biblia.com.br

Culpa, perdão e graça

11 de abril de 2012

É importante que saibamos que nossa natureza humana é pecaminosa. Isso significa que todos os seres humanos possui uma inclinação natural para o pecado. Entretanto, Deus nos provê um meio para aniquilar o eu, o orgulho, as paixões carnais e o pecado.

Há exemplos bíblicos de pessoas que venceram por meio da fé em Cristo Jesus. A história da mulher prostituta registrada no evangelho de João capítulo 8 é uma evidência do poder transformador de Deus! Jesus restaurou sua vida e lhe concedeu poder para viver uma vida de vitória! (Leia esse episódio, João 8:1-11; Mateus 26:1-13; Marcos 14:1-9). Ele pode fazer o mesmo em sua vida!

É importante que saibamos que nossa natureza humana é pecaminosa. Isso significa que todos os seres humanos possui uma inclinação natural para o pecado. Entretanto, Deus nos provê um meio para aniquilar o eu, o orgulho, as paixões carnais e o pecado. Deus nos concedeu Seu Filho que viveu uma vida de perfeita obediência aos requisitos da lei de Deus (a lei requer perfeita obediência), pagou o preço do nosso resgate, morrendo em nosso lugar e hoje vive para interceder por cada um de nós.

“Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hebreus 4:15, 16).

“Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1 João 2:1).

Por meio da vida, morte e ressurreição de Cristo, aquele que O aceita como Senhor e Salvador recebe a graça da reconciliação com Deus. Não importa o que tenha acontecido na vida até o presente momento. Deus tem poder para perdoar e transformar.

Como mencionado acima, o ser humano possui uma natureza pecaminosa. Ela existirá até o dia da vinda de Cristo. Entretanto, Cristo nos prometeu “outro consolador” (João 14:16), o Espírito Santo. Por meio de Sua atuação divina e sujeição da vontade humana à vontade de Deus, a vida é transformada, e uma nova natureza é desenvolvida – a natureza espiritual. Essa não é natural. É um dom de Deus e precisa ser alimentada constantemente, para que não se enfraqueça e dê espaço para que a natureza pecaminosa domine novamente. Paulo descreve assim:

“Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam. Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gálatas 5:17-25).

O segredo da vitória está em permanecer em Cristo e Ele promete: “o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (João 6:37). Ele será a nossa força, o nosso escudo, a nossa proteção, o poder motivador para vivermos de acordo com Sua vontade. Paulo teve uma impressionante experiência que deve ser vivida por todo Cristão, pois nisto consiste o segredo da vitória. “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:19, 20). Todo pecador deve ir à Cristo da maneira em que se encontra. Poderá abrir o coração e compartilhar as dores, medos, traumas, aflições, na certeza de que todo o que vai a Ele não será lançado fora ou rejeitado (João 6:37). Também poderá falar com Deus e receba o Seu abraço. Ele nos ama e aceita-nos como estamos, e se permitirmos, Ele nos transforma dia à dia à Sua imagem.

Hoje é o dia da sua salvação. Essa experiência deve ser renovada todos os dias em nossa vida, através de uma decisão pessoal de caminhar com Cristo. Isso implica em um relacionamento íntimo com Ele. Nesse relacionamento deve haver diálogo:

(1) Oração, falar com Deus, abrir o coração a Ele. Podemos lhE pedir sabedoria para entender Sua Palavra e aplicá-la na nossa vida. A oração é a maneira pela qual falamos com Deus.

(2) Leitura e estudo da Bíblia: É a Palavra de Deus que fala direto ao coração. É o próprio Deus fando conosco. Devemos ter uma postura humilde e sincera de conhecer a vontade de divina como ela é revelada nas Escrituras Sagradas.

(3) Frequência aos cultos na igreja para adorar e servir ao Criador: Essa é uma oportunidade muito especial em que um grupo de pessoas que foram alcançadas pela graça de Cristo se reúnem para adorá-Lo. É uma experiência muito fortalecedora e muito importante para o contínuo processo de crescimento na graça de Deus.

(4) Perseverança: Deus nos ama muito e jamais desiste de se relacionar conosco. Como somos pecadores por natureza, devemos perseverar no caminho da fé, pois a experiência da salvação deve ser renovada todos os dias. Então, diariamente precisamos da graça do arrependimento, que provém da bondade de Deus, da maneira como Ele nos impressiona com o Seu amor e por meio de Sua Palavra. Em seguida ao arrependimento vem a confissão. Deus graciosamente nos concede o perdão e podemos experimentar um contínuo crescimento na graça, vencendo as batalhas, dia à dia, pela graça de Cristo.

No passado Deus perdoou o ímpio rei Manassés, que havia levado Judá à idolatria e apostasia. Ele chegara tão longe ao ponto de sacrificar seus filhos em cultos pagãos. “Ele (Manassés), angustiado, suplicou deveras ao SENHOR, seu Deus, e muito se humilhou perante o Deus de seus pais; fez-lhe oração, e Deus se tornou favorável para com ele, atendeu-lhe a súplica e o fez voltar para Jerusalém, ao seu reino; então, reconheceu Manassés que o SENHOR era Deus” (2 Crônicas 32:12, 13). Deus ama a todos nós e deseja nos salvar. Nós até podemos desistir de Deus em algum momento, mas Ele JAMAIS desiste de nós. Jesus declarou qual é a vontade do Pai: “De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6:40).

Equipe Biblia.com.br

O que a Bíblia diz sobre a religião?
O que preciso saber sobre o adultério (parte 2)