biblia.com.br

Devo orar a Deus ou a Jesus para ser atendido? CD

11 de abril de 2012

Afirmar que a oração deve ser dirigida apenas a Jesus e não ao Pai é falta de conhecimento. Pode-se dizer que isso é, de certa forma, uma afronta a Deus. Ora, Cristo afirma que “Ele e o Pai são um” (João 10:30) e, portanto, orar ao Pai é orar a Jesus, pois Ele também é Deus e conhecido como o “Pai da Eternidade” (Isaías 9:6).
Mesmo que tenhamos de orar em nome de Jesus (João 14:13) e que Ele seja nosso intercessor (I Timóteo 2:5), podemos ir ao Pai como se estivéssemos indo a Cristo, pois o sacrifício dEle nos possibilita isso: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á. Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?” Mateus 7:7-11, grifos acrescidos. “Naquele dia, pedireis em meu nome; e não vos digo que rogarei ao Pai por vós. Porque o próprio Pai vos ama, visto que me tendes amado e tendes crido que eu vim da parte de Deus”. João 16:26-27. “Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais.” Mateus 6:6-8.
“Que conforto, que alegria, sentiríamos se aprendêssemos diariamente as lições que Ele deseja que aprendamos Devemos conhecê-Lo por meio de conhecimento experimental. Ser-nos-á benéfico gastar mais tempo em oração secreta, em relacionar-nos pessoalmente com nosso Pai celestial. Em nossa fraqueza, podemos ir a Ele, e pedir-Lhe que nos dê a compreensão do que Ele fará em nosso favor ao afastar de nós tudo o que é dessemelhante de Seu próprio caráter”. Review and Herald, 15 de agosto de 1907. Op. Cit. Medicina e Salvação, p. 102.
“Os ministros de Cristo devem vigiar em oração. Eles podem ir com ousadia ao trono da graça, levantando mãos santas, sem ira nem contenda. Podem, com fé, suplicar do Pai celestial sabedoria e graça, a fim de que possam saber trabalhar e lidar com o espírito das pessoas”. Obreiros Evangélicos, p.254.
Atenciosamente,
Leandro Soares de Quadros
Instrutor Bíblico – Conselheiro Espiritual

O que a Bíblia diz sobre a religião?
O que preciso saber sobre o adultério (parte 2)