você está lendo...

Isaías – Capítulo 37

1 Quando o rei Ezequias soube disso, rasgou suas vestes, vestiu pano de saco e entrou no templo do Senhor.
2 Depois enviou o administrador do palácio, Eliaquim, o secre­tário Sebna e os chefes dos sacerdotes, todos vestidos de pano de saco, ao profeta Isaías, filho de Amoz,
3 com esta mensagem: Assim diz Ezequias: Hoje é dia de angústia, de repreensão e de vergonha, como quando uma criança está a ponto de nascer e não há forças para dá-la à luz.
4 Talvez o Senhor, o seu Deus, ouça as palavras do comandante de campo, a quem o seu senhor, o rei da Assíria, enviou para zombar do Deus vivo. E que o Senhor, o seu Deus, o repreenda pelas pala­vras que ouviu. Portanto, ore pelo remanes­cente que ainda sobrevive.
5 Quando os oficiais do rei Ezequias vieram a Isaías,
6 este lhes respondeu: Digam a seu senhor: Assim diz o Senhor: “Não tenha medo das palavras que você ouviu, das blasfê­mias que os servos do rei da Assíria falaram contra mim.
7 Porei nele um espírito para que, quando ouvir uma certa notícia, volte à sua própria terra, e ali farei com que seja morto à espada”.
8 Quando o comandante de campo soube que o rei da Assíria havia partido de Laquis, retirou-se e encontrou o rei lutando contra Libna.
9 Ora, Senaqueribe foi informado de que Tiraca, o rei da Etiópia[75], saíra para lutar contra ele. Quando soube disso, enviou mensageiros a Ezequias com esta mensagem:
10 Digam a Ezequias, rei de Judá: Não deixe que o Deus no qual você confia o engane quando diz: “Jerusalém não será entregue nas mãos do rei da Assíria”.
11 Com certeza você ouviu o que os reis da Assíria têm feito a todas as nações, e como as destruíram por completo. E você acha que se livrará?
12 Acaso os deuses das nações que foram destruídas pelos meus antepassados os livraram: os deuses de Gozã, de Harã, de Rezefe e dos descendentes de Éden, que estavam em Telassar?
13 Onde estão o rei de Hamate, o rei de Arpade, o rei da cidade de Sefarvaim, de Hena e de Iva?
14 Ezequias recebeu a carta das mãos dos mensageiros e a leu. Então subiu ao templo do Senhor, abriu-a diante do Senhor
15 e orou:
16 Senhor dos Exércitos, Deus de Israel, cujo trono está entre os querubins, só tu és Deus sobre todos os reinos da terra. Tu fizeste os céus e a terra.
17 Dá ouvidos, Senhor, e ouve; abre os teus olhos, Senhor, e vê; escuta todas as palavras que Senaqueribe enviou para insultar o Deus vivo.
18 É verdade, Senhor, que os reis assíri­os fizeram de todas essas nações e de seus territórios um deserto.
19 Atiraram os deuses delas no fogo e os destruíram, pois em vez de deuses, não passam de madeira e pedra, molda­dos por mãos humanas.
20 Agora, Senhor nosso Deus, salva-nos das mãos dele, para que todos os reinos da terra saibam que só tu, Senhor, és Deus[76].
21 Então Isaías, filho de Amoz, enviou esta mensagem a Ezequias: Assim diz o Senhor, Deus de Israel: “Ouvi a sua oração acerca de Senaqueribe, rei da Assíria.
22 Esta é a palavra que o Senhor falou contra ele: “A Virgem Cidade[77] de Sião despreza e zomba de você. A cidade de Jerusalém meneia a cabeça enquanto você foge.
23 De quem você zombou e contra quem blasfemou? Contra quem você ergueu a voz e contra quem levantou seu olhar arrogante? Contra o Santo de Israel!
24 Sim, você insultou o Senhor por meio dos seus mensageiros, dizendo: Com carros sem conta subi aos mais elevados e inacessíveis cumes do Líbano. Derrubei os seus cedros mais altos, os seus melhores pinheiros. Entrei em suas regiões mais remotas, na melhor parte de suas florestas.
25 Em terras estrangeiras[78]cavei poços e bebi água. Com as solas dos meus pés sequei todos os riachos do Egito.
26 “Você não soube que há muito eu já o havia ordenado, que desde os dias da antigüidade eu o havia planejado? Agora eu o executo, e faço você transformar cidades fortificadas em montões de pedra.
27 Os seus habitantes, já sem forças, desanimam-se envergonhados. São como pastagens, como brotos tenros e verdes, como capim no terraço, queimado[79] antes de crescer.
28 “Eu, porém, sei onde você está, quando sai e quando retorna, e quando você se enfurece contra mim.
29 Sim, contra mim você se enfurece, o seu atrevimento chegou aos meus ouvidos; por isso, porei o meu anzol em seu nariz e o meu freio em sua boca, e o farei voltar pelo caminho por onde veio.
30 “A você, Ezequias, darei este sinal: “Neste ano vocês comerão do que crescer por si, e no próximo o que daquilo brotar. Mas no terceiro ano semeiem e colham, plantem vinhas e comam o seu fruto.
31 Mais uma vez um remanescente da tribo de Judá lançará raízes na terra e se encherão de frutos os seus ramos.
32 De Jerusalém sairão sobreviventes, e um remanescente do monte Sião. O zelo do Senhor dos Exércitos realizará isso”.
33 Por isso, assim diz o Senhor acerca do rei da Assíria: “Ele não entrará nesta cidade e não atirará aqui uma flecha sequer. Não virá diante dela com escudo nem construirá rampas de cerco contra ela.
34 Pelo caminho por onde veio voltará; não entrará nesta cidade”, declara o Senhor.
35 “ “Eu defenderei esta cidade e a salvarei, por amor de mime por amor de Davi, meu servo!””
36 Então o anjo do Senhor saiu e matou cento e oitenta e cinco mil homens no acampa­mento assírio. Quando o povo se levantou na manhã seguinte, só havia cadáveres!
37 Assim, Senaqueribe, rei da Assíria, fugiu do acampa­mento, voltou para Nínive e lá ficou.
38 Certo dia, quando estava adorando no templo de seu deus Nisroque, seus filhos Adrameleque e Sarezer o feriram à espada, e fugiram para a terra de Ararate. E seu filho Esar-Hadom foi o seu sucessor.


Livros
Capitulos

Compartilhe