biblia.com.br

A oração não purifica os alimentos – 1 Timóteo 4:1-5

Alimentos Impuros

11 de abril de 2012

“Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade; pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável, porque pela palavra de Deus e pela oração, é santificado” (1 Timóteo 4:1-5).

1.   Paulo está falando sobre apostasia e introdução de heresias na igreja e não sobre alimentos imundos supostamente purificados no Novo Testamento.

2.    Entre as proibições heréticas estava “abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graça”. Deus não criou nenhum animal para servir de alimento.

(Gênesis 1:29) – E disse Deus ainda: Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a terra e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento.

(Gênesis 1:30) – E a todos os animais da terra, e a todas as aves dos céus, e a todos os répteis da terra, em que há fôlego de vida, toda erva verde lhes será para mantimento. E assim se fez. Deus criou as frutas, nozes, sementes e verduras para alimentação do homem; e a erva do campo para alimentação dos animais.

3.    O verso 4 diz que “tudo o que Deus criou é bom”, e em realidade assim é, pois o texto confirma Gênesis (Gênesis 1:31) – “Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia.” “E recebido com ações de graça, nada é recusável”; aqui Paulo está condenando a abstinência de alimentos que Deus criou para serem “recebidos com ações de graça”, e sendo que tudo o que vem de Deus é bom, inclusive os alimentos para uso do homem, nada deve ser recusado.

Note que o texto bíblico não está falando de animais imundos ou proibidos de maneira específica. Paulo está rebatendo ensinamentos mentirosos que surgiram entre os cristãos dissidentes. Estes ensinavam que tudo o que estava relacionado à matéria era essencialmente mau e, portanto, deveria ser abandonado. Na lista de coisas más estava o matrimônio e certos tipos de alimentos. Paulo confronta esses ensinamentos com a verdade de que tudo o que Deus criou é bom para o propósito que foi criado (1 Timóteo 4:4).

O verso 5 reforça dois princípios importantíssimos: (1) A Palavra de Deus (Bíblia) é a norma pela qual o cristão deve viver. De acordo com a Bíblia tanto o casamento como a os alimentos foram criados por Deus e, portanto, são sagrados (separados). Há na Bíblia uma clara distinção dos alimentos que podem ou não ser consumidos (ver Levítico 11); (2) por meio da oração o casamento e os alimentos são abençoados e consagrados (1 Timóteo 4:5). Porém estas bênçãos não são aplicadas a uma união matrimonial contrária à vontade de Deus nem aos alimentos impuros.

Equipe Biblia.com.br