você está lendo...

Jeremias – Capítulo 5

1 Percorram as ruas de Jerusalém, olhem e observem. Procurem em suas praças para ver se podem encontrar alguém que aja com honestidade e que busque a verdade. Então eu perdoarei a cidade.
2 Embora digam: “Juro pelo nome do Senhor”, ainda assim estão jurando falsamente.
3 Senhor, não é fidelidade que os teus olhos procuram? Tu os feriste, mas eles nada sentiram; tu os deixaste esgotados, mas eles recusaram a correção. Endureceram o rosto mais que a rocha, e recusaram arrepender-se.
4 Pensei: Eles são apenas pobres e ignorantes, não conhecem o caminho do Senhor, as exigências do seu Deus.
5 Irei aos nobres e falarei com eles, pois, sem dúvida, eles conhecem o caminho do Senhor, as exigências do seu Deus. Mas todos eles também quebraram o jugo e romperam as amarras.
6 Por isso, um leão da floresta os atacará, um lobo da estepe os arrasará, um leopardo ficará à espreita, nos arredores das suas cidades, para despedaçar qualquer pessoa que delas sair. Porque a rebeldia deles é grande e muitos são os seus desvios.
7 “Por que deveria eu perdoar-lhe isso?” “Seus filhos me abandonaram e juraram por aqueles que não são deuses. Embora eu tenha suprido as suas necessidades, eles cometeram adultério e freqüentaram as casas de prostituição.
8 Eles são garanhões bem-alimentados e excitados, cada um relinchando para a mulher do próximo.
9 Não devo eu castigá-los por isso?”, pergunta o Senhor. “Não devo eu vingar-mede uma nação como esta?
10 Vão por entre as suas vinhas e destruam-nas, mas não acabem totalmente com elas. Cortem os seus ramos, pois eles não pertencem ao Senhor.
11 Porque a comunidade de Israel e a comunidade de Judá têm me traído, declara o Senhor.
12 Mentiram acerca do Senhor, dizendo: Ele não vai fazer nada! Nenhum mal nos acontecerá; jamais veremos espada ou fome.
13 Os profetas não passam de vento, e a palavra não está neles; por isso aconteça com eles o que dizem.
14 Portanto, assim diz o Senhor dos Exércitos: Porque falaram essas palavras, farei com que as minhas palavras em sua boca sejam fogo, e este povo seja a lenha que o fogo consome.
15 Ó comunidade de Israel”, declara o Senhor, “estou trazendo de longe uma nação para atacá-la: uma nação muito antiga e invencível, uma nação cuja língua você não conhece e cuja fala você não entende.
16 Sua aljava é como um túmulo aberto; toda ela é composta de guerreiros.
17 Devorarão as suas colheita se os seus alimentos; devorarão os seus filhos e as suas filhas; devorarão as suas ovelhas e os seus bois; devorarão as suas videira se as suas figueiras. Destruirão ao fio da espada as cidades fortificadas nas quais vocês confiam.
18 “Contudo, mesmo naqueles dias não os destruirei completamente”, declara o Senhor.
19 E, quando perguntarem: “Por que o Senhor, o nosso Deus, fez isso conosco?”, você lhes dirá: Assim como vocês me abandonaram e serviram deuses estrangeiros em sua própria terra, também agora vocês servirão estrangeiros numa terra que não é de vocês.
20 Anunciem isto à comunidade de Jacó e proclamem-no em Judá:
21 Ouçam isto, vocês, povo tolo e insensato, que têm olhos, mas não vêem, têm ouvidos, mas não ouvem:
22 Acaso vocês não me te­mem?”, pergunta o Senhor. “Não tremem diante da minha presença? Porque fui eu que fiz da areia um limite para o mar, um decreto eterno que ele não pode ultrapassar. As ondas podem quebrar, mas não podem prevalecer, podem bramir, mas não podem ultrapassá-lo.
23 Mas este povo tem coração obstinado e rebelde; eles se afastaram e foram embora.
24 Não dizem no seu íntimo: “Temamos o Senhor, o nosso Deus: aquele que dá as chuvas do outono e da primavera no tempo certo, e nos assegura as semanas certas da colheita”.
25 Porém os pecados de vocês têm afastado essas coisas; as faltas de vocês os têm privado desses bens.
26 Há ímpios no meio do meu povo: homens que ficam à espreita como num esconderijo de caçadores de pássaros; preparam armadilhas para capturar gente.
27 Suas casas estão cheias de engano, como gaiolas cheias de pássaros. E assim eles se tornaram poderosos e ricos,
28 estão gordos e bem-alimentados. Não há limites para as suas obras más. Não se empenham pela causa do órfão, nem defendem os direitos do pobre.
29 Não devo eu castigá-los?”, pergunta o Senhor. “Não devo eu vingar-mede uma nação como essa?
30 Uma coisa espantosa e horrível acontece nesta terra:
31 Os profetas profetizam mentiras, os sacerdotes governam por sua própria autoridade, e o meu povo gosta dessas coisas. Mas o que vocês farão quando tudo isso chegar ao fim?


Livros
Capitulos

Compartilhe