biblia.com.br

Homossexualismo em Romanos 1

23 de novembro de 2015

Deus deu ao homem o livre-arbítrio, e respeita esta escolha, pois sem livre arbítrio não há bondade nem amor.

“Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão. Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam” (Romanos 1:25-28).

(1) Deus deu ao homem o livre-arbítrio, e respeita esta escolha. Em última análise nem mesmo Deus pode interferir nessa liberdade de escolha. Em Efésios 4:17-19 Paulo fala dos homens que se entregaram à lascívia, renderam a ela toda sua vontade. Oséias (4:17) tem a terrível sentença: “Efraim está entregue aos ídolos; deixa-o.” Colocou-se uma livre opção diante do homem. Tem que ser assim. Sem opção não pode haver bondade, e sem opção não pode haver amor. Uma bondade forçada não é verdadeira bondade; um amor forçado não é de maneira nenhuma amor.

Quando Paulo se refere a Deus como aquele que entrega os homens “a paixões vergonhosas”, a expressão “entrega” está desprovida de toda irritação furiosa. De fato, nem sequer sua nota principal é de condenação e juízo. Sua nota principal é de ansiosa e dolorosa tristeza, como a de um ser amoroso que fez todo o possível e não pode já fazer mais. Descreve exatamente o sentimento do pai que vê a seu filho dar as costas ao lar e ir embora a um país longínquo. Há muito mais tristeza que ira no coração do homem que experimenta semelhante coisa.

(2) E no termo “entrega” há mais que isto — há juízo. É um dos atos inflexíveis da vida que o pecado gera pecado. Quanto mais pecador é o homem mais fácil é para ele pecar. Pode começar pecando com certo estremecimento de consciência pelo que está fazendo, e acabar pecando sem nem pensá-lo. Não é que Deus esteja castigando o homem, mas sim ele se torna o castigo sobre si mesmo. Ele se empenhou em ser tal que é escravo do pecado. Os judeus sabiam, e tinham grandes ditados a respeito disso.

“Todo cumprimento do dever é recompensado com outro; e toda transgressão é castigada com outra.” “Quem quer se esforce por conservar-se puro recebe o poder para fazê-lo; e quem quer que seja impuro as portas do vício se abrem para ele.” “Quem levanta um amparo em torno de si está protegido, e quem se rende está entregue.” O mais terrível sobre o pecado é justamente este poder para gerar mais pecado.

A entristecedora responsabilidade do livre-arbítrio é que pode ser utilizado de tal maneira que resulta finalmente em destruição e o homem acaba se tornando um escravo do pecado, entregue ao caminho errôneo. E o pecado é sempre uma mentira, porque o pecador pensa que seu pecado poderá fazê-lo feliz, sendo que no fim arruína a vida, tanto para ele como para outros, neste mundo e no mundo vindouro.”¹ «Continue lendo»

Equipe Biblia.com.br
_________________________________

1 Comentário Bíblico William Barclay, p. 38-39.

Romanos 1:28 e a homossexualidade
Por que Deus não rejeitou Davi como fez com Saul?