biblia.com.br

Análise de Colossenses – 2º posicionamento (2/4)

29 de dezembro de 2016

Seria o sábado de Colossenses o sábado semanal?

O segundo posicionamento afirma que o sábado mencionado em Colossenses 2:16 é o semanal. Paulo não está combatendo o mandamento, mas sim uma maneira errada de guardar o dia, ensinada pelos hereges em Colossos. Essa é a posição de alguns teólogos, inclusive adventistas. Entre eles, se destaca o Dr. Samuelle Bacchiocchi, que foi o único não católico a defender uma tese doutoral na Universidade do Vaticano. Ele diz que o termo “Sábado” não poderia ser um sábado cerimonial por várias razões, entre elas: “Uma outra indicação significativa insurgindo contra os sábados cerimoniais, é o fato de que estes já estão incluídos nas palavras ‘dias de festa’ e se ‘sábado’ (grego sabbaton) significasse a mesma coisa, haveria uma repetição desnecessária”. [6]

A série de dias mencionados em Colossenses 2:16: “dias de festa (festividades anuais), lua nova (período mensal) e sábados” (período semanal), quando comparada com outros textos bíblicos, dá a entender que Colossenses trata do sábado semanal. Entretanto, no Antigo Testamento, nem sempre esta ordem de “festividades anuais”, “festa mensal” e “festa semanal” aparece. Leia em oração os textos a seguir e veja as diferenças e semelhanças com a construção frasal de Colossenses 2:16:

– 2 Reis 4:23 – Um período mensal (sábado) e outro semanal (Lua Nova);
– Isaías 66:23  – Um período mensal e outro semanal;
– Ezequiel 46:1 – Período semanal e mensal;
– Amós 8:5  – Período mensal e semanal;
– 1 Crônicas 23:31  – Período semanal, mensal e festas fixas anuais (dificilmente ocorreria aqui uma repetição desnecessária, como diz do Dr. Bacchiocchi);
– 2 Crônicas 2:4  – Período semanal, mensal e outro de festividades anuais;
– 2 Crônicas 8:13  – Período semanal, mensal e de festas anuais;
– 2 Crônicas 31:3  – Período semanal, mensal e outro de festividades;
– Neemias 10:33  – Um período Semanal, um mensal e outro de festividades anuais;
– Isaías 1:13  – Período mensal, semanal e de festas anuais.
– Ezequiel 45:17  – Período mensal, semanal e outro de festividades anuais.
– Ezequiel 46:3  Período semanal e outro mensal.
– Oséias 2:11  Período mensal, semanal e festividades anuais.

Perceba que a semelhança das construções das frases dá a entender que Colossenses 2:16 segue a mesma ordem de eventos, culminando com um período semanal. Ao explicar o porquê de o Sábado estar sendo mencionado na carta aos Colossenses, Bacchiocchi diz:

… podemos estabelecer que o sábado é mencionado na passagem não no contexto de uma discussão direta a respeito da obrigação da lei, mas no contexto de crenças e práticas sincretistas (que incorporava elementos do Velho Testamento, indubitavelmente para prover justificativas para seus princípios ascéticos)18 advogados pelos “filósofos” colossenses. Não somos informados de que tipo de observância de sábado esses mestres promoviam, todavia, na base da ênfase que davam à escrupulosa adesão a “regulamentos”, aparentemente o dia devia ser observado de um modo rigoroso e supersticioso.[7]

Ele continua:

O fato então que no contexto de Colossenses 2 o “termo “lei” (grego nomos) se encontra ausente…da controvérsia” corrobora o que dissemos anteriormente, a saber, que a heresia colossense não se baseava no costumeiro legalismo judaico, mas sim nos incomuns (sincretísticos) tipos de regulamentos ascéticos e cúlticos, que minavam toda a suficiência da redenção de Cristo.

Significado do termo “escrito de dívida” que foi “pregado na cruz”

Aqui voltamos ao argumento dos pastores João Flávio Martinez e Natanael Rinaldi (citei apenas alguns) de que “o que foi cravado na cruz, de acordo com Colossenses 2:14, foi a Lei”. Na interpretação de Bacchiocchi e de outros estudiosos, o que foi encravado na cruz não foi a Lei. Isso porque o termo grego para a expressão “escrito de dívida” (cheirographon) não se refere à Lei, e sim a um “certificado de dívida” (de pecado), resultante de nossas transgressões. Deus removeu na cruz não a Lei, mas a possibilidade de cobrança contra os que foram perdoados por Cristo. Cristo removeu na cruz a possibilidade de condenação do ser humano! (Romanos 8:1).

Em sua tese, Bacchiocchi sugere que o Sábado semanal está sendo abordado no texto, só que não a validade do mandamento em si, mas a forma errada como estava sendo guardado e ensinado pelos hereges de Colossos. Logo no início desta carta mencionei as heresias que estavam surgindo na igreja (Cristo é inferior, adoração a anjos) e que o Sábado jamais poderia fazer parte delas, sendo que o próprio Paulo o respeitava! Portanto, os teólogos que usam Colossenses 2:14-16 para dizer que a Lei de Deus e o Sábado foram “cravados na cruz”, não têm base bíblica e nem mesmo  linguística para tal afirmação.

>>Vejamos o que diz o 3º Posicionamento<<

Equipe Biblia.com.br
_________________________

[6] BACCHIOCCHI, Samuelle. Do Sábado para o Domingo, p. 317. Tradução de Azenilto Brito.
[7] Ibidem, p. 307.

Análise de Colossenses – 3º posicionamento (3/4)
Análise de Colossenses - 1º posicionamento (1/4)