam que o ladrão pediu a Jesus que se lembrasse dele “quando vieres no Teu reino.” Assim, por exemplo o fazem Matos Soares, a Trinitariana, a Versão Italiana de G. Deodatti, a francesa de L. Sègond, a inglesa de King James e outras. “Quando vieres no Teu reino” e não “quando entrares”. “Quando vier… então Se assentará no seu trono…” (Mateus 25:31). Para essa ocasião pediu o ladrão um lugar no reino, e não para aquele dia que agonizava ao lado de Jesus.

2.ª – Certamente o ladrão não podia estar com Jesus no Paraíso naquele dia, a menos que Jesus lá estivesse também. E Jesus foi para lá naquele dia? Não. Como sabemos?

a) Porque três dias depois, já ressurreto, disse à Madalena: “Não Me toques, porque ainda não subi para o Meu Pai” (João 20:17). Jesus estivera dormindo no túmulo, e não subira ao Pai. Ressurgira, e ainda não subira ao Pai. E nem de leve se pode inferir que uma “alma” consciente subira, pois a Escritura não sugere tal absurdo.

b) Porque uma análise cuidadosa da cena do Calvário revela que o ladrão não morreu naquele mesmo dia, pois João 19:31 a 33 nos diz:

“Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a Preparação (pois era grande o dia daquele sábado), rogaram a Pilatos que lhes quebrassem as pernas, e que fossem tirados. Foram pois, os soldados e, na verdade, quebraram as pernas do primeiro, e ao outro que com ele fora crucificado; mas vindo a Jesus, e vendo-O já morto, não Lhe quebraram as pernas.”

Por que “quebrar as pernas” dos justiçados?

Porque o crucificado não morria no mesmo dia. Cristo foi caso excepcional e que sabemos que não morreu dos ferimentos ou da hemorragia, mas do quebrantamento do coração. Morreu de dor moral por causa dos pecados do mundo. Mas os outros, não, e as crônicas descrevem o condenado esvaindo-se lentamente durante dias.

Diz por exemplo o comentário de J. B. Howell: “O crucificado permanecia pendurado na cruz até que, exausto pela dor, pelo enfraquecimento, pela fome e a sede, sobreviesse a morte. Duravam os padecimentos geralmente três dias, e às vezes, sete.” – J. B. Howell, Comentário a S. Mateus, pág. 500.

É óbvio que os homens de maior robustez física duravam até sete dias na cruz. No caso em tela, os judeus, não permitiam que se conservasse um criminoso na cruz no dia de sábado, pois consideravam um desrespeito à santidade do dia de repouso. “De acordo com o costume, quebravam as pernas dos criminosos depois de os haverem removido da cruz, deixando-os estendidos no chão, até que o sábado passasse. Depois do sábado haver passado, sem dúvida esses dois corpos foram outra vez amarrados na cruz, e lá ficaram diversos dias até morrerem…”

Se era necessário quebrar as pernas aos dois malfeitores, antes do pôr do sol, é porque não haviam morrido ainda. Na pior das hipóteses viveram ainda, pelo menos, um dia a mais que o Mestre. Como podia, um deles, estar no mesmo dia junto de Jesus?

3.ª – Há traduções bem autorizadas que vertem o texto de Lucas 23:43 de forma a harmonizá-lo com o teor da Bíblia a respeito do galardão no reino, quando Jesus voltar. E vamos citá-las:

a) Tradução Trinitariana, em português, editada em 1883, pela “Trinitarian Bible Society” de Londres. Diz: “Na verdade te digo hoje, que serás comigo no Paraíso.”

b) Emphasized New Testament, de Joseph Bryand Rotherham, impresso em Lodres, em 1903, assim reza: “Jesus! Lembra-te de mim na ocasião em que vieres no teu reino. E Ele disse-lhe: Na verdade, digo-te neste dia: Comigo estarás no Paraíso.”

c) The New Testament, de George M. Lamsa, de acordo com o texto Oriental, traduzido de fontes originais aramaicas, diz: “Jesus lhe disse: Na verdade te digo hoje, estarás comigo no Paraíso.”

d) A chamada Concordant Version, em inglês assim traduz: “E Jesus lhe disse: Na verdade a ti estou dizendo hoje, comigo estarás no Paraíso.”

e) Um manuscrito importante. Trata-se de um famoso manuscrito curetoniano da Versão Siríaca, existente no Museu Britânico. Assim reza: “Jesus lhe disse: Na verdade te digo hoje, que comigo estarás no Jardim do Éden.”

E há mais ainda: o comentário da Oxford Companion Bible, que diz: “‘Hoje’ concorda com ‘te digo’ para dar ênfase à solenidade da ocasião; não concorda com ‘estará'”. E no Apêndice n.º 173, o famoso Oxford Companion Bible, esclarece:

“A interpretação deste versículo depende inteiramente da pontuação, a qual se baseia toda a autoridade humana, pois os manuscritos gregos não tinham pontuação alguma até o nono século, e mesmo nessa época somente um ponto no meio das linhas, separando cada palavra… A oração do malfeitor referia-se também àquela vinda e àquele Reino, e não a alguma coisa que acontecesse no dia em que aquelas palavras foram ditas.” E conclui o mesmo comentário, no final do mesmo Apêndice: “E Jesus lhe disse: ‘Na verdade te digo hoje’ ou neste dia quando, prestes a morrerem, este homem manifestou tão grande fé no reino vindouro do Messias, no qual só será Rei quando ocorrer a ressurreição – agora, sob tão solenes circunstâncias, te digo: serás comigo no Paraíso.”

E a expressão “hoje” ligada ao verbo não é redundante, mas enfática. É comum na Bíblia. Leiam-se, por exemplo, Deuteronômio 20:18; Zacarias 9:12; Atos 20:26, entre outros.

A conclusão fatal é que Lucas 23:43 é um falso pilar em que se ergue a teoria da imortalidade inata no homem e seu imediato galardão pós morte.

Equipe Biblia.com.br

_______________

1 A. B. Christianini, Subtilezas do Erro (Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2.ª ed., pág. 252; 255).

Sexo antes do casamento
O que a Bíblia diz sobre os idosos?