biblia.com.br

Até quando Satanás teve a oportunidade de se arrepender?

11 de abril de 2012

Houve guerra no Céu. Miguel e seus anjos guerrearam contra o dragão, também chamado de diabo e Satanás. Os anjos rebeldes não prevaleceram e foram expulsos do Céu. Tiveram Satanás e os seus anjos alguma chance de arrependimento?

Pr. Alberto R. Timm, Ph.D.

Algumas pessoas creem que o tempo de graça para Satanás só se esgotou na cruz (João 19:30), pois ainda nos dias de Jó ele participou com “os filhos de Deus” de uma reunião “perante o Senhor” (Jó 1:6-8). Mas a descrição desse episódio não sugere que a reunião haja ocorrido necessariamente nas cortes celestiais, e muito menos que Satanás, depois de expulso do Céu (Apocalipse 12:7-9), ainda tivesse acesso à salvação.

Ellen White esclarece que o tempo da graça para Satanás e seus anjos esgotou-se com a expulsão deles do Céu. Ela declara que “Deus, em Sua grande misericórdia, suportou longamente a Satanás”, e que “reiteradas vezes lhe foi oferecido o perdão, sob a condição de que se arrependesse e submetesse”, mas ele jamais aceitou os apelos da misericórdia divina (O Grande Conflito, p. 495 e 496). Havendo perdido sua posição nas cortes celestiais, Satanás ainda solicitou para ser readmitido no Céu, mas Cristo lhe disse que isto seria impossível. O próprio Satanás deixou a presença de Cristo “plenamente convencido de que não havia possibilidade de ser reintegrado no favor de Deus” (História da Redenção, p. 27). De acordo com a Sra. White, após os anjos caídos deixarem o Céu, não havia possibilidade de esperança de redenção para estes que haviam testemunhado e compartilhado da glória inexprimível do Céu, tinham visto a terrível majestade de Deus e, em face de toda esta glória, ainda se rebelaram contra Ele. Não haveria novas e maravilhosas exibições do exaltado poder de Deus que os pudessem impressionar tão profundamente como aquelas que já haviam testemunhado (No Deserto da Tentação, p. 25 e 26).

Equipe Biblia.com.br

O que a Bíblia diz sobre a religião?
O que preciso saber sobre o adultério (parte 2)