você está lendo...

Jeremias – Capítulo 2

1 A palavra do Senhor veio a mim:
2 Vá proclamar aos ouvidos de Jerusalém: Eu me lembro de sua fidelidade quando você era jovem: como noiva, você me amava e me seguia pelo deserto, por uma terra não semeada.
3 Israel, meu povo, era santo para o Senhor, os primeiros frutos de sua colheita; todos os que o devoravam eram considerados culpados, e a desgraça os alcançava, declara o Senhor.
4 Ouça a palavra do Senhor, ó comunidade de Jacó, todos os clãs da comunidade de Israel.
5 Assim diz o Senhor: Que falta os seus antepassados encontraram em mim, para que me deixasse me se afastassem de mim? Eles seguiram ídolos sem valor, tornando-se eles próprios sem valor.
6 Eles não perguntaram: “Onde está o Senhor, que nos trouxe do Egito e nos conduziu pelo deserto, por uma terra árida e cheia de covas, terra de seca e de trevas[3], terra pela qual ninguém passa e onde ninguém vive?”
7 Eu trouxe vocês a uma terra fértil, para que comessem dos seus frutose dos seus bons produtos. Entretanto, vocês contaminaram a minha terra; tornaram a minha herança repugnante.
8 Os sacerdotes não perguntavam pelo Senhor; os intérpretes da lei não me conheciam, e os líderes do povos e rebelaram contra mim. Os profetas profetizavam em nome de Baal, seguindo deuses inúteis.
9 “Por isso, eu ainda faço denúncias contra vocês”, diz o Senhor, “e farei denúncias contra os seus descendentes.
10 Atravessem o mar até o litoral de Chipre[4] e vejam; mandem observadores a Quedar[5]e reparem de perto; e vejam se alguma vez aconteceu algo assim:
11 alguma nação já trocou os seus deuses? E eles nem sequer são deuses! Mas o meu povo trocou a sua[6] Glória por deuses inúteis.
12 Espantem-se diante disso, ó céus! Fiquem horrorizados e abismados, diz o Senhor.
13 O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas, cisternas rachadas que não retêm água.
14 Acaso Israel, meu povo, é escravo, escravo de nascimento? Por que foi então que se tornou presa
15 de leões que rugem e urram contra ele? Arrasaram a sua terra, queimaram as suas cidade se as deixaram desabitadas.
16 Até mesmo os homens de Mênfis e de Tafnes raparam[7] a sua cabeça.
17 Não foi você mesmo o responsável pelo que lhe aconteceu, ao abandonar o Senhor, o seu Deus? [8]
18 Agora, por que você vai ao Egito beber água do Nilo[9]? E por que vai à Assíria beber água do Eufrates?
19 O seu crime a castigará e a sua rebelião a repreenderá. Compreenda e veja como é mau e amargo abandonar o Senhor, o seu Deus, e não ter temor de mim, diz o Soberano, o Senhor dos Exércitos.
20 Há muito tempo eu quebrei o seu jugo e despedacei as correias que a prendiam. Mas você disse: “Eu não servirei!”Ao contrário, em todo monte elevado e debaixo de toda árvore verdejante, você se deitava como uma prostituta.
21 Eu a plantei como uma videira seleta, de semente absolutamente pura. Como, então, contra mim você se tornou uma videira degenerada e selvagem?
22 Mesmo que você se lave com soda e com muito sabão, a mancha da sua iniqüidade permanecerá diante de mim, diz o Soberano Senhor.
23 Como você pode dizer que não se contaminou e que não correu atrás dos baalins? Reveja o seu procedimento no vale e considere o que você tem feito. Você é como uma camela jovem e arisca que corre para todos os lados;
24 como uma jumenta selvagem habituada ao deserto, farejando o vento em seu desejo. Quem é capaz de controlá-la quando está no cio? Os machos que a procuram não precisam se cansar, porque logo encontrarão a que está no mês do cio.
25 Não deixe que os seus pés se esfolem nem que a sua garganta fique seca. Mas você disse: “Não adianta! Eu amo os deuses estrangeiros, e continuarei a ir atrás deles”.
26 Assim como o ladrão fica envergonhado quando é apanhado em flagrante, também a comunidade de Israel ficará envergonhada: seus reis e oficiais, seus sacerdotes e profetas.
27 Pois dizem à madeira: “Você é meu pai” e à pedra: “Você me deu à luz”. Voltaram para mim as costas e não o rosto, mas na hora da adversidade dizem: “Vem salvar-nos!”
28 E onde estão os deuses que você fabricou para si? Que eles venham, se puderem salvá-la na hora da adversidade! Porque os seus deuses são tão numerosos como as suas cidades, ó Judá!
29 “Por que vocês fazem denúncias contra mim? Todos vocês se rebelaram contra mim”, declara o Senhor.
30 De nada adiantou castigar o seu povo, eles não aceitaram a correção. A sua espada tem destruído os seus profetas como um leão devorador.
31 Vocês, desta geração, considerem a palavra do Senhor: Tenho sido um deserto para Israel? Uma terra de grandes trevas? Por que o meu povo diz: “Nós assumimos o controle! Não mais viremos a ti”?
32 Será que uma jovem se esquece das suas jóias, ou uma noiva, de seus enfeites nupciais? Contudo, o meu povo esqueceu-se de mim por dias sem fim.
33 Com quanta habilidade você busca o amor! Mesmo as mulheres da pior espécie aprenderam com o seu procedimento.
34 Nas suas roupas encontrou-se o sangue de pobres inocentes, que não foram flagrados arrombando casas. Contudo, apesar de tudo isso,
35 você diz: “Sou inocente; ele não está irado comigo”. Mas eu passarei sentença contra você porque você disse que não pecou.
36 Por que você não leva a sério a sua mudança de rumo? Você ficará decepcionada com o Egito, como ficou com a Assíria.
37 Você também deixará aquele lugar com as mãos na cabeça, pois o Senhor rejeitou aqueles em quem você confia; você não receberá a ajuda deles.


Livros
Capitulos

Compartilhe