biblia.com.br

Cuidando dos Irmãos e Irmãs: Mateus 18:15-20 (parte 1)

Mateus 6:33

A questão é se um crente deve confrontar um irmão da igreja envolvido em algum tipo de pecado?

Ekkehardt Mueller

“Se o seu irmão pecar, vá e mostre a ele sua culpa em particular; se ele o ouvir, você ganhou o seu irmão. Mas se ele não o ouvir, tome um ou dois mais com você, de modo que pela boca de duas ou três testemunhas todos os fatos possam ser confirmados. Se ele se recusar a ouvi-los, diga-o à igreja; e se ele se recusar a ouvir até mesmo a igreja, o considere como um gentio e um cobrador de impostos. Verdadeiramente eu digo a você, o que quer que você ligar na terra terá sido ligado no céu; e o que quer que você desligue na terra terá sido desligado no céu. Novamente, digo a vocês que, se dois de vocês concordarem na terra sobre qualquer coisa que possam pedir, será feito por vocês pelo Meu Pai que está no céu. Porque onde dois ou três se reuniram em Meu nome, Eu estou ali em seu meio.” Mateus 18:15-20

Nesta famosa passagem do Evangelho de Mateus, Jesus aborda a questão da disciplina da igreja de uma forma não relatada nos outros Evangelhos. Este artigo não está muito interessado no procedimento preciso de como agir quando um membro da igreja peca. Em vez disso, ele só se concentra na primeira parte do verso 15. No entanto,
aqui encontramos um problema que influencia todas as discussões adicionais sobre a passagem.

A New American Standard Bible (NASB) diz: “Se seu irmão pecar, vá …” e sua tradução é apoiada pela Nova Versão Internacional e pela New English Translation. No entanto, a English Standard Version (ESV) diz: “Se seu irmão pecar contra você [singular],¹ vá…” e é apoiada pela King James Version, a New King James Version, a New
Living Translation, e a New Revised Standard Version.

Três perguntas devem ser feitas:

(1) Qual é a verdadeira diferença entre “se o seu irmão pecar” e “se o seu irmão pecar contra você?”               
(2) Por que essa diferença existe?
(3) Qual leitura está mais bem alinhada com os pensamentos e a intenção de Jesus?

Qual é a Diferença?

Em Mateus 18, Jesus dirige-Se a Seus discípulos. Quando Ele fala com os Doze, todos os Seus seguidores estão incluídos no que Ele lhes instrui a fazer e a evitar. Se “contra você” está incluído no texto ou não, é geralmente reconhecido que estas instruções têm uma aplicação mais ampla para a igreja.

A questão é se um crente deve confrontar um irmão da igreja envolvido em algum tipo de pecado. ² A leitura “se ele pecar contra você” poderia ser entendida no sentido que os crentes deveriam falar com outros crentes, tentando trazer uma mudança de mente e, possivelmente, arrependimento, somente se eles forem pessoalmente afetados pelo delito do outro – mais precisamente, se um crente tem diretamente pecado contra outro crente, por palavras e/ou ações. Em outras palavras, se ele ou ela não é pessoalmente ferido de uma forma ou de outra, ele ou ela não tem
nenhuma razão para intrometer-se nos assuntos de outro crente, mesmo que um terceiro tenha sido seriamente ofendido ou ferido.

A leitura mais curta, “se o seu irmão pecar,” cobra os crentes a se envolverem se observarem irregularidades de outros Cristãos, não importa contra quem elas sejam dirigidas. Eles não podem apenas ficar em pé, assistir, ouvir, e depois olhar para longe quando as coisas estão terrivelmente erradas. É tarefa e responsabilidade de cada Cristão intervir e tentar resolver uma situação ruim, trazendo reconciliação, arrependimento e restituição, quando necessário, salvando o ofendido e o infrator. ³

Desta perspectiva, a leitura curta é muito mais radical e muito mais exigente. Ela vai contra a estrutura das sociedades Ocidentais individualistas, dizendo aos crentes que eles têm responsabilidade um pelo outro e não pode simplesmente olhar para longe e ser indiferente quando a vida corre mal. A igreja é de fato uma família de irmãos e irmãs no Senhor, na qual se torna impossível para o membro individual responder como Caim:
“Sou eu guardador do meu irmão?” (Gênesis 4:9).

Por que as Traduções Diferem Amplamente?

Existe uma grande diferença de significado entre as duas interpretações. Essa diferença precisa ser explicada. À primeira vista, podemos atribuir a diferença de redação às escolhas diferentes que os tradutores fizeram ao traduzir o texto bíblico. No entanto, a questão não é um problema de tradução. Neste caso, não se pode acusar os tradutores de terem adicionado ou omitido palavras do texto bíblico. A leitura mais curta (sem a frase “contra você”) e a leitura mais longa (incluindo a frase “contra você”) são encontradas em manuscritos bíblicos, o que complica o assunto.
A maioria dos manuscritos tem a leitura mais longa, mas a versão mais curta tem bom apoio de manuscrito mais antigo. Usar a maioria dos manuscritos como o único critério para determinar a melhor leitura pode não ser útil. A maioria pode estar certa ou errada – até mesmo a maioria dos manuscritos. A maioria dos manuscritos são
manuscritos tardios que foram copiados uns dos outros. Se os copistas cometeram erros, estes erros foram copiados repetidas vezes. Assim, o grupo majoritário pode não ter necessariamente um texto Grego mais confiável do que o encontrado em noutros manuscritos. Por outro lado, não se pode presumir que o texto mais comum seja
automaticamente errado. Portanto, os estudiosos procuram não um, mas diversos critérios para determinar qual leitura seja mais provavelmente a melhor.

Mas este caso é especialmente difícil. Um membro do comitê editorial do projeto Grego do Novo Testamento das Sociedades Bíblicas Unidas escreve:
É possível que as palavras εἰς σέ [“contra você”] sejam uma interpolação primitiva no texto original, talvez derivada por copistas do uso de εἰς ἐμέ [“contra mim”] no verso 21. Por outro lado, também é possível considerar sua omissão
como deliberada (a fim de tornar a passagem aplicável ao pecado em geral) ou acidental.⁴

Outro erudito sugere que uma audição equivocada levou à diferença nos manuscritos.⁵ Em qualquer caso, o comitê das Sociedades Bíblicas Unidas decidiu deixar “contra ele” (εἰς σέ) em colchetes no texto, indicando que a expressão pode ou não pertencer ao texto original. Então, o que deve ser feito? Como determinamos a melhor opção?

Qual Leitura é a Melhor Opção?

Esta pergunta não é fácil de responder. Os editores do texto Grego do Novo Testamento deixaram a decisão individual aos eruditos. Assim, há aqueles que defendem a leitura mais longa,⁶ aqueles que favorecem a versão mais curta⁷  e aqueles que permanecem neutros ou ambíguos.⁸ Por que estudar manuscritos Gregos não ajuda
muito neste caso, outras possibilidades devem ser exploradas. Estas estão relacionadas a um estudo aprofundado de Mateus 18:15 em seu contexto. Podemos obter entendimento do contexto do texto do Velho Testamento, do contexto, do próprio verso e do Novo Testamento, como os seus escritores entenderam o texto.

Compreensão do Contexto do Velho Testamento

É bastante provável que a declaração de Jesus esteja baseada em Levítico 19:17: “Você não deve odiar seu irmão em seu coração; você deve discutir francamente com seu próximo” (ESV). A NASB traduz: “Você certamente pode reprovar o seu próximo.” O termo elechnō, “trazer à luz, reprovar, condenar,” de Mateus 18:15 também aparece
em Levítico 19:17, além do substantivo elegnos, “repreender.” Então, existe uma conexão entre os dois textos. No entanto, o texto de Levítico não indica que um irmão peca contra outro irmão. Ele é de natureza geral, como parece ser o caso com Mateus 18:15.

Compreensão do Contexto Mais Amplo

A leitura mais longa sugere uma atitude passiva. Uma pessoa só se envolve com um irmão Cristão se for ofendido pessoalmente. A leitura mais curta, no entanto, espera uma atitude ativa, interpondo-se percebe-se que a vida espiritual e a vida eterna dos irmãos da igreja são prejudicadas. No Evangelho de Mateus, Jesus normalmente enfatiza um papel ativo para Seus seguidores. Seus discípulos não são apenas cidadãos pacíficos, mas pacificadores (Mateus 5:9). Eles deixam sua luz brilhar diante dos seres humanos (Mateus 5:16). Eles oram por seus perseguidores (Mateus 5:44). Eles “buscam Seu reino e Sua justiça” (Mateus 6:33) e tratam as pessoas da mesma maneira que gostariam de ser tratados (Mateus 7:12) — o que é mais do que não tratar a outro como se não quisesse ser tratado. A
Regra de Ouro é sobre ser proativo, não reativo. Os Doze devem ir “à ovelha perdida da casa de Israel” (Mateus 10:7). Eles são enviados como ovelhas entre os lobos (Mateus 10:16), confessando Jesus (Mateus 10:32). A ênfase de Jesus no comportamento ativo apoia a leitura mais curta. Sim, os Cristãos também fazem algo se eles são pessoalmente afetados.
Buscam a reconciliação assim que estiverem cientes “que seu irmão tem algo contra” eles (Mateus 5:23, 24). Mas, como indicam muitos outros provérbios de Jesus, eles não se limitam apenas a questões pessoais.

[continua…]

_______________

Ekkehardt Mueller é PhD em Ministério e Divindade.

¹No Grego, o texto não é ambíguo, e o “ você” no verso 15 é um pronome no singular. Portanto, “ você” deve ser entendido por um público de fala Inglesa como um pronome no singular.

² Donald A. Hagner, Matthew 14-28, Word Biblical Commentary 33B (Dallas, TX: Word, 1995), 531, observa: “Presumivelmente… dado o procedimento que se segue, o tipo de pecado que está sendo considerado é de uma natureza substancial em vez de trivial ou meramente pessoal…” Embora todo pecado seja injustiça, cf. 1 João 5:16, 17 onde o pecado (hamartia) pode ser pecado que não conduz à morte ou ao pecado que leva à morte.

³ R. T. France, The Gospel of Matthew, The New International Commentary on the New Testament (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2007), p. 690, observa que “é o indivíduo que está em questão, não um líder ou grupo designado, que é esperado que atue em primeira instância; a comunidade em geral está envolvida apenas quando essa iniciativa individual se revela inadequada e, em seguida, apenas para fazer recuar a preocupação individual.”

⁴ Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament, 2ª ed. (Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1994), p. 36.

⁵ France, p. 689.

⁶ E.g., David L. Turner, Matthew, Baker Exegetical Commentary on the New Testament (Grand Rapids, MI: Baker Academic, 2008), p. 444; possivelmente Hagner, p. 531. Ulrich Luz, Matthew 8-20, Hermeneia – ACritical and Historical Commentary on the Bible (Minneapolis, MN: Fortress, 2001), p. 451, fale sobre os membros da igreja ofendidos por outros membros da igreja, mas acrescenta: “No entanto, o ‘pecado’ que um membro da igreja cometeu contra outro não é um assunto privado sobre o qual a igreja não está preocupada. É uma convicção bíblica, Judaica e Cristã primitiva que todo pecado afeta a igreja toda.”

⁷ E.g., France, pp. 689-693; David Hill, The Gospel of Matthew, The New Century Bible Commentary (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1990), 275; John Nolland, The Gospel of Matthew: A Commentary on the Greek Text, The New International Greek Testament Commentary (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2005), 745–746; Charles H. Talbert, Matthew, Paideia Commentary on the New Testament (Grand Rapids, MI: Baker Academic, 2010), pp. 219-221.

⁸ E.g., Leon Morris, The Gospel According to Matthew, The Pillar New Testament Commentary (Grand
Rapids, MI: Eerdmans, 1992), pp. 466, 467; Grant R. Osborne, Matthew, Zondervan Exegetical
Commentary on the New Testament (Grand Rapids, MI: Zondervan, 2010).

Respeito a Dor de uma Criança Violentada
Deus Em Uma Caixa?