Diretório de artigos

Pesquise por termo ou palavra chave

a b c d f g h i j l m n o p q r s t u v x z

Sei que o diaconato é uma ordenança divina, porém nos contexto bíblico era uma ocupação voluntaria que abrangia uma série de atividades. Porque hoje, quando se fala nesse cargo a maioria das pessoas só pensa em alguém para cuidar da ordem dos cultos?

Olá,

Você tem razão. Os diáconos poderiam realizar muito mais do que realizam atualmente. Históricamente a abrangência das funções dos diáconos foi diminuindo. É possivel até certo ponto reverter esta tendência e trazer à este importante cargo, que inclusive recebe a imposição de mãos, nova valorização.

Envio-lhe a seguir um estudo de várias páginas a respeito.

O DIACONATO À LUZ DO NOVO TESTAMENTO

CAPíTULO I

ORíGEM

No Novo Testamento os diáconos apareceram pela primeira vez na igreja de Jerusalém. Conforme vemos em Atos 6:1-6, as viúvas helenistas estavam sendo esquecidas na distribuição diária. Uma murmuração começou a surgir. Fazia-se necessário tomar prontas medidas para restaurar a paz e a harmonia entre os crentes.
Foi então que “o Espírito Santo sugeriu um método pelo qual os apóstolos poderiam ficar isentos da tarefa de repartir com os pobres ou tarefas similares, pois deviam ser deixados livres para pregar a Cristo.”
Assim surgiu o ofício cristão do diaconato. “Sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria”, foram escolhidos para auxiliarem os apóstolos. A decisão agradou a igreja. Após a imposição das mãos saíram eles para cumprir sua função. Sabemos que fizeram um bom trabalho pelos resultados que se seguiram: “crescia a palavra de Deus e, em Jerusalém, se multiplicava o número dos discípulos, também muitíssimos sacerdotes obedeciam a fé.” (Atos 6:7).

O termo no Novo Testamento

Em Atos 6:2 lemos: “Então os doze convocaram a comunidade dos discípulos e disseram: Não é razoável que nós abandonemos a palavra de Deus para servir às mesas”. Aqui encontramos a palavra diakonein que significa “servir”, particularmente “servir as mesas”. Este é o significado original da palavra “diácono”, embora a própria palavra não seja aqui usada.
O conceito de servir expresso por esta palavra é bastante esclarecedor. Representa um serviço feito em genuíno amor, uma atividade significativa para a edificação da comunidade.
No N.T. diakonía aparece 34 vezes,a forma verbal diakonéo “servir”,37 vezes, e o substantivo diáconos, 29 vezes.
Num sentido geral o termo diáconos é aplicado para:
a) o “servo” de um rei (Mat 22:13).
b) ministros (Rom 13:4; literalmente “diáconos de Deus,” isto é: aqueles através dos quais Deus leva avante sua administração na terra).
c) Paulo e outros apóstolos (I Cor 3:5; II Cor 6:3; I Tess 3:2).
d) professores da religião cristã (chamados “diáconos de Cristo” em II Cor 11:23; Col 1:7; II Tim 4:6)
e) Cristo ,chamado de “ministro (literalmente, “diácono”, Rom 15:8) da circuncisão”.como dedicando-se para a salvação dos Judeus.
No sentido técnico de um “cargo da igreja cristã” a palavra diakonos só aparece duas vezes no Novo Testamento; em Filip 1:1 e em I Tim 3:8-13. Mais adiante iremos analisar mais atentamente estas passagens. Vale ressaltar que em nenhum momento o uso da palavra transmite a idéia de inferioridade.

Função e objetivo do ofício

É geralmente aceito que a orígem do diaconato se deu com a escolha dos “sete” como auxiliares dos apóstolos. Mas não podemos saber com certeza qual era específicamente o trabalho destes ofíciais. Sua obra pode ser deduzida mais pela função que assumiram mais tarde.3
Ao que parece estes ofíciais atendíam as necessidades individuais dos membros bem como os interesses financeiros da igreja. Sua atuação foi muito importante para manter a igreja unida.4
As igrejas primitivas eram sociedades de caridade, tomando conta das viúvas e órfãos, dispensando hospitalidade aos estrangeiros e aliviando as necessidades dos pobres. A tarefa dos diáconos era atender as necessidades dos pobres e dos doentes e ministrar a mesa nas festas de amor diárias.5
“A escolha de homens para efetuarem os negócios da igreja, de modo que os apóstolos pudessem ficar livres para seu trabalho especial de ensinar a verdade, foi grandemente abençoado por Deus”6
“O fato de terem sido estes irmãos ordenados para a obra especial de olhar pelas necessidades dos pobres, não os excluía do dever de ensinar a fé. Ao contrário, foram amplamente qualificados para instruir a outros na verdade; e se empenharam na obra com grande fervor e sucesso.”7
Dentre os objetivos do trabalho dos diáconos podemos destacar os seguintes:8

Promover a paz nas igrejas. Algo que tornou necessária a criação do diaconato , como vemos no capítulo 6 de Atos, foi a proteção e a promoção da paz interna na igreja. Não sabemos até que ponto a igreja de Jerusalém estava dividida. Certo é que a murmuração tomava proporçÕes perigosas. Os diáconos pelo seu zelo e amor desprendido conseguiram curar a ferida e restaurar a harmonia. O grande e principal dever do diácono nas igrejas neotestamentárias é defendeer e promover a camaradagem entre os irmãos.
Deixar desembaraçados os ministros. Numa igreja em franco crescimento como a de Jerusalém, havia muito serviço a ser feito. Os diáconos foram escolhidos como auxiliares do apóstolos a fim de que estes pudessem se dedicar mais à oração e ao ministério da Palavra. Se os diáconos foram necessários numa igreja de organização simples e rudimentar como a igreja de Jerusalém, quanto mais são necessários hoje nas grandes igrejas.
Promover o bem-estar dos crentes. Outro objetivo claro na eleição dos primeiros sete diáconos foi a promoção do bem-estar dos que faziam parte da igreja. Os membros precisavam e ainda precisam saber que são amados e apreciados de uma maneira real. Necessitam ser atendidos em suas necessidades básicas de alimento, vestuário e moradia. Algumas vezes necessitam intrução e encorajamento. Os diáconos nisto podem prestar excelente serviço
Dar um testemunho mais eficaz. Vê-se claramente que se criou o diaconato para que a igreja pudesse testemunhar mais eficazmente do poder do evangelho. Esta será sempre a empolgante finalidade de toda atividade eclesiástica. O plano deu certo, pois “a palavra de Deus crescia, e em Jerusalém se multiplicava muito o número dos discípulos, e grande parte dos sacerdotes obedeciam a fé” (Atos 6:7). Estas palavras nos fazem ver que há uma promessa divina para toda igreaj que conservar e usar devidamente o ofício do diaconato.
Reforçar a liderança. A maior justificativa para a criação do diaconato está no fato de contribuir ele no sentido de fortalecer a liderança. Não importa qual a habilidade diretora que o diácono possui ele deve lembrar-se que está contribuindo para maior eficiência da liderança de sua igreja local. Nem todos os diáconos lideram. Mas todos eles devem ser exemplares, e podem desenvolver-se em força e excelência.

Qualificações para o diaconato

Sendo que a obra dos diáconos é de interesse vital para a igreja, quais as qualificaçÕes Bíblicas que se espera deles? Para responder a esta pergunta nos voltaremos para Atos capítulo 6 e I Timóteo capítulo 3.
Antes porém uma palavra de esclarecimento. Embora todas as qualidades apresentadas a seguir devam ser encontradas em todas as pessoas que são separadas para este ofício,nenhum diácono possui todas estas qualificaçÕes em estado de perfeição. Espera-se que uma pessoa sincera e dedicada ao estar trbalhando para Deus estará desenvolvendo suas habilidades constantemente.
Comecemos pelo texto de Atos 6:3:
“Mas, irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço.”

“Boa reputação”. A palavra grega usada no livro de Atos para “boa reputação” é muito interessante. Quer dizer “:pessoas de quem os homens falam somente coisas boas”32 Os homens eleitos para o diaconato devem ser pessoas que gozem de boa reputação no consenso popular.

“Cheio do Espírito Santo”. Estar cheio do Espírito Santo é estar completamente entregue à sua direção. Significa sinceridade absoluta, dedicação de corpo e alma. Isto constitui o chamado a uma dedicação total, a uma renúncia completa do próprio eu e de tudo , ante a presença de Deus.

“Cheio de sabedoria”. Este vocábulo no Novo Testamento significa a sabedoria daquele que é dirigido pelo Espírito Santo. Sabedoria aqui não significa que o diácono tem que ser um homem letrado. Na verdade os homens somente escolhem bem quando se entregam para serem dirigidos por Deus.

“homem de negócios”. A escolha dos primeiros sete indica que eles foram escolhidos pelos apóstolos para uma tarefa específica: “aos quais encarregaremos deste serviço”.
O serviço era de natureza material, o cuidado dos pobres e necessitados, mas com um profundo objetivo espíritual. Sem levar muito longe o significado atual do termo poide-se afirmar que os sete eram homens de negócios.
Qualquer serviço que seja necessário para o bem estar dos membros e para colaborar na pregação do evangelho deve estar na preocupação dos diáconos.

As necessidades e os problemas que os sete diáconos enfrentaram no primeiro século da Igreja Cristã são ainda os mesmos deste nosso século. Essa é uma obra divina e aqueles que são escolhidos para esta nobre função devem estar seguros de sua elevada importância. No trancorrer da história deram eles mostras de sua relevância para a igreja cristã. xxx
Se analisarmos o diaconato através da história veremos o quanto eles foram importantes para o desenvolvimento da igreja e como cumpriram os seus objetivos básicos.

CAPíTULO II

DESENVOLVIMENTO

Procuraremos agora suscintamente analisar o diaconato através da história. Segundo hermann W. Beyer sua atuação ao longo dos séculos tem sempre sido atender o serviço divino no culto público e o serviço externo na comunidade. Entretanto em cada época algumas características se salientaram.9
Nos dias apostólicos a principal função dos diáconos era a administração e os serviços práticos. Tinham eles sob seus cuidados a supervisão da distribuição dos fundos para as viúvas, para os órfãos e para os comprovadamente pobres.9

O Diácono nos tempos pós-Apostólicos

Algúm tempo depois dos tempos apostólicos a função do diácono passou a ser ajudar o presbítero nas partes subordinadas do culto público e na administração dos sacramentos.10
No período patrístico seu ofício era desempenhado até o fim da vida e suas funçÕes variavam de um lugar para outro. Além de seus deveres oríginais de cuidar dos pobres e doentes, eles batizavam, distribuíam o copo sacramental, proferíam as oraçÕes nas igrejas e não raro pregavam.”12
Nesta época os diáconos, presbíteros e bíspos constituíam o ministério, e seu trabalho era de tempo integral.11 O diaconato era um degrau para o presbitério.13 Entretanto algúns diáconos tinham mais acesso aos bíspos que os próprios presbíteros.14 e não raro consideravam a ordenação ao presbitério como um rebaixamento.15
De uma carta do Bíspo Cornélio de Roma escrita em c. 251 dC sabemos que naquela época sob a supervisão de um único Bíspo havia 46 presbíteros e 7 diáconos na cidade de Roma.16 Nesta cidade sua influência foi particularmente expressiva devido à sua associação com o papa.18
O crecimento da influência dos diáconos deu lugar contudo à abusos. Tanto que já no Conçílio de Nicéia (325; can. l8) seus poderes foram limitados, e o Concílio de Toledo em 633 e o Sínodo de Trullan em 692 tiveram que salientar sua inferioridade hierárquica ao presbitério. Sua influência diminuiu consideralvelmente durante a Idade Média.
Nesta época o “serviço de amor” foi substituído pela busca do ganho financeiro e pela preocupação com a hierarquia. Os diáconos passaram a considerar as atividades do culto público como mais importantes do que o atendimento aos pobres e doentes. XXX
A influência do diaconato diminuiu consideravelmente durante a Idade Média, e na maioria das igrejas episcopais ocidentais nos tempos modernos tem se tornado simplesmente um estágio na preparação para o sacerdócio.19

Os Diáconos em nossos dias

Na Igreja da Inglaterra o clérico começa seu trabalho ministerial tornando-se um diácono, e geralmente permanece por um ano. Como diácono ele não pode celebrar a Eucaristía.
Na Igreja Católica Romana as regras são praticamente as mesmas. Por muitos séculos o diácono dificilmente tinha qualquer outra função além de auxiliar na Santa Ceia e no Batizado (benedition). Somente com permissão especial poderia ele pregar ou administrar o Solene Batismo, embora ainda retivesse o direito de entoar o Evangelho, apresentar as oferendas ao celebrante, convidar a congregação para orar e participar das recitaçÕes litúrgicas. Devido ao curto espaço de tempo que se fica no diaconato e consequentemente a escassês de diáconos, as funçÕes litúrgicas próprias a um diácono são frequentemente desempenhadas por um sacerdote. O Concílio Vaticano Segundo visou a possibilidade da restauração de um diaconato permanente, ao permitir Bíspos em certos casos ordenar ao diaconato homens casados já de idade, embora homens jovens ordenados ao diaconato deveriam ainda estar sujeitos ao celibato.19
Em muitas das igrejas Protestantes o nome Diácono é aplicado àqueles que desempenham alguma função do ministério. Na igreja Luterana a palavra “diácono” é aplicada para ministros paroquiais assistentes, mesmo embora eles constituam uma ordem Luterana separada. Calvino reconhecia duas classes de diáconos, aqueles que administravam as doaçÕes e aqueles que cuidavam dos pobres e doentes.
No Presbiterianismo as funçÕes dos diáconos permanecem praticamente as mesmas que no Luteranismo. Há também provisão para uma comissão de diáconos, diretamente responsável ao presbitério e que se ocupa da apropriada distribuição das finanças da igreja. Onde não há esta comissão de Diáconos estas funçÕes são desempenhadas pelos Anciãos.
Na Igreja Batista e nas Igrejas Congregacionais aos diáconos são confiadas funções mais definidamente espirituais. Eles auxiliam ao pastor e também distribuem os elementos na Comunhão.20

Vemos assim a importância que era dada aos diáconos no passado. Entretanto observa-se nas últimas décadas nas igrejas cristãs o seguinte quadro: muitos diáconos se sentem inferiorizados neste ofício e necessitam de uma visão mais clara de seus elevados privilégios.

CAPíTULO III

IMPORTÂNCIA DO CARGO

O Diaconato é uma importante função dentro da igreja Cristã. Ao lado do ministério da Palavra é o único cargo que recebe a ordenação Bíblica. Mas analisemos com franqueza: nas nossas igrejas hoje, há muita gente que ocupa posiçÕes de responsabilidade. São professores da Escola Sabatina, diretores de departamentos, participantes do coral e de muitas outras atividades.uitas vezes essas pessoas dedicam muito mais tempo à igreja do que mesmo os diáconos. Há necessidade de um ofício que dê honra a uns poucos quando a vasta maioria das pessoas que realizam os trabalhos da igreja não estão incluídos neste ofício?
Há quem sugira que se constitua diácono a todo aquele que exerce algúm ofício na igreja, seja homem ou mulher. Embora seja um pensamento estranho à princípio, seu raciocínio é correto. Os diáconos devem estar envolvidos em tudo aquilo que seja essencial para o desempenho da missão da igreja. Se este não é o caso provavelmente os diáconos não estão cumprindo com sua legítima função escriturística.
Outros porém vão para o extremo oposto. Sugerem que o ofício do Diaconato não é mais relevante hoje. Seria este o caso? Cremos que não.
Vejamos duas citaçÕes de Ellen G. White:
“É necessário que a mesma ordem e sistema sejam mantidos na igreja agora como nos dias dos apóstolos. Os que são escolhidos por Deus para serem líderes em Sua causa, tendo a supervisão geral dos interesses espírituais da igreja devem ser aliviados tanta quanto possível de cuidados e perplexidades de natureza temporal.”24
“Aqueles a quem Deus chamou para ministrar em palavra e doutrina devem ter tempo para meditação e oração, e estudo das Escrituras. Seu claro discernimento espiritual é diminuído ao entrarem em mínimos detalhes de negócios e no trato com os vários temperamentos das pessoas que se reúnem em qualidade de igreja. É próprio que todos os assuntos de natureza temporal se apresentem perante os oficiais qualificados e sejam por eles ajustados. Mas se são de caráter tão difícil que fruste sua sabedoria, devem ser levados ao conselho daqueles que tem a supervisão de toda a igreja.”
Do transcrito acima vemos que há uma tarefa muito importante confiada aos diáconos, que os anciãos e pastores não devem fazer em seu lugar.
Robert E. Naylor assim se expressou: “de acordo com o Novo Testamento, nada há que melhor multiplique a eficiência do púlpito do que um grupo de diáconos trabalhando fiel e lealmente para cumprir diligentemente a tarefa que a igreja lhes confiou.”26 XXX
Valorizemos pois este ofício de todas as maneiras possíveis.

Escolha dos Diáconos

Uma das melhores oportunidades de valorizar os Diáconos se dá quando realizamos as comissÕes para apontar os cargos da igreja para um novo ano eclesiástico.
A igreja deve estar instruída sobre as qualidades que devem esperar dos homens escolhidos para servirem como diáconos. Estes por sua vez, devem estar dispostos a ser tudo quanto Deus espera deles. Devem compreender que a fim de alcançarem a alta norma que se espera deles devem crescer na graça constantemente.

Como são escolhidos? Um homem pode possuir todas as qualificaçÕes para o cargo e ainda assim não servir como diácono
. A igreja é quem escolhe os diáconos. Não é a pessoa que decide se tem ou não qualidades para ser um diácono. Como é um serviço que está sendo oferecido necessário se faz um chamado.27
É recomendável que a Comissão da igreja ou o grupo que está encarregado de apresentar as indicaçÕes para os novos cargos, façam um minucioso exame de todos os nomes que aparecem no rol de membros da igreja, a fim de descobrir quais irmãos tem condiçÕes de preencher este cargo. A seguir então podem apresentar estes nomes para que a igreja os aprecie.
Algo a ser lembrado é que a escolha deve ser feita pela congregação, e não apenas por um grupo da igreja. Deve ser feito de modo democrático, permitindo aos eleitores expressarem seu juízo. Além disso deve haver um espírito de oração, um desejo sincero de seguir as orientaçÕes do Espírito Santo.
Que métodos de seleção podem ser utilizados? A seguir apresentamos quatro que são os mais comuns:
a) Indicação pelos diáconos. Os novos diáconos são indicados pelos diáconos em exercício. Quando o corpo de diáconos sente a necessidade de mais diáconos faz um estudo dos prováveis nomes e os apresenta à igreja.
Este método tem algumas desvantagens. Geralmente não é realizado a intervalos muito regulares. Quando alguém faz notar a sua presença na igreja então começa-se a pensar em apontá-lo como diácono. Além do mais as indicaçÕes para os novos diáconos partirem do atual grupo de diáconos tem a tendência de fazê-los sentirem-se um grupo auto-suficiente. Algumas decisÕes poderão ser tomadas tendo em vista mais os interesses do grupo do que os da própria igreja como um todo.
b) Indicação pelo pastor. Embora não tão usado, este método ainda é seguido por algumas igrejas. O pastor analisa quais as pessoas da congregação que a seu ver demonstram condiçÕes de assumirem este cargo e os aponta para serem eleitos.
A seleção feita pelo pastor não é o método mais salutar para uma igreja. Ele deve sim ser consultado. Mas para um cargo tão importante é recomendável que um grupo mais representativo da igreja estude o assunto.
c) Indicação feita diretamente pela congregação. Neste método os membros da congregação escrevem num pedaço de papel os nomes daqueles que gostaríam de ver atuando como diáconosOs mais votados são os eleitos. Se algúm nome for eleito e não tiver habilitaçÕes ou condiçÕes para o cargo, alguém deve apresentar objeçÕes.
Alguns acham que este método é embaraçoso. Porém se for seguido um espírito de amor, resultará numa igreja satisfeita e num grupo de diáconos bastante conciente da importância de serem exemplos em todas as coisas.
d) Indicação pela comissão de nomeaçÕes. Uma comissão especial eleita para a ocasião, ou uma comissão permanente (como muitas igrejas costumam ter), apontam os nomes para que a igreja os escolha.
Este método apresenta algumas vantagens sobre os demais. A comissão é representativa dos membros da igreja e eleita pela igreja. Os membros desta comissão sabem que suas consideraçÕes deverão ser de molde a fortalecer a igreja sem qualquer tendência para preferências pessoais ou de grupo.
Esta comissão de nomeaçÕes pode por sua vez ser apontada pela atual comissão da igreja, pelo pastor, ou por uma comissão especial apontada diretamente pelos membros da igreja. Mas vale lembrar que tanto para se constituir esta comissão como para se aprovar os nomes apontados por ela, a igreja é quem deve proceder a eleição, através do voto da maioria de seus membros numa reunião convocada para isso.

ObservaçÕes gerais sobre o método. Qualquer um dos métodos acima serão bem sucedidos numa igreja que ora e trabalha unida. Mas quando a igreja sente ter tido um participação realmente significativa na eleição de seus diáconos, muito provavelmente irá encorajá-los e apoiá-los, para que desempenhem bem o seu ofício.
Sempre será mais democrático apontar pelo menos o dobro dos nomes que deverão afinal serem escolhidos, para então proceder a votação pela igreja.
A eleição deverá ocorrer numa reunião em que toda a congregação foi préviamente avisada. De preferência numa reunião de negócios da igreja. Se for num dia de culto de adoração será recomendável pedir para que os visitantes saiam a fim de que apenas os membros da igreja participem. Isto possibilitará que a escolha seja conduzida de modo franco e responsável

Valorização dos Diáconos

A fim de que os diáconos trabalhem bem muito depende do tratamento que eles recebem da parte da igreja. Após serem escolhidos é importante ser organizada uma significativa cerimônia de ordenação.
A cerimônia de ordenação “é uma linda cerimônia em que se reconhece a idoneidade dos eleitos, em que se aprova a eleição feita e que enseja a benção que acompanha o ofício.”28
Conforme o Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia à página 78, “O sagrado rito da ordenação deve ser efetuado com simplicidade na presença da igreja e por um ministro ordenado.” O dia e a hora desta reunião devem ser amplamente divulgados. É um momento muito solene da vida da igreja e da vida dos ordenandos.
A ordenação deve ser conduzida por um ministro ordenado e pode consistir numa breve referência à função do diácono,às qualidades requeridas desse servidor e aos principais deveres que estará autorizado a desempenhar na igreja.
A seguir procede-se a imposição de mãos. A oração de ordenação comumente é feita pelo pastor mas este pode convidar um dos Anciãos da igreja para fazê-la, de preferência consultando os ordenandos para isso. A oração com imposição das mãos é um sinal de reconhecimento de uma instituição divina e de aceitação e encorajamento num maravilhoso companheirismo.
Após a imposição de mãos é muito apropriado que os membros da igreja cumprimentem os recém-ordenados. Este é um momento muito saudável de camaradagem cristã que não deveria ser negligenciado. Os diáconos podem permanecer em frente da igreja e os membros serem convidados para cumprimentá-los ou então eles podem permanecer à saída para receberem os cumprimentos da igreja.
Os diáconos necessitam de incentivo. Deve haver compreensáo e carinho dos membros da igreja para com eles. E os programas e objetivos da igreja devem ser bem definidos a fim de que eles possam saber o que se espera deles, e corresponder à altura. Diáconos valorizados farão grandes coisas pela igreja e para Deus.

Deveres dos Diáconos

Com a eleição e a ordenação abriu-se um novo dia na vida do diácono. Está ele ansioso para cumprir o seu papel. E para tanto é fundamental que seja colocado perante ele seus deveres e responsabilidades.
Algumas das tarefas comumente assignadas aos diáconos são as seguintes:

O serviço da Santa Ceia. Os diáconos, juntamente com o pastor e os anciãos, devem estar encarregados de planejar e preparar a celebração da Ceia. Cada diácono deve estar bem certo do lugar que deve ocupar e da parte que vai tomar na celebração.
“Antes da cerimônia iniciar devem os diáconos colocar a mesa no lugar depois de haver sido posta pelas diaconisas. Em seguida devem eles sentar-se na primeira fila de assentos, com a frente para a mesa sobre que se acham os emblemas. Depois de haver o pastor ou o ancião pedido a bênção sobre o pão e havê-lo partido, passará ele a bandeja aos diáconos. Estes passarão em seguida o emblema à congregação. Depois de servir o povo, os diáconos devolverão as bandejas ao ancião ou pastor, o qual serve então os diáconos. …Todos devem então sentar-se.”
“Grande cuidado deve ser exercido quanto ao destino a ser dado a qualquer sobra de pão ou vinho depois que todos tenham participado desses emblemas. A sobra do vinho que haja sido abençoado deve ser derramada na terra. A sobra de pão que tenha sido abençoada deve ser queimada.”
“Na celebração da ordenança do lava-pés, os diáconos ou as diaconisas provêem toalhas, bacias,água (morna ou fria, conforme o exigir a estação), baldes,etc. Depois da cerimônia, devem cuidar de que os objetos usados sejam lavados e repostos em seu devido lugar.”
É recomendável que os diáconos e as diáconisas mantenham uma relação de todos os utensílios para a Santa Ceia e o Lava-pés. Devem eles cuidar para que sejam em quantidade apropriada de acordo com o número de membros. Recomenda-se que o número de bacias e toalhas seja no mínimo uma para cada quatro membros da igreja, ou seja uma para cada duas duplas. Entretanto o ideal é haver uma bacia e duas toalhas para cada dupla que costuma participar, pois assim ninguém precisará ficar esperando e a cerimônia transcorrerá muito mais rapidamente.

A cerimônia batismal. Os diáconos devem ajudar nas cerimonias batismais, cuidando para que o tanque batismal com antecedência seja cheio com água e também aquecido quando necessário. Podem auxiliar muito a fim de que a cerimônia inicie à tempo e em ordem.
Convém que os diáconos e diaconisas, respectivamente auxiliem os homens e as nulheres que irão se batizar a vestirem suas becas e assentarem-se no lugar devidamente reservado para eles na igreja. Durante o batismo podem orientar os que irão se batizar quanto ao momento e o modo de entrarem no tanque batismal. Se uma pessoa inválida ou muito pesada exigir o auxílio de alguém mais dentro do tanque um diácono poderá auxiliar o pastor que está batizando. Quando os batizandos saem do batistério os diáconos e diaconisas es encaminham ao local apropriado para estes trocarem as roupas molhadas e os reconduzem para receberem os cumprimentos da igreja.
Após o término da cerimônia espera-se que os diáconos e diaconisas sequem o chão das salas da igreja que foram utilizadas pelos batizandos. A diaconisa-chefe designa alguém para lavar e passar as becas batismais, e o diácono-chefe providencia para que alguém esvasie o tanque batismal.

A coleta de dízimos e ofertas. Muitas coisas podem ser ditas quanto à coleta de dízimos e ofertas pelos diáconos na hora dos cultos da igreja. Embora eles possam designar outros para procederem a coleta das ofertas, mesmo não sendo diáconos, é recomendável que eles mesmos a façam pois são as pessoas mais idôneas para tal. Devem estar bem vestidos, e procederem a coleta com toda a dignidade. Para isso é bom que sejam escalados com antecedência.
Quando a plataforma entra para o culto público os diáconos podem entrar junto com eles para recolherem as ofertas. Devem procurar percorrer os bancos ao mesmo tempo demonstrando assim cuidado e esmero no que fazem. Após recolherem as contribuiçÕes é adequado postarem-se à frente da igreja para ser pronunciada uma oração pedindo as bençãos de Deus sobre os ofertantes e as ofertas.
Bom hábito é dois ou mais diáconos contarem as ofertas e então as entregarem ao tesoureiro recebendo dele um recido em nome da congregação. Mas a contagem não deve ser feita na hora do culto.

Freqüencia aos cultos. A presença dos diáconos em todos os cultos públicos da igreja é muito importante. Eles tem sempre algo a fazer nos cultos pçublicos e por isso sua ausência prejudica mais a congregação do que a ausência de qualquer outro membro. Além do mais é bom lembrar que os únicos oficiais da igreja mencionados no Novo Testamento são o pastor e o diácono. Ele deve se interessar por todas as atividades da igreja fazendo juz ao lugar de honra para o qual foi eleito.
Recepção aos visitantes. Os diáconos geralmente são responsáveis de dar as boas-vindas aos membros e às visitas. Quando alguém chega à igreja pela primeira vez e é bem recepcionado sem dúvida haverá de lembrar-se sempre desta agradável acolhida. Se for necessário o diácono pode ajudá-los a encontrarem lugar. O mais importante é demonstrar-lhes que nos interessamos pelo seu bem estar e que estamos alí para auxiliá-los em qualquer necessidade. Um bom atendimento aos que chegam à casa de Deus, contribui muito para que os visitantes sintam o desejo de voltar outras vezes à igreja.
Os diáconos devem ser os melhores recepcionadores da igreja. Precisam considerar algumas técnicas para bem receber. Devem analisar quantos recepcionistas sào necessários e quais os lugares em que eles devem ficar. É bom escolher um diácono para ser o presidente do grupo recepcionador, o qual pode ou não ser o diácono-chefe.
Nalgumas lugares o seguinte plano é adotado: os diáconos espalham-se através da igreja em lugares pré determinados e procuram ser amigáveis às pessoas que se sentam próximos à eles. Assim quanmdo um visitante chega poderá receber um sorriso e um cumprimento e se não possui um hinário o diácono providenciará para ele. Neste sistema de quando em quando é necessário que os diáconos tendo servido num lado da igreja mudem para outro lado ou lugar a fim de ficarem conhecendo um novo grupo de gente.
Os diáconos devem ser conhecidos como as pessoas mais simpáticas da igreja.

Responsabilidade pelo púlpito. Os diáconos geralmente não são os responsáveis pela escolha de quem haverá de estar pregando nos diversos cultos da igreja. No entanto tem uma importante obra a desempenhar com relação a este assunto. Os diáconos servem a igreja como oficiais capacitados por Deus, e quando o pregador se levanta é muito apropriado que eles ergam à Deus uma prece por aquele que vai trazer a mensagem bíblica. Isto faz muito bem ao pregador e propicia muitas bençãos aos adoradores.
Quando o pregador apontado não comparece à tempo e nenhum ancião está presente é de se esperar que o diácono tenha algo espiritual a repartir com os membros que alí se encontram. O diácono devería estar sempre preparado para repartir algum conhecimento da palavra de Deus.

Cuidado do templo. É dever dos diáconos providenciar para que o edifício da igreja seja mantido limpo e em bom estado de conservação. O terreno da igreja deve estar bem cuidado, livre de mato ou de sujeira e ser o mais atraente possível.
A propriedade da igreja está sob o cuidado dos diáconos. Se algum móvel necessita de reparo ou se o prédio precisa de uma nova pintura ninguém mais propriado que os diáconos para decidirem sobre o assunto. É recomendável que os diáconos mantenham uma lista atualizada de todos os objetos e pertences da igreja. Devem eles manter estrito controle de tudo aquilo que foi adquirido pela igreja. Todas as contas de consertos, água, luz, impostos etc. devem ser por eles encaminhadas ao tesoureiro para serem pagas.
Quando numa igreja maior se faz necessário o trabalho de um zelador, os diáconos devem recomendar à comissão da igreja para empregar este auxiliar. Se a comissão da igreja desejar poderá encarregar os diáconos para providenciarem tal pessoa.
Mesmo que haja uma pessoa encarregada pela limpeza da igreja, os diáconos devem interessar-se pelo templo e mesmo orgulhar-se dele. Se ao chegarem à igreja observarem que algo não está em seu devido lugar, devem fazer tudo para suprir esta necessidade. Esperar que o culto começe para depois ver o que esta faltando certamente não é o que se espera de um diácono eficiente.

Planos de construção. Sempre que uma igreja precise ser construída ou aumentada, os diáconos juntammente com a comissão de construção deveríam estudar o assunto e propor um plano de atuação.
Projetos de construção são bastante caros e exigem um grande envolvimento de toda a igreja e deve-se dar ao assunto toda a atenção antes de se começar a construir. Um esboço da futura planta, detalhes da cor e do material a ser utilizado quando apresentados com antecedência à igreja dão uma idéia de organização, ajudam a evitar desentendimentos futuros e também reduzem os custos.
Ao construir templos devemos fazê-lo com o máximo de economia possível, pensando nos campos missionários que também necessitam de nossas ofertas. As vezes alguns membros da igreja pensam num projeto de construção muito dispendioso que trará dificuldades futuras à igreja. Os diáconos são os homens que devem ter a visão de Deus nesta questão de construção de templos.

A comissão de finanças. Outro assunto que tem muito a ver com os diáconos é a comissão de finanças da igreja local. Embora os seus membros (geralmente eleitos pela comissão da igreja) não sejam exclusivamente diáconos é natural que muitos deles o sejam. Quando a própria comissão da igreja deseja se constituir na comissão de finanças é recomendável convidar alguns diáconos experientes para colaborarem nesta atividade especial.
A comissão de finanças é quem elabora o orçamento das receitas e despesas da igreja para o ano seguinte. Seu trabalho deve levar em consideração o relatório das despesas do ano anterior apresentado pelo tesoureiro. Devem também considerar atentamente as necessidades da igreja conforme apresentado pelos líderes de departamentos e também pelo pastor. Então o orçamento deve ser apresentado à igreja para ser discutido por ela. Qualquer membro da assemblélia pode pedir esclarecimentos, se achar necessário.. Por fim a igreja vota o orçamento. O orçamento é a vontade expressa da igreja no que respeita à distribuição dos fundos arrecadados.

Programa de evangelização. Toda e qualquer organização cristã tem como dever primordial levar avante a grande comissão de Jesus: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as naçÕes, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século.” (Mat 28:l9-20). Este é o maior dever de todas as igrejas cristãs. Por isso o diácono deve sentir ser seu primeiro dever ser um ganhador de almas com os talentos que lhe foram confiados por seu mestre.
Devido à sua consagração e interesse na obra os diáconos juntamente com o pastor devem organizar um programa de evangelização visando envolver os membros.
“Aqueles que são eleltios como anciãos e diáconos devem estar sempre alerta para que planos possam ser feitos e postos em prática os quais darão a cada membro da igreja uma responsabilidade em trabalho ativo para a salvação de almas. Esta é a única maneira pela qual a igreja pode ser preservada numa condição saudável e próspera.”
Podem escolher uma noite da semana para que os membros da igreja de dois em dois busquem ganhar alguém para Cristo. Podem se envolver na visitação à amigos procurando simpatizar com eles e também estudar a Bíblia com eles. Podem também organizar um grupo de oração intercessória por aqueles que estão próximos de uma decisão pela verdade.
Além do programa de evangelização continuada a igreja deve ter campanhas de evangelização especiais como semanas de reavivamento, evangelização por ocasião da semana da páscoa, séries de conferências, e dias especiais de decisão. Nestas datas importantes o diácono devería se empenhar de modo especial para levar alguém à casa do Senhor . Espera-se que ele possa dizer o seguinte nestas ocasiÕes: “Pastor, aqui está um amigo a quem ajudei a entregar o seu coração à Jesus e está preparado para ir à frente na hora do apelo.” Assim os diáconos, juntamente com os anciãos e o pastor estarão compondo uma verdadeira equipe evangelizadora.

Visitação aos membros. Outra responsabilidade importante dos diáconos é visitar os membros da igreja em seus lares. Nunca poderá ser suficientemente enfatizada a importância desta obra. Assim como os diáconos dos dias apóstolicos visitavam os membros procurando ajudar-lhes em suas dificuldades, assim também os diáconos modernos devem atuar.
Em muitas igrejas a visitação aos membros é feita dividindo-se os membros por distritos. A cada diácono se designa um distrito a fim de que este visite cada lar pelo menos uma vez por trimestre.
Hoje as pessoas vivem muito solitárias e geralmente sentem que ninguém se interessa por elas. Daí a importância dos diáconos visitarem aqueles que estiverem sob seus cuidados levando a certeza de que a igreja se preocupa por eles. Se algúm famíliar estiver desempregado ou doente o diácono procurará de todos os modos possíveis trazer uma solução ao problema. O dinheiro para o cuidado dos enfermos e para o socorro aos pobres deve ser provido pelo Fundo para os pobres da igreja. Mesmo que o diácono não consiga solucionar completamente a questão pelo menos a família sentirá que a igreja cuida e se preocupa pelo bem estar deles.

Apoiar a igreja. Os diáconos devem ter a firme convicção de a igreja é uma instituição ímpar. Fundada por Jesus. e movimentando-se sob sua orientação pessoal, ela merece toda a lealdade deles.
Crêr nas doutrinas Bíblicas, devolver um dízimo fiel, viver uma vida exemplar na família e na sociedade são algumas das maneiras pelas quais os diáconos apoiam a igreja.
Ao estar participando de comissÕes, dirigindo um departamento da igreja ou contribuindo com algum trabalho necessário os diáconos estão demonstrando sua lealdade à Cristo e Sua igreja.

Apoiar o pastor. O diácono deve sempre lembrar-se que o pastor é chamado por Deus para o ministério da Palavra. Sendo que o diaconato foi criado por Deus para tornar mais eficiente o ministério do pastor, é natural que este o apoie por todos os modos possíveis.
Pode haver ocasiÕes em que o pastor assuma uma atitude egoística e ditatorial. Mas mesmo assim o diácono não deve opor-se ao seu trabalho. Poderá ir até ele em espírito de amor e procurar fazer-lhe ver o seu erro. Mas jamais deve jogar a sua influência contra o homem que Deus dirigiu para estar servindo a sua igreja. É importante lembrar que a obra é de Deus e o próprio Deus cuidará do caso da melhor maneira e no momento apropriado.
“Os diáconos devem esperar de seu pastor certas coisas. Devem esperar que ele seja fiel à Bíblia, e que pratique aquilo que prega, estando seu caráter de pleno acordo com suas mensagens. Também o pastor, por sua vez, deve contar com as fervorosas oraçÕes dos diáconos e com seu estímulo e animação para bem cumprir seu ministério.”29

Como pudemos ver acima, muitas são as responsabilidades de um diácono. Seu cargo é de grande importância para a igreja local.
O diaconato é tanto um ofício público como privado. É um cargo e também uma dedicação de vida. É de atividade física mas de natureza espiritual. É importante para o evangelismo e também para a conservação dos membros.
Nas visitas aos membros da igreja, nos cultos da congregação, no trabalho de todas as organizaçÕes internas da igreja, o diácono não tem tempo a perder. Ele é um herói. “Sempre ativo, sempre ocupado, ele vai firmando cada vez mais os seus passos na gloriosa carreira para a qual Deus e a sua Igreja o chamaram.”30

Comentarios

Este artigo teve "7 Comentários"

    • Instrutor disse:

      Deus seja louvado sempre querido irmão, nos diga uma coisa, você frequenta algum igreja?
      Aguardamos seu retorno, conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço.

  • peço oração pelo meu esposo é Diacono passou a ficar sentado na igreja como se fosse uma distração sendo que ele se movimwentava tirava oferta se sento perto dele e acha ruim sou casada há 31 anos peço oração que Deus vem agir na vida dele e lhe mostra que super errado sentar perto de outras mulheres eu sei que é errado sendo que nao procuro urmão para setar perto é erradp antes tinha separação de mulheres e homens hoke e uma verdadeira bagunça mande para mim um estudo sobre o dever do Diacono na igreja sou da Assembleia de Deus missão

    • Instrutor disse:

      Querida irmã, nos diga qual o relacionamento que ele está tendo com Deus hoje. Outra coisa, você já chegou a conversar com ele sobre isso? O que ele diz?
      Aguardaremos seu retorno, conte sempre conosco, que Deus abençoe muito a sua vida, um grande abraço.

  • Alfeu Neres disse:

    Sou 1º diácono na IASD Albano Franco em N. Sª do Socorro – se, e graças a Deus, aqui na nossa igreja nós não temos problema algum. Da gosto trabalhar pra Deus sou muito feliz no que faço e agradeço a Deus em nome de toda ISAD e que o Senhor nosso Deus possa continuar nos abençoando.

  • maria jorge de assis disse:

    O diácono pode vir a ser um levita ou pastor.
    Mas enquanto diácono deve fazer o melhor.
    Eu e meu esposo já fomos diáconos eu queria só ser diaconisa mas me deram mais ministérios me sufocou eu não flui´os pastores deve ficar atento sobre isso hoje estamos em outra denominação meu marido quer ser diácono eu não.

  • vilmar lemes disse:

    Fui consagrado Diácono em um ministério, casei, vivi alguns anos com minha esposa, o casamento não deu certo, me afastei da igreja e fiquei algum tempo sem congregar. Hoje, graças a Deus estou novamente na igreja, em outro ministério e continuo com o mesmo trabalho que exercia no primeiro ministério. Sou auxiliar, mas respondo como Diácono. E vejo que infelizmente os pastores não estão se interessando em fazer um estudo mais aprofundado sobre a responsabilidade do diácono. Contrata-se secretários, assistentes sociais, motoristas, zeladoras, oque deveria ser, hoje, trabalho dos diáconos. Os Diáconos, querem pregar, dirigir cultos, louvores, etc…

Comente este artigo

Comente este artigo


Current month ye@r day *