biblia.com.br

Se Deus é amor, por que existe o mal?

bíblia

11 de abril de 2012

Se Deus é amor, por que Ele criou Lúcifer? Por que criou Adão e Eva, mesmo sabendo que eles iriam pecar?

Se Deus é amor, por que Ele criou Lúcifer? Por que criou Adão e Eva, mesmo sabendo que eles iriam pecar? O amor é a própria natureza de Deus. Tudo o que Ele faz é motivado pelo amor. Podemos ver amor em Suas obras. Sendo limitada a visão humana, nem sempre vemos amor nos caminhos de Deus. Os filhos nem sempre percebem o amor de seus pais nos atos de grande sabedoria e mais terna consideração. Quanto mais se abrirem nossos olhos, quanto mais compreensivo se tornar nosso entendimento, mais claramente seremos capazes de ver que Deus é verdadeiramente amor (1 João 4:8).

As pessoas tiveram origem em Deus e Lhe pertencem pela Criação e Redenção. Esta é a base segura para o valor humano, seu sentido e destino, e também é a base segura para a unidade e comunhão com Deus e uns com os outros. Deus deu a Adão e Eva inteligência e capacidade com as quais nenhum dos animais foi dotado. Ele dotou os seres humanos com razão, percepção moral e apreciação estética que refletiam Sua própria natureza. Toda criação reflete um aspecto de Deus.

Depois que a terra com sua abundante vida animal e vegetal fora suscitada a existência, o homem, a obra coroadora do Criador, e aquele para quem a linda terra fora preparada, foi trazido em cena. A ele foi dado domínio sobre tudo que seus olhos poderiam contemplar. Adão foi posto como representante de Deus, sobre as ordens inferiores de seres (Gênesis 1:26; 2:15). O homem devia ter a imagem de Deus, tanto na aparência exterior como no caráter. Por que Deus nos criou? Bem, Deus não precisa de nós, mas criou-nos por amor e nos concedeu o dom maravilhoso da liberdade de escolha.

A Bíblia diz que houve no Céu uma disputa, uma batalha, quando Lúcifer (aquele que, abaixo de Cristo fora o mais honrado por Deus), ficou com inveja da autoridade de Jesus e decidiu revoltar-se contra a autoridade e o governo de Deus (Ezequiel 28:15-17). Por que Satanás tomou essa decisão terrível continuará um mistério além da compreensão humana. O que sabemos pela Bíblia é que ele escolheu ir contra o governo divino e Sua sagrada lei.

Deus criou Lúcifer livre. Então, Lúcifer estava livre para não amar a Deus. Deus permitiu que Satanás levasse avante sua obra até que o espírito de desafeto amadurecesse em ativa revolta. Era necessário que seus planos se desenvolvessem completamente a fim de que todos pudessem ver sua verdadeira natureza e tendência. Procurara falsificar a palavra de Deus, de maneira errônea figurara Seu plano de governo pretendendo que Deus não era justo ao impor leis aos anjos; que, exigindo submissão e obediência de Suas criaturas, estava simplesmente a procurar a exaltação de Si mesmo. Era, portanto, necessário demonstrar perante os habitantes do céu, que o governo de Deus é justo, que Sua lei é perfeita.

A rebelião de Satanás deveria ser uma lição para o Universo, durante todas as eras vindouras – perpétuo testemunho da natureza do pecado e de seus terríveis resultados. Aquele que governa no Céu é O que vê o fim desde o princípio – o Ser perante o qual os mistérios do passado e do futuro estão igualmente expostos, e que, para além da miséria, trevas e ruína que o pecado acarretou, contempla o cumprimento de Seus propósitos de amor e bênçãos. Se bem que “nuvens e obscuridade estão ao redor dEle, justiça e juízo são a base de Seu trono”. (Salmos 97:2). E isto os habitantes do Universo, tanto fiéis como infiéis, compreenderão um dia. “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os Seus caminhos juízo são; Deus é a verdade, e não há nEle injustiça: justo e reto é.” (Deuteronômio 32:4).

Da mesma forma, Adão e Eva foram criados por Deus com liberdade e foram postos no Jardim do Éden para serem felizes. Porém, utilizaram erradamente o livre-arbítrio e caíram em pecado, transgredindo a aliança com Deus (Oséias 6:7). Assim como um pai deseja ter seu filho, mesmo sabendo que ele terá algum problema de saúde, assim ocorre com Deus. Ele sabia que seus filhos rebelariam, mas criou-os e deu a eles a chance de terem a vida eterna. E Cristo proveu a saída para a “doença” do pecado, dando a Sua própria vida em favor do pecador. Jesus preferiu morrer a passar a eternidade longe de nós.

Equipe Biblia.com.br

História da Bíblia
O que a Bíblia diz sobre a tranquilidade?