Resultado para sua busca por: jo

Gênesis – Capítulo 3

1 A cobra era o animal mais esperto que o SENHOR Deus havia feito. Ela perguntou à mulher: - É verdade que Deus mandou que vocês não comessem as frutas de nenhuma árvore do jardim?
2 A mulher respondeu: - Podemos comer as frutas de qualquer árvore,
3 menos a fruta da árvore que fica no meio do jardim. Deus nos disse que não devemos comer dessa fruta, nem tocar nela. Se fizermos isso, morreremos.
4 Mas a cobra afirmou: - Vocês não morrerão coisa nenhuma!
5 Deus disse isso porque sabe que, quando vocês comerem a fruta dessa árvore, os seus olhos se abrirão, e vocês serão como Deus, conhecendo o bem e o mal.
6 A mulher viu que a árvore era bonita e que as suas frutas eram boas de se comer. E ela pensou como seria bom ter entendimento. Aí apanhou uma fruta e comeu; e deu ao seu marido, e ele também comeu.
7 Nesse momento os olhos dos dois se abriram, e eles perceberam que estavam nus. Então costuraram umas folhas de figueira para usar como tangas.
8 Naquele dia, quando soprava o vento suave da tarde, o homem e a sua mulher ouviram a voz do SENHOR Deus, que estava passeando pelo jardim. Então se esconderam dele, no meio das árvores.
9 Mas o SENHOR Deus chamou o homem e perguntou: - Onde é que você está?
10 O homem respondeu: - Eu ouvi a tua voz, quando estavas passeando pelo jardim, e fiquei com medo porque estava nu. Por isso me escondi.
11 Aí Deus perguntou: - E quem foi que lhe disse que você estava nu? Por acaso você comeu a fruta da árvore que eu o proibi de comer?
12 O homem disse: - A mulher que me deste para ser a minha companheira me deu a fruta, e eu comi.
13 Então o SENHOR Deus perguntou à mulher: - Por que você fez isso? A mulher respondeu: - A cobra me enganou, e eu comi.
14 Então o SENHOR Deus disse à cobra: - Por causa do que você fez você será castigada. Entre todos os animais só você receberá esta maldição: de hoje em diante você vai andar se arrastando pelo chão e vai comer o pó da terra.
15 Eu farei com que você e a mulher sejam inimigas uma da outra, e assim também serão inimigas a sua descendência e a descendência dela. Esta esmagará a sua cabeça, e você picará o calcanhar da descendência dela.
16 Para a mulher Deus disse: - Vou aumentar o seu sofrimento na gravidez, e com muita dor você dará à luz filhos. Apesar disso, você terá desejo de estar com o seu marido, e ele a dominará.
17 E para Adão Deus disse o seguinte: - Você fez o que a sua mulher disse e comeu a fruta da árvore que eu o proibi de comer. Por causa do que você fez, a terra será maldita. Você terá de trabalhar duramente a vida inteira a fim de que a terra produza alimento suficiente para você.
18 Ela lhe dará mato e espinhos, e você terá de comer ervas do campo.
19 Terá de trabalhar no pesado e suar para fazer com que a terra produza algum alimento; isso até que você volte para a terra, pois dela você foi formado. Você foi feito de terra e vai virar terra outra vez.
20 O homem pôs na sua mulher o nome de Eva por ser ela a mãe de todos os seres humanos.
21 E o SENHOR Deus fez roupas de peles de animais para Adão e a sua mulher se vestirem.
22 Então o SENHOR Deus disse o seguinte: - Agora o homem se tornou como um de nós, pois conhece o bem e o mal. Ele não deve comer a fruta da árvore da vida e viver para sempre.
23 Por isso o SENHOR Deus expulsou o homem do jardim do Éden e fez com que ele cultivasse a terra da qual havia sido formado.
24 Deus expulsou o homem e no lado leste do jardim pôs os querubins e uma espada de fogo que dava voltas em todas as direções. Deus fez isso para que ninguém chegasse perto da árvore da vida.

Gênesis – Capítulo 10

1 São estes os descendentes de Sem, Cam e Jafé, os filhos de Noé. Aos três nasceram filhos depois do dilúvio.
2 Os filhos de Jafé foram Gomer, Magogue, Madai, Javã, Tubal, Meseque e Tirás.
3 Os filhos de Gomer foram Asquenaz, Rifate e Togarma.
4 Os descendentes de Javã foram os povos de Elisá, Espanha, Chipre e Rodes.
5 Esses foram os descendentes de Jafé; eles moram no litoral e nas ilhas, cada povo e cada família na sua própria terra, com a sua própria língua.
6 Os filhos de Cam foram Cuche, Egito, Líbia e Canaã.
7 Os filhos de Cuche foram Sebá, Havilá, Sabtá, Raamá e Sabteca. Os filhos de Raamá foram Sabá e Dedã.
8 Cuche foi pai de Ninrode, o primeiro grande conquistador do mundo.
9 Com a ajuda de Deus, o SENHOR, ele se tornou um caçador famoso, e é por isso que se diz: "Seja igual a Ninrode, que com a ajuda do SENHOR foi um grande caçador."
10 No começo faziam parte do seu reino as cidades de Babilônia, Ereque e Acade, todas as três em Sinar.
11 Daquela região Ninrode foi para a Assíria e ali construiu as cidades de Nínive, Reobote-Ir, Calá
12 e Resém, que fica entre Nínive e a grande cidade de Calá.
13 Os descendentes de Egito foram os povos da Lídia, Anam, Leabe, Naftu,
14 Patrus, Caslu e de Creta, de quem os filisteus descendem.
15 Canaã foi pai de dois filhos: Sidom, o mais velho, e Hete.
16 De Canaã também descendem os jebuseus, os amorreus, os girgaseus,
17 os heveus, os arquitas, os sineus,
18 os arvaditas, os zemareus e os hamateus.
19 O território dos cananeus se estendeu para o sul desde Sidom até Gerar, perto de Gaza; e para o leste foi até Sodoma, Gomorra, Admá e Zeboim, perto de Lasa.
20 Esses foram os descendentes de Cam, cada povo e cada família na sua própria terra, com a sua própria língua.
21 Sem, o irmão mais velho de Jafé, foi o pai de todos os hebreus.
22 Os filhos de Sem foram Elão, Assur, Arpaxade, Lude e Arã.
23 Os filhos de Arã foram Uz, Hul, Géter e Más.
24 Arpaxade foi o pai de Selá, e Selá foi o pai de Éber.
25 Éber foi pai de dois filhos: um se chamava Pelegue porque no seu tempo os povos do mundo foram divididos; o seu irmão se chamava Joctã.
26 Joctã foi pai de Almodá, Selefe, Hazar-Mavé, Jera,
27 Adonirão, Uzal, Dicla,
28 Obal, Abimael, Sabá,
29 Ofir, Havilá e Jobabe. Todos estes foram filhos de Joctã.
30 Eles viveram nas terras que vão desde a região de Mesa até Sefar, na região montanhosa do Leste.
31 Estes foram os descendentes de Sem, cada povo e cada família na sua própria terra, com a sua própria língua.
32 São essas as famílias dos filhos de Noé, nação por nação, de acordo com as várias linhas de descendentes. Depois do dilúvio todas as nações da terra descenderam de Noé.

Gênesis – Capítulo 11

1 Naquele tempo todos os povos falavam uma língua só, todos usavam as mesmas palavras.
2 Alguns partiram do Oriente e chegaram a uma planície em Sinar, onde ficaram morando.
3 Um dia disseram uns aos outros: - Vamos, pessoal! Vamos fazer tijolos queimados! Assim, eles tinham tijolos para construir, em vez de pedras, e usavam piche, em vez de massa de pedreiro.
4 Aí disseram: - Agora vamos construir uma cidade que tenha uma torre que chegue até o céu. Assim ficaremos famosos e não seremos espalhados pelo mundo inteiro.
5 Então o SENHOR desceu para ver a cidade e a torre que aquela gente estava construindo.
6 O SENHOR disse assim: - Essa gente é um povo só, e todos falam uma só língua. Isso que eles estão fazendo é apenas o começo. Logo serão capazes de fazer o que quiserem.
7 Vamos descer e atrapalhar a língua que eles falam, a fim de que um não entenda o que o outro está dizendo.
8 Assim, o SENHOR os espalhou pelo mundo inteiro, e eles pararam de construir a cidade.
9 A cidade recebeu o nome de Babel, pois ali o SENHOR atrapalhou a língua falada por todos os moradores da terra e dali os espalhou pelo mundo inteiro.
10 São estes os descendentes de Sem. Dois anos depois do dilúvio, quando Sem tinha cem anos, nasceu o seu filho Arpaxade.
11 Depois disso Sem viveu mais quinhentos anos e foi pai de outros filhos e filhas.
12 Quando tinha trinta e cinco anos, Arpaxade foi pai de um filho chamado Selá.
13 Depois disso Arpaxade viveu mais quatrocentos e três anos e foi pai de outros filhos e filhas.
14 Quando Selá tinha trinta anos, nasceu o seu filho Éber.
15 Depois disso Selá viveu mais quatrocentos e três anos e foi pai de outros filhos e filhas.
16 Quando Éber tinha trinta e quatro anos, nasceu o seu filho Pelegue.
17 Depois disso Éber viveu mais quatrocentos e trinta anos e foi pai de outros filhos e filhas.
18 Quando tinha trinta anos, Pelegue foi pai de um filho chamado Reú.
19 Depois disso Pelegue viveu mais duzentos e nove anos e foi pai de outros filhos e filhas.
20 Quando Reú tinha trinta e dois anos, nasceu o seu filho Serugue.
21 Depois disso Reú viveu mais duzentos e sete anos e foi pai de outros filhos e filhas.
22 Quando Serugue tinha trinta anos, nasceu o seu filho Naor.
23 Depois disso Serugue viveu mais duzentos anos e foi pai de outros filhos e filhas.
24 Quando Naor tinha vinte e nove anos, nasceu o seu filho Tera.
25 Depois disso Naor viveu mais cento e dezenove anos e foi pai de outros filhos e filhas.
26 Depois que completou setenta anos de idade, Tera foi pai de três filhos: Abrão, Naor e Harã.
27 São estes os descendentes de Tera, que foi o pai de Abrão, de Naor e de Harã. Harã foi o pai de Ló.
28 Tera ainda vivia quando o seu filho Harã morreu na Babilônia, na cidade de Ur, onde havia nascido.
29 Abrão casou com Sarai, e Naor casou com Milca. Milca e Iscá eram filhas de Harã.
30 Sarai não tinha filhos, pois era estéril.
31 Tera saiu da cidade de Ur, na Babilônia, para ir até a terra de Canaã, e levou junto o seu filho Abrão, o seu neto Ló, que era filho de Harã, e a sua nora Sarai, que era mulher de Abrão. Eles chegaram até Harã e ficaram morando ali.
32 E Tera morreu em Harã, com a idade de duzentos e cinco anos.

Gênesis – Capítulo 13

1 Abrão saiu do Egito com a sua mulher e com tudo o que tinha e foi para o sul de Canaã. E Ló, o seu sobrinho, foi com ele.
2 Abrão era muito rico; tinha gado, prata e ouro.
3 Ele foi de um lugar para outro até chegar à cidade de Betel; e dali foi para o lugar que fica entre Betel e Ai, onde já havia acampado antes.
4 Abrão chegou ao altar que ele havia construído e adorou a Deus, o SENHOR.
5 Ló, que ia com Abrão, também levava ovelhas, cabras, gado, empregados e a sua família.
6 Não havia pastos que dessem para os dois ficarem juntos, pois eles tinham muitos animais.
7 Por isso os homens que cuidavam dos animais de Abrão brigavam com os que tomavam conta dos animais de Ló. E nesse tempo os cananeus e os perizeus ainda estavam vivendo ali.
8 Um dia Abrão disse a Ló: - Nós somos parentes chegados, e não é bom que a gente fique brigando, nem que os meus empregados briguem com os seus.
9 Vamos nos separar. Escolha! A terra está aí, toda ela. Se você for para a esquerda, eu irei para a direita; se você for para a direita, eu irei para a esquerda.
10 Ló olhou em volta e viu que o vale do Jordão, até chegar à cidade de Zoar, tinha bastante água. Era como o Jardim do SENHOR ou como a terra do Egito. O vale era assim antes de o SENHOR haver destruído as cidades de Sodoma e de Gomorra.
11 Ló escolheu todo o vale do Jordão e foi na direção leste. E assim os dois se separaram.
12 Abrão ficou na terra de Canaã, e Ló foi morar nas cidades do vale. Ló foi acampando até chegar a Sodoma,
13 onde vivia uma gente má, que cometia pecados horríveis contra o SENHOR.
14 Depois que Ló foi embora, o SENHOR Deus disse a Abrão: - De onde você está, olhe bem para o norte e para o sul, para o leste e para o oeste.
15 Eu vou dar a você e aos seus descendentes, para sempre, toda a terra que você está vendo.
16 Farei com que os seus descendentes sejam tantos como o pó da terra. Assim como ninguém pode contar os grãozinhos de pó, assim também não será possível contar os seus descendentes.
17 Agora vá e ande por esta terra, de norte a sul e de leste a oeste, pois eu a darei a você.
18 Assim, Abrão desarmou o seu acampamento e foi morar perto das árvores sagradas de Manre, na cidade de Hebrom. E ali Abrão construiu um altar para Deus, o SENHOR.

Gênesis – Capítulo 16

1 Sarai, a mulher de Abrão, não lhe tinha dado filhos. Ela possuía uma escrava egípcia, que se chamava Agar.
2 Um dia Sarai disse a Abrão: - Já que o SENHOR Deus não me deixa ter filhos, tenha relações com a minha escrava; talvez assim, por meio dela, eu possa ter filhos. Abrão concordou com o plano de Sarai,
3 e assim ela lhe deu Agar para ser sua concubina. Isso aconteceu quando já fazia dez anos que Abrão estava morando em Canaã.
4 Abrão teve relações com Agar, e ela ficou grávida. Quando descobriu que estava grávida, Agar começou a olhar com desprezo para Sarai, a sua dona.
5 Aí Sarai disse a Abrão: - Por sua culpa Agar está me desprezando. Eu mesma a entreguei nos seus braços; e, agora que sabe que está grávida, ela fica me tratando com desprezo. Que o SENHOR Deus julgue quem é culpado, se é você ou se sou eu!
6 Abrão respondeu: - Está bem. Agar é sua escrava, você manda nela. Faça com ela o que quiser. Aí Sarai começou a maltratá-la tanto, que ela fugiu.
7 Mas o Anjo do SENHOR a encontrou no deserto, perto de uma fonte que fica no caminho de Sur,
8 e perguntou: - Agar, escrava de Sarai, de onde você vem e para onde está indo? - Estou fugindo da minha dona - respondeu ela.
9 Então o Anjo do SENHOR deu a seguinte ordem: - Volte para a sua dona e seja obediente a ela em tudo.
10 E o Anjo do SENHOR disse também: "Eu farei com que o número dos seus descendentes seja grande; eles serão tantos, que ninguém poderá contá-los.
11 Você está grávida, e terá um filho, e porá nele o nome de Ismael, pois o SENHOR Deus ouviu o seu grito de aflição.
12 Esse filho será como um jumento selvagem; ele lutará contra todos, e todos lutarão contra ele. E ele viverá longe de todos os seus parentes."
13 Então Agar deu ao SENHOR este nome: "O Deus que Vê." Isso porque ele havia falado com ela, e ela havia perguntado a si mesma: "Será verdade que eu vi Aquele que Me Vê?"
14 É por isso que esse poço, que fica entre Cades e Berede, é chamado de "Poço Daquele que Vive e Me Vê".
15 Agar deu um filho a Abrão, e ele pôs no menino o nome de Ismael.
16 Abrão tinha oitenta e seis anos quando Ismael nasceu.

Gênesis – Capítulo 17

1 Quando Abrão tinha noventa e nove anos, o SENHOR Deus apareceu a ele e disse: - Eu sou o Deus Todo-Poderoso. Viva uma vida de comunhão comigo e seja obediente a mim em tudo.
2 Eu farei a minha aliança com você e lhe darei muitos descendentes.
3 Então Abrão se ajoelhou, encostou o rosto no chão, e Deus lhe disse:
4 - Eu faço com você esta aliança: prometo que você será o pai de muitas nações.
5 Daqui em diante o seu nome será Abraão e não Abrão, pois eu vou fazer com que você seja pai de muitas nações.
6 Farei com que os seus descendentes sejam muito numerosos, e alguns deles serão reis.
7 A aliança que estou fazendo para sempre com você e com os seus descendentes é a seguinte: eu serei para sempre o Deus de você e o Deus dos seus descendentes.
8 Darei a você e a eles a terra onde você está morando como estrangeiro. Toda a terra de Canaã será para sempre dos seus descendentes, e eu serei o Deus deles.
9 Deus continuou: - Você, Abraão, será fiel à minha aliança, você e os seus descendentes, para sempre.
10 Pela aliança que estou fazendo com você e com os seus descendentes, todos os homens entre vocês deverão ser circuncidados.
11 A circuncisão servirá como sinal da aliança que há entre mim e vocês.
12 De hoje em diante vocês circuncidarão todos os meninos oito dias depois de nascidos, e também os escravos que nascerem nas casas de vocês, e os que forem comprados de estrangeiros.
13 Tanto uns como outros deverão ser circuncidados, sem falta. Esse será um sinal que vai ficar no seu corpo para mostrar que a minha aliança com vocês é para sempre.
14 Quem não for circuncidado não poderá morar no meio de vocês, pois não respeitou a minha aliança.
15 Depois Deus disse a Abraão: - De hoje em diante não chame mais a sua mulher de Sarai, mas de Sara.
16 Eu a abençoarei e darei a você um filho, que nascerá dela. Sim, eu a abençoarei, e ela será mãe de nações; e haverá reis entre os seus descendentes.
17 Abraão se ajoelhou, encostou o rosto no chão e começou a rir ao pensar assim: "Por acaso um homem de cem anos pode ser pai? E será que Sara, com os seus noventa anos, poderá ter um filho?"
18 Então Abraão disse a Deus o seguinte: - Quem dera que Ismael vivesse abençoado por ti!
19 Mas Deus respondeu: - O que eu disse foi que Sara, a sua mulher, lhe dará um filho. E você o chamará de Isaque. Eu manterei a minha aliança com ele e com os seus descendentes, para sempre.
20 Também ouvi o seu pedido a respeito de Ismael; e eu o abençoarei e lhe darei muitos filhos e muitos descendentes. Ele será pai de doze príncipes, e eu farei com que os descendentes dele sejam uma grande nação.
21 Mas a minha aliança eu manterei com Isaque, o seu filho, que Sara dará à luz nesta mesma época, no ano que vem.
22 Quando acabou de falar com Abraão, Deus subiu e o deixou.
23 Naquele mesmo dia Abraão fez como Deus havia mandado. Ele circuncidou o seu filho Ismael e todos os outros homens da sua casa, incluindo os escravos nascidos na sua casa e os que tinham sido comprados de estrangeiros.
24 Abraão tinha noventa e nove anos quando foi circuncidado,
25 e o seu filho Ismael tinha treze.
26 Os dois foram circuncidados no mesmo dia.
27 E foram circuncidados também todos os escravos de Abraão, tanto os nascidos na sua casa como os que tinham sido comprados de estrangeiros.

Gênesis – Capítulo 18

1 O SENHOR Deus apareceu a Abraão no bosque sagrado de Manre. Era a hora mais quente do dia, e Abraão estava sentado na entrada da sua barraca.
2 Ele olhou para cima e viu três homens, de pé na sua frente. Quando os viu, correu ao encontro deles. Ajoelhou-se, encostou o rosto no chão
3 e disse: - Senhores, se eu mereço a sua atenção, não passem pela minha humilde casa sem me fazerem uma visita.
4 Vou mandar trazer água para lavarem os pés, e depois os senhores descansarão aqui debaixo da árvore.
5 Também vou trazer um pouco de comida, e assim terão forças para continuar a viagem. Os senhores me honraram com a sua visita; portanto, deixem que eu os sirva. Eles responderam: - Está bem, nós aceitamos.
6 Abraão correu para dentro da barraca e disse a Sara: - Depressa! Pegue uns dez quilos de farinha e faça pão.
7 Em seguida ele correu até onde estava o gado, escolheu um bom bezerro novo e o entregou a um dos empregados, que o preparou para ser comido.
8 Abraão pegou coalhada, leite e a carne preparada e pôs tudo diante dos visitantes. Ali, debaixo da árvore, ele mesmo serviu a comida e ficou olhando.
9 Então eles perguntaram: - Onde está Sara, a sua mulher? - Está na barraca - respondeu Abraão.
10 Um deles disse: - No ano que vem eu virei visitá-lo outra vez. E nessa época Sara, a sua mulher, terá um filho. Sara estava atrás dele, na entrada da barraca, escutando a conversa.
11 Abraão e Sara eram muito velhos, e Sara já havia passado da idade de ter filhos.
12 Por isso riu por dentro e pensou assim: - Como poderei ter prazer sexual agora que eu e o meu senhor estamos velhos?
13 Então o SENHOR perguntou a Abraão: - Por que Sara riu? Por que disse que está velha demais para ter um filho?
14 Será que para o SENHOR há alguma coisa impossível? Pois, como eu disse, no ano que vem virei visitá-lo outra vez. E nessa época Sara terá um filho.
15 Ao escutar isso, Sara ficou com medo e quis negar. - Eu não estava rindo - disse ela. Mas o SENHOR respondeu: - Não é verdade; você riu mesmo.
16 Depois os visitantes se levantaram e foram para um lugar de onde podiam ver a cidade de Sodoma. E Abraão os acompanhou para lhes mostrar o caminho.
17 Aí o SENHOR Deus disse a si mesmo: "Não vou esconder de Abraão o que pretendo fazer.
18 Os seus descendentes se tornarão uma nação grande e poderosa, e por meio dele eu abençoarei todas as nações da terra.
19 Eu o escolhi para que ele mande que os seus filhos e os seus descendentes obedeçam aos meus ensinamentos e façam o que é correto e justo. Se eles obedecerem, farei por Abraão tudo o que prometi."
20 Aí o SENHOR disse a Abraão: - Há terríveis acusações contra Sodoma e Gomorra, e o pecado dos seus moradores é muito grave.
21 Preciso descer até lá para ver se as acusações que tenho ouvido são verdadeiras ou não.
22 Então dois dos visitantes saíram, indo na direção de Sodoma; porém Abraão ficou ali com Deus, o SENHOR.
23 Abraão chegou um pouco mais perto e perguntou: - Será que vais destruir os bons junto com os maus?
24 Talvez haja cinqüenta pessoas direitas na cidade. Nesse caso, vais destruir a cidade? Será que não a perdoarias por amor aos cinqüenta bons?
25 Não é possível que mates os bons junto com os maus, como se todos tivessem cometido os mesmos pecados. Não faças isso! Tu és o juiz do mundo inteiro e por isso agirás com justiça.
26 O SENHOR Deus respondeu: - Se eu achar cinqüenta pessoas direitas em Sodoma, perdoarei a cidade inteira por causa delas.
27 Abraão voltou a dizer: - Perdoa o meu atrevimento de continuar falando contigo, pois tu és o Senhor, e eu sou um simples mortal.
28 Pode acontecer que haja apenas quarenta e cinco pessoas direitas. Destruirás a cidade por causa dessa diferença de cinco? Deus respondeu: - Se eu achar quarenta e cinco, não destruirei a cidade.
29 Abraão continuou: - E se houver somente quarenta bons? - Por amor a esses quarenta, não destruirei a cidade - Deus respondeu.
30 Abraão disse: - Não fiques zangado comigo, Senhor, por eu continuar a falar. E se houver só trinta? Deus respondeu: - Se houver trinta, eu perdoarei a cidade.
31 Abraão tornou a insistir: - Estou sendo atrevido, mas me perdoa, Senhor. E se houver somente vinte? - Por amor a esses vinte, não destruirei a cidade - Deus respondeu.
32 Finalmente Abraão disse: - Não fiques zangado, Senhor, pois esta é a última vez que vou falar. E se houver só dez? - Por causa desses dez, não destruirei a cidade - Deus respondeu.
33 Quando o SENHOR Deus acabou de falar com Abraão, ele foi embora, e Abraão voltou para casa.

Gênesis – Capítulo 19

1 Estava anoitecendo quando os dois anjos chegaram a Sodoma. Ló estava sentado perto do portão de entrada da cidade. Quando viu os anjos, levantou-se e foi recebê-los. Ajoelhou-se, encostou o rosto no chão
2 e disse: - Senhores, estou aqui para servi-los; por favor, aceitem o meu convite e venham se hospedar na minha casa. Os senhores podem lavar os pés e passar a noite ali. Depois se levantarão bem cedo e continuarão a sua viagem. Eles disseram: - Não; nós vamos passar a noite na praça.
3 Mas Ló insistiu tanto, que eles aceitaram e foram com ele para a sua casa. Ló mandou preparar um bom jantar e assar pães sem fermento. E os visitantes jantaram.
4 Mas, antes que eles fossem dormir, todos os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, cercaram a casa.
5 Eles chamaram Ló e perguntaram: - Onde estão os homens que entraram na sua casa esta noite? Traga-os aqui fora para nós, pois queremos ter relações com eles.
6 Ló saiu para falar com os homens. Ele fechou bem a porta
7 e disse: - Por favor, meus amigos, não cometam esse crime!
8 Prestem atenção! Tenho duas filhas que ainda são virgens. Vou trazê-las aqui fora para vocês. Façam com elas o que quiserem. Porém não façam nada com esses homens, pois são meus hóspedes, e eu tenho o dever de protegê-los.
9 Mas eles responderam: - Saia da nossa frente! E diziam uns aos outros: - Esse homem é estrangeiro e quer mandar em nós! Depois, virando-se para Ló, disseram: - Pois agora vamos fazer com você pior ainda do que íamos fazer com os seus hóspedes. Os homens de Sodoma se atiraram contra Ló e chegaram perto da porta para arrombá-la.
10 Mas os visitantes pegaram Ló, e o puxaram para dentro da casa, e fecharam a porta.
11 Em seguida eles fizeram que os homens, tanto os moços como os velhos, que estavam do lado de fora, ficassem cegos; e assim não conseguiram encontrar a porta.
12 Então os visitantes disseram a Ló: - Tem mais gente sua aqui? Pegue os seus filhos, as suas filhas, os seus genros e outros parentes que você tiver na cidade e tire todos daqui,
13 pois nós vamos destruir este lugar. O SENHOR Deus tem ouvido as terríveis acusações que há contra essa gente e por isso nos mandou para destruirmos Sodoma.
14 Então Ló saiu e foi falar com os homens que iam casar com as suas filhas. Ele disse: - Arrumem-se depressa e saiam daqui porque o SENHOR vai destruir a cidade! Mas eles pensaram que Ló estivesse brincando.
15 De madrugada os anjos insistiram com Ló, dizendo: - Arrume-se depressa, pegue a sua mulher e as suas duas filhas e saia daqui, para que vocês não morram quando a cidade for destruída.
16 E, como ele estava demorando, os anjos pegaram pela mão Ló, a sua mulher e as suas filhas e os levaram para fora da cidade, pois o SENHOR teve compaixão de Ló.
17 Então um dos anjos disse a Ló: - Agora corra e salve a sua vida! Não olhe para trás, nem pare neste vale. Fuja para a montanha; se não, você vai morrer.
18 Mas Ló respondeu: - Senhor, não me obrigue a fazer isso, por favor!
19 O senhor me fez um grande favor e teve pena de mim, salvando a minha vida. Mas a montanha fica muito longe daqui, e a destruição vai me alcançar e acabar comigo antes que eu chegue lá.
20 Está vendo aquela cidadezinha ali? Ela fica perto. Deixe que eu fuja para lá a fim de salvar a minha vida. Veja que é uma cidade bem pequena.
21 Então o anjo disse: - Está bem; concordo. Eu não destruirei aquela cidade.
22 Agora vá depressa, pois eu não poderei fazer nada enquanto você não chegar lá. Ló tinha dito que a cidade era bem pequena, e por isso ela recebeu o nome de Zoar.
23 Ló chegou a Zoar depois que o sol já havia saído.
24 De repente, lá do céu, o SENHOR Deus fez chover fogo e enxofre sobre Sodoma e Gomorra.
25 Ele destruiu essas duas cidades, e também todo o vale e os seus moradores, e acabou com todas as plantas e árvores daquela região.
26 E aconteceu que a mulher de Ló olhou para trás e virou uma estátua de sal.
27 No dia seguinte Abraão se levantou de madrugada e foi até o lugar onde havia falado com Deus, o SENHOR.
28 Abraão olhou na direção de Sodoma, de Gomorra e de todo o vale e viu que da terra subia fumaça, como se fosse a fumaça de uma grande fornalha.
29 Foi assim que Deus destruiu as cidades do vale. Mas ele pensou em Abraão e fez com que Ló escapasse da destruição das cidades onde havia morado.
30 Ló teve medo de ficar morando em Zoar e por isso foi para as montanhas, junto com as duas filhas. Ali os três viviam numa caverna.
31 Certo dia a filha mais velha disse à mais nova: - O nosso pai já está ficando velho, e não há nenhum outro homem nesta região. Assim não podemos casar e ter filhos, como é costume em toda parte.
32 Venha cá, vamos dar vinho a papai até que fique bêbado. Então nós nos deitaremos com ele e assim teremos filhos dele.
33 Naquela mesma noite elas deram vinho ao pai, e a filha mais velha teve relações com ele. Mas ele estava tão bêbado, que não percebeu nada.
34 No dia seguinte a filha mais velha disse à irmã: - Eu dormi ontem à noite com papai. Vamos embebedá-lo de novo hoje à noite, e você vai dormir com ele. Assim, nós duas teremos filhos com ele e conservaremos a sua descendência.
35 Nessa noite tornaram a dar vinho ao pai, e a filha mais nova teve relações com ele. De novo ele estava tão bêbado, que não percebeu nada.
36 Assim, as duas filhas de Ló ficaram grávidas do próprio pai.
37 A mais velha teve um filho, a quem deu o nome de Moabe. Ele foi o pai dos moabitas de hoje.
38 A mais nova também teve um filho e pôs nele o nome de Ben-Ami. Ele foi o pai dos amonitas de hoje.

Gênesis – Capítulo 21

1 De acordo com a sua promessa, o SENHOR Deus abençoou Sara.
2 Ela ficou grávida e, na velhice de Abraão, lhe deu um filho. O menino nasceu no tempo que Deus havia marcado,
3 e Abraão pôs nele o nome de Isaque.
4 Quando Isaque tinha oito dias, Abraão o circuncidou, como Deus havia mandado.
5 Quando Isaque nasceu, Abraão tinha cem anos.
6 Então Sara disse: - Deus me deu motivo para rir. E todos os que ouvirem essa história vão rir comigo.
7 E disse também: - Quem diria a Abraão que Sara daria de mamar? No entanto, apesar de ele estar velho, eu lhe dei um filho.
8 O menino cresceu e foi desmamado. E, no dia em que o menino foi desmamado, Abraão deu uma grande festa.
9 Certo dia Ismael, o filho de Abraão e da egípcia Agar, estava brincando com Isaque, o filho de Sara.
10 Quando Sara viu isso, disse a Abraão: - Mande embora essa escrava e o filho dela, pois o filho dessa escrava não será herdeiro junto com Isaque, o meu filho.
11 Abraão ficou muito preocupado com isso, pois Ismael também era seu filho.
12 Mas Deus disse: - Abraão, não se preocupe com o menino, nem com a sua escrava. Faça tudo o que Sara disser, pois você terá descendentes por meio de Isaque.
13 O filho da escrava é seu filho também, e por isso farei com que os descendentes dele sejam uma grande nação.
14 No dia seguinte Abraão se levantou de madrugada e deu para Agar comida e um odre cheio de água. Pôs o menino nos ombros dela e mandou que fosse embora. E Agar foi embora, andando sem direção pelo deserto de Berseba.
15 Quando acabou a água do odre, ela deixou o menino debaixo de uma arvorezinha
16 e foi sentar-se a uns cem metros dali. Ela estava pensando: "Não suporto ver o meu filho morrer." Ela ficou ali sentada, e o menino começou a chorar.
17 Deus ouviu o choro do menino; e, lá do céu, o Anjo de Deus chamou Agar e disse: - Por que é que você está preocupada, Agar? Não tenha medo, pois Deus ouviu o choro do menino aí onde ele está.
18 Vamos! Levante o menino e pegue-o pela mão. Eu farei dos seus descendentes uma grande nação.
19 Então Deus abriu os olhos de Agar, e ela viu um poço. Ela foi, encheu o odre de água e deu para Ismael beber.
20 Protegido por Deus, o menino cresceu. Ismael ficou morando no deserto de Parã e se tornou um bom atirador de flechas.
21 E a sua mãe arranjou uma mulher egípcia para ele.
22 Por esse tempo Abimeleque foi conversar com Abraão. Ficol, comandante do seu exército, foi com ele. Abimeleque disse a Abraão: - Deus está com você em tudo o que você faz.
23 Portanto, aqui neste lugar, jure por Deus que não vai enganar nem a mim, nem aos meus filhos, nem aos meus descendentes. Eu tenho sido sincero com você; por isso prometa que será sincero comigo e fiel a esta terra em que está morando.
24 - Eu juro - disse Abraão.
25 Abraão fez uma reclamação a Abimeleque por causa de um poço que os empregados de Abimeleque haviam tomado à força.
26 Abimeleque explicou: - Não sei quem fez isso. Você nunca me falou nada, e esta é a primeira vez que estou ouvindo falar desse assunto.
27 Aí Abraão pegou algumas ovelhas e alguns bois e deu a Abimeleque, e os dois fizeram um trato.
28 Abraão separou sete ovelhinhas do seu rebanho,
29 e Abimeleque perguntou: - Por que você separou estas sete ovelhinhas?
30 Abraão respondeu: - Elas são um presente para você. Ao receber estas sete ovelhinhas, você estará concordando que fui eu quem cavou este poço.
31 Por isso aquele lugar ficou sendo chamado de Berseba, pois ali os dois fizeram um juramento.
32 Depois de fazerem esse trato em Berseba, Abimeleque e Ficol voltaram para a Filistéia.
33 Abraão plantou uma árvore em Berseba e ali adorou o SENHOR, o Deus Eterno.
34 E Abraão ficou morando muito tempo na Filistéia.

Gênesis – Capítulo 22

1 Algum tempo depois Deus pôs Abraão à prova. Deus o chamou pelo nome, e ele respondeu: - Estou aqui.
2 Então Deus disse: - Pegue agora Isaque, o seu filho, o seu único filho, a quem você tanto ama, e vá até a terra de Moriá. Ali, na montanha que eu lhe mostrar, queime o seu filho como sacrifício.
3 No dia seguinte Abraão se levantou de madrugada, arreou o seu jumento, cortou lenha para o sacrifício e saiu para o lugar que Deus havia indicado. Isaque e dois empregados foram junto com ele.
4 No terceiro dia, Abraão viu o lugar, de longe.
5 Então disse aos empregados: - Fiquem aqui com o jumento. Eu e o menino vamos ali adiante para adorar a Deus. Daqui a pouco nós voltamos.
6 Abraão pegou a lenha para o sacrifício e pôs nos ombros de Isaque. Pegou uma faca e fogo, e os dois foram andando juntos.
7 Daí a pouco o menino disse: - Pai! Abraão respondeu: - Que foi, meu filho? Isaque perguntou: - Nós temos a lenha e o fogo, mas onde está o carneirinho para o sacrifício?
8 Abraão respondeu: - Deus dará o que for preciso; ele vai arranjar um carneirinho para o sacrifício, meu filho. E continuaram a caminhar juntos.
9 Quando chegaram ao lugar que Deus havia indicado, Abraão fez um altar e arrumou a lenha em cima dele. Depois amarrou Isaque e o colocou sobre o altar, em cima da lenha.
10 Em seguida pegou a faca para matá-lo.
11 Mas nesse instante, lá do céu, o Anjo do SENHOR o chamou, dizendo: - Abraão! Abraão! - Estou aqui - respondeu ele.
12 O Anjo disse: - Não machuque o menino e não lhe faça nenhum mal. Agora sei que você teme a Deus, pois não me negou o seu filho, o seu único filho.
13 Abraão olhou em volta e viu um carneiro preso pelos chifres, no meio de uma moita. Abraão foi, pegou o carneiro e o ofereceu como sacrifício em lugar do seu filho.
14 Abraão pôs naquele lugar o nome de "O SENHOR Deus dará o que for preciso." É por isso que até hoje o povo diz: "Na sua montanha o SENHOR Deus dá o que é preciso."
15 Mais uma vez o Anjo do SENHOR, lá do céu, chamou Abraão
16 e disse: - Porque você fez isso e não me negou o seu filho, o seu único filho, eu juro pelo meu próprio nome - diz Deus, o SENHOR - que abençoarei você ricamente.
17 Farei com que os seus descendentes sejam tão numerosos como as estrelas do céu ou os grãos de areia da praia do mar; e eles vencerão os inimigos.
18 Por meio dos seus descendentes eu abençoarei todas as nações do mundo, pois você fez o que eu mandei.
19 Abraão voltou para o lugar onde estavam os seus empregados, e foram todos juntos para Berseba, onde Abraão ficou morando.
20 Algum tempo depois Abraão recebeu a notícia de que Naor, o seu irmão, tinha oito filhos, nascidos de Milca, a sua mulher.
21 O primeiro que nasceu foi Uz; depois vieram os seus irmãos Buz e Quemuel, que foi o pai de Arã;
22 depois nasceram Quesede, Hazo, Pildas, Jidlafe e Betuel.
23 Este Betuel foi o pai de Rebeca. São esses os oito filhos que Milca deu a Naor, o irmão de Abraão.
24 Reúma, a concubina de Naor, lhe deu os seguintes filhos: Teba, Gaã, Taás e Maacá.

Gênesis – Capítulo 24

1 Abraão já estava bem velho, e o SENHOR Deus o havia abençoado em tudo.
2 Um dia ele chamou o seu empregado mais antigo, que tomava conta de tudo o que ele tinha, e disse: - Ponha a mão por baixo da minha coxa e faça um juramento.
3 Jure pelo SENHOR, o Deus do céu e da terra, que você não deixará que o meu filho Isaque case com nenhuma mulher deste país de Canaã, onde estou morando.
4 Vá até a minha terra e escolha no meio dos meus parentes uma esposa para Isaque.
5 O empregado perguntou: - E o que é que eu faço se a moça não quiser vir comigo? Devo levar o seu filho de volta para a terra de onde o senhor veio?
6 Abraão respondeu: - Não! Não faça o meu filho voltar para lá, de jeito nenhum!
7 O SENHOR, o Deus do céu, me tirou da casa do meu pai e da terra dos meus parentes e jurou que daria esta terra aos meus descendentes. Ele vai enviar o seu Anjo para guiá-lo, e assim você conseguirá arranjar uma mulher para o meu filho.
8 Se a moça não quiser vir, você ficará livre deste juramento. Porém não leve o meu filho de volta para lá, de jeito nenhum.
9 Então o empregado pôs a mão por baixo da coxa de Abraão e jurou que faria o que ele havia ordenado.
10 Em seguida o empregado pegou dez camelos de Abraão e uma porção de presentes e foi até a cidade onde Naor havia morado, na Mesopotâmia.
11 Quando o empregado chegou, fez os camelos se ajoelharem perto do poço, fora da cidade. Era de tardinha, a hora em que as mulheres vinham buscar água.
12 Aí ele orou assim: - Ó SENHOR, Deus do meu patrão Abraão, faze com que tudo dê certo e sê bondoso para o meu patrão.
13 Eu estou aqui perto do poço aonde as moças da cidade vêm para tirar água.
14 Vou dizer a uma delas: "Por favor, abaixe o seu pote para que eu beba um pouco de água." Se ela disser assim: "Beba, e eu vou dar água também para os seus camelos", que seja essa a moça que escolheste para o teu servo Isaque. Se isso acontecer, ficarei sabendo que foste bondoso para o meu patrão.
15 Ele nem havia acabado a oração, quando Rebeca veio, carregando o seu pote no ombro. Ela era filha de Betuel, que era filho de Milca e de Naor, o irmão de Abraão.
16 Rebeca era uma linda moça, ainda virgem; nenhum homem havia tocado nela. Ela desceu até o poço, encheu o seu pote e subiu.
17 Então o empregado de Abraão foi correndo se encontrar com ela e disse: - Por favor, deixe que eu beba um pouco da água do seu pote.
18 - O senhor pode beber - respondeu ela. E rapidamente abaixou o pote e o segurou enquanto ele bebia.
19 Depois de lhe dar de beber, a moça disse: - Vou tirar água também para os seus camelos e lhes darei de beber o quanto quiserem.
20 Rapidamente ela despejou a água no bebedouro e correu várias vezes ao poço a fim de tirar água para todos os camelos.
21 Enquanto isso o homem, sem dizer nada, ficou observando a moça para saber se o SENHOR Deus havia ou não abençoado a sua viagem.
22 Quando os camelos acabaram de beber, o homem pegou uma argola de ouro, que pesava seis gramas, e colocou no nariz dela. E também lhe deu duas pulseiras de ouro, que pesavam mais de cem gramas.
23 Em seguida perguntou: - Por favor, diga quem é o seu pai. Será que na casa dele há lugar para os meus homens e eu passarmos a noite?
24 Ela respondeu: - Eu sou filha de Betuel, filho de Milca e de Naor.
25 Na nossa casa há lugar para dormir e também bastante palha e capim para os camelos.
26 Então o homem se ajoelhou e adorou a Deus, o SENHOR.
27 Ele disse: - Bendito seja o SENHOR, o Deus de Abraão, o meu patrão! Pois foi fiel e bondoso com ele, guiando-me diretamente até a casa dos seus parentes.
28 A moça foi correndo para a casa da sua mãe e contou o que havia acontecido.
29 Rebeca tinha um irmão chamado Labão, o qual viu a argola no nariz da irmã e as pulseiras nos seus braços e a ouviu contar o que o homem tinha dito para ela. Labão saiu correndo e foi buscar o empregado de Abraão, que havia ficado de pé, ao lado dos camelos, ali perto do poço.
31 Labão disse: - Venha comigo, homem abençoado por Deus, o SENHOR. Por que você está aí fora? Já preparei a casa e também o lugar para os camelos.
32 Então o homem entrou na casa. Labão tirou a carga dos camelos e lhes deu palha e capim. Depois trouxe água para que o empregado de Abraão e os seus companheiros lavassem os pés.
33 Quando trouxeram a comida, o homem disse: - Eu não vou comer enquanto não disser o que tenho para dizer. - Fale - disse Labão.
34 Então ele disse o seguinte: - Eu sou empregado de Abraão.
35 O SENHOR Deus abençoou muito o meu patrão, e ele ficou rico. O SENHOR lhe deu rebanhos de ovelhas e cabras, gado, prata, ouro, escravos e escravas, camelos e jumentos.
36 Sara, a sua mulher, mesmo depois de velha, deu um filho ao meu patrão, e o filho herdará tudo o que o pai tem.
37 O meu patrão me fez jurar que eu faria o que ele ordenasse e me disse: "Não deixe que o meu filho case com nenhuma mulher deste país de Canaã, onde estou morando.
38 Vá até o lugar onde mora a família do meu pai e no meio dos meus parentes escolha uma mulher para ele."
39 Então eu lhe perguntei: "E o que é que eu faço se a moça não quiser vir comigo?"
40 Ele me respondeu: "Eu tenho obedecido fielmente a Deus, o SENHOR. Ele enviará o seu Anjo para estar com você, e tudo dará certo. No meio da minha gente, na família do meu pai, você escolherá uma mulher para o meu filho.
41 Se você falar com os meus parentes, e eles não quiserem dar a moça, então você ficará livre do juramento que me fez."
42 - E foi assim que hoje cheguei ao poço e disse a Deus o seguinte: "Ó SENHOR, ó Deus de Abraão, o meu patrão, eu peço que aquilo que vou fazer dê certo.
43 Eu estou aqui ao lado do poço. Quando uma moça vier tirar água, eu vou pedir que me dê de beber da água do seu pote.
44 Se ela concordar e também se oferecer para tirar água para os meus camelos, que seja essa a que escolheste para ser mulher do filho do meu patrão."
45 Eu nem havia acabado de fazer essa oração em silêncio, quando Rebeca veio com um pote no ombro, desceu até o poço e tirou água. Aí eu disse: "Dê-me um pouco de água, por favor."
46 Ela abaixou depressa o seu pote e disse: "Pode beber, e vou dar de beber também aos seus camelos." Então eu bebi, e ela deu água também aos camelos.
47 Em seguida perguntei: "Quem é o seu pai?" Ela respondeu: "Eu sou filha de Betuel, filho de Milca e de Naor." Então coloquei uma argola no nariz dela e duas pulseiras nos seus braços.
48 Eu me ajoelhei e adorei a Deus. E louvei o SENHOR, o Deus de Abraão, o meu patrão, que me guiou diretamente aos seus parentes a fim de que eu levasse a filha do irmão do meu patrão para o seu filho.
49 Agora, digam se vocês vão ser bondosos e sinceros com o meu patrão; se não, digam também, para que eu resolva o que fazer.
50 Labão e Betuel responderam: - Tudo isso vem de Deus, o SENHOR, e por isso não podemos dizer nada, nem a favor nem contra.
51 Aqui está Rebeca; leve-a com você. Que ela seja a mulher do filho do seu patrão, como o SENHOR Deus já disse.
52 Quando o empregado de Abraão ouviu essas palavras, ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e adorou a Deus, o SENHOR.
53 Em seguida pegou vários objetos de prata e de ouro e vestidos e os deu a Rebeca. E também deu presentes caros ao irmão e à mãe dela.
54 Então ele e os seus companheiros comeram e beberam, e passaram a noite ali. No outro dia de manhã, quando se levantaram, o empregado disse: - Deixem que eu volte para a casa do meu patrão.
55 Mas o irmão e a mãe de Rebeca disseram: - É melhor que ela fique com a gente alguns dias, talvez uns dez, e depois poderá ir.
56 Mas o empregado respondeu: - Não me façam ficar aqui. O SENHOR Deus fez com que a minha viagem desse certo; deixem que eu volte para a casa do meu patrão.
57 Então eles disseram: - Vamos chamar Rebeca para ver o que ela diz.
58 Eles chamaram a moça e lhe perguntaram: - Você quer ir com este homem? - Quero - respondeu ela.
59 Aí deixaram que Rebeca e a mulher que havia sido sua babá fossem com o empregado de Abraão e os seus companheiros.
60 E abençoaram Rebeca, dizendo: "Que você, nossa irmã, seja mãe de milhões! Que os seus descendentes conquistem as cidades dos seus inimigos!"
61 Então Rebeca e as suas empregadas se prepararam, montaram os camelos e seguiram o empregado de Abraão. E assim eles foram embora.
62 Isaque tinha vindo ao deserto onde ficava o "Poço Daquele que Vive e Me Vê", pois morava no sul de Canaã.
63 Ele havia saído à tardinha para dar um passeio pelo campo, quando viu que vinham vindo camelos.
64 Rebeca também olhou e, quando viu Isaque, desceu do camelo
65 e perguntou ao empregado: - Quem é aquele homem que vem andando pelo campo na nossa direção? - É o meu patrão - respondeu ele. Aí ela pegou o véu e cobriu o rosto.
66 O empregado contou a Isaque tudo o que havia feito.
67 Então Isaque levou Rebeca para a barraca onde Sara, a sua mãe, havia morado, e ela se tornou a sua mulher. Isaque amou Rebeca e assim foi consolado depois da morte da sua mãe.

Gênesis – Capítulo 25

1 Abraão casou com outra mulher, que se chamava Quetura,
2 e ela lhe deu os seguintes filhos: Zinrã, Jocsã, Medã, Midiã, Isbaque e Sua.
3 Jocsã foi o pai de Seba e de Dedã. Os descendentes de Dedã foram os assureus, os letuseus e os leumeus.
4 Os filhos de Midiã foram Efa, Éfer, Enoque, Abida e Elda. Todos esses foram descendentes de Quetura.
5 Abraão deixou tudo o que tinha para Isaque,
6 mas deu presentes para os filhos das suas concubinas. E, antes de morrer, separou-os de Isaque e mandou que fossem morar na terra do Oriente.
7 Abraão viveu cento e setenta e cinco anos.
8 Ele morreu bem velho e foi reunir-se com os seus antepassados no mundo dos mortos.
9 Os seus filhos Isaque e Ismael o sepultaram na caverna de Macpela, que fica a leste de Manre, no campo de Efrom, que era filho de Zoar, o heteu.
10 Este era o campo que Abraão havia comprado dos heteus; Abraão e Sara foram sepultados ali.
11 Depois da morte de Abraão, Deus abençoou Isaque, o filho dele, que morava perto do "Poço Daquele que Vive e Me Vê".
12 Ismael, o filho de Abraão e de Agar, a escrava egípcia de Sara, foi pai dos seguintes filhos,
13 por ordem de nascimento: Nebaiote, o filho mais velho, e em seguida Quedar, Abdeel, Mibsão,
14 Misma, Dumá, Massá,
15 Hadade, Tema, Jetur, Nafis e Quedemá.
16 São esses os doze filhos de Ismael; as suas terras e os seus acampamentos receberam os nomes deles. Cada um era chefe da sua própria tribo.
17 Ismael tinha cento e trinta e sete anos quando morreu, indo reunir-se assim com os seus antepassados no mundo dos mortos.
18 Os descendentes de Ismael viveram na região que fica entre Havilá e Sur, a leste do Egito, ao longo da estrada que vai para a Assíria. Eles viviam separados dos outros descendentes de Abraão.
19 Esta é a história de Isaque, filho de Abraão.
20 Isaque tinha quarenta anos quando casou com Rebeca, filha de Betuel e irmã de Labão. Eles eram arameus e moravam na Mesopotâmia.
21 Rebeca não podia ter filhos, e por isso Isaque orou a Deus, o SENHOR, em favor dela. O SENHOR ouviu a oração dele, e Rebeca ficou grávida.
22 Na barriga dela havia gêmeos, e eles lutavam um com o outro. Ela pensou assim: "Por que está me acontecendo uma coisa dessas?" Então foi perguntar a Deus, o SENHOR,
23 e ele respondeu: "No seu ventre há duas nações; você dará à luz dois povos inimigos. Um será mais forte do que o outro, e o mais velho será dominado pelo mais moço."
24 Chegou o tempo de Rebeca dar à luz, e ela teve dois meninos.
25 O que nasceu primeiro era vermelho e peludo como um casaco de pele; por isso lhe deram o nome de Esaú.
26 O segundo nasceu agarrando o calcanhar de Esaú com uma das mãos, e por isso lhe deram o nome de Jacó. Isaque tinha sessenta anos quando Rebeca teve os gêmeos.
27 Os meninos cresceram. Esaú gostava de viver no campo e se tornou um bom caçador. Jacó, pelo contrário, era um homem sossegado, que gostava de ficar em casa.
28 Isaque amava mais Esaú porque gostava de comer da carne dos animais que ele caçava. Rebeca, por sua vez, preferia Jacó.
29 Um dia, quando Jacó estava cozinhando um ensopado, Esaú chegou do campo, muito cansado,
30 e foi dizendo: - Estou morrendo de fome. Por favor, me deixe comer dessa coisa vermelha aí (Por isso puseram em Esaú o nome de Edom.).
31 Jacó respondeu: - Sim, eu deixo; mas só se você passar para mim os seus direitos de filho mais velho.
32 Esaú disse: - Está bem. Eu estou quase morrendo; que valor têm para mim esses direitos de filho mais velho?
33 - Então jure primeiro - disse Jacó. Esaú fez um juramento e assim passou a Jacó os seus direitos de filho mais velho.
34 Aí Jacó lhe deu pão e o ensopado. Quando Esaú acabou de comer e de beber, levantou-se e foi embora. Foi assim que ele desprezou os seus direitos de filho mais velho.

Gênesis – Capítulo 27

1 Isaque já estava bem velho e havia ficado cego. Um dia ele chamou Esaú, o seu filho mais velho, e disse: - Meu filho! - Estou aqui, pai - respondeu ele.
2 O pai lhe disse: - Você está vendo que estou velho e um dia desses vou morrer.
3 Pegue o seu arco e as suas flechas, vá até o campo e cace um animal.
4 Prepare uma comida saborosa, como eu gosto, e traga aqui para mim. Depois de comer, eu lhe darei a minha bênção, antes de morrer.
5 Acontece que Rebeca escutou o que Isaque disse a Esaú. Por isso, quando ele saiu para caçar,
6 ela disse a Jacó: - Escutei agora mesmo uma conversa do seu pai com o seu irmão Esaú. O seu pai disse assim:
7 "Vá caçar um animal e prepare uma comida saborosa para mim. Depois de comer, eu lhe darei a minha bênção na presença de Deus, o SENHOR, antes de morrer."
8 Agora, meu filho - continuou Rebeca - escute bem e faça o que eu vou dizer.
9 Vá ao lugar onde estão os nossos animais e traga dois cabritos dos melhores. Eu vou preparar uma comida saborosa, como o seu pai gosta,
10 e você vai levá-la para ele comer. Depois o seu pai vai abençoar você, antes que ele morra.
11 Aí Jacó disse à mãe: - O meu irmão é muito peludo, e eu não.
12 Se o meu pai me apalpar e descobrir que sou eu, ele vai saber que eu estou tentando enganá-lo. Então ele vai me amaldiçoar em vez de me abençoar.
13 Mas a mãe respondeu: - Nesse caso, que a maldição caia sobre mim, meu filho. Faça exatamente o que eu disse: vá e traga os cabritos para mim.
14 Jacó foi, pegou os cabritos e os levou à mãe, e ela preparou uma comida saborosa, como Isaque gostava.
15 Depois ela pegou a melhor roupa de Esaú, que estava guardada em casa, e com ela vestiu Jacó.
16 Com a pele dos cabritos ela cobriu as mãos e o pescoço de Jacó, que não tinha pêlos.
17 Depois entregou a Jacó a comida gostosa e o pão que ela havia feito.
18 Então Jacó foi até onde o pai estava e disse: - Pai! - Aqui estou - respondeu ele. - Quem é você, meu filho?
19 - Eu sou Esaú, o seu filho mais velho - disse Jacó. - Já fiz o que o senhor mandou. Levante-se, por favor; sente-se, coma da carne do animal que cacei e depois me abençoe.
20 Aí Isaque perguntou: - Mas como foi que você achou a caça tão depressa, meu filho? Jacó respondeu: - O SENHOR, seu Deus, me ajudou.
21 Então Isaque disse a Jacó: - Chegue mais perto para que eu possa apalpar você. Assim vou saber se você é Esaú mesmo ou não.
22 Jacó chegou perto de Isaque, e ele o apalpou e disse: - A sua voz é a voz de Jacó, mas as mãos parecem as mãos de Esaú.
23 Assim, Isaque não reconheceu que era Jacó, pois as suas mãos estavam peludas como as de Esaú, e por isso ele o abençoou.
24 Mas, antes de abençoá-lo, perguntou mais uma vez: - Você é mesmo o meu filho Esaú? - Sou, sim - respondeu Jacó.
25 Então o pai disse: - Traga a carne da caça para que eu coma. Depois eu o abençoarei. Jacó serviu a comida ao seu pai e também trouxe vinho. Isaque comeu, e bebeu,
26 e depois disse: - Venha cá, meu filho, e me dê um beijo.
27 Jacó chegou perto e beijou o pai. Quando sentiu o cheiro da roupa que Jacó estava usando, Isaque o abençoou e disse assim: "Ah! O cheiro do meu filho é como o cheiro de um campo que o SENHOR Deus abençoou.
28 Meu filho, que Deus lhe dê o orvalho do céu; que os seus campos produzam boas colheitas e fartura de trigo e vinho.
29 Que nações sejam dominadas por você, e que você seja respeitado pelos povos. Que você mande nos seus parentes, e que os descendentes da sua mãe o tratem com respeito. Malditos sejam aqueles que o amaldiçoarem, e que sejam abençoados os que o abençoarem!"
30 Isaque acabou de dar a bênção, e Jacó ia saindo, quando Esaú chegou, vindo da caçada.
31 Ele também fez uma comida gostosa e levou para o pai. Aí disse: - Levante-se, por favor, coma da caça que eu matei e depois me abençoe.
32 Então Isaque perguntou: - Quem é você? - Eu sou Esaú, o seu filho mais velho.
33 Isaque ficou agitado e começou a tremer muito. E disse: - Então quem foi que caçou um animal e trouxe para mim? Eu comi antes que você chegasse e dei àquele homem a minha bênção. Ele é quem será abençoado.
34 Quando Esaú ouviu isso, deu um grito cheio de amargura e disse: - Meu pai, dê a sua bênção para mim também!
35 Porém Isaque respondeu: - O seu irmão veio, me enganou e ficou com a bênção que era sua.
36 Esaú disse: - Esta é a segunda vez que ele me engana. Foi com razão que puseram nele o nome de Jacó. Primeiro ele me tirou os direitos de filho mais velho e agora tirou a bênção que era minha. Pai, será que o senhor não guardou nenhuma bênção para mim?
37 Isaque respondeu: - Eu já dei a Jacó autoridade sobre você e fiz com que todos os parentes de Jacó sejam escravos dele. Também disse que ele terá muito trigo e muito vinho. Agora não posso fazer nada por você, meu filho.
38 Porém Esaú insistiu: - Será que o senhor tem só uma bênção? Abençoe também a mim, meu pai. E começou a chorar alto.
39 Então Isaque disse: "Você viverá longe de terras boas e longe do orvalho que cai do céu.
40 Você viverá pela sua espada e será empregado do seu irmão. Porém, quando você se revoltar, se livrará dele."
41 Esaú ficou com ódio de Jacó porque o seu pai tinha dado a ele a bênção. Então pensou assim: "O meu pai vai morrer logo. Quando acabarem os dias de luto, vou matar o meu irmão."
42 Rebeca ficou sabendo do plano de Esaú e mandou chamar Jacó. Ela disse: - Escute aqui! O seu irmão Esaú está planejando se vingar de você; ele quer matá-lo.
43 Por isso, meu filho, preste atenção. Vá agora mesmo para a casa de Labão, o meu irmão, que mora em Harã.
44 Fique algum tempo lá com ele, até que passe o ódio do seu irmão,
45 e ele esqueça aquilo que você lhe fez. Nessa ocasião eu mandarei alguém para trazer você de volta. Não quero perder os meus dois filhos num dia só!
46 Depois Rebeca foi falar com Isaque e disse: - Estou aborrecida da vida por causa dessas mulheres hetéias com quem Esaú casou. Se Jacó também casar com uma dessas hetéias, será melhor que eu morra.

Gênesis – Capítulo 28

1 Então Isaque chamou Jacó e o abençoou. E lhe deu a seguinte ordem: - Não case com nenhuma moça daqui de Canaã.
2 Apronte-se e vá para a Mesopotâmia. Fique na casa do seu avô Betuel e case com uma das filhas do seu tio Labão.
3 Que o Deus Todo-Poderoso o abençoe e lhe dê muitos descendentes para que de você saiam muitas nações!
4 Que ele abençoe você e os seus descendentes, como abençoou Abraão, para que sejam donos desta terra onde você tem vivido como estrangeiro, terra que Deus deu a Abraão!
5 Foi assim que Isaque mandou que Jacó fosse morar na Mesopotâmia, na casa de Labão, que era filho de Betuel, o arameu, e irmão de Rebeca, a mãe de Esaú e de Jacó.
6 Esaú ficou sabendo que Isaque havia abençoado Jacó e o havia mandado para a Mesopotâmia a fim de casar ali. Também soube que, quando o pai o havia abençoado, tinha mandado que não casasse com nenhuma mulher do país de Canaã.
7 E ficou sabendo que, obedecendo ao pai e à mãe, Jacó havia ido para a Mesopotâmia.
8 Então Esaú compreendeu que o seu pai não via com bons olhos as mulheres de Canaã.
9 Por isso foi até a casa de Ismael, filho de Abraão, e casou com Maalate, filha de Ismael e irmã de Nebaiote.
10 Jacó saiu de Berseba a fim de ir para Harã.
11 De tardinha ele chegou a um lugar sagrado e passou a noite ali. Pegou uma pedra daquele lugar para servir como travesseiro e se deitou ali mesmo para dormir.
12 Então Jacó sonhou. Ele viu uma escada que ia da terra até o céu, e os anjos de Deus subiam e desciam por ela.
13 O SENHOR Deus estava ao lado dele e disse: - Eu sou o SENHOR, o Deus do seu avô Abraão e o Deus de Isaque, o seu pai. Darei a você e aos seus descendentes esta terra onde você está deitado.
14 Os seus descendentes serão tantos como o pó da terra. Eles se espalharão de norte a sul e de leste a oeste, e por meio de você e dos seus descendentes eu abençoarei todos os povos do mundo.
15 Eu estarei com você e o protegerei em todos os lugares aonde você for. E farei com que você volte para esta terra. Eu não o abandonarei até que cumpra tudo o que lhe prometi.
16 Quando Jacó acordou, disse assim: "De fato, o SENHOR Deus está neste lugar, e eu não sabia disso."
17 Aí ficou com medo e disse: "Este lugar dá medo na gente. Aqui é a casa de Deus, aqui fica a porta do céu!"
18 Jacó se levantou bem cedo, pegou a pedra que havia usado como travesseiro e a pôs de pé como um pilar. Depois derramou azeite em cima para dedicá-la a Deus.
19 Naquele lugar havia uma cidade que antes se chamava Luz, mas Jacó mudou o seu nome para Betel.
20 Ali Jacó fez a Deus a seguinte promessa: "Se tu fores comigo e me guardares nesta viagem que estou fazendo; se me deres roupa e comida;
21 e se eu voltar são e salvo para a casa do meu pai, então tu, ó SENHOR, serás o meu Deus.
22 Esta pedra que pus como pilar será a tua casa, ó Deus, e eu te entregarei a décima parte de tudo quanto me deres."

Gênesis – Capítulo 29

1 Jacó continuou a sua viagem e chegou à terra do Oriente.
2 De repente, ele olhou e viu no campo um poço; em volta dele estavam três pastores, cada um com as suas ovelhas e cabras. A água para os animais era tirada desse poço, que era tapado com uma grande pedra.
3 Quando todos os pastores se ajuntavam ali com os seus animais, então tiravam a pedra para dar água às ovelhas e cabras. Depois tornavam a pôr a pedra na boca do poço.
4 Jacó perguntou aos pastores: - De onde são vocês, meus amigos? - Somos de Harã - responderam eles.
5 Em seguida perguntou: - Vocês conhecem Labão, filho de Naor? - Conhecemos, sim - disseram.
6 - Ele vai bem? - perguntou Jacó. Eles responderam: - Sim, vai bem. Olhe! Raquel, a filha dele, vem vindo aí com as ovelhas.
7 Então Jacó disse: - Ainda é dia, e é muito cedo para recolher as ovelhas. Por que vocês não lhes dão água e as levam de volta para pastar?
8 Eles responderam: - Não podemos. Temos de esperar que todas as ovelhas e cabras estejam aqui e a pedra seja tirada da boca do poço. Aí daremos água para elas.
9 Jacó ainda estava falando com eles quando Raquel, que era pastora de ovelhas, chegou com os animais do seu pai.
10 Logo que Jacó a viu com as ovelhas e cabras do seu tio Labão, ele foi, e tirou a pedra da boca do poço, e deu água para os animais.
11 Depois ele beijou Raquel e, muito emocionado, começou a chorar.
12 E disse: - Eu sou parente do seu pai; sou filho de Rebeca. Raquel foi correndo contar tudo ao pai.
13 Ele ouviu as novidades a respeito do seu sobrinho e logo saiu correndo. Quando encontrou Jacó, Labão o abraçou, e beijou, e o levou para casa. Jacó lhe contou tudo o que havia acontecido,
14 e aí Labão disse: - Sim, de fato, você é da minha própria carne e sangue. Jacó ficou na casa do seu tio um mês inteiro.
15 Aí Labão disse: - Não está certo você trabalhar de graça para mim só porque é meu parente. Quanto você quer ganhar?
16 Acontece que Labão tinha duas filhas. A mais velha se chamava Léia, e a mais moça, Raquel.
17 Léia tinha olhos meigos, mas Raquel era bonita de rosto e de corpo.
18 Como Jacó estava apaixonado por Raquel, respondeu: - Trabalharei sete anos para o senhor a fim de poder casar com Raquel.
19 Labão disse: - Eu prefiro dá-la a você em vez de a um estranho. Fique aqui comigo.
20 Assim, Jacó trabalhou sete anos para poder ter Raquel. Mas, porque ele a amava, esses anos pareceram poucos dias.
21 Quando passaram os sete anos, Jacó disse a Labão: - Dê-me a minha mulher. O tempo combinado já passou, e eu quero casar com ela.
22 Labão deu uma festa de casamento e convidou toda a gente do lugar.
23 Mas naquela noite Labão pegou Léia e a entregou a Jacó, e ele teve relações com ela
24 (Labão tinha dado a sua escrava Zilpa a Léia para ser escrava dela.).
25 Só na manhã seguinte Jacó descobriu que havia dormido com Léia. Por isso foi reclamar com Labão. Ele disse: - Por que o senhor me fez uma coisa dessas? Eu trabalhei para ficar com Raquel. Por que foi que o senhor me enganou?
26 Labão respondeu: - Aqui na nossa terra não é costume a filha mais moça casar antes da mais velha.
27 Espere até que termine a semana de festas do casamento. Aí, se você prometer que vai trabalhar para mim outros sete anos, eu lhe darei Raquel.
28 Jacó concordou, e, quando terminou a semana de festas do casamento de Léia, Labão lhe deu a sua filha Raquel como esposa
29 (Labão tinha dado a sua escrava Bila a Raquel para ser escrava dela.).
30 Jacó também teve relações com Raquel; e ele amava Raquel muito mais do que amava Léia. E ficou trabalhando para Labão mais sete anos.
31 Quando o SENHOR Deus viu que Jacó desprezava Léia, fez com que ela pudesse ter filhos, mas Raquel não podia ter filhos.
32 Léia ficou grávida e deu à luz um filho; e pôs nele o nome de Rúben. Ela explicou assim: - O SENHOR viu que eu estava triste, mas agora o meu marido vai me amar.
33 Léia ficou grávida outra vez e teve outro filho, a quem deu o nome de Simeão. E disse: - O SENHOR ouviu que eu era desprezada e por isso me deu mais este filho.
34 Léia engravidou ainda outra vez e teve mais um filho, a quem chamou de Levi, pois disse assim: - Agora o meu marido ficará mais unido comigo, pois já lhe dei três filhos.
35 Léia ficou grávida mais uma vez e teve outro filho. A esse deu o nome de Judá e disse: - Desta vez louvarei a Deus, o SENHOR. Depois disso não teve mais filhos.

Gênesis – Capítulo 30

1 Quando Raquel percebeu que não podia ter filhos, ficou com inveja da sua irmã Léia e disse ao marido: - Dê-me filhos; se não, eu morro!
2 Jacó ficou zangado com Raquel e disse: - Você está pensando que eu sou Deus? É ele quem não deixa você ter filhos.
3 Então Raquel disse: - Aqui está a minha escrava Bila; tenha relações com ela. Quando ela tiver um filho, será como se fosse meu. Desse modo eu serei mãe por meio dela.
4 Assim, Raquel deu a Jacó a sua escrava Bila para ser sua concubina, e ele teve relações com ela.
5 Bila ficou grávida e deu a Jacó um filho.
6 Então Raquel disse: - Este menino vai se chamar Dã porque Deus foi justo comigo. Ele ouviu a minha oração e me deu um filho.
7 Bila ficou grávida outra vez e deu a Jacó outro filho.
8 Aí Raquel disse: - O nome deste menino será Naftali porque lutei muito contra minha irmã e venci.
9 Quando Léia percebeu que não ia ter mais filhos, deu a sua escrava Zilpa a Jacó para ser sua concubina.
10 E Zilpa deu a Jacó um filho.
11 Então Léia disse: - Que sorte! Este menino vai se chamar Gade.
12 Depois Zilpa deu a Jacó outro filho,
13 e Léia disse: - Como sou feliz! Agora as mulheres dirão que sou feliz. Por isso o menino se chamará Aser.
14 Um dia, no tempo da colheita do trigo, Rúben foi ao campo. Ali achou umas mandrágoras e as levou para Léia, a sua mãe. Quando Raquel viu isso, disse a Léia: - Por favor, dê-me algumas das mandrágoras que o seu filho trouxe.
15 Léia respondeu: - Será que você acha que tomar o meu marido de mim ainda é pouco? Agora vai querer tomar também as mandrágoras que o meu filho me deu? Aí Raquel disse: - Vamos fazer uma troca: você me dá as mandrágoras, e eu deixo que você durma com Jacó esta noite.
16 De tardinha, quando Jacó chegou do campo, Léia foi encontrar-se com ele e disse: - Esta noite você vai dormir comigo porque eu paguei para isso com as mandrágoras que o meu filho achou. Naquela noite Jacó teve relações com ela.
17 Deus ouviu a oração de Léia, e ela ficou grávida e deu a Jacó um quinto filho.
18 Então Léia disse: - Este menino se chamará Issacar, pois Deus me recompensou por ter dado a minha escrava ao meu marido.
19 Depois Léia engravidou pela sexta vez e deu a Jacó mais um filho.
20 E disse: - Deus me deu um belo presente. Agora o meu marido vai ficar comigo porque lhe dei seis filhos. Por isso ela pôs nele o nome de Zebulom.
21 Por último Léia teve uma filha e lhe deu o nome de Dina.
22 Então Deus lembrou de Raquel. Ele ouviu a sua oração e fez com que ela pudesse ter filhos.
23 Ela engravidou e deu à luz um filho. Então disse: - Deus não deixou que eu continuasse envergonhada por não ter filhos.
24 Que o SENHOR Deus me dê mais um filho. Por isso ela pôs nele o nome de José.
25 Depois do nascimento de José, Jacó disse a Labão: - Deixe-me voltar para a minha terra.
26 Dê-me os meus filhos e as minhas mulheres, que eu ganhei trabalhando para o senhor, e eu irei embora. O senhor sabe muito bem quanto eu o tenho servido.
27 Labão respondeu: - Fique comigo, por favor, pois por meio de adivinhações fiquei sabendo que o SENHOR Deus está me abençoando por causa de você.
28 Diga quanto quer ganhar, que eu pagarei.
29 Então Jacó disse: - O senhor sabe como tenho trabalhado e como tenho cuidado dos seus animais.
30 Antes de eu chegar, o senhor tinha pouco, mas depois tudo aumentou muito. E Deus tem abençoado o senhor em todos os lugares por onde eu tenho andado. Mas agora preciso cuidar da minha própria família.
31 - Quanto você quer que eu lhe pague? - insistiu Labão. Jacó respondeu: - Não quero salário. Eu continuarei a cuidar das suas ovelhas se o senhor concordar com a proposta que vou fazer.
32 Hoje vou passar por todo o seu rebanho a fim de separar para mim todos os carneirinhos pretos e todos os cabritos malhados e com manchas. É só isso que eu quero como salário.
33 No futuro será fácil o senhor saber se eu tenho sido honesto. Na hora de conferir o meu salário, se houver no meu rebanho carneirinhos que não sejam pretos e cabritos que não sejam malhados ou não tenham manchas, o senhor saberá que fui eu que roubei.
34 Labão concordou, dizendo: - Está bem. Aceito a sua proposta.
35 Mas naquele mesmo dia Labão separou para si todos os cabritos que tinham listas ou manchas, todas as cabras malhadas e as manchadas ou que tinham algum branco e todos os carneirinhos pretos. Ele os entregou aos seus filhos para cuidarem deles
36 e se afastou de Jacó a uma distância de três dias de viagem. E Jacó ficou cuidando dos outros animais de Labão.
37 Então Jacó pegou galhos verdes de choupo, de amendoeira e de plátano e descascou-os, fazendo aparecer listas brancas.
38 Ele pôs esses galhos na frente dos animais, nos bebedouros onde iam beber. Ele fez isso porque eles cruzavam quando iam beber.
39 E, como cruzavam diante dos galhos, as ovelhas davam crias listadas, com manchas e malhadas.
40 Jacó separou as ovelhas dos bodes e fez com que olhassem na direção dos animais listados e dos animais pretos do rebanho de Labão. Assim, Jacó foi formando o seu próprio rebanho, separando-o dos animais de Labão.
41 Quando os animais fortes estavam cruzando, Jacó punha os galhos das árvores na frente deles nos bebedouros, e assim eles cruzavam perto dos galhos.
42 Mas na frente dos animais fracos Jacó não punha os galhos. Por isso os animais fracos ficavam para Labão, e os mais fortes ficavam para Jacó.
43 Desse modo ele ficou muito rico e chegou a ter muitas ovelhas e cabras, escravos, escravas, camelos e jumentos.

Gênesis – Capítulo 31

1 Jacó ficou sabendo que os filhos de Labão andavam dizendo o seguinte: - Jacó está tirando tudo o que é do nosso pai. É às custas do nosso pai que ele está ficando rico.
2 Jacó também notou que Labão já não se mostrava tão amigo como antes.
3 Então o SENHOR Deus disse a Jacó: - Volte para a terra dos seus pais, onde estão os seus parentes. Eu estarei com você.
4 Aí Jacó mandou chamar Raquel e Léia para que viessem ao campo, onde ele estava com as suas ovelhas e cabras.
5 Quando chegaram, ele disse: - Tenho reparado que o pai de vocês já não se mostra tão meu amigo como antes; mas o Deus do meu pai tem estado comigo.
6 Vocês sabem muito bem que tenho me esforçado muito, trabalhando para o pai de vocês.
7 Mas ele me tem enganado e já mudou o meu salário umas dez vezes. Porém Deus não deixou que ele me prejudicasse.
8 Quando ele dizia: "Os cabritos com manchas serão o seu salário", aí as fêmeas tinham crias manchadas. E, quando ele dizia: "Os cabritos listados serão o seu salário", aí as crias saíam todas listadas.
9 Foi assim que Deus tirou os rebanhos do pai de vocês e os deu a mim.
10 - Um dia, quando os animais estavam no tempo do cruzamento, eu tive um sonho. Eu vi que os bodes que cobriam as fêmeas eram listados, malhados e manchados.
11 O Anjo de Deus me chamou pelo nome, e eu respondi: "Aqui estou."
12 Então ele continuou: "Veja! Todos os bodes que estão cruzando são listados, malhados e manchados. Eu estou fazendo com que isso aconteça porque tenho visto o que Labão está fazendo com você.
13 Eu sou o Deus que apareceu a você em Betel, onde você me dedicou uma pedra, derramando azeite sobre ela, e onde você me fez uma promessa. Agora prepare-se, saia desta terra e volte para a terra onde você nasceu."
14 Então Raquel e Léia responderam: - Não sobrou nada para herdarmos do nosso pai.
15 Ele nos trata como se fôssemos estrangeiras. Ele até nos vendeu e depois gastou todo o dinheiro que recebeu como pagamento.
16 Toda a riqueza que Deus tirou do nosso pai é nossa e dos nossos filhos. Portanto, faça tudo o que Deus mandou.
17 Jacó se preparou para voltar a Canaã, onde morava Isaque, o seu pai. Fez com que os seus filhos e as suas mulheres montassem os camelos, ajuntou tudo o que tinha e partiu, levando todos os animais que havia conseguido com o seu trabalho na Mesopotâmia.
19 Labão, o pai de Raquel, havia ido para outro lugar a fim de cortar a lã das suas ovelhas; e, enquanto ele estava fora, Raquel roubou as imagens dos deuses da casa dele.
20 Foi assim que Jacó, sem avisar que ia embora, enganou Labão, o arameu,
21 fugindo com tudo o que tinha. Atravessou o rio Eufrates e foi na direção da região montanhosa de Gileade.
22 Três dias depois Labão ficou sabendo que Jacó havia fugido.
23 Ele reuniu os seus parentes e foi atrás de Jacó. Sete dias depois, Labão alcançou Jacó na região montanhosa de Gileade.
24 Naquela noite Deus apareceu num sonho a Labão, o arameu, e disse: - Cuidado! Não faça nada a Jacó.
25 Labão alcançou Jacó na região montanhosa de Gileade, onde ele estava acampado. E Labão e os seus parentes acamparam no mesmo lugar.
26 Aí Labão disse a Jacó: - Por que foi que você me enganou, levando as minhas filhas como se fossem prisioneiras de guerra?
27 Por que você me enganou, fugindo desse jeito, sem me dizer nada? Se você tivesse falado comigo, eu teria preparado uma festa alegre de despedida, com canções acompanhadas de pandeiros e de liras.
28 Você nem me deixou beijar os meus netos e as minhas filhas. O que você fez foi coisa de gente sem juízo.
29 Eu poderia ter feito muito mal a vocês, mas na noite passada o Deus do seu pai me disse assim: "Cuidado! Não faça nada a Jacó."
30 Eu sei que você foi embora porque tinha saudades de casa. Mas por que foi que você roubou as imagens dos deuses da minha casa?
31 Jacó respondeu: - Eu fiquei com medo, pois pensei que o senhor ia me tirar as suas filhas à força.
32 Mas, se o senhor achar as suas imagens com alguém aqui, essa pessoa será morta. Os nossos parentes são testemunhas: se o senhor encontrar aqui qualquer coisa que seja sua, pode levar. Acontece que Jacó não sabia que Raquel havia roubado as imagens.
33 Labão entrou na barraca de Jacó, depois na de Léia e depois na das duas escravas, porém não encontrou as suas imagens. Então foi para a barraca de Raquel.
34 Aí ele procurou em toda parte, porém não achou nada, pois Raquel havia posto as imagens numa sela de camelo e estava sentada em cima.
35 Ela disse ao pai: - O senhor não fique zangado comigo por eu não me levantar, mas é que estou menstruada. Foi assim que Labão procurou as suas imagens, sem as encontrar.
36 Aí Jacó ficou zangado. Ele disse a Labão: - O que foi que eu fiz de errado? Qual foi a lei que eu quebrei para o senhor me perseguir com tanta raiva?
37 Agora que mexeu em todas as minhas coisas, será que encontrou alguns objetos que são seus? Pois ponha esses objetos aqui, na frente dos meus parentes e dos seus, para que eles julguem qual de nós dois está com a razão.
38 Durante os vinte anos que trabalhei para o senhor, as suas ovelhas e as suas cabras nunca tiveram abortos, e eu não comi um só carneiro do seu rebanho.
39 Nunca lhe trouxe os animais que as feras mataram, mas eu mesmo pagava o prejuízo. O senhor me cobrava qualquer animal que fosse roubado de dia ou de noite.
40 A minha vida era assim: de dia o calor me castigava, e de noite eu morria de frio. E quantas noites eu passei sem dormir!
41 Fiquei vinte anos na sua casa. Trabalhei catorze anos para conseguir as suas duas filhas e seis anos para conseguir os seus animais. E, ainda por cima, o senhor mudou o meu salário umas dez vezes.
42 Se o Deus dos meus antepassados - o Deus de Abraão, o Deus a quem Isaque temia - não tivesse estado comigo, o senhor teria me mandado embora com as mãos vazias. Mas Deus viu o meu sofrimento e o trabalho que tive e ontem à noite ele resolveu a questão.
43 Labão respondeu a Jacó assim: - Estas filhas são minhas, os netos são meus, estes animais são meus, e tudo o que você está vendo é meu. Agora, como não posso fazer nada para ficar com as minhas filhas e com os filhos que elas tiveram,
44 estou disposto a fazer um trato com você. Vamos fazer aqui um montão de pedras para que lembremos desse trato.
45 Então Jacó pegou uma pedra e a pôs de pé como se fosse um pilar.
46 Depois disse aos seus parentes que ajuntassem e amontoassem pedras. Eles fizeram um montão de pedras e depois tomaram uma refeição ali do lado dele.
47 Labão pôs naquele lugar o nome de Jegar-Saaduta, e Jacó o chamou de Galeede.
48 Depois Labão disse: - Este montão de pedras servirá para que nós dois lembremos desse trato. Foi por isso que aquele lugar recebeu o nome de Galeede.
49 E também teve o nome de Mispa porque Labão disse: - Que o SENHOR Deus fique nos vigiando quando estivermos separados um do outro!
50 Se você maltratar as minhas filhas ou se você casar com outras mulheres, mesmo que eu não saiba o que está acontecendo, lembre que Deus está nos vigiando.
51 Aqui estão as pedras e o pilar que coloquei entre nós dois.
52 O montão de pedras e o pilar são para lembrarmos desse trato. Eu nunca passarei para lá deste pilar para atacá-lo, e você não passará para cá deste montão de pedras e deste pilar para me atacar.
53 O Deus de Abraão e o Deus de Naor será juiz entre nós. Então Jacó fez um juramento em nome do Deus a quem Isaque, o seu pai, temia.
54 Ele ofereceu um animal em sacrifício ali na montanha e convidou os seus parentes para uma refeição. Naquela noite eles comeram e dormiram ali na montanha.
55 Na manhã seguinte Labão se levantou bem cedo, beijou as suas filhas e os seus netos e os abençoou. E depois foi embora, voltando para a sua terra.

Gênesis – Capítulo 32

1 Jacó estava continuando a sua viagem quando alguns anjos de Deus foram encontrar-se com ele.
2 Quando Jacó os viu, disse: - Este é o acampamento de Deus. Por isso pôs naquele lugar o nome de Maanaim.
3 Jacó mandou mensageiros para a região de Seir, também chamada de Edom, a fim de se encontrarem com Esaú
4 e lhe darem esta mensagem: "Eu, Jacó, estou às suas ordens para servi-lo. Durante todo esse tempo morei com Labão.
5 Tenho gado, jumentos, ovelhas, cabras, escravos e escravas. Estou mandando este recado ao senhor, esperando ser bem recebido."
6 Os mensageiros voltaram e disseram: - Estivemos com Esaú, o seu irmão. Ele já vem vindo para se encontrar com o senhor. E vem com quatrocentos homens.
7 Quando Jacó ouviu isso, teve muito medo e ficou preocupado. Então dividiu em dois grupos a gente que estava com ele e também as ovelhas, as cabras, o gado e os camelos.
8 Ele pensou que, se Esaú viesse e atacasse um grupo, o outro poderia escapar.
9 Depois Jacó fez esta oração: - Ouve-me, ó SENHOR, Deus do meu avô Abraão e de Isaque, o meu pai! Tu me mandaste voltar para a minha terra e para os meus parentes, prometendo que tudo correria bem para mim.
10 Eu, teu servo, não mereço toda a bondade e fidelidade com que me tens tratado. Quando atravessei o rio Jordão, eu tinha apenas um bastão e agora estou voltando com estes dois grupos de pessoas e animais.
11 Ó SENHOR, eu te peço que me salves do meu irmão Esaú. Tenho medo de que ele venha e me mate e também as mulheres e as crianças.
12 Lembra que prometeste que tudo me correria bem e que os meus descendentes seriam como a areia da praia, tantos que ninguém poderia contar.
13 Naquela noite Jacó dormiu ali. Depois ele escolheu alguns dos seus animais para dar de presente a Esaú.
14 Escolheu duzentas cabras e vinte bodes, duzentas ovelhas e vinte carneiros,
15 trinta camelas com as suas crias, que ainda mamavam, quarenta vacas e dez touros, e vinte jumentas e dez jumentos.
16 Jacó dividiu esses animais em grupos e pôs um empregado para tomar conta de cada grupo. E deu esta ordem: - Vocês vão na frente, deixando um espaço entre os grupos.
17 Jacó disse ao primeiro empregado: - Quando o meu irmão Esaú se encontrar com você, ele vai perguntar: "Quem é o seu patrão? Aonde você vai? E de quem são esses animais que você vai levando?"
18 Então responda assim: "Estes animais são do seu criado Jacó. São um presente que ele está enviando ao seu patrão Esaú. E ele também vem vindo aí atrás."
19 Também ao segundo, e ao terceiro, e a todos os outros que tomavam conta dos grupos, Jacó disse: - Quando vocês se encontrarem com Esaú, digam a mesma coisa.
20 E não esqueçam de dizer isto: "O seu criado Jacó vem vindo aí atrás." É que Jacó estava pensando assim: "Vou acalmar Esaú com os presentes que irão na minha frente. E, quando nos encontrarmos, talvez ele me perdoe."
21 Desse modo Jacó mandou os presentes na frente e passou aquela noite no acampamento.
22 Naquela mesma noite Jacó se levantou e atravessou o rio Jaboque, levando consigo as suas duas mulheres, as suas duas concubinas e os seus onze filhos.
23 Depois que as pessoas passaram, Jacó fez com que também passasse tudo o que era seu;
24 mas ele ficou para trás, sozinho. Aí veio um homem que lutou com ele até o dia amanhecer.
25 Quando o homem viu que não podia vencer, deu um golpe na junta da coxa de Jacó, de modo que ela ficou fora do lugar.
26 Então o homem disse: - Solte-me, pois já está amanhecendo. - Não solto enquanto o senhor não me abençoar - respondeu Jacó.
27 Aí o homem perguntou: - Como você se chama? - Jacó - respondeu ele.
28 Então o homem disse: - O seu nome não será mais Jacó. Você lutou com Deus e com os homens e venceu; por isso o seu nome será Israel.
29 - Agora diga-me o seu nome - pediu Jacó. O homem respondeu: - Por que você quer saber o meu nome? E ali ele abençoou Jacó.
30 Então Jacó disse: - Eu vi Deus face a face, mas ainda estou vivo. Por isso ele pôs naquele lugar o nome de Peniel.
31 O sol nasceu quando Jacó estava saindo de Peniel, e ele ia mancando por causa do golpe que havia levado na coxa.
32 Até hoje os descendentes de Israel não comem o músculo que fica na junta da coxa, pois foi nessa parte do corpo que ele recebeu o golpe.

Gênesis – Capítulo 33

1 Quando Jacó viu que Esaú vinha chegando com os seus quatrocentos homens, dividiu os seus filhos em grupos, que ficaram com Léia, com Raquel e com as duas escravas.
2 As escravas e os seus filhos ficaram na frente, depois Léia com os seus filhos e por último Raquel e José.
3 Depois Jacó passou e ficou na frente; sete vezes ele se ajoelhou e encostou o rosto no chão, até que chegou perto de Esaú.
4 Porém Esaú saiu correndo ao encontro de Jacó e o abraçou; ele pôs os braços em volta do seu pescoço e o beijou. E os dois choraram.
5 Quando Esaú olhou em volta e viu as mulheres e as crianças, perguntou: - Quem são esses que estão com você? - São os filhos que Deus, na sua bondade, deu a este seu criado - respondeu Jacó.
6 Então as escravas e os seus filhos chegaram perto de Esaú e se curvaram na frente dele.
7 Depois vieram Léia e os seus filhos e também se curvaram. Por último José e Raquel vieram e se curvaram.
8 Depois Esaú perguntou: - E o que são aqueles grupos que encontrei pelo caminho? Jacó respondeu: - Por meio deles pensei em ganhar a boa vontade do senhor.
9 Aí Esaú disse: - Eu já tenho bastante, meu irmão; fique com o que é seu.
10 Mas Jacó insistiu: - Não recuse. Se é que mereço um favor seu, aceite o meu presente. Para mim, ver o seu rosto é como ver o rosto de Deus, pois o senhor me recebeu tão bem.
11 Por favor, aceite este presente que eu trouxe para o senhor. Deus tem sido bom para mim e me tem dado tudo o que preciso. E Jacó insistiu até que Esaú aceitou.
12 Então Esaú disse: - Bem, vamos embora; eu vou na frente.
13 Jacó respondeu: - Meu patrão, o senhor sabe que as crianças são fracas, e eu tenho de pensar nas ovelhas e vacas com crias. Se forem forçados a andar depressa demais, nem que seja por um dia só, todos os animais poderão morrer.
14 É melhor que o meu patrão vá na frente deste seu criado. Eu vou atrás devagar, conforme o passo dos animais e dos meninos, até que chegue a Edom, onde o senhor mora.
15 Esaú disse: - Então deixe que alguns dos meus empregados fiquem com você para acompanhá-lo. Jacó respondeu: - Não é preciso. Eu só quero conquistar a amizade do meu patrão.
16 Naquele dia Esaú voltou pelo mesmo caminho para a região de Edom.
17 Jacó, por sua vez, foi para Sucote. Ali construiu uma casa para si e abrigos para o gado. Por isso puseram naquele lugar o nome de Sucote.
18 Assim, Jacó voltou da Mesopotâmia para Canaã; ele chegou são e salvo à cidade de Siquém e armou o seu acampamento ali perto.
19 Por cem barras de prata comprou terras dos filhos de Hamor, o pai de Siquém, e nelas armou o seu acampamento.
20 Ali ele construiu um altar e pôs nele o nome de El, o Deus de Israel.

Gênesis – Capítulo 35

1 Deus disse a Jacó: - Apronte-se, vá para Betel e fique morando lá. Em Betel construa um altar e o dedique a mim, o Deus que lhe apareceu quando você estava fugindo do seu irmão Esaú.
2 Então Jacó disse à sua família e a todos os que estavam com ele: - Joguem fora todas as imagens dos deuses estrangeiros que vocês têm. Purifiquem-se e vistam roupas limpas.
3 Aprontem-se, que nós vamos para Betel. Ali vou fazer um altar dedicado ao Deus que me ajudou no tempo da minha aflição e que tem estado comigo em todos os lugares por onde tenho andado.
4 Eles entregaram as imagens dos deuses estrangeiros que tinham e os brincos que usavam nas orelhas. E Jacó enterrou tudo debaixo da árvore sagrada que fica perto de Siquém.
5 Quando eles foram embora, Deus fez com que os moradores das cidades vizinhas ficassem com um medo terrível, e por isso eles não perseguiram Jacó.
6 Assim, Jacó e toda a sua gente chegaram a Luz, cidade que também é conhecida pelo nome de Betel e que fica na terra de Canaã.
7 Ali ele construiu um altar e pôs naquele lugar o nome de "O Deus de Betel" porque ali Deus havia aparecido a ele, quando estava fugindo do seu irmão.
8 Naquele lugar morreu Débora, a mulher que havia sido babá de Rebeca. Ela foi sepultada debaixo da árvore sagrada que fica ao sul de Betel. E puseram naquele lugar o nome de "Árvore Sagrada das Lágrimas".
9 Quando Jacó voltou da Mesopotâmia, Deus lhe apareceu outra vez e o abençoou,
10 dizendo: "Você se chama Jacó, porém esse não será mais o seu nome; agora o seu nome será Israel." Assim, Deus pôs nele o nome de Israel.
11 E disse também: "Eu sou o Deus Todo-Poderoso. Tenha muitos filhos e muitos descendentes. Uma nação e muitos povos sairão de você, e entre os seus descendentes haverá reis.
12 A terra que dei a Abraão e a Isaque darei também a você e depois a darei aos seus descendentes."
13 Quando acabou de falar com Jacó, Deus subiu e foi embora daquele lugar.
14 Então Jacó pegou uma pedra e a colocou como pilar no lugar onde Deus havia falado com ele. Ele a separou para Deus, derramando vinho e azeite em cima.
15 E pôs naquele lugar o nome de Betel.
16 Jacó e a sua família saíram de Betel; e, quando estavam chegando perto de Efrata, Raquel começou a sentir dores de parto. E o parto foi difícil.
17 Quando as dores estavam no ponto mais forte, a parteira disse: - Não tenha medo; você vai ter outro filho homem.
18 Porém ela estava morrendo. E, antes de dar o último suspiro, chamou o menino de Benoni. Mas o pai pôs nele o nome de Benjamim.
19 Assim, Raquel morreu e foi sepultada na beira do caminho de Efrata, que agora se chama Belém.
20 Jacó pôs sobre a sepultura uma pedra como pilar, e ela marca o lugar da sepultura até hoje.
21 Depois Jacó saiu dali e armou o seu acampamento do outro lado da torre de Éder.
22 Um dia, quando Jacó estava morando naquele lugar, o seu filho Rúben teve relações com Bila, que era concubina de Jacó. Quando ele soube disso, ficou furioso. Os filhos de Jacó eram doze.
23 Os que teve com Léia foram Rúben (o filho mais velho de Jacó), Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom.
24 Com Raquel ele teve José e Benjamim.
25 Com Bila, a escrava de Raquel, ele teve Dã e Naftali.
26 Com Zilpa, a escrava de Léia, ele teve Gade e Aser. Esses filhos de Jacó nasceram na Mesopotâmia.
27 Jacó foi morar com Isaque, o seu pai, em Manre, a cidade que também se chama Arba e que fica perto de Hebrom, onde Abraão e Isaque haviam morado.
28 Aos cento e oitenta anos de idade,
29 quando já era muito velho, Isaque morreu, indo reunir-se assim com os seus antepassados no mundo dos mortos. E os seus filhos Esaú e Jacó o sepultaram.

Gênesis – Capítulo 36

1 São estes os descendentes de Esaú, também chamado de Edom.
2 Esaú casou com duas mulheres do país de Canaã, isto é, com Ada, filha de Elom, o heteu; e com Oolibama, filha de Aná e neta de Zibeão, o heveu.
3 Esaú casou também com Basemate, filha de Ismael e irmã de Nebaiote.
4 Ada foi mãe de Elifaz, Basemate foi mãe de Reuel,
5 e Oolibama foi mãe de Jeús, Jalã e Corá. Esses foram os filhos de Esaú que nasceram quando ele estava morando na terra de Canaã.
6 Depois Esaú foi para outro lugar com as suas mulheres, os seus filhos, as suas filhas e toda a gente da sua casa, separando-se assim do seu irmão Jacó. Esaú levou consigo todas as suas ovelhas e cabras, todo o seu gado e tudo o que havia conseguido no país de Canaã.
7 Esaú saiu dali porque a terra em que ele e Jacó estavam morando era pequena demais para os dois; eles tinham muito gado e por isso não podiam ficar juntos.
8 Portanto, Esaú, também chamado de Edom, foi morar na região montanhosa de Seir.
9 Segue a lista dos descendentes de Esaú, o antepassado dos edomitas, que vivem na região montanhosa de Edom, também chamada de Seir.
10 Ada, mulher de Esaú, teve um filho chamado Elifaz; os filhos de Elifaz foram cinco: Temã, Omar, Zefo, Gaetã e Quenaz. Com a sua concubina Timna, Elifaz teve Amaleque. Basemate, outra mulher de Esaú, teve um filho chamado Reuel; e Reuel foi pai de quatro filhos: Naate, Zera, Sama e Miza.
14 Esaú tinha outra mulher chamada Oolibama, filha de Aná e neta de Zibeão. Os filhos dela foram Jeús, Jalã e Corá.
15 Segue a lista das tribos que descendem de Esaú. De Elifaz, o filho mais velho de Esaú, descendem as seguintes tribos: Temã, Omar, Zefo, Quenaz,
16 Corá, Gaetã e Amaleque. Estes foram descendentes de Ada, mulher de Esaú.
17 De Reuel descendem as seguintes tribos: Naate, Zera, Sama e Miza. Estes foram descendentes de Basemate, outra mulher de Esaú.
18 De Esaú com sua outra mulher chamada Oolibama, filha de Aná, descendem as seguintes tribos: Jeús, Jalã e Corá.
19 Todas essas tribos são descendentes de Esaú.
20 As primeiras tribos que moraram na terra de Edom eram descendentes de Lotã, Sobal, Zibeão, Aná, Disom, Eser e Disã, todos eles filhos de Seir, o horeu.
22 Lotã foi o pai dos grupos de famílias de Hori e de Homã. Lotã tinha uma irmã chamada Timna.
23 Sobal foi o antepassado dos grupos de famílias de Alvã, Manaate, Ebal, Sefô e Onã.
24 Zibeão foi pai de dois filhos: Aías e Aná. Este foi o Aná que descobriu as fontes de água quente no deserto, quando estava tomando conta dos jumentos do pai.
25 Aná foi o pai de Disom, que foi o pai dos grupos de famílias de Hendã, Esbã, Itrã e Querã. Aná também foi pai de uma filha chamada Oolibama.
27 Eser foi o pai dos grupos de famílias de Bilã, Zaavã e Acã.
28 Disã foi o pai dos grupos de famílias de Uz e Arã.
29 São estas, portanto, as tribos dos horeus na terra de Edom: Lotã, Sobal, Zibeão, Aná, Disom, Eser e Disã.
31 Os seguintes reis governaram a terra de Edom, um depois do outro, no tempo em que Israel ainda não tinha rei: Belá, filho de Beor, da cidade de Dinaba. Jobabe, filho de Zera, de Bosra. Husã, da região de Temã. Hadade, filho de Bedade, da cidade de Avite. Ele derrotou os midianitas numa batalha na terra de Moabe. Samlá, da cidade de Masreca. Saul, de Reobote-do-Rio-Eufrates. Baal-Hanã, filho de Acbor. Hadade, da cidade de Paú (o nome da mulher dele era Meetabel, filha de Matrede e neta de Me-Zaabe).
40 De Esaú vieram as seguintes tribos edomitas: Timna, Alva, Jetete, Oolibama, Elá, Pinom, Quenaz, Temã, Mibsar, Magdiel e Irão. A região em que morava cada uma dessas tribos recebeu o nome da sua tribo.

Gênesis – Capítulo 37

1 Jacó ficou morando na terra de Canaã, onde o seu pai tinha vivido.
2 Esta é a história da família de Jacó. Quando José era um jovem de dezessete anos, cuidava das ovelhas e das cabras, junto com os seus irmãos, os filhos de Bila e de Zilpa, que eram mulheres do seu pai. E José contava ao pai as coisas erradas que os seus irmãos faziam.
3 Jacó já era velho quando José nasceu e por isso ele o amava mais do que a todos os seus outros filhos. Jacó mandou fazer para José uma túnica longa, de mangas compridas.
4 Os irmãos viam que o pai amava mais a José do que a eles e por isso tinham ódio dele e eram grosseiros quando falavam com ele.
5 Certa vez José teve um sonho e o contou aos seus irmãos. Aí é que ficaram com mais raiva dele
6 porque ele disse assim: - Escutem, que eu vou contar o sonho que tive.
7 Sonhei que estávamos no campo amarrando feixes de trigo. De repente, o meu feixe ficou de pé, e os feixes de vocês se colocaram em volta do meu e se curvavam diante dele.
8 Então os irmãos perguntaram: - Quer dizer que você vai ser nosso rei e que vai mandar em nós? E ficaram com mais ódio dele ainda por causa dos seus sonhos e do jeito que ele os contava.
9 Depois José sonhou outra vez e contou também esse sonho aos seus irmãos. Ele disse assim: - Eu tive outro sonho. Desta vez o sol, a lua e onze estrelas se curvaram diante de mim.
10 Quando José contou esse sonho ao pai e aos irmãos, o pai o repreendeu e disse: - O que quer dizer esse sonho que você teve? Por acaso a sua mãe, os seus irmãos e eu vamos nos ajoelhar diante de você e encostar o rosto no chão?
11 Os irmãos de José tinham inveja dele, mas o seu pai ficou pensando no caso.
12 Um dia os irmãos de José levaram as ovelhas e as cabras do seu pai até os pastos que ficavam perto da cidade de Siquém.
13 Então Jacó disse a José: - Venha cá. Vou mandar você até Siquém, onde os seus irmãos estão cuidando das ovelhas e das cabras. - Estou pronto para ir - respondeu José.
14 Jacó disse: - Vá lá e veja se os seus irmãos e os animais vão bem e me traga notícias. Então dali, do vale de Hebrom, Jacó mandou que José fosse até Siquém, e ele foi. Quando chegou lá,
15 ele foi andando pelo campo. Aí um homem o viu e perguntou: - O que você está procurando?
16 - Estou procurando os meus irmãos - respondeu José. - Eles estão por aí, em algum pasto, cuidando das ovelhas e das cabras. O senhor sabe aonde foram?
17 O homem respondeu: - Eles já foram embora daqui. Eu ouvi quando disseram que iam para Dotã. Aí José foi procurar os seus irmãos e os achou em Dotã.
18 Eles viram José de longe e, antes que chegasse perto, começaram a fazer planos para matá-lo.
19 Eles disseram: - Lá vem o sonhador!
20 Venham, vamos matá-lo agora. Depois jogaremos o corpo num poço seco e diremos que um animal selvagem o devorou. Assim, veremos no que vão dar os sonhos dele.
21 Quando Rúben ouviu isso, quis salvá-lo dos seus irmãos e disse: - Não vamos matá-lo.
22 Não derramem sangue. Vocês podem jogá-lo neste poço, aqui no deserto, mas não o machuquem. Rúben disse isso porque planejava salvá-lo dos irmãos e mandá-lo de volta ao pai.
23 Quando José chegou ao lugar onde os seus irmãos estavam, eles arrancaram dele a túnica longa, de mangas compridas, que ele estava vestindo.
24 Depois o pegaram e o jogaram no poço, que estava vazio e seco.
25 E sentaram-se para comer. De repente, viram que ia passando uma caravana de ismaelitas que vinha de Gileade e ia para o Egito. Os seus camelos estavam carregados de perfumes e de especiarias.
26 Aí Judá disse aos irmãos: - O que vamos ganhar se matarmos o nosso irmão e depois escondermos a sua morte?
27 Em vez de o matarmos, vamos vendê-lo a esses ismaelitas. Afinal de contas ele é nosso irmão, é do nosso sangue. Os irmãos concordaram.
28 Quando alguns negociantes midianitas passaram por ali, os irmãos de José o tiraram do poço e o venderam aos ismaelitas por vinte barras de prata. E os ismaelitas levaram José para o Egito.
29 Quando Rúben voltou ao poço e viu que José não estava lá dentro, rasgou as suas roupas em sinal de tristeza.
30 Ele voltou para o lugar onde os seus irmãos estavam e disse: - O rapaz não está mais lá! E agora o que é que eu vou fazer?
31 Então os irmãos mataram um cabrito e com o sangue mancharam a túnica de José.
32 Depois levaram a túnica ao pai e disseram: - Achamos isso aí. Será que é a túnica do seu filho?
33 Jacó a reconheceu e disse: - Sim, é a túnica do meu filho! Certamente algum animal selvagem o despedaçou e devorou.
34 Então, em sinal de tristeza, Jacó rasgou as suas roupas e vestiu roupa de luto. E durante muito tempo ficou de luto pelo seu filho.
35 Todos os seus filhos e filhas tentaram consolá-lo, mas ele não quis ser consolado e disse: - Vou ficar de luto por meu filho até que vá me encontrar com ele no mundo dos mortos. E continuou de luto por seu filho José.
36 Enquanto isso, os midianitas venderam José a Potifar, oficial e capitão da guarda do rei do Egito.

Gênesis – Capítulo 39

1 José foi levado para o Egito, onde os ismaelitas o venderam a um egípcio chamado Potifar, um oficial que era o capitão da guarda do palácio.
2 O SENHOR Deus estava com José. Ele morava na casa do seu dono e ia muito bem em tudo.
3 O dono de José viu que o SENHOR estava com ele e o abençoava em tudo o que fazia.
4 Assim, José ganhou a simpatia do seu dono, que o pôs como seu ajudante particular. Potifar deu a José a responsabilidade de cuidar da sua casa e tomar conta de tudo o que era seu.
5 Dali em diante, por causa de José, o SENHOR abençoou o lar do egípcio e também tudo o que ele tinha em casa e no campo.
6 Potifar entregou nas mãos de José tudo o que tinha e não se preocupava com nada, a não ser com a comida que comia. José era um belo tipo de homem e simpático.
7 Algum tempo depois, a mulher do seu dono começou a cobiçar José. Um dia ela disse: - Venha, vamos para a cama.
8 Ele recusou, dizendo assim: - Escute! O meu dono não precisa se preocupar com nada nesta casa, pois eu estou aqui. Ele me pôs como responsável por tudo o que tem.
9 Nesta casa eu mando tanto quanto ele. Aqui eu posso ter o que quiser, menos a senhora, pois é mulher dele. Sendo assim, como poderia eu fazer uma coisa tão imoral e pecar contra Deus?
10 Todos os dias ela insistia que ele fosse para a cama com ela, mas José não concordava e também evitava estar perto dela.
11 Mas um dia, como de costume, ele entrou na casa para fazer o seu trabalho, e nenhum empregado estava ali.
12 Então ela o agarrou pela capa e disse: - Venha, vamos para a cama. Mas ele escapou e correu para fora, deixando a capa nas mãos dela.
13 Quando notou que, ao fugir, ele havia deixado a capa nas suas mãos,
14 a mulher chamou os empregados da casa e disse: - Vejam só! Este hebreu, que o meu marido trouxe para casa, está nos insultando. Ele entrou no meu quarto e quis ter relações comigo, mas eu gritei o mais alto que pude.
15 Logo que comecei a gritar bem alto, ele fugiu, deixando a sua capa no meu quarto.
16 Ela guardou a capa até que o dono de José voltou.
17 Aí contou a mesma história, assim: - Esse escravo hebreu, que você trouxe para casa, entrou no meu quarto e quis abusar de mim.
18 Mas eu gritei bem alto, e ele correu para fora, deixando a sua capa no meu quarto.
19 Veja só de que jeito o seu escravo me tratou! Quando ouviu essa história, o dono de José ficou com muita raiva.
20 Ele agarrou José e o pôs na cadeia onde ficavam os presos do rei. E José ficou ali.
21 Mas o SENHOR estava com ele e o abençoou, de modo que ele conquistou a simpatia do carcereiro.
22 Este pôs José como encarregado de todos os outros presos, e era ele quem mandava em tudo o que se fazia na cadeia.
23 O carcereiro não se preocupava com nada do que estava entregue a José, pois o SENHOR estava com ele e o abençoava em tudo o que fazia.

Gênesis – Capítulo 40

1 Passado algum tempo, o rei do Egito foi ofendido por dois dos seus servidores, isto é, o chefe dos copeiros, que era encarregado de servir vinho, e o chefe dos padeiros.
2 O rei ficou furioso com os dois
3 e mandou que fossem postos na cadeia que ficava na casa do capitão da guarda, no mesmo lugar onde José estava preso.
4 Eles ficaram muito tempo ali, e o capitão deu a José a tarefa de cuidar deles.
5 Certa noite, ali na cadeia, o copeiro e o padeiro tiveram um sonho cada um. E cada sonho queria dizer alguma coisa.
6 Quando José veio vê-los de manhã, notou que estavam preocupados.
7 Então perguntou: - Por que vocês estão com essa cara tão triste hoje?
8 Eles responderam: - Cada um de nós teve um sonho, e não há ninguém que saiba explicar o que esses sonhos querem dizer. - É Deus quem dá à gente a capacidade de explicar os sonhos - disse José. - Vamos, contem o que sonharam.
9 Então o chefe dos copeiros contou o seu sonho. Ele disse: - Sonhei que na minha frente havia uma parreira
10 que tinha três galhos. Assim que as folhas saíam, apareciam as flores, e estas viravam uvas maduras.
11 Eu estava segurando o copo do rei; espremia as uvas no copo e o entregava ao rei.
12 José disse: - A explicação é a seguinte: os três galhos são três dias.
13 Daqui a três dias o rei vai mandar soltá-lo. Você vai voltar ao seu trabalho e servirá vinho ao rei, como fazia antes.
14 Porém, quando você estiver muito bem lá, lembre de mim e por favor tenha a bondade de falar a meu respeito com o rei, ajudando-me assim a sair desta cadeia.
15 A verdade é que foi à força que me tiraram da terra dos hebreus e me trouxeram para o Egito; e mesmo aqui no Egito não fiz nada para vir parar na cadeia.
16 Quando o chefe dos padeiros viu que a explicação era boa, disse: - Eu também tive um sonho. Sonhei que estava carregando na cabeça três cestos de pão.
17 No cesto de cima havia todo tipo de comidas assadas que os padeiros fazem para o rei. E as aves vinham e comiam dessas comidas.
18 José explicou assim: - O seu sonho quer dizer isto: os três cestos são três dias.
19 Daqui a três dias o rei vai soltá-lo e vai mandar cortar a sua cabeça. Depois o seu corpo será pendurado num poste de madeira, e as aves comerão a sua carne.
20 Três dias depois o rei comemorou o seu aniversário, oferecendo um banquete a todos os seus funcionários. Ele mandou soltar o chefe dos copeiros e o chefe dos padeiros e deu ordem para que viessem ao banquete.
21 E aconteceu exatamente o que José tinha dito: o rei fez com que o copeiro voltasse ao seu antigo trabalho de servir vinho ao rei e mandou que o padeiro fosse executado.
23 Porém o chefe dos copeiros não lembrou de José; esqueceu dele completamente.

Gênesis – Capítulo 41

1 Dois anos se passaram. Um dia o rei do Egito sonhou que estava de pé na beira do rio Nilo.
2 De repente, saíram do rio sete vacas bonitas e gordas, que começaram a comer o capim da beira do rio.
3 Logo em seguida saíram do rio outras sete vacas, feias e magras, que foram ficar perto das primeiras vacas, na beira do rio.
4 E as vacas feias e magras engoliram as bonitas e gordas. Aí o rei acordou.
5 Mas tornou a dormir e teve outro sonho. Desta vez ele viu sete espigas de trigo que saíam de um mesmo pé; elas eram boas e cheias de grãos.
6 Depois saíram sete espigas secas e queimadas pelo vento quente do deserto
7 e elas engoliram as sete espigas cheias e boas. O rei acordou: tinha sido um sonho.
8 De manhã ele estava muito preocupado e por isso mandou chamar todos os adivinhos e todos os sábios do Egito. O rei contou os seus sonhos, mas nenhum dos sábios foi capaz de dar a explicação.
9 Então o chefe dos copeiros disse ao rei: - Chegou a hora de confessar um erro que cometi.
10 Um dia o senhor ficou com raiva de mim e do chefe dos padeiros e nos mandou para a cadeia, na casa do capitão da guarda.
11 Certa noite cada um de nós teve um sonho, e cada sonho queria dizer uma coisa.
12 Lá na cadeia estava com a gente um moço hebreu, que era escravo do capitão da guarda. Contamos a esse moço os nossos sonhos, e ele explicou o que queriam dizer.
13 E tudo deu certo, exatamente como ele havia falado. Eu voltei para o meu serviço, e o padeiro foi enforcado.
14 Então o rei mandou chamar José, e foram depressa tirá-lo da cadeia. Ele fez a barba, trocou de roupa e se apresentou ao rei.
15 Então o rei disse: - Eu tive um sonho que ninguém conseguiu explicar. Ouvi dizer que você é capaz de explicar sonhos.
16 - Isso não depende de mim - respondeu José. - É Deus quem vai dar uma resposta para o bem do senhor, ó rei.
17 Aí o rei disse: - Sonhei que estava de pé na beira do rio Nilo.
18 De repente, saíram do rio sete vacas bonitas e gordas, que começaram a comer o capim da beira do rio.
19 Depois saíram do rio outras sete vacas, mas estas eram feias e magras. Em toda a minha vida eu nunca vi no Egito vacas tão feias como aquelas.
20 E as vacas feias e magras engoliram as bonitas e gordas,
21 mas nem dava para notar isso, pois elas continuavam tão feias como antes. Então eu acordei.
22 Depois tive outro sonho. Eu vi sete espigas de trigo boas e cheias de grãos, as quais saíam de um mesmo pé.
23 Depois saíram sete espigas secas e queimadas pelo vento quente do deserto
24 e elas engoliram as sete espigas cheias e boas. Eu contei os sonhos aos adivinhos, mas nenhum deles foi capaz de explicá-los.
25 Então José disse ao rei: - Os dois sonhos querem dizer a mesma coisa. Por meio deles Deus está dizendo ao senhor o que ele vai fazer.
26 As sete vacas bonitas são sete anos, e as sete espigas boas também são. Os dois sonhos querem dizer uma coisa só.
27 As sete vacas magras e feias que saíram do rio depois das bonitas e também as sete espigas secas e queimadas pelo vento quente do deserto são sete anos em que vai faltar comida.
28 É exatamente como eu disse: Deus mostrou ao senhor, ó rei, o que ele vai fazer.
29 Virão sete anos em que vai haver muito alimento em todo o Egito.
30 Depois virão sete anos de fome.
31 E a fome será tão terrível, que ninguém lembrará do tempo em que houve muito alimento no Egito.
32 A repetição do sonho quer dizer que Deus resolveu fazer isso e vai fazer logo.
33 E José continuou: - Portanto, será bom que o senhor, ó rei, escolha um homem inteligente e sábio e o ponha para dirigir o país.
34 O rei também deve escolher homens que ficarão encarregados de viajar por todo o país para recolher a quinta parte de todas as colheitas, durante os sete anos em que elas forem boas.
35 Durante os anos bons que estão chegando, esses homens ajuntarão todo o trigo que puderem e o guardarão em armazéns nas cidades, sendo tudo controlado pelo senhor.
36 Assim, o mantimento servirá para abastecer o país durante os sete anos de fome no Egito, e o povo não morrerá de fome.
37 O conselho de José agradou ao rei e aos seus funcionários.
38 E o rei lhes disse: - Não poderíamos achar ninguém melhor para dirigir o país do que José, um homem em quem está o Espírito de Deus.
39 Depois virou-se para José e disse: - Deus lhe mostrou tudo isso, e assim está claro que não há ninguém que tenha mais capacidade e sabedoria do que você.
40 Você vai ficar encarregado do meu palácio, e todo o meu povo obedecerá às suas ordens. Só eu terei mais autoridade do que você, pois sou o rei.
41 Neste momento eu o ponho como governador de todo o Egito.
42 Então o rei tirou do dedo o seu anel-sinete e o colocou no dedo de José. Em seguida mandou que o vestissem com roupas de linho fino e pôs uma corrente de ouro no pescoço dele.
43 Depois fez com que José subisse no carro reservado para a maior autoridade do Egito depois do rei e mandou que os seus homens fossem na frente dele, gritando: "Abram caminho!" Assim, José foi posto como governador de todo o Egito.
44 O rei disse a José: - Eu sou o rei, mas sem a sua licença ninguém poderá fazer nada em toda a terra do Egito.
45 O rei pôs em José o nome de Zafenate Panéia e lhe deu como esposa Asenate, filha de Potífera, que era sacerdote da cidade de Heliópolis. José tinha trinta anos quando entrou para o serviço do rei do Egito. Ele saiu da presença do rei e viajou por todo o Egito.
47 Durante os sete anos de fartura a terra produziu cereais em grande quantidade.
48 E José ajuntou todos os cereais e os guardou em armazéns nas cidades, ficando em cada cidade os cereais colhidos nos campos vizinhos.
49 José ajuntou tanto mantimento, que desistiu de pesar, pois não dava mais: parecia a areia da praia do mar.
50 Antes de começarem os anos de fome, José teve dois filhos com a sua mulher Asenate.
51 Pôs no primeiro o nome de Manassés e explicou assim: "Deus me fez esquecer todos os meus sofrimentos e toda a família do meu pai."
52 No segundo filho pôs o nome de Efraim e disse: "Deus me deu filhos no país onde tenho sofrido."
53 Então acabaram-se os sete anos de fartura no Egito,
54 e, como José tinha dito, começaram os sete anos de fome. Nos outros países o povo passava fome, mas em todo o Egito havia o que comer.
55 Quando os egípcios começaram a passar fome, foram pedir alimentos ao rei. Ele disse: - Vão falar com José e façam o que ele disser.
56 Quando a fome aumentou no país inteiro, José abriu todos os armazéns e começou a vender cereais aos egípcios.
57 E de todos os países vinha gente ao Egito para comprar cereais de José, pois no mundo inteiro havia uma grande falta de alimentos.

Gênesis – Capítulo 42

1 Quando Jacó soube que havia mantimentos no Egito, disse aos filhos: - Por que vocês estão aí de braços cruzados?
2 Ouvi dizer que no Egito há mantimentos. Vão até lá e comprem cereais para não morrermos de fome.
3 Então os dez irmãos de José por parte de pai foram até o Egito para comprar mantimentos.
4 Mas Jacó não deixou que Benjamim, o irmão de José por parte de pai e de mãe, fosse com eles; ele tinha medo de que lhe acontecesse alguma desgraça.
5 Os filhos de Jacó foram comprar mantimentos junto com outras pessoas, pois em todo o país de Canaã havia fome.
6 Como governador do Egito, era José quem vendia cereais às pessoas que vinham de outras terras. Quando os irmãos de José chegaram, eles se ajoelharam na frente dele e encostaram o rosto no chão.
7 Logo que José viu os seus irmãos, ele os reconheceu, mas fez de conta que não os conhecia. E lhes perguntou com voz dura: - Vocês, de onde vêm? - Da terra de Canaã - responderam. - Queremos comprar mantimentos.
8 José reconheceu os seus irmãos, mas eles não o reconheceram.
9 Então José lembrou dos sonhos que tinha tido a respeito deles e disse: - Vocês são espiões que vieram para ver os pontos fracos do nosso país.
10 Eles responderam: - De modo nenhum, senhor. Nós, os seus criados, viemos para comprar mantimentos.
11 Somos filhos de um mesmo pai. Nós não somos espiões, senhor! Somos gente honesta.
12 - Não acredito - disse José. - Vocês vieram para ver os pontos fracos do nosso país.
13 Eles disseram: - Nós moramos em Canaã. Somos ao todo doze irmãos, filhos do mesmo pai. Mas um irmão desapareceu, e o mais novo está neste momento com o nosso pai.
14 José respondeu: - É como eu disse: vocês são espiões.
15 E o jeito de provar que vocês estão dizendo a verdade é este: enquanto o irmão mais moço de vocês não vier para cá, vocês não sairão daqui. Isso eu juro pela vida do rei!
16 Um de vocês irá buscá-lo, mas os outros ficarão presos até que fique provado se estão ou não dizendo a verdade. Se não estão, é que vocês são espiões. Juro pela vida do rei!
17 E os pôs na cadeia por três dias.
18 No terceiro dia José disse a eles: - Eu sou uma pessoa que teme a Deus. Vou deixar que vocês fiquem vivos, mas com uma condição.
19 Se, de fato, são pessoas honestas, que um de vocês fique aqui na cadeia, e que os outros voltem para casa, levando mantimentos para matar a fome das suas famílias.
20 Depois tragam aqui o seu irmão mais moço. Isso provará se vocês estão ou não dizendo a verdade; e, se estiverem, não serão mortos. Eles concordaram
21 e disseram uns aos outros: - De fato, nós agora estamos sofrendo por causa daquilo que fizemos com o nosso irmão. Nós vimos a sua aflição quando pedia que tivéssemos pena dele, porém não nos importamos. Por isso agora é a nossa vez de ficarmos aflitos.
22 E Rúben disse assim: - Eu bem que disse que não maltratassem o rapaz, mas vocês não quiseram me ouvir. Por isso agora estamos pagando pela morte dele.
23 Eles não sabiam que José estava entendendo o que diziam, pois ele tinha estado falando com eles por meio de um intérprete.
24 José saiu de perto deles e começou a chorar. Quando pôde falar outra vez, voltou, separou Simeão e mandou que fosse amarrado na presença deles.
25 José mandou que os empregados enchessem de mantimentos os sacos que os irmãos haviam trazido e que devolvessem o dinheiro de cada um, colocando-o nos sacos de mantimentos. E também que lhes dessem comida para a viagem. E assim foi feito.
26 Os irmãos de José carregaram os jumentos com os mantimentos que haviam comprado e foram embora.
27 Quando chegaram ao lugar onde iam passar a noite, um deles abriu um saco para dar comida ao seu animal e viu que o seu dinheiro estava ali na boca do saco de mantimentos.
28 Ele disse aos irmãos: - Vejam só! O meu dinheiro está aqui no meu saco de mantimentos! Eles devolveram! Todos ficaram muito assustados e, tremendo de medo, perguntavam uns aos outros: - O que será isso que Deus fez com a gente?
29 Quando chegaram a Canaã, contaram a Jacó, o seu pai, tudo o que havia acontecido com eles. E disseram:
30 - Aquele homem, o governador do Egito, tratou a gente com brutalidade e nos acusou de termos ido ao seu país como espiões.
31 Nós respondemos: "Somos homens honestos; não somos espiões.
32 Somos ao todo doze irmãos, filhos do mesmo pai. Mas um dos nossos irmãos desapareceu, e o mais novo está neste momento com o nosso pai em Canaã."
33 O governador respondeu: "Eu tenho um jeito de descobrir se vocês são homens honestos. Um de vocês ficará aqui comigo, e os outros vão voltar, levando um pouco de mantimento para as suas famílias, que estão passando fome.
34 Mas tragam aqui para mim o seu irmão mais novo. Assim, eu ficarei sabendo que vocês não são espiões, mas homens honestos. Aí entregarei o irmão de vocês, e vocês poderão ficar aqui negociando."
35 Aconteceu que, quando despejaram os mantimentos, cada um achou na boca do saco um saquinho com o seu dinheiro. Quando eles e o seu pai viram o dinheiro, ficaram com medo.
36 Então Jacó disse: - Vocês querem que eu perca todos os meus filhos? José não está com a gente, e Simeão também não está. Agora vocês querem levar Benjamim, e quem sofre com tudo isso sou eu!
37 Aí Rúben disse ao pai: - Deixe que eu tome conta de Benjamim; eu o trarei de volta para o senhor. Se não trouxer, o senhor pode matar os meus dois filhos.
38 Jacó respondeu: - O meu filho não vai com vocês. José, o irmão dele, está morto, e só ficou Benjamim. Alguma coisa poderia acontecer com ele na viagem que vão fazer, e assim vocês matariam de tristeza este velho.

Gênesis – Capítulo 43

1 A fome continuava muito grande em Canaã.
2 Quando as famílias de Jacó e dos seus filhos comeram todo o mantimento que tinha sido trazido do Egito, Jacó disse aos filhos: - Voltem ao Egito e comprem mais um pouco de alimento para nós.
3 Mas Judá lembrou: - Aquele homem deixou bem claro que, se o nosso irmão não fosse junto com a gente, ele não nos receberia.
4 Se o senhor deixar que ele vá, nós iremos comprar mantimentos para o senhor.
5 Se o senhor não deixar, não iremos. Aquele homem disse assim: "Eu só os receberei se vocês trouxerem o seu irmão mais novo."
6 Jacó disse: - Por que vocês fizeram cair tamanha desgraça sobre mim? Por que foram dizer ao tal homem que tinham outro irmão?
7 Eles responderam: - Aquele homem fez muitas perguntas a respeito de nós e da nossa família. Ele perguntou: "O pai de vocês ainda está vivo? Vocês têm mais um irmão?" Nós tivemos de responder às perguntas dele. Por acaso podíamos adivinhar que ele ia pedir que levássemos o nosso irmão?
8 Aí Judá disse ao pai: - Deixe o rapaz por minha conta. Nós partiremos agora mesmo, e assim ninguém morrerá: nem nós, nem o senhor, nem os nossos filhinhos.
9 Eu fico responsável por Benjamim. Se eu não o trouxer de volta são e salvo, o senhor poderá pôr a culpa em mim. Serei culpado diante do senhor pelo resto da minha vida.
10 Se não tivéssemos demorado tanto, já teríamos ido e voltado duas vezes.
11 Então o pai disse: - Já que não existe outro jeito, façam o seguinte: ponham nos sacos alguns presentes para aquele homem. Levem os melhores produtos desta terra: um pouco de bálsamo, um pouco de mel, especiarias, nozes e amêndoas.
12 Levem também o dinheiro em dobro, pois vocês precisam devolver a quantia que foi encontrada na boca dos sacos de mantimentos que vocês trouxeram. Deve ter havido algum engano.
13 Levem o irmão de vocês e vão depressa encontrar-se outra vez com aquele homem.
14 Que o Deus Todo-Poderoso faça com que ele tenha pena de vocês e deixe que o seu outro irmão e Benjamim voltem para casa. Quanto a mim, se tenho de perder os meus filhos, o que é que eu posso fazer?
15 Assim, os filhos de Jacó pegaram os presentes e o dinheiro em dobro e foram para o Egito, levando Benjamim. Logo que chegaram, foram falar com José.
16 Quando José viu que Benjamim estava com eles, disse ao funcionário administrador da sua casa: - Leve esses homens até a minha casa. Mate um animal e prepare tudo, pois eles vão almoçar comigo hoje, ao meio-dia.
17 O administrador cumpriu a ordem e levou os irmãos até a casa de José.
18 Quando chegaram lá, eles ficaram com medo e disseram uns aos outros: - Trouxeram a gente para cá por causa do dinheiro que da outra vez foi colocado de volta nos sacos de mantimentos. Com certeza eles vão nos atacar, vão tomar de nós os nossos jumentos e obrigar a gente a trabalhar como escravos.
19 Assim que chegaram à porta da casa, disseram ao administrador:
20 - Por favor, senhor! Já viemos aqui uma vez para comprar mantimentos.
21 Porém, quando chegamos ao lugar onde íamos passar a noite, abrimos os sacos de mantimentos, e na boca dos sacos cada um encontrou o seu dinheiro, sem faltar nada. Trouxemos esse dinheiro de volta
22 e também temos mais dinheiro aqui para comprar mantimentos. Nós não sabemos quem colocou o dinheiro nos sacos de mantimentos.
23 Aí o administrador respondeu: - Fiquem tranqüilos, não tenham medo. O Deus de vocês e do seu pai deve ter posto o dinheiro nos sacos de mantimentos para vocês, pois eu recebi o dinheiro que pagaram. O administrador trouxe Simeão ao lugar onde eles estavam.
24 Depois os levou para dentro da casa, deu água para lavarem os pés e também deu de comer aos jumentos.
25 Os irmãos prepararam os presentes que iam entregar a José quando ele viesse ao meio-dia, pois já sabiam que iam almoçar ali.
26 Quando José chegou à sua casa, eles lhe entregaram os presentes que haviam trazido, se ajoelharam na frente dele e encostaram o rosto no chão.
27 José perguntou como iam passando e depois disse: - E como vai o pai de vocês, aquele velho de quem me falaram? Ele ainda vive?
28 Eles responderam: - O seu humilde criado, o nosso pai, ainda está vivo e vai passando bem.
29 José olhou em volta e, quando viu Benjamim, o seu irmão por parte de pai e mãe, disse: - É esse o irmão mais moço de vocês, de quem me falaram? Que Deus o abençoe, meu filho!
30 Ao ver o seu irmão, José ficou tão emocionado, que teve vontade de chorar. Então foi para o seu quarto e ali chorou.
31 Quando conseguiu se controlar, lavou o rosto e saiu. E disse: - Sirvam o almoço.
32 Serviram o almoço a José numa mesa e aos seus irmãos em outra. E havia ainda outra mesa para os egípcios que estavam ali, pois estes, por motivos religiosos, eram proibidos de comer junto com os israelitas.
33 Os irmãos se sentaram de frente para José. Eles foram colocados por ordem de idade, desde o mais velho até o mais moço. Quando viram isso, eles começaram a olhar uns para os outros, muito admirados.
34 Serviram a eles da mesma comida que foi servida a José e deram a Benjamim cinco vezes mais comida do que aos outros. E eles beberam com José até ficarem alegres.

Gênesis – Capítulo 44

1 Depois disso José deu ao administrador da sua casa a seguinte ordem: - Encha de mantimento os sacos que esses homens trouxeram, o quanto puderem carregar, e ponha na boca dos sacos o dinheiro de cada um.
2 E, na boca do saco de mantimentos que pertence ao irmão mais moço, ponha o meu copo de prata, junto com o dinheiro que ele pagou pelo seu mantimento. O administrador fez tudo como José havia mandado.
3 De manhã bem cedo os irmãos de José saíram de viagem, com os seus jumentos.
4 Quando eles já tinham saído da cidade, mas ainda não estavam longe, José disse ao seu administrador: - Vá depressa atrás daqueles homens e, quando os alcançar, diga o seguinte: "Por que vocês pagaram o bem com o mal?
5 Por que roubaram o copo de prata do meu patrão? Ele usa esse copo para beber e para adivinhar as coisas. Vocês cometeram um crime."
6 Quando o administrador os alcançou e disse o que José havia ordenado,
7 eles responderam: - Por que o senhor está falando desse jeito? Nós não seríamos capazes de fazer uma coisa dessas!
8 Nós lhe trouxemos de volta do país de Canaã o dinheiro que encontramos na boca dos sacos de mantimentos de cada um de nós. Então por que iríamos roubar prata ou ouro da casa do seu patrão?
9 Se o senhor encontrar o copo com algum de nós, ele será morto, e nós ficaremos seus escravos.
10 O administrador disse: - Concordo com vocês, mas só aquele com quem estiver o copo é que será meu escravo; os outros poderão ir embora.
11 Então eles puseram depressa os sacos de mantimentos no chão, e cada um abriu o seu.
12 O administrador de José procurou em cada saco de mantimentos, começando pelo do mais velho até o do mais moço; e o copo foi encontrado na boca do saco de mantimentos de Benjamim.
13 Então os irmãos rasgaram as suas roupas em sinal de tristeza, colocaram de novo as cargas em cima dos jumentos e voltaram para a cidade.
14 Quando Judá e os seus irmãos chegaram à casa de José, ele ainda estava ali. Eles se ajoelharam na frente dele e encostaram o rosto no chão.
15 Aí José perguntou: - Por que foi que vocês fizeram isso? Vocês não sabiam que um homem como eu é capaz de adivinhar as coisas?
16 Judá respondeu: - Senhor, o que podemos falar ou responder? Como podemos provar que somos inocentes? Deus descobriu o nosso pecado. Aqui estamos e somos todos seus escravos, nós e aquele com quem estava o copo.
17 José disse: - De jeito nenhum! Eu nunca faria uma coisa dessas! Só aquele que estava com o meu copo é que será meu escravo. Os outros podem voltar em paz para a casa do pai.
18 Então Judá chegou perto de José e disse: - Senhor, me dê licença para lhe falar com franqueza. Não fique aborrecido comigo, pois o senhor é como se fosse o próprio rei.
19 O senhor perguntou: "Vocês têm pai ou outro irmão?"
20 Nós respondemos assim: "Temos pai, já velho, e um irmão mais moço, que nasceu quando o nosso pai já estava velho. O irmão do rapazinho morreu. Agora ele é o único filho da sua mãe que está vivo, e o seu pai o ama muito."
21 Aí o senhor nos disse para trazer o rapazinho porque desejava vê-lo.
22 Nós respondemos que ele não podia deixar o seu pai, pois, se deixasse, o seu pai morreria.
23 Mas o senhor disse que, se ele não viesse, o senhor não nos receberia.
24 - Quando chegamos à nossa casa, contamos ao nosso pai tudo o que o senhor tinha dito.
25 Depois ele nos mandou voltar para comprarmos mais mantimentos.
26 Nós respondemos: "Não podemos ir; não seremos recebidos por aquele homem se o nosso irmão mais moço não for com a gente. Nós só vamos se o nosso irmão mais moço for junto."
27 Então o nosso pai disse: "Vocês sabem que a minha mulher Raquel me deu dois filhos.
28 Um deles já me deixou; eu nunca mais o vi. Deve ter sido despedaçado por animais selvagens.
29 E, se agora vocês me tirarem este também, e alguma desgraça acontecer com ele, vocês matarão de tristeza este velho."
30 - Agora, senhor - continuou Judá - se eu voltar para casa sem o rapaz, logo que o meu pai perceber isso, vai morrer. A vida dele está ligada com a vida do rapaz, e nós seríamos culpados de matar de tristeza o nosso pai, que está velho.
32 E tem mais: eu garanti ao meu pai que seria responsável pelo rapaz. Eu disse assim: "Se eu não lhe trouxer o rapaz de volta, serei culpado diante do senhor pelo resto da minha vida."
33 Por isso agora eu peço ao senhor que me deixe ficar aqui como seu escravo em lugar do rapaz. E permita que ele volte com os seus irmãos.
34 Como posso voltar para casa se o rapaz não for comigo? Eu não quero ver essa desgraça cair sobre o meu pai.

Gênesis – Capítulo 45

1 José não conseguiu mais controlar a sua emoção diante dos seus empregados, de modo que gritou: - Saiam todos daqui! Por isso nenhum dos empregados estava ali quando José contou aos irmãos quem ele era.
2 Ele começou a chorar tão alto, que os egípcios ouviram, e a notícia chegou até o palácio do rei.
3 José disse aos irmãos: - Eu sou José. O meu pai ainda está vivo? Quando os irmãos ouviram isso, ficaram tão assustados, que não puderam responder nada.
4 E José disse: - Cheguem mais perto de mim, por favor. Eles chegaram, e ele continuou: - Eu sou o seu irmão José, aquele que vocês venderam a fim de ser trazido para o Egito.
5 Agora não fiquem tristes nem aborrecidos com vocês mesmos por terem me vendido a fim de ser trazido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou na frente de vocês.
6 Já houve dois anos de fome no mundo, e ainda haverá mais cinco anos em que ninguém vai preparar a terra, nem colher.
7 Deus me enviou na frente de vocês a fim de que ele, de um modo maravilhoso, salvasse a vida de vocês aqui neste país e garantisse que teriam descendentes.
8 Portanto, não foram vocês que me mandaram para cá, mas foi Deus. Ele me pôs como o mais alto ministro do rei. Eu tomo conta do palácio dele e sou o governador de todo o Egito.
9 - Agora voltem depressa para casa e digam ao meu pai que o seu filho José manda lhe dizer o seguinte: "Deus me fez governador de todo o Egito. Venha me ver logo; não demore.
10 O senhor morará na região de Gosém e assim ficará perto de mim - o senhor, os seus filhos, os seus netos, as suas ovelhas, as suas cabras, o seu gado e tudo o que é seu.
11 A fome ainda vai durar mais cinco anos, e em Gosém eu darei mantimentos ao senhor, à sua família e aos seus animais. Assim não lhes faltará nada."
12 José continuou: - Todos vocês e Benjamim, o meu irmão, podem ver que sou eu mesmo, José, quem está falando.
13 Contem ao meu pai como sou poderoso aqui no Egito, contem tudo o que têm visto. Vão depressa e tragam o meu pai para cá.
14 José abraçou o seu irmão Benjamim e começou a chorar. E, abraçado com José, Benjamim também chorou.
15 Então, ainda chorando, José abraçou e beijou cada um dos seus irmãos. Depois disso os irmãos começaram a falar com ele.
16 A notícia de que os irmãos de José tinham vindo chegou até o palácio do rei do Egito, e ele e os seus servidores ficaram contentes com isso.
17 O rei disse a José: - Diga aos seus irmãos que carreguem os animais e voltem para a terra de Canaã.
18 E me tragam o pai deles e as famílias deles. Eu lhes darei as melhores terras que há no Egito, e eles comerão o que este país produz de melhor.
19 Que os seus irmãos levem daqui do Egito carretas para trazerem as mulheres, as crianças pequenas e também o pai deles.
20 E não se preocupem por deixarem para trás as coisas que têm, pois o melhor que há na terra do Egito será deles.
21 Os filhos de Jacó fizeram isso. José lhes deu carretas, como o rei havia mandado, e mantimento para a viagem.
22 Também lhes deu roupas novas, mas a Benjamim deu trezentas barras de prata e cinco mudas de roupas.
23 Para o pai, José mandou dez jumentos carregados das melhores coisas do Egito e dez jumentos carregados de trigo, pão e outros mantimentos para a viagem.
24 Os irmãos se despediram, e na hora de partir José aconselhou: - Não briguem pelo caminho.
25 Eles saíram do Egito e, quando chegaram a Canaã, foram à casa de Jacó, o seu pai.
26 Então lhe disseram: - José está vivo! Ele é o governador de todo o Egito! Jacó quase desmaiou e não podia acreditar.
27 Porém, quando lhe contaram tudo o que José tinha dito, e quando viu as carretas que havia mandado para levá-lo para o Egito, Jacó ficou muito animado.
28 E disse: - Já chega! O meu filho José ainda está vivo. Quero vê-lo antes de eu morrer.

Gênesis – Capítulo 46

1 Jacó partiu com tudo o que tinha e foi até Berseba, onde ofereceu sacrifícios ao Deus de Isaque, o seu pai.
2 Naquela noite Deus falou com ele numa visão e o chamou assim: - Jacó, Jacó! - Eu estou aqui - respondeu ele.
3 Deus disse: - Eu sou Deus, o Deus do seu pai. Não tenha medo de ir para o Egito, pois ali eu farei com que os seus descendentes se tornem uma grande nação.
4 Eu irei para o Egito com você e trarei os seus descendentes de volta para esta terra. E, quando você morrer, José estará ao seu lado.
5 Então Jacó partiu de Berseba. Nas carretas que o rei do Egito havia mandado, os filhos de Jacó levaram o pai, as esposas deles e os seus filhos pequenos.
6 Jacó e todos os seus foram para o Egito, levando o seu gado e todas as coisas que haviam conseguido em Canaã.
7 Jacó levou consigo todos os seus descendentes, isto é, filhos e filhas, netos e netas.
8 Os israelitas que foram para o Egito, isto é, Jacó e os seus descendentes, são os seguintes: Rúben, o filho mais velho de Jacó,
9 e os filhos de Rúben: Enoque, Palu, Hezrom e Carmi.
10 Simeão e os seus filhos Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar e Saul, que era filho de uma mulher de Canaã.
11 Levi e os seus filhos Gérson, Coate e Merari.
12 Judá e os seus filhos Selá, Peres e Zera (Os outros dois filhos, Er e Onã, haviam morrido em Canaã.). Os filhos de Peres foram Hezrom e Hamul.
13 Issacar e os seus filhos Tolá, Puá, Jasube e Sinrom.
14 Zebulom e os seus filhos Serede, Elom e Jaleel.
15 Esses foram os filhos que Léia deu a Jacó na Mesopotâmia, além da sua filha Dina. Os descendentes de Jacó e Léia eram trinta e três.
16 Gade e os seus filhos Zifião, Hagui, Suni, Esbom, Eri, Arodi e Areli.
17 Aser e os seus filhos Imna, Isva, Isvi e Berias e a irmã deles, que se chamava Sera. Os filhos de Berias eram Héber e Malquiel.
18 Esses dezesseis foram os descendentes de Jacó e Zilpa, a escrava que Labão deu à sua filha Léia.
19 Raquel, mulher de Jacó, lhe tinha dado dois filhos: José e Benjamim.
20 Os filhos de José com Asenate foram Manassés e Efraim, que nasceram no Egito. Asenate era filha de Potífera, sacerdote da cidade de Heliópolis.
21 Os filhos de Benjamim foram Belá, Bequer, Asbel, Gera, Naamã, Eí, Rôs, Mupim, Hupim e Arde.
22 Esses catorze foram os descendentes de Jacó e Raquel.
23 Dã e o seu filho Husim.
24 Naftali e os seus filhos Jazeel, Guni, Jezer e Silém.
25 Esses sete foram os descendentes de Jacó e Bila, a escrava que Labão deu à sua filha Raquel.
26 Ao todo foram para o Egito sessenta e seis descendentes diretos de Jacó, sem contar as mulheres dos seus filhos.
27 Os dois filhos de José nasceram no Egito. Assim, foi de setenta o total de pessoas da família de Jacó que foram para o Egito.
28 Jacó mandou que Judá fosse na frente para pedir a José que viesse encontrá-los em Gosém. Quando eles chegaram,
29 José mandou aprontar o seu carro e foi para Gosém a fim de se encontrar com o pai. Quando se encontraram, José o abraçou e chorou abraçado com ele por muito tempo.
30 Então Jacó disse: - Já posso morrer, agora que já vi você e sei que está vivo!
31 Depois José disse aos irmãos e à família do pai: - Eu vou falar com o rei do Egito e vou lhe dar a notícia de que os meus irmãos e os parentes do meu pai, que moravam em Canaã, vieram para ficar comigo.
32 Vou dizer ao rei que vocês são criadores de ovelhas e cabras e cuidam de gado. Direi que trouxeram as suas ovelhas, o gado e tudo o que têm.
33 Quando o rei lhes perguntar qual é a profissão de vocês,
34 digam que a vida inteira vocês têm sido criadores de ovelhas, como foram os seus antepassados. Assim, vocês poderão ficar morando na região de Gosém, pois os egípcios detestam os pastores de ovelhas.

Gênesis – Capítulo 47

1 Então José foi dar a notícia ao rei. Ele disse: - O meu pai e os meus irmãos vieram da terra de Canaã e estão na região de Gosém com as suas ovelhas e cabras, o seu gado e tudo o que têm.
2 Depois levou cinco dos seus irmãos e os apresentou ao rei.
3 O rei perguntou: - Qual é o trabalho de vocês? Eles responderam: - Senhor, nós somos criadores de ovelhas, como foram os nossos antepassados.
4 Viemos morar neste país porque na terra de Canaã não há pastos para os animais, e a fome lá está terrível. Por favor, deixe que a gente fique morando na região de Gosém.
5 O rei disse a José: - Agora que o seu pai e os seus irmãos vieram ficar com você,
6 a terra do Egito está às ordens deles. Dê a eles a região de Gosém, que é a melhor do país, para que fiquem morando lá. E, se na sua opinião houver entre eles homens capazes, ponha-os como chefes dos que cuidam do meu gado.
7 Depois José levou Jacó, o seu pai, e o apresentou ao rei. Jacó deu a sua bênção ao rei,
8 e este perguntou: - Qual é a sua idade?
9 Jacó respondeu: - Já estou com cento e trinta anos de idade e sempre tenho andado de um lado para outro. A minha vida tem passado rapidamente, e muitos anos foram difíceis. E eu não tenho conseguido viver tanto quanto os meus antepassados, que tiveram uma vida tão dura como a que eu tive.
10 Jacó deu a sua bênção ao rei e foi embora.
11 E José deu ao pai e aos irmãos terras na melhor região do Egito, perto da cidade de Ramessés, como o rei havia ordenado. Essas terras se tornaram propriedade deles, e eles ficaram morando ali.
12 José dava mantimentos ao pai, aos irmãos e aos parentes, conforme as necessidades de cada família.
13 Não havia alimento em lugar nenhum, e a fome aumentava cada vez mais. Os moradores do Egito e de Canaã ficaram fracos de tanto passar fome.
14 O povo comprava mantimentos, e José ajuntava todo o dinheiro e o levava para o palácio.
15 Quando acabou todo o dinheiro do Egito e de Canaã, os egípcios foram falar com José. Eles disseram: - Por favor, nos dê comida! Não nos deixe morrer só porque o nosso dinheiro acabou!
16 José respondeu: - Se vocês não têm mais dinheiro, tragam o seu gado, que eu trocarei por mantimento.
17 Os egípcios levaram a José cavalos, ovelhas, cabras, bois e jumentos, e em troca ele lhes deu mantimento durante todo aquele ano.
18 O ano passou, e no ano seguinte foram dizer a José:
19 - Senhor, não podemos esconder o fato de que o nosso dinheiro acabou e que os nossos animais agora são seus. Não temos mais nada para entregar a não ser os nossos corpos e as nossas terras. Não deixe a gente morrer. Compre a nós e as nossas terras em troca de alimentos. Seremos escravos do rei, e ele será dono das nossas terras. Dê-nos mantimento para que possamos viver e também sementes para plantarmos, e assim a terra não se tornará um deserto.
20 Então José comprou todas as terras do Egito para o rei. Todos os egípcios tiveram de vender as suas terras, pois a fome era terrível. Assim, a terra ficou sendo do rei,
21 e José fez dos egípcios escravos no país inteiro.
22 José só não comprou as terras dos sacerdotes. Eles não tiveram de vendê-las, pois o rei lhes dava certa quantidade de alimentos; e assim eles tinham o que comer.
23 Então José disse ao povo: - Agora vocês e as suas terras são do rei, pois eu os comprei para ele. Peguem aqui sementes para semearem nos campos.
24 Do que colherem, dêem a quinta parte ao rei; usem as outras quatro partes para semear e para alimentar vocês, os seus filhos e as pessoas que moram com vocês.
25 Eles responderam: - O senhor salvou a nossa vida e tem sido bom para nós. Seremos escravos do rei.
26 Assim, José fez uma lei que existe até hoje. A lei é a seguinte: em todo o Egito a quinta parte das colheitas pertence ao rei. Só as terras dos sacerdotes não ficaram para o rei.
27 Os israelitas ficaram vivendo no Egito, na região de Gosém, onde compraram terras e tiveram muitos filhos.
28 Jacó viveu dezessete anos no Egito, chegando à idade de cento e quarenta e sete anos.
29 Quando sentiu que ia morrer, Jacó mandou chamar o seu filho José e disse: - Se lhe posso pedir um favor, ponha a mão por baixo da minha coxa e jure que será fiel e honesto comigo nisto que vou pedir: não me sepulte no Egito.
30 Quando eu morrer, tire o meu corpo do Egito e me coloque na sepultura dos meus antepassados, a fim de que eu descanse com eles. José respondeu: - Eu farei o que o senhor está pedindo.
31 - Então jure - disse Jacó. José jurou, e aí Jacó se inclinou sobre a cabeceira da cama e orou.

Gênesis – Capítulo 48

1 Algum tempo depois disseram a José que o seu pai estava doente. Então José foi visitá-lo, levando consigo os seus dois filhos, Efraim e Manassés.
2 Alguém foi dizer a Jacó: - O seu filho José veio visitá-lo. Jacó fez um esforço e se sentou na cama.
3 Aí disse a José: - O Deus Todo-Poderoso me apareceu na cidade de Luz, lá na terra de Canaã, e me abençoou.
4 Ele me disse: "Eu farei com que você tenha muitos filhos, e os seus descendentes formarão muitas nações. Eu darei esta terra aos seus descendentes para ser propriedade deles para sempre."
5 E Jacó continuou dizendo a José: - Agora, os seus filhos Efraim e Manassés, que nasceram aqui no Egito antes de eu vir para cá, esses dois me pertencem. Efraim e Manassés são meus tanto como Rúben e Simeão.
6 Se você tiver outros filhos, eles serão seus e, por serem irmãos de Efraim e de Manassés, terão parte na herança deles.
7 Estou fazendo isso por causa de Raquel, a sua mãe. Nós estávamos voltando da Mesopotâmia, quando, para minha infelicidade, ela morreu no país de Canaã, pouco antes de chegarmos a Efrata. Eu a sepultei ali, na beira do caminho (Efrata é agora conhecida como Belém.).
8 Quando Jacó viu os filhos de José, perguntou: - E esses, quem são?
9 - São os filhos que Deus me deu aqui no Egito - respondeu José. Jacó disse: - Ponha-os perto de mim para que eu lhes dê a minha bênção.
10 Por causa da velhice a vista de Jacó estava fraca, e ele não podia ver bem. José levou os rapazes para perto dele, e ele os abraçou e beijou.
11 Jacó disse a José: - Eu pensei que nunca mais ia ver você, e agora Deus me deixou ver até os seus filhos.
12 Então José tirou os dois do colo do seu pai, ajoelhou-se e encostou o rosto no chão.
13 Em seguida pegou Efraim com a mão direita e Manassés com a mão esquerda e fez com que ficassem perto de Jacó. Dessa maneira Efraim ficou do lado esquerdo de Jacó, e Manassés, do seu lado direito.
14 Jacó estendeu os braços e cruzou-os, pondo a mão direita sobre a cabeça de Efraim, embora fosse o mais moço, e a mão esquerda sobre a cabeça de Manassés, que era o mais velho.
15 Em seguida deu a sua bênção a José, dizendo assim: "Ó Deus, a quem os meus pais Abraão e Isaque serviram, abençoa estes rapazes. Abençoa-os, ó Deus, tu que me tens guiado como um pastor durante toda a minha vida até hoje.
16 Que os abençoe o Anjo que me tem livrado de todo mal! Que o meu nome seja lembrado por meio deles e também o nome dos meus pais Abraão e Isaque! Que eles tenham muitos filhos e muitos descendentes neste mundo!"
17 José não gostou quando viu o seu pai colocar a mão direita sobre a cabeça de Efraim; por isso pegou a mão dele para tirá-la da cabeça de Efraim e colocá-la sobre a de Manassés.
18 E explicou: - Não, pai; assim não. Este aqui é o filho mais velho; ponha a mão direita sobre a cabeça dele.
19 Mas Jacó não quis e disse: - Eu sei, filho, eu sei. Os descendentes de Manassés também serão um grande povo. Mas o irmão mais moço será mais importante do que ele, e os seus descendentes formarão muitas nações.
20 Desse modo Jacó os abençoou naquele dia, dizendo: - Os israelitas usarão os nomes de vocês para dar a bênção. Eles vão dizer assim: "Que Deus faça com você como fez com Efraim e com Manassés." Dessa maneira Jacó pôs Efraim antes de Manassés.
21 Aí disse a José: - Como você está vendo, eu vou morrer. Mas Deus estará com vocês e os levará de volta para a terra dos seus antepassados.
22 Eu dou Siquém a você e não aos seus irmãos. Siquém é aquela região que tomei dos amorreus, lutando com a minha espada e o meu arco.

Gênesis – Capítulo 49

1 Jacó chamou os seus filhos e disse: - Fiquem em volta de mim, e eu lhes direi o que vai acontecer com vocês no futuro.
2 "Fiquem reunidos em volta de mim para ouvir, filhos de Jacó; escutem o que diz Israel, o seu pai.
3 "Rúben, você é o meu filho mais velho. Você é a minha força, o primeiro fruto do meu vigor, o mais orgulhoso e o mais forte dos meus filhos.
4 Você é violento como a correnteza, porém não será o mais importante, pois dormiu com a minha concubina, desonrando assim a cama do seu pai.
5 "Simeão e Levi são irmãos; com as suas armas praticam violências.
6 Não estarei presente quando fizerem planos, não tomarei parte nas suas reuniões, pois no seu furor mataram homens e por brincadeira aleijaram touros.
7 Maldito seja o furor deles, pois é violento! Maldita seja a sua ira, pois é cruel! Eu os dividirei na terra de Israel, eu os espalharei no meio do seu povo.
8 "Judá, os seus irmãos o louvarão e se curvarão na sua frente. Você segurará os inimigos pelo pescoço.
9 O meu filho Judá é como um leãozinho quando mata a sua vítima; ele se agacha e se deita como um leão e como uma leoa. Quem tem a coragem de mexer com ele?
10 Judá vai segurar o cetro de rei, e os seus descendentes sempre governarão. As nações lhe trarão presentes, os povos lhe obedecerão.
11 Ele amarra o seu jumentinho numa parreira, na melhor parreira que há. Ele lava as suas roupas no vinho, lava a sua capa no vinho cor de sangue.
12 Os seus olhos estão vermelhos de beber vinho, os seus dentes estão brancos de beber leite.
13 "Zebulom morará no litoral, onde haverá portos para navios. A sua fronteira chegará até Sidom.
14 "Issacar é como um jumento forte, deitado entre as suas cargas.
15 Quando viu que o país era bom e agradável para descansar, ele se abaixou para que colocassem a carga nas suas costas e, sem reclamar, trabalhou como um escravo.
16 "Dã governará a sua própria gente; será como as outras tribos de Israel.
17 Dã será como uma cobra na beira da estrada, como uma serpente venenosa no caminho, que morde a pata do cavalo, fazendo cair para trás o seu cavaleiro.
18 "Ó SENHOR, meu Deus, espero que me salves!
19 "Gade será atacado por um bando de ladrões, mas depois ele os perseguirá.
20 "A terra de Aser produzirá bons alimentos, dará alimentos que só reis merecem.
21 "Naftali é como uma corça solta que tem lindos filhotes.
22 "José é como uma planta perto de uma fonte; ela dá muita fruta, e os seus galhos sobem pelo muro.
23 Os inimigos o atacam com violência e o perseguem com os seus arcos e flechas.
24 Porém o seu arco ficou firme, e os seus braços continuaram fortes pela força do Poderoso de Jacó, pelo nome do Pastor, a Rocha de Israel.
25 O Deus do seu pai ajudará José, o Todo-Poderoso lhe dará bênçãos - bênçãos do alto céu, bênçãos de águas que ficam debaixo da terra, bênçãos de muitos animais e muitos filhos,
26 bênçãos de cereais e de flores, bênçãos de montanhas antigas, coisas deliciosas dos montes eternos. Que todas essas bênçãos estejam sobre a cabeça de José, sobre a testa daquele que foi escolhido entre os seus irmãos.
27 "Benjamim é como um lobo feroz; de manhã devorará a vítima e de tarde repartirá as sobras."
28 São essas as doze tribos de Israel, e foram essas as palavras que o pai disse aos seus filhos quando os abençoou; a cada um deu uma bênção especial.
29 Então Jacó deu aos filhos a seguinte ordem: - Eu estou para morrer e me reunir com o meu povo no mundo dos mortos. Sepultem-me onde estão enterrados os meus antepassados, na caverna que fica nas terras de Efrom, o heteu,
30 em Macpela, a leste de Manre, no país de Canaã. Abraão comprou de Efrom essa caverna e o terreno onde ela fica, para ser a sepultura da família.
31 Ali estão sepultados Abraão e Sara, a sua mulher; Isaque e a sua mulher Rebeca; e ali eu sepultei Léia.
32 O terreno e a caverna foram comprados dos heteus.
33 Quando acabou de dar essa ordem aos filhos, Jacó deitou-se de novo na cama e morreu, indo reunir-se assim com o seu povo no mundo dos mortos.

Gênesis – Capítulo 50

1 José se atirou sobre o pai, chorando e beijando o seu rosto.
2 Ele deu ordem aos médicos que estavam ao seu serviço para embalsamarem o corpo do seu pai, e assim eles fizeram.
3 Gastaram quarenta dias para fazer isso, o tempo normal para embalsamar um corpo. E os egípcios ficaram de luto setenta dias.
4 Quando passou o tempo do luto, José falou com os altos funcionários do palácio do rei do Egito. Ele disse: - Façam o favor de levar ao rei a seguinte mensagem:
5 "Quando o meu pai estava para morrer, ele me fez jurar que eu o enterraria na sepultura que ele mesmo preparou no país de Canaã. Por favor, deixe-me ir sepultar o meu pai, que depois eu voltarei."
6 O rei respondeu: - Vá e sepulte o seu pai, como ele fez você jurar que faria.
7 E assim José foi sepultar o seu pai. Com ele foram as autoridades ligadas ao rei, os altos funcionários do palácio e todos os líderes do Egito.
8 Foram também as famílias de José, dos seus irmãos e de Jacó. Deixaram na terra de Gosém somente as crianças pequenas, as ovelhas, as cabras e o gado.
9 Também foram homens a cavalo e em carretas, de modo que o grupo era muito grande.
10 Quando chegaram a Atade, que fica a leste do rio Jordão, fizeram uma cerimônia de enterro num terreiro onde o trigo é malhado. Ali choraram muito alto durante sete dias.
11 Quando os moradores de Canaã viram tanta gente chorando, disseram: "Como é impressionante o choro desses egípcios!" Por isso puseram naquele lugar o nome de Abel-Misraim.
12 Assim, os filhos de Jacó fizeram com o seu pai tudo o que ele havia ordenado.
13 Eles levaram o seu corpo até Canaã e o sepultaram na caverna de Macpela, a leste de Manre, no terreno que Abraão havia comprado de Efrom, o heteu, para ser a sepultura da família.
14 Depois do sepultamento, José voltou para o Egito com os irmãos e com todos os que o haviam acompanhado.
15 Depois da morte do pai, os irmãos de José disseram: - Talvez José tenha ódio de nós e vá se vingar de todo o mal que lhe fizemos.
16 Então mandaram dizer a José: - Antes que o seu pai morresse,
17 ele mandou que pedíssemos a você o seguinte: "Por favor, perdoe a maldade e o pecado dos seus irmãos, que o maltrataram." Portanto, pedimos que perdoe a nossa maldade, pois somos servos do Deus do seu pai. Quando recebeu essa mensagem, José chorou.
18 Depois os próprios irmãos vieram, se curvaram diante dele e disseram: - Aqui estamos; somos seus criados.
19 Mas José respondeu: - Não tenham medo; eu não posso me colocar no lugar de Deus.
20 É verdade que vocês planejaram aquela maldade contra mim, mas Deus mudou o mal em bem para fazer o que hoje estamos vendo, isto é, salvar a vida de muita gente.
21 Não tenham medo. Eu cuidarei de vocês e dos seus filhos. Assim, ele os acalmou com palavras carinhosas, que tocaram o coração deles.
22 José ficou morando no Egito, ele e a família do seu pai. José viveu cento e dez anos
23 e chegou a ver os netos de Efraim. Ele também pegou no colo, como membros da família, os filhos do seu neto Maquir, que era filho de Manassés.
24 Certo dia José disse aos irmãos: - Eu vou morrer logo, mas estou certo de que Deus virá ajudá-los e os levará deste país para a terra que ele jurou dar a Abraão, a Isaque e a Jacó.
25 Então José pediu à sua gente que fizesse um juramento. Ele disse: - Estou certo de que Deus virá ajudar vocês. Quando isso acontecer, levem o meu corpo com vocês.
26 José morreu com cento e dez anos. O seu corpo foi embalsamado e posto num caixão, no Egito.

Êxodo – Capítulo 1

1 São estes os nomes dos filhos de Jacó que foram com ele para o Egito, cada um com a sua família:
2 Rúben, Simeão, Levi, Judá,
3 Issacar, Zebulom, Benjamim,
4 Dã, Naftali, Gade e Aser.
5 Os descendentes diretos de Jacó eram setenta pessoas ao todo. José, o outro filho, já estava no Egito.
6 Mais tarde José e todos os seus irmãos morreram, e também todos os outros daquela geração.
7 Mas os descendentes de Jacó, os israelitas, tiveram muitos filhos e aumentaram tanto, que se tornaram poderosos. E eles se espalharam por todo o Egito.
8 Depois o Egito teve um novo rei que não sabia nada a respeito de José.
9 Ele disse ao seu povo: - Vejam! O povo de Israel é forte e está aumentando mais depressa do que nós.
10 Em caso de guerra, eles poderiam se unir com os nossos inimigos, lutariam contra nós e sairiam do país. Precisamos achar um jeito de não deixar que eles se tornem ainda mais numerosos.
11 Por isso os egípcios puseram feitores para maltratar os israelitas com trabalhos pesados. E assim os israelitas construíram as cidades de Pitom e Ramessés, onde o rei do Egito guardava as colheitas de cereais.
12 Porém quanto mais os egípcios maltratavam os israelitas, tanto mais eles aumentavam. Os egípcios ficaram com medo deles
13 e os tornaram escravos, tratando-os com brutalidade.
14 Fizeram com que a vida deles se tornasse amarga, obrigando-os a fazer trabalhos pesados na fabricação de tijolos, nas construções e nas plantações. Em todos os serviços que os israelitas faziam, eles eram tratados com crueldade.
15 O rei do Egito deu a Sifrá e a Puá, que eram parteiras das mulheres israelitas, a seguinte ordem:
16 - Quando vocês forem ajudar as mulheres israelitas nos seus partos, façam o seguinte: se nascer um menino, matem; mas, se nascer uma menina, deixem que viva.
17 Porém as parteiras temiam a Deus e não fizeram o que o rei do Egito havia mandado. Pelo contrário, deixaram que os meninos vivessem.
18 Então o rei mandou chamar as parteiras e perguntou: - Por que vocês estão fazendo isso? Por que estão deixando que os meninos vivam?
19 Elas responderam: - É que as mulheres israelitas não são como as egípcias. Elas dão à luz com facilidade, e as crianças nascem antes que a parteira chegue.
20 As parteiras temiam a Deus, e por isso ele foi bom para elas e fez com que tivessem as suas próprias famílias. E o povo de Israel aumentou e se tornou muito forte.
22 Então o rei deu a seguinte ordem a todo o seu povo: - Joguem no rio Nilo todos os meninos israelitas que nascerem, mas deixem que todas as meninas vivam.

Êxodo – Capítulo 3

1 Moisés cuidava das ovelhas e das cabras de Jetro, o seu sogro, o sacerdote de Midiã. Um dia Moisés levou o rebanho para o outro lado do deserto e foi até o monte Sinai, o monte sagrado.
2 Ali o Anjo do SENHOR apareceu a ele numa chama de fogo no meio de um espinheiro. Moisés viu que o espinheiro estava em fogo, porém não se queimava.
3 Então pensou: "Que coisa esquisita! Por que será que o espinheiro não se queima? Vou chegar mais perto para ver."
4 Quando o SENHOR Deus viu que Moisés estava chegando mais perto para ver melhor, ele o chamou do meio do espinheiro e disse: - Moisés! Moisés! - Estou aqui - respondeu Moisés.
5 Deus disse: - Pare aí e tire as sandálias, pois o lugar onde você está é um lugar sagrado. E Deus continuou:
6 - Eu sou o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. Aí Moisés cobriu o rosto porque ficou com medo de olhar para Deus.
7 Então o SENHOR disse: - Eu tenho visto como o meu povo está sendo maltratado no Egito; tenho ouvido o seu pedido de socorro por causa dos seus feitores. Sei o que estão sofrendo.
8 Por isso desci para libertá-los do poder dos egípcios e para levá-los do Egito para uma terra grande e boa. É uma terra boa e rica, onde moram os cananeus, os heteus, os amorreus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.
9 De fato, tenho ouvido o pedido de socorro do meu povo e tenho visto como os egípcios os maltratam.
10 Agora venha, e eu o enviarei ao rei do Egito para que você tire de lá o meu povo, os israelitas.
11 Moisés perguntou a Deus: - Quem sou eu para ir falar com o rei do Egito e tirar daquela terra o povo de Israel?
12 Deus respondeu: - Eu estarei com você. Quando você tirar do Egito o meu povo, vocês vão me adorar neste monte, e isso será uma prova de que eu o enviei.
13 Porém Moisés disse: - Quando eu for falar com os israelitas e lhes disser: "O Deus dos seus antepassados me enviou a vocês", eles vão me perguntar: "Qual é o nome dele?" Aí o que é que eu digo?
14 Deus disse: - EU SOU QUEM SOU. E disse ainda: - Você dirá o seguinte: "EU SOU me enviou a vocês.
15 O SENHOR, o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vocês. Este é o seu nome para sempre, e assim ele será lembrado por vocês em todos os tempos."
16 Depois Deus disse: - Vá, reúna os líderes do povo de Israel e diga que eu, o SENHOR, o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, apareci a você e ordenei que lhes dissesse: "Tenho visto a sua situação e sei o que os egípcios estão fazendo com vocês.
17 Eu resolvi tirá-los do Egito, onde estão sendo maltratados. E vou levá-los para uma terra boa e rica, a terra dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos perizeus, dos heveus e dos jebuseus."
18 - O meu povo ouvirá o que você vai dizer. Depois você e os líderes do povo de Israel irão falar com o rei do Egito. Digam a ele: "O SENHOR, o Deus dos hebreus, apareceu a nós. Agora deixe-nos ir para o deserto, a uma distância de três dias de viagem, para oferecer sacrifícios ao SENHOR, nosso Deus."
19 Eu sei que, se o rei do Egito não for obrigado, ele não deixará vocês irem embora.
20 Por isso eu vou usar o meu poder e fazer coisas terríveis para castigar os egípcios. Depois disso o rei deixará que vocês saiam do Egito.
21 - Eu farei com que os egípcios respeitem vocês. E, quando vocês saírem, não irão de mãos vazias.
22 Cada mulher israelita deverá pedir às mulheres egípcias que estiverem morando na casa dela ou que sejam suas vizinhas que lhe dêem objetos de prata e de ouro e roupas com que vocês vestirão os seus filhos e as suas filhas. E assim vocês tomarão as riquezas dos egípcios.

Êxodo – Capítulo 4

1 Aí Moisés respondeu a Deus, o SENHOR: - Mas os israelitas não vão acreditar em mim, nem vão dar atenção ao que eu falar e vão dizer que o SENHOR não me apareceu.
2 Então o SENHOR perguntou: - O que é isso que você tem na mão? - Um bastão - respondeu Moisés.
3 Deus disse: - Jogue-o no chão. Ele jogou, e o bastão virou uma cobra. E Moisés fugiu dela.
4 Aí o SENHOR ordenou a Moisés: - Estenda a mão e pegue a cobra pelo rabo. Moisés estendeu a mão e pegou a cobra pelo rabo, e de novo ela virou um bastão na mão dele.
5 Então o SENHOR disse: - Faça isso para provar aos israelitas que o SENHOR, o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, apareceu a você.
6 E o SENHOR continuou: - Agora ponha a mão no peito. Moisés obedeceu. E, quando tirou a mão do peito, ela estava leprosa, branca como a neve.
7 - Ponha outra vez a mão no peito - ordenou Deus, o SENHOR. Ele pôs a mão no peito novamente. E, quando a tirou, ela estava tão boa como o resto do corpo.
8 Então o SENHOR lhe disse: - Se com o primeiro milagre os israelitas não acreditarem em você e não se convencerem, então com o segundo vão acreditar.
9 Mas, se com esses dois milagres ainda não crerem e não quiserem ouvir o que você disser, tire água do rio Nilo e derrame no chão, que ela virará sangue.
10 Moisés respondeu ao SENHOR: - Ó Senhor, eu nunca tive facilidade para falar, nem antes nem agora, depois que começaste a falar comigo. Quando começo a falar, eu sempre me atrapalho.
11 Porém o SENHOR lhe disse: - Quem dá a boca ao ser humano? Quem faz com que ele seja surdo ou mudo? Quem lhe dá a vista ou faz com que fique cego? Sou eu, Deus, o SENHOR.
12 Agora vá, pois eu o ajudarei a falar e lhe direi o que deve dizer.
13 Aí Moisés pediu: - Não, Senhor. Por favor, manda outra pessoa.
14 Então o SENHOR ficou irritado com Moisés e disse: - Por acaso Arão, o levita, não é seu irmão? Eu sei que ele tem facilidade para falar. Além disso, ele está vindo para se encontrar com você e vai ficar contente ao vê-lo.
15 Você falará com Arão e lhe dirá o que ele deve dizer. Eu os ajudarei a falar e direi o que vocês devem fazer.
16 Arão falará ao povo em seu lugar. Ele será o seu representante e falará ao povo por você. E você será como Deus para ele, explicando o que ele deve dizer.
17 Leve este bastão porque é com ele que você vai fazer os milagres.
18 Então Moisés voltou para a casa de Jetro, o seu sogro, e disse: - Deixe que eu volte para visitar os meus parentes no Egito. Quero ver se eles ainda vivem. - Vá em paz - respondeu Jetro.
19 Quando Moisés ainda estava na região de Midiã, o SENHOR Deus lhe tinha dito: - Volte para o Egito, pois todos os que queriam matá-lo já morreram.
20 Então Moisés fez com que a sua mulher e os seus filhos montassem um jumento e começou com eles a sua viagem de volta para o Egito. Moisés tinha na mão o bastão que Deus havia mandado que ele levasse.
21 E mais uma vez o SENHOR disse a Moisés: - Eu lhe dei poder para fazer muitos milagres. Quando você voltar para o Egito, esteja pronto para fazê-los diante do rei daquela terra. Mas eu vou fazer com que ele fique teimoso e não deixe o povo de Israel sair de lá.
22 Então você lhe dirá que eu, o SENHOR, digo o seguinte: "Israel é o meu primeiro filho.
23 Já lhe disse que deixe o meu filho sair a fim de me adorar. Mas você não deixou, e por isso eu vou matar o seu filho mais velho."
24 Durante a viagem para o Egito, num lugar onde Moisés e a sua família estavam passando a noite, o SENHOR se encontrou com Moisés e procurou matá-lo.
25 Aí Zípora, a sua mulher, pegou uma pedra afiada, cortou o prepúcio do seu filho e com ele tocou o pé de Moisés. E disse: - Você é um marido de sangue para mim.
26 Ela disse isso por causa da circuncisão. E assim o SENHOR deixou Moisés viver.
27 Nesse meio tempo o SENHOR disse a Arão: - Vá se encontrar com Moisés no deserto. Ele foi, e se encontrou com Moisés no monte sagrado, e o beijou.
28 Moisés contou a Arão tudo o que o SENHOR tinha dito quando havia mandado que ele voltasse para o Egito e falou também dos milagres que Deus tinha ordenado que ele fizesse.
29 Aí Moisés e Arão foram para o Egito e reuniram todos os líderes do povo de Israel.
30 Arão contou-lhes tudo o que o SENHOR Deus tinha dito a Moisés, e em seguida Moisés fez os milagres diante do povo.
31 Todos acreditaram e, quando souberam que o SENHOR tinha vindo até eles e tinha visto como estavam sendo maltratados, eles se curvaram e adoraram a Deus.

Êxodo – Capítulo 5

1 Depois Moisés e Arão foram falar com o rei do Egito e disseram: - O SENHOR, o Deus do povo de Israel, disse: "Deixe que o meu povo vá ao deserto a fim de fazer ali uma festa em minha honra."
2 - Quem é o SENHOR? - perguntou o rei. - Por que devo ouvi-lo e deixar que o povo de Israel vá ao deserto? Eu não conheço o SENHOR e não vou deixar que os israelitas saiam daqui.
3 Moisés e Arão responderam: - O Deus dos hebreus veio falar conosco. Por isso deixe-nos viajar três dias pelo deserto a fim de oferecermos sacrifícios ao SENHOR, nosso Deus. Se não formos, ele nos matará com doenças e na guerra.
4 Aí o rei do Egito disse a Moisés e a Arão: - Por que vocês estão atrapalhando o trabalho do povo? Façam com que aqueles escravos voltem ao trabalho!
5 Ele disse também: - Agora que há tantos israelitas no país, vocês querem que eles deixem de trabalhar?
6 Naquele mesmo dia o rei deu aos feitores e aos chefes de turmas a seguinte ordem:
7 - Daqui em diante vocês não vão mais dar palha ao povo, para fazer tijolos. Que eles mesmos ajuntem a palha.
8 Mas vocês exijam que eles façam a mesma quantidade de tijolos, nem um tijolo a menos. São uns preguiçosos e é por isso que gritam: "Vamos oferecer sacrifícios ao nosso Deus!"
9 Façam essa gente trabalhar mais duro ainda e os mantenham ocupados, a fim de que não tenham tempo de ouvir mentiras.
10 Então os feitores e os chefes de turmas saíram e foram dizer ao povo o seguinte: - O rei disse que não vai mais fornecer palha a vocês.
11 Ele manda que vocês vão ajuntar palha onde puderem achar. Mas terão de continuar fazendo a mesma quantidade de tijolos.
12 Por isso o povo se espalhou por toda a terra do Egito, ajuntando a palha que sobrava das colheitas.
13 Os feitores forçavam os israelitas a fazer todos os dias a mesma quantidade de tijolos que costumavam fazer quando recebiam palha.
14 Os feitores batiam nos israelitas chefes de turmas que haviam sido encarregados do trabalho e perguntavam: - Por que vocês não estão fazendo a mesma quantidade de tijolos que faziam antes?
15 Então os israelitas chefes de turmas foram se queixar ao rei. Eles disseram: - Por que é que o senhor nos trata assim, nós que somos seus empregados?
16 Agora não nos dão mais palha, mas exigem que continuemos fazendo tijolos! Além disso batem em nós; no entanto, os seus feitores é que são os culpados.
17 Mas o rei respondeu: - Vocês são uns preguiçosos e não querem trabalhar. É por isso que estão me pedindo que os deixe ir oferecer sacrifícios a Deus, o SENHOR.
18 Voltem ao trabalho. Vocês não receberão palha, mas terão de fazer a mesma quantidade de tijolos.
19 Os israelitas chefes de turmas viram que estavam numa situação difícil, quando lhes foi dito que fizessem todos os dias a mesma quantidade de tijolos que faziam antes.
20 Depois de falarem com o rei, eles se encontraram com Moisés e Arão, que os estavam esperando,
21 e lhes disseram: - O SENHOR Deus está vendo o que vocês estão fazendo e os castigará; pois, por causa de vocês, o rei e os seus funcionários estão com ódio de nós. Vocês deram a eles um motivo para nos matarem!
22 Moisés falou outra vez com Deus, o SENHOR. Ele disse: - Ó Senhor, por que tratas tão mal este povo? Por que me mandaste para cá?
23 Pois, desde que vim falar em teu nome com o rei do Egito, ele tem maltratado este povo. E tu não fizeste nada para ajudá-los.

Êxodo – Capítulo 6

1 Então o SENHOR Deus respondeu a Moisés: - Agora você verá o que vou fazer com o rei do Egito. Eu vou obrigá-lo a deixar que o meu povo vá embora. Sim, eu o forçarei a expulsar os israelitas do seu país.
2 Deus disse a Moisés: - Eu sou o SENHOR.
3 Eu apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como o Deus Todo-Poderoso, porém não deixei que me conhecessem pelo meu nome de SENHOR.
4 Fiz uma aliança com eles e prometi dar-lhes a terra de Canaã, onde tinham vivido como estrangeiros.
5 Agora eu ouvi os gemidos dos israelitas, que estão sendo escravizados pelos egípcios, e lembrei da aliança que fiz com eles.
6 Portanto, diga aos israelitas o seguinte: "Eu sou o SENHOR. Vou livrá-los da escravidão do Egito. Estenderei o braço poderoso para fazer cair sobre os egípcios um castigo horrível e salvarei vocês.
7 Farei com que vocês sejam o meu povo e eu serei o seu Deus. Vocês ficarão sabendo que eu sou o SENHOR, seu Deus, o Deus que os vai livrar da escravidão no Egito.
8 Eu os levarei para a terra que jurei que daria a Abraão, a Isaque e a Jacó. E eu darei essa terra para ser propriedade de vocês. Eu sou o SENHOR."
9 Moisés repetiu essas palavras aos israelitas, mas eles não quiseram ouvi-lo, pois estavam desanimados por causa da dureza da sua escravidão.
10 Então o SENHOR disse a Moisés:
11 - Vá dizer a Faraó, rei do Egito, que deixe que os israelitas saiam do país.
12 Porém Moisés respondeu ao SENHOR: - Se até os israelitas não querem me dar atenção, o rei também não vai querer. Eu não tenho facilidade para falar.
13 No entanto o SENHOR ordenou que Moisés e Arão dissessem aos israelitas e a Faraó, rei do Egito, que eles dois tinham ordem para tirar do país o povo de Israel.
14 Esta é a lista dos grupos de famílias dos antepassados de Moisés e Arão: Rúben, o primeiro filho de Jacó, foi pai de quatro filhos: Enoque, Palu, Hezrom e Carmi. São esses os grupos de famílias de Rúben.
15 Simeão foi pai de seis filhos: Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar e Saul, filho de uma mulher cananéia. São esses os grupos de famílias de Simeão.
16 Levi foi pai de três filhos: Gérson, Coate e Merari. Levi viveu cento e trinta e sete anos.
17 Gérson foi pai de dois filhos: Libni e Simei, e eles tiveram muitos descendentes.
18 São estes os filhos de Coate: Anrão, Isar, Hebrom e Uziel. Coate viveu cento e trinta e três anos.
19 Merari foi pai de dois filhos: Mali e Musi. São esses os grupos de famílias de Levi, com os seus descendentes.
20 Anrão casou com Joquebede, sua tia por parte de pai, e ela lhe deu dois filhos: Arão e Moisés. Anrão viveu cento e trinta e sete anos.
21 Isar foi pai de três filhos: Corá, Nefegue e Zicri.
22 Uziel também foi pai de três filhos: Misael, Elzafã e Sitri.
23 Arão casou com Eliseba, filha de Aminadabe e irmã de Nasom. Ela lhe deu quatro filhos: Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar.
24 Corá foi pai de três filhos: Assir, Elcana e Abiasafe. São esses os grupos de famílias de Corá.
25 Eleazar, filho de Arão, casou com uma das filhas de Putiel, e ela lhe deu um filho, chamado Finéias. São esses os chefes das famílias e dos grupos de famílias da tribo de Levi.
26 Arão e Moisés foram os que receberam do SENHOR Deus esta ordem: "Tirem do Egito as tribos de Israel."
27 Foram eles que falaram com Faraó, rei do Egito, a fim de tirar de lá os israelitas.
28 Quando o SENHOR falou com Moisés, no Egito,
29 ele disse: - Eu sou o SENHOR. Diga a Faraó, rei do Egito, tudo o que vou dizer a você.
30 Porém Moisés respondeu: - Ó SENHOR, eu não tenho facilidade para falar. Como é que o rei vai me ouvir?

Êxodo – Capítulo 7

1 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Vou fazer com que você seja como Deus para o rei; e Arão, o seu irmão, falará por você como profeta.
2 Você dirá a Arão tudo o que eu mandar, e ele falará com o rei, pedindo que deixe os israelitas saírem da terra dele.
3 Mas eu vou fazer com que o rei fique teimoso e farei muitos milagres e coisas espantosas no Egito.
4 O rei não vai ouvir vocês. Porém eu farei com que caia sobre ele um castigo terrível e levarei para fora do Egito os meus exércitos, isto é, o povo de Israel.
5 Quando eu levantar a mão contra os egípcios e tirar do meio deles os israelitas, os egípcios ficarão sabendo que eu sou o SENHOR.
6 Moisés e Arão fizeram tudo como o SENHOR havia mandado.
7 Quando falaram com o rei do Egito, Moisés tinha oitenta anos, e Arão, oitenta e três.
8 O SENHOR Deus disse a Moisés e a Arão:
9 - Se o rei do Egito mandar que vocês façam um milagre, você, Moisés, dirá a Arão que pegue o bastão e o jogue no chão na frente do rei. O bastão virará uma cobra.
10 Aí Moisés e Arão foram se encontrar com o rei e fizeram como o SENHOR havia mandado. Arão jogou o bastão diante do rei e dos seus funcionários, e o bastão virou uma cobra.
11 Então o rei mandou vir os sábios e os mágicos, e com a sua mágica eles fizeram a mesma coisa.
12 Cada um deles jogou a sua vara de mágico no chão, e elas viraram cobras. Porém o bastão de Arão engoliu as varas de mágico deles.
13 No entanto, como o SENHOR tinha dito, o rei continuou teimando e não atendeu o pedido de Moisés e Arão.
14 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - O rei está teimando e não quer deixar o povo sair do Egito.
15 Vá procurá-lo amanhã cedo, quando ele for até o rio Nilo. Pegue o bastão que virou cobra e espere o rei na beira do rio.
16 E diga-lhe o seguinte: "O SENHOR, o Deus dos hebreus, me mandou dizer-lhe que deixasse o povo dele ir embora para adorá-lo no deserto. Porém até agora o senhor não obedeceu à ordem de Deus.
17 Portanto, Deus lhe diz que, por causa daquilo que ele vai fazer agora, o senhor vai saber que ele é Deus, o SENHOR. Ó rei, agora eu vou bater na água do rio com este bastão que estou segurando, e a água vai virar sangue.
18 Os peixes que estão no rio vão morrer, e o rio vai cheirar tão mal, que os egípcios terão nojo de beber água dele."
19 E o SENHOR disse também a Moisés: - Diga a Arão que pegue o bastão e estenda a mão sobre os rios, os canais, os poços e os reservatórios, para que as suas águas virem sangue. Assim, haverá sangue até nas tigelas de madeira e nas jarras de pedra.
20 Moisés e Arão fizeram como o SENHOR havia mandado. Na frente do rei e dos seus funcionários, Arão levantou o bastão e bateu no rio, e a água virou sangue.
21 Os peixes morreram, e o rio cheirou tão mal, que os egípcios não podiam beber água dele. E em todo o Egito houve sangue.
22 Porém, com as suas artes, os mágicos do Egito fizeram a mesma coisa. E assim o rei continuou teimando. Como o SENHOR tinha dito, ele não atendeu o pedido de Moisés e Arão.
23 Pelo contrário, ele voltou para o seu palácio, sem se preocupar com o que havia acontecido.
24 Todos os egípcios cavaram buracos na beira do rio para beber água limpa, pois não podiam beber da água do rio.
25 E passaram sete dias, depois que o SENHOR Deus bateu nas águas do rio.

Êxodo – Capítulo 9

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Vá falar com o rei e diga que o SENHOR, o Deus dos hebreus, diz o seguinte: "Deixe que o meu povo saia do país a fim de me adorar.
2 Pois, se você não deixar e continuar impedindo que ele vá,
3 eu o castigarei com uma doença horrível, que atacará todos os seus animais, isto é, os cavalos, os jumentos, os camelos, o gado, as ovelhas e as cabras.
4 Farei diferença entre os animais dos israelitas e os dos egípcios, e não morrerá nenhum animal dos israelitas.
5 Eu, o SENHOR, marquei um prazo: farei isso amanhã."
6 No dia seguinte o SENHOR fez como tinha dito, e todos os animais dos egípcios morreram; porém não morreu nenhum dos animais dos israelitas.
7 O rei mandou ver o que havia acontecido e foi informado de que não havia morrido nenhum animal dos israelitas. Apesar disso o rei continuou teimando e não deixou o povo ir.
8 Então o SENHOR Deus disse a Moisés e a Arão: - Peguem punhados de cinza de um forno, e que Moisés jogue essa cinza para o ar diante do rei do Egito.
9 Ela se espalhará como um pó fino sobre toda a terra do Egito, e em todos os lugares a cinza produzirá tumores que se abrirão em úlceras nas pessoas e nos animais.
10 Assim, Moisés e Arão pegaram cinza e ficaram de pé na frente do rei. Moisés jogou a cinza para cima, e ela produziu tumores, que viraram úlceras nas pessoas e nos animais.
11 Os mágicos não puderam aparecer diante de Moisés porque eles e todos os outros egípcios estavam cobertos de tumores.
12 Porém o SENHOR Deus fez com que o rei continuasse teimando. E, como o SENHOR tinha dito a Moisés, o rei não atendeu o pedido de Moisés e Arão.
13 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Amanhã cedo vá se encontrar com o rei e diga-lhe que o SENHOR, o Deus dos hebreus, diz o seguinte: "Deixe que o meu povo saia do país a fim de me adorar.
14 Pois desta vez eu vou fazer todas as minhas pragas caírem sobre você, sobre os seus funcionários e sobre o seu povo, para que você fique sabendo que em todo o mundo não há ninguém como eu.
15 Se eu tivesse atacado você e o seu povo com doenças, você já teria sido completamente destruído.
16 Mas estou deixando que você viva para mostrar a você o meu poder e para fazer com que o meu nome seja conhecido no mundo inteiro.
17 Você ainda continua orgulhoso e não quer deixar o meu povo ir.
18 Porém amanhã a esta hora eu vou fazer cair uma chuva de pedra tão forte como nunca houve igual em toda a história do Egito.
19 Portanto, agora mande recolher o seu gado e tudo o que você tem no campo. Se as pessoas e os animais que estiverem no campo não forem para casa, quando cair a chuva de pedra, todos eles morrerão."
20 Alguns funcionários do rei ficaram com medo daquilo que o SENHOR tinha dito e levaram os seus escravos e os seus animais para os abrigos.
21 Mas os que não deram atenção ao que o SENHOR tinha dito deixaram os seus escravos e os seus animais nos campos.
22 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Levante a mão para o céu, e cairá chuva de pedra em toda a terra do Egito. Cairá sobre o povo, sobre os animais e sobre todas as plantas do campo.
23 Moisés levantou o bastão para o céu, e o SENHOR mandou trovões, chuva de pedra e raios sobre o país. Ele fez cair
24 uma pesada chuva de pedra sobre todo o Egito, e a chuva e os raios caíram sem parar. Essa foi a pior tempestade que o Egito já teve em toda a sua história.
25 Em todo o Egito a chuva de pedra acabou com tudo o que estava no campo, incluindo as pessoas e os animais. Destruiu todas as plantas e quebrou todas as árvores.
26 Somente na região de Gosém, onde estavam os israelitas, a chuva de pedra não caiu.
27 Então o rei mandou chamar Moisés e Arão e disse: - Desta vez eu pequei. O SENHOR Deus é justo; eu e o meu povo somos culpados.
28 Orem ao SENHOR. Chega de trovões e de chuva de pedra! Eu os deixarei ir; vocês não precisam esperar mais.
29 Moisés respondeu: - Quando sair da cidade, eu levantarei as mãos em oração a Deus, o SENHOR. Os trovões vão parar, e não haverá mais chuva de pedra. Isso para que o senhor, ó rei, fique sabendo que a terra é de Deus.
30 Mas eu sei que o senhor e os seus funcionários ainda não temem a Deus, o SENHOR.
31 O linho e a cevada foram destruídos, pois a cevada já estava com espigas, e o linho estava em flor.
32 Porém o trigo e o centeio não foram destruídos, pois ainda não haviam brotado.
33 Depois de ter estado com o rei, Moisés saiu da cidade e levantou as mãos em oração a Deus, o SENHOR. Aí os trovões, a chuva e a chuva de pedra pararam.
34 Porém, quando o rei viu que tinha parado de chover e que não trovejava mais, nem caía chuva de pedra, ele tornou a pecar. Ele e os seus funcionários continuaram teimando. E, como o SENHOR tinha dito por meio de Moisés, o rei não deixou que os israelitas fossem embora.

Êxodo – Capítulo 10

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Vá falar com o rei, pois eu fiz com que ele e os seus funcionários continuassem teimando, para que eu pudesse fazer esses milagres no meio deles.
2 E também para que você pudesse contar aos seus filhos e aos seus netos como eu zombei dos egípcios e quantas coisas espantosas fiz no meio deles. Assim vocês ficarão sabendo que eu sou Deus, o SENHOR.
3 Moisés e Arão foram falar com o rei do Egito e lhe disseram: - O SENHOR, o Deus dos hebreus, diz isto: "Até quando você vai continuar não querendo se humilhar diante de mim? Deixe que o meu povo saia do país a fim de me adorar.
4 Se não, amanhã eu vou trazer gafanhotos para o seu país.
5 O chão não poderá mais ser visto, pois eles cobrirão a terra do Egito. Eles comerão tudo o que a chuva de pedra não destruiu e até as árvores que sobraram.
6 Eles encherão as suas casas, as casas de todos os seus funcionários e de todo o seu povo. E essa desgraça será pior do que tudo o que os seus pais e os seus antepassados já viram!" Moisés disse isso e saiu do palácio.
7 Então os funcionários do palácio disseram ao rei: - Até quando esse sujeito vai ser um perigo para nós? Deixe que os homens vão embora, para adorarem o SENHOR, o Deus deles. Por acaso o senhor não sabe que o Egito está arrasado?
8 Aí Moisés e Arão foram levados de novo até a presença do rei, e este lhes disse: - Vocês podem ir adorar o SENHOR, seu Deus. Mas eu quero saber quem é que vai.
9 Moisés respondeu: - Iremos todos nós, com as nossas crianças e os nossos velhos. Levaremos os nossos filhos e filhas, as nossas ovelhas e cabras e o nosso gado, pois temos de dar uma festa em honra de Deus, o SENHOR.
10 Então o rei disse: - Pois que o SENHOR vá com vocês! Mas não vou deixar, de jeito nenhum, que vocês levem as suas mulheres e os seus filhos! É claro que vocês estão planejando uma revolução.
11 Não! Somente os homens podem ir adorar ao SENHOR, se é isso o que vocês querem. E Arão e Moisés foram expulsos da presença do rei.
12 Aí o SENHOR Deus disse a Moisés: - Estenda a mão sobre o Egito para que venham gafanhotos. Eles virão e comerão todas as plantas da terra, tudo o que a chuva de pedra não destruiu.
13 Moisés estendeu o bastão sobre o Egito, e o SENHOR mandou do Leste um vento que soprou sobre o país o dia inteiro e a noite inteira. Quando amanheceu, o vento tinha trazido os gafanhotos.
14 Eles se espalharam sobre todo o Egito e invadiram toda aquela região em quantidades enormes, como nunca havia acontecido antes e nunca mais acontecerá.
15 Eles cobriram de tal maneira o chão, que este ficou preto. Devoraram toda a vegetação e todas as frutas das árvores que haviam sobrado da chuva de pedra. Em todo o Egito não sobrou nada verde nas árvores e nas plantas.
16 Então o rei mandou chamar imediatamente Moisés e Arão e lhes disse: - Eu pequei contra o SENHOR, seu Deus, e contra vocês.
17 Agora peço que perdoem o meu pecado ainda esta vez e que orem ao SENHOR, seu Deus, para que ele tire de mim este castigo terrível.
18 Moisés saiu do palácio e orou a Deus, o SENHOR.
19 Aí o SENHOR fez soprar um vento oeste muito forte, que levantou os gafanhotos e os jogou no mar Vermelho; e não ficou um só gafanhoto em todo o Egito.
20 Porém o SENHOR fez com que o rei continuasse teimando, e este não deixou que os israelitas fossem embora.
21 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Levante a mão para o céu a fim de que em todo o Egito haja uma escuridão tão grossa, que possa até ser tocada.
22 Moisés levantou a mão para o céu, e durante três dias uma grande escuridão cobriu todo o Egito.
23 Os egípcios não podiam ver uns aos outros, e naqueles dias ninguém saiu de casa. Porém em todas as casas dos israelitas havia claridade.
24 Aí o rei mandou chamar Moisés e lhe disse: - Vocês podem ir adorar a Deus, o SENHOR. Levem também as suas mulheres e os seus filhos, mas as ovelhas, as cabras e o gado ficarão aqui.
25 Moisés respondeu: - Nesse caso o senhor deveria nos dar os animais para oferecermos em sacrifício e queimarmos em honra do SENHOR, nosso Deus.
26 Nós não queremos isso. Nós vamos levar também os nossos animais, e não ficará nenhum, pois temos de escolher alguns para usá-los na adoração a Deus, o SENHOR. Enquanto não chegarmos lá, não saberemos quais os animais que deveremos oferecer em sacrifício ao SENHOR.
27 Porém o SENHOR fez com que o rei continuasse teimando, e este não deixou que os israelitas saíssem do Egito.
28 O rei disse a Moisés: - Saia da minha presença e nunca mais apareça aqui! Pois, no dia em que tornar a me ver, você morrerá!
29 - O senhor está certo - respondeu Moisés. - Nunca mais eu o verei.

Êxodo – Capítulo 11

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Vou mandar só mais um castigo sobre o rei do Egito e sobre o seu povo. Depois disso ele os deixará ir. Na verdade ele expulsará todos vocês.
2 Porém agora diga aos israelitas, homens e mulheres, que peçam aos seus vizinhos e vizinhas jóias de prata e de ouro.
3 E o SENHOR fez com que os egípcios respeitassem os israelitas. De fato, os funcionários do rei e todo o povo consideravam Moisés um grande homem.
4 Então Moisés disse ao rei: - O SENHOR Deus diz: "Perto da meia-noite eu vou passar pelo Egito,
5 e no país inteiro morrerá o filho mais velho de cada família, desde o filho do rei, que é o herdeiro do trono, até o filho da escrava que trabalha no moinho; morrerá também a primeira cria dos animais.
6 Em todo o Egito haverá gritos de dor, como nunca houve antes e nunca mais haverá.
7 Mas, entre os israelitas, nem mesmo um cachorro latirá para uma pessoa ou um animal. E assim vocês ficarão sabendo que o SENHOR faz diferença entre os egípcios e os israelitas."
8 E Moisés continuou: - Então todos estes seus funcionários virão me procurar e se ajoelharão diante de mim, pedindo que eu vá embora e leve todo o meu povo. Depois disso eu sairei. Moisés saiu muito zangado da presença do rei.
9 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - O rei não vai dar atenção a vocês para que eu possa fazer coisas espantosas no Egito.
10 Moisés e Arão fizeram todas essas coisas espantosas diante do rei do Egito. Porém o SENHOR fez com que o rei continuasse teimando, e este não deixou que os israelitas saíssem do país.

Êxodo – Capítulo 12

1 O SENHOR Deus falou com Moisés e Arão no Egito. Ele disse:
2 - Este mês será para vocês o primeiro mês do ano.
3 Diga a todo o povo israelita o seguinte: no dia dez deste mês cada pai de família escolherá um carneirinho ou um cabrito para a sua família, isto é, um animal para cada casa.
4 Se a família for pequena demais para comer o animal inteiro, então o dono da casa e o seu vizinho mais próximo o comerão juntos, repartindo-o de acordo com o número de pessoas e a quantidade que cada um puder comer.
5 O animal deverá ser um carneirinho ou um cabrito sem defeito, de um ano.
6 Vocês o guardarão até o dia catorze deste mês, e na tarde desse dia todo o povo israelita matará os animais.
7 Pegarão um pouco do sangue e o passarão nos batentes dos lados e de cima das portas das casas onde os animais vão ser comidos.
8 Nessa noite a carne deverá ser assada na brasa e comida com pães sem fermento e com ervas amargas.
9 A carne não deverá ser comida crua nem cozida; o animal inteiro, incluindo a cabeça, as pernas e os miúdos, será assado na brasa.
10 Não deixem nada para o dia seguinte e queimem o que sobrar.
11 Já vestidos, calçados e segurando o bastão, comam depressa o animal. Esta é a Páscoa de Deus, o SENHOR.
12 - Nessa noite eu passarei pela terra do Egito e matarei todos os primeiros filhos, tanto das pessoas como dos animais. E castigarei todos os deuses do Egito. Eu sou o SENHOR.
13 O sangue nos batentes das portas será um sinal para marcar as casas onde vocês moram. Quando estiver castigando o Egito, eu verei o sangue e então passarei por vocês sem parar, para que não sejam destruídos por essa praga.
14 Comemorem esse dia como festa religiosa para lembrar que eu, o SENHOR, fiz isso. Vocês e os seus descendentes devem comemorar a Festa da Páscoa para sempre.
15 - Durante sete dias vocês comerão pão sem fermento. Por isso, no primeiro dia tirem o fermento das suas casas. Pois qualquer pessoa que comer pão feito com fermento, desde o primeiro até o sétimo dia, será expulsa do meio do povo de Israel.
16 No primeiro dia e também no sétimo, façam uma reunião para adorar a Deus. Nenhum trabalho será feito nesses dias, a não ser para preparar comida.
17 Comemorem a Festa dos Pães sem Fermento no aniversário do dia em que eu tirei do Egito as tribos do povo de Israel. Essa comemoração será uma lei permanente, que passará de pais a filhos.
18 Desde a tarde do dia catorze do primeiro mês até a tarde do dia vinte e um do mesmo mês, o pão que vocês comerem será feito sem fermento.
19 Durante esses sete dias não haverá fermento nas suas casas, pois quem comer pão com fermento, seja um estrangeiro que estiver vivendo no país, seja um israelita, será expulso do meio do povo de Israel.
20 Portanto, nesses dias não comam nada que tenha fermento. Em todas as suas casas só será comido pão sem fermento.
21 Moisés mandou chamar todos os líderes do povo e disse: - Escolham carneiros ou cabritos e os matem para que todas as famílias israelitas possam comemorar a Páscoa.
22 Peguem um galho de hissopo e o molhem no sangue que estiver na bacia e passem nos batentes dos lados e de cima da porta das suas casas. E que ninguém saia de casa durante toda a noite.
23 Quando o SENHOR passar para matar os egípcios, verá o sangue ali nos batentes e não deixará que o Anjo da Morte entre nas suas casas para matá-los.
24 Vocês e os seus descendentes devem obedecer a essa ordem para sempre.
25 Quando entrarem na terra que o SENHOR lhes dará, como prometeu, vocês deverão continuar realizando essa cerimônia religiosa.
26 Quando os seus filhos perguntarem: "O que quer dizer essa cerimônia?",
27 vocês responderão: "É o sacrifício da Páscoa em honra do SENHOR Deus, pois no Egito ele passou pelas casas dos israelitas e não parou. O SENHOR matou os egípcios, mas não matou as nossas famílias." Então os israelitas se ajoelharam e adoraram a Deus, o SENHOR.
28 Depois foram e fizeram tudo o que ele havia ordenado a Moisés e Arão.
29 À meia-noite, o SENHOR Deus matou os filhos mais velhos de todas as famílias do Egito, desde o filho do rei, que era o herdeiro do trono, até o filho do prisioneiro que estava na cadeia; e matou também a primeira cria dos animais.
30 Naquela noite o rei, os seus funcionários e todos os outros egípcios saíram da cama. É que em todo o Egito havia gente chorando e gritando, pois em todas as casas havia um filho morto.
31 Nessa mesma noite o rei mandou chamar Moisés e Arão e lhes disse: - Saiam daqui, vocês e todos os outros israelitas! Deixem o meu país. Vão adorar a Deus, o SENHOR, como vocês pediram.
32 Peguem as suas ovelhas e cabras e o seu gado e vão embora. E peçam a Deus que me abençoe.
33 Os egípcios insistiram com os israelitas para que saíssem do país o mais depressa possível. Eles diziam: - Se vocês não saírem, todos nós morreremos!
34 Assim, cada família israelita pegou a massa de pão sem fermento, pôs numa bacia, embrulhou a bacia num pano e carregou no ombro.
35 Os israelitas fizeram como Moisés havia ordenado e pediram aos egípcios jóias de prata e de ouro e roupas.
36 O SENHOR Deus fez com que os egípcios dessem de boa vontade aos israelitas tudo o que eles pediam. Assim o povo de Israel tomou as riquezas dos egípcios.
37 Os israelitas saíram a pé de Ramessés e foram para Sucote. Eram mais ou menos seiscentos mil homens, sem contar as mulheres, as crianças e os velhos.
38 Com eles foram muitas outras pessoas, e também muitas ovelhas e cabras, e muito gado.
39 Os israelitas fizeram pão sem fermento com a massa que haviam levado do Egito, pois os egípcios os haviam expulsado do país tão de repente, que eles não tinham tido tempo de preparar comida, nem de preparar massa com fermento.
40 Os israelitas tinham vivido no Egito quatrocentos e trinta anos.
41 No dia em que terminaram os quatrocentos e trinta anos, todas as tribos do povo de Deus, o SENHOR, saíram do Egito.
42 Essa foi a noite em que o SENHOR ficou vigiando para tirá-los do Egito. Ela é dedicada ao SENHOR para sempre, como a noite que deverá ser comemorada por todos os israelitas.
43 O SENHOR Deus disse a Moisés e a Arão: - Esta é a lei para a Páscoa: nenhum estrangeiro poderá comer a refeição da Páscoa.
44 Porém todo escravo comprado poderá comer dela depois de ser circuncidado.
45 Os estrangeiros, tanto os que estiverem de passagem como os que estiverem vivendo no país, vivendo de salário, não poderão tomar essa refeição.
46 Ela deverá ser comida na casa onde foi preparada: não será tirada dali. E não quebrem nenhum osso do animal.
47 Todo o povo de Israel deve comemorar essa festa religiosa.
48 Não poderão tomar parte nela os homens que não tiverem sido circuncidados. Porém, se algum estrangeiro estiver morando com vocês e quiser comemorar a Páscoa em honra do SENHOR, vocês deverão primeiro circuncidá-lo e também todos os outros homens e meninos da sua família. Depois ele poderá tomar parte na comemoração e será como se fosse uma pessoa nascida em Israel.
49 A mesma lei será para os israelitas nascidos no país e para os estrangeiros que vivem entre vocês.
50 Todos os israelitas obedeceram e fizeram o que o SENHOR havia ordenado a Moisés e a Arão.
51 Naquele dia o SENHOR tirou do Egito as tribos do povo de Israel.

Êxodo – Capítulo 13

1 O SENHOR Deus disse a Moisés:
2 - Separe para mim todo primeiro filho. Todo primeiro filho homem dos israelitas e todo primeiro filhote macho dos animais domésticos são meus.
3 Moisés disse ao povo: - Lembrem deste dia, o dia em que vocês saíram do Egito, onde eram escravos. Este é o dia em que o SENHOR os tirou de lá pelo seu grande poder. Portanto, não comam pão feito com fermento.
4 Vocês estão saindo do Egito neste dia, no primeiro mês, o mês de abibe.
5 O SENHOR jurou aos seus antepassados que daria a vocês a terra dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos heveus e dos jebuseus. É uma terra boa e rica. Quando ele os levar para aquela terra, vocês deverão comemorar essa festa religiosa no primeiro mês de cada ano.
6 Durante sete dias vocês comerão pão sem fermento; e no sétimo dia haverá uma festa religiosa em honra do SENHOR.
7 Nesses sete dias vocês comerão pão sem fermento. Em toda a sua terra não deverá haver fermento, nem pão feito com fermento.
8 Nesse dia vocês contarão aos seus filhos que estão fazendo isso por causa daquilo que o SENHOR fez por vocês quando saíram do Egito.
9 Essa festa será como um sinal para vocês, como se fosse uma coisa amarrada na mão ou na testa, e os ajudará a lembrarem de recitar e de estudar a lei de Deus, o SENHOR; pois com grande poder ele os tirou do Egito.
10 Portanto, comemorem essa festa religiosa no dia certo, todos os anos.
11 - O SENHOR Deus fará com que vocês entrem na terra dos cananeus, conforme ele jurou a vocês e aos seus antepassados. Quando ele lhes der essa terra,
12 vocês darão ao SENHOR todo primeiro filho homem. Todo primeiro filhote macho também pertencerá a ele.
13 Mas, se quiserem ficar com o primeiro filhote macho de uma jumenta, ofereçam a Deus um carneiro; se não quiserem, quebrem o pescoço do jumentinho. Fiquem com todo primeiro filho homem de vocês, pagando por ele o preço determinado.
14 No futuro, quando os seus filhos perguntarem o que isso quer dizer, vocês responderão: "Com grande poder o SENHOR nos tirou do Egito, onde éramos escravos.
15 Quando o rei do Egito teimou em não nos deixar sair, o SENHOR matou todos os primeiros filhos no Egito, tanto das pessoas como dos animais. É por isso que oferecemos ao SENHOR em sacrifício todo primeiro filhote macho. Mas pagamos o preço determinado para ficar com os nossos primeiros filhos.
16 Isso será como uma lembrança, como alguma coisa amarrada nas mãos ou na testa. E nos fará lembrar que com o seu grande poder o SENHOR nos tirou do Egito."
17 Quando o rei deixou que o povo israelita saísse do Egito, Deus não os levou pelo caminho que vai pelo país dos filisteus, embora fosse o mais curto. Deus pensou assim: "Não quero que os israelitas mudem de idéia e voltem para o Egito, quando virem que terão de guerrear."
18 Por isso Deus fez com que o povo desse uma volta pelo caminho do deserto, na direção do mar Vermelho. Os israelitas saíram do Egito armados para guerrear.
19 Moisés levou o corpo de José, pois José havia feito os israelitas jurarem que fariam isso. Ele tinha dito: "Quando Deus os libertar, levem daqui o meu corpo."
20 Os israelitas saíram de Sucote e acamparam em Etã, onde começa o deserto.
21 Durante o dia o SENHOR ia na frente deles numa coluna de nuvem, para lhes mostrar o caminho. Durante a noite ele ia na frente deles numa coluna de fogo, para iluminar o caminho, a fim de que pudessem andar de dia e de noite.
22 A coluna de nuvem sempre ia adiante deles durante o dia, e a coluna de fogo ia durante a noite.

Êxodo – Capítulo 14

1 O SENHOR Deus disse a Moisés:
2 - Diga aos israelitas que voltem e acampem em frente de Pi-Hairote, entre Migdol e o mar Vermelho, perto de Baal-Zefom.
3 Assim o rei do Egito vai pensar que os israelitas estão andando sem rumo, perdidos no deserto.
4 Eu farei com que o rei continue teimoso e persiga vocês. Então eu derrotarei o rei e o seu exército, mostrando assim o meu poder. E os egípcios ficarão sabendo que eu sou Deus, o SENHOR. E os israelitas obedeceram.
5 Quando contaram ao rei do Egito que os israelitas tinham fugido, ele e os seus funcionários mudaram de idéia e disseram: - Vejam só o que fizemos! Deixamos que os nossos escravos, os israelitas, fugissem de nós!
6 Então o rei mandou preparar o seu carro de guerra e o seu exército.
7 Ele saiu com todos os carros de guerra, incluindo os seiscentos melhores, que eram comandados pelos seus oficiais.
8 O SENHOR fez com que Faraó, rei do Egito, continuasse teimando, e ele foi atrás dos israelitas, que estavam saindo de maneira vitoriosa.
9 Os egípcios, com todos os seus cavalos, carros de guerra e cavaleiros, saíram atrás dos israelitas e os alcançaram onde eles estavam acampados, na beira do mar Vermelho, perto de Pi-Hairote e de Baal-Zefom.
10 Quando os israelitas viram o rei e o seu exército marchando contra eles, ficaram apavorados e gritaram pedindo a ajuda de Deus, o SENHOR.
11 E disseram a Moisés: - Será que não havia sepulturas no Egito? Por que você nos trouxe para morrermos aqui no deserto? Veja só o que você fez, nos tirando do Egito!
12 O que foi que lhe dissemos no Egito? Pedimos que nos deixasse em paz, trabalhando como escravos para os egípcios. Pois é melhor ser escravo dos egípcios do que morrer aqui no deserto!
13 Porém Moisés respondeu: - Não tenham medo. Fiquem firmes e vocês verão que o SENHOR vai salvá-los hoje. Nunca mais vocês vão ver esses egípcios.
14 Vocês não terão de fazer nada: o SENHOR lutará por vocês.
15 O SENHOR disse a Moisés: - Por que você está me pedindo ajuda? Diga ao povo que marche.
16 Levante o bastão e o estenda sobre o mar. A água se dividirá, e os israelitas poderão passar em terra seca, pelo meio do mar.
17 Eu farei com que os egípcios fiquem ainda mais teimosos, e eles entrarão no mar atrás dos israelitas. E eu ficarei famoso quando derrotar o rei do Egito, todo o seu exército, os seus carros de guerra e os seus cavaleiros.
18 Quando eu derrotar os egípcios, eles saberão que eu sou Deus, o SENHOR.
19 Então o Anjo de Deus, que ia na frente dos israelitas, mudou de lugar e passou para trás. Também a coluna de nuvem saiu da frente deles e foi para trás,
20 ficando entre os egípcios e os israelitas. A nuvem era escura para os egípcios, porém iluminava o povo de Israel. Assim, durante a noite inteira, o exército egípcio não conseguiu chegar perto dos israelitas.
21 Moisés estendeu a mão sobre o mar, e Deus, o SENHOR, com um vento leste muito forte, fez com que o mar recuasse. O vento soprou a noite inteira e fez o mar virar terra seca. As águas foram divididas,
22 e os israelitas passaram pelo mar em terra seca, com muralhas de água nos dois lados.
23 Os egípcios os perseguiram e foram atrás deles até o meio do mar com todos os seus cavalos, carros de guerra e cavaleiros.
24 Logo antes de amanhecer, da coluna de fogo e de nuvem o SENHOR olhou para o exército dos egípcios e fez com que eles ficassem apavorados.
25 Os carros de guerra andavam com grande dificuldade, pois Deus fez com que as rodas ficassem atoladas. Então os egípcios disseram: - Vamos fugir dos israelitas! O SENHOR está lutando a favor deles e contra nós.
26 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Estenda a mão sobre o mar para que as águas voltem e cubram os egípcios, os seus carros de guerra e os seus cavaleiros.
27 Moisés estendeu a mão sobre o mar, e, quando amanheceu, o mar voltou ao normal. Os egípcios tentaram escapar das águas, porém o SENHOR os jogou dentro do mar.
28 As águas voltaram e cobriram os carros de guerra, os cavaleiros e todo o exército egípcio que havia perseguido os israelitas no mar. E não sobrou nenhum egípcio com vida.
29 Mas os israelitas atravessaram o mar em terra seca, com muralhas de água nos dois lados.
30 Naquele dia o SENHOR salvou o povo de Israel dos egípcios, e os israelitas os viram mortos na praia.
31 Quando viram o poder com que o SENHOR havia derrotado os egípcios, os israelitas o temeram. E creram em Deus, o SENHOR, e no seu servo Moisés.

Êxodo – Capítulo 15

1 Então Moisés e os israelitas cantaram esta canção a Deus, o SENHOR: Cantarei ao SENHOR porque ele conquistou uma vitória maravilhosa; ele jogou os cavalos e os cavaleiros dentro do mar.
2 O SENHOR é o meu forte defensor; foi ele quem me salvou. Ele é o meu Deus, e eu o louvarei. Ele é o Deus do meu pai, e eu cantarei a sua grandeza.
3 O SENHOR é um guerreiro; o seu nome é SENHOR.
4 Ele jogou no mar o exército egípcio e os seus carros de guerra; os seus melhores oficiais se afogaram no mar Vermelho.
5 O mar profundo os cobriu; como uma pedra eles foram até o fundo.
6 A tua mão direita, ó SENHOR, tem um poder terrível; ela despedaça o inimigo.
7 Como é maravilhosa a tua vitória! Derrotas os teus inimigos e com a tua ira furiosa tu os queimas como se fossem palha.
8 Tu sopraste, e as águas se amontoaram; as ondas se levantaram como muralhas, e o fundo do mar ficou duro como gelo.
9 Os inimigos disseram: "Nós iremos atrás deles e os alcançaremos; pegaremos todas as coisas que são deles e ficaremos com tudo o que quisermos. Com as nossas espadas nós os mataremos."
10 Porém tu, ó SENHOR, sopraste, e os egípcios se afogaram; afundaram como chumbo no mar bravo.
11 Não há outro deus como tu, ó SENHOR! Quem é santo e majestoso como tu? Quem pode fazer os milagres e as maravilhas que fazes?
12 Estendeste a mão direita, e a terra engoliu os que nos perseguiam.
13 Por causa do teu amor tu guiaste o povo que salvaste; com o teu grande poder tu os levaste para a tua terra santa.
14 Os povos ouviram falar do que fizeste e estão tremendo de medo. Os filisteus ficaram apavorados.
15 Os chefes dos edomitas estão assustados, os poderosos moabitas perderam a coragem, e todos os cananeus estão tremendo.
16 O medo e o terror caíram sobre eles. Eles viram o teu grande poder e ficaram parados como se fossem pedras até que tivesse passado o teu povo, o povo que livraste da escravidão.
17 Tu levarás o teu povo para viver no teu monte, o lugar, ó Senhor, que escolheste para morar, o Templo que tu mesmo construíste.
18 O SENHOR Deus será rei para todo o sempre!
19 Os israelitas atravessaram o mar em terra seca. Porém, quando os carros de guerra dos egípcios, com os seus cavalos e cavaleiros, entraram no mar, o SENHOR Deus fez com que as águas voltassem e os cobrissem.
20 A profetisa Míriam, que era irmã de Arão, pegou um pandeiro, e todas as mulheres a acompanharam, tocando pandeiro e dançando.
21 E Míriam cantou para elas assim: Cantem ao SENHOR porque ele conquistou uma vitória gloriosa; ele jogou os cavalos e os cavaleiros dentro do mar.
22 Aí Moisés levou o povo de Israel do mar Vermelho para o deserto de Sur. Eles caminharam três dias no deserto e não acharam água.
23 Então chegaram a um lugar chamado Mara, porém não puderam beber a água dali porque era amarga. Por isso aquele lugar era chamado de Mara.
24 O povo reclamou com Moisés e perguntou: - O que vamos beber?
25 Então Moisés, em voz alta, pediu socorro a Deus, o SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou um pedaço de madeira. Moisés jogou a madeira na água, e a água ficou boa de beber. Foi nesse lugar que o SENHOR Deus deu leis aos israelitas e os pôs à prova.
26 Ele disse: - Se vocês prestarem atenção no que eu digo, se fizerem o que é certo e se guardarem os meus mandamentos, eu não os castigarei com nenhuma das doenças que mandei contra os egípcios. Eu sou o SENHOR, que cura vocês.
27 Depois os israelitas chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras. E acamparam ali, perto da água.

Êxodo – Capítulo 17

1 O povo de Israel saiu do deserto de Sim, caminhando de um lugar para outro, de acordo com as ordens de Deus, o SENHOR. Eles acamparam em Refidim, mas ali não havia água para beber.
2 Então reclamaram contra Moisés e lhe disseram: - Dê-nos água para beber. Moisés respondeu: - Por que vocês estão reclamando? Por que estão pondo o SENHOR à prova?
3 Mas o povo estava com muita sede e continuava reclamando e gritando contra Moisés. Eles diziam: - Por que você nos tirou do Egito? Será que foi para nos matar de sede, a nós, aos nossos filhos e às nossas ovelhas e cabras?
4 Então Moisés clamou pedindo a ajuda de Deus, o SENHOR. Ele disse: - O que é que eu faço com este povo? Mais um pouco, e eles vão querer me matar a pedradas.
5 O SENHOR disse a Moisés: - Escolha entre eles alguns líderes e passe com eles na frente do povo. Leve também o bastão com o qual você bateu no rio Nilo.
6 Eu estarei diante de você em cima de uma rocha, ali no monte Sinai. Bata na rocha, e dela sairá água para o povo beber. E Moisés fez isso na presença dos líderes do povo de Israel.
7 Então deram àquele lugar os nomes de Massá e de Meribá, pois os israelitas reclamaram contra Moisés e puseram o SENHOR à prova, perguntando: - O SENHOR está com a gente ou não?
8 Os amalequitas vieram e atacaram os israelitas em Refidim.
9 Então Moisés deu a Josué a seguinte ordem: - Escolha alguns homens e amanhã cedo vá com eles lutar por nós contra os amalequitas. Eu ficarei no alto do monte, segurando o bastão de Deus.
10 Josué fez o que Moisés havia ordenado e foi combater os amalequitas. Enquanto isso, Moisés, Arão e Hur subiram até o alto do monte.
11 Quando Moisés ficava com os braços levantados, os israelitas venciam. Porém, quando ele abaixava os braços, eram os amalequitas que venciam.
12 Quando os braços de Moisés ficaram cansados, Arão e Hur pegaram uma pedra e a puseram perto dele para que Moisés se sentasse. E os dois, um de cada lado, seguravam os braços de Moisés. Desse modo os seus braços ficaram levantados até o pôr-do-sol.
13 E assim Josué derrotou completamente os amalequitas.
14 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Escreva um relatório dessa vitória a fim de que ela seja lembrada. Diga a Josué que eu vou destruir completamente os amalequitas.
15 Moisés construiu um altar e lhe deu o seguinte nome: "O SENHOR Deus é a minha bandeira."
16 Depois disse: - Segurem bem alto a bandeira do SENHOR! O SENHOR combaterá para sempre os amalequitas!

Êxodo – Capítulo 18

1 Jetro, o sacerdote de Midiã e sogro de Moisés, soube de tudo o que Deus havia feito por Moisés e pelo povo de Israel. E soube também como o SENHOR havia tirado do Egito os israelitas.
2 Então ele foi para o lugar onde Moisés estava, levando Zípora, a mulher de Moisés. Moisés havia mandado Zípora e os dois filhos dela para a casa de Jetro.
3 O nome de um deles era Gérson, pois Moisés tinha dito: "Sou hóspede em terra estrangeira."
4 O nome do outro era Eliézer, pois Moisés tinha dito: "O Deus do meu pai me ajudou e não deixou que eu fosse morto pelo rei do Egito."
5 Jetro, o sogro de Moisés, foi com a mulher e os dois filhos de Moisés para o deserto onde Moisés estava acampado, no monte sagrado.
6 Ele havia mandado um recado a Moisés, dizendo que estava chegando, com a mulher e os filhos dele.
7 Então Moisés saiu para se encontrar com Jetro, curvou-se em sinal de respeito e o beijou. Cada um perguntou ao outro se ia bem de saúde, e depois eles entraram na barraca de Moisés.
8 Ele contou ao sogro tudo o que o SENHOR Deus, por causa do seu amor pelo povo de Israel, tinha feito com o rei do Egito e com os egípcios. Falou também a respeito das dificuldades que o povo havia tido no caminho e como o SENHOR os havia socorrido.
9 Jetro ficou muito contente com tudo o que o SENHOR havia feito pelo povo de Israel, tirando-o do Egito.
10 E disse: - Louvado seja o SENHOR Deus, que libertou vocês das mãos dos egípcios e do seu rei!
11 Agora sei que o SENHOR é mais poderoso do que todos os deuses, pois livrou os israelitas do poder dos egípcios, quando eles os trataram com tanto desprezo.
12 Em seguida Jetro trouxe uma oferta para ser completamente queimada e animais para serem mortos como sacrifício a Deus. Arão e todos os líderes do povo de Israel foram com ele para comer a refeição sagrada.
13 No dia seguinte Moisés sentou-se para julgar as questões do povo e ficou ocupado desde a manhã até a noite.
14 Quando Jetro viu tudo o que Moisés estava fazendo, perguntou: - Por que você está agindo assim? Por que está resolvendo sozinho os problemas do povo, com todas essas pessoas em pé ao seu redor, desde a manhã até a noite?
15 Moisés respondeu: - Eu tenho de fazer isso porque as pessoas vêm falar comigo para saber o que Deus quer.
16 Quando duas pessoas têm uma questão, elas vêm falar comigo para que eu resolva quem está certo. E explico os mandamentos e as leis de Deus a todos.
17 Então Jetro disse: - O que você está fazendo não está certo.
18 Desse jeito você vai ficar cansado demais, e o povo também. Isso é muito trabalho para você fazer sozinho.
19 Agora escute o meu conselho, e Deus o ajudará. Está certo que você represente o povo diante de Deus e também que leve a ele os problemas deles.
20 Você deve ensinar-lhes as leis de Deus e explicar o que devem fazer e como devem viver.
21 Mas você deve escolher alguns homens capazes e colocá-los como chefes do povo: chefes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez. Devem ser homens que temam a Deus, que mereçam confiança e que sejam honestos em tudo.
22 Serão eles que sempre julgarão as questões do povo. Os casos mais difíceis serão trazidos a você, mas os mais fáceis eles mesmos poderão resolver. Assim será melhor para você, pois eles o ajudarão nesse trabalho pesado.
23 Se você fizer isso, e se for essa a ordem de Deus, você não ficará cansado, e todas essas pessoas poderão ir para casa com as suas questões resolvidas.
24 Moisés aceitou o conselho de Jetro
25 e escolheu homens capazes entre todos os israelitas. Ele os colocou como chefes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez.
26 Eles sempre julgaram as questões do povo, resolvendo as mais fáceis e trazendo para Moisés as mais difíceis.
27 Então Moisés se despediu de Jetro, e Jetro voltou para casa.

Êxodo – Capítulo 20

1 Deus falou, e foi isto o que ele disse:
2 - Meu povo, eu, o SENHOR, sou o seu Deus. Eu o tirei do Egito, a terra onde você era escravo.
3 - Não adore outros deuses; adore somente a mim.
4 - Não faça imagens de nenhuma coisa que há lá em cima no céu, ou aqui embaixo na terra, ou nas águas debaixo da terra.
5 Não se ajoelhe diante de ídolos, nem os adore, pois eu, o SENHOR, sou o seu Deus e não tolero outros deuses. Eu castigo aqueles que me odeiam, até os seus bisnetos e trinetos.
6 Porém sou bondoso com aqueles que me amam e obedecem aos meus mandamentos e abençôo os seus descendentes por milhares de gerações.
7 - Não use o meu nome sem o respeito que ele merece; pois eu sou o SENHOR, o Deus de vocês, e castigo aqueles que desrespeitam o meu nome.
8 - Guarde o sábado, que é um dia santo.
9 Faça todo o seu trabalho durante seis dias da semana;
10 mas o sétimo dia da semana é o dia de descanso, dedicado a mim, o SENHOR, seu Deus. Não faça nenhum trabalho nesse dia, nem você, nem os seus filhos, nem as suas filhas, nem os seus escravos, nem as suas escravas, nem os seus animais, nem os estrangeiros que vivem na terra de vocês.
11 Em seis dias eu, o SENHOR, fiz o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles, mas no sétimo dia descansei. Foi por isso que eu, o SENHOR, abençoei o sábado e o separei para ser um dia santo.
12 - Respeite o seu pai e a sua mãe, para que você viva muito tempo na terra que estou lhe dando.
13 - Não mate.
14 - Não cometa adultério.
15 - Não roube.
16 - Não dê testemunho falso contra ninguém.
17 - Não cobice a casa de outro homem. Não cobice a sua mulher, os seus escravos, o seu gado, os seus jumentos ou qualquer outra coisa que seja dele.
18 O povo ouviu os trovões e o som da trombeta e viu os relâmpagos e a fumaça que saía do monte. Então eles tremeram de medo e ficaram de longe.
19 E disseram a Moisés: - Se você falar, nós ouviremos; mas, se Deus falar conosco, nós seremos mortos.
20 Então Moisés respondeu: - Não tenham medo, pois Deus só quer pôr vocês à prova. Ele quer que vocês continuem a temê-lo a fim de que não pequem.
21 E o povo ficou em pé de longe, e somente Moisés chegou perto da nuvem escura onde Deus estava.
22 Então o SENHOR ordenou que Moisés dissesse aos israelitas o seguinte: - Vocês viram que lá do céu eu lhes falei.
23 Não façam deuses de prata ou de ouro para adorá-los ao mesmo tempo que vocês adoram a mim.
24 Façam um altar de terra para mim e em cima dele ofereçam as suas ovelhas e os seus bois como sacrifícios que serão completamente queimados e como ofertas de paz. Eu separarei lugares para que neles vocês me adorem, e nesses lugares eu me encontrarei com vocês e os abençoarei.
25 Se fizerem um altar de pedras para mim, não usem pedras cortadas com ferramentas. Pois na construção do meu altar não poderão ser usadas pedras cortadas com ferramentas.
26 Não façam o meu altar com degraus; porque, se fizerem, a nudez de vocês vai aparecer ali.

Êxodo – Capítulo 23

1 - Não espalhe notícias falsas e não minta no tribunal para ajudar alguém.
2 Não siga a maioria quando ela faz o que é errado e não dê testemunho falso para ajudar a maioria a torcer a justiça.
3 Não faça injustiça, nem mesmo para favorecer o pobre.
4 - Se você vir o boi ou o jumento do seu inimigo andando perdido, leve-o de volta para ele.
5 Se o jumento dele cair debaixo da carga, não o deixe ali, mas ajude o dono a pôr o animal de pé.
6 - Quando um pobre comparecer ao tribunal, não cometa injustiça contra ele.
7 Não faça acusações falsas, nem condene à morte uma pessoa inocente. Pois eu condenarei aquele que fizer essas coisas más.
8 Não aceite dinheiro para torcer a justiça, pois esse dinheiro faz com que as pessoas fiquem cegas e não vejam o que é direito, prejudicando assim a causa daqueles que são inocentes.
9 - Não maltratem os estrangeiros que moram no meio de vocês. Vocês sabem como eles sofrem por serem estrangeiros, pois vocês foram estrangeiros no Egito.
10 - Durante seis anos você semeará as suas terras e colherá o que elas produzirem.
11 Porém no sétimo ano deixe que a terra descanse e não colha nada que crescer nela. Mas os pobres poderão comer o que crescer ali, e os animais selvagens comerão o que sobrar. Faça isso também com as suas plantações de uvas e de azeitonas.
12 - Trabalhe seis dias por semana, mas no sétimo dia não faça nenhum trabalho para que os seus escravos, os seus animais e os estrangeiros que trabalham para você possam descansar.
13 - Dêem atenção a tudo o que eu, o SENHOR, tenho dito a vocês. Não façam orações a outros deuses, nem mesmo falem os nomes deles.
14 - Três vezes por ano vocês comemorarão uma festa em minha honra.
15 No mês de abibe, o mês em que vocês saíram do Egito, comemorem a Festa dos Pães sem Fermento como eu ordenei. Durante os sete dias da festa não comam pão feito com fermento. Que ninguém venha me adorar sem trazer uma oferta.
16 - Comemorem a Festa da Colheita logo que vocês começarem a colher o que plantaram. - Comemorem a Festa das Barracas no outono, quando vocês colherem as uvas e as frutas dos pomares.
17 Três vezes por ano, nessas três festas, todos os homens devem vir adorar a mim, o SENHOR Deus.
18 - Quando vocês oferecerem um animal em sacrifício a mim, não me tragam pão feito com fermento. A gordura dos animais mortos nos sacrifícios, durante as minhas festas, deverá ser queimada no mesmo dia.
19 - Todos os anos tragam à casa do SENHOR, seu Deus, os primeiros cereais que colherem. - Não cozinhem um cabrito ou um carneirinho no leite da sua própria mãe.
20 - Eu enviarei um anjo adiante de vocês para protegê-los na viagem e para levá-los ao lugar que lhes preparei.
21 Dêem atenção e obedeçam ao anjo. Não se revoltem contra ele, pois ele age em meu nome e não perdoará revoltas.
22 Se vocês lhe obedecerem e fizerem tudo o que ele mandar, eu lutarei contra todos os inimigos de vocês.
23 O meu anjo irá adiante de vocês e os levará até a terra dos amorreus, dos heteus, dos perizeus, dos cananeus, dos heveus e dos jebuseus. E eu destruirei todos esses povos.
24 Não se curvem diante dos deuses deles, nem os adorem, e não sigam os seus costumes religiosos. Destruam os deuses deles e quebrem as colunas do deus Baal.
25 Se vocês adorarem a mim, o SENHOR, seu Deus, eu os abençoarei, dando-lhes comida e água, e tirarei de vocês todas as doenças.
26 Na terra de vocês nenhuma mulher terá aborto, nem ficará sem ter filhos. E eu darei a vocês uma vida longa.
27 - Farei com que os povos que são contra vocês tenham medo de mim. Farei com que haja confusão entre os povos contra quem vocês vão lutar e farei com que os inimigos fujam de vocês.
28 Farei com que os seus inimigos fiquem apavorados. E, quando vocês forem avançando, eu expulsarei os heveus, os cananeus e os heteus.
29 Não os expulsarei num ano só; se eu fizesse isso, a terra ficaria deserta, e os animais selvagens se tornariam numerosos demais, prejudicando vocês.
30 Pelo contrário, eu expulsarei esses povos pouco a pouco, até que vocês se tornem mais numerosos e tomem posse da terra.
31 Farei com que os limites da terra de vocês vão desde o golfo de Ácaba até o rio Eufrates e do mar Mediterrâneo até o deserto. Eu lhes darei poder para dominarem os povos daquelas terras, e vocês irão avançando e os expulsando.
32 Não façam nenhum acordo com eles, nem com os seus deuses.
33 Não deixem que esses povos vivam na terra de vocês. Se deixarem, eles farão com que vocês pequem contra mim. Se vocês adorarem os deuses deles, isso será uma armadilha mortal para vocês.

Êxodo – Capítulo 24

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Você, Arão, Nadabe, Abiú e setenta líderes do povo de Israel, subam o monte e venham até a minha presença. E, quando ainda estiverem um pouco longe, ajoelhem-se para me adorar.
2 Só você, Moisés, chegará perto de mim; os outros, não. E o povo não deverá subir o monte.
3 Moisés foi e contou ao povo tudo o que o SENHOR tinha dito e todos os mandamentos que ele tinha dado. Então os israelitas responderam todos juntos: - Nós faremos tudo o que o SENHOR ordenou.
4 Então Moisés escreveu todas as leis de Deus, o SENHOR. No dia seguinte, de manhã, ele construiu um altar ao pé do monte e colocou ali doze colunas de pedra, uma para cada tribo das doze tribos do povo de Israel.
5 Aí Moisés mandou que alguns moços queimassem animais em sacrifício ao SENHOR e matassem touros como ofertas de paz.
6 Moisés pôs a metade do sangue dos animais em bacias e derramou a outra metade no altar.
7 Depois pegou o livro da aliança, onde estavam escritos os mandamentos do SENHOR, e o leu em voz alta para o povo. Eles disseram: - Nós obedeceremos a Deus, o SENHOR, e faremos tudo o que ele mandar.
8 Então Moisés pegou o sangue das bacias, borrifou o povo com ele e disse: - Este é o sangue que sela a aliança que o SENHOR fez com vocês quando deu todos esses mandamentos.
9 Moisés, Arão, Nadabe, Abiú e setenta líderes do povo de Israel subiram o monte
10 e viram o Deus de Israel. Debaixo dos pés dele havia alguma coisa parecida com um piso feito de safiras, azul como o céu.
11 Deus não matou esses líderes de Israel; eles viram a Deus e depois comeram e beberam juntos.
12 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Suba o monte onde eu estou e fique aqui, pois eu vou lhe dar as placas de pedra que têm as leis e os mandamentos que escrevi, a fim de que você os ensine ao povo.
13 Moisés e Josué, o seu auxiliar, se aprontaram, e Moisés começou a subir o monte sagrado.
14 Então Moisés disse aos líderes: - Esperem aqui até nós voltarmos. Arão e Hur ficarão com vocês. Quem tiver alguma questão para resolver deverá falar com eles.
15 Então Moisés subiu o monte Sinai, e uma nuvem cobriu o monte.
16 A glória do SENHOR desceu sobre o monte, e para os israelitas a luz parecia um fogo que queimava lá no alto. A nuvem cobriu o monte durante seis dias, e no sétimo dia o SENHOR, lá da nuvem, chamou Moisés.
18 Moisés entrou no meio da nuvem. E ficou ali no monte quarenta dias e quarenta noites.

Êxodo – Capítulo 26

1 O SENHOR disse a Moisés: - Faça a parte de dentro da Tenda Sagrada com dez cortinas de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha. Nessas cortinas serão bordadas figuras de querubins.
2 Cada cortina deverá ter doze metros e meio de comprimento por um metro e oitenta de largura.
3 Costure cinco delas umas nas outras, formando assim uma só peça. Faça a mesma coisa com as outras cinco.
4 Ponha laçadas de tecido azul na beirada de fora da última cortina de cada uma das duas peças de cortinas.
5 Faça cinqüenta laçadas para a beirada da primeira cortina da primeira peça e cinqüenta para a beirada da última cortina da segunda peça, de modo que as laçadas fiquem de frente umas para as outras.
6 Faça também cinqüenta prendedores de ouro e com eles junte os dois jogos de cortinas para que formem uma só peça.
7 - Faça uma cobertura para a Tenda, com onze pedaços de pano feito de pêlos de cabra.
8 Os pedaços deverão ter o mesmo tamanho, medindo treze metros e trinta de comprimento por um metro e oitenta de largura.
9 Costure cinco pedaços uns nos outros, formando uma peça, e os outros seis, formando outra peça, ficando o sexto pedaço dobrado na parte da frente da Tenda.
10 Ponha cinqüenta laçadas na beirada do último pedaço da primeira peça e cinqüenta laçadas na beirada da outra peça.
11 Faça também cinqüenta prendedores de bronze e passe esses prendedores nas laçadas, juntando assim as duas peças uma com a outra para que formem uma cobertura só.
12 A metade da cortina que sobrar ficará pendurada na parte de trás da Tenda.
13 Os quarenta e cinco centímetros que sobrarem de cada lado do comprimento das cortinas ficarão de um lado e do outro para cobrir a Tenda.
14 - Faça mais uma cobertura, de peles de carneiro tingidas de vermelho; e em cima desta coloque outra cobertura, feita de peles finas.
15 - Faça também armações de madeira de acácia para a Tenda.
16 Cada uma das armações terá quatro metros e quarenta e cinco de comprimento por sessenta e sete centímetros de largura.
17 Cada armação terá dois encaixes para juntar uma à outra. Você fará isso com todas as armações da Tenda.
18 Faça vinte armações para o lado sul
19 e ponha debaixo dessas vinte armações quarenta bases de prata, duas debaixo de cada armação, para firmarem os seus dois encaixes.
20 Faça também vinte armações para o lado norte
21 e quarenta bases de prata, duas para cada armação.
22 Para o lado de trás da Tenda, o lado oeste, você fará seis armações
23 e mais duas armações para os cantos da Tenda.
24 Essas armações dos cantos deverão ser juntadas na base, formando uma só peça até a primeira argola que fica na parte de cima. As duas armações que formam os dois cantos deverão ser colocadas desse jeito.
25 Portanto, haverá oito armações com as suas dezesseis bases de prata, duas debaixo de cada armação.
26 - Faça quinze travessas de madeira de acácia, cinco para as armações de um lado da Tenda,
27 cinco para as armações do outro lado e cinco para as armações do lado oeste, na parte de trás.
28 A travessa do centro passará a meia altura entre as armações, de um lado da Tenda até o outro.
29 Revista de ouro essas armações e ponha nelas argolas de ouro, por onde passarão os cabos, que também deverão ser revestidos de ouro.
30 Arme a Tenda de acordo com o modelo que eu lhe mostrei no monte.
31 - Faça uma cortina de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha e bordada com figuras de querubins.
32 Pendure essa cortina em quatro postes de madeira de acácia revestidos de ouro, que terão prendedores de ouro e serão fixados em quatro bases de prata.
33 Pendure a cortina debaixo dos prendedores e atrás da cortina ponha a arca da aliança, onde estão as duas placas de pedra. A cortina separará o Lugar Santo do Lugar Santíssimo.
34 Ponha a tampa na arca da aliança, no Lugar Santíssimo.
35 Fora do Lugar Santíssimo ponha a mesa no lado norte da Tenda e coloque o candelabro no lado sul.
36 - Para a entrada da Tenda faça uma cortina de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha e enfeitada com bordados.
37 Para segurarem essa cortina, faça cinco postes de madeira de acácia revestidos de ouro e com prendedores de ouro. E faça cinco bases de bronze para os postes.

Êxodo – Capítulo 30

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Faça também um altar de madeira de acácia para queimar incenso em cima dele.
2 Esse altar será quadrado, medindo quarenta e cinco centímetros de comprimento por quarenta e cinco de largura; e terá noventa centímetros de altura. Nos quatro cantos haverá pontas, que formarão uma só peça com o altar.
3 A tampa, os quatro lados e as pontas deverão ser revestidos de ouro puro. E ponha um remate de ouro em volta do altar.
4 Ponha também duas argolas de ouro debaixo do remate, uma de cada lado. Por dentro dessas argolas passarão os cabos com que se carregará o altar.
5 Esses cabos deverão ser feitos de madeira de acácia e revestidos de ouro.
6 Ponha o altar em frente da cortina que ficará diante da arca da aliança. Ali eu me encontrarei com você.
7 De manhã, quando Arão for cuidar das lamparinas, ele deverá queimar incenso cheiroso.
8 Ao anoitecer, quando for acender as lamparinas, ele deverá fazer a mesma coisa. Essa oferta de incenso continuará para sempre, de geração em geração.
9 Nesse altar não ofereçam incenso comum, nem animais, nem cereais e não derramem ofertas de vinho sobre ele.
10 Uma vez por ano Arão fará uma cerimônia de purificação do altar, pondo nas suas quatro pontas o sangue do animal sacrificado para tirar os pecados do povo. Isso deverá ser feito para sempre, uma vez por ano. Esse altar deverá ser completamente santo, separado para mim, o SENHOR.
11 O SENHOR Deus disse a Moisés:
12 - Quando você fizer a contagem do povo, cada israelita me pagará uma certa quantia pela sua vida, para que não lhe aconteça nenhum desastre enquanto a contagem estiver sendo feita.
13 Cada pessoa que for contada deverá pagar a quantia de prata exigida, pesada de acordo com a tabela oficial. Esse pagamento é para mim, o SENHOR.
14 Quem for contado, isto é, cada homem de vinte anos para cima, pagará essa quantia.
15 Quando pagarem pela sua vida, o rico não precisará pagar mais do que a quantia exigida, nem o pobre pagará menos.
16 Você receberá do povo de Israel essa prata e a usará para o serviço da Tenda da Minha Presença. Esse imposto será o pagamento pela vida dos israelitas, e eu lembrarei de protegê-los.
17 O SENHOR Deus disse a Moisés:
18 - Faça uma pia de bronze com a base também de bronze. Coloque a pia entre a Tenda e o altar e ponha água dentro dela.
19 Arão e os seus filhos usarão essa água para lavar as mãos e os pés,
20 antes de entrarem na Tenda ou antes de chegarem perto do altar para apresentar a oferta de alimento. Assim eles não serão mortos.
21 Eles deverão lavar as mãos e os pés para que não morram. Essa é uma lei que deverá ser obedecida para sempre por eles e pelos seus descendentes.
22 O SENHOR Deus disse a Moisés:
23 - Escolha as especiarias mais cheirosas para fazer o azeite sagrado de ungir, seguindo a arte dos perfumistas. Em três litros e meio de azeite misture o seguinte: seis quilos de mirra líquida, três quilos de canela, três quilos de cana cheirosa e seis quilos de cássia, tudo pesado de acordo com a tabela oficial.
26 Use esse azeite para ungir a Tenda da Minha Presença, a arca da aliança,
27 a mesa e todo o seu equipamento, o candelabro e o seu equipamento, o altar de queimar incenso,
28 o altar de queimar ofertas, junto com todo o seu equipamento, e a pia com o seu suporte.
29 Assim você consagrará todas essas coisas, e elas ficarão completamente santas. E qualquer pessoa ou coisa que tocar nelas sofrerá por causa do poder da sua santidade.
30 Você ungirá também Arão e os filhos dele e os separará para me servirem como sacerdotes.
31 Diga ao povo de Israel o seguinte: "Esse azeite de ungir deverá ser usado para sempre no meu serviço religioso.
32 Não deverá ser usado no corpo de quem não for sacerdote. E vocês não deverão usar a fórmula desse azeite para qualquer outra mistura igual a essa. Esse azeite é sagrado e assim ele deverá ser tratado.
33 Qualquer pessoa que preparar um azeite igual a esse ou usá-lo em quem não for sacerdote deverá ser expulsa do meio do meu povo."
34 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Faça o incenso sagrado conforme a arte dos perfumistas. Misture, em partes iguais, as seguintes especiarias cheirosas: benjoim, ônica, resina medicinal e incenso puro. E ponha sal a fim de conservá-lo puro e santo.
36 - Moa uma parte desse incenso até que vire um pó bem fino. Depois leve-o para dentro da Tenda da Minha Presença, onde eu me encontrarei com você, e coloque-o diante da arca da aliança. Considerem esse incenso como uma coisa muito sagrada.
37 Quando fizerem incenso para vocês mesmos, não usem a fórmula do incenso sagrado. Esse incenso é uma coisa sagrada, dedicada a mim.
38 Se alguém fizer incenso igual a esse para usá-lo como perfume, deverá ser expulso do meio do meu povo.

Êxodo – Capítulo 32

1 O povo viu que Moisés estava demorando muito para descer do monte. Então eles se reuniram em volta de Arão e lhe disseram: - Não sabemos o que aconteceu com Moisés, aquele homem que nos tirou do Egito. Portanto, faça para nós deuses que vão à nossa frente.
2 Arão lhes disse: - Tirem os brincos de ouro que as suas mulheres, os seus filhos e as suas filhas estão usando e tragam para mim.
3 Então os israelitas tiraram das orelhas os brincos de ouro e os trouxeram a Arão.
4 Ele pegou os brincos, derreteu-os, derramou o ouro dentro de um molde e fez um bezerro de ouro. Então disseram: - Povo de Israel, estes são os nossos deuses, que nos tiraram do Egito!
5 Arão construiu um altar diante do bezerro de ouro e anunciou ao povo: - Amanhã haverá uma festa em honra de Deus, o SENHOR.
6 No dia seguinte, de manhã cedo, eles trouxeram alguns animais para serem queimados como sacrifício e outros para serem comidos como ofertas de paz. Depois o povo sentou-se para comer e beber e se levantou para se divertir.
7 Então o SENHOR Deus disse a Moisés: - Desça depressa porque o seu povo, o povo que você tirou do Egito, pecou e me rejeitou.
8 Eles já deixaram o caminho que eu mandei que seguissem; fizeram um bezerro de ouro fundido, e o adoraram, e lhe ofereceram sacrifícios. Estão dizendo que estes são os deuses deles, os deuses que os tiraram do Egito.
9 Eu conheço este povo e sei que é muito teimoso.
10 Agora não tente me impedir, pois vou descarregar a minha ira sobre esta gente e vou acabar com eles. Depois farei de você e dos seus descendentes uma grande nação.
11 Porém Moisés fez um pedido ao SENHOR, seu Deus. Ele disse: - Ó SENHOR, por que ficaste assim tão irado com o teu povo, que tiraste do Egito com grande poder e força?
12 Por que deixar que os egípcios venham a dizer que tiraste o teu povo do Egito para matá-lo nos montes e destruí-lo completamente? Não fiques assim irado; muda de idéia e não faças cair sobre o teu povo essa desgraça.
13 Lembra dos teus servos Abraão, Isaque e Jacó. Lembra do juramento que fizeste de lhes dar tantos descendentes quantas estrelas há no céu. Lembra também que prometeste que darias aos seus descendentes toda aquela terra para ser propriedade deles para sempre.
14 Então o SENHOR Deus mudou de idéia e não fez cair sobre o seu povo a desgraça que havia prometido.
15 Moisés desceu do monte, carregando as duas placas de pedra com os mandamentos escritos nos dois lados de cada pedra.
16 O próprio Deus havia feito as placas e tinha gravado nelas os mandamentos.
17 Josué ouviu o povo gritando e disse a Moisés: - Estou ouvindo um barulho de guerra no acampamento.
18 Moisés disse: - Não parece um barulho de vitória, nem um grito de derrota; o que estou ouvindo é gente cantando.
19 Quando Moisés chegou perto do acampamento, viu o bezerro de ouro e o povo, que estava dançando, e ficou furioso. Ali, ao pé do monte, ele jogou no chão as placas de pedra que estava carregando e quebrou-as.
20 Então pegou o bezerro de ouro que eles haviam feito, queimou-o no fogo e o moeu até virar pó e espalhou o pó na água. Em seguida mandou que o povo de Israel bebesse daquela água.
21 E Moisés disse a Arão: - O que é que esta gente lhe fez, para que você a levasse a cometer esse pecado tão horrível?
22 Arão respondeu: - Não fique com raiva de mim. Você sabe como este povo está sempre pronto para fazer o mal.
23 Eles me disseram: "Não sabemos o que aconteceu com Moisés, aquele homem que nos tirou do Egito. Portanto, faça para nós deuses que sejam os nossos líderes."
24 Aí eu mandei que quem tivesse enfeites de ouro os tirasse e me desse. Joguei aqueles enfeites no fogo, e saiu este bezerro!
25 Moisés viu que Arão havia deixado o povo completamente sem controle, fazendo assim que os seus inimigos zombassem deles.
26 Então ficou na entrada do acampamento e disse: - Quem estiver do lado de Deus, o SENHOR, que chegue até aqui! Então todos os levitas se reuniram em volta de Moisés,
27 e ele disse: - O SENHOR, o Deus do povo de Israel, manda que cada um de vocês pegue a sua espada e vá pelo acampamento, de ponta a ponta, matando os seus parentes, os seus amigos e os seus vizinhos.
28 Os levitas obedeceram à ordem de Moisés e mataram naquele dia mais ou menos três mil homens.
29 Moisés disse aos levitas: - Hoje vocês mataram os seus filhos e os seus irmãos e assim se consagraram como sacerdotes para o serviço de Deus, o SENHOR. E, porque vocês fizeram isso, Deus lhes deu hoje uma bênção.
30 No dia seguinte Moisés disse ao povo: - Vocês cometeram um pecado horrível. Porém agora vou subir outra vez o monte para falar com o SENHOR. Talvez eu consiga que ele perdoe o pecado de vocês.
31 Moisés voltou para o lugar onde o SENHOR estava e disse: - Este povo cometeu um pecado terrível. Eles fizeram um deus de ouro e o adoraram.
32 Por favor, perdoa o pecado deles! Porém, se não quiseres perdoar, então tira o meu nome do teu livro, onde escreveste os nomes dos que são teus.
33 Então o SENHOR disse a Moisés: - Riscarei do meu livro todos os que pecaram contra mim.
34 Agora vá e leve o povo para o lugar que eu mandei. Lembre que o meu Anjo guiará você. Porém já está chegando o tempo em que vou castigar este povo pelo seu pecado.
35 Por isso o SENHOR Deus castigou os israelitas com uma doença, pois eles haviam obrigado Arão a fazer o bezerro de ouro.

Êxodo – Capítulo 33

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Saiam deste lugar, você e o povo que você tirou do Egito, e vão para a terra que eu jurei dar a Abraão, a Isaque, a Jacó e aos seus descendentes.
2 Eu mandarei um anjo para guiar você e expulsarei os cananeus, os amorreus, os heteus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.
3 Vocês irão para uma terra boa e rica. Porém eu não irei, pois vocês são um povo teimoso, e eu os poderia destruir no caminho.
4 Quando Moisés deu essa mensagem aos israelitas, eles começaram a chorar, e ninguém usou as suas jóias.
5 Então o SENHOR mandou que Moisés dissesse a eles: - Vocês são um povo teimoso. Se eu fosse junto com vocês, mesmo que fosse por apenas um momento, eu os destruiria completamente. Agora tirem as suas jóias, e eu vou resolver o que fazer com vocês.
6 Assim, depois que os israelitas saíram do monte Sinai, não usaram mais jóias.
7 Sempre que o povo de Israel acampava, Moisés costumava armar a Tenda Sagrada a certa distância fora do acampamento. Ela era chamada de "Tenda da Presença de Deus", e quem quisesse consultar o SENHOR ia até lá.
8 Quando Moisés saía para ir à Tenda, o povo ficava na porta das suas barracas olhando Moisés até que ele entrasse.
9 Depois que ele entrava, uma coluna de nuvem descia e parava na porta da Tenda; e da nuvem o SENHOR falava com Moisés.
10 Logo que o povo via a coluna de nuvem na porta da Tenda, todos se ajoelhavam.
11 O SENHOR Deus falava com Moisés face a face, como alguém que conversa com um amigo. Depois Moisés voltava para o acampamento. Porém Josué, filho de Num, o moço que era o auxiliar de Moisés, ficava na Tenda.
12 Moisés disse a Deus, o SENHOR: - É verdade que me mandaste guiar este povo para aquela terra, porém não me disseste quem é que irá comigo. Disseste que me conheces bem e que estás contente comigo.
13 Agora, se isso é assim mesmo, fala-me dos teus planos para que eu possa te servir e continuar a te agradar. Lembra que escolheste esta nação para ser tua.
14 Deus disse: - Eu irei com você e lhe darei a vitória.
15 Então Moisés respondeu: - Se não fores com o teu povo, não nos faças sair deste lugar.
16 Como é que os outros povos poderão saber que estás contente com o teu povo e comigo, se não fores conosco? A tua presença é que mostrará que somos diferentes dos outros povos da terra.
17 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Vou atender o seu pedido porque conheço você bem, e você conseguiu a minha aprovação.
18 Aí Moisés suplicou: - Por favor, deixa que eu veja a tua glória.
19 Deus respondeu: - Eu farei com que todo o meu brilho passe diante de você e direi qual é o meu nome sagrado. Eu sou o SENHOR e terei compaixão de quem eu quiser e terei misericórdia de quem eu desejar.
20 E disse ainda: - Não vou deixar que você veja o meu rosto, pois ninguém pode ver o meu rosto e continuar vivo.
21 Mas aqui há um lugar perto de mim, onde você poderá ficar em cima de uma rocha.
22 Quando a minha glória passar, eu porei você numa rachadura da rocha e o cobrirei com a minha mão até que eu passe.
23 Depois tirarei a mão, e você me verá pelas costas, porém não verá o meu rosto.

Êxodo – Capítulo 34

1 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Corte duas placas de pedra iguais àquelas que você quebrou, e eu escreverei nelas as mesmas palavras que estavam nas primeiras.
2 Amanhã cedo esteja pronto para subir o monte Sinai a fim de se encontrar comigo ali no alto do monte.
3 Ninguém deverá subir com você; ninguém deverá estar em qualquer parte do monte. As ovelhas, as cabras e o gado não deverão ficar pastando perto do monte.
4 Então Moisés cortou outras duas placas de pedra, iguais às primeiras, e, no dia seguinte, como o SENHOR havia ordenado, ele se levantou bem cedo e subiu o monte Sinai, levando consigo as duas placas.
5 O SENHOR desceu numa nuvem, ficou ali com Moisés e disse qual era o seu nome, isto é, o SENHOR.
6 Então Deus passou diante de Moisés e disse em voz alta: - Eu sou o SENHOR, o Deus Eterno! Eu tenho compaixão e misericórdia, não fico irado com facilidade, e a minha fidelidade e o meu amor são tão grandes, que não podem ser medidos.
7 Cumpro a minha promessa a milhares de gerações e perdôo o mal e o pecado. Porém não deixo de castigar os seus filhos e até os netos, os bisnetos e os trinetos pelos pecados dos pais.
8 Moisés se ajoelhou, encostou o rosto no chão e adorou a Deus.
9 Ele disse: - Ó Senhor, se estás, de fato, contente comigo, eu te peço que vás conosco. Este povo é teimoso, mas perdoa o nosso pecado e a nossa maldade e aceita-nos como o teu povo.
10 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Eu estou fazendo agora uma aliança com o seu povo. Na presença deles farei maravilhas como nunca foram feitas em toda a terra e em nenhuma nação. Todo o povo verá que milagres eu, o SENHOR, posso fazer, pois vou realizar uma coisa terrível em favor de vocês.
11 Obedeçam às leis que estou dando a vocês hoje. Conforme vocês forem avançando, eu expulsarei os amorreus, os cananeus, os heteus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.
12 Não façam nenhum acordo com os moradores da terra para onde vocês vão, pois isso poderia ser uma armadilha mortal para vocês.
13 Pelo contrário, derrubem os altares deles, destruam as colunas do deus Baal e cortem os postes-ídolos.
14 - Não adorem nenhum outro deus, pois eu, o SENHOR, me chamo Deus Exigente e exijo que vocês adorem somente a mim.
15 Não façam acordos com os moradores da terra que vai ser de vocês. Nos seus cultos eles adoram deuses pagãos e lhes oferecem sacrifícios. Eles vão convidar vocês para as suas reuniões religiosas, e vocês poderão ficar tentados a comer os alimentos que eles oferecem aos seus deuses.
16 Os filhos de vocês poderiam casar com mulheres estrangeiras, e elas fariam com que vocês fossem infiéis a mim e adorassem os deuses pagãos que elas adoram.
17 - Não façam deuses de metal, nem os adorem.
18 - Comemorem a Festa dos Pães sem Fermento. Como lhes ordenei, comam pão sem fermento durante sete dias no mês de abibe, que é o tempo certo, pois foi nesse mês que vocês saíram do Egito.
19 - Todo primeiro filho é meu e também o primeiro filhote macho dos animais domésticos.
20 Mas, se vocês quiserem ficar com o primeiro filhote macho de uma jumenta, ofereçam-me um carneiro; se não quiserem, quebrem o pescoço do jumentinho. Para ficarem com todo primeiro filho de vocês, paguem o preço determinado. - Ninguém deverá aparecer diante de mim sem trazer uma oferta.
21 - Vocês têm seis dias para trabalhar, porém não trabalhem no sétimo dia, nem mesmo no tempo de arar ou de fazer a colheita.
22 - Comemorem a Festa da Colheita quando começarem a fazer a primeira colheita do trigo. E comemorem a Festa das Barracas no outono, quando vocês colherem as suas frutas.
23 - Três vezes por ano todos os homens israelitas deverão ir adorar a mim, o SENHOR, o Deus do povo de Israel.
24 Eu vou expulsar as outras nações que estão diante de vocês e assim aumentarei o seu território; então ninguém tentará conquistar a terra de vocês durante as três festas, quando vocês vierem me adorar.
25 - Quando me oferecerem um animal em sacrifício, não tragam pão feito com fermento, nem guardem para o dia seguinte o que sobrar do animal oferecido na Festa da Páscoa.
26 - Todos os anos levem à casa do SENHOR, seu Deus, os primeiros cereais que vocês colherem. - Não cozinhem um cabrito ou um carneirinho no leite da sua própria mãe.
27 O SENHOR Deus disse ainda a Moisés: - Escreva essas palavras porque é com base nelas que estou fazendo uma aliança com você e com o povo de Israel.
28 Moisés ficou ali com Deus, o SENHOR, quarenta dias e quarenta noites e durante esse tempo não comeu nem bebeu nada. Ele escreveu nas placas de pedra as palavras da aliança, isto é, os dez mandamentos.
29 Quando Moisés desceu do monte Sinai, carregando as duas placas da aliança, o seu rosto estava brilhando, pois ele havia falado com Deus. Mas ele não sabia disso.
30 Arão e todo o povo ficaram com medo de chegar perto de Moisés quando viram o seu rosto brilhando.
31 Porém Moisés os chamou, e Arão e todos os líderes do povo chegaram perto dele, e ele falou com todos.
32 Depois disso todo o povo de Israel se reuniu em volta de Moisés, e ele lhes entregou todas as leis que o SENHOR Deus lhe tinha dado no monte Sinai.
33 Quando Moisés acabou de falar com eles, ele cobriu o rosto com um véu.
34 Sempre que entrava na Tenda Sagrada para falar com o SENHOR, Moisés tirava o véu. Quando saía, ele contava ao povo de Israel tudo o que Deus lhe havia mandado dizer,
35 e o povo via que o seu rosto continuava brilhando. Porém Moisés cobria de novo o rosto com o véu até que entrava de novo na Tenda para falar com Deus.

Êxodo – Capítulo 36

1 - Bezalel, Aoliabe e todos os outros homens a quem o SENHOR deu habilidade e inteligência e que conhecem tudo o que é preciso para construir a Tenda Sagrada, deverão fazer tudo como o SENHOR ordenou.
2 Moisés chamou Bezalel, Aoliabe e todos os outros homens a quem o SENHOR tinha dado habilidade e que tinham boa vontade para ajudar, e disse-lhes que começassem a trabalhar.
3 Eles receberam de Moisés as ofertas que os israelitas haviam trazido para construir a Tenda Sagrada. E todas as manhãs o povo de Israel continuava a trazer a Moisés as suas ofertas.
4 Então os artesãos que estavam fazendo o trabalho
5 foram falar com Moisés. Eles disseram o seguinte: - O povo está trazendo muito mais do que é necessário para o trabalho que o SENHOR mandou fazer.
6 Então Moisés ordenou que em todo o acampamento ninguém mais trouxesse ofertas para a Tenda Sagrada. E assim o povo não trouxe mais nada.
7 Pois o material que tinham ajuntado era suficiente para todo o trabalho que devia ser feito e ainda sobrava.
8 E assim os homens mais habilidosos entre os trabalhadores fizeram a Tenda da Presença do SENHOR. Eles a fizeram com dez cortinas de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha. Nessas cortinas estavam bordadas figuras de querubins.
9 Todas as cortinas eram do mesmo tamanho, medindo doze metros e meio de comprimento por um metro e oitenta de largura.
10 Eles costuraram cinco delas umas nas outras, formando assim uma só peça; e fizeram a mesma coisa com as outras cinco.
11 Foram colocadas laçadas de tecido azul na beirada de fora da última cortina de cada uma das duas peças de cortinas.
12 Puseram cinqüenta laçadas na beirada da primeira cortina da primeira peça e cinqüenta na beirada da última cortina da segunda peça, de modo que as laçadas ficaram de frente umas para as outras.
13 Os dois jogos de cortinas foram presos um no outro por meio de cinqüenta prendedores de ouro, de modo que formavam uma só peça.
14 De onze pedaços de pano feito de pêlos de cabra fizeram uma cobertura para a Tenda.
15 E fizeram todos os pedaços do mesmo tamanho, isto é, todos tinham treze metros e trinta de comprimento por um metro e oitenta de largura.
16 Costuraram cinco pedaços uns nos outros, formando uma peça, e os outros seis, formando outra peça.
17 Foram colocadas cinqüenta laçadas na beirada do último pedaço da primeira peça e cinqüenta laçadas na beirada da outra peça.
18 Depois fizeram cinqüenta prendedores de bronze para prenderem as duas peças uma na outra a fim de que formassem uma cobertura só.
19 Fizeram mais uma cobertura, de peles de carneiro tingidas de vermelho; e em cima desta colocaram outra cobertura, feita de peles finas.
20 Prepararam também armações de madeira de acácia a fim de formarem as paredes da Tenda.
21 Cada uma das armações media quatro metros e quarenta e cinco de altura por sessenta e sete centímetros de largura.
22 Em cada armação havia dois encaixes para juntarem uma à outra. Todas as armações tinham esses encaixes.
23 Fizeram vinte armações para o lado sul
24 e debaixo dessas vinte armações puseram quarenta bases de prata, duas debaixo de cada armação, para firmarem os seus dois encaixes.
25 E para o lado norte da Tenda fizeram vinte armações
26 e quarenta bases de prata, duas para cada armação.
27 Para o lado de trás da Tenda, o lado oeste, fizeram seis armações
28 e mais duas armações para os cantos.
29 Essas armações dos cantos foram juntadas na base, formando uma só peça até a primeira argola que ficava na parte de cima. As duas armações que formavam os dois cantos foram colocadas desse jeito.
30 Assim, havia oito armações e dezesseis bases de prata, duas para cada armação.
31 Em seguida prepararam quinze travessas de madeira de acácia; cinco para as armações de um lado da Tenda,
32 cinco para as armações do outro lado e cinco para as armações do lado oeste, na parte de trás.
33 A travessa do centro passava a meia altura entre as armações, de um lado da Tenda até o outro.
34 Revestiram de ouro essas armações e puseram nelas argolas de ouro, por onde passavam os cabos, que também foram revestidos de ouro.
35 Fizeram também uma cortina de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha e bordada com figuras de querubins.
36 Para segurarem essa cortina, foram feitos quatro postes de madeira de acácia revestidos de ouro; os prendedores das cortinas eram de ouro, e as quatro bases dos seus postes eram de prata.
37 Para a entrada da Tenda foi feita uma cortina de tecido feito de linho fino e de fios de lã azul, púrpura e vermelha e enfeitada com bordados.
38 Para segurarem essa cortina, foram feitos cinco postes, com prendedores, e revestiram de ouro a parte de cima dos postes e os suportes das cortinas. E foram feitas cinco bases de bronze para os postes.

Levítico – Capítulo 1

1 O SENHOR Deus chamou Moisés e de dentro da Tenda Sagrada mandou
2 que ele desse aos israelitas as seguintes leis a respeito dos sacrifícios: Quando um homem oferecer um animal em sacrifício a Deus, o SENHOR, ele poderá escolhê-lo do seu gado ou do seu rebanho de ovelhas e cabras.
3 Se ele oferecer um animal do seu gado para ser completamente queimado no altar, então deverá ser um touro sem defeito. Para que o SENHOR o aceite, o homem levará o touro até a entrada da Tenda Sagrada.
4 Ali ele porá a mão na cabeça do animal a fim de que seja aceito como sacrifício para conseguir o perdão dos seus pecados.
5 O homem matará o touro ali na frente da Tenda Sagrada, e os sacerdotes, que são descendentes de Arão, oferecerão ao SENHOR o sangue do animal e depois borrifarão com ele os quatro lados do altar que está na frente da Tenda.
6 Em seguida o homem tirará o couro do animal e depois cortará o corpo em pedaços.
7 Os sacerdotes acenderão fogo em cima do altar, arrumarão a lenha sobre o fogo
8 e colocarão sobre ela os pedaços do touro, a cabeça e a gordura que cobre os intestinos.
9 O homem lavará os miúdos e as pernas do animal, que também serão queimados no altar. O sacerdote queimará o touro todo como um sacrifício que tem um cheiro agradável a Deus, o SENHOR.
10 Se o homem oferecer em sacrifício a Deus um carneiro ou um cabrito, o animal deverá ser um macho sem defeito.
11 O homem matará o animal na presença do SENHOR no lado norte do altar, e os sacerdotes borrifarão os quatro lados do altar com o sangue.
12 Em seguida ele cortará o animal em pedaços, e o sacerdote os colocará, junto com a cabeça e a gordura que cobre os intestinos, no fogo que está em cima do altar.
13 O dono do animal lavará os miúdos e as pernas, e estes também serão oferecidos em sacrifício. O animal todo será queimado como um sacrifício que tem um cheiro agradável ao SENHOR.
14 Se a oferta queimada que o homem oferece ao SENHOR for uma ave, então ele deverá trazer uma rolinha ou um pombinho.
15 O sacerdote levará a ave para o altar, tirará a cabeça e a queimará no altar. Em seguida deixará o sangue da ave escorrer no lado do altar.
16 Depois tirará o papo com o que estiver dentro e o jogará no monte de cinzas que fica no lado leste do altar.
17 Então pegará a ave pelas asas e a abrirá, sem a partir em duas partes, e a queimará no altar. A ave toda será queimada como um sacrifício que tem um cheiro agradável a Deus, o SENHOR.

Levítico – Capítulo 4

1 O SENHOR Deus mandou que Moisés
2 dissesse aos israelitas o que deveria fazer a pessoa que, sem querer, quebrasse uma das leis do SENHOR e fizesse o que é proibido.
3 Se o Grande Sacerdote cometer um pecado, tornando assim o povo culpado, ele, para tirar o pecado, oferecerá a Deus, o SENHOR, um touro novo sem defeito.
4 Ele levará o animal até a entrada da Tenda Sagrada, porá a mão na cabeça do animal e o matará ali na presença do SENHOR.
5 Em seguida pegará uma parte do sangue do animal e a levará para dentro da Tenda.
6 Ali ele molhará um dedo no sangue e na presença do SENHOR borrifará o sangue sete vezes em frente da cortina do Lugar Santo.
7 Depois, ainda na presença do SENHOR, ele porá um pouco do sangue nas pontas do altar que está dentro da Tenda, onde o incenso sagrado é queimado. O resto do sangue ele derramará na base do altar onde os sacrifícios são queimados, em frente da Tenda.
8 O sacerdote tirará toda a gordura do animal, isto é, a gordura dos miúdos,
9 os dois rins e a gordura que os cobre e também a melhor parte do fígado, que ele tirará junto com os rins,
10 do mesmo jeito que se tira tudo isso do touro sacrificado como uma oferta de paz. E o sacerdote queimará tudo no altar de ofertas queimadas.
11 Mas ele pegará o couro do animal, a carne toda, a cabeça, as pernas, os miúdos e também os intestinos,
12 e os levará para fora do acampamento, até um lugar puro, onde são jogadas as cinzas, e ali queimará o animal todo em cima da lenha.
13 Pode acontecer que o povo todo, sem querer, quebre uma das leis de Deus, o SENHOR, fazendo o que é proibido. Nesse caso, se forem culpados, sem saber que pecaram,
14 logo que reconhecerem que pecaram, levarão um touro novo para oferecer em sacrifício a fim de tirar o pecado e o apresentarão em frente da Tenda Sagrada.
15 Ali, na presença do SENHOR, os líderes porão as mãos na cabeça do animal e o matarão.
16 Depois o Grande Sacerdote levará uma parte do sangue do animal para dentro da Tenda.
17 Ele molhará o dedo no sangue e na presença do SENHOR borrifará o sangue sete vezes em frente da cortina, no Lugar Santo.
18 Depois, ainda na presença do SENHOR, ele porá um pouco do sangue nas pontas do altar que está dentro da Tenda; o resto do sangue ele derramará na base do altar onde os sacrifícios são queimados, em frente da Tenda.
19 Em seguida ele tirará toda a gordura do animal, e queimará essa gordura no altar,
20 e fará com esse animal o mesmo que fez com aquele que ele ofereceu para tirar o seu próprio pecado. O sacerdote oferecerá esse sacrifício para conseguir o perdão de pecados, e o povo será perdoado.
21 Por fim, como fez com o outro touro novo, o sacerdote levará esse touro novo para fora do acampamento e o queimará. Essa é a oferta para tirar o pecado do povo.
22 Se um homem que ocupa uma posição de autoridade quebrar, sem querer, uma das leis de Deus e for culpado de fazer aquilo que o SENHOR, nosso Deus, mandou que não se fizesse,
23 logo que for avisado do pecado que cometeu, ele trará como sua oferta a Deus um bode sem defeito.
24 O homem porá a mão na cabeça do animal e na presença do SENHOR o matará no lado norte do altar, onde são mortos os animais que são queimados. Esta é a oferta para tirar o seu pecado.
25 Então o sacerdote molhará o dedo no sangue do animal, e o porá nas pontas do altar onde os animais são queimados, e derramará o resto do sangue na base do altar.
26 Como no caso da oferta de paz, toda a gordura do bode será queimada no altar. Assim, o sacerdote oferecerá o sacrifício para conseguir o perdão de pecados, e o homem será perdoado.
27 Se uma pessoa do povo, sem querer, quebrar uma das leis de Deus e for culpada de fazer aquilo que o SENHOR proibiu,
28 logo que for avisada de que cometeu o pecado, trará como sua oferta a Deus uma cabra sem defeito, para tirar o pecado que cometeu.
29 A pessoa porá a mão na cabeça do animal e o matará no lado norte do altar, onde são mortos os animais que são queimados em sacrifício.
30 O sacerdote molhará o dedo no sangue do animal, e o porá nas pontas do altar onde os animais são queimados, e derramará o resto do sangue na base do altar.
31 Depois ele tirará toda a gordura do animal e queimará essa gordura no altar, como costuma fazer com a oferta de paz. O cheiro dessa oferta é agradável a Deus, o SENHOR. Assim, o sacerdote oferecerá o sacrifício para conseguir o perdão de pecados, e a pessoa será perdoada.
32 Se uma pessoa trouxer uma ovelha como oferta para tirar o seu pecado, o animal deverá ser sem defeito.
33 Essa pessoa porá a mão na cabeça da ovelha e no lado norte do altar, onde são mortos os animais que são queimados, ela matará a ovelha como um sacrifício para tirar o seu pecado.
34 O sacerdote molhará o dedo no sangue da ovelha, e o porá nas pontas do altar onde os animais são queimados, e derramará o resto do sangue na base do altar.
35 Como costuma fazer com a oferta de paz, o sacerdote tirará toda a gordura da ovelha e queimará essa gordura no altar, em cima das ofertas que foram queimadas em sacrifício a Deus, o SENHOR. Assim, o sacerdote oferecerá o sacrifício para conseguir o perdão de pecados, e a pessoa será perdoada.

Levítico – Capítulo 9

1 Passaram os sete dias da ordenação, e no dia seguinte Moisés chamou Arão e os seus filhos, e as autoridades do povo de Israel
2 e disse a Arão: - Pegue dois animais sem defeito, isto é, um bezerro para ser morto como oferta para tirar pecados e um carneiro para ser oferecido como um sacrifício que é completamente queimado, e apresente-os a Deus, o SENHOR.
3 Depois mande o povo pegar os seguintes animais: um bode para ser sacrificado como oferta para tirar pecados; um bezerro e um carneirinho, os dois de um ano e sem defeito, para serem sacrificados como uma oferta que é completamente queimada;
4 e também um touro e um carneiro para serem sacrificados como oferta de paz. Mande que eles sacrifiquem esses animais ao SENHOR, junto com a oferta de cereais misturada com azeite. Eles precisam fazer isso porque o SENHOR vai aparecer a eles hoje.
5 O povo trouxe até a entrada da Tenda Sagrada tudo o que Moisés havia mandado, e todos se reuniram ali na presença de Deus, o SENHOR.
6 Moisés disse: - O SENHOR Deus mandou que vocês fizessem isso a fim de que a glória dele apareça a vocês.
7 Depois Moisés disse a Arão: - Vá até o altar e ofereça o sacrifício para tirar pecados e o sacrifício que é completamente queimado, a fim de que Deus perdoe os seus pecados e os da sua família. Pois foi isso o que o SENHOR mandou fazer.
8 Arão chegou perto do altar e matou o bezerro como sacrifício para tirar o seu próprio pecado.
9 Os seus filhos levaram o sangue do animal para ele. Ele molhou o dedo no sangue, pôs nas quatro pontas do altar e derramou o resto do sangue na base do altar.
10 Depois queimou no altar a gordura, os rins e a melhor parte do fígado, conforme o SENHOR havia ordenado a Moisés.
11 E num lugar fora do acampamento Arão queimou a carne e o couro do animal.
12 Em seguida Arão matou o carneiro para a oferta que ia ser completamente queimada. Os seus filhos lhe levaram o sangue do animal, e ele o borrifou nos quatro lados do altar.
13 Depois lhe entregaram a cabeça e as outras partes do animal, e ele as queimou no altar.
14 Então lavou os miúdos e as pernas do carneiro e os queimou também, em cima do resto da oferta queimada.
15 Depois Arão apresentou as ofertas do povo. Pegou primeiro o bode do sacrifício para tirar o pecado do povo, matou-o e ofereceu a Deus, como tinha feito com a oferta para tirar o seu próprio pecado.
16 Em seguida pegou o animal que ia ser morto para a oferta que é completamente queimada e o ofereceu a Deus, conforme mandava a lei.
17 Apresentou a oferta de cereais, pegou um punhado de farinha e queimou no altar (Isso ele ofereceu além da oferta que era completamente queimada todas as manhãs.).
18 Arão matou o touro e o carneiro a serem apresentados como a oferta de paz do povo. Os filhos lhe levaram o sangue, e ele o borrifou nos quatro lados do altar.
19 Eles lhe levaram também a gordura dos dois animais, o rabo, a gordura que cobre os miúdos, os rins e a melhor parte dos fígados,
20 e Arão colocou tudo isso em cima do peito dos animais e levou ao altar. Queimou a gordura no altar,
21 mas o peito e as coxas direitas dos animais Arão apresentou a Deus, o SENHOR, como uma oferta especial reservada para os sacerdotes, conforme Moisés tinha mandado.
22 Depois que Arão ofereceu todos esses sacrifícios, ele estendeu as mãos sobre o povo, e o abençoou, e então desceu os degraus do altar.
23 Ele e Moisés entraram na Tenda Sagrada; quando saíram para abençoar o povo, a glória do SENHOR apareceu a todo o povo.
24 De repente, saiu fogo da presença de Deus, o SENHOR, e devorou a oferta queimada e a gordura que estavam no altar. Ao verem isso, os israelitas deram gritos de alegria, ajoelharam-se e encostaram o rosto no chão.

Levítico – Capítulo 14

1 O SENHOR Deus deu a Moisés
2 as seguintes leis a respeito da cerimônia de purificação das pessoas que sararam de doenças contagiosas da pele: A pessoa será levada ao sacerdote,
3 e este sairá com ela do acampamento e a examinará. Se a pessoa tiver sarado,
4 o sacerdote mandará trazer duas aves puras, um pedaço de madeira de cedro, lã tingida de vermelho e um galho de hissopo.
5 O sacerdote mandará que matem uma das aves em cima de um pote de barro cheio de água tirada de uma fonte.
6 Depois ele pegará a outra ave, o pedaço de madeira de cedro, a lã tingida de vermelho e o hissopo e os mergulhará no sangue da ave que foi morta.
7 Em seguida borrifará com o sangue sete vezes a pessoa que está sendo purificada e declarará que ela está pura. Depois disso o sacerdote soltará no campo a ave viva.
8 Aí a pessoa deverá lavar a roupa que estiver vestindo, rapar todos os cabelos e pêlos e tomar um banho; então estará pura. Depois entrará no acampamento, mas deverá ficar sete dias fora da sua barraca.
9 No sétimo dia ela deverá rapar de novo a cabeça, a barba, as sobrancelhas e todos os outros pêlos do corpo, lavar a roupa que estiver vestindo e tomar um banho; então estará pura.
10 No dia seguinte a pessoa pegará dois carneirinhos e uma ovelhinha de um ano de idade, todos sem defeito. Para a oferta de cereais ela pegará três quilos de farinha misturada com azeite e mais um quarto de litro de azeite.
11 O sacerdote levará a pessoa e as suas ofertas até a entrada da Tenda Sagrada e ali, na presença de Deus, o SENHOR,
12 pegará um dos carneirinhos e o azeite, e os oferecerá como sacrifício para tirar culpas. É uma oferta especial ao SENHOR e pertence ao sacerdote.
13 Depois matará o carneirinho num lugar sagrado, onde são mortos os animais das ofertas para tirar culpas e das ofertas que são completamente queimadas. O sacerdote deverá fazer isso porque a oferta para tirar culpas é como a oferta para tirar pecados: é uma coisa muito sagrada e pertence ao sacerdote.
14 O sacerdote pegará um pouco do sangue do animal e com o dedo o passará na ponta da orelha direita, no dedo polegar da mão direita e no dedão do pé direito da pessoa que está sendo purificada.
15 Depois derramará uma parte do azeite na palma da sua mão esquerda,
16 molhará um dedo da mão direita no azeite e o borrifará sete vezes ali na presença do SENHOR.
17 Em seguida porá com o dedo um pouco de azeite na pessoa que está sendo purificada, nos mesmos lugares em que pôs o sangue do animal, isto é, na ponta da orelha direita, no dedo polegar da mão direita e no dedão do pé direito.
18 O resto do azeite ele derramará na cabeça da pessoa. Assim, na presença do SENHOR, o sacerdote conseguirá o perdão dos pecados daquela pessoa.
19 Depois o sacerdote oferecerá o sacrifício para tirar pecados, conseguindo com isso o perdão dos pecados da pessoa que está sendo purificada. Em seguida ele matará o animal para a oferta que vai ser completamente queimada
20 e o oferecerá no altar, junto com a oferta de cereais. Assim, o sacerdote conseguirá o perdão dos pecados daquela pessoa, e ela estará pura.
21 Se a pessoa for pobre e não puder pagar tudo, ela levará ao sacerdote um carneirinho para a oferta para tirar culpas, que é uma oferta especial dedicada ao SENHOR e que pertence ao sacerdote. Levará só um quilo de farinha misturada com azeite e mais um quarto de litro de azeite
22 e duas rolinhas ou dois pombinhos, conforme as suas posses. Uma das aves será a oferta para tirar pecados, e a outra será a oferta que vai ser completamente queimada.
23 No oitavo dia do tempo da sua purificação, a pessoa levará tudo isso até a entrada da Tenda Sagrada e entregará ao sacerdote. Então ali na presença do SENHOR
24 o sacerdote pegará o carneirinho e o azeite e os oferecerá ao SENHOR como uma oferta especial que pertence ao sacerdote.
25 Em seguida matará o carneirinho, pegará um pouco do sangue do animal e com o dedo o colocará na ponta da orelha direita, no dedo polegar da mão direita e no dedão do pé direito da pessoa que está sendo purificada.
26 Depois derramará uma parte do azeite na palma da sua mão esquerda
27 e com um dedo da mão direita borrifará o azeite sete vezes ali na presença de Deus, o SENHOR.
28 Então, com o dedo, porá um pouco do azeite na pessoa que está sendo purificada, nos mesmos lugares em que pôs o sangue do animal, isto é, na ponta da orelha direita, no dedo polegar da mão direita e no dedão do pé direito.
29 O resto do azeite ele derramará na cabeça da pessoa e assim na presença do SENHOR conseguirá o perdão dos pecados dela.
30 Depois, conforme as posses dessa pessoa, o sacerdote oferecerá as duas rolinhas ou os dois pombinhos.
31 Uma das aves será a oferta para tirar pecados, e a outra será a oferta que vai ser completamente queimada. Assim, na presença de Deus, o SENHOR, o sacerdote conseguirá o perdão dos pecados da pessoa que está sendo purificada.
32 Esta é a lei para a purificação das pessoas que sararam de uma doença contagiosa da pele, mas que não têm recursos para comprar tudo o que a lei exige.
33 O SENHOR Deus deu a Moisés e a Arão
34 as seguintes leis a respeito de mofo nas casas. Essas leis deviam ser obedecidas depois que o povo de Israel tivesse entrado na terra de Canaã, que Deus lhes daria para ser deles. Quando Deus fizer aparecer mofo na casa de alguém,
35 o dono irá falar com o sacerdote e dirá que descobriu mofo na sua casa.
36 Antes de ir examiná-la, o sacerdote mandará que tirem tudo da casa; se não, tudo o que estiver lá dentro será considerado impuro. Depois o sacerdote irá até a casa
37 e examinará o mofo. Se houver manchas esverdeadas ou avermelhadas nas paredes, e, se parecer que entraram nas paredes,
38 então o sacerdote sairá da casa e a deixará fechada sete dias.
39 No sétimo dia ele voltará e examinará a casa de novo. Se descobrir que as manchas se espalharam pelas paredes,
40 mandará que tirem as pedras em que está o mofo e as joguem fora da cidade, num lugar impuro.
41 Mandará raspar as paredes de dentro da casa, e o reboco raspado será levado para um lugar impuro fora da cidade.
42 Depois colocarão pedras novas no lugar das que foram tiradas e rebocarão de novo a casa.
43 Se, depois de se fazer tudo isso, aparecer mofo na casa outra vez,
44 o sacerdote a examinará. Se as manchas se tiverem espalhado pelas paredes, é mofo contagioso, e a casa está impura.
45 Ela será derrubada, e as pedras, a madeira e o reboco serão levados para um lugar impuro fora da cidade.
46 Quem entrar na casa durante os sete dias em que estiver fechada ficará impuro até o pôr-do-sol.
47 E, se nesse tempo alguém se deitar na casa ou comer ali dentro, deverá lavar a roupa que estiver vestindo.
48 Mas, se o sacerdote voltar, e examinar a casa depois de rebocada, e não encontrar mofo nas paredes, ele declarará que ela está pura, pois o mofo desapareceu completamente.
49 A fim de purificar a casa, o sacerdote pegará duas aves, um pedaço de madeira de cedro, lã tingida de vermelho e um galho de hissopo
50 e matará uma das aves em cima de um pote de barro cheio de água tirada de uma fonte.
51 Depois pegará a outra ave, o pedaço de madeira de cedro, a lã tingida de vermelho e o hissopo, e os mergulhará primeiro no sangue da ave que foi morta e depois na água fresca, e borrifará a casa sete vezes.
52 Assim, ele purificará a casa com o sangue da ave, a água fresca, a ave viva, o pedaço de madeira de cedro, o hissopo e a lã tingida de vermelho.
53 Depois levará a ave viva para fora da cidade e a soltará no campo. Assim, o sacerdote fará a cerimônia de purificação, e a casa ficará pura.
54 São essas as leis para todas as doenças contagiosas da pele e da cabeça; para inchações, tumores e manchas na pele; para o mofo na roupa e nas casas.
57 Elas servem para se saber quando alguma coisa é impura ou é pura. São essas as leis para todos esses casos.

Levítico – Capítulo 26

1 O SENHOR Deus disse ao povo de Israel: - Não façam nenhum ídolo ou imagem, nem coluna sagrada ou pedra com figuras gravadas para adorar. Não adorem nenhum deles; eu, o SENHOR, sou o Deus de vocês.
2 Guardem o sábado, o meu dia, e respeitem o lugar onde sou adorado. Eu sou o SENHOR.
3 - Se vocês obedecerem às minhas leis e aos meus mandamentos, fazendo tudo o que eu ordeno,
4 eu mandarei chuva no tempo certo, a terra produzirá colheitas, e as árvores darão frutas.
5 As colheitas serão tão grandes, que vocês ainda estarão colhendo cereais quando chegar o tempo de colher uvas e estarão colhendo uvas quando chegar o tempo de semear os campos. Haverá bastante comida para todos, e vocês viverão em segurança na sua terra.
6 - Eu darei paz à terra de vocês. Todos dormirão sossegados, e ninguém os assustará, pois farei desaparecer da terra os animais selvagens e acabarei com as guerras.
7 Vocês vencerão os seus inimigos e os matarão;
8 cinco de vocês derrotarão cem deles, e cem de vocês derrotarão dez mil. Todos eles serão mortos.
9 Eu abençoarei vocês e lhes darei muitos filhos. Cumprirei as promessas da aliança que fiz com vocês.
10 As colheitas serão tão grandes, que vocês precisarão jogar fora o trigo velho para terem lugar onde guardar o novo.
11 Morarei no meio de vocês, na minha Tenda Sagrada, e nunca os abandonarei.
12 Estarei sempre com vocês; vocês serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.
13 Eu sou o SENHOR, o Deus de vocês. Eu os tirei do Egito para que vocês não fossem escravos dos egípcios. Eu os livrei da escravidão e os fiz andar de cabeça erguida.
14 - Porém, se vocês não obedecerem a todos os meus mandamentos,
15 se rejeitarem as minhas leis, se desprezarem as minhas ordens e se quebrarem a aliança que fiz com vocês,
16 então eu os castigarei. Mandarei desastres, e doenças, e febres que abalam a saúde e enfraquecem o corpo. Não adiantará nada semear os campos, pois os inimigos é que comerão as colheitas.
17 Ficarei contra vocês e deixarei que sejam derrotados pelos inimigos. Eles os dominarão, e vocês fugirão mesmo quando ninguém os perseguir.
18 - Porém, se nem assim vocês me obedecerem, mas continuarem a pecar, eu mandarei um castigo sete vezes pior.
19 Acabarei com o seu poder, de que vocês se orgulham; não mandarei chuva, e o chão ficará duro como ferro.
20 Não adiantará nada vocês trabalharem e se cansarem; os campos não produzirão colheitas, e as árvores não darão frutas.
21 - E, se ainda assim vocês teimarem em pecar, em me rejeitar e em desobedecer aos meus mandamentos, eu mandarei um castigo sete vezes pior.
22 Mandarei para o meio de vocês animais selvagens que matarão os seus filhos, acabarão com o seu gado e matarão tanta gente, que não haverá ninguém para andar pelas estradas.
23 - E, se mesmo com isso vocês não voltarem para mim, mas continuarem a me desafiar,
24 eu ficarei contra vocês e por causa dos seus pecados mandarei um castigo sete vezes pior.
25 Ordenarei que povos inimigos os ataquem; e assim vocês serão castigados por terem quebrado a aliança que fiz com vocês. E, se vocês se ajuntarem nas cidades para escaparem dos inimigos, eu farei com que vocês sejam atacados por doenças graves, e os inimigos os prenderão.
26 Por causa do meu castigo, a comida será tão pouca, que bastará um forno para dez donas de casa assarem pão, e cada pessoa receberá uma porção tão pequena de comida, que ninguém conseguirá matar a fome.
27 - E, se nem assim vocês me obedecerem, mas continuarem a me desafiar,
28 cheio de ira eu ficarei contra vocês e por causa dos seus pecados mandarei um castigo sete vezes pior.
29 Haverá tanta falta de comida, que vocês devorarão os seus próprios filhos.
30 Eu ficarei tão irado com vocês, que destruirei os lugares onde vocês adoram deuses pagãos, quebrarei os altares em que é queimado incenso e jogarei os corpos de vocês em cima dos ídolos caídos.
31 Destruirei as cidades e as deixarei em ruínas; derrubarei os seus templos e não aceitarei os sacrifícios que vocês me oferecerem.
32 Arrasarei tão completamente a terra em que vocês moram, que os inimigos que vierem morar nela ficarão espantados.
33 Eu farei com que haja guerra, e vocês serão espalhados pelas outras nações; na terra de vocês não haverá moradores, e as cidades ficarão em ruínas.
34 Assim, a terra terá os seus anos de descanso. Enquanto estiver sem moradores e vocês estiverem espalhados pelas nações estrangeiras, a terra terá os seus anos de descanso;
35 pois ela não descansou durante o tempo em que vocês moraram nela.
36 - Quanto aos que continuarem vivos em terras estrangeiras, eu farei com que eles fiquem com tanto medo, que até mesmo o som de folhas caindo no chão os fará fugir; fugirão como se viessem inimigos atrás deles e cairão sem que ninguém os persiga.
37 Uns cairão em cima dos outros, como se estivessem combatendo, mesmo que não haja inimigos por perto. E, quando os inimigos chegarem, vocês não terão forças para lutar contra eles.
38 Vocês morrerão em terras estrangeiras e ali serão sepultados.
39 Os que ficarem vivos naquelas terras serão finalmente destruídos pelos seus próprios pecados e pelos pecados dos seus antepassados.
40 - Mas os descendentes de vocês confessarão os seus pecados e também os pecados dos seus antepassados, isto é, daqueles que foram infiéis a mim e desobedeceram às minhas ordens,
41 fazendo com que eu ficasse contra eles e os espalhasse pelos países dos seus inimigos. Portanto, se eles se arrependerem das suas idéias e dos seus costumes pagãos e se aceitarem o castigo pelos seus pecados,
42 então eu lembrarei das alianças que fiz com Jacó e com Isaque e com Abraão e lembrarei também da Terra Prometida.
43 - Mas, enquanto os descendentes de vocês estiverem espalhados por terras estrangeiras, a Terra Prometida ficará deserta e terá os seus anos de descanso. Os seus descendentes desobedeceram às minhas leis e desprezaram os meus mandamentos; por isso pagarão pelos seus pecados.
44 Mas, mesmo quando estiverem em terras estrangeiras, eu não os abandonarei, nem os destruirei, pois não quebrarei a aliança que fiz com eles. Eu sou o SENHOR, o Deus deles.
45 Pelo contrário, eu lembrarei da aliança que fiz com os seus antepassados, quando os tirei do Egito a fim de ser o seu Deus, mostrando assim o meu poder às outras nações. Eu sou Deus, o SENHOR.
46 São esses os mandamentos, as leis e as ordens que o SENHOR Deus deu aos israelitas por meio de Moisés, no monte Sinai.

Levítico – Capítulo 27

1 O SENHOR Deus deu a Moisés
2 as seguintes leis para o povo de Israel: Quando uma pessoa que foi separada para o serviço do SENHOR Deus quiser ficar livre do seu compromisso, ela pagará um preço certo,
3 de acordo com a tabela oficial. Os homens de vinte a sessenta anos de idade pagarão cinqüenta barras de prata,
4 e as mulheres da mesma idade pagarão trinta.
5 Os jovens de cinco a vinte anos de idade pagarão vinte barras de prata, e as jovens pagarão dez.
6 Os meninos de um mês a cinco anos pagarão cinco barras de prata, e as meninas pagarão três.
7 Os homens de sessenta anos para cima pagarão quinze barras de prata, e as mulheres pagarão dez.
8 Se a pessoa for pobre e não puder pagar a quantia marcada, ela irá falar com o sacerdote, e ele cobrará o que a pessoa puder pagar.
9 Quando alguém promete a Deus, o SENHOR, um animal que pode ser oferecido em sacrifício, esse animal é considerado sagrado
10 e não poderá ser trocado por outro, seja melhor ou pior. Mas, se houver troca, então os dois animais pertencem ao SENHOR.
11 Se o animal for impuro, isto é, um dos animais que o SENHOR não aceita, então o dono o levará ao sacerdote
12 para que ele veja quanto vale. O sacerdote dará o preço de acordo com a condição do animal.
13 Se o dono quiser tornar a comprar o animal, ele pagará o preço, mais um quinto.
14 Quando alguém dedicar a sua casa a Deus, o SENHOR, o sacerdote fará a avaliação da casa de acordo com a sua condição e dará o preço.
15 Se o dono quiser tornar a comprar a casa, pagará o preço, mais um quinto.
16 Se alguém oferecer para o serviço de Deus, o SENHOR, uma parte dos terrenos que recebeu do pai, o sacerdote fará a avaliação do terreno de acordo com a quantidade de sementes necessária para semeá-lo, na base de cinqüenta barras de prata por cem quilos de cevada.
17 Se ele dedicar o terreno a Deus no Ano da Libertação, o terreno valerá o preço máximo;
18 mas, se for depois do Ano da Libertação, o sacerdote calculará o seu valor, tendo como base os anos que ainda faltarem para o seguinte Ano da Libertação, e assim o preço será mais baixo.
19 Se o dono do terreno quiser tornar a comprá-lo, ele pagará o preço calculado, mais um quinto.
20 Mas, se não quiser tornar a comprá-lo ou se outra pessoa o comprar, ele perderá o direito de tornar a comprá-lo.
21 No Ano da Libertação, quando o terreno ficar livre, ele será oferecido para o serviço de Deus, o SENHOR; é um terreno sagrado que pertence aos sacerdotes.
22 Se alguém oferecer para o serviço de Deus, o SENHOR, um terreno que comprou,
23 o sacerdote calculará o valor do terreno, tendo como base os anos que ainda faltarem para o Ano da Libertação. Nesse mesmo dia o homem pagará o preço total e oferecerá o dinheiro para o serviço do SENHOR.
24 No seguinte Ano da Libertação o terreno voltará a pertencer ao seu dono, isto é, ao homem que o recebeu como herança.
25 Todos os preços serão calculados de acordo com a tabela oficial; a barra padrão, o siclo, vale vinte geras.
26 A primeira cria das vacas, ovelhas ou cabras pertence a Deus, o SENHOR. Portanto, ninguém poderá oferecê-la ao SENHOR, pois já pertence a ele.
27 Mas a primeira cria de um animal impuro poderá ser comprada de novo; deverá ser pago o preço da tabela, mais um quinto. Se não for comprada de novo, a cria poderá ser vendida pelo preço da tabela.
28 Ninguém poderá vender ou tornar a comprar uma coisa, seja pessoa, animal ou terreno, que tiver sido dedicada para ser usada somente no serviço de Deus, o SENHOR. É uma coisa sagrada e pertence completamente ao SENHOR.
29 Nem mesmo uma pessoa que tenha sido dedicada assim poderá ser comprada de novo; ela será morta.
30 A décima parte das colheitas, tanto dos cereais como das frutas, pertence a Deus, o SENHOR, e será dada a ele.
31 Se o dono quiser tornar a comprar alguma porção dessa décima parte, pagará o preço marcado, mais um quinto.
32 De cada dez animais domésticos um pertence a Deus, o SENHOR. Quando o dono contar o seu gado e as suas ovelhas e cabras, cada décimo animal pertencerá ao SENHOR,
33 qualquer que seja a condição do animal. O dono não poderá trocar um animal por outro. Mas, se houver troca, então os dois animais pertencem ao SENHOR e não poderão ser comprados de novo.
34 Foram esses os mandamentos que o SENHOR Deus deu a Moisés, no monte Sinai, para o povo de Israel.

Números – Capítulo 11

1 Por estarem passando por muitas dificuldades, os israelitas começaram a se queixar a Deus, o SENHOR. Quando o SENHOR ouviu as suas reclamações, ficou irado e fez cair fogo em cima deles. O fogo queimou no meio deles e destruiu uma ponta do acampamento.
2 Então o povo gritou, pedindo socorro a Moisés; Moisés orou ao SENHOR, e o fogo se apagou.
3 Aí puseram naquele lugar o nome de Taberá porque ali o fogo do SENHOR havia queimado no meio deles.
4 Havia estrangeiros viajando com os israelitas. Eles estavam com muita vontade de comer carne, e até mesmo os israelitas começaram a reclamar, dizendo: - Ah, se tivéssemos um pouco de carne para comer!
5 No Egito comíamos quanto peixe queríamos, e era de graça. E que saudades dos pepinos, dos melões, das verduras, das cebolas e dos alhos!
6 Mas agora acabaram-se as nossas forças. Não há mais nada para comer, e a única coisa que vemos é esse maná!
7 (O maná era parecido com pequenas sementes brancas, meio amareladas.
8 Ele caía durante a noite, com o orvalho. No dia seguinte de manhã, o povo ia apanhá-lo em volta do acampamento. Eles o moíam em moinhos ou o socavam em pilões, cozinhavam numa panela e faziam pães achatados que tinham gosto de pão assado com azeite.)
10 Então Moisés ouviu o choro do povo. Cada família chorava na entrada da sua barraca. O SENHOR ficou muito irado. E Moisés também ficou aborrecido
11 e disse a Deus, o SENHOR: - Por que me tens tratado tão mal? Por que estás aborrecido comigo? Por que me deste um trabalho tão pesado de dirigir todo este povo?
12 Eu não fiz este povo, nem dei à luz esta gente! Por que me pedes que faça como uma babá e os carregue no colo como criancinhas para a terra que juraste dar aos seus antepassados?
13 Onde poderia eu conseguir carne para dar a todo este povo? Eles vêm chorar perto de mim e dizem que querem comer carne.
14 Eu sozinho não posso cuidar de todo este povo; isso é demais para mim!
15 Se vais me tratar desse jeito, tem pena de mim e mata-me! Se gostas de mim, não deixes que eu continue sofrendo deste jeito!
16 O SENHOR Deus respondeu a Moisés: - Reúna para mim setenta homens, que você sabe que são líderes, entre os mais respeitados do povo de Israel; leve-os até a Tenda Sagrada e fique ali com eles.
17 Então eu descerei e falarei com você ali; tirarei uma parte do Espírito que lhe dei e darei a eles, para que o ajudem no pesado trabalho de cuidar do povo. Assim, você não precisará fazer isso sozinho.
18 Agora diga ao povo o seguinte: "Purifiquem-se para amanhã; vocês vão comer carne. O SENHOR ouviu vocês chorando e dizendo que queriam carne e que passavam bem no Egito. Por isso o SENHOR lhes dará carne, e vocês a comerão.
19 E não comerão só um dia, nem dois, nem cinco, nem dez, nem vinte,
20 mas durante um mês inteiro, até que saia pelos seus narizes, e vocês ficarem com nojo. Pois vocês rejeitaram o SENHOR, que está no meio de vocês, e se queixaram, dizendo que nunca deveriam ter saído do Egito."
21 Moisés disse: - Estou levando seiscentos mil homens, e tu dizes que vais dar a essa gente carne para comer o mês inteiro?
22 Onde haveria tantas ovelhas e vacas para matar a fim de que todos ficassem satisfeitos? Será que todos os peixes do mar juntos poderiam alimentar essa gente?
23 Porém o SENHOR Deus respondeu a Moisés: - Será que eu tenho tão pouco poder? Agora mesmo você verá se o que eu disse vai acontecer ou não.
24 Então Moisés saiu e contou ao povo o que o SENHOR tinha dito. Ele reuniu setenta líderes do povo e os pôs ao redor da Tenda.
25 Aí o SENHOR desceu na nuvem e falou com ele. Deus tirou uma parte do Espírito que tinha dado a Moisés e deu aos setenta líderes. Quando o Espírito veio sobre eles, eles começaram a falar alto como profetas; porém isso durou pouco tempo.
26 Dois dos setenta líderes ficaram no acampamento e não foram até a Tenda Sagrada. Um se chamava Eldade, e o outro, Medade. O Espírito veio sobre eles, e eles também começaram a falar alto como profetas.
27 Então um rapaz foi correndo contar que Eldade e Medade estavam profetizando no acampamento.
28 Aí Josué, filho de Num, que desde a sua mocidade era auxiliar de Moisés, foi logo dizendo: - Moisés, meu chefe, não deixe que eles façam isso!
29 Moisés respondeu: - Por que você está preocupado com os meus direitos, quando eu é que deveria estar? Eu gostaria que o SENHOR desse o seu Espírito a todo o seu povo e fizesse com que todos fossem profetas!
30 Depois Moisés e os setenta líderes do povo de Israel voltaram para o acampamento.
31 De repente, o SENHOR mandou um vento que trouxe do mar bandos de codornas. Elas caíram no acampamento e em volta, em todas as direções, a uma distância de uns trinta quilômetros; e cobriram o chão em montes de quase um metro de altura.
32 Assim, todo aquele dia, toda aquela noite e todo o dia seguinte o povo trabalhou catando codornas; ninguém juntou menos de mil quilos. E espalharam as codornas ao redor do acampamento para secar.
33 Quando ainda havia muita carne para comer, o SENHOR ficou irado com o povo e os castigou com uma terrível epidemia, que matou muita gente.
34 Por isso puseram naquele lugar o nome de Quibrote-Ataavá, que quer dizer "As Sepulturas do Desejo"; pois ali foram sepultadas as pessoas que estavam loucas de vontade de comer carne.
35 Depois os israelitas foram até Hazerote e acamparam ali.

Números – Capítulo 13

1 O SENHOR Deus disse a Moisés:
2 - Mande alguns homens para espionar a terra de Canaã, a terra que eu vou dar aos israelitas. Em cada tribo escolha um homem que seja líder.
3 Do deserto de Parã Moisés enviou os espiões, de acordo com as ordens de Deus, o SENHOR. Todos eram chefes de tribos do povo de Israel.
4 São estes os seus nomes:; Tribo, Chefe; Rúben, Samua, filho de Zacur; Simeão, Safate, filho de Hori; Judá, Calebe, filho de Jefoné; Issacar, Igal, filho de José; Efraim, Oséias, filho de Num; Benjamim, Palti, filho de Rafu; Zebulom, Gadiel, filho de Sodi; Manassés, Gadi, filho de Susi; Dã, Amiel, filho de Gemali; Aser, Setur, filho de Micael; Naftali, Nabi, filho de Vofsi; Gade, Geuel, filho de Maqui
16 São esses os nomes dos homens que Moisés mandou espionar a terra. Ele mudou o nome de Oséias, filho de Num, para Josué.
17 Quando Moisés os mandou espionar a terra de Canaã, disse a esses homens o seguinte: - Vão pela região sul e subam pelas montanhas.
18 Vejam bem que terra é essa. Vejam também se o povo que mora nela é forte ou fraco, se são poucos ou muitos.
19 Vejam se a terra onde esse povo mora é boa ou ruim, se as suas cidades têm muralhas ou não.
20 Examinem também a qualidade da terra, se é boa para plantar ou não. Vejam se há matas. Tenham coragem e tragam algumas frutas da terra (Estava na época da primeira colheita de uvas.).
21 Assim, os homens saíram e espionaram a terra desde o deserto de Zim até Reobe, perto da subida de Hamate.
22 Eles subiram pela região sul e foram até Hebrom. Ali viviam Aimã, Sesai e Talmai, descendentes de uma raça de gigantes chamados anaquins (Hebrom tinha sido construída sete anos antes de Zoã, no Egito.).
23 Depois chegaram ao vale de Escol e ali cortaram um galho de uma parreira com um cacho de uvas, que dois homens carregaram pendurado numa vara. Eles pegaram também romãs e figos
24 (Chamaram aquele lugar de "vale de Escol" por causa do cacho de uvas que eles haviam cortado ali.).
25 Depois de espionarem a terra quarenta dias,
26 eles voltaram a Cades, no deserto de Parã, onde estavam Moisés, Arão e todo o povo de Israel. E contaram a eles e a todo o povo o que tinham visto e mostraram as frutas que haviam trazido da terra.
27 Eles disseram a Moisés: - Nós fomos até a terra aonde você nos enviou. De fato, ela é boa e rica, como se pode ver por estas frutas.
28 Mas os que moram lá são fortes, e as cidades são muito grandes e têm muralhas. Além disso, vimos ali os descendentes dos gigantes.
29 Os amalequitas moram na região sul da terra. Os heteus, os jebuseus e os amorreus moram nas montanhas. Os cananeus vivem perto do mar Mediterrâneo e na beira do rio Jordão.
30 Aí o povo começou a reclamar contra Moisés, mas Calebe os fez calar e disse: - Vamos atacar agora e conquistar a terra deles; nós somos fortes e vamos conseguir isso!
31 Porém os outros que tinham ido com ele disseram: - Não. Não podemos atacar aquela gente, pois é mais forte do que nós.
32 Assim, espalharam notícias falsas entre os israelitas a respeito da terra que haviam espionado. Eles disseram: - Aquela terra não produz o suficiente nem para alimentar os seus moradores. E os homens que vimos lá são muito altos.
33 Também vimos ali gigantes, os descendentes de Anaque. Perto deles nós nos sentíamos tão pequenos como gafanhotos; e, para eles, também parecíamos gafanhotos.

Números – Capítulo 14

1 Então, naquela noite, todo o povo gritou e chorou.
2 Todos os israelitas reclamaram contra Moisés e Arão e disseram: - Seria melhor se tivéssemos morrido no Egito ou mesmo neste deserto!
3 Por que será que o SENHOR Deus nos trouxe para esta terra? Nós vamos ser mortos na guerra, e as nossas mulheres e os nossos filhos vão ser presos. Seria bem melhor voltarmos para o Egito!
4 E diziam uns aos outros: - Vamos escolher outro líder e voltemos para o Egito!
5 Então Moisés e Arão se ajoelharam e encostaram o rosto no chão diante de todo o povo.
6 E Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, dois dos líderes que haviam espionado a terra, rasgaram as suas roupas em sinal de tristeza
7 e disseram ao povo: - A terra que fomos espionar é muito boa mesmo.
8 Se o SENHOR Deus nos ajudar, ele fará com que entremos nela e nos dará aquela terra, uma terra boa e rica.
9 Porém não sejam rebeldes contra o SENHOR e não tenham medo do povo daquela terra. Nós os venceremos com facilidade. O SENHOR está com a gente e derrotou os deuses que os protegiam. Portanto, não tenham medo.
10 Apesar disso o povo ameaçou matá-los a pedradas, mas, de repente, todos viram a glória do SENHOR aparecer sobre a Tenda Sagrada.
11 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Até quando este povo vai me rejeitar? Até quando não vão crer em mim, embora eu tenha feito tantos milagres entre eles?
12 Vou mandar uma epidemia para acabar com eles, porém farei com que os descendentes de você sejam um povo maior e mais forte do que eles.
13 Mas Moisés respondeu ao SENHOR: - Com o teu poder tiraste do Egito esta gente. Quando os egípcios souberem do que vais fazer com este povo,
14 eles contarão isso aos moradores desta terra. Estes já sabem que tu, ó SENHOR Deus, estás com a gente e que és visto claramente quando a tua nuvem pára sobre nós. E sabem também que vais adiante de nós numa coluna de nuvem de dia e numa coluna de fogo de noite.
15 Se matares o teu povo, as nações que ouviram falar a respeito da tua fama vão dizer
16 que mataste o teu povo no deserto porque não pudeste levá-lo para a terra que prometeste dar a ele.
17 Agora, Senhor, eu te peço que mostres o teu poder e que faças o que prometeste quando disseste:
18 "Eu, o SENHOR, tenho paciência e muita compaixão; eu perdôo a maldade e o pecado, porém não trato o culpado como se fosse inocente. Eu faço com que o castigo dos pecados dos pais caia sobre os seus descendentes, até os bisnetos e trinetos."
19 E agora eu te peço, ó Deus, que perdoes o pecado deste povo, de acordo com a tua grande misericórdia, como já tens feito desde o Egito até aqui.
20 O SENHOR Deus disse: - Já que você pediu, eu perdôo.
21 Mas, pela minha vida e pela minha presença gloriosa que enche toda a terra, juro que
22 nenhum desses homens viverá para entrar naquela terra. Eles viram a minha glória e os milagres que fiz no Egito e no deserto. No entanto dez vezes puseram à prova a minha paciência e não quiseram me obedecer.
23 Eles nunca entrarão na terra que jurei dar aos seus antepassados. Nenhum daqueles que me abandonaram verá aquela terra.
24 Mas o meu servo Calebe tem um espírito diferente e sempre tem sido fiel a mim. Por isso eu farei com que ele entre na terra que espionou, e os seus descendentes vão possuir aquela terra.
25 Agora os amalequitas e os cananeus estão morando nos vales; portanto, amanhã voltem e vão para o deserto, na direção do golfo de Ácaba.
26 O SENHOR Deus disse a Moisés e a Arão:
27 - Eu tenho ouvido as reclamações dos israelitas. Até quando vou agüentar esse povo mau, que vive reclamando contra mim?
28 Diga a essa gente o seguinte: "Juro pela minha vida que darei o que vocês me pediram. Sou eu, o SENHOR, quem está falando.
29 Vocês serão mortos, e os corpos de vocês serão espalhados pelo deserto. Vocês reclamaram contra mim, e por isso nenhum de vocês que tem vinte anos de idade ou mais entrará naquela terra.
30 Eu jurei que os faria morar lá, mas nenhum de vocês entrará naquela terra, a não ser Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num.
31 Vocês disseram que os seus filhos seriam presos, mas eu vou levar esses filhos para a terra que vocês rejeitaram, e ali será o lar deles.
32 Porém vocês morrerão, e os corpos de vocês ficarão neste deserto,
33 onde os seus filhos vão caminhar quarenta anos. Vocês foram infiéis, e por isso eles vão sofrer, até que todos vocês morram aqui.
34 Quarenta anos vocês vão sofrer por causa dos seus pecados, conforme os quarenta dias que vocês espionaram a terra, um ano para cada dia. Vocês vão saber o que é ficar contra mim.
35 É isto o que vou fazer com todo este povo mau que se revoltou contra mim: todos vocês morrerão e serão destruídos neste deserto. Eu, o SENHOR, falei."
36 Os homens que Moisés havia mandado para espionar a terra trouxeram más informações a respeito dela. E, quando voltaram, fizeram com que o povo reclamasse contra Moisés. Por isso o SENHOR fez com que fossem atacados por uma doença, e eles morreram.
38 Dos doze homens que foram espionar a terra, somente Josué e Calebe ficaram vivos.
39 Os israelitas ficaram muito tristes quando Moisés contou o que o SENHOR tinha dito.
40 De manhã bem cedo, começaram a entrar na região montanhosa. Eles diziam: - Agora estamos prontos para ir até o lugar que o SENHOR nos havia prometido. De fato, nós pecamos.
41 Porém Moisés respondeu: - Então por que vocês estão querendo desobedecer à ordem de Deus, o SENHOR? Isso não vai dar certo.
42 Não entrem na região montanhosa. O SENHOR não está com vocês, e os seus inimigos vão derrotá-los.
43 Os amalequitas e os cananeus estão ali para enfrentá-los e matá-los na batalha. O SENHOR não estará com vocês, pois vocês o abandonaram.
44 Mesmo assim os israelitas teimaram em querer entrar na região montanhosa, mas nem a arca da aliança de Deus, o SENHOR, nem Moisés saíram do acampamento.
45 Então os amalequitas e os cananeus que moravam naquela região montanhosa atacaram, e derrotaram os israelitas, e os perseguiram até Horma.

Números – Capítulo 15

1 O SENHOR Deus deu a Moisés
2 as seguintes ordens, que deveriam ser obedecidas quando os israelitas entrassem na terra que ele ia dar para eles.
3 Um touro, ou um carneiro, ou uma ovelha, ou um cabrito poderão ser apresentados ao SENHOR como oferta que será completamente queimada, ou como sacrifício para pagar uma promessa, ou ainda como oferta feita por vontade própria, ou como oferta que será entregue nas festas religiosas nos dias marcados. O cheiro dessas ofertas é agradável ao SENHOR.
4 Aquele que apresentar ao SENHOR uma ovelha ou um cabrito como oferta para ser completamente queimada deverá trazer também com cada animal um quilo de farinha fina misturada com um litro e um quarto de azeite e também um litro de vinho.
6 Com cada carneiro que for oferecido, será apresentada uma oferta de cereais de dois quilos de farinha fina misturada com um litro de azeite, e será trazido também
7 um litro e um quarto de vinho. O cheiro desses sacrifícios é agradável ao SENHOR.
8 Quando vocês oferecerem um touro novo como oferta que será completamente queimada, ou como oferta especial para pagar uma promessa, ou, ainda, como oferta de paz,
9 deverão apresentar também com o touro uma oferta de cereais de três quilos de farinha fina misturada com um litro e três quartos de azeite
10 e também um litro e três quartos de vinho. O cheiro desse sacrifício é agradável a Deus, o SENHOR.
11 É assim que se deverá fazer com todos os touros, carneiros, ovelhas e cabritos.
12 Quando for oferecido mais do que um animal, as ofertas que vêm junto com eles deverão ser aumentadas de acordo com o número dos animais.
13 Todos os israelitas farão isso quando trouxerem as ofertas de alimento que têm um cheiro agradável ao SENHOR.
14 No caso dos estrangeiros que estiverem morando com vocês, seja só por algum tempo, seja para sempre, eles farão o mesmo que vocês quando eles apresentarem a Deus, o SENHOR, uma oferta de alimento, que tem um cheiro agradável a Deus.
15 A mesma lei será para vocês e para os estrangeiros que moram com vocês. Esta é uma lei que valerá para sempre para os seus descendentes. Diante do SENHOR a lei será a mesma tanto para vocês como para os estrangeiros.
16 A mesma lei e o mesmo regulamento serão para vocês e para eles.
17 O SENHOR Deus deu a Moisés
18 as seguintes ordens, que deveriam ser obedecidas quando os israelitas entrassem na terra que ele ia dar para eles.
19 Quando vocês comerem o alimento que a terra produz, deverão separar uma parte como oferta especial para o SENHOR.
20 Quando vocês fizerem pão, o primeiro pão feito da farinha nova deverá ser apresentado a Deus como oferta especial.
21 Vocês e os seus descendentes darão ao SENHOR essa oferta especial de pão.
22 Pode acontecer que alguém, sem querer, peque e desobedeça a algum desses mandamentos que o SENHOR deu a Moisés.
23 Nesses casos, começando no dia em que o SENHOR deu todos esses mandamentos a Moisés e por todas as gerações futuras, deverá ser feito o seguinte:
24 Se por ignorância o povo cometer um pecado, então apresentará um touro novo, que será completamente queimado como sacrifício de cheiro agradável ao SENHOR, e também as ofertas de cereais e de vinho. Também deverá ser oferecido um bode para tirar o pecado.
25 O sacerdote apresentará o sacrifício em favor de todos os israelitas, para conseguir o perdão dos pecados deles, e eles serão perdoados; pois, sem quererem, cometeram um pecado e apresentaram ao SENHOR uma oferta para tirar o pecado e também uma oferta de alimento.
26 Todos os israelitas e os estrangeiros que moram no meio de vocês serão perdoados, pois foi um erro que todo o povo cometeu sem querer.
27 Se alguma pessoa pecar sem querer, oferecerá uma cabra de um ano como oferta para tirar o pecado.
28 O sacerdote apresentará no altar o sacrifício para conseguir o perdão do pecado que essa pessoa cometeu sem querer, e ela será perdoada.
29 A lei é a mesma para quem pecar sem querer, tanto para os israelitas como para os estrangeiros que moram no meio de vocês.
30 Mas quem pecar de propósito, tanto o israelita de nascimento como o estrangeiro, será culpado de ofender a Deus, o SENHOR. Essa pessoa será morta,
31 pois rejeitou o que o SENHOR disse e desobedeceu ao seu mandamento porque quis. Essa pessoa será responsável pela sua própria morte.
32 Quando os israelitas ainda estavam no deserto, encontraram um homem catando lenha no sábado.
33 Os que o viram fazendo isso o levaram até o lugar onde estavam Moisés, Arão e todo o povo.
34 Depois puseram alguns homens para guardá-lo, pois ainda não sabiam o que fazer com ele.
35 Aí o SENHOR Deus disse a Moisés: - Esse homem deve ser morto; que todo o povo o mate a pedradas fora do acampamento!
36 Então, como o SENHOR havia ordenado a Moisés, levaram o homem para fora do acampamento, e todo o povo atirou pedras nele até que ele morreu.
37 O SENHOR Deus disse a Moisés:
38 - Diga aos israelitas que eles e os seus descendentes ponham pingentes nas pontas das suas capas; e em cada pingente ponham um cordão azul.
39 Quando vocês virem esses pingentes, lembrarão de todos os mandamentos do SENHOR. E também praticarão esses mandamentos e não serão infiéis, seguindo os desejos do coração de vocês e dos seus olhos.
40 Os pingentes farão com que vocês lembrem de todos os meus mandamentos e os sigam em tudo. Assim, vocês serão um povo separado só para mim.
41 Eu sou o SENHOR, o Deus que os tirou do Egito para ser o Deus de vocês. Eu sou o SENHOR, o Deus de vocês.

Números – Capítulo 16

1 Corá, filho de Isar, do grupo de famílias levitas de Coate, teve o atrevimento de se revoltar contra Moisés. Ele se juntou com três homens da tribo de Rúben. Dois deles eram filhos de Eliabe e se chamavam Datã e Abirão; o outro era Om, filho de Pelete. E Corá também chamou mais duzentos e cinqüenta israelitas de fama, que eram líderes escolhidos pelo povo.
3 Eles foram juntos falar com Moisés e Arão e disseram: - Agora chega! Todo o povo pertence a Deus, o SENHOR. Cada um deles é de Deus, e o SENHOR está no meio deles. Então por que vocês querem mandar no povo de Deus?
4 Quando Moisés ouviu isso, ajoelhou-se, encostou o rosto no chão
5 e disse o seguinte a Corá e a todos os seus seguidores: - Amanhã cedo o SENHOR Deus nos mostrará quem é dele e quem foi separado para o seu serviço. Deus fará com que chegue até o seu altar aquele a quem ele escolheu.
6 Amanhã cedo vocês e os seus seguidores pegarão os queimadores de incenso, colocarão brasas e incenso neles e os levarão para o altar. Então veremos qual de nós o SENHOR escolheu. E agora chega, levitas!
8 Moisés disse também a Corá: - Agora escutem, levitas!
9 O Deus de Israel os separou do resto do povo para poderem chegar perto dele, para fazerem o seu serviço na Tenda do SENHOR e para realizarem as cerimônias em favor do povo. Será que isso não basta para vocês?
10 Deus deu a você e a todos os outros levitas esse privilégio, e agora vocês estão querendo também ser sacerdotes?
11 Quando vocês reclamam contra Arão, na verdade é contra o SENHOR que você e os seus seguidores estão se revoltando.
12 Então Moisés mandou chamar Datã e Abirão, filhos de Eliabe, mas eles responderam aos mensageiros: - Nós não vamos!
13 Será que não basta você nos ter tirado de uma terra boa e rica a fim de nos fazer morrer neste deserto? E além disso ainda quer mandar em nós?
14 Na verdade você não nos trouxe para uma terra boa e rica, nem nos deu campos e plantações de uvas para serem nossa propriedade; e ainda por cima está querendo nos enganar. Nós não vamos!
15 Então Moisés ficou muito zangado e disse a Deus, o SENHOR: - Não aceites as ofertas desses homens. Eu nunca prejudiquei a nenhum deles, nem tirei deles nem mesmo um jumento!
16 Aí Moisés disse a Corá: - Amanhã você e os seus duzentos e cinqüenta seguidores venham até a Tenda Sagrada. Arão também estará ali.
17 Cada um de vocês pegará o seu queimador de incenso, colocará incenso nele e o levará até o altar.
18 Assim, cada homem pegou o seu queimador de incenso, pôs brasas e incenso nele, e todos ficaram na entrada da Tenda Sagrada com Moisés e Arão.
19 Então Corá reuniu todo o povo, e eles ficaram diante de Moisés e Arão na entrada da Tenda. De repente, a glória do SENHOR apareceu a todo o povo,
20 e o SENHOR disse a Moisés e a Arão:
21 - Saiam do meio dessa gente, pois eu vou acabar com eles agora mesmo.
22 Mas Moisés e Arão se ajoelharam, encostaram o rosto no chão e disseram: - Ó Deus, tu dás vida a todos. Será que por causa do pecado de uma só pessoa vais ficar irado com todo o povo?
23 Então o SENHOR respondeu a Moisés:
24 - Diga ao povo que saia de perto das barracas de Corá, Datã e Abirão.
25 Aí Moisés saiu e, junto com os líderes do povo, foi para onde estavam Datã e Abirão.
26 E Moisés disse ao povo: - Afastem-se das barracas desses homens maus e não toquem em nada que seja deles; se não, vocês também serão destruídos por causa dos pecados deles.
27 Aí o povo se afastou das barracas de Corá, Datã e Abirão. Datã e Abirão saíram e ficaram na entrada da sua barraca, com as suas mulheres e filhos.
28 Então Moisés disse ao povo: - Eu vou dizer como vocês vão ficar sabendo que não fui eu quem resolveu fazer tudo isso. Fiz todas essas coisas porque o SENHOR mandou.
29 Se estes homens tiverem morte natural como todos os outros, sem nenhum castigo de Deus, então o SENHOR não me enviou.
30 Mas, se ele fizer acontecer alguma coisa fora do comum, e se a terra se abrir e engolir essa gente com tudo o que eles têm, e eles descerem vivos para o mundo dos mortos, vocês ficarão sabendo que estes homens rejeitaram o SENHOR.
31 E aconteceu que, assim que Moisés acabou de falar, a terra se abriu debaixo deles
32 e os engoliu com as suas famílias, junto com todos os seguidores de Corá e tudo o que eles tinham.
33 Assim, desceram vivos para o mundo dos mortos, eles e tudo o que possuíam. A terra os cobriu, e eles desapareceram.
34 Ao ouvirem os gritos deles, todos os israelitas que estavam ali saíram correndo e gritando: - A terra vai engolir a gente também!
35 Então o SENHOR enviou fogo e matou os duzentos e cinqüenta homens que haviam oferecido incenso.
36 Aí o SENHOR Deus disse a Moisés:
37 - Diga a Eleazar, filho do sacerdote Arão, que pegue os queimadores de incenso do meio dos restos do incêndio e espalhe para longe as brasas que ainda estiverem neles, pois os queimadores de incenso são sagrados.
38 Eles ficaram sagrados quando foram oferecidos no altar do SENHOR. Portanto, pegue os queimadores de incenso desses homens que foram mortos por causa dos seus pecados e deles faça folhas finas de metal. E com essas folhas prepare uma cobertura para o altar. Isso será um aviso para o povo de Israel.
39 Então o sacerdote Eleazar pegou os queimadores de incenso de metal que os homens que tinham sido mortos haviam trazido e mandou que deles fossem feitas folhas de metal para cobrir o altar.
40 Conforme o SENHOR tinha dito a Moisés, isso ficou sendo um aviso para os israelitas a fim de que nenhuma pessoa que não seja descendente de Arão venha a queimar incenso diante do SENHOR e seja castigada, como aconteceu com Corá e com os seus seguidores.
41 Mas no dia seguinte todos os israelitas começaram a reclamar contra Moisés e Arão, dizendo assim: - Vocês mataram o povo de Deus, o SENHOR!
42 Depois que todos se reuniram para protestar contra Moisés e Arão, eles se viraram para a Tenda Sagrada e viram que a nuvem a estava cobrindo. Então a glória do SENHOR apareceu.
43 Moisés e Arão foram até a frente da Tenda,
44 e o SENHOR disse a Moisés:
45 - Saiam do meio desse povo, pois vou destruí-lo agora mesmo! Aí Moisés e Arão se ajoelharam e encostaram o rosto no chão.
46 E Moisés disse a Arão: - Pegue o seu queimador de incenso, ponha nele algumas brasas do altar e jogue incenso em cima delas. E vá depressa até o lugar onde o povo está e ofereça o sacrifício para conseguir o perdão dos pecados deles. Depressa! A ira do SENHOR apareceu, e já começou a epidemia!
47 Então Arão pegou o queimador de incenso, conforme Moisés havia mandado, e correu para o meio do povo. Quando viu que a epidemia já havia começado, Arão jogou o incenso nas brasas e ofereceu o sacrifício para conseguir o perdão dos pecados do povo.
48 Com isso a epidemia parou, e Arão ficou de pé entre os vivos e os mortos.
49 Naquela epidemia morreram catorze mil e setecentas pessoas, fora as que morreram na revolta de Corá.
50 Quando acabou a epidemia, Arão voltou para a entrada da Tenda, onde Moisés estava.

Números – Capítulo 19

1 O SENHOR Deus mandou que Moisés e Arão
2 dessem aos israelitas a seguinte ordem: - Tragam uma novilha vermelha sem defeito e que ainda não tenha trabalhado na lavoura
3 e entreguem ao sacerdote Eleazar. Ela deverá ser levada para fora do acampamento e será morta ali na frente dele.
4 Então Eleazar pegará o sangue e com o dedo o borrifará sete vezes na direção da entrada da Tenda Sagrada.
5 Em seguida a novilha será queimada na frente dele. Serão queimados o couro, a carne, o sangue e as tripas.
6 O sacerdote pegará um pedaço de madeira de cedro, um galho de hissopo e lã tingida de vermelho e os jogará no fogo em que a novilha estiver sendo queimada.
7 Aí ele lavará a roupa que estiver vestindo e tomará um banho e depois poderá entrar no acampamento. Mas ficará impuro até o pôr-do-sol.
8 Aquele que queimar a novilha também lavará a roupa que estiver vestindo e tomará um banho, mas ficará impuro até o pôr-do-sol.
9 Um homem que esteja puro ajuntará as cinzas da novilha e as colocará fora do acampamento, num lugar puro. Ali elas serão guardadas pelo povo de Israel para serem usadas na preparação da água que tira a impureza das pessoas. Essa cerimônia serve para tirar pecados.
10 Aquele que ajuntar as cinzas deverá lavar a roupa que estiver vestindo, mas ficará impuro até o pôr-do-sol. Essa lei será para sempre, tanto para os israelitas como para os estrangeiros que moram com vocês.
11 - Quem tocar em algum defunto ficará impuro sete dias.
12 No terceiro dia e no sétimo essa pessoa deverá se purificar com a água da purificação e ficará pura. Mas, se ela não se purificar no terceiro dia e no sétimo, não ficará pura.
13 Toda pessoa que tocar num defunto e não se purificar ficará impura porque a água da purificação não foi jogada sobre ela. Ela faz com que a Tenda de Deus, o SENHOR, fique impura. Essa pessoa não pertencerá mais ao povo de Israel.
14 - Se alguém morrer numa barraca, quem entrar nela ou estiver nela ficará impuro sete dias.
15 O pote ou jarro que estiver aberto ou destampado ficará impuro.
16 Se no campo alguém tocar numa pessoa que foi morta ou teve morte natural, ou tocar em qualquer osso de gente ou numa sepultura, ficará impuro sete dias.
17 - Para purificarem essa pessoa que ficou impura, vocês deverão pegar as cinzas da novilha vermelha que foi queimada como oferta para tirar o pecado, deverão colocá-las dentro de um pote e derramar água limpa em cima.
18 No caso de alguém ter tocado num defunto, um homem que esteja puro pegará um galho de hissopo, molhará naquela água e com ela borrifará a barraca e todas as coisas e pessoas que estiverem ali dentro. Se alguém tiver tocado em osso de gente ou numa sepultura, deverá ser borrifado com a água da purificação por uma pessoa que esteja pura.
19 No terceiro dia e no sétimo quem estiver puro borrifará água sobre a pessoa impura. No sétimo dia a pessoa ficará pura. Ela deverá lavar a roupa que estiver vestindo, e tomará um banho, e ao pôr-do-sol ficará pura.
20 - No entanto, quem estiver impuro e não se purificar ficará impuro porque a água da purificação não foi borrifada nele. Essa pessoa fez com que a Tenda do SENHOR ficasse impura e por isso essa pessoa será expulsa do meio do povo de Israel.
21 Vocês deverão obedecer a essa lei para sempre. A pessoa que borrifar a água da purificação deverá lavar a roupa que estiver vestindo. E quem tocar na água ficará impuro até o pôr-do-sol.
22 Tudo o que uma pessoa impura tocar ficará impuro; e quem tocar nessa pessoa também ficará impuro até o pôr-do-sol.

Números – Capítulo 20

1 No primeiro mês todo o povo de Israel foi para o deserto de Zim e acampou em Cades. Ali Míriam morreu e foi sepultada.
2 Naquele lugar não havia água; por isso o povo se reuniu e começou a reclamar contra Moisés e Arão.
3 Eles diziam: - Teria sido melhor se tivéssemos morrido na frente de Deus, o SENHOR, com os nossos companheiros, os outros israelitas!
4 Por que você trouxe o povo do SENHOR para este deserto? Será que foi para morrermos junto com os nossos animais?
5 Por que você nos trouxe do Egito para este lugar terrível, onde não há cereais, nem figueiras, nem parreiras, nem romãs? E além de tudo não há água para beber!
6 Então Moisés e Arão saíram dali, onde o povo estava, e foram para a porta da Tenda Sagrada. Eles se ajoelharam, encostaram o rosto no chão, e a glória do SENHOR apareceu.
7 E o SENHOR disse a Moisés:
8 - Pegue o bastão que está em frente da arca da aliança, e depois você e Arão reúnam o povo. E na frente de todos eles dêem ordem à rocha, e dela sairá água. Assim, vocês tirarão água da rocha e darão de beber ao povo e também aos animais.
9 Então, como Deus havia ordenado, Moisés pegou o bastão que estava diante de Deus, o SENHOR.
10 Moisés e Arão reuniram o povo em frente da rocha, e Moisés disse: - Agora escute, gente rebelde! Será que vamos ter de fazer sair água desta rocha para vocês?
11 Moisés levantou a mão, bateu na rocha duas vezes com o bastão, e saiu muita água. E o povo e os animais beberam.
12 Porém o SENHOR disse a Moisés e a Arão: - Vocês não tiveram fé suficiente para fazer com que o povo de Israel reconhecesse o meu santo poder e por isso vocês não vão levá-los para a terra que prometi dar a eles.
13 Isso aconteceu em Meribá, onde o povo de Israel reclamou contra Deus, o SENHOR, e onde Deus lhes deu uma prova do seu santo poder.
14 Da cidade de Cades, Moisés enviou alguns mensageiros que foram dizer ao rei de Edom o seguinte: - Esta mensagem é dos seus parentes, as tribos de Israel. O senhor conhece todas as dificuldades que temos tido
15 e sabe como os nossos antepassados foram para o Egito, onde vivemos muitos anos. Os egípcios maltrataram os nossos antepassados e a nós,
16 e por isso pedimos a Deus, o SENHOR, que nos socorresse. Ele ouviu o nosso pedido e mandou um anjo que nos tirou do Egito. Agora estamos na cidade de Cades, na fronteira do seu país.
17 Por favor, deixe-nos passar pela sua terra. Nós e o nosso gado não sairemos da estrada, nem entraremos nos campos ou nas plantações de uvas de vocês. E não beberemos água dos poços. Enquanto estivermos no seu país, ficaremos na estrada principal.
18 Porém o rei de Edom respondeu: - Nós não vamos deixar que vocês passem pelo nosso país. Se tentarem fazer isso, marcharemos contra vocês e os atacaremos.
19 Então o povo de Israel disse: - Ficaremos na estrada principal e, se nós ou os nossos animais beberem água de vocês, pagaremos o preço dela. Somente queremos passar a pé.
20 O rei de Edom respondeu: - Não. Vocês não passarão! Aí os edomitas vieram com um exército poderoso para atacar o povo de Israel.
21 Assim, os edomitas não deixaram que os israelitas passassem pelo seu país, e por isso os israelitas foram por outro caminho.
22 Todo o povo de Israel saiu da cidade de Cades e chegou até o monte Hor,
23 na fronteira de Edom. Ali o SENHOR Deus disse a Moisés e a Arão:
24 - Arão não entrará na terra que eu prometi dar aos israelitas. Ele vai morrer porque, no caso da água de Meribá, vocês se revoltaram contra as minhas ordens.
25 Traga Arão e Eleazar, o filho dele, e mande que subam o monte Hor.
26 Depois tire as roupas de Arão e vista em Eleazar. Arão vai morrer ali.
27 Moisés fez como o SENHOR havia mandado. Eles subiram o monte Hor diante de todo o povo.
28 Moisés tirou as roupas de sacerdote que Arão vestia e pôs em Eleazar. E Arão morreu bem no alto do monte. Depois Moisés e Eleazar desceram dali.
29 Quando o povo soube que Arão havia morrido, todos ficaram de luto trinta dias.

Números – Capítulo 22

1 Os israelitas partiram e acamparam nas planícies de Moabe, a leste do rio Jordão e na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.
2 Quando o rei de Moabe, Balaque, filho de Zipor, soube de tudo o que os israelitas haviam feito com os amorreus,
3 ficou apavorado com os israelitas porque eles eram muitos. De fato, o povo de Moabe ficou com muito medo dos israelitas.
4 Os moabitas disseram aos chefes dos midianitas: - Agora essa multidão vai devorar tudo ao redor de nós, como um boi que come a grama do pasto. Então o rei Balaque
5 mandou chamar Balaão, filho de Beor, que estava em Petor, perto do rio Eufrates, no território de Amave. Os mensageiros foram dizer o seguinte a Balaão: "Um povo inteiro saiu do Egito, está espalhado por toda a terra e agora veio morar perto de mim.
6 Eu lhe peço que venha logo para amaldiçoar esse povo, pois eles são mais poderosos do que eu. Talvez assim eu possa derrotá-los e expulsá-los daqui. Eu sei que, quando você abençoa alguém, esse alguém fica abençoado e, se você amaldiçoa, fica amaldiçoado."
7 Então os chefes moabitas e midianitas foram, levando consigo dinheiro para pagar as maldições. Eles chegaram ao lugar onde Balaão estava e entregaram a mensagem de Balaque.
8 Balaão respondeu o seguinte: - Fiquem aqui esta noite, e amanhã eu contarei a vocês o que o SENHOR me disser. Então os chefes moabitas ficaram com Balaão.
9 Deus veio falar com ele e perguntou: - Quem são esses homens que estão com você?
10 Balaão respondeu: - Balaque, o rei dos moabitas, me mandou dizer
11 que um povo inteiro saiu do Egito e está espalhado por toda a terra. Balaque quer que eu vá agora mesmo e amaldiçoe essa gente, para ver se assim pode derrotá-los e expulsá-los.
12 Deus disse a Balaão: - Não vá com eles, nem amaldiçoe o povo de Israel, pois é um povo abençoado.
13 De manhã Balaão se levantou e disse aos chefes que Balaque tinha enviado: - Voltem para a sua terra, pois o SENHOR não está deixando que eu vá com vocês.
14 Então eles voltaram e foram falar com Balaque. E disseram: - Balaão não quis vir com a gente.
15 Aí Balaque mandou-lhe outros chefes, mais numerosos e mais importantes do que os primeiros.
16 Eles foram falar com Balaão e disseram: - Eu, Balaque, filho de Zipor, peço-lhe que venha logo até aqui!
17 Como pagamento eu lhe darei muitas riquezas e tudo o mais que você quiser. Por favor, venha e me faça o favor de amaldiçoar este povo.
18 Balaão respondeu: - Mesmo que Balaque me desse todo o ouro e toda a prata do seu palácio, eu não poderia fazer coisa alguma, grande ou pequena, que fosse contra as ordens do SENHOR, meu Deus.
19 Mas agora peço que vocês também fiquem aqui esta noite para que eu possa saber se o SENHOR tem mais alguma coisa para me dizer.
20 Durante a noite o SENHOR Deus apareceu a Balaão e disse: - Já que esses homens vieram chamá-lo, apronte-se e vá com eles. Mas faça apenas o que eu disser.
21 Portanto, no dia seguinte Balaão se aprontou, pôs os arreios na sua jumenta e foi com os chefes moabitas.
22 Deus ficou irado porque Balaão foi. Balaão ia montado na sua jumenta, e dois dos seus empregados o acompanhavam. De repente, o Anjo do SENHOR se pôs na frente dele no caminho, para barrar a sua passagem.
23 Quando a jumenta viu o Anjo parado no caminho, com a sua espada na mão, saiu da estrada e foi para o campo. Aí Balaão bateu na jumenta e a trouxe de novo para a estrada.
24 Então o Anjo do SENHOR ficou numa parte estreita do caminho, entre duas plantações de uvas, onde havia um muro de pedra de cada lado.
25 Quando a jumenta viu o Anjo, ela se encostou no muro, apertando o pé de Balaão. Por isso Balaão bateu de novo na jumenta.
26 Depois o Anjo do SENHOR foi adiante e ficou num lugar mais estreito ainda, onde não havia jeito de se desviar nem para a direita nem para a esquerda.
27 A jumenta viu o Anjo e se deitou no chão. Balaão ficou com tanta raiva, que surrou a jumenta com a vara.
28 Aí o SENHOR fez a jumenta falar, e ela disse a Balaão: - O que foi que eu fiz contra você? Por que é que você já me bateu três vezes?
29 Ele respondeu: - Foi porque você caçoou de mim. Se eu tivesse uma espada na mão, mataria você agora mesmo!
30 Então a jumenta disse a Balaão: - Por acaso não sou a sua jumenta, em que você tem montado toda a sua vida? Será que tenho o costume de fazer isso com você? - Não - respondeu ele.
31 Aí o SENHOR Deus fez com que Balaão visse o Anjo, que estava no caminho com a espada na mão. Balaão se ajoelhou e encostou o rosto no chão.
32 O Anjo do SENHOR disse: - Por que você bateu três vezes na jumenta? Eu é que vim como se fosse seu inimigo, para fazer você voltar, pois você não devia estar fazendo esta viagem.
33 Mas a sua jumenta me viu e se desviou três vezes de mim. Se ela não tivesse feito isso, eu já teria matado você, e ela teria ficado viva.
34 Então Balaão disse ao Anjo: - Eu pequei. Não sabia que o senhor estava no caminho para me fazer parar. Porém, se agora o senhor acha que não devo continuar a viagem, eu voltarei para casa.
35 O Anjo respondeu: - Vá com esses homens; mas você falará somente aquilo que eu lhe disser. Assim, Balaão foi com os chefes enviados por Balaque.
36 Quando Balaque soube que Balaão estava chegando, foi encontrar-se com ele em Ar, uma cidade que fica na beira do rio Arnom, na fronteira de Moabe.
37 Balaque perguntou: - Por que você não quis vir quando mandei chamá-lo da primeira vez? Será que você estava pensando que eu não poderia lhe pagar bem?
38 Balaão respondeu: - Mas eu estou aqui com o senhor, não é? Porém não posso dizer nada por minha própria conta; só posso dizer o que Deus ordenar e nada mais.
39 Assim, Balaão foi com Balaque para a cidade de Huzote,
40 onde Balaque ofereceu em sacrifício touros e ovelhas e deu uma parte da carne a Balaão e aos chefes que estavam com ele.
41 No dia seguinte de manhã, Balaque levou Balaão a Bamote-Baal, de onde Balaão podia ver uma parte do povo de Israel.

Números – Capítulo 23

1 Então Balaão disse a Balaque: - Construa aqui sete altares e prepare para mim sete touros novos e sete carneiros.
2 Balaque fez como Balaão tinha dito, e os dois ofereceram em sacrifício um touro novo e um carneiro em cada altar.
3 Aí Balaão disse a Balaque: - Fique aí perto da sua oferta queimada, que eu vou até ali. Talvez o SENHOR venha encontrar-se comigo, e eu direi a você tudo o que ele me ordenar. Depois Balaão subiu sozinho até o alto de um monte.
4 Ali Deus se encontrou com Balaão, e este lhe disse: - Construí sete altares e sobre cada um ofereci um touro novo e um carneiro.
5 O SENHOR Deus disse a Balaão o que ele deveria dizer e o mandou voltar e entregar a mensagem a Balaque.
6 Assim, Balaão voltou e encontrou Balaque ainda perto da sua oferta queimada, ele junto com os chefes moabitas.
7 Aí Balaão fez esta profecia: "Balaque, rei de Moabe, me fez vir da Síria; das montanhas do Leste ele me mandou chamar. 'Venha - ele me disse - e me faça o favor de amaldiçoar o povo de Israel! Sim, amaldiçoe os israelitas!'
8 Como posso amaldiçoar aquele que Deus não amaldiçoou? Como posso condenar aquele que o SENHOR não condenou?
9 Do alto das rochas, na montanha, eu vejo o povo de Israel. Eles vivem sozinhos e acham que são diferentes dos outros povos.
10 Os descendentes de Jacó são como a poeira; são tantos, que não podem ser contados. Gostaria de terminar a minha vida como alguém que pertence ao povo de Deus; quero morrer em paz como as pessoas honestas."
11 Então Balaque disse a Balaão: - O que foi que você me fez? Eu o mandei chamar para amaldiçoar os meus inimigos, mas você somente os abençoou.
12 E ele respondeu: - Eu posso dizer apenas aquilo que o SENHOR me ordena.
13 Aí Balaque disse a Balaão: - Venha comigo para outro lugar, de onde você poderá ver somente alguns israelitas. Amaldiçoe dali essa gente, por favor.
14 Balaque o levou até o campo de Zofim, no alto do monte Pisga. Ali construiu sete altares e em cima de cada altar ofereceu em sacrifício um touro novo e um carneiro.
15 Então Balaão disse a Balaque: - Fique aqui perto da sua oferta queimada, e eu irei até ali para me encontrar com Deus, o SENHOR.
16 O SENHOR se encontrou com Balaão e disse o que ele deveria dizer e o mandou voltar até o lugar onde Balaque estava, a fim de entregar-lhe a mensagem.
17 Assim, Balaão voltou e encontrou Balaque ainda perto da sua oferta queimada, ele junto com os chefes moabitas. Balaque perguntou o que o SENHOR lhe tinha dito,
18 e Balaão fez esta profecia: "Venha, Balaque, filho de Zipor, e escute o que vou dizer.
19 Deus não é como os homens, que mentem; não é um ser humano, que muda de idéia. Quando foi que Deus prometeu e não cumpriu? Ele diz que faz e faz mesmo.
20 Recebi ordem para abençoar; ele abençoou, e eu não posso mudar nada.
21 Vejo que no futuro do povo de Israel não há desgraça nem sofrimentos. O SENHOR, seu Deus, está com eles, e o povo está gritando que o SENHOR é o seu Rei.
22 Deus os tirou do Egito; ele tem a força de um touro selvagem.
23 A feitiçaria e a adivinhação não valem nada contra o povo de Israel. Agora todos dirão a respeito desse povo: 'Vejam só o que Deus tem feito!'
24 Israel se levanta como uma leoa e se firma como um leão. Ele não descansa até que tenha devorado a presa e bebido o sangue das suas vítimas."
25 Então Balaque disse a Balaão: - Se você não pode amaldiçoar o povo de Israel, pelo menos não o abençoe.
26 Balaão respondeu: - Eu já não disse que só posso fazer o que o SENHOR ordenar?
27 Então Balaque disse a Balaão: - Venha comigo, que eu vou levá-lo a outro lugar. Talvez Deus queira que de lá você amaldiçoe os israelitas.
28 Aí Balaque levou Balaão até o alto do monte Peor, no lado que dá para o deserto.
29 Balaão disse a Balaque: - Construa para mim aqui sete altares e me prepare sete touros novos e sete carneiros.
30 Balaque fez como Balaão havia ordenado e ofereceu em sacrifício um touro novo e um carneiro em cada altar.

Números – Capítulo 24

1 Desta vez Balaão viu que o SENHOR queria mesmo que ele abençoasse o povo de Israel. Por isso não foi, como antes, procurar sinais para saber qual era a vontade de Deus. Pelo contrário, ele se virou para o deserto
2 e viu o povo de Israel acampado tribo por tribo. O Espírito de Deus tomou conta de Balaão,
3 e ele fez esta profecia: "Esta é a mensagem de Balaão, filho de Beor, são estas as palavras do homem que pode ver claramente
4 e que pode ouvir o que Deus está dizendo. Eu caio, os meus olhos se abrem, e eu tenho uma visão do Deus Todo-Poderoso.
5 Como é bonito o acampamento do povo de Israel! Como são belas as suas barracas!
6 Elas parecem filas de palmeiras, são como jardins na beira dos rios, como aloés plantados por Deus, o SENHOR, ou como cedros perto das águas.
7 Israel terá muita água para beber e para regar as suas sementeiras. O seu rei será mais poderoso do que Agague, e o seu reino será famoso.
8 Deus tirou os israelitas do Egito e luta por eles como um touro selvagem. Eles devoram as nações inimigas, quebram os ossos dos seus soldados e os matam com as suas flechas.
9 Israel é como um leão poderoso: quando está dormindo, ninguém tem coragem para acordá-lo. Quem abençoar o povo de Israel será abençoado; e quem o amaldiçoar será amaldiçoado."
10 Aí Balaque ficou com muita raiva de Balaão. Com uma das mãos deu um soco na outra em sinal de ódio e disse: - Eu o chamei para amaldiçoar os meus inimigos, mas nestas três vezes você só os abençoou.
11 Agora vá embora para a sua casa. Prometi pagar bem a você, porém o SENHOR Deus não está deixando que você receba o pagamento.
12 Então Balaão respondeu: - Eu disse aos seus mensageiros que,
13 mesmo que você me desse toda a sua prata e todo o seu ouro, eu não poderia desobedecer à ordem de Deus, o SENHOR. Eu disse que não faria nada por minha própria conta e somente diria aquilo que o SENHOR me ordenasse.
14 Balaão disse a Balaque: - Agora vou voltar para o meu próprio povo; mas, antes de ir, quero avisá-lo do que os israelitas vão fazer com o seu povo no futuro.
15 Então ele fez esta profecia: "Esta é a mensagem de Balaão, filho de Beor, são estas as palavras do homem que pode ver claramente,
16 que pode ouvir o que Deus está dizendo e receber o conhecimento que vem do Altíssimo. Eu caio, os meus olhos se abrem, e eu tenho uma visão do Deus Todo-Poderoso.
17 Olho para o futuro e vejo o povo de Israel. Um rei, como uma estrela brilhante, vai aparecer naquela nação; como um cometa ele virá de Israel. Ele derrotará os chefes dos moabitas e acabará com esse povo orgulhoso.
18 Ele conquistará os inimigos de Israel, os edomitas, e fará que a terra deles seja sua propriedade. O povo de Israel mostrará a sua força.
19 Dos descendentes de Jacó sairá o dominador que acabará com os que ficarem com vida nas cidades."
20 Aí, em sua visão, Balaão viu os amalequitas e fez esta profecia: "Amaleque era o povo mais poderoso de todos, mas no fim será destruído para sempre."
21 Balaão viu também os queneus e fez esta profecia: "O lugar onde vocês moram é seguro, o seu ninho está colocado na rocha.
22 Mas vocês serão destruídos quando a Assíria os levar como prisioneiros."
23 Balaão fez mais esta profecia: "Quem são estes povos reunidos no Norte?
24 De Chipre virão os inimigos nos seus navios; eles conquistarão a Assíria e Héber, mas depois eles mesmos serão destruídos para sempre."
25 Depois Balaão se aprontou e voltou para casa. E Balaque também foi embora.

Números – Capítulo 26

1 Depois da epidemia, o SENHOR disse a Moisés e a Eleazar, filho do sacerdote Arão, o seguinte:
2 - Façam a contagem de todos os homens israelitas de vinte anos para cima, família por família, isto é, todos os que já têm idade para o serviço militar.
3 Moisés e Eleazar obedeceram e reuniram todos os homens com idade para prestar serviço militar. Eles se reuniram nas planícies de Moabe, na beira do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio. São estes os israelitas que saíram do Egito:
5 A tribo de Rúben (Rúben era o filho mais velho de Jacó): os grupos de famílias de Enoque, Palu,
6 Hezrom e Carmi.
7 Desses grupos de famílias foram contados quarenta e três mil setecentos e trinta homens.
8 Os descendentes de Palu eram Eliabe
9 e os seus filhos Nemuel, Datã e Abirão (Datã e Abirão foram escolhidos pelo povo. Eles se revoltaram contra Moisés e Arão e se juntaram com os seguidores de Corá, na revolta contra Deus, o SENHOR.
10 A terra se abriu e os engoliu, e eles morreram com Corá e os seus seguidores. O fogo matou duzentos e cinqüenta homens, e isso serviu como um aviso para o povo.
11 Mas os filhos de Corá não foram mortos.).
12 A tribo de Simeão: os grupos de famílias de Nemuel, Jamim, Jaquim,
13 Zera e Saul.
14 Desses grupos de famílias foram contados vinte e dois mil e duzentos homens.
15 A tribo de Gade: os grupos de famílias de Zefom, Hagui, Suni,
16 Ozni, Eri,
17 Arode e Areli.
18 Desses grupos de famílias foram contados quarenta mil e quinhentos homens.
19 A tribo de Judá: os grupos de famílias de Selá, Peres, Zera, Hezrom e Hamul (Dois filhos de Judá, isto é, Er e Onã, haviam morrido em Canaã.).
22 Desses grupos de famílias foram contados setenta e seis mil e quinhentos homens.
23 A tribo de Issacar: os grupos de famílias de Tolá, Puva,
24 Jasube e Sinrom.
25 Desses grupos de famílias foram contados sessenta e quatro mil e trezentos homens.
26 A tribo de Zebulom: os grupos de famílias de Serede, Elom e Jaleel.
27 Desses grupos de famílias foram contados sessenta mil e quinhentos homens.
28 As tribos de Manassés e Efraim, que eram filhos de José.
29 A tribo de Manassés: Maquir, filho de Manassés, era pai de Gileade, e os seguintes grupos de famílias são descendentes de Gileade:
30 os grupos de famílias de Iezer, Heleque,
31 Asriel, Siquém,
32 Semida e Héfer.
33 Zelofeade, filho de Héfer, não tinha filhos; somente filhas. Os nomes das filhas de Zelofeade eram: Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza.
34 Desses grupos de famílias foram contados cinqüenta e dois mil e setecentos homens.
35 A tribo de Efraim: os grupos de famílias de Sutela, Bequer e Taã.
36 O grupo de famílias de Erã descendia de Sutela.
37 Desses grupos de famílias foram contados trinta e dois mil e quinhentos homens. São esses os grupos de famílias descendentes de José.
38 A tribo de Benjamim: os grupos de famílias de Belá, Asbel, Airão,
39 Sufã e Hufã.
40 Os grupos de famílias de Arde e Naamã eram descendentes de Belá.
41 Desses grupos de famílias foram contados quarenta e cinco mil e seiscentos homens.
42 A tribo de Dã: o grupo de famílias de Suão,
43 que tinha sessenta e quatro mil e quatrocentos homens.
44 A tribo de Aser: os grupos de famílias de Imna, Isvi e Berias.
45 Os grupos de famílias de Héber e Malquiel são descendentes de Berias.
46 A filha de Aser se chamava Sera.
47 Desses grupos de famílias foram contados cinqüenta e três mil e quatrocentos homens.
48 A tribo de Naftali: os grupos de famílias de Jazeel, Guni,
49 Jezer e Silém.
50 Desses grupos de famílias foram contados quarenta e cinco mil e quatrocentos homens.
51 O número total dos homens israelitas era de seiscentos e um mil setecentos e trinta homens.
52 O SENHOR Deus disse a Moisés:
53 - Divida a terra entre as tribos, conforme o tamanho delas.
54 Divida por sorteio e dê as partes maiores para as tribos maiores; e as partes menores, para as tribos menores.
57 A tribo de Levi era formada pelos grupos de famílias de Gérson, Coate e Merari.
58 Os grupos de famílias de Libni, Hebrom, Mali, Musi e Corá eram descendentes de Levi. Coate era o pai de Anrão.
59 A mulher de Anrão era Joquebede, filha de Levi; ela havia nascido no Egito. Joquebede deu a Anrão dois filhos: Arão e Moisés, e uma filha, chamada Míriam.
60 Arão tinha quatro filhos: Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar.
61 Porém Nadabe e Abiú morreram quando ofereceram a Deus, o SENHOR, fogo que não era sagrado.
62 Foram contados vinte e três mil levitas do sexo masculino, de um mês de idade para cima. Eles foram contados separadamente dos outros israelitas porque não receberam nenhuma propriedade em Israel.
63 São esses os que foram contados por Moisés e pelo sacerdote Eleazar, que fizeram a contagem dos israelitas nas planícies de Moabe, na beira do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.
64 Entre esses da segunda contagem não havia nenhum dos que tinham sido contados por Moisés e pelo sacerdote Arão, quando fizeram a primeira contagem dos israelitas no deserto do Sinai.
65 O SENHOR Deus tinha dito que todos eles certamente morreriam no deserto; e todos morreram, menos Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num.

Números – Capítulo 27

1 Na tribo de Manassés havia cinco irmãs que se chamavam Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza. Eram filhas de Zelofeade e descendentes diretas de Héfer, Gileade, Maquir, Manassés e José.
2 Elas foram falar com Moisés, com o sacerdote Eleazar, com as autoridades e com todo o povo, na entrada da Tenda Sagrada. Elas disseram:
3 - O nosso pai morreu no deserto e não deixou filhos homens. Ele não estava entre os seguidores de Corá, que se revoltaram contra Deus, o SENHOR, mas morreu por causa do seu próprio pecado.
4 Não é justo que o nome do nosso pai desapareça do meio do seu grupo de famílias só porque não teve nenhum filho homem. Dê uma propriedade para nós entre os parentes do nosso pai.
5 Moisés levou o caso delas ao SENHOR,
6 e o SENHOR disse:
7 - O que as filhas de Zelofeade estão pedindo é justo. Você deve dar a elas uma propriedade entre os parentes do seu pai. A herança do pai deve passar para elas.
8 Diga ao povo de Israel que, quando um homem morrer sem deixar um filho homem, a filha deverá herdar a propriedade dele.
9 E, se não tiver filhas, então a sua propriedade deverá ser dada aos irmãos dele.
10 Porém, se ele não tiver irmãos, a sua propriedade deverá ser dada aos irmãos do seu pai.
11 Se também o pai dele não tiver irmãos, a sua propriedade deverá ser dada ao parente mais chegado da sua família, para que tome posse dela. Os israelitas devem obedecer a essa lei como eu, o SENHOR, tenho ordenado a você, Moisés.
12 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Suba esta serra de Abarim e veja a terra que estou dando aos israelitas.
13 Depois de a ter visto, você morrerá, como aconteceu com o seu irmão Arão,
14 porque vocês dois se revoltaram contra a minha ordem no deserto de Zim. Quando todo o povo se queixava contra mim em Meribá, vocês não quiseram reconhecer diante deles o meu santo poder (Meribá é uma fonte que existe em Cades, no deserto de Zim.).
15 Então Moisés disse o seguinte:
16 - Ó SENHOR Deus, que dás vida a todos, indica um homem que possa guiar o povo
17 e comandá-lo na batalha, para que a tua gente não seja como ovelhas que não têm pastor.
18 O SENHOR disse a Moisés: - Chame Josué, filho de Num, que é um homem competente, e ponha as mãos sobre ele;
19 assim, você estará dando a ele uma parte da sua autoridade, para que todo o povo de Israel obedeça a ele. Faça com que ele fique diante do sacerdote Eleazar e diante de todo o povo e ali você o apresentará como aquele que vai ficar no seu lugar.
21 Ele dependerá do sacerdote Eleazar, que lhe ensinará a minha vontade por meio do Urim e do Tumim. Deste modo Eleazar guiará Josué e todo o povo de Israel em tudo o que tiverem de fazer.
22 Moisés obedeceu à ordem de Deus, o SENHOR. Ele fez com que Josué ficasse em frente do sacerdote Eleazar e diante de todo o povo.
23 Como o SENHOR havia ordenado, Moisés pôs as mãos sobre a cabeça de Josué e o tornou o seu sucessor.

Números – Capítulo 31

1 O SENHOR Deus disse a Moisés:
2 - Mande que os israelitas se vinguem do mal que os midianitas lhes fizeram. Depois disso você vai morrer.
3 Então Moisés disse ao povo: - Preparem homens para a batalha, ataquem os midianitas e se vinguem deles pelo que fizeram contra Deus, o SENHOR.
4 Cada tribo deve mandar mil soldados para esta guerra.
5 Assim, dos milhares de israelitas foram mandados de cada tribo mil soldados armados, doze mil ao todo.
6 Moisés mandou esses soldados para a batalha, debaixo do comando de Finéias, filho do sacerdote Eleazar, que levou também os objetos sagrados e as cornetas para dar os sinais.
7 Eles atacaram os midianitas, como o SENHOR havia ordenado a Moisés, e mataram todos os homens.
8 Entre os mortos estavam Evi, Requém, Zur, Hur e Reba, os cinco reis midianitas. Também mataram à espada Balaão, filho de Beor.
9 Os israelitas levaram presas as mulheres e as crianças dos midianitas. Pegaram também as suas ovelhas e cabras, o seu gado e todos os seus bens.
10 Incendiaram todas as cidades onde os midianitas moravam e queimaram todos os acampamentos.
11 Eles pegaram o que haviam tomado dos midianitas e também os prisioneiros e os animais
12 e levaram tudo a Moisés, ao sacerdote Eleazar e ao povo de Israel, que estavam acampados nas planícies de Moabe, perto do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.
13 Moisés, o sacerdote Eleazar e todas as autoridades do povo saíram do acampamento e foram ao encontro do exército.
14 Moisés ficou muito zangado com os oficiais que haviam voltado da batalha, isto é, os comandantes dos batalhões e das companhias.
15 Moisés perguntou: - Por que vocês deixaram vivas todas as mulheres?
16 Lembrem que foram as mulheres que, seguindo os conselhos de Balaão, fizeram com que os israelitas fossem infiéis a Deus, o SENHOR, adorando o deus Baal-Peor. Foi por isso que houve uma epidemia no meio do povo de Deus.
17 Agora matem todos os meninos e todas as mulheres que não forem virgens.
18 Mas deixem viver todas as meninas e as moças que forem virgens; elas pertencem a vocês.
19 Agora todos os que tiverem matado alguém ou que tiverem tocado em algum morto devem ficar fora do acampamento sete dias. No terceiro dia e no sétimo, vocês e as prisioneiras devem se purificar.
20 Purifiquem também todas as roupas, todos os objetos feitos de couro, tudo o que é feito de pêlos de cabra e tudo o que é feito de madeira.
21 Então o sacerdote Eleazar disse aos homens que tinham voltado da batalha: - A lei que o SENHOR Deus ordenou a Moisés é esta:
22 Tudo o que o fogo não destrói, como ouro, prata, bronze, ferro, estanho e chumbo, deverá ser purificado pelo fogo. Mas tudo o que o fogo pode destruir será purificado com água.
24 No sétimo dia, para se purificarem, vocês deverão lavar as roupas que estiverem vestindo. Depois disso vocês poderão entrar no acampamento.
25 O SENHOR Deus disse a Moisés:
26 - Você, com a ajuda do sacerdote Eleazar e das autoridades do povo, faça uma lista de tudo o que foi tomado na batalha, incluindo as pessoas e os animais.
27 Divida em duas partes iguais o que foi tomado: uma parte para os soldados e a outra para o resto do povo.
28 Da parte que pertence aos soldados que estiveram na batalha, separe um imposto para Deus, o SENHOR: uma pessoa de cada quinhentas e a mesma coisa quanto aos bois, jumentos, ovelhas e cabras.
29 Pegue esse imposto e entregue ao sacerdote Eleazar, como oferta ao SENHOR.
30 Da parte que pertence ao povo, pegue um de cada cinqüenta, tanto de pessoas como de bois, de jumentos, de ovelhas, de cabras e de qualquer outro animal, e dê aos levitas, que cuidam da Tenda do SENHOR.
31 Moisés e Eleazar fizeram o que o SENHOR havia ordenado.
32 Esta é a lista do que foi tomado pelos soldados, sem contar o que eles pegaram para si mesmos: seiscentas e setenta e cinco mil ovelhas e cabras, setenta e dois mil bois e vacas, sessenta e um mil jumentos e trinta e duas mil pessoas.
36 A metade que ficou para os soldados foi de trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas e cabras, das quais seiscentas e setenta e cinco foram o imposto para Deus, o SENHOR; trinta e seis mil bois e vacas para os soldados, dos quais setenta e dois foram o imposto para o SENHOR; trinta mil e quinhentos jumentos para os soldados, dos quais sessenta e um foram o imposto para Deus; e dezesseis mil virgens para os soldados, das quais trinta e duas foram o imposto para Deus.
41 Assim, Moisés deu a Eleazar o imposto como uma oferta especial a Deus, o SENHOR, como o SENHOR havia ordenado.
42 A parte do povo foi igual à parte dos soldados, isto é, trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas e cabras, trinta e seis mil bois e vacas, trinta mil e quinhentos jumentos e dezesseis mil virgens.
47 Como o SENHOR havia ordenado, dessa metade que pertencia ao povo, Moisés pegou um de cada cinqüenta, tanto de pessoas como de animais, e deu aos levitas, que cuidavam da Tenda Sagrada.
48 Os oficiais do exército, isto é, os comandantes dos batalhões e das companhias, foram falar com Moisés
49 e disseram: - Contamos os soldados que estão debaixo do nosso comando, e não está faltando nenhum.
50 Assim trouxemos o que cada um pegou: objetos de ouro, correntinhas, pulseiras, anéis, brincos e colares. Nós os oferecemos a Deus, o SENHOR, como pagamento pela nossa vida, para que ele nos proteja.
51 Moisés e o sacerdote Eleazar receberam todas essas jóias de ouro.
52 O peso total do ouro que foi separado e oferecido a Deus, o SENHOR, pelos oficiais foi de cento e noventa e um quilos.
53 Os que não eram oficiais ficaram com as coisas que tiraram dos inimigos.
54 Assim, Moisés e o sacerdote Eleazar receberam o ouro dos oficiais e o levaram para a Tenda Sagrada a fim de que o SENHOR protegesse o povo de Israel.

Números – Capítulo 32

1 As tribos de Rúben e de Gade tinham gado em grande quantidade. Quando viram que a terra de Jazer e a terra de Gileade eram boas para a criação de gado,
2 foram falar com Moisés, com o sacerdote Eleazar e com as autoridades do povo. Eles disseram o seguinte:
3 - Esta região que o SENHOR Deus conquistou para os israelitas, isto é, as cidades de Atarote, Dibom, Jazer, Ninra, Hesbom, Eleal, Sebã, Nebo e Beom, é terra boa para a criação de gado. E nós temos muito gado.
5 Se o senhor está contente com a gente, então nos dê essa terra para ser nossa propriedade e não nos faça ir para o outro lado do rio Jordão.
6 Porém Moisés disse às tribos de Gade e de Rúben: - Vocês querem ficar aqui enquanto os seus patrícios vão para a guerra?
7 Será que vocês querem desanimar o povo de Israel para que não entre na terra que o SENHOR lhe está dando?
8 Os pais de vocês fizeram a mesma coisa quando os enviei de Cades-Barnéia para espionar esta terra.
9 Eles chegaram até o vale de Escol e viram a terra; mas, quando voltaram, desanimaram o povo para que não entrasse na terra que o SENHOR lhe estava dando.
10 - Então, naquele dia, o SENHOR ficou muito irado e disse:
11 "Os homens que vieram do Egito, de vinte anos para cima, deixaram de ser fiéis a mim, e por isso juro que eles não verão a terra que prometi dar a Abraão, a Isaque e a Jacó."
12 Somente Calebe, filho de Jefoné, o quenezeu, e Josué, filho de Num, continuaram fiéis ao SENHOR.
13 O SENHOR ficou irado com o povo de Israel e os fez andar pelo deserto quarenta anos, até que morresse toda a gente daquele tempo, isto é, o povo que havia desagradado a Deus, o SENHOR.
14 E agora vocês, raça de gente pecadora, estão tomando o lugar dos seus pais a fim de aumentar ainda mais a ira do SENHOR contra o povo de Israel.
15 Se vocês não quiserem segui-lo, ele abandonará novamente todo o povo no deserto, e eles serão destruídos por causa de vocês.
16 Mas a gente das tribos de Rúben e de Gade chegou perto de Moisés e disse: - Nós mesmos vamos construir aqui currais para as nossas ovelhas e vacas e também cidades para as nossas famílias.
17 Depois estaremos prontos para marchar para a guerra na frente dos nossos patrícios israelitas, até fazê-los tomar posse da terra que será deles. Porém as nossas famílias ficarão aqui nas cidades cercadas de muralhas e assim estarão a salvo dos moradores da terra.
18 Não voltaremos para as nossas casas até que todos os outros israelitas tomem posse da terra que será deles.
19 Não tomaremos posse de nenhuma propriedade no meio deles no outro lado do rio Jordão, pois receberemos a nossa parte aqui, a leste do Jordão.
20 Aí Moisés respondeu: - Se vocês vão fazer isso, então na presença de Deus, o SENHOR, preparem-se para a batalha.
21 E que todos os seus homens armados atravessem o rio Jordão debaixo das ordens do SENHOR, até que os nossos inimigos sejam expulsos diante dele,
22 e nós conquistemos a terra. Depois vocês poderão voltar porque já terão cumprido a sua obrigação para com Deus, o SENHOR, e para com os seus patrícios israelitas. E o SENHOR reconhecerá esta terra a leste do rio Jordão como propriedade de vocês.
23 Porém, se vocês não cumprirem o que estão prometendo, estarão pecando contra o SENHOR. E fiquem sabendo que vocês serão castigados por causa dos seus próprios pecados.
24 Construam as cidades para as suas famílias e façam currais para as suas ovelhas e vacas. E cumpram o que prometeram.
25 Os homens de Gade e de Rúben disseram a Moisés o seguinte: - Nós faremos o que o senhor mandar.
26 As nossas crianças, as nossas mulheres, as nossas ovelhas, as nossas cabras e todo o gado ficarão aqui nas cidades de Gileade.
27 Mas todos nós estamos prontos para a guerra. Conforme a sua ordem, atravessaremos o Jordão e batalharemos, debaixo do comando do SENHOR Deus.
28 Então Moisés deu ordens a respeito dos homens das tribos de Rúben e de Gade ao sacerdote Eleazar, a Josué, filho de Num, e aos chefes das famílias das tribos dos israelitas.
29 Ele disse assim: - Debaixo do comando de Deus, o SENHOR, os homens de Gade e de Rúben deverão atravessar com vocês o rio Jordão, cada um armado para a batalha. Quando vocês tiverem conquistado as terras que ficam no lado oeste do Jordão, dêem a região de Gileade para ser propriedade deles.
30 Porém, se eles não atravessarem armados o rio Jordão, junto com vocês, então deverão receber a parte deles na terra de Canaã.
31 Os homens de Gade e de Rúben responderam: - Senhor, nós faremos o que o SENHOR Deus ordenou.
32 Debaixo do comando dele atravessaremos o Jordão, armados, e lutaremos na terra de Canaã; e assim as terras deste lado do rio Jordão serão nossa propriedade.
33 Então Moisés deu às tribos de Gade e de Rúben e a uma metade da tribo de Manassés, filho de José, a região de Seom, o rei dos amorreus, e a região de Ogue, rei de Basã, junto com as cidades e as terras que havia em redor delas.
34 Os homens da tribo de Gade construíram de novo as cidades de Dibom, Atarote, Aroer,
35 Atarote-Sofã, Jazer, Jogbeá,
36 Bete-Ninra e Bete-Harã. Construíram muralhas ao redor delas e também currais.
37 Os homens de Rúben construíram de novo Hesbom, Eleal, Quiriataim,
38 Nebo, Baal-Meom (alguns nomes foram mudados) e Sibma. E deram outros nomes às cidades que eles construíram de novo.
39 O grupo de famílias de Maquir, filho de Manassés, foi para Gileade, e a conquistou, e expulsou os amorreus que estavam ali.
40 Portanto, Moisés deu Gileade ao grupo de famílias de Maquir, e eles moraram ali.
41 Jair, descendente de Manassés, foi e conquistou alguns povoados dos amorreus e os chamou de "povoados de Jair".
42 Noba foi e conquistou a cidade de Quenate e os seus povoados. E pôs o nome nela de Noba, que era o nome dele mesmo.

Números – Capítulo 33

1 São estas as caminhadas dos israelitas que saíram do Egito, grupo por grupo, debaixo das ordens de Moisés e Arão.
2 Moisés ia anotando os nomes dos lugares de onde partiam, de acordo com as ordens de Deus, o SENHOR. E são estas as caminhadas conforme os lugares de partida:
3 O povo de Israel saiu do Egito no dia quinze do primeiro mês do ano, um dia depois da primeira Páscoa. Eles saíram de Ramessés de maneira vitoriosa, e todos os egípcios os viram.
4 Os egípcios estavam sepultando os seus primeiros filhos que o SENHOR havia matado. Assim, o SENHOR mostrou que era mais poderoso do que os deuses do Egito.
5 Depois de saírem de Ramessés, os israelitas acamparam em Sucote.
6 Saíram de Sucote e acamparam em Etã, que está na beira do deserto.
7 Saíram de Etã e voltaram a Pi-Hairote, que fica a leste de Baal-Zefom, e acamparam perto de Migdol.
8 Saíram de Pi-Hairote e passaram pelo meio do mar Vermelho e chegaram ao deserto de Sur. Caminharam três dias no deserto e acamparam em Mara.
9 Dali foram para Elim e acamparam ali. Em Elim havia doze fontes de água e setenta palmeiras.
10 Saíram de Elim e acamparam perto do golfo de Suez.
11 Partiram do mar Vermelho e acamparam no deserto de Sim.
12 Dali foram até Dofca, onde acamparam.
13 Partiram de Dofca e acamparam em Alus.
14 Depois de Alus, acamparam em Refidim. Porém ali não havia água para o povo beber.
15 Na caminhada de Refidim até o monte Hor, eles acamparam nos seguintes lugares: deserto do Sinai, Quibrote-Ataavá, Hazerote, Ritma, Rimom-Peres, Libna, Rissa, Queelata, monte Sefer, Harada, Maquelote, Taate, Tera, Mitca, Hasmona, Moserote, Benê-Jaacã, Hor-Hagidgade, Jotbatá, Abrona, Eziom-Geber, deserto de Zim, isto é, Cades, e o monte Hor, que fica na fronteira da terra de Edom.
38 Por ordem de Deus, o SENHOR, o sacerdote Arão subiu o monte Hor. E morreu ali, no dia primeiro do quinto mês, quarenta anos depois que os israelitas tinham saído do Egito.
39 Arão tinha cento e vinte e três anos de idade quando morreu.
40 Então o rei cananeu de Arade, que morava na região sul da terra de Canaã, soube que os israelitas estavam chegando.
41 Do monte Hor até as planícies de Moabe, os israelitas acamparam nos seguintes lugares: Salmona, Punom, Obote, ruínas de Abarim, que ficavam na fronteira com Moabe, Dibom-Gade, Almom-Diblataim, serra de Abarim, que fica perto do monte Nebo, e planícies de Moabe, entre Bete-Jesimote e o vale das Acácias, no lado leste do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.
50 Nas planícies de Moabe, junto ao rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio, o SENHOR mandou que Moisés desse
51 aos israelitas as seguintes ordens: - Quando vocês atravessarem o rio Jordão e entrarem na terra de Canaã,
52 expulsem todos os moradores daquela terra. Destruam todos os seus ídolos de metal e de pedra e todos os seus lugares de adoração.
53 Tomem posse da terra e morem nela porque eu a estou dando a vocês.
54 Repartam a terra, por sorteio, entre as tribos e os grupos de famílias. Aos grupos de famílias mais numerosos dêem uma parte maior; e aos grupos menos numerosos dêem uma parte menor.
55 Porém, se vocês não expulsarem os moradores do país, os que ficarem serão para vocês como espinhos nos seus olhos e como ferrões nas suas costas e trarão problemas para vocês na terra em que vocês morarem.
56 E farei com vocês tudo o que eu havia pensado fazer com eles.

Números – Capítulo 34

1 O SENHOR Deus mandou que Moisés
2 desse aos israelitas as seguintes ordens: - Quando entrarem em Canaã, a terra que estou dando a vocês, as fronteiras serão estas:
3 - A fronteira do Sul irá desde o deserto de Zim ao longo da fronteira de Edom. No Leste ela começará na ponta sul do mar Morto.
4 Depois voltará para o sul, na direção da subida de Acrabim, e passará por Zim até chegar a Cades-Barnéia. Em seguida passará por Hazar-Adar até chegar a Azmom
5 e de Azmom até o ribeirão que faz fronteira com o Egito e terminará no mar Mediterrâneo.
6 - A fronteira do Oeste será o mar Mediterrâneo.
7 - A fronteira do Norte irá desde o mar Mediterrâneo até o monte Hor
8 e dali até a subida de Hamate e depois até Zedade.
9 De Zedade, essa fronteira do Norte seguirá até Zifrom e acabará em Hazar-Enã.
10 - A fronteira do Leste irá desde Hazar-Enã até Sefã
11 e de Sefã até Ribla, que fica a leste de Aim. Dali a fronteira descerá pelo leste do lago da Galiléia
12 e seguirá pelo rio Jordão até terminar no mar Morto. - Essas serão as quatro fronteiras do país de vocês.
13 Então Moisés deu estas ordens aos israelitas: - Esta é a terra que vocês vão repartir por sorteio, este é o país que o SENHOR Deus mandou dar às nove tribos e meia.
14 Isso porque as duas tribos e meia, isto é, as tribos de Gade e de Rúben e metade da tribo de Manassés, já receberam, por grupos de famílias, a terra que pertence a elas, no lado leste do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.
16 O SENHOR Deus disse a Moisés:
17 - O sacerdote Eleazar e Josué, filho de Num, vão repartir a terra entre o povo.
18 Escolham também um chefe de cada tribo para ajudar a dividi-la.
19 Os homens que devem ser chamados são os seguintes:; Tribo, Chefe; Judá, Calebe, filho de Jefoné; Simeão, Samuel, filho de Amiúde; Benjamim, Elidade, filho de Quislom; Dã, Buqui, filho de Jogli; José (isto é, Manassés), Haniel, filho de Éfode; Efraim, Quemuel, filho de Siftã; Zebulom, Elisafã, filho de Parnaque; Issacar, Paltiel, filho de Azã; Aser, Aiúde, filho de Selomi; Naftali, Pedael, filho de Amiúde
29 São esses os homens que o SENHOR mandou repartir a terra de Canaã entre os israelitas.

Números – Capítulo 35

1 Nas planícies de Moabe, perto do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio, o SENHOR disse a Moisés o seguinte:
2 - Mande que os israelitas, das terras que vão receber, dêem aos levitas algumas cidades onde estes possam morar e também terras de pastagens ao redor delas.
3 Essas cidades serão dos levitas, e eles morarão nelas. As terras ao seu redor serão para o gado, para as ovelhas e as cabras e para os outros animais.
4 Os pastos ficarão em volta de toda a cidade, numa distância de quatrocentos e cinqüenta metros a partir da muralha.
5 Todo o terreno formará um quadrado de novecentos metros de cada lado, isto é, medirá a mesma coisa a leste e a oeste, ao norte e ao sul. A cidade ficará no meio, e os pastos ficarão em volta.
6 - Dêem aos levitas seis cidades para fugitivos. Se um homem, sem querer ou por engano, matar alguém, poderá fugir para uma dessas cidades. Além dessas, vocês darão aos levitas quarenta e duas cidades.
7 Portanto, o total será de quarenta e oito cidades, todas elas com pastos ao seu redor.
8 O número de cidades de levitas em cada tribo será determinado pelo tamanho do seu território, isto é, dos territórios maiores será escolhido um número maior de cidades, e dos territórios menores, menor número de cidades.
9 O SENHOR Deus mandou que Moisés
10 dissesse ao povo de Israel o seguinte: - Quando vocês atravessarem o rio Jordão para entrar em Canaã,
11 deverão escolher algumas cidades para fugitivos, onde poderá ficar morando qualquer homem que, sem querer ou por engano, tenha matado alguém.
12 Ali ele ficará a salvo do parente da vítima que estiver procurando vingança e não morrerá sem ter sido julgado em público.
13 Escolham seis cidades para fugitivos,
14 três a leste do rio Jordão e três na terra de Canaã.
15 Essas seis cidades serão de refúgio, tanto para os israelitas como para os estrangeiros que moram com vocês, seja só por algum tempo, seja para sempre. Quem tiver matado alguém sem querer ou por engano poderá ficar refugiado ali.
16 - Se um homem ferir uma pessoa com um objeto de ferro, ou com uma pedra, ou com um pau e causar a morte dessa pessoa, ele é culpado pelo crime e será condenado à morte.
19 Quando o parente mais chegado do morto encontrar o assassino, deverá matá-lo.
20 - Se um homem empurrar o outro com ódio ou jogar alguma coisa contra ele com má intenção, e ele morrer;
21 ou se um homem esmurrar um inimigo, e este morrer, o culpado será morto, pois é um assassino. Quando o parente mais chegado do falecido encontrar o assassino, deverá matá-lo.
22 - Mas pode acontecer que alguém, sem querer, empurre o companheiro que não era seu inimigo; ou atire, sem má intenção, alguma coisa contra ele.
23 Pode acontecer também que alguém, sem ver, atire uma pedra que venha a cair em cima de alguém e cause a sua morte. Porém os dois não eram inimigos, e quem matou não fez isso de propósito.
24 Nesses casos o povo julgará a favor do que matou sem querer e não a favor do homem que era responsável por vingar a morte do seu parente.
25 O povo deverá proteger o homem que matou sem querer, não deixando que ele seja morto pelo parente do homem que morreu. O povo o fará voltar à cidade de refúgio para onde havia fugido, e ali o assassino ficará até a morte do Grande Sacerdote, que foi ungido com azeite sagrado.
26 Mas, se em qualquer tempo o homem que matou alguém sair da cidade de refúgio para onde havia fugido,
27 e o responsável por vingar a morte do seu parente o encontrar, ele poderá matá-lo e não será culpado por essa morte.
28 O homem que matou alguém deverá ficar na sua cidade de refúgio até a morte do Grande Sacerdote, mas depois poderá voltar para a sua casa.
29 Essas ordens serão uma lei para vocês e os seus descendentes, em todos os lugares onde vocês morarem.
30 - Quem matar uma pessoa será condenado à morte, conforme o que duas ou mais testemunhas disserem; uma testemunha só não basta para condenar alguém à morte.
31 A vida de um criminoso condenado à morte não pode ser comprada com dinheiro. Ele será morto.
32 Também não aceitem dinheiro para libertar aquele que tiver fugido para uma cidade de refúgio e que quiser voltar para a sua terra antes da morte do Grande Sacerdote.
33 Portanto, não profanem com crimes de sangue a terra onde vocês vivem, pois os assassinatos profanam o país. E a única maneira de se fazer a cerimônia de purificação da terra onde alguém foi morto é pela morte do assassino.
34 Não tornem impura a terra onde vocês vão morar, pois eu também estou no meio dela. Eu, o SENHOR, vivo no meio dos israelitas.

Números – Capítulo 36

1 Os chefes de família dos grupos de famílias de Gileade, descendentes diretos de Maquir, Manassés e José, foram falar com Moisés e com os outros chefes de famílias israelitas. Eles disseram a Moisés:
2 - O SENHOR Deus ordenou que o senhor distribuísse a terra ao povo por sorteio. Ele também ordenou que o senhor desse a propriedade do nosso parente Zelofeade às suas filhas.
3 Porém, se elas casarem com homens de outra tribo israelita, a terra que foi dada a elas deixará de pertencer à nossa tribo e passará a ser da tribo daqueles com quem elas casarem. Assim irá diminuindo a parte que nos foi dada por sorteio.
4 Porém, quando chegar o Ano da Libertação, a terra delas ficará definitivamente para a tribo daqueles com quem elas casaram e não será mais nossa.
5 Então Moisés, conforme a ordem do SENHOR, respondeu aos israelitas o seguinte: - Os homens da tribo de José têm razão. A ordem do SENHOR para as filhas de Zelofeade é esta:
6 Elas podem casar com quem quiserem, contanto que seja com um homem de uma das famílias da tribo do seu pai.
7 Desse modo as terras dos israelitas não passarão de uma tribo para outra. Pois os israelitas devem ficar ligados cada um à terra da tribo dos seus pais.
8 Todas as moças que tiverem terras numa tribo israelita deverão casar com alguém da família da tribo do seu pai.
9 Desse modo cada israelita herdará a terra dos seus antepassados, e ela não passará de uma tribo para outra. Cada tribo continuará ligada à sua própria terra.
10 Então Macla, Tirza, Hogla, Milca e Noa, filhas de Zelofeade, fizeram como o SENHOR havia ordenado a Moisés e casaram com filhos dos seus tios paternos.
12 Elas casaram dentro dos grupos de famílias da tribo de Manassés, filho de José, e as suas terras ficaram na tribo do pai delas.
13 Foram essas as leis e os mandamentos que o SENHOR deu ao povo de Israel por meio de Moisés nas planícies de Moabe, perto do rio Jordão, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio.

Deuteronômio – Capítulo 1

1 Neste livro estão os discursos que Moisés fez ao povo de Israel no deserto que fica a leste do rio Jordão. Os israelitas estavam no vale do rio Jordão, perto da cidade de Sufe. De um lado ficava a cidade de Parã, e do outro, as cidades de Tofel, Labã, Hazerote e Di-Zaabe.
2 (Do monte Sinai até a cidade de Cades-Barnéia são onze dias de viagem, pelo caminho que atravessa a região montanhosa de Edom.)
3 Já fazia quarenta anos que o povo de Israel tinha saído do Egito, e no primeiro dia do décimo primeiro mês Moisés disse ao povo tudo o que o SENHOR Deus havia mandado que ele falasse.
4 Isso aconteceu depois que Moisés derrotou Seom, o rei dos amorreus, que morava na cidade de Hesbom, e Ogue, rei de Basã, que morava em Astarote e em Edrei.
5 Quando os israelitas estavam no território de Moabe, no lado leste do rio Jordão, Moisés começou a explicar ao povo a lei de Deus. Moisés disse:
6 - Quando estávamos ao pé do monte Sinai, o SENHOR, nosso Deus, nos falou assim: "Vocês já ficaram bastante tempo neste lugar.
7 Agora saiam daqui e vão caminhando na direção da região montanhosa dos amorreus e de todas as regiões vizinhas no vale do rio Jordão, e na direção das montanhas, da planície de Judá, da região sul e da costa do mar Mediterrâneo. Tomem posse de toda a terra de Canaã até os montes Líbanos, no Norte, e até o grande rio Eufrates, no Leste.
8 Aí está a terra que eu estou dando a vocês. Eu, o SENHOR, jurei a Abraão, a Isaque e a Jacó, os antepassados de vocês, que daria essa terra a eles e aos seus descendentes. Portanto, vão e tomem posse dela."
9 Em seguida Moisés disse ao povo: - Quando ainda estávamos ao pé do monte Sinai, eu lhes disse: "Eu sozinho não posso cuidar de vocês.
10 O SENHOR, nosso Deus, fez com que vocês aumentassem em número, e hoje são tantos como as estrelas do céu.
11 E que o SENHOR, o Deus dos nossos antepassados, faça com que vocês sejam um povo ainda mil vezes maior do que são agora e que ele os abençoe, como prometeu!
12 Mas como é que eu posso, sozinho, agüentar a carga pesada de resolver todas as causas e todas as questões que aparecem no meio do povo?
13 Portanto, de cada tribo escolham homens sábios, inteligentes e competentes, para que eu os ponha como chefes de vocês."
14 E Moisés continuou: - Vocês responderam que seria bom fazer o que eu tinha dito.
15 Por isso peguei os líderes de cada tribo, homens sábios e competentes, e os coloquei como seus chefes. Alguns eram responsáveis por mil homens; outros, por cem; outros, por cinqüenta; e outros, por dez. Além desses, escolhi também outras autoridades para cada tribo.
16 Naquela mesma ocasião dei a seguinte ordem aos juízes: "Julguem todas as causas com justiça, seja entre dois israelitas, seja entre um israelita e um estrangeiro que vive no meio do povo.
17 Sejam honestos e justos nas suas decisões. Tratem todos de modo igual, tanto os humildes como os poderosos. Não tenham medo de ninguém, pois a sentença que vocês derem virá de Deus. Se algum caso for muito difícil para vocês, tragam para mim, que eu o julgarei."
18 - E assim naquele tempo eu lhes dei ordens a respeito de todas as coisas que vocês deviam fazer.
19 Moisés disse também ao povo: - Nós obedecemos à ordem do SENHOR, nosso Deus, e partimos do monte Sinai. Vocês viram como era grande e perigoso aquele deserto que atravessamos, quando fomos para a região montanhosa dos amorreus. Finalmente chegamos à cidade de Cades-Barnéia.
20 Ali eu disse a vocês: "Agora estamos na região montanhosa dos amorreus, a terra que o nosso Deus nos está dando.
21 Portanto, vão e tomem posse dessa terra que está diante de vocês, como o SENHOR, o Deus dos nossos antepassados, mandou. Não tenham medo, nem se assustem."
22 Aí todos vocês chegaram perto de mim e disseram: "Seria bom que mandássemos na frente de nós alguns homens para espionarem a terra e trazerem informações a respeito do caminho que devemos seguir e das cidades que vamos encontrar lá."
23 Eu concordei com a idéia e escolhi doze homens, um de cada tribo.
24 Eles foram até a região montanhosa e chegaram ao vale de Escol. Depois de verem o que havia no vale,
25 eles voltaram, trazendo algumas frutas que encontraram lá. E nos contaram que a terra que o SENHOR, nosso Deus, nos estava dando era boa.
26 - Mas vocês desobedeceram à ordem do SENHOR e não quiseram tomar posse da terra.
27 Em vez disso, ficaram nas suas barracas, queixando-se e dizendo: "O SENHOR está com ódio de nós; ele nos trouxe do Egito para sermos derrotados e mortos pelos amorreus.
28 Que terra é essa que temos de conquistar? Nós ficamos com medo quando os nossos espiões disseram que o povo dessa terra é mais numeroso e mais forte do que nós, e que as suas cidades são enormes e protegidas por muralhas que chegam até o céu! E disseram também que viram gigantes lá!"
29 - Então respondi: "Não se assustem, nem tenham medo dessa gente.
30 Pois o SENHOR, nosso Deus, vai adiante de nós e ele combaterá por nós. Ele fará a mesma coisa que vocês o viram fazer em nosso favor no Egito
31 e também no deserto. Vocês viram como o nosso Deus nos levou pelo deserto, como um pai leva o seu filho, e nos guiou o tempo todo até que chegamos a este lugar."
32 - Mas mesmo assim vocês não confiaram no SENHOR,
33 que sempre ia adiante de vocês, na coluna de fogo durante a noite e na coluna de nuvem durante o dia. Ele fazia isso para mostrar o lugar onde vocês deviam armar o acampamento e para indicar o caminho que deviam seguir.
34 Moisés continuou: - Quando o SENHOR Deus ouviu as queixas que vocês estavam fazendo, ele ficou irado e fez este juramento:
35 "Vocês, israelitas, são um povo mau. Por isso nenhum de vocês que é adulto verá a boa terra que eu prometi dar aos seus antepassados.
36 Somente Calebe, filho de Jefoné, verá essa terra. Calebe foi sempre fiel e obediente a mim, o SENHOR, e por isso darei a ele e aos seus descendentes a terra por onde ele andou."
37 - E foi por causa de vocês que o SENHOR ficou irado comigo também e me disse: "Você também não vai entrar na Terra Prometida.
38 O seu ajudante, Josué, filho de Num, é que vai entrar. Anime-o, pois ele vai comandar o povo de Israel na conquista da terra."
39 - Depois Deus disse a todos nós: "Os seus filhos são crianças e não sabem a diferença entre o que é certo e o que é errado. E vocês estavam pensando que eles iam cair nas mãos dos inimigos. Mas eles, os seus filhos, entrarão na Terra Prometida. Eu lhes darei essa terra, e eles serão donos dela.
40 Agora continuem caminhando pelo deserto na direção do golfo de Ácaba."
41 - Então vocês responderam: "Moisés, nós pecamos contra Deus, o SENHOR. Mas agora estamos resolvidos a obedecer às ordens do nosso Deus e atacar o inimigo." Aí cada um de vocês se aprontou para a batalha, pensando que seria fácil conquistar a região montanhosa.
42 Mas o SENHOR mandou que eu dissesse a vocês: "Não vão lá, nem entrem em nenhum combate, pois eu não irei com vocês, e os seus inimigos os derrotarão."
43 Porém vocês não me deram atenção; pelo contrário, ficaram cheios de orgulho, desobedeceram às ordens de Deus, o SENHOR, e invadiram a região montanhosa.
44 Aí os amorreus que moravam naquela região saíram contra vocês, como um enxame de abelhas bravas. Vocês fugiram, e os amorreus os perseguiram até o território de Edom e os derrotaram na cidade de Horma.
45 Então vocês voltaram e clamaram pedindo ajuda ao SENHOR, mas ele não lhes deu atenção, nem os atendeu.
46 E depois disso ficamos muito tempo em Cades.

Deuteronômio – Capítulo 2

1 Moisés disse ao povo: - Então continuamos a viagem pelo deserto na direção do golfo de Ácaba, conforme o SENHOR Deus me havia ordenado. E por muito tempo caminhamos sem rumo pela região montanhosa de Edom.
2 Então o SENHOR me disse:
3 "Já faz muito tempo que vocês andam por aí sem rumo. Agora vão na direção do norte."
4 E Deus ordenou que eu lhes dissesse: "Vocês vão passar pelo país de Edom, que é dos seus parentes, os descendentes de Esaú. Eles ficarão com medo de vocês, mas tomem cuidado
5 para não provocarem uma luta com eles. Eu não darei a vocês nem mesmo um pedacinho da terra deles, pois foi aos descendentes de Esaú que eu dei o território de Edom.
6 Vocês poderão comprar deles a comida e a água que precisarem."
7 - Lembrem que o SENHOR, nosso Deus, abençoou tudo o que vocês fizeram. Ele não esqueceu vocês durante os quarenta anos em que caminharam por esse enorme deserto. Ele sempre cuidou de vocês, dando-lhes tudo o que precisavam.
8 - Assim rodeamos o país de Edom, deixando o caminho que vai de Elate e Eziom-Geber até o mar Morto e seguindo o caminho que vai até o deserto de Moabe.
9 E o SENHOR Deus me disse: "Não ataque os moabitas, que são descendentes de Ló, nem entre em luta com eles. Eu dei a eles a cidade de Ar e não darei a você nenhuma parte do país deles."
10 (Antigamente uma raça numerosa de gigantes fortes, chamados emins, vivia em Ar. Eles eram tão altos como os anaquins, outra raça de gigantes.
11 Tanto os anaquins como os emins eram conhecidos como refains; mas os moabitas os chamavam de emins.
12 Naquele tempo os horeus viviam em Edom, mas os descendentes de Esaú os expulsaram dali, acabaram com eles e ficaram morando no seu território. Os descendentes de Esaú fizeram a mesma coisa que os israelitas fizeram mais tarde, quando estes tomaram posse da terra que o SENHOR lhes tinha dado.)
13 - Depois atravessamos o riacho de Zerede, conforme Deus havia mandado.
14 Isso foi trinta e oito anos depois de termos saído de Cades-Barnéia. Durante esses anos aconteceu aquilo que o SENHOR nos tinha dito: morreram todos os homens daquela geração que tinham idade para ir à guerra.
15 O SENHOR ficou contra eles e os foi matando, até que não sobrou mais nenhum deles no acampamento dos israelitas.
16 - Depois da morte de todos aqueles homens,
17 o SENHOR Deus me disse:
18 "Passe hoje pela cidade de Ar, na fronteira com Moabe.
19 Quando chegar à terra dos amonitas, que são descendentes de Ló, não os ataque, nem entre em luta com eles. Eu entreguei a eles a terra de Amom e não darei a você nenhuma parte do país deles."
20 (Essa região é conhecida também como a terra dos refains, uma raça de gigantes que antigamente moravam ali; os amonitas os chamavam de zanzumins.
21 Havia muitos deles, e eram altos e fortes, como os anaquins. Deus destruiu os zanzumins, e os amonitas ocuparam a região e ficaram morando ali.
22 Deus havia feito a mesma coisa em favor dos edomitas, que são descendentes de Esaú: ele acabou com os horeus, e os edomitas ocuparam a terra deles e ali moram até hoje.
23 Os cretenses fizeram a mesma coisa: eles saíram da ilha de Creta, invadiram a terra dos avins, no litoral do mar Mediterrâneo, e foram na direção do sul até a cidade de Gaza. Os cretenses acabaram com os avins e ficaram morando nas cidades deles.)
24 - Depois que atravessamos o país de Moabe, Deus nos disse: "Continuem avançando e atravessem o rio Arnom, pois eu deixarei que vocês derrotem Seom, o rei dos amorreus, que mora na cidade de Hesbom. Lutem contra Seom e tomem posse da terra dele."
25 E Deus me disse: "De hoje em diante eu vou fazer com que todos os povos do mundo tenham medo de você. Você será famoso, e, quando ouvirem falar a seu respeito, todos ficarão tão assustados, que tremerão de medo."
26 E Moisés continuou, dizendo: - Depois, quando estávamos no deserto de Quedemote, mandei que alguns mensageiros levassem ao rei Seom, que morava na cidade de Hesbom, um tratado de paz, com as seguintes condições:
27 "Pedimos licença para passar pelo seu país. Prometemos andar somente pela estrada, sem sair dela;
28 e também pagaremos pela comida e pela bebida que precisarmos. A única coisa que queremos é licença para passarmos pelo seu país
29 até chegarmos ao rio Jordão. Então atravessaremos o rio para entrar na terra que o SENHOR, nosso Deus, nos está dando. Os descendentes de Esaú, que moram em Edom, e os moabitas, que moram em Ar, já nos deram licença para passarmos pelos países deles."
30 Mas o rei Seom não deixou, pois o SENHOR, nosso Deus, fez com que Seom ficasse teimoso e rebelde. Deus fez isso para que nós pudéssemos derrotar o rei Seom e conquistar a terra dele, que é nossa até hoje.
31 - Então o SENHOR Deus me disse: "Veja! Eu vou deixar que você derrote Seom; ataque-o imediatamente e tome posse da terra dele."
32 Seom saiu com o seu exército para lutar contra nós na cidade de Jasa.
33 O SENHOR, nosso Deus, nos deu a vitória, e nós derrotamos Seom, os seus filhos e todo o seu exército.
34 Além disso conquistamos e destruímos todas as suas cidades e matamos todos os homens, mulheres e crianças. Não escapou ninguém.
35 Mas ficamos com o gado e com os objetos de valor que encontramos nas cidades.
36 O SENHOR, nosso Deus, deixou que conquistássemos todas as cidades, desde Aroer, que fica perto do vale do rio Arnom, e desde a cidade que está no vale, até a região de Gileade. Nós conquistamos todas as cidades, mesmo as que tinham muralhas altas e fortes.
37 Não invadimos a terra dos amonitas, nem as cidades que ficam nas margens do rio Jaboque, nem as que ficam na região montanhosa, nem os outros lugares que o SENHOR, nosso Deus, havia proibido.

Deuteronômio – Capítulo 3

1 Moisés continuou: - Depois fomos na direção do norte até a região de Basã. E Ogue, rei de Basã, saiu com o seu exército para lutar contra nós na cidade de Edrei.
2 Mas o SENHOR Deus me disse: "Não tenha medo, pois eu farei com que você derrote Ogue e o seu exército, e você vai tomar posse da terra dele. Você será vitorioso, como foi contra Seom, o rei dos amorreus, que morava em Hesbom."
3 - O SENHOR, nosso Deus, fez com que derrotássemos Ogue e todo o seu exército, e nós matamos todos, sem deixar ninguém vivo.
4 Também conquistamos todas as cidades de Argobe, a terra da região de Basã que pertencia a Ogue. Eram ao todo sessenta cidades,
5 todas elas protegidas por muralhas altas e com portões reforçados. Conquistamos também muitas cidades que não tinham muralhas.
6 Nós as destruímos completamente e matamos todos os homens, mulheres e crianças, como tínhamos feito na guerra contra Seom, rei de Hesbom.
7 Mas ficamos com o gado e com os objetos de valor que encontramos nas cidades.
8 - Foi assim que conquistamos naquele tempo as terras daqueles dois reis amorreus na região a leste do rio Jordão, desde o rio Arnom até o monte Hermom.
9 (Os sidônios chamam o monte Hermom de Siriom, e os amorreus o chamam de Senir.)
10 Conquistamos todas as cidades do planalto e toda a região de Gileade e de Basã, até as cidades de Salca e Edrei, na parte leste de Basã.
11 (Ogue, rei de Basã, foi o último rei da raça de gigantes chamados refains. A sua cama, feita de ferro, media quatro metros de comprimento por um metro e oitenta de largura, de acordo com a medida usada naquele tempo. A cama ainda está na cidade de Rabá, no país de Amom.)
12 Moisés continuou: - Depois que tomamos posse da região a leste do rio Jordão, dei às tribos de Rúben e de Gade a região que fica ao norte de Aroer, na beira do vale do rio Arnom, e também metade da região montanhosa de Gileade, com as cidades dali.
13 E para uma metade da tribo de Manassés dei o resto de Gileade e toda a região de Basã, onde Ogue havia sido rei, isto é, a terra de Argobe. (Toda a região de Basã era conhecida como a terra dos refains.
14 Jair, que era descendente de Manassés, conquistou toda a região de Argobe, isto é, Basã, até a fronteira com Gesur e Maacá. Ele pôs o seu nome nas cidades dali, e até hoje elas são conhecidas como as cidades de Jair.)
15 - Eu dei a região de Gileade ao grupo de famílias de Maquir.
16 E para as tribos de Rúben e de Gade dei o território que vai desde a região de Gileade na direção do sul até o vale do rio Arnom; a divisa fica no meio do vale. Para o norte as suas terras vão até o rio Jaboque, que fica na fronteira com a terra dos amonitas.
17 Para o oeste o seu território vai até o rio Jordão, desde o lago da Galiléia, no Norte, até o mar Morto, no Sul, e até o pé do monte Pisga, no Leste.
18 - Foi nessa ocasião que dei às tribos de Rúben e de Gade e à metade leste da tribo de Manassés a seguinte ordem: "O SENHOR, nosso Deus, lhes deu essas terras a leste do rio Jordão, e vocês tomaram posse delas. Agora, que os homens peguem as suas armas e atravessem o rio Jordão na frente dos seus patrícios para ajudá-los a tomar posse das terras deles.
19 Mas as mulheres, as crianças e o gado - e eu sei que vocês têm muito gado - ficarão aqui nas cidades que já dei a vocês.
20 Ajudem os seus patrícios até que eles acabem de tomar posse das terras que o SENHOR, nosso Deus, está dando a eles a oeste do rio Jordão e até que estejam morando ali em paz, como vocês estão nas suas terras. Aí vocês poderão voltar e morar na terra que eu lhes dei aqui, a leste do Jordão."
21 - Também falei com Josué e disse: "Você viu o que o SENHOR Deus fez com aqueles dois reis, Seom e Ogue. Pois é isso mesmo o que ele fará com os reis de todas as terras que vocês vão invadir.
22 Não tenham medo deles, pois o SENHOR, seu Deus, combaterá por vocês."
23 - Nessa ocasião eu também orei a Deus, o SENHOR, dizendo:
24 "Ó SENHOR, meu Deus, eu sei que começaste a mostrar a tua grandeza e o teu poder a mim, teu servo. Pois não existe outro deus no céu ou na terra que possa fazer coisas tão grandes e maravilhosas como tu tens feito!
25 Peço-te, pois, que me deixes atravessar o rio Jordão e ver a boa terra que fica no outro lado, a bela região montanhosa e os montes Líbanos."
26 - Mas por causa de vocês o SENHOR estava irado comigo e não atendeu o meu pedido. Pelo contrário, ele disse: "Chega! Não fale mais nisso!
27 Suba o monte Pisga e lá de cima olhe para o norte e para o sul, para o leste e para o oeste. Olhe bem toda a terra, pois você não vai atravessar o rio Jordão.
28 Dê conselhos a Josué; anime-o e encoraje-o, pois ele vai comandar o povo de Israel na conquista desta terra que você está vendo."
29 - Então paramos no vale que fica perto da cidade de Bete-Peor.

Deuteronômio – Capítulo 4

1 Depois Moisés disse ao povo de Israel: - Obedeçam a todas as leis e a todas as ordens que eu estou dando a vocês agora, para que vivam e tomem posse da terra que o SENHOR, o Deus dos nossos antepassados, vai dar a vocês.
2 Não acrescentem nada à lei que lhes estou dando, nem tirem dela uma só palavra. Guardem todos os mandamentos do SENHOR, nosso Deus.
3 Vocês mesmos viram o que o SENHOR fez perto do monte Peor, como matou todas as pessoas do nosso povo que ali adoraram o deus Baal.
4 Mas aqueles que continuaram fiéis a Deus, o SENHOR, ainda estão vivos.
5 - Como o SENHOR, meu Deus, me ordenou, eu lhes tenho ensinado as leis e os mandamentos que vocês deverão guardar na terra que vão invadir e que vai ser de vocês.
6 Portanto, obedeçam fielmente a todas essas leis, e assim os outros povos verão que vocês são sábios e inteligentes. Quando ouvirem falar dessas leis, eles dirão: "Como é sábio e inteligente o povo dessa grande nação!"
7 - Nenhuma outra grande nação tem um deus que fique tão perto do seu povo como o SENHOR, nosso Deus, fica perto de nós. Ele nos ouve todas as vezes que pedimos a sua ajuda.
8 E será que existe outra grande nação que tenha mandamentos e ensinamentos tão direitos como essa lei que estou lhes dando hoje?
9 Portanto, tenham cuidado e sejam fiéis para que nunca esqueçam as coisas que viram. E contem aos seus filhos e netos
10 o que aconteceu no monte Sinai naquele dia em que vocês estiveram na presença do SENHOR, nosso Deus, quando ele me disse: "Reúna esse povo na minha presença para que escutem o que vou dizer, a fim de que aprendam a temer-me a vida inteira e assim ensinem os seus filhos."
11 - Então vocês foram e ficaram ao pé do monte Sinai, que estava completamente coberto de escuridão e de nuvens negras. Em cima do monte havia um fogo, e as suas chamas subiam até o céu.
12 Do meio do fogo o SENHOR Deus falou com vocês; vocês ouviram a voz dele, mas não viram ninguém; só escutaram a voz.
13 Deus lhes anunciou a aliança que estava fazendo com vocês e mandou que obedecessem aos dez mandamentos, que depois escreveu em duas placas de pedra.
14 E ao mesmo tempo o SENHOR mandou que eu lhes ensinasse as leis e os mandamentos que vocês devem seguir na terra que vão invadir e que vai ser de vocês.
15 Moisés continuou: - Quando o SENHOR, nosso Deus, falou com vocês do meio do fogo no monte Sinai, vocês não viram a forma de ninguém. Portanto, tenham todo o cuidado
16 e não cometam o erro de fazer imagens para adorar. Não façam nenhuma imagem que sirva de ídolo, seja em forma de homem, ou de mulher,
17 ou de animal, ou de ave,
18 ou de animal que se arrasta pelo chão, ou de peixe.
19 E, quando olharem para o céu, não caiam na tentação de adorar o sol, a lua ou as estrelas. Pois o SENHOR, nosso Deus, repartiu o sol, a lua e as estrelas entre os outros povos, para que eles os adorem.
20 Mas vocês são o povo que o SENHOR tirou do Egito, aquela fornalha acesa, para serem somente dele, como, de fato, são.
21 Por causa de vocês o SENHOR Deus ficou irado comigo e jurou que eu nunca atravessaria o rio Jordão, nem entraria na boa terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes está dando.
22 Eu não vou atravessar o rio Jordão; vou morrer aqui mesmo. Mas vocês vão atravessá-lo e tomar posse daquela boa terra.
23 Tenham o cuidado de não esquecerem a aliança que o SENHOR, nosso Deus, fez com vocês. Obedeçam à sua ordem e não façam nenhuma imagem para adorar.
24 Pois o SENHOR, nosso Deus, é um fogo destruidor; ele não tolera outros deuses.
25 - E mesmo depois de muitos anos na terra de Canaã, quando vocês já estiverem velhos e tiverem filhos e netos, não cometam o erro de fazer ídolos. Para Deus isso é um pecado grave, e ele ficará irado com vocês.
26 Chamo o céu e a terra como testemunhas contra vocês: se adorarem ídolos, vocês desaparecerão logo da terra que vai ser de vocês no outro lado do rio Jordão. Vocês viverão pouco tempo naquela terra e logo serão completamente destruídos.
27 O SENHOR Deus os espalhará pelas nações estrangeiras, onde poucos de vocês ficarão vivos.
28 Naquelas nações vocês adorarão deuses feitos de madeira e de pedra, que não vêem, nem ouvem, não comem, nem cheiram.
29 Lá vocês procurarão o SENHOR, seu Deus, e o encontrarão, se o buscarem com todo o coração e com toda a alma.
30 E, no futuro, quando estiverem em dificuldades, e tudo isso acontecer, então se vocês voltarem para o SENHOR, nosso Deus, e obedecerem aos seus mandamentos,
31 ele não os abandonará. Ele é Deus misericordioso e não os destruirá, nem esquecerá a aliança que fez com os nossos antepassados e que jurou cumprir.
32 - Estudem o passado, toda a história desde a criação da humanidade. Caminhem pelo mundo inteiro e perguntem se alguém já viu ou ouviu falar de haver acontecido alguma coisa tão impressionante como esta.
33 Será que já houve alguém que, depois de ter ouvido um deus falando do meio do fogo, ainda continuasse vivo, como aconteceu com vocês?
34 Será que já houve um deus que resolveu ir tirar do meio de outra nação um povo para ser completamente dele, como o SENHOR, nosso Deus, fez com vocês? Vocês viram como ele mostrou o seu poder e a sua força; viram como ele, por meio de pragas e milagres maravilhosos, de guerras e feitos espantosos, tirou vocês do Egito.
35 Deus deixou que vocês vissem tudo isso para que soubessem que o SENHOR é Deus; não há nenhum outro deus, a não ser ele.
36 Para ensiná-los, Deus falou do céu, e na terra ele lhes mostrou um grande fogo, e do meio desse fogo falou com vocês.
37 Deus amou os nossos antepassados e por isso escolheu vocês; e ele mesmo, com a sua grande força, os tirou do Egito.
38 Depois foi na frente de vocês, expulsando povos que eram mais numerosos e mais poderosos do que vocês, e assim deu a vocês as terras daquelas nações, onde vocês estão morando agora.
39 - Fiquem sabendo agora e nunca esqueçam isto: somente o SENHOR é Deus lá em cima no céu e aqui embaixo na terra. Não há outro deus.
40 Portanto, obedeçam a todas as suas leis que eu lhes estou dando hoje. Assim vocês e os seus descendentes serão felizes e viverão muitos anos na terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes está dando para sempre.
41 Depois Moisés escolheu três cidades no lado leste do rio Jordão
42 para onde poderia fugir qualquer homem que, sem querer ou por engano, tivesse matado alguém de quem não tinha ódio. Em qualquer uma dessas cidades esse homem estaria seguro, e ninguém poderia matá-lo.
43 Para a tribo de Rúben, Moisés escolheu Bezer, no deserto, no planalto; para a tribo de Gade, ele escolheu Ramote, na região de Gileade; e, para a tribo de Manassés do Leste, ele escolheu Golã, na região de Basã.
44 Moisés deu ao povo de Israel a lei de Deus,
45 com os seus mandamentos, ordens e ensinamentos. Isso foi depois que os israelitas tinham saído do Egito
46 e haviam chegado ao vale que fica perto de Bete-Peor, na região a leste do rio Jordão. Essa terra era de Seom, o rei dos amorreus, que morava em Hesbom. Moisés e os israelitas derrotaram Seom
47 e tomaram posse da sua terra. E fizeram a mesma coisa com Ogue, rei de Basã. Assim os israelitas invadiram e ocuparam as terras desses dois reis amorreus, a leste do rio Jordão.
48 As terras deles iam desde a cidade de Aroer, que fica perto do vale do rio Arnom, no Sul, até o monte Siriom (isto é, o monte Hermom), no Norte.
49 Fazia parte delas a região a leste do rio Jordão até o mar Morto, no Sul, e até o pé do monte Pisga, no Leste.

Deuteronômio – Capítulo 5

1 Moisés mandou que o povo se reunisse e falou assim: - Povo de Israel, preste atenção nas leis e nos mandamentos que estou dando a vocês hoje. Aprendam essas leis e façam tudo para cumpri-las.
2 O SENHOR, nosso Deus, fez uma aliança conosco no monte Sinai.
3 Não foi com os nossos pais que ele fez essa aliança, mas foi conosco, foi com todos os que hoje estamos aqui vivos.
4 Do meio do fogo ali no monte o SENHOR Deus falou com vocês face a face.
5 Vocês ficaram com medo do fogo e não subiram o monte; por isso eu me coloquei entre o SENHOR Deus e vocês. E ele disse:
6 "Meu povo, eu, o SENHOR, sou o seu Deus. Eu o tirei do Egito, a terra onde você era escravo.
7 - "Não adore outros deuses; adore somente a mim.
8 - "Não faça imagens de nenhuma coisa que há lá em cima no céu, ou aqui embaixo na terra, ou nas águas debaixo da terra.
9 Não se ajoelhe diante de ídolos, nem os adore, pois eu, o SENHOR, sou o seu Deus e não tolero outros deuses. Eu castigo aqueles que me odeiam e castigo também os seus descendentes, até os seus bisnetos e trinetos.
10 Porém sou bondoso com aqueles que me amam e obedecem aos meus mandamentos e abençôo os seus descendentes por milhares de gerações.
11 - "Não use o meu nome sem o respeito que ele merece, pois eu sou o SENHOR, o Deus de vocês, e castigo aqueles que desrespeitam o meu nome.
12 - "Guarde o sábado, que é um dia santo, como eu, o SENHOR Deus, mandei.
13 Faça todo o seu trabalho durante seis dias da semana;
14 mas o sétimo dia da semana é o dia de descanso, dedicado a mim, o seu Deus. Não faça nenhum trabalho nesse dia, nem você, nem os seus filhos, nem as suas filhas, nem os seus escravos, nem as suas escravas, nem os seus animais, nem os estrangeiros que vivem na terra de você. Assim como você descansa, os seus escravos também devem descansar.
15 Lembre que você foi escravo no Egito e que eu, o SENHOR, seu Deus, o tirei de lá com a minha força e com o meu poder. É por isso que eu mando que você guarde o sábado.
16 - "Respeite o seu pai e a sua mãe, como eu, o seu Deus, estou ordenando, para que você viva muito tempo, e tudo corra bem para você na terra que estou lhe dando.
17 - "Não mate.
18 - "Não cometa adultério.
19 - "Não roube.
20 - "Não dê testemunho falso contra ninguém.
21 - "Não cobice a mulher de outro homem. Não cobice nada que seja de outro homem: a sua casa, as suas terras, os seus escravos, os seus animais ou qualquer outra coisa que seja dele."
22 E Moisés disse: - São esses os mandamentos que o SENHOR Deus deu ao povo de Israel quando todos estavam ao pé do monte Sinai. Do meio do fogo e das nuvens negras ele falou em voz alta e deu somente esses mandamentos e nenhum outro mais. Depois os escreveu em duas placas de pedra e deu para mim.
23 E Moisés continuou, dizendo: - O fogo queimava no alto do monte, e vocês ouviram a voz falar do meio da escuridão. Então os chefes das tribos e as outras autoridades chegaram perto de mim
24 e me disseram: "O SENHOR, nosso Deus, nos mostrou a sua glória e o seu poder, e nós o ouvimos falar do meio do fogo. Hoje nós vimos que é possível Deus falar com uma pessoa e ela continuar viva.
25 Porém não queremos arriscar a vida outra vez. Esse grande fogo pode nos destruir, e, se nós ouvirmos a voz do SENHOR, nosso Deus, sem dúvida morreremos.
26 Nunca houve alguém que continuasse a viver depois de ter ouvido, como nós ouvimos, o Deus vivo falando do meio do fogo.
27 Moisés, volte para o monte e escute o que o SENHOR Deus quer dizer, e depois venha e nos conte tudo aquilo que ele disser. Nós ouviremos com atenção e obedeceremos."
28 - O SENHOR ouviu o que vocês disseram quando estavam falando comigo e me disse: "Eu ouvi o que o povo lhe falou, e tudo o que disseram está certo.
29 Como seria bom se eles sempre pensassem assim, e me respeitassem, e sempre obedecessem a todos os meus mandamentos! Assim tudo daria certo para eles e para os seus descendentes para sempre.
30 Vá, Moisés, e mande que o povo volte para as suas barracas.
31 Mas você fique aqui comigo, e eu lhe direi todas as leis, ordens e mandamentos. Ensine-os ao povo a fim de que eles obedeçam a todas essas leis na terra que eu lhes estou dando para ser deles."
32 - Povo de Israel, faça tudo para cumprir todas as leis que o SENHOR, nosso Deus, lhe deu. Nunca deixe de fazer exatamente o que Deus manda
33 e nunca se desvie do caminho que ele lhe mostra. Assim tudo correrá bem para todos vocês, e vocês viverão muitos anos na terra que vão possuir.

Deuteronômio – Capítulo 8

1 Moisés disse ao povo: - Tenham o cuidado de obedecer a todas as leis que hoje eu estou dando a vocês, para que vocês vivam e se tornem mais numerosos, e entrem e tomem posse da terra que o SENHOR Deus jurou dar aos nossos antepassados.
2 Lembrem como o nosso Deus guiou vocês pelo deserto esses quarenta anos. Durante essa longa caminhada, Deus os humilhou e os pôs à prova para saber se estavam resolvidos ou não a obedecer aos seus mandamentos.
3 Ele os deixou passar fome e depois lhes deu para comer o maná, uma comida que nem vocês nem os seus antepassados conheciam. Deus fez isso para que soubessem que o ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que o SENHOR Deus diz.
4 Durante esses quarenta anos as roupas que vocês vestiam não ficaram gastas, e os seus pés não ficaram inchados.
5 Fiquem sabendo que o SENHOR, nosso Deus, os corrige como um pai corrige o filho.
6 Obedeçam, pois, aos seus mandamentos, vivam de acordo com os seus ensinamentos e temam o SENHOR, seu Deus.
7 Pois ele os está levando para uma terra boa, cheia de rios, e ribeirões, e de fontes que jorram água pelos vales e pelas montanhas.
8 É uma terra que produz trigo e cevada, uvas, figos e romãs, azeite e mel.
9 É uma terra onde nunca faltará comida ou qualquer outra coisa para vocês, uma terra onde as pedras têm ferro e as montanhas têm minas de cobre.
10 Vocês terão toda a comida que precisarem e louvarão o SENHOR, nosso Deus, pela boa terra que lhes deu.
11 - Nunca esqueçam o SENHOR, nosso Deus, e tenham o cuidado de obedecer aos seus mandamentos e às suas leis, que hoje eu estou dando a vocês.
12 Naquela terra vocês terão toda a comida que quiserem; construirão casas boas, onde morarão;
13 o seu gado e os seus rebanhos aumentarão; vocês ajuntarão mais prata e ouro e terão tudo de sobra.
14 Então, tomem cuidado para não ficarem orgulhosos e esquecerem o SENHOR, nosso Deus, que os tirou do Egito, onde vocês eram escravos.
15 Ele os levou por aquele enorme e perigoso deserto, cheio de cobras venenosas e de escorpiões, e onde não havia água. Mas no deserto Deus fez sair água da rocha bruta, para vocês beberem,
16 e lhes deu para comer o maná, uma comida que os seus antepassados não conheciam. Ele fez tudo isso para humilhá-los e para fazê-los passar por provas a fim de abençoá-los mais tarde.
17 - Portanto, não pensem que foi com a sua própria força e com o seu trabalho que vocês conseguiram todas essas riquezas.
18 Lembrem do SENHOR, nosso Deus, pois é ele quem lhes dá força para poderem conseguir riquezas. Vocês estão vendo que assim ele está cumprindo a aliança feita por meio de juramento com os nossos antepassados.
19 Mas, se vocês esquecerem o SENHOR, e adorarem e servirem outros deuses, eu aviso hoje que vocês certamente morrerão.
20 Se não obedecerem ao SENHOR, nosso Deus, então vocês morrerão, como vão morrer os povos que Deus vai destruir na presença de vocês.

Deuteronômio – Capítulo 9

1 Moisés disse ao povo: - Escute, ó povo de Israel! Hoje vocês vão atravessar o rio Jordão e vão tomar posse de uma terra que pertence a povos mais numerosos e mais poderosos do que vocês. As cidades deles são enormes e são protegidas por muralhas que chegam até o céu.
2 Vocês já ouviram falar dos anaquins, uma raça de gigantes fortes que moram naquela terra; pois todos dizem: "Ninguém pode derrotar os anaquins."
3 Mas fiquem certos de que o SENHOR, nosso Deus, vai hoje na frente de vocês como um fogo que devora tudo. Ele derrotará e destruirá os povos dessa terra, e assim, conforme o SENHOR Deus prometeu, vocês irão expulsá-los e matá-los depressa.
4 - Mas, depois que o SENHOR, nosso Deus, tiver expulsado esses povos da presença de vocês, não fiquem pensando assim: "Deus nos trouxe aqui e nos deu esta terra porque somos bons." Não é por isso; mas Deus vai expulsar esses povos da presença de vocês porque eles são maus.
5 Vocês não vão tomar posse da terra porque são bons e honestos. É por causa da maldade desses povos que Deus vai expulsá-los e também porque o SENHOR, nosso Deus, quer cumprir o que prometeu aos nossos antepassados Abraão, Isaque e Jacó.
6 Portanto, fiquem certos de que Deus lhes está dando esta boa terra não porque vocês sejam bons; pelo contrário, vocês são gente teimosa.
7 - Nunca esqueçam que no deserto vocês provocaram tanto a Deus, o SENHOR, que ele ficou irado com vocês. Desde que saíram do Egito até chegarem aqui, vocês se têm revoltado contra Deus.
8 Até mesmo no monte Sinai vocês o provocaram, e ele ficou tão irado, que pensou em destruí-los.
9 Eu subi o monte para receber de Deus as duas placas de pedra, nas quais estava escrita a aliança que ele fez com vocês. Fiquei ali no monte quarenta dias e quarenta noites e durante todo aquele tempo não comi, nem bebi nada.
10 O SENHOR Deus me deu as duas placas de pedra. Ele mesmo tinha escrito nelas tudo o que tinha dito a vocês do meio do fogo, quando estavam reunidos ao pé do monte.
11 - Foi no fim daqueles quarenta dias que o SENHOR Deus me deu as duas placas da aliança.
12 Aí ele me disse: "Desça logo daqui e volte para onde está o povo que você tirou do Egito, pois eles já cometeram um pecado grave. Bem depressa deixaram de seguir as minhas ordens e já fizeram um ídolo de metal para adorar.
13 Eu sei - Deus continuou - que este povo é teimoso.
14 Portanto, não procure me impedir, pois vou destruí-los, e assim ninguém lembrará mais que existiram. E de você, Moisés, e dos seus descendentes farei uma nação maior e mais poderosa do que a deles."
15 E Moisés continuou: - Aí eu desci do monte, do qual subiam chamas de fogo. Levava comigo as duas placas de pedra, as placas da aliança.
16 Quando cheguei perto de vocês, vi que haviam pecado contra o SENHOR, nosso Deus, e que bem depressa haviam deixado de seguir as suas ordens. Vi o bezerro de metal que vocês haviam feito para adorar.
17 Então, na presença de vocês, joguei as placas de pedra no chão e as quebrei.
18 Depois me ajoelhei diante de Deus, o SENHOR, e fiquei ali quarenta dias e quarenta noites com o rosto encostado no chão. Como havia feito antes, não comi nem bebi nada durante aquele tempo. Agi dessa maneira porque vocês pecaram contra o SENHOR, fazendo o que ele condena e provocando a sua ira.
19 Eu estava com medo da ira e do furor de Deus; ele estava tão irado, que pensava em destruí-los. Porém mais uma vez Deus atendeu o meu pedido.
20 Ele estava irado também com Arão e pensou em matá-lo; por isso orei também em favor de Arão.
21 Aí peguei o bezerro de metal, aquele objeto nojento que vocês tinham feito, e o joguei no fogo. Depois o quebrei em pedaços, moí tudo até virar pó e atirei o pó no ribeirão que corria monte abaixo.
22 - Vocês provocaram, de novo, a ira do SENHOR Deus, em Taberá, em Massá e em Quibrote-Ataavá.
23 E também o provocaram em Cades-Barnéia, quando ele mandou que tomassem posse da terra que lhes estava dando. Vocês não confiaram em Deus, mas se revoltaram contra ele e desobedeceram à sua ordem.
24 Desde o dia em que eu os conheci, vocês sempre foram rebeldes contra Deus, o SENHOR!
25 E Moisés continuou, dizendo: - Quarenta dias e quarenta noites fiquei ajoelhado, com o rosto encostado no chão, na presença de Deus, o SENHOR, pois ele tinha dito que iria destruí-los.
26 E orei assim ao SENHOR: "Ó SENHOR, meu Deus! Eu te peço que não destruas o teu povo, o teu povo escolhido, que com a tua força e com o teu poder livraste do Egito.
27 Lembra dos teus servos Abraão, Isaque e Jacó e não dês atenção à teimosia, à maldade e ao pecado deste povo.
28 Pois, se destruíres o teu povo, os egípcios vão dizer que não pudeste levá-lo para a terra que lhe prometeste. Dirão também que odeias este povo e por isso o levaste ao deserto para matá-lo.
29 Mas eles são o teu povo, o teu povo escolhido, que tiraste do Egito com a tua força e com o teu grande poder."

Deuteronômio – Capítulo 10

1 Moisés disse ao povo: - Depois disso o SENHOR Deus me disse: "Corte duas placas de pedra, iguais às primeiras, e faça também uma arca de madeira. Então venha se encontrar comigo no monte,
2 e eu escreverei nas placas aquilo que escrevi naquelas que você quebrou. Depois ponha as placas na arca."
3 - Eu fiz uma arca de madeira de acácia, cortei duas placas de pedra iguais às primeiras e subi o monte, levando-as comigo.
4 Aí Deus, o SENHOR, conforme havia feito antes, escreveu nelas os dez mandamentos, os mesmos que tinha dado a vocês quando falou do meio do fogo no alto do monte, naquele dia em que vocês estavam reunidos na presença dele. O SENHOR me entregou as placas,
5 e eu desci do monte. Conforme ele havia ordenado, coloquei as placas na arca que eu havia feito, e elas ainda estão ali.
6 (Os israelitas partiram dos poços de Benê-Jacã e foram até Mosera. Ali Arão morreu e foi sepultado, e o seu filho Eleazar ficou no lugar dele como sacerdote.
7 Depois o povo foi para Gudgoda e dali para Jotbatá, uma região onde há muitos ribeirões.
8 Foi naquela ocasião que o SENHOR Deus escolheu a tribo de Levi para que os homens dessa tribo levassem a arca da aliança, servissem como sacerdotes e abençoassem o povo em nome de Deus, o SENHOR. E eles ainda continuam fazendo tudo isso.
9 Portanto, a tribo de Levi não recebeu terras em Canaã, como as outras tribos receberam. Conforme a promessa do SENHOR Deus, o que essa tribo recebeu foi o direito de os homens servirem como sacerdotes de Deus.)
10 E Moisés continuou, dizendo ao povo: - Eu fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites, como na primeira vez. Mais uma vez o SENHOR Deus atendeu o meu pedido e não acabou com vocês.
11 E mandou que eu fosse e os guiasse, para que entrassem e tomassem posse da terra que ele havia jurado dar aos nossos antepassados.
12 - Povo de Israel, escute o que o SENHOR Deus exige de você. Ele quer que vocês o temam e sigam todas as suas ordens; quer que o amem e que o sirvam com todo o coração e com toda a alma.
13 Obedeçam a todas as leis de Deus que eu estou dando a vocês hoje, para o seu bem.
14 Os mais altos céus são de Deus, o SENHOR; a ele pertencem a terra e tudo o que nela existe.
15 Mas o amor dele pelos antepassados de vocês foi tão grande, que de todos os povos do mundo ele escolheu vocês, e até o dia de hoje vocês são o seu povo escolhido.
16 Portanto, sejam obedientes a Deus e deixem de ser teimosos.
17 Pois o SENHOR, nosso Deus, está acima de todos os deuses e autoridades. Ele é grande, poderoso e causa medo. Ele trata a todos igualmente e não aceita presentes para torcer a justiça.
18 Ele defende os direitos dos órfãos e das viúvas; ele ama os estrangeiros que vivem entre nós e lhes dá comida e roupa.
19 Amem esses estrangeiros, pois vocês foram estrangeiros no Egito.
20 Temam o SENHOR, nosso Deus, e adorem somente a ele; fiquem ligados com ele e jurem somente pelo seu nome.
21 Louvem a Deus; ele é o nosso Deus. Vocês viram com os seus próprios olhos as grandes e espantosas coisas que Deus fez em favor de vocês.
22 Quando os nossos antepassados foram para o Egito, eram somente setenta pessoas; mas agora, por causa das bênçãos do SENHOR, nosso Deus, vocês são tantos como as estrelas do céu.

Deuteronômio – Capítulo 11

1 Moisés disse ao povo: - Amem o SENHOR, nosso Deus, e sempre obedeçam às suas leis, aos seus mandamentos e às suas ordens.
2 Pensem hoje na grandeza de Deus e naquilo que aprenderam a respeito do seu poder e da sua força. Foram vocês, e não os seus filhos, que viram e conheceram tudo isso.
3 Lembrem dos milagres e de tudo o que o SENHOR Deus fez no Egito contra Faraó, rei do Egito, e contra toda aquela nação.
4 Vocês viram o que Deus fez com o exército dos egípcios e com os seus cavalos e carros de guerra, quando estavam perseguindo vocês. O SENHOR fez com que as águas do mar Vermelho os cobrissem e afogassem, e assim acabou com eles para sempre.
5 Vocês viram o que Deus fez no deserto, durante a viagem até este lugar,
6 e também o que fez com Datã e Abirão, filhos de Eliabe, da tribo de Rúben. Na presença de todos a terra se abriu e engoliu os dois, junto com as suas famílias, barracas, empregados e animais.
7 E vocês mesmos viram todos os grandes milagres que o SENHOR Deus fez.
8 - Portanto, obedeçam a todas as leis que hoje estou dando a vocês a fim de que sejam fortes e possam invadir a terra para onde estão indo e tomar posse dela.
9 Assim vocês viverão muitos anos naquela terra boa e rica que o SENHOR Deus jurou dar aos nossos antepassados e aos seus descendentes.
10 A terra que vai ser de vocês não é como o Egito, de onde saíram. Ali, depois de semearem a terra, vocês precisavam trabalhar muito para regar o chão, como se fosse uma horta.
11 Porém a terra que vocês vão possuir é uma terra de montes e vales, onde nunca falta chuva.
12 O SENHOR, nosso Deus, cuida daquela terra e nunca a esquece, desde o começo até o fim do ano.
13 Portanto, se vocês obedecerem às leis que eu lhes estou dando hoje, e se amarem o SENHOR, nosso Deus, e o servirem com todo o coração e com toda a alma,
14 então ele dará as chuvas no tempo certo, tanto as chuvas do outono como as da primavera. Assim haverá boas colheitas de cereais, de uvas e de azeitonas,
15 e haverá pastos para o gado. Vocês terão toda a comida que precisarem.
16 Tenham cuidado, não deixem que o seu coração seja enganado; não abandonem a Deus para adorar e servir outros deuses.
17 Se fizerem isso, Deus ficará irado com vocês e não mandará chuvas. Aí a terra não produzirá colheitas, e em pouco tempo vocês desaparecerão da boa terra que o SENHOR está dando a vocês.
18 - Lembrem desses mandamentos e os guardem no seu coração. Amarrem essas leis nos braços e na testa, para que não as esqueçam,
19 e não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem,
20 e as escrevam nos batentes das portas das suas casas e nos seus portões.
21 Assim vocês e os seus descendentes viverão muitos anos na terra que o SENHOR Deus jurou dar aos nossos antepassados. Enquanto o mundo existir, vocês viverão naquela terra.
22 - Portanto, obedeçam a todas as leis que eu lhes estou dando. Amem o SENHOR, nosso Deus, sigam todos os seus mandamentos e fiquem ligados com ele.
23 Se fizerem isso, Deus expulsará todas essas nações, e vocês tomarão posse de uma terra que pertence a povos mais numerosos e mais poderosos do que vocês.
24 Será de vocês toda a terra por onde andarem, desde o deserto, no Sul, até os montes Líbanos, no Norte; desde o rio Eufrates, no Leste, até o mar Mediterrâneo, no Oeste.
25 Vocês nunca serão derrotados, pois o SENHOR, nosso Deus, cumprirá o que prometeu e fará com que todos os povos daquela terra fiquem apavorados com vocês.
26 E Moisés disse ao povo: - Hoje vou deixar que vocês escolham se querem bênção ou maldição.
27 Vocês receberão a bênção se obedecerem às leis do SENHOR, nosso Deus, que estou dando a vocês hoje;
28 ou receberão a maldição, se não obedecerem às suas leis, mas rejeitarem os mandamentos que eu lhes estou dando hoje e adorarem outros deuses que vocês não conheciam.
29 Quando o SENHOR Deus os levar para a terra que vão possuir, vocês anunciarão a bênção no monte Gerizim e a maldição no monte Ebal.
30 (Esses dois montes ficam na terra dos cananeus, a oeste do rio Jordão, na região do vale do Jordão. Ficam perto da cidade de Gilgal, não longe das árvores sagradas de Moré.)
31 - Agora vocês vão atravessar o rio Jordão e tomar posse da terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes está dando. Portanto, depois de invadirem a terra e começarem a morar lá,
32 tenham o cuidado de obedecer a todas as leis e mandamentos que hoje eu estou dando a vocês.

Deuteronômio – Capítulo 12

1 Moisés disse ao povo: - São estas as leis e os mandamentos a que vocês deverão obedecer todo o tempo que viverem na terra que o SENHOR, o Deus dos nossos antepassados, vai dar a vocês.
2 Depois de expulsarem os povos daquela terra, arrasem completamente todos os lugares onde eles adoram os seus deuses, tanto nas montanhas como nas colinas e debaixo das árvores que dão sombra.
3 Derrubem os altares, quebrem as colunas do deus Baal, cortem os postes-ídolos e queimem todas as imagens, para que ninguém lembre mais dos deuses daqueles povos.
4 - Não adorem o SENHOR, nosso Deus, do jeito que aqueles povos adoram os seus deuses.
5 No território de uma das tribos, o SENHOR Deus escolherá o lugar onde vai morar e onde o povo o vai adorar. Vocês irão lá
6 e ali oferecerão em sacrifício os animais que são queimados no altar e também apresentarão outros sacrifícios. Para esse lugar trarão a décima parte dos animais e das colheitas, as contribuições, as ofertas prometidas, as ofertas feitas por vontade própria e as primeiras crias das vacas e das ovelhas.
7 Ali, na presença do SENHOR, nosso Deus, vocês e as suas famílias comerão da carne dos sacrifícios e ficarão alegres porque Deus abençoou todo o trabalho de vocês.
8 - Até agora cada um tem feito tudo como quer; mas, quando chegarem lá, não vai ser assim.
9 Vocês ainda não entraram na terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes está dando, a terra onde vão viver em paz.
10 Quando atravessarem o rio Jordão e começarem a morar na terra que o SENHOR vai dar a vocês, ele os protegerá de todos os inimigos, e vocês viverão em paz.
11 Então o nosso Deus escolherá o lugar onde ele será adorado, e para lá vocês levarão tudo o que estou ordenando, isto é, os animais que são queimados no altar e os outros sacrifícios, a décima parte dos animais e das colheitas, as contribuições e todas as outras ofertas prometidas a Deus.
12 Na presença do SENHOR, nosso Deus, todos se alegrarão: vocês, os seus filhos e as suas filhas, os seus escravos e as suas escravas e os levitas que estiverem morando nas cidades onde vocês vivem. Eles não receberão terras em Canaã, como as outras tribos vão receber.
13 - Portanto, não ofereçam sacrifícios em qualquer lugar que quiserem,
14 mas somente no lugar que o SENHOR Deus escolher no território de uma das tribos. Ali vocês oferecerão sacrifícios e farão todas as outras coisas que tenho ordenado.
15 Porém, quando vocês quiserem comer carne, poderão comer os seus animais em qualquer lugar onde vocês estiverem morando. Vocês poderão comer tantos animais quantos o SENHOR, nosso Deus, lhes der. Todos vocês, quer estejam puros ou impuros, poderão comê-los, como comeriam carne de gazela ou de veado.
16 Mas não comam o sangue dos animais; o sangue deve ser despejado no chão, como se fosse água.
17 - Os sacrifícios oferecidos a Deus não podem ser comidos nos lugares onde vocês vão morar. A décima parte dos cereais, do vinho e do azeite; as primeiras crias das vacas e das ovelhas; as ofertas prometidas; as ofertas feitas por vontade própria e qualquer outra oferta
18 todos esses sacrifícios e ofertas vocês poderão comer somente no lugar que o SENHOR, nosso Deus, escolher. Ali na presença de Deus todos comerão da carne dos sacrifícios: vocês, os seus filhos e as suas filhas, os seus escravos e as suas escravas e os levitas que estiverem morando nas cidades onde vocês vivem. E todos se alegrarão porque Deus abençoou todo o trabalho de vocês.
19 Lembrem de cuidar dos levitas durante todo o tempo em que vocês viverem naquela terra.
20 - O SENHOR, nosso Deus, cumprirá a sua promessa e aumentará o território de vocês. Então poderão comer carne sempre que quiserem.
21 E, se estiverem longe do lugar que o SENHOR tiver escolhido para nele ser adorado, vocês poderão fazer o que eu ordenei: ali onde estiverem morando, poderão matar vacas e ovelhas que Deus lhes tiver dado e comer carne à vontade.
22 Todas as pessoas, tanto as que estão puras como as que estão impuras, poderão comer carne desses animais, como comeriam carne de gazela ou de veado.
23 Mas não comam o sangue: a vida está no sangue, e vocês não devem comer carne com vida.
24 Não comam sangue; despejem o sangue no chão, como se fosse água.
25 Obedeçam a essa lei e façam o que o SENHOR Deus acha certo, e assim vocês e os seus descendentes serão felizes.
26 As coisas dedicadas ao SENHOR Deus e as ofertas prometidas devem ser levadas para o lugar que ele escolher,
27 e ali no altar do SENHOR devem ser oferecidos os animais que são completamente queimados. E ofereçam também em sacrifício os outros animais; despejem o sangue em cima do altar e comam a carne.
28 Obedeçam fielmente a todas essas leis que eu estou dando a vocês e façam tudo o que o SENHOR, nosso Deus, acha bom e certo; assim vocês e os seus descendentes serão felizes para sempre.
29 Moisés continuou, dizendo: - O SENHOR, nosso Deus, acabará com os povos da terra que vocês vão invadir e que vai ser de vocês.
30 Portanto, quando estiverem morando lá, não imitem aquela gente. Não sigam a religião deles, nem adorem os seus deuses, pois isso seria um pecado mortal.
31 Não adorem o SENHOR, nosso Deus, do jeito que aqueles povos adoram os seus deuses, pois ele odeia e detesta tudo o que esses povos fazem nas suas reuniões religiosas. Eles até chegam a oferecer a esses deuses os filhos e as filhas para serem queimados em sacrifício no altar.
32 - Obedeçam a todas as leis que eu estou dando a vocês, sem acrescentar nem tirar nada.

Deuteronômio – Capítulo 17

1 - Não ofereçam em sacrifício ao SENHOR, nosso Deus, um touro ou uma ovelha que tenha defeitos; Deus detesta isso.
2 - É possível que, em alguma das cidades que o SENHOR, nosso Deus, vai dar a vocês, um homem ou uma mulher peque contra Deus e quebre a aliança feita com ele,
3 isto é, adore outros deuses, ou o sol, ou a lua, ou as estrelas, desobedecendo assim à lei de Deus.
4 Se souberem que alguém está fazendo isso, examinem o caso com todo o cuidado. Se ficar provado que, de fato, foi cometido um pecado tão grave no meio do povo de Israel,
5 levem a pessoa culpada, seja homem ou mulher, para fora da cidade e a matem a pedradas.
6 Mas é preciso haver pelo menos duas testemunhas para que uma pessoa seja condenada à morte; ninguém pode ser morto se houver somente uma testemunha.
7 As testemunhas serão as primeiras a jogarem pedras no condenado; depois todos os outros devem atirar pedras também. Matem essa pessoa e assim tirarão o mal do meio do povo.
8 - Pode acontecer que numa cidade apareça um caso tão difícil, que o juiz do lugar não possa resolvê-lo. Pode ser um caso de assassinato, ou questão de propriedade, ou caso de violência, ou outra questão qualquer. Quando isso acontecer, vão até o lugar escolhido por Deus, o SENHOR, para nele ser adorado
9 e apresentem o caso aos sacerdotes levitas e ao juiz que estiver resolvendo as questões naquele tempo. Eles julgarão o caso e darão a sua decisão.
10 Vocês farão tudo o que eles mandarem, obedecendo a todas as suas instruções.
11 Aceitem a decisão deles, sigam as suas instruções e cumpram rigorosamente as ordens que eles derem.
12 Mas, se houver alguém tão orgulhoso, que não queira obedecer à decisão do sacerdote ou do juiz, esse alguém será morto, e assim vocês tirarão o mal do meio do povo de Israel.
13 Quando souberem do que aconteceu, todos ficarão com medo, e ninguém mais fará a mesma coisa.
14 - Depois que vocês entrarem na terra que o SENHOR, nosso Deus, está dando a vocês e tomarem posse dela e depois que tiverem morado lá algum tempo, vocês vão querer um rei para os governar, como os reis das nações vizinhas.
15 O homem que escolherem para ser o rei deve ser indicado por Deus, o SENHOR. Não pode ser estrangeiro; somente um israelita pode ser escolhido como rei.
16 O rei não deverá ter muitos cavalos no seu exército e também não mandará homens ao Egito para comprarem cavalos, pois o SENHOR já disse a vocês que nunca mais voltariam para o Egito.
17 O rei não deverá ter muitas mulheres, pois isso o levaria a abandonar a Deus. E também não ajuntará para si muita prata e ouro.
18 - Quando o rei começar a governar, mandará fazer uma cópia da lei de Deus que está no livro guardado pelos sacerdotes levitas.
19 Ele deverá ficar com essa cópia e todos os dias da sua vida lerá a lei, para que aprenda a temer o SENHOR, nosso Deus, e para que sempre obedeça fielmente a todas as leis e a todos os mandamentos.
20 Se fizer isso, ele não irá pensar que é mais do que os outros e cumprirá fielmente todas as leis. Assim reinará muitos anos, e os seus descendentes serão reis de Israel por muito tempo.

Deuteronômio – Capítulo 24

1 Moisés disse ao povo: - Pode acontecer que um homem case, mas depois de algum tempo não goste mais da esposa porque há nela alguma coisa que não agrada a ele. Nesse caso ele deve preparar um documento de divórcio, entregá-lo à esposa e mandá-la embora.
2 Ela irá, e então poderá acontecer que case com outro homem
3 e que este também não goste mais dela e se divorcie; ou então poderá acontecer que ele morra.
4 Em qualquer um desses casos, o primeiro marido não poderá casar de novo com essa mulher; ela é impura para ele. Casar de novo com ela seria uma ofensa contra Deus, o SENHOR. Portanto, não deixem que se cometa um pecado tão grave assim na terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes está dando para ser de vocês.
5 - Um homem que tenha casado há pouco tempo ficará livre por um ano do serviço militar e de qualquer outro serviço público. Ele tem o direito de ficar em casa um ano, fazendo com que a sua esposa se sinta feliz.
6 - Quando você emprestar alguma coisa a alguém, não aceite como garantia de pagamento as duas pedras de moinho que ele usa para moer o trigo e não pegue nem mesmo só a pedra de cima; pois, se ele não tiver as duas, não poderá moer o trigo e assim morrerá de fome.
7 - Se alguém raptar outro israelita e obrigá-lo a ser seu escravo ou o vender, esse criminoso será morto. Assim vocês tirarão o mal do meio do povo de Israel.
8 - Se você ficar com uma doença contagiosa da pele, siga com todo o cuidado as instruções dos sacerdotes levitas. Obedeça a todas as ordens que eu dei a eles.
9 Não esqueça aquilo que o SENHOR, nosso Deus, fez com Míriam quando estávamos saindo do Egito.
10 - Quando você emprestar alguma coisa a outro israelita, e ele prometer como garantia de pagamento a capa de dormir, não entre na casa dele a fim de pegar a capa,
11 mas espere lá fora até que ele a traga para você.
12 Se ele for pobre, não fique com a capa durante a noite;
13 devolva-a ao dono antes do pôr-do-sol, para que a use como cobertor. Ele ficará agradecido, e você terá feito aquilo que o SENHOR, nosso Deus, acha certo.
14 - Não explore o empregado pobre e humilde, que é pago por dia, seja ele israelita ou um estrangeiro que mora na cidade onde você vive.
15 Pague o salário dele no mesmo dia, antes do pôr-do-sol, pois ele é pobre e espera ansioso pelo dinheiro. Se você não pagar, ele gritará a Deus, o SENHOR, contra você, e você será culpado de pecado.
16 - Os pais não serão mortos por causa de crimes cometidos pelos filhos, nem os filhos por causa de crimes cometidos pelos pais; uma pessoa será morta somente como castigo pelo crime que ela mesma cometeu.
17 - Respeitem os direitos dos órfãos e dos estrangeiros que moram nas cidades de vocês. Não aceitem como garantia de pagamento de uma dívida a roupa da viúva a quem vocês emprestaram alguma coisa.
18 Lembrem que vocês foram escravos no Egito e que o SENHOR, nosso Deus, os tirou dali. Por isso eu exijo que obedeçam a essa lei.
19 - Pode acontecer que na colheita do trigo ou da cevada você esqueça de pegar um feixe de espigas; nesse caso, não volte para pegá-lo, mas deixe-o lá no campo para os estrangeiros, para os órfãos e para as viúvas. Assim o SENHOR, nosso Deus, abençoará tudo o que você fizer.
20 Na colheita das azeitonas, depois que você sacudir as oliveiras, não volte para pegar as azeitonas que ficaram nas árvores; deixe-as para os estrangeiros, para os órfãos e para as viúvas.
21 E faça só uma colheita de uvas nas suas plantações; as uvas que ficarem nos pés serão deixadas para os estrangeiros, para os órfãos e para as viúvas.
22 Lembrem que vocês foram escravos no Egito; é por isso que eu exijo que obedeçam a essa lei.

Deuteronômio – Capítulo 26

1 Moisés disse ao povo: - Vocês vão tomar posse da terra que o SENHOR, nosso Deus, está dando a vocês. Depois de morarem lá algum tempo,
2 cada um deve pegar a primeira parte de todas as colheitas produzidas pela terra que o SENHOR Deus lhe deu, deve colocá-la num cesto e levar para o lugar que Deus tiver escolhido para nele ser adorado.
3 Vá falar com o sacerdote que estiver servindo naquele dia e diga: "Declaro hoje que estou morando na terra que o SENHOR, nosso Deus, prometeu dar aos nossos antepassados."
4 Aí o sacerdote pegará o cesto e o colocará na frente do altar do SENHOR, nosso Deus.
5 Então, na presença do SENHOR, você fará esta declaração: "O meu antepassado foi um arameu que não tinha lugar certo onde morar. Ele foi com a família para o Egito, e ali eles moraram como estrangeiros. Quando chegaram lá, eram poucos, mas aumentaram em número e se tornaram um povo grande e forte.
6 Os egípcios nos maltrataram e nos obrigaram a fazer trabalhos pesados.
7 Então oramos, pedindo socorro ao SENHOR, o Deus dos nossos antepassados. Ele nos atendeu e viu a nossa aflição, a nossa miséria e como éramos perseguidos.
8 Com a sua força e com o seu poder ele fez milagres, maravilhas e coisas espantosas, e nos tirou do Egito,
9 e nos trouxe até esta terra que nos deu, uma terra boa e rica.
10 E agora, ó SENHOR Deus, eu te ofereço a primeira parte das colheitas da terra que me deste." - Depois, coloque a oferta diante do SENHOR, nosso Deus, e ajoelhe-se na sua presença.
11 Fique alegre por causa de todas as coisas boas que o SENHOR deu a você e à sua família e faça uma festa com os levitas e com os estrangeiros que moram onde você vive.
12 - De três em três anos junte a décima parte das colheitas daquele ano e dê aos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e às viúvas que moram na sua cidade, para que tenham toda a comida que precisarem.
13 Depois, na presença do SENHOR, nosso Deus, você dirá o seguinte: "Entreguei aos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e às viúvas a parte das minhas colheitas que pertence a ti. Obedeci a todos os teus mandamentos; não deixei de cumprir nenhum deles e fiz tudo o que mandaste a respeito do dízimo.
14 Não comi nenhuma porção do dízimo quando estava de luto, não levei nenhuma parte para fora da cidade quando estava impuro, nem dei nenhuma parte como oferta pelos mortos. Fiz tudo o que mandaste, ó SENHOR, meu Deus, e obedeci à tua ordem.
15 Olha do céu, onde moras, ó Deus, e abençoa-nos, o teu povo de Israel, e abençoa esta terra boa e rica que nos deste, conforme prometeste aos nossos antepassados."
16 Moisés disse ao povo: - Hoje o SENHOR, nosso Deus, está mandando que vocês obedeçam a esses mandamentos; portanto, cumpram as suas leis com todo o coração e com toda a alma.
17 Hoje vocês afirmaram que o SENHOR é o seu Deus e prometeram andar sempre nos caminhos dele, obedecendo às suas leis e aos seus mandamentos e fazendo tudo o que ele mandar.
18 E hoje o SENHOR Deus declara que, conforme prometeu, vocês são o povo que é somente dele, e ele manda que vocês obedeçam a todos os seus mandamentos.
19 Assim ele vai abençoá-los, dando-lhes mais fama, glória e honra do que a qualquer outro povo que ele criou. E, conforme ele disse, vocês serão o seu povo escolhido, o povo que é somente dele.

Deuteronômio – Capítulo 27

1 Moisés, junto com as autoridades de Israel, deu ao povo as seguintes ordens: - Obedeçam a todos esses mandamentos que hoje eu estou dando a vocês.
2 Depois de atravessarem o rio Jordão e entrarem na terra que o SENHOR, nosso Deus, está dando a vocês, levantem pedras grandes, pintem com cal
3 e escrevam nelas todas essas leis e mandamentos. Vocês vão entrar na terra boa e rica que o SENHOR, o Deus dos nossos antepassados, está dando a vocês, conforme prometeu.
4 Quando isso acontecer, e vocês estiverem no outro lado do rio Jordão, levantem estas pedras no monte Ebal, como estou mandando hoje, e as pintem com cal.
5 Construam ali um altar ao SENHOR, nosso Deus, usando pedras que não tenham sido cortadas com ferramentas.
6 Escolham pedras brutas para construírem o altar e sobre ele ofereçam ao SENHOR sacrifícios que serão completamente queimados
7 e ofertas de paz. Comam dos sacrifícios e alegrem-se ali na presença de Deus, o SENHOR.
8 Nas pedras pintadas escrevam com cuidado todas as palavras da lei de Deus.
9 Então Moisés, junto com os sacerdotes levitas, disse a todos os israelitas: - Povo de Israel, fique quieto e preste atenção! Hoje vocês se tornaram o povo do SENHOR, nosso Deus.
10 Portanto, obedeçam a tudo o que ele mandar e cumpram todos os mandamentos e todas as leis que eu estou dando a vocês hoje.
11 Nesse mesmo dia Moisés disse ao povo de Israel:
12 - Depois que tiverem atravessado o rio Jordão, vocês serão abençoados do alto do monte Gerizim. Ficarão nesse monte as seguintes tribos: Simeão, Levi, Judá, Issacar, José e Benjamim.
13 As maldições serão ditas do monte Ebal, e ali ficarão as seguintes tribos: Rúben, Gade, Aser, Zebulom, Dã e Naftali.
14 Os levitas falarão bem alto a todo o povo, assim:
15 - "Maldito seja aquele que fizer imagens de pedra, de madeira ou de metal, para adorá-las em segredo; o SENHOR detesta a idolatria!" E o povo responderá: "Amém!"
16 - "Maldito seja aquele que desrespeitar o pai ou a mãe!" E o povo responderá: "Amém!"
17 - "Maldito seja aquele que mudar de lugar os marcos de divisa do terreno do vizinho!" E o povo responderá: "Amém!"
18 - "Maldito seja aquele que fizer um cego errar o caminho!" E o povo responderá: "Amém!"
19 - "Maldito seja aquele que não respeitar os direitos dos estrangeiros, dos órfãos e das viúvas!" E o povo responderá: "Amém!"
20 - "Maldito seja aquele que tiver relações com uma das mulheres do pai, pois isso é uma vergonha para o pai!" E o povo responderá: "Amém!"
21 - "Maldito seja aquele que tiver relações com um animal!" E o povo responderá: "Amém!"
22 - "Maldito seja aquele que tiver relações com a irmã, seja irmã por parte de pai e mãe ou somente por parte de pai!" E o povo responderá: "Amém!"
23 - "Maldito seja aquele que tiver relações com a sogra!" E o povo responderá: "Amém!"
24 - "Maldito seja aquele que matar outro israelita à traição!" E o povo responderá: "Amém!"
25 - "Maldito seja aquele que receber dinheiro para matar uma pessoa inocente!" E o povo responderá: "Amém!"
26 - "Maldito seja aquele que não obedecer a essas leis de Deus!" E o povo responderá: "Amém!"

Deuteronômio – Capítulo 29

1 São estas as condições da aliança que o SENHOR Deus mandou que Moisés fizesse com os israelitas quando estavam na terra de Moabe, além da aliança que havia feito com eles no monte Sinai.
2 Moisés mandou reunir todo o povo. Então lhes disse: - Quando vocês estavam no Egito, viram o que o SENHOR fez com o rei e os seus oficiais e com todo o país.
3 Vocês viram as pragas, os milagres e as outras coisas espantosas que ele fez.
4 Mas até o dia de hoje o SENHOR não deixou que vocês percebessem, ouvissem ou entendessem tudo o que viram.
5 Durante quarenta anos ele os guiou pelo deserto; nesse tempo todo não ficaram gastas as roupas que vocês vestiam, nem as sandálias que calçavam.
6 Vocês não tinham pão para comer, nem vinho ou cerveja para beber, mas Deus lhes deu tudo o que precisavam, a fim de que ficassem sabendo que ele é o SENHOR, nosso Deus.
7 Quando chegamos aqui em Moabe, aconteceu que Seom, rei de Hesbom, e Ogue, rei de Basã, saíram com os seus exércitos para lutar contra nós. Nós os derrotamos,
8 ficamos com as terras deles e as repartimos entre as tribos de Rúben e de Gade e metade da tribo de Manassés.
9 Portanto, cumpram todas as condições desta aliança para que tudo o que fizerem dê certo.
10 - Hoje todos vocês estão aqui na presença do SENHOR, nosso Deus: os chefes das tribos, os líderes e as autoridades, todos os homens,
11 as crianças e as mulheres, todos os estrangeiros que moram no acampamento, até os que cortam lenha e os que carregam água.
12 Vocês estão aqui para prometer que vão cumprir a aliança que o SENHOR, nosso Deus, jurou que ia fazer. Ele está fazendo esta aliança com vocês hoje
13 para que sejam o seu povo escolhido, e para que ele seja o Deus de vocês, conforme lhes prometeu e conforme o juramento que fez aos nossos antepassados Abraão, Isaque e Jacó.
14 A aliança selada com o juramento de Deus não é feita somente com vocês
15 que estão reunidos hoje aqui na presença do SENHOR, nosso Deus; é feita também com todos os seus descendentes que ainda vão nascer.
16 - Vocês lembram da nossa vida no Egito e lembram também dos países que atravessamos.
17 Vocês viram os ídolos nojentos que os povos daqueles países adoram, as imagens de madeira, de pedra, de prata e de ouro.
18 Portanto, que nenhum de vocês, quer seja homem, mulher, família ou tribo, abandone o SENHOR, nosso Deus, para adorar os deuses daqueles povos. Isso seria como uma planta que brota e cresce e dá frutas amargas e venenosas.
19 Que ninguém aqui ouça este juramento e depois diga a si mesmo que tudo vai bem e que nenhum mal lhe acontecerá, mesmo que continue na sua maldade! Isso causaria a destruição de todos, tanto dos bons como dos maus.
20 O SENHOR Deus não perdoará quem fizer isso; pelo contrário, descarregará a sua ira e o seu furor sobre ele e o castigará com todas as maldições que estão escritas neste livro, e ninguém lembrará mais dele.
21 O SENHOR o separará das tribos de Israel e o castigará, conforme todas as maldições que estão na aliança que vem escrita neste Livro da Lei de Deus.
22 - No futuro os seus descendentes e os estrangeiros que virão de países distantes verão os resultados dos desastres e das doenças que o SENHOR vai mandar a esta nação.
23 O país ficará um deserto, todo coberto de enxofre e de sal. Não haverá plantações nem colheitas, e nenhuma erva crescerá ali. O país vai ficar como as cidades de Sodoma e Gomorra, de Admá e Zeboim, que o SENHOR Deus destruiu quando ficou irado e furioso com elas.
24 Portanto, no futuro os outros povos perguntarão: "Por que Deus fez isso com este país? Por que ficou tão irado e furioso?"
25 E a resposta será: "Deus fez isso porque este povo quebrou a aliança que o SENHOR, o Deus dos seus antepassados, fez com eles quando os tirou do Egito.
26 Eles se ajoelharam diante de outros deuses e os adoraram, deuses cujo amor eles não haviam sentido, deuses que Deus não havia indicado para serem adorados pelo seu povo.
27 O SENHOR Deus ficou irado com este povo e por isso castigou o país deles com todas as maldições escritas neste livro.
28 Ele ficou tão irado, tão furioso, que os arrancou da terra onde moravam e os jogou noutra terra, onde estão morando agora."
29 - Há coisas que não sabemos, e elas pertencem ao SENHOR, nosso Deus; mas o que ele revelou, isto é, a sua Lei, é para nós e para os nossos descendentes, para sempre. Ele fez isso a fim de que obedecêssemos a todas as suas leis.

Deuteronômio – Capítulo 30

1 Moisés disse ao povo: - Eu já anunciei a vocês as bênçãos e as maldições que Deus prometeu mandar. Quando ele fizer cair sobre vocês os castigos, e vocês estiverem espalhados por todas as nações onde o SENHOR, nosso Deus, os tiver jogado, vocês lembrarão daquelas bênçãos e maldições.
2 Portanto, se vocês e os seus descendentes se voltarem arrependidos para Deus e com todo o coração e com toda a alma obedecerem ao que ele manda fazer, conforme as ordens que hoje eu estou dando a vocês,
3 então o SENHOR, nosso Deus, terá pena de vocês. Ele os reunirá de todos os países por onde os tiver espalhado e os trará de volta à pátria.
4 Mesmo que vocês estejam espalhados até os cantos mais distantes do mundo, o SENHOR, nosso Deus, os reunirá e os fará voltar
5 para a terra que os antepassados de vocês tinham possuído. Ela será de vocês, e Deus os abençoará ainda mais do que abençoou os seus antepassados.
6 O SENHOR, nosso Deus, dará a vocês e aos seus descendentes corações dispostos a obedecer, a fim de que o amem com todo o coração e com toda a alma e assim continuem a viver naquela terra.
7 Com aquelas maldições o SENHOR Deus castigará todos os inimigos, todos os que odeiam e perseguem vocês,
8 e vocês obedecerão de novo a Deus, o SENHOR, e cumprirão todos os seus mandamentos que hoje eu estou dando a vocês.
9 Então Deus os abençoará em tudo o que fizerem e lhes dará muitos filhos, muitos animais e boas colheitas. Deus novamente terá prazer em fazê-los prosperar, como fez com os seus antepassados.
10 Isso ele fará se vocês obedecerem ao SENHOR, nosso Deus, se cumprirem todas as suas leis e todos os seus mandamentos que estão escritos neste Livro da Lei de Deus e se voltarem com todo o coração e com toda a alma para o SENHOR, nosso Deus.
11 - Os mandamentos que hoje estou dando a vocês não são difíceis de entender, nem de cumprir.
12 Não estão lá em cima, no céu, de modo que vocês perguntem: "Quem subirá até o céu a fim de nos trazer os mandamentos, para os ouvirmos e cumprirmos?"
13 Nem estão do outro lado do mar, de modo que perguntem: "Quem atravessará o mar a fim de nos trazer os mandamentos, para os ouvirmos e cumprirmos?"
14 Pelo contrário, os mandamentos estão aqui com vocês; vocês os guardam no coração e podem recitá-los e por isso devem cumpri-los.
15 - Hoje estou deixando que vocês escolham entre o bem e o mal, entre a vida e a morte.
16 Se vocês obedecerem aos mandamentos do SENHOR, nosso Deus, que hoje eu estou dando a vocês, e o amarem, e andarem no caminho que ele mostra, e cumprirem todas as suas leis e todos os seus mandamentos, vocês viverão muito tempo na terra que vão invadir e que vai ser de vocês. E Deus os abençoará e lhes dará muitos descendentes.
17 Porém eu lhes afirmo hoje mesmo que, se abandonarem a Deus e não quiserem obedecer e se caírem na tentação de adorar e servir outros deuses, nesse caso vocês serão completamente destruídos e não viverão muito tempo na terra que estão para possuir no outro lado do rio Jordão.
19 Neste dia chamo o céu e a terra como testemunhas contra vocês. Eu lhes dou a oportunidade de escolherem entre a vida e a morte, entre a bênção e a maldição. Escolham a vida, para que vocês e os seus descendentes vivam muitos anos.
20 Amem o SENHOR, nosso Deus, obedeçam ao que ele manda e fiquem ligados com ele. Assim vocês continuarão a viver e viverão muitos anos na terra que o SENHOR Deus jurou que daria aos nossos antepassados Abraão, Isaque e Jacó.

Deuteronômio – Capítulo 31

1 Moisés continuou dizendo ao povo de Israel:
2 - Já estou com cento e vinte anos e não posso mais dar conta do meu trabalho. Além disso, o SENHOR Deus me disse que eu não vou atravessar o rio Jordão.
3 O SENHOR, nosso Deus, irá na frente de vocês e destruirá os povos que encontrarem, e vocês tomarão posse da terra. E, conforme o SENHOR ordenou, Josué os comandará.
4 Deus destruirá aqueles povos como destruiu Seom e Ogue, os reis dos amorreus, e a terra deles.
5 Deus entregará esses povos nas suas mãos, e vocês devem tratá-los exatamente de acordo com as ordens que lhes dei.
6 Sejam fortes e corajosos; não se assustem, nem tenham medo deles, pois é o SENHOR, nosso Deus, quem irá com vocês. Ele não os deixará, nem abandonará.
7 Depois Moisés chamou Josué e, na presença de todo o povo, lhe disse: - Seja forte e corajoso, pois você vai comandar este povo na conquista da terra que o SENHOR jurou que daria aos nossos antepassados.
8 O SENHOR Deus irá na sua frente; ele mesmo estará com você e não o deixará, não o abandonará. Não se assuste, nem tenha medo.
9 Moisés escreveu esta Lei e a entregou aos líderes do povo e aos sacerdotes levitas que levavam a arca da aliança de Deus, o SENHOR.
10 E Moisés lhes deu a seguinte ordem: - De sete em sete anos, no ano marcado para perdoar as dívidas, leiam esta Lei durante a Festa das Barracas.
11 Todos os israelitas deverão estar presentes para adorar o SENHOR Deus no lugar que ele tiver escolhido. Ali, na presença do povo, leiam a Lei em voz alta.
12 Reúnam todo o povo - homens, mulheres, crianças e os estrangeiros que moram nas cidades onde vocês vivem - para que ouçam a leitura, aprendam a Lei, temam o SENHOR, nosso Deus, e obedeçam fielmente a tudo o que a Lei manda.
13 Assim os seus descendentes que ainda não conhecerem a Lei de Deus também ouvirão a leitura e aprenderão a temer o SENHOR, nosso Deus, durante todo o tempo em que viverem na terra que fica do outro lado do rio Jordão e que vai ser do povo de Israel.
14 O SENHOR Deus disse a Moisés: - Está chegando o dia da sua morte. Chame Josué, e vocês dois vão até a Tenda Sagrada. Ali darei as minhas ordens a Josué. Então Moisés e Josué foram,
15 e ali na Tenda Sagrada o SENHOR Deus apareceu numa coluna de nuvem, que estava parada perto da entrada da Tenda.
16 E o SENHOR disse a Moisés: - Você vai morrer logo, e então este povo se tornará infiel, indo atrás dos deuses da terra em que vão entrar. Eles me abandonarão e assim quebrarão a aliança que fiz com eles.
17 Quando isso acontecer, eu ficarei irado com eles e os abandonarei; e, por não terem a minha ajuda, eles serão destruídos. Virão tantos desastres e tantas dificuldades, que eles dirão: "Nós estamos sofrendo tudo isso porque o nosso Deus não está conosco."
18 Naquele dia eu certamente os abandonarei, pois fizeram muitas maldades e adoraram outros deuses.
19 - Agora escreva esta canção e ensine aos israelitas. Mande que eles a aprendam de cor, pois ela será minha testemunha contra eles.
20 Eu levarei o meu povo para aquela terra boa e rica que jurei dar aos antepassados deles. Ali eles terão tudo o que precisarem e ficarão ricos. Então vão me abandonar e adorar outros deuses, quebrando assim a aliança que fiz com eles.
21 Por isso serão castigados com desgraças e dificuldades, e esta canção será minha testemunha contra eles, pois os seus descendentes continuarão a cantá-la. Eu sei muito bem o que este povo está pensando; mesmo antes de levá-los para a terra que jurei dar a eles, eu sei muito bem o que estão planejando fazer lá.
22 Naquele mesmo dia Moisés escreveu a canção e a ensinou ao povo de Israel.
23 O SENHOR falou com Josué, filho de Num, e lhe disse: - Seja forte e corajoso. Você comandará o povo na conquista da terra que prometi dar a eles, e eu estarei com você.
24 Moisés escreveu com cuidado num livro todas as palavras da Lei de Deus
25 e depois o entregou aos levitas encarregados de levar a arca da aliança de Deus, o SENHOR. Moisés lhes disse:
26 - Ponham este Livro da Lei de Deus ao lado da arca da aliança do SENHOR, nosso Deus, para que fique ali como testemunha contra o povo.
27 Eu sei que essa gente é rebelde e teimosa. Se eles se revoltaram contra o SENHOR Deus enquanto eu ainda vivia, quanto mais depois que eu morrer!
28 Reúnam aqui na minha presença todos os líderes das tribos e as outras autoridades para que eu lhes diga todas essas coisas. Chamarei o céu e a terra como testemunhas contra eles,
29 pois sei que depois da minha morte eles se entregarão ao pecado e não obedecerão às minhas ordens. Então chegará o dia em que serão castigados, pois os seus pecados farão com que Deus fique irado com eles.
30 Em seguida, na presença de todo o povo de Israel, Moisés recitou em voz alta, do começo ao fim, esta canção:

Deuteronômio – Capítulo 32

1 Escutem, ó céu e terra, e dêem atenção às minhas palavras.
2 Que o meu ensino seja como a chuva que cai mansamente sobre a terra; que as minhas palavras sejam como o orvalho que se espalha sobre as plantas.
3 Eu louvarei o nome do SENHOR. Anunciem a grandeza do nosso Deus!
4 O SENHOR é a nossa rocha; ele é perfeito e justo em tudo o que faz. Ele é fiel e correto e julga com justiça e honestidade.
5 Mas o seu povo se entregou ao pecado e por isso eles não merecem ser filhos dele. São gente pecadora e má.
6 Povo sem juízo e sem sabedoria, é assim que tratam o SENHOR Deus? Ele é o seu Pai, que os criou; foi ele quem fundou e firmou a nação de vocês.
7 Lembrem do passado, daquilo que aconteceu há muitos anos. Perguntem aos seus pais o que foi que aconteceu e peçam aos velhos que lhes contem o que se passou.
8 Quando o Altíssimo separou os povos e deu a cada povo as suas terras, ele marcou as fronteiras das nações, dando a cada uma o seu próprio deus.
9 Mas escolheu Israel para ser o seu povo; os descendentes de Jacó pertencem ao SENHOR.
10 Deus os encontrou perdidos no deserto, numa região onde viviam animais ferozes. Chegou perto, cuidou deles e os protegeu como se fossem a menina dos seus olhos.
11 Como a águia ensina os filhotes a voar e com as asas estendidas os pega quando estão caindo, assim o SENHOR Deus cuida do seu povo.
12 Ele os guiou sozinho, sem a ajuda de outro deus.
13 O SENHOR deixou que o seu povo dominasse as montanhas, e eles se alimentaram das plantações dos campos. Deu-lhes mel de abelhas nos rochedos e fez com que as oliveiras produzissem em terreno cheio de pedras.
14 Alimentou-os com leite de vaca e de cabra, deu-lhes a carne dos melhores carneirinhos, carneiros e bodes, o melhor trigo e o vinho mais fino.
15 O povo escolhido ficou rico, mas se revoltou contra Deus. Enriqueceu, progrediu, ficou satisfeito, mas abandonou a Deus, o seu Criador, e rejeitou o seu protetor e Salvador.
16 Com os seus deuses falsos eles provocaram a Deus, adoraram ídolos nojentos, e por isso ele ficou irado.
17 Ofereceram sacrifícios aos demônios, a deuses falsos que não haviam adorado antes, novos deuses que os seus antepassados não conheciam.
18 Esqueceram o seu protetor; desprezaram o seu Pai e Criador.
19 O SENHOR Deus viu isso, ficou irado e rejeitou os seus filhos e filhas.
20 Ele disse: "Eu os abandonarei e então verei o que vai acontecer com eles, pois são um povo rebelde, são filhos desobedientes.
21 Com as suas imagens provocaram a minha ira, e fiquei com ciúmes dos seus deuses falsos. Portanto, eu farei com que eles fiquem com ciúmes de um povo que não é nação; e, com gente sem juízo, eu provocarei a ira deles.
22 A minha ira se acenderá como fogo e acabará com tudo o que há na terra; ela queimará até o mundo dos mortos e incendiará as bases das montanhas.
23 "Farei cair sobre eles desgraças sem fim e os ferirei com muitos sofrimentos.
24 A fome os matará, febres e doenças sem cura os destruirão. Mandarei animais selvagens para atacá-los e cobras venenosas para picá-los.
25 Fora de casa morrerão na guerra e dentro de casa morrerão de medo. Serão mortos os moços e as moças, as crianças e os velhos também.
26 Eu os poderia ter espalhado pelo mundo inteiro, e todos os esqueceriam.
27 Porém eu não queria que os seus inimigos zombassem e mentissem, dizendo que haviam derrotado o meu povo, afirmando que não fui eu, o SENHOR Deus, quem os destruiu."
28 Israel é um povo sem juízo, um povo que não entende nada.
29 Se eles fossem sábios, entenderiam por que foram derrotados, saberiam qual a razão do seu castigo.
30 Por que foi que mil deles fugiram de um só inimigo, e dez mil foram perseguidos por dois? Foi porque o seu protetor os abandonou; o SENHOR Deus os vendeu aos inimigos.
31 Os deuses dos nossos inimigos não são tão poderosos como o nosso Deus; os próprios inimigos dizem isso.
32 Eles são tão maus como a gente de Sodoma e Gomorra; são como parreiras que dão uvas que não prestam, uvas amargas e venenosas;
33 são como vinho feito de veneno de cobra, do veneno mortal das serpentes.
34 Deus lembra daquilo que os inimigos fizeram e espera o tempo certo para castigá-los.
35 Deus se vingará; ele acertará contas com eles. Virá o tempo em que os inimigos cairão; o dia da desgraça deles está chegando depressa.
36 O SENHOR Deus terá pena do seu povo quando vir que eles estão fracos. Ele salvará aqueles que o servem, pois todos eles foram derrotados.
37 Então ele perguntará ao seu povo: "Onde estão os seus deuses? Onde está o protetor em quem vocês confiavam?
38 Vocês lhes ofereciam sacrifícios e lhes davam animais e vinho. Pois que agora eles os ajudem, que eles venham socorrê-los!
39 "Saibam todos que eu, somente eu, sou Deus; não há outro deus além de mim. Eu mato e eu faço viver; eu firo e eu curo. Ninguém pode me impedir de fazer o que quero.
40 Agora levanto a mão para o céu e juro pela minha vida eterna que farei isto:
41 Afiarei a minha espada brilhante e começarei a fazer justiça. Vou me vingar dos meus inimigos e castigar os que me odeiam.
42 As minhas flechas ficarão manchadas de sangue, e a minha espada matará os meus inimigos. Não escapará nenhum dos que lutam contra mim; até os prisioneiros serão mortos."
43 Que todas as nações louvem o povo de Deus! Deus se vingará dos que mataram os seus servos. Ele se vingará dos seus inimigos e perdoará os pecados do seu povo.
44 Moisés e Josué, filho de Num, recitaram essa canção inteira na presença do povo.
45 Moisés acabou de ensinar ao povo de Israel toda a lei de Deus
46 e então disse: - Pensem bem em tudo o que lhes ensinei hoje e mandem que os seus filhos obedeçam a tudo o que está escrito nesta Lei de Deus.
47 Não pensem que esta Lei não vale nada; pelo contrário, é ela que lhes dará vida. Se vocês obedecerem a esta Lei, viverão muitos anos na terra que estão para possuir no outro lado do rio Jordão.
48 Naquele mesmo dia o SENHOR Deus disse a Moisés:
49 - Vá até a serra de Abarim, aqui na terra de Moabe, e suba o monte Nebo, na altura de Jericó, que fica do outro lado do rio. Lá de cima você verá a terra de Canaã, que estou dando ao povo de Israel.
50 Você vai morrer ali no monte, como Arão, o seu irmão, morreu no monte Hor.
51 Vocês dois foram infiéis a mim diante do povo de Israel. Quando estavam perto das fontes de Meribá, não longe da cidade de Cades, no deserto de Zim, vocês dois me desrespeitaram.
52 Por isso você verá de longe a terra que eu estou dando aos israelitas, porém não entrará nela.

Deuteronômio – Capítulo 33

1 Antes de morrer, Moisés, homem de Deus, deu esta bênção ao povo de Israel.
2 Ele disse: O SENHOR Deus veio do monte Sinai; ele surgiu como o sol por cima de Edom e do monte Parã brilhou sobre o seu povo. Com ele vieram milhares de anjos, e à sua direita havia fogo.
3 O SENHOR ama o seu povo e protege os que são dele. Eles ficam sentados diante dele e aprendem as suas leis.
4 Moisés lhes deu a Lei de Deus, o mais rico tesouro do povo de Israel.
5 O SENHOR Deus se tornou Rei do povo escolhido, quando as tribos e os seus chefes se reuniram.
6 Moisés disse isto a respeito da tribo de Rúben: "Que Rúben viva e nunca morra! Que o seu povo seja sempre numeroso!"
7 A respeito da tribo de Judá foi isto o que Moisés disse: "Ó Deus, ouve a oração de Judá e junta aquela tribo novamente ao teu povo. Luta a favor deles, ó Deus, e ajuda-os na luta contra os seus inimigos."
8 A respeito da tribo de Levi ele disse: "Ó Deus, tu deste o Tumim e o Urim aos teus servos que escolheste. Tu os puseste à prova em Massá e perto das fontes de Meribá discutiste com eles.
9 Eles são mais dedicados a ti do que aos seus próprios pais e do que aos seus irmãos e filhos. Eles obedecem às tuas leis e cumprem a tua aliança.
10 Eles ensinarão todas as tuas leis ao povo, queimarão incenso na tua presença e no teu altar oferecerão sacrifícios.
11 Ó Deus, abençoa a tribo de Levi e faze com que ela seja cada vez mais forte. Que tudo o que eles fazem seja agradável a ti! Acaba com os seus inimigos para que nunca mais se levantem."
12 Moisés disse a respeito da tribo de Benjamim: "O SENHOR Deus ama a tribo de Benjamim e sempre a guardará. Deus cuidará deles o dia inteiro, e eles viverão debaixo da sua proteção."
13 A respeito da tribo de José ele disse: "Que o SENHOR Deus abençoe as terras de José, dando-lhes muitas chuvas do céu e fontes das profundezas da terra!
14 Que Deus dê a essas terras frutas amadurecidas pelo sol e as abençoe com boas colheitas!
15 Que os montes antigos produzam ricas colheitas!
16 Que Deus abençoe a terra e tudo o que há nela, dando-lhe tudo o que é bom! Que o Deus que apareceu no espinheiro em fogo seja sempre bondoso para com eles! Que todas essas bênçãos venham sobre a tribo de José, pois ele foi o mais importante dos seus irmãos!
17 Ele tem a beleza de um touro novo e chifres como os de um boi selvagem. Os seus chifres são os milhares de pessoas da tribo de Manassés e os milhares e milhares da tribo de Efraim. Com eles José ataca os seus inimigos e os persegue pelo mundo inteiro."
18 A respeito das tribos de Zebulom e de Issacar foi isto o que Moisés disse: "Que Zebulom fique rico no comércio com outros países, e Issacar enriqueça negociando dentro do país!
19 Eles convidam os povos para virem à sua montanha e ali oferecem os sacrifícios aceitáveis a Deus. Eles aproveitam os enormes recursos do mar e as riquezas das suas praias."
20 A respeito da tribo de Gade ele disse: "Bendito seja Deus, que aumentou as terras de Gade! O povo de Gade espera como um leão para arrancar do inimigo um braço ou mesmo a cabeça.
21 Eles ficaram com a melhor parte da Terra Prometida; foi-lhes dada a parte que cabe ao chefe. Obedeceram às leis e aos mandamentos do SENHOR, quando os líderes do povo se reuniram."
22 A respeito da tribo de Dã ele disse: "Dã é como um leãozinho que vive saltando na terra de Basã."
23 A respeito da tribo de Naftali ele disse: "Deus abençoou ricamente o povo de Naftali; as suas terras vão desde o lago da Galiléia até o Sul."
24 A respeito da tribo de Aser ele disse: "De todas as tribos Aser é a mais abençoada. Que o povo de Aser seja muito querido pelas outras tribos, e que nas suas terras haja muitas oliveiras!
25 Que as suas cidades sejam protegidas com portões de ferro, e que os seus moradores vivam sempre em paz!"
26 Povo de Israel, não há outro deus como o nosso Deus! Forte e majestoso, ele atravessa os céus e, montado sobre as nuvens, ele vem nos socorrer.
27 O Deus Eterno é o nosso protetor; ele sempre nos protege com os seus braços. Na nossa presença Deus expulsou os inimigos e mandou que os destruíssemos.
28 O povo de Israel vive sempre seguro, vive em paz numa terra que produz cereais e vinho, onde o orvalho rega o chão.
29 Povo de Israel, como você é feliz! Não há ninguém como você, o povo que o SENHOR Deus salvou. Ele é o seu escudo e a sua espada, para dar proteção e vitória a você. Israel, os seus inimigos se ajoelharão pedindo misericórdia, e você tomará posse das suas terras.

Deuteronômio – Capítulo 34

1 Moisés foi das planícies de Moabe até o monte Nebo e subiu ao alto do monte Pisga, na altura de Jericó, que ficava no outro lado do rio. Dali o SENHOR Deus lhe mostrou toda a terra de Canaã, isto é, o território de Gileade até a cidade de Dã, no Norte;
2 o território das tribos de Naftali, Efraim e Manassés do Oeste; o território de Judá até o mar Mediterrâneo, no Oeste;
3 a região sul e a planície que vai de Zoar até Jericó, a cidade das palmeiras.
4 E Deus disse a Moisés: - Eu jurei a Abraão, a Isaque e a Jacó que daria esta terra aos descendentes deles. Estou deixando que você a veja com os seus próprios olhos, mas você não vai entrar nela.
5 Assim Moisés, servo do SENHOR Deus, morreu na terra de Moabe, conforme o SENHOR tinha dito.
6 Deus o sepultou ali, num vale que fica em frente da cidade de Bete-Peor. Até hoje ninguém sabe onde ele foi sepultado.
7 Moisés tinha cento e vinte anos quando morreu, mas ainda enxergava bem e tinha boa saúde.
8 Ali nas planícies de Moabe os israelitas choraram a morte de Moisés trinta dias, até terminar o tempo de luto.
9 Moisés havia escolhido Josué, filho de Num, para ficar no seu lugar. Ele pôs as mãos sobre a cabeça de Josué, que assim ficou cheio de sabedoria. Os israelitas obedeceram a Josué e cumpriram todas as leis que o SENHOR Deus lhes tinha dado por meio de Moisés.
10 Nunca mais apareceu em Israel um profeta como Moisés, com quem o SENHOR falava face a face.
11 Nunca houve ninguém que fizesse maravilhas e milagres como aqueles que Moisés, obedecendo à ordem do SENHOR, fez no Egito contra o seu rei, os seus oficiais e todo o seu povo.
12 Nunca houve outro profeta que fizesse os milagres e as coisas espantosas que Moisés fez com grande poder na presença do povo de Israel.

Josué – Capítulo 1

1 Depois que Moisés, servo do SENHOR, morreu, Deus disse ao ajudante de Moisés, chamado Josué, filho de Num:
2 - O meu servo Moisés está morto. Agora você e todo o povo de Israel se preparem para atravessar o rio Jordão e entrar na terra que vou dar a vocês.
3 Como disse a Moisés, eu lhes darei toda a terra que pisarem.
4 Os limites dessa terra serão os seguintes: ao sul, o deserto; e, ao norte, os montes Líbanos; a leste, o grande rio Eufrates e toda a terra dos heteus; e, a oeste, o mar Mediterrâneo.
5 Você nunca será derrotado. Eu estarei com você como estive com Moisés. Nunca o abandonarei.
6 Seja forte e corajoso porque você vai comandar este povo quando eles tomarem posse da terra que prometi aos antepassados deles.
7 Seja forte e muito corajoso. Tome cuidado e viva de acordo com toda a Lei que o meu servo Moisés lhe deu. Não se desvie dela em nada e você terá sucesso em qualquer lugar para onde for.
8 Fale sempre do que está escrito no Livro da Lei. Estude esse livro dia e noite e se esforce para viver de acordo com tudo o que está escrito nele. Se fizer isso, tudo lhe correrá bem, e você terá sucesso.
9 Lembre da minha ordem: "Seja forte e corajoso! Não fique desanimado, nem tenha medo, porque eu, o SENHOR, seu Deus, estarei com você em qualquer lugar para onde você for!"
10 Então Josué ordenou aos líderes israelitas:
11 - Vão pelo meio do acampamento, dando esta ordem ao povo: "Arranjem comida porque daqui a três dias vocês vão atravessar o rio Jordão para tomar posse da terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes dará."
12 E Josué disse às tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste:
13 - Lembrem da ordem de Moisés, servo do SENHOR: "O SENHOR, nosso Deus, dará esta terra a vocês para morarem nela e ali viverem em segurança.
14 As suas mulheres, as crianças e o gado ficarão aqui na terra que Moisés lhes deu a leste do rio Jordão. Mas que os homens peguem as suas armas e atravessem o rio na frente dos seus irmãos israelitas e estejam prontos para ajudá-los na batalha!
15 Eles tomarão posse da terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes dará e ficarão morando nela. Quando isso acontecer, vocês voltarão para viver na terra que Moisés, servo de Deus, deu a vocês aqui, a leste do Jordão.
16 Então eles responderam a Josué: - Faremos tudo o que você mandou e iremos aonde nos enviar.
17 Assim como sempre obedecemos a Moisés, também obedeceremos a você. Que o SENHOR, seu Deus, esteja com você como esteve com Moisés!
18 Quem se revoltar e desobedecer a qualquer ordem sua será morto. Acima de tudo seja forte e corajoso!

Josué – Capítulo 2

1 Do acampamento do vale das Acácias, Josué mandou secretamente dois espiões com a seguinte ordem: - Examinem bem a terra, especialmente a cidade de Jericó. Então eles foram, entraram na casa de uma prostituta chamada Raabe e se hospedaram ali.
2 E chegou aos ouvidos do rei de Jericó a seguinte notícia: - Alguns israelitas chegaram aqui de noite para espionar a terra.
3 Então o rei mandou para Raabe o seguinte recado: - Os homens que estão na sua casa vieram para espionar toda a terra! Traga esses dois para fora!
4 Mas Raabe já os havia escondido. Ela respondeu aos mensageiros do rei: - É verdade que alguns homens vieram à minha casa, mas eu não sabia de onde eram.
5 Quando já estava escuro, e o portão da cidade ia ser fechado, eles saíram. Eu não sei para onde foram. Mas, se vocês forem depressa atrás deles, ainda poderão pegá-los.
6 Acontece que Raabe tinha levado os espiões ao terraço e os havia escondido debaixo das varas de linho amontoadas ali.
7 Os mensageiros do rei foram e, logo que saíram da cidade, o portão foi fechado. Eles procuraram os espiões até o lugar onde a estrada atravessa o rio Jordão.
8 Antes que os espiões fossem dormir, Raabe subiu ao terraço e disse a eles:
9 - Eu sei que o SENHOR deu esta terra a vocês, os israelitas. Para dizer a verdade, todos nós estamos morrendo de medo.
10 Soubemos que o SENHOR secou o mar Vermelho diante de vocês quando saíram do Egito. Também ficamos sabendo como, a leste do rio Jordão, vocês mataram Seom e Ogue, os reis dos amorreus, e destruíram os seus exércitos.
11 Quando ouvimos essas coisas, perdemos a coragem e todos nós ficamos com muito medo por causa de vocês. O Deus de vocês, o SENHOR, é Deus lá em cima no céu e aqui em baixo na terra.
12 Então agora jurem em nome do SENHOR e prometam que vão ser bons para a minha família porque eu também tratei vocês com bondade. Para isso peço que me dêem um sinal que não deixe dúvida.
13 Salvem o meu pai, a minha mãe, os meus irmãos e as minhas irmãs e as famílias deles. Não deixem que nos matem.
14 Os homens responderam: - Nós prometemos. E, se não cumprirmos a nossa palavra, nós é que deveremos morrer, e não você! Se você não contar a ninguém o que estamos fazendo, fique certa de que cumpriremos a nossa promessa. Quando o SENHOR nos der esta terra, seremos bons para você e mostraremos que somos homens de palavra.
15 Raabe morava numa casa construída na muralha da cidade. Por isso ela pôde fazer os espiões descerem pela janela, usando uma corda.
16 Ela disse: - Vão para as montanhas. Se não, os homens que estão procurando vocês vão achá-los. Escondam-se lá três dias, até que eles voltem. Depois vocês podem ir embora.
17 Os espiões disseram: - Cumpriremos o juramento que você nos pediu que fizéssemos, mas com as seguintes condições:
18 quando invadirmos a sua terra, amarre este cordão vermelho na janela de onde você nos fez descer. Junte, dentro da sua casa, o seu pai, a sua mãe, os seus irmãos e todos os parentes do seu pai.
19 Se alguém sair da casa, será culpado da sua própria morte, e nós não seremos responsáveis. Mas, se alguém que estiver com você for ferido dentro de casa, a culpa será nossa.
20 E, se você contar o que estamos fazendo, não seremos obrigados a cumprir o nosso juramento.
21 Raabe respondeu: - Eu concordo. Então ela deixou que eles fossem embora. E Raabe amarrou o cordão vermelho na janela.
22 Os espiões foram para as montanhas e se esconderam lá três dias enquanto os soldados do rei os procuravam por toda aquela região. Os soldados não acharam ninguém e voltaram para Jericó.
23 Aí os dois espiões desceram da montanha, atravessaram o rio Jordão e foram se encontrar com Josué. Contaram tudo o que havia acontecido
24 e terminaram assim: - Estamos certos de que o SENHOR nos deu toda esta terra. Todo mundo aqui está morrendo de medo de nós.

Josué – Capítulo 3

1 Josué e todo o povo de Israel se levantaram de madrugada, saíram do acampamento do vale das Acácias e foram até o rio Jordão. Antes de atravessarem o rio, eles acamparam ali.
2 Três dias depois os líderes passaram pelo meio do acampamento,
3 dizendo ao povo: - Quando vocês virem os sacerdotes levitas carregando a arca da aliança do SENHOR, nosso Deus, arrumem as suas coisas e sigam a arca.
4 Assim vocês ficarão sabendo para onde ir, pois nunca passaram por esse caminho. Porém não cheguem perto da arca; fiquem longe dela mais ou menos um quilômetro.
5 Josué disse ao povo: - Purifiquem-se porque amanhã o SENHOR fará grandes coisas entre vocês.
6 Depois disse aos sacerdotes: - Peguem a arca da aliança e vão na frente do povo. E eles fizeram o que Josué mandou.
7 Aí o SENHOR disse a Josué: - Por causa daquilo que vou fazer hoje, todo o povo de Israel vai saber que você é um grande homem. Eles saberão que, assim como estive com Moisés, também estarei com você.
8 Dê aos sacerdotes que estão carregando a arca a seguinte ordem: "Quando chegarem ao rio, parem dentro da água, perto da margem."
9 Então Josué disse ao povo: - Venham cá e prestem atenção naquilo que o SENHOR, nosso Deus, vai dizer.
10 Pelo que vai acontecer, vocês ficarão sabendo que o Deus vivo está entre vocês e que sem falta expulsará os cananeus, os heteus, os heveus, os perizeus, os girgaseus, os amorreus e os jebuseus.
11 A arca da aliança do Senhor de toda a terra vai atravessar o rio Jordão na frente de vocês.
12 Agora escolham doze homens, um de cada tribo de Israel.
13 Quando os sacerdotes que estão carregando a arca da aliança do SENHOR Deus, o Senhor de toda a terra, puserem os pés dentro da água, o Jordão vai parar de correr, e as águas da parte de cima ficarão amontoadas num lugar.
14 Era o tempo da colheita, e as águas do rio haviam coberto as margens. Foi nessa ocasião que o povo saiu do acampamento para atravessar o Jordão. Os sacerdotes iam na frente, levando a arca da aliança. Quando chegaram ao Jordão e puseram os pés dentro da água,
16 ela parou de correr e ficou amontoada na parte de cima do rio até Adã, cidade que fica ao lado de Sartã. Na parte de baixo, o rio secou completamente até o mar Morto. Então o povo passou para o outro lado, perto de Jericó.
17 Enquanto os israelitas atravessavam, pisando terra seca, os sacerdotes que levavam a arca ficaram parados no seco, no meio do rio Jordão. E ficaram ali até que todo o povo acabou de passar.

Josué – Capítulo 4

1 Quando todo o povo de Israel acabou de atravessar o rio Jordão, o SENHOR disse a Josué:
2 - Escolha doze homens, um de cada tribo,
3 e dê esta ordem: "Peguem doze pedras do meio do rio Jordão, do lugar onde os sacerdotes ficaram parados. Levem essas pedras e coloquem onde acamparem hoje à noite."
4 Então Josué chamou os doze homens que havia escolhido
5 e disse: - Passem adiante da arca da aliança do SENHOR, o Deus de vocês, e sigam até o meio do Jordão. Cada um ponha no ombro uma pedra, uma para cada tribo de Israel.
6 Essas pedras ajudarão o povo a lembrar daquilo que o SENHOR tem feito. No futuro, quando os seus filhos perguntarem o que essas pedras querem dizer,
7 vocês contarão que as águas do Jordão pararam de correr no dia em que a arca da aliança atravessou o rio. Essas pedras farão com que o povo de Israel lembre sempre desse dia.
8 Os homens fizeram o que Josué mandou. Como o SENHOR Deus tinha dito a Josué, eles pegaram do meio do rio Jordão doze pedras, uma para cada tribo de Israel, e as levaram e colocaram no acampamento.
9 Josué também pôs doze pedras no meio do Jordão, no lugar onde os sacerdotes que carregavam a arca haviam parado. Essas pedras ainda estão lá.
10 Os sacerdotes ficaram parados no meio do Jordão até que foi feito tudo o que o SENHOR, por meio de Moisés, havia mandado Josué falar ao povo. Então o povo se apressou e atravessou o rio.
11 Quando todos já haviam passado, a arca da aliança e os sacerdotes também passaram e ficaram na frente do povo.
12 Os homens das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste atravessaram antes do resto do povo, prontos para a batalha, conforme Moisés tinha dito.
13 Mais ou menos quarenta mil homens preparados para guerrear marcharam diante de Deus, o SENHOR, indo para o lado da planície de Jericó.
14 Naquele dia o SENHOR fez com que o povo de Israel ficasse sabendo que Josué era um grande homem. E, durante a vida de Josué, eles o respeitaram assim como haviam respeitado a Moisés.
15 E o SENHOR Deus disse a Josué:
16 - Mande sair do rio Jordão os sacerdotes que estão carregando a arca da aliança.
17 Josué fez isso.
18 E, depois que os sacerdotes saíram do Jordão e pisaram a terra seca, o rio começou a correr de novo e cobriu as margens como antes.
19 O povo atravessou o Jordão no dia dez do primeiro mês e acampou em Gilgal, a leste de Jericó.
20 Ali Josué fez um monumento com as doze pedras que havia tirado do Jordão.
21 E disse ao povo de Israel: - Quando no futuro os filhos perguntarem aos pais o que estas pedras querem dizer,
22 vocês explicarão que o povo de Israel atravessou o rio Jordão em terra seca.
23 O SENHOR, o Deus de vocês, secou o Jordão para vocês atravessarem, assim como secou o mar Vermelho para nós passarmos.
24 Por causa disso todos os povos da terra vão conhecer o poder do SENHOR, o Deus de vocês, e vocês o respeitarão para sempre.

Josué – Capítulo 5

1 Todos os reis amorreus do lado oeste do rio Jordão e todos os reis cananeus que viviam no litoral do mar Mediterrâneo ficaram sabendo que o SENHOR havia secado o Jordão para o povo de Israel passar. E, como o povo de Israel estava chegando, eles ficaram com medo e perderam toda a coragem.
2 O SENHOR Deus disse a Josué: - Prepare algumas facas de pedra e faça uma segunda cerimônia de circuncisão no meio do povo.
3 Josué fez as facas e circuncidou os israelitas no monte da Circuncisão.
4 Ele fez isso porque todos os homens que tinham idade para guerrear quando saíram do Egito haviam morrido pelo caminho, no deserto.
5 Todos os homens que saíram do Egito tinham sido circuncidados, mas isso não foi feito com nenhum dos que nasceram durante a viagem pelo deserto.
6 O povo de Israel havia andado quarenta anos pelo deserto. Durante esse tempo todos os homens que saíram do Egito em idade de guerrear tinham morrido porque haviam desobedecido a Deus, o SENHOR. Deus tinha dito que não ia deixá-los ver a terra boa e rica que ele havia jurado dar aos seus antepassados.
7 Mas os filhos, que tomaram o lugar dos pais, não haviam sido circuncidados durante a viagem pelo deserto. Esta foi a nova geração que Josué circuncidou.
8 A nação inteira ficou acampada até que sararam todos os que foram circuncidados.
9 E o SENHOR disse a Josué: - Hoje eu tirei de vocês a vergonha de terem sido escravos no Egito. Foi por isso que chamaram aquele lugar de Gilgal. E este nome continua até hoje.
10 Os israelitas estavam acampados em Gilgal, na planície em volta da cidade de Jericó, e ali comemoraram a Páscoa na noite do dia catorze do primeiro mês.
11 No dia seguinte comeram alimentos daquela terra: cereais torrados e pão sem fermento.
12 Depois disso os israelitas não tiveram mais o maná porque ele parou de cair do céu. Desse ano em diante, eles começaram a comer os alimentos da terra de Canaã.
13 Josué estava perto da cidade de Jericó. De repente, viu um homem com uma espada na mão parado na sua frente. Josué chegou perto dele e perguntou: - Você é do nosso exército ou é inimigo?
14 - Não sou nem uma coisa nem outra - respondeu ele. - Estou aqui como comandante do exército de Deus, o SENHOR. Josué ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e o adorou. E disse: - Estou às suas ordens, meu senhor. O que quer que eu faça?
15 O comandante do exército do SENHOR respondeu: - Tire as sandálias porque a terra que você está pisando é santa. E Josué obedeceu.

Josué – Capítulo 6

1 Os portões da cidade de Jericó estavam muito bem fechados, para não deixar que os israelitas entrassem. Ninguém podia entrar, nem sair da cidade.
2 O SENHOR Deus disse a Josué: - Olhe! Eu estou entregando a você a cidade de Jericó, o seu rei e os seus corajosos soldados.
3 Agora você e os soldados israelitas marcharão em volta da cidade uma vez por dia, durante seis dias.
4 Na frente da arca da aliança, irão sete sacerdotes, cada um levando uma corneta de chifre de carneiro. No sétimo dia você e os seus soldados marcharão sete vezes em volta da cidade, e os sacerdotes tocarão as cornetas.
5 Quando eles derem um toque longo, todo o povo gritará bem alto, e então a muralha da cidade cairá. Aí cada um avançará diretamente para a cidade.
6 Josué chamou os sacerdotes e disse: - Carreguem a arca da aliança, e na frente fiquem sete sacerdotes levando cornetas.
7 E disse ao povo: - Comecem a marchar em volta da cidade! E que os soldados marchem na frente da arca da aliança de Deus, o SENHOR!
8 Então, seguindo as ordens de Josué, os sete sacerdotes ficaram na frente da arca e começaram a tocar as cornetas.
9 Os soldados iam na frente dos sacerdotes que tocavam cornetas, e um grupo de guardas seguia a arca. Durante esse tempo as cornetas tocavam.
10 Mas Josué tinha dado ordem ao povo para não gritar, nem fazer barulho até que ele mandasse.
11 Aí Josué ordenou que os sacerdotes dessem uma volta ao redor da cidade, carregando a arca da aliança. Depois voltaram ao acampamento e passaram a noite lá.
12 No dia seguinte Josué se levantou de madrugada, e os sacerdotes carregaram a arca.
13 Os sete sacerdotes que levavam as sete cornetas iam na frente, tocando sem parar. Os soldados iam na frente deles, e um grupo de guardas seguia a arca. As cornetas não paravam de tocar.
14 No segundo dia marcharam de novo uma vez em volta da cidade e voltaram ao acampamento. E fizeram isso durante seis dias.
15 No sétimo dia levantaram-se de madrugada e marcharam em volta da cidade sete vezes no mesmo dia. Foi só nesse dia que deram sete voltas em redor da cidade.
16 Na sétima volta, quando os sacerdotes acabaram de tocar as cornetas, Josué disse ao povo: - Gritem agora! O SENHOR Deus está entregando Jericó a vocês!
17 A cidade deve ser destruída, junto com tudo o que há nela, como oferta para Deus. Somente ficará viva a prostituta Raabe e a sua família porque ela escondeu os nossos espiões.
18 Mas não peguem em nada daquilo que vai ser destruído. Se ficarem com qualquer coisa que eu mandei destruir, vocês vão trazer desgraça e destruição ao acampamento israelita.
19 Mas os objetos de prata, ouro, bronze e ferro serão separados para o SENHOR e colocados no seu tesouro.
20 Então os sacerdotes tocaram as cornetas. Logo que o povo ouviu este som, gritou com toda a força, e a muralha caiu. Aí todos subiram, entraram na cidade e a tomaram.
21 E mataram, com as suas espadas, todos os que estavam na cidade: homens e mulheres, crianças e velhos. Também mataram os bois, as ovelhas e os jumentos.
22 Depois Josué disse aos dois homens que haviam servido como espiões: - Entrem na casa de Raabe, a prostituta, e tragam a família dela para fora, conforme vocês prometeram.
23 Eles foram e fizeram sair Raabe, o seu pai, a sua mãe, os seus irmãos e o resto da família. Tiraram todas as pessoas da casa e as puseram do lado de fora do acampamento israelita.
24 Então incendiaram a cidade e queimaram tudo o que havia nela, menos os objetos de ouro, prata, bronze e ferro. Essas coisas foram colocadas no tesouro da casa de Deus, o SENHOR.
25 Josué deixou que Raabe, a prostituta, e todos os seus parentes ficassem vivos porque ela havia escondido os espiões que ele havia mandado a Jericó. E os descendentes dela vivem no meio do povo de Israel até hoje.
26 Nessa ocasião Josué amaldiçoou a cidade em nome de Deus, dizendo: - Quem tentar construir de novo esta cidade de Jericó será amaldiçoado pelo SENHOR! Quem puser os alicerces perderá o filho mais velho! Quem colocar os portões perderá o filho mais moço!
27 Assim o SENHOR Deus esteve com Josué, e a fama de Josué se espalhou por todo o país.

Josué – Capítulo 7

1 Deus havia ordenado ao povo de Israel que ninguém guardasse nada do que era para ser destruído, mas a ordem foi desobedecida. Acã escondeu algumas coisas, e por isso o SENHOR ficou muito irado com os israelitas. Acã era filho de Carmi, descendente de Zabdi e descendente de Zera, da tribo de Judá.
2 Josué enviou alguns homens da cidade de Jericó até Ai, cidade que fica a leste de Betel, perto de Bete-Avém. Ele mandou que fossem ver a terra. Eles foram e examinaram bem a cidade.
3 Então voltaram e deram a Josué o seguinte relatório: - Não é preciso que todo mundo vá. Mande só dois ou três mil homens atacarem Ai porque existe pouca gente lá.
4 Assim foram mais ou menos três mil. Porém os homens de Ai fizeram os israelitas recuarem
5 e mataram uns trinta e seis. E eles perseguiram os israelitas desde o portão da cidade até as pedreiras, matando-os na descida. Então o povo ficou completamente desanimado e perdeu toda a coragem.
6 Em sinal de tristeza, Josué rasgou a sua roupa e se jogou no chão, com o rosto em terra, na frente da arca da aliança de Deus, o SENHOR. Os líderes de Israel fizeram a mesma coisa e ficaram ali com Josué até de tarde. E fizeram como ele: também jogaram terra na cabeça para mostrar que estavam tristes.
7 E Josué disse: - Ó SENHOR, meu Deus! Afinal de contas, por que fizeste este povo atravessar o rio Jordão? Foi para nos entregares aos amorreus, e eles nos matarem? Por que não ficamos do outro lado do Jordão?
8 Senhor, peço desculpas, mas já que Israel fugiu do inimigo, o que posso dizer?
9 Os cananeus e todos os outros moradores desta terra vão saber disso. Eles nos cercarão e nos matarão a todos. E neste caso o que farás em favor do teu grande nome?
10 O SENHOR Deus respondeu a Josué: - Levante-se! Por que é que você está aí desse jeito, com a cara no chão?
11 O povo de Israel pecou. Eles quebraram a aliança que haviam feito comigo, a aliança que eu mandei que guardassem. Ficaram com algumas coisas que eu mandei que fossem destruídas. Eles roubaram essas coisas, mentiram por causa delas e as colocaram no meio da bagagem deles.
12 É por isso que os israelitas não podem enfrentar o inimigo. Fogem dele porque agora eles mesmos estão condenados à destruição. Se vocês não destruírem o que roubaram, eu não continuarei com vocês.
13 Levante-se e vá santificar o povo. Diga que se purifiquem para amanhã porque eu, o SENHOR, o Deus de Israel, digo isto: "Israelitas, vocês estão guardando algumas coisas que eu mandei destruir. Enquanto não se livrarem delas, vocês não poderão enfrentar os inimigos.
14 Amanhã vocês se apresentarão, tribo por tribo, e haverá sorteio. A tribo que eu indicar virá à frente, grupo de famílias por grupo de famílias. Aí o grupo de famílias que eu indicar virá à frente, família por família. Finalmente a família que eu indicar virá à frente, homem por homem.
15 Então aquele que o sorteio indicar que ficou com essas coisas será queimado: ele, a sua família e tudo o que possui. O que esse homem fez foi terrível: ele quebrou a aliança que o meu povo fez comigo."
16 Então Josué se levantou de madrugada e fez o povo de Israel se apresentar, tribo por tribo. O sorteio indicou a tribo de Judá.
17 Em seguida mandou que se apresentassem os grupos de famílias da tribo de Judá, e o grupo de Zera foi indicado. Aí chamou o grupo de Zera, família por família; e a família de Zabdi foi indicada.
18 Finalmente chamou a família de Zabdi, homem por homem, e Acã foi indicado. Acã era filho de Carmi, descendente de Zabdi, descendente de Zera, da tribo de Judá.
19 E Josué disse a Acã: - Agora, meu filho, confesse a verdade diante do SENHOR, o Deus de Israel. Conte-me o que você fez; não procure esconder nada.
20 Acã respondeu: - Sim, eu pequei contra o SENHOR, o Deus de Israel. Vou contar o que fiz.
21 Entre as coisas que pegamos, vi uma bela capa da Babilônia; vi também duzentas barras de prata e uma barra de ouro que pesava mais ou menos meio quilo. Fiquei com tanta vontade de ter aquelas coisas, que guardei para mim. Estão escondidas, enterradas na minha barraca, e a prata está por baixo.
22 Então Josué mandou que alguns homens fossem depressa até a barraca; e eles, de fato, acharam as coisas enterradas e a prata por baixo.
23 Tiraram as coisas da barraca, e levaram a Josué e a todos os israelitas, e puseram tudo na presença de Deus, o SENHOR.
24 Aí Josué e todo o povo de Israel pegaram Acã, a prata, a capa, a barra de ouro, os seus filhos e filhas, os seus bois, jumentos, ovelhas, a sua barraca e tudo o que ele tinha e os levaram para o vale da Desgraça.
25 E Josué disse: - Por que é que você fez essa desgraça cair sobre nós? Agora o SENHOR Deus vai fazer a desgraça cair sobre você! Em seguida o povo todo matou Acã a pedradas. Eles apedrejaram e queimaram a sua família e tudo o que ele tinha.
26 E puseram em cima dele um montão de pedras, que está naquele lugar até agora. É por isso que até hoje o nome daquele lugar é vale da Desgraça. Então a ira do SENHOR passou.

Josué – Capítulo 8

1 O SENHOR Deus disse a Josué: - Não tenha medo! Seja corajoso! Marche com todos os seus soldados contra a cidade de Ai. Eu farei com que derrotem o rei de lá. O povo de Ai, a sua cidade e as suas terras serão de vocês.
2 Vocês vão fazer com essa cidade o que fizeram com Jericó, mas desta vez todos os objetos e o gado vão ficar para vocês. Preparem-se para atacar a cidade de surpresa e por trás.
3 Então Josué e todos os soldados se prepararam para marchar contra Ai. Ele escolheu trinta mil homens corajosos e os enviou de noite
4 com estas ordens: - Escondam-se do outro lado da cidade. Não fiquem muito longe e estejam prontos para atacar.
5 Eu e os meus soldados vamos avançar na direção da cidade. Quando os soldados de Ai saírem contra nós, vamos fugir como na primeira vez.
6 Eles vão sair atrás de nós, afastando-se da cidade. Vão pensar que estamos fugindo deles como na primeira vez.
7 Então vocês sairão dos esconderijos e tomarão a cidade. O SENHOR, nosso Deus, entregará Ai a vocês.
8 Depois que tomarem a cidade, ponham fogo nela, como o SENHOR mandou. São essas as minhas ordens.
9 Assim Josué enviou os soldados, e eles foram se esconder a oeste de Ai, entre Ai e Betel. Mas Josué passou a noite no acampamento.
10 Levantou-se de madrugada e reuniu os soldados. Ele e os líderes de Israel marcharam na frente do povo na direção de Ai.
11 Os soldados que iam com Josué marcharam na direção do portão principal da cidade e acamparam no lado norte. Havia um vale entre eles e Ai.
12 Josué reuniu uns cinco mil homens e os pôs em esconderijos a oeste, entre Ai e Betel.
13 Os soldados estavam colocados assim para a batalha: o acampamento principal, ao norte da cidade; e os outros, a oeste. E Josué passou a noite no vale.
14 O rei de Ai agiu depressa quando viu os israelitas. Ele e todos os seus soldados saíram de madrugada e foram lutar contra os israelitas no mesmo lugar de antes, em frente do vale do Jordão. Ele não sabia que ia ser atacado por trás.
15 Josué e os seus soldados fingiram que estavam sendo derrotados e fugiram para o deserto.
16 Todos os homens de Ai tinham sido convocados para ir atrás dos israelitas; e, enquanto perseguiam Josué, iam se afastando cada vez mais da cidade.
17 Todos os homens de Ai saíram atrás dos israelitas, e a cidade ficou aberta, sem ninguém para defendê-la.
18 Então o SENHOR disse a Josué: - Aponte a sua lança na direção de Ai, pois vou dar esta cidade a você. E Josué obedeceu.
19 Quando ele levantou a mão, os homens que estavam escondidos se levantaram depressa, correram, tomaram a cidade e em seguida puseram fogo nela.
20 Quando os homens de Ai olharam para trás, viram a fumaça, que subia para o céu. Porém não puderam fugir para lado nenhum porque os israelitas que haviam corrido para o deserto deram meia-volta e os atacaram.
21 Josué e os seus soldados viram que os outros tinham tomado a cidade e posto fogo nela. Então deram meia-volta e começaram a matar os homens de Ai.
22 Os israelitas que estavam na cidade também saíram para atacar os homens de Ai. Esses homens foram completamente cercados e mortos pelos israelitas;
23 só ficou vivo o rei de Ai, que foi preso e levado a Josué.
24 Os israelitas mataram todos os inimigos em campo aberto, no deserto onde haviam sido perseguidos. Depois voltaram para Ai e mataram os que estavam lá.
25 Nesse dia foram mortos todos os moradores de Ai - doze mil pessoas.
26 Josué continuou a apontar a lança na direção de Ai e não a abaixou até que todas as pessoas da cidade foram mortas.
27 Os israelitas ficaram com as coisas que pegaram na cidade, como o SENHOR havia ordenado que Josué fizesse.
28 Josué incendiou Ai, que virou um montão de ruínas para sempre, como se pode ver até hoje.
29 Ele enforcou o rei de Ai numa árvore e o deixou ali até de tarde. Ao pôr-do-sol mandou que tirassem o corpo e o jogassem no portão de entrada da cidade. E o cobriram com um montão de pedras, que está naquele lugar até hoje.
30 Nessa ocasião Josué construiu no monte Ebal um altar ao SENHOR, o Deus de Israel.
31 Ele seguiu as ordens que Moisés, servo do SENHOR, tinha dado aos israelitas, como está escrito na Lei de Moisés: "Faça um altar de pedras brutas, que não foram cortadas com ferramentas." Sobre esse altar apresentaram ao SENHOR ofertas que foram completamente queimadas e ofertas de paz.
32 Ali, na frente do povo, Josué copiou em pedras a lei que Moisés tinha escrito.
33 E todos os israelitas, com os seus líderes, autoridades e juízes e também todos os estrangeiros que viviam no meio deles ficaram de um lado e de outro da arca da aliança. E outros ficaram de frente para os sacerdotes levitas que carregavam a arca. Metade do povo ficou em frente do monte Gerizim, e a outra metade, em frente do monte Ebal. Moisés, servo do SENHOR, tinha dado ordem para o povo se colocar nessa posição na hora de receber a bênção.
34 Então Josué leu em voz alta toda a lei, com as bênçãos e as maldições, como estão escritas no Livro da Lei.
35 Cada um dos mandamentos de Moisés foi lido por Josué para toda a multidão de israelitas e para as mulheres, crianças e estrangeiros que viviam entre eles. Nenhuma palavra deixou de ser lida.

Josué – Capítulo 9

1 Todos os reis que viviam a oeste do rio Jordão, tanto os das montanhas como os das planícies, e também os reis de todo o litoral do mar Mediterrâneo até o Líbano ficaram sabendo disso. Estes eram os reis dos heteus, dos amorreus, dos cananeus, dos perizeus, dos heveus e dos jebuseus.
2 E todos eles se reuniram para guerrear contra Josué e o povo de Israel.
3 Quando os moradores da cidade de Gibeão, que eram heveus, ouviram falar do que Josué tinha feito com Jericó e com Ai,
4 resolveram enganá-lo. Pegaram comida e carregaram os seus jumentos com sacos velhos e com odres rasgados e remendados, cheios de vinho.
5 Calçaram sandálias velhas e remendadas e vestiram roupas bem gastas. E levaram para comer pão seco e bolorento.
6 Eles foram até o acampamento de Gilgal e disseram a Josué e a todos os homens de Israel: - Nós estamos chegando de um país que fica bem longe daqui. Façam um acordo de paz com a gente.
7 Porém os homens de Israel disseram: - Pode ser que vocês morem aqui por perto. Como é que podemos fazer um acordo de paz com vocês?
8 - Estamos prontos para ser seus empregados! - responderam eles. - Quem são vocês? De onde vêm? - perguntou Josué.
9 Os gibeonitas responderam: - Nós, os seus criados, somos de um país que fica muito longe e viemos até aqui porque ouvimos falar do SENHOR, seu Deus. Ouvimos as notícias de tudo o que ele fez no Egito.
10 E também soubemos o que fez com os dois reis amorreus a leste do rio Jordão; a Seom, rei de Hesbom, e a Ogue, rei de Basã, que vivia em Astarote.
11 Os nossos líderes e toda a nossa gente nos mandaram preparar comida para viajar. Eles nos mandaram encontrar com vocês e dizer: "Estamos prontos para ser seus empregados! Façam um acordo de paz com a gente."
12 E vejam só o nosso pão! Estava quentinho quando saímos de casa no começo da viagem. Mas olhem! Agora está seco e bolorento.
13 Quando enchemos de vinho estes odres, eles eram novos. Mas vejam! Agora estão rasgados. As nossas roupas e as nossas sandálias estão gastas por causa da longa viagem que fizemos.
14 Os homens de Israel aceitaram a comida deles, porém não pediram conselho a Deus, o SENHOR.
15 Josué fez um acordo de paz com os gibeonitas, prometendo que não seriam mortos. E os líderes do povo de Israel juraram que cumpririam a sua palavra.
16 Três dias depois de feito o acordo, descobriram que aquela gente morava perto.
17 Tanto assim que os israelitas saíram do acampamento e três dias depois chegaram às cidades onde os gibeonitas viviam, isto é, Gibeão, Cefira, Beerote e Quiriate-Jearim.
18 Porém, por causa do juramento que os seus líderes tinham feito aos gibeonitas em nome do SENHOR, o Deus de Israel, os israelitas não os mataram. E por isso todo o povo reclamou contra os líderes,
19 mas eles explicaram assim: - Nós juramos em nome do SENHOR, o Deus de Israel, e agora não podemos fazer nada contra os gibeonitas.
20 Por causa da nossa promessa temos de deixá-los viver; se não, Deus nos castigará.
21 Deixem que eles vivam; mas terão de cortar lenha e carregar água para nós. Foi isso o que os líderes disseram.
22 Então Josué chamou os gibeonitas e perguntou: - Por que vocês nos enganaram, afirmando que vinham de longe, quando vivem aqui mesmo?
23 E, já que vocês fizeram isso, de agora em diante vão viver debaixo do castigo de Deus. É do povo gibeonita que sairão sempre os escravos para cortar madeira e carregar água para a casa do meu Deus.
24 Eles responderam: - Fizemos isso porque ficamos sabendo que o SENHOR, seu Deus, havia ordenado ao seu servo Moisés que entregasse toda esta terra aos israelitas. E também ordenou a vocês que, conforme fossem avançando, matassem todos os seus moradores. Fizemos isso porque ficamos com muito medo de vocês, medo de sermos mortos.
25 Agora estamos nas suas mãos; faça de nós o que achar melhor.
26 Josué protegeu os gibeonitas e não deixou que fossem mortos.
27 Mas, daquele dia em diante, ele os obrigou a serem carregadores de água e rachadores de lenha para o povo de Israel e para o altar de Deus, o SENHOR. E até hoje eles continuam fazendo isso, trabalhando no lugar escolhido por Deus para a sua adoração.

Josué – Capítulo 10

1 Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém, ouviu dizer que Josué havia tomado e destruído completamente a cidade de Ai e matado o seu rei. E ouviu dizer que o mesmo havia acontecido com Jericó e o seu rei. Também soube que os gibeonitas tinham feito um acordo de paz com os israelitas e que viviam entre eles.
2 Os moradores de Jerusalém ficaram com muito medo, pois a cidade de Gibeão era tão grande como qualquer outra governada por um rei. E era maior ainda do que Ai, e os seus homens eram soldados corajosos.
3 Então Adoni-Zedeque enviou mensageiros a Hoão, rei de Hebrom, e a Pirã, rei de Jarmute, e a Jafia, rei de Laquis, e a Debir, rei de Eglom, com a seguinte mensagem:
4 - Venham me ajudar a atacar Gibeão porque o povo de lá fez um acordo de paz com Josué e com o povo de Israel.
5 E esses cinco reis amorreus - de Jerusalém, Hebrom, Jarmute, Laquis e Eglom - ajuntaram-se com todos os seus exércitos e cercaram e atacaram a cidade de Gibeão.
6 Os gibeonitas então mandaram dizer a Josué no acampamento de Gilgal: - Não abandone a gente! Venha depressa nos ajudar e salvar! Todos os reis amorreus que moram nas montanhas se ajuntaram contra nós!
7 Então Josué e todo o seu exército partiram de Gilgal.
8 E o SENHOR Deus lhe disse: - Não fique com medo desses reis, pois eu já lhe dei a vitória. Nenhum deles será capaz de resistir.
9 Josué saiu de Gilgal e marchou a noite toda, subindo sempre. Ele atacou de surpresa.
10 E o SENHOR Deus fez com que os inimigos ficassem apavorados quando viram os exércitos de Israel. Assim os israelitas os derrotaram completamente em Gibeão e os perseguiram na descida de Bete-Horom, combatendo até Azeca e Maquedá.
11 E, enquanto eles fugiam dos israelitas, correndo na descida de Bete-Horom até Azeca, o SENHOR jogou do céu grandes pedras de gelo sobre os inimigos, e eles foram mortos. E morreram mais pessoas com essa chuva de pedras do que no combate com os israelitas.
12 No dia em que o SENHOR deu a vitória aos israelitas na luta contra os amorreus, Josué falou com ele. E, na presença dos israelitas, disse: "Sol, fique parado sobre Gibeão! Lua, pare sobre o vale de Aijalom!"
13 O sol ficou parado, e a lua também parou, até que o povo se vingou dos seus inimigos. Estas palavras estão escritas no |iLivro do Justo. O sol ficou parado no meio do céu e atrasou a sua descida por quase um dia inteiro.
14 Nunca tinha havido e nunca mais houve um dia como este, um dia em que o SENHOR obedeceu à voz de um homem. Isso aconteceu porque o SENHOR combatia a favor de Israel.
15 Depois disso Josué e o seu exército voltaram ao acampamento de Gilgal.
16 Os cinco reis escaparam e se esconderam na caverna de Maquedá,
17 mas foram descobertos. E Josué ficou sabendo que estavam escondidos lá.
18 Então disse: - Rolem algumas pedras grandes até a entrada da caverna e ponham alguns guardas.
19 Mas não fiquem lá. Persigam os inimigos e ataquem os que ficarem para trás. Não deixem que eles voltem para as suas cidades porque o SENHOR, nosso Deus, já os entregou a vocês para serem mortos.
20 Josué e os soldados de Israel os mataram até acabar com quase todos eles. Os que escaparam ficaram dentro das suas cidades protegidas por muralhas.
21 Então todos os soldados de Israel voltaram sãos e salvos para o acampamento de Maquedá, onde Josué estava. E ninguém tinha coragem de dizer nada contra os israelitas.
22 Depois Josué disse: - Tirem as pedras da entrada da caverna e tragam aqui os cinco reis.
23 E isso foi feito. Tiraram da caverna os reis de Jerusalém, Hebrom, Jarmute, Laquis e Eglom
24 e os levaram a Josué. Josué chamou os homens de Israel e ordenou aos oficiais do exército que tinham ido com ele: - Venham aqui e ponham os pés no pescoço destes reis. Eles fizeram isso.
25 Aí Josué disse: - Não tenham medo; não percam a coragem. Sejam fortes e corajosos porque o SENHOR fará isso com todos os inimigos que vocês enfrentarem.
26 Então Josué matou os reis e os pendurou em cinco postes de madeira. E eles ficaram pendurados ali até o anoitecer.
27 Ao pôr-do-sol, Josué mandou que eles fossem tirados dos postes e jogados na caverna onde se haviam escondido. E puseram na entrada grandes pedras, que estão lá até hoje.
28 Nesse mesmo dia Josué atacou e tomou Maquedá. Matou o rei e todos os moradores da cidade; ninguém ficou vivo. Ele fez com o rei de Maquedá o mesmo que havia feito com o rei de Jericó.
29 Em seguida Josué e o seu exército foram de Maquedá até a cidade de Libna e atacaram.
30 O SENHOR Deus também deu aos israelitas a vitória sobre essa cidade e sobre o seu rei. Eles mataram todos os moradores e fizeram com o rei de Libna o mesmo que haviam feito com o rei de Jericó.
31 Josué e o seu exército foram de Libna a Laquis. Eles cercaram e atacaram a cidade.
32 No segundo dia de combate, o SENHOR deu aos israelitas a vitória sobre a cidade de Laquis. E, como haviam feito em Libna, também em Laquis mataram todas as pessoas.
33 Então Horã, rei de Gezer, saiu para ajudar Laquis. Porém Josué derrotou o rei de Gezer e o seu povo; não deixou ninguém vivo.
34 Depois Josué e o seu exército foram de Laquis até Eglom. Eles cercaram e atacaram a cidade
35 e a tomaram no mesmo dia. E mataram todos, como haviam feito em Laquis.
36 Aí Josué e o seu exército subiram de Eglom até a cidade de Hebrom. Atacaram
37 e tomaram a cidade de Hebrom. Mataram o rei e todos os moradores de Hebrom e das cidades vizinhas. Josué mandou que destruíssem completamente a cidade, como tinham feito com Eglom. Ninguém ficou vivo.
38 Então Josué e o seu exército voltaram e atacaram Debir.
39 Tomaram a cidade, o seu rei e também todas as cidades vizinhas, matando todas as pessoas dali. Josué fez com Debir e com o seu rei o mesmo que havia feito com Hebrom e Libna e com os seus reis.
40 Assim Josué conquistou toda aquela terra. Derrotou os reis que moravam nas montanhas, na região sul, nas planícies e ao pé das montanhas. Ele não deixou ninguém vivo; todos foram mortos. Era isso o que o SENHOR, o Deus de Israel, havia mandado.
41 Josué os derrotou desde Cades-Barnéia até Gaza e toda a região de Gosém até Gibeão.
42 O SENHOR, o Deus de Israel, lutava pelo seu povo, e por isso Josué dominou todos esses reis e as suas terras numa só guerra.
43 Depois disso Josué e o seu exército voltaram para o acampamento de Gilgal.

Josué – Capítulo 11

1 Essas coisas chegaram aos ouvidos de Jabim, rei de Hazor. E ele mandou mensageiros aos seguintes reis: a Jobabe, rei de Madom; aos reis de Sinrom e Acsafe;
2 aos reis da região montanhosa, ao norte; aos do vale do Jordão, ao sul do lago da Galiléia; e aos da planície e do litoral, perto de Dor.
3 Também enviou mensageiros aos cananeus dos dois lados do rio Jordão, aos amorreus, aos heteus, aos perizeus, aos jebuseus da região montanhosa e aos heveus, que viviam ao pé do monte Hermom, na terra de Mispa.
4 Eles foram com todos os seus soldados - um exército com tantos homens quantos são os grãos de areia da praia do mar. Tinham também muitos cavalos e carros de guerra.
5 Todos esses reis juntaram os seus soldados e acamparam perto do riacho de Merom, para lutar contra o povo de Israel.
6 O SENHOR Deus disse a Josué: - Não fique com medo deles. Amanhã, a esta mesma hora, eu matarei toda essa gente para Israel. Você aleijará os cavalos deles e queimará os seus carros.
7 Assim Josué e todos os seus soldados atacaram de surpresa perto do riacho de Merom,
8 e o SENHOR Deus deu a vitória aos israelitas. Eles atacaram os inimigos e os perseguiram até a grande Sidom e Misrefote-Maim e até o vale de Mispa, a leste. Continuaram a lutar até matarem todos os inimigos.
9 Josué fez como SENHOR havia mandado: aleijou os cavalos deles e queimou os seus carros de guerra.
10 Então Josué voltou, tomou a cidade de Hazor e matou o seu rei. Nesse tempo Hazor era o mais poderoso de todos esses reinos.
11 Os israelitas mataram todos os moradores, e a cidade foi queimada.
12 Josué tomou todas essas cidades e os seus reis. Matou todos, conforme a ordem de Moisés, servo do SENHOR.
13 Mas os israelitas não queimaram nenhuma das cidades construídas sobre ruínas, a não ser Hazor, que Josué incendiou.
14 Os israelitas ficaram com todos os objetos de valor e com o gado dessas cidades. Mas todas as pessoas foram mortas; não ficou ninguém vivo.
15 O SENHOR tinha dado essas ordens ao seu servo Moisés; Moisés as deu a Josué, e Josué obedeceu. Ele fez tudo o que o SENHOR havia mandado Moisés fazer.
16 Josué tomou toda aquela terra, isto é, a região montanhosa de Judá, toda a região sul, toda a terra de Gosém, as planícies de Judá, o vale do Jordão e também a região montanhosa e as planícies do litoral de Israel.
17 Essa região ia desde o monte Halaque, perto de Seir, até Baal-Gade, no vale do Líbano, ao pé do monte Hermom. Josué matou todos os reis desses lugares
18 nas guerras que fez por longo tempo contra eles.
19 Nenhuma dessas cidades fez acordos de paz com Israel, a não ser Gibeão, onde moravam alguns heveus. As outras cidades foram tomadas na guerra.
20 O SENHOR Deus fez com que os moradores dessas cidades teimassem em lutar contra o povo de Israel, para que, assim, fossem completamente destruídos e mortos sem dó nem piedade. O SENHOR havia ordenado isso a Moisés.
21 Nessa ocasião Josué foi e acabou com os gigantes anaquins que viviam nas montanhas: em Hebrom, Debir, Anabe e em toda a região montanhosa de Judá e de Israel. Josué acabou completamente com eles e destruiu as suas cidades.
22 Nenhum dos anaquins ficou na terra de Israel. Somente alguns continuaram a viver nas cidades de Gaza, Gate e Asdode.
23 Como o SENHOR havia ordenado a Moisés, Josué tomou a terra e a deu aos israelitas para ser propriedade deles. Ele dividiu a terra e deu uma parte a cada tribo. E assim a guerra acabou.

Josué – Capítulo 12

1 O povo de Israel havia derrotado os reis que moravam a leste do rio Jordão e ocupado as suas terras. Essas terras iam desde o vale do Arnom, subindo o vale do Jordão, até o monte Hermom. Os reis que os israelitas derrotaram são citados em seguida.
2 O primeiro foi Seom, o rei dos amorreus, que vivia em Hesbom. O reino dele começava em Aroer, na beira do vale do Arnom e na metade do vale, e ia até o rio Jaboque, na divisa da região de Amom. Esse reino ia até a metade de Gileade.
3 Do lado leste do vale do Jordão, o reino de Seom começava no lago da Galiléia na direção de Bete-Jesimote, a leste do mar Morto, e ia até o sul, ao pé do monte Pisga.
4 Os israelitas também derrotaram Ogue, rei de Basã, que foi um dos últimos refains. Ele morava em Astarote e Edrei.
5 Do reino dele faziam parte o monte Hermom, Salca e toda a região de Basã, até a divisa com os gesuritas e maacatitas, e também metade de Gileade, até as terras de Seom, rei de Hesbom.
6 Moisés e o povo de Israel os derrotaram. Moisés, servo do SENHOR, deu as terras desses reis às tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste.
7 Josué e o povo de Israel derrotaram todos os reis das terras que ficam a oeste do rio Jordão, desde Baal-Gade, no vale do Líbano, até o monte Halaque, na direção de Seir. Josué dividiu essas terras entre as tribos, para serem delas para sempre.
8 Faziam parte dessas terras a região montanhosa, a planície, o vale do Jordão, a subida das montanhas, o deserto e a região sul. Nessa terra moravam os heteus, os amorreus, os cananeus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.
9 Foram derrotados os reis das seguintes cidades: Jericó, Ai (perto de Betel), Jerusalém, Hebrom, Jarmute, Laquis, Eglom, Gezer, Debir, Geder, Horma, Arade, Libna, Adulã, Maquedá, Betel, Tapua, Héfer, Afeca, Lasarom, Madom, Hazor, Sinrom-Merom, Acsafe, Taanaque, Megido, Quedes, Jocneão (na região do Carmelo), Dor (no litoral), Goim (na Galiléia) e Tirza - ao todo trinta e um reis.

Josué – Capítulo 13

1 Quando Josué já estava bem velho, o SENHOR disse: - Você já está muito velho, e ainda há muita terra para ser conquistada.
2 Falta conquistar a região dos filisteus e dos gesuritas.
3 (Essa terra, que vai desde o riacho de Sior, na divisa do Egito, até a divisa de Ecrom, no Norte, pertencia aos cananeus; os governadores dos filisteus viviam nas cidades de Gaza, Asdode, Asquelom, Gate e Ecrom.) Falta conquistar a terra de Avim,
4 no Sul, toda a terra dos cananeus e Meara (que pertencia aos sidônios), até Afeca, na divisa com os amorreus.
5 Também falta a terra dos gebalitas; e, na direção do leste, todo o Líbano, desde Baal-Gade, ao pé do monte Hermom, até a subida de Hamate.
6 Finalmente, faltam todos os sidônios que vivem na região montanhosa entre os montes Líbanos e Misrefote-Maim. Eu expulsarei essa gente conforme o povo de Israel for avançando. Divida desde já a terra para que o povo de Israel fique dono dela como mandei antes.
7 Portanto, reparta essa terra entre as outras nove tribos e a metade oeste da tribo de Manassés. Essa terra será dessas tribos.
8 As tribos de Rúben e de Gade e a outra metade da tribo de Manassés haviam recebido as suas terras, que ficam a leste do rio Jordão. Era isso que Moisés, servo do SENHOR, lhes tinha dado.
9 As suas terras iam desde Aroer, na beira do vale do Arnom, e desde a cidade que ficava no meio daquele vale, até Dibom, incluindo todo o planalto de Medeba.
10 Faziam parte das suas terras todas as cidades governadas por Seom, o rei dos amorreus, que reinava em Hesbom, e iam até a divisa com os amonitas.
11 As suas terras incluíam ainda Gileade e a região onde os gesuritas e os maacatitas moravam e também todo o monte Hermom e toda a região de Basã até Salca.
12 Incluíam finalmente o reino de Ogue. Ogue, que foi o último dos refains, reinava em Astarote e em Edrei. Moisés tinha derrotado e expulsado esse povo.
13 Mas os gesuritas e os maacatitas não foram expulsos; eles ainda vivem no meio do povo de Israel.
14 Porém Moisés não tinha dado terras à tribo de Levi. As propriedades dos levitas eram os alimentos trazidos a Deus, o SENHOR, como oferta, conforme ele havia ordenado a Moisés.
15 Moisés tinha dado uma parte da terra às famílias da tribo de Rúben, para ser propriedade delas.
16 Essas terras iam desde Aroer, na beira do vale do Arnom, e desde a cidade que ficava no meio do vale, até Medeba e todo o planalto ao seu redor.
17 Incluíam Hesbom e todas as cidades do planalto, isto é, Dibom, Bamote-Baal, Bete-Baal-Meom,
18 Jasa, Quedemote, Mefaate,
19 Quiriataim, Sibma e Zerete-Saar, no monte do vale.
20 Também Bete-Peor, a subida do monte Pisga, Bete-Jesimote,
21 todas as outras cidades do planalto e todas as cidades de Seom, o rei dos amorreus, que reinou em Hesbom. Moisés havia derrotado o reino de Seom e os príncipes de Midiã: Evi, Requém, Zur, Hur e Reba. Todos esses viviam nessa terra e reinavam dominados por Seom.
22 Entre os que foram mortos pelo povo de Israel estava Balaão, o adivinho, filho de Beor.
23 A oeste a divisa da tribo de Rúben era o rio Jordão. Estas foram as cidades e povoados dados às famílias da tribo de Rúben, para serem propriedade delas.
24 Moisés também tinha dado uma parte da terra às famílias da tribo de Gade, para ser propriedade delas.
25 As suas terras incluíam Jazer, todas as cidades de Gileade e metade da terra dos amonitas até Aroer, que fica a leste de Rabá.
26 Iam de Hesbom até Ramá-Mispa e Betonim e de Maanaim até a divisa de Lo-Debar.
27 No vale do Jordão, incluíam as cidades de Bete-Arã, Bete-Ninra, Sucote e Zafom e também o resto do reino de Seom, rei de Hesbom. A oeste o limite das terras de Gade era o rio Jordão, até o lago da Galiléia, no Norte.
28 Estas foram as cidades e povoados dados às famílias da tribo de Gade, para serem propriedade delas.
29 Moisés tinha dado uma parte da terra às famílias de uma das metades da tribo de Manassés, para ser propriedade delas.
30 As suas terras começavam na cidade de Maanaim e incluíam toda a região de Basã, que pertencia ao rei Ogue, e também todas as sessenta cidades que eram de Jair, em Basã.
31 Incluíam a metade da região de Gileade, Astarote e Edrei, cidades do reino de Ogue, em Basã. Essas terras foram dadas às famílias de metade dos descendentes de Maquir, filho de Manassés.
32 Assim Moisés, nas planícies de Moabe, tinha dividido a terra que ficava a leste da cidade de Jericó e do rio Jordão.
33 Mas ele não deu nenhuma parte da terra à tribo de Levi, para ser propriedade dela. Moisés disse aos membros dessa tribo que o SENHOR, o Deus de Israel, era a propriedade deles.

Josué – Capítulo 14

1 São estas as terras que o povo de Israel recebeu em Canaã. Eleazar, o sacerdote, e Josué, filho de Num, e os chefes das famílias das tribos de Israel fizeram a divisão.
2 Como o SENHOR havia ordenado a Moisés, a divisão das terras das nove tribos e meia foi feita por sorteio.
3 Moisés tinha dado uma parte da terra às duas tribos e meia que ficaram a leste do rio Jordão, mas os levitas não receberam terras.
4 Os descendentes de José estavam divididos em duas tribos: Manassés e Efraim. Não foi dado nenhum pedaço de terra aos levitas, mas eles tinham cidades para morar e também pastos para o seu gado e os seus rebanhos.
5 O povo de Israel dividiu a terra como o SENHOR havia ordenado a Moisés.
6 O povo da tribo de Judá foi falar com Josué em Gilgal. Calebe, filho de Jefoné, do povo quenezeu, disse a Josué: - Você sabe o que o SENHOR disse a Moisés, homem de Deus, em Cades-Barnéia, a respeito de você e de mim.
7 Eu tinha quarenta anos quando Moisés, servo do SENHOR, me enviou de Cades-Barnéia para espionar a terra. E eu dei um relatório que sabia que era verdadeiro.
8 Os homens que foram comigo espalharam o medo no meio do povo, mas eu obedeci fielmente ao SENHOR, meu Deus.
9 Naquele dia Moisés me fez a seguinte promessa: "Calebe, você obedeceu fielmente ao SENHOR, meu Deus. Por isso fique certo de que você e os seus filhos serão donos para sempre de toda a terra que pisarem."
10 E Calebe continuou: - Agora veja! Faz quarenta e cinco anos que o SENHOR Deus disse essas coisas a Moisés. Isso foi no tempo em que o povo de Israel atravessava o deserto; e o SENHOR me tem conservado com vida até hoje. Olhe para mim! Estou com oitenta e cinco anos
11 e me sinto tão forte hoje como no dia em que Moisés me mandou espionar a terra. Ainda tenho bastante força para combater na guerra e para fazer o que for preciso.
12 Agora me dê essa região montanhosa que o SENHOR me prometeu quando os meus companheiros e eu demos o relatório. Naquele tempo dissemos a você que os gigantes anaquins estavam lá, morando em grandes cidades cercadas de muralhas. Se o SENHOR estiver comigo, eu os expulsarei, como ele prometeu.
13 Então Josué abençoou a Calebe, filho de Jefoné, e lhe deu a cidade de Hebrom para ser sua propriedade.
14 Até hoje Hebrom pertence aos descendentes de Calebe, filho de Jefoné, do povo quenezeu, porque ele obedeceu fielmente ao SENHOR, o Deus de Israel.
15 Antes disso Hebrom era chamada de Quiriate-Arba. Arba havia sido o maior dos anaquins. Então houve paz na terra.

Josué – Capítulo 15

1 As famílias da tribo de Judá receberam uma parte da terra com os seguintes limites: ao sul as terras iam até a divisa de Edom e até o deserto de Zim.
2 Começavam bem no sul do mar Morto
3 e iam em direção ao sul, desde a subida de Acrabim até chegar a Zim. Partindo da região sul, a divisa subia a Cades-Barnéia, passava por Hezrom, ia até Adar e rodeava Carca.
4 Continuava até Azmom e seguia o ribeirão, na divisa do Egito, até o mar Mediterrâneo, onde terminava. Estas eram as divisas da tribo de Judá, ao sul.
5 A leste a divisa era o mar Morto, até o ponto onde o rio Jordão desemboca. Ao norte a divisa começava ali,
6 seguia até Bete-Hogla e passava ao norte de Bete-Arabá. Daí subia até a pedra de Boã (Boã era filho de Rúben).
7 Depois, começando no vale da Desgraça, ia até Debir e voltava para o norte na direção de Gilgal, que fica em frente da subida de Adumim, no sul do vale. Em seguida continuava até as fontes de Semes e depois até a fonte de Rogel.
8 Daí atravessava o vale de Ben-Hinom, no sul da montanha dos jebuseus, onde fica a cidade de Jerusalém. Depois a divisa seguia até o alto da montanha que fica em frente do vale de Hinom, no lado oeste, no fim do vale dos Gigantes, ao norte.
9 Partindo do alto da montanha, ia até as fontes de Neftoa e daí até as cidades vizinhas do monte Efrom. Aí voltava na direção de Baalá (ou Quiriate-Jearim)
10 e rodeava Baalá pelo oeste até o monte Seir. Então passava pelo lado norte do monte Jearim (ou Quesalom), descia até Bete-Semes e ia além de Timna.
11 Daí a divisa seguia pelas subidas das montanhas ao norte de Ecrom, voltava até Siquerom, passava o monte Baalá, saindo em Jâmnia e terminando no mar Mediterrâneo.
12 A oeste a divisa era o litoral do mar Mediterrâneo. Estas eram as divisas da terra das famílias da tribo de Judá.
13 Como o SENHOR havia ordenado a Josué, uma parte da terra do povo de Judá foi dada a Calebe, filho de Jefoné. Josué lhe deu Hebrom, que era a cidade de Arba, o pai de Anaque.
14 Calebe expulsou dali os três filhos de Anaque, isto é, Sesai, Aimã e Talmai.
15 De lá foi atacar o povo que vivia em Debir, cidade que antes se chamava Quiriate-Sefer.
16 Calebe disse: - Eu darei minha filha Acsa em casamento ao homem que conseguir conquistar a cidade de Quiriate-Sefer.
17 Otoniel conquistou a cidade. Ele era filho de Quenaz, o irmão de Calebe. Então Calebe lhe deu sua filha Acsa em casamento.
18 Quando Acsa foi morar com Otoniel, ela insistiu com ele que pedisse ao pai dela algumas terras. Acsa foi para o lugar onde Calebe estava, e, quando ela desceu do jumento, o seu pai perguntou: - O que é que você quer?
19 - Eu quero um presente! - respondeu ela. - Já que o senhor me deu uma terra seca, me dê também algumas fontes de água. Então Calebe lhe deu as fontes que ficavam nas terras altas e nas baixas.
20 As terras que as famílias da tribo de Judá receberam como sua propriedade são citadas em seguida.
21 Bem no sul, perto da divisa de Edom, elas receberam as cidades de Cabzeel, Éder, Jagur,
22 Quiná, Dimona, Adada,
23 Quedes, Azor, Itnã,
24 Zife, Telém, Bealote,
25 Hazor-Hadata, Queriote-Hezrom (ou Hazor),
26 Amã, Sema, Molada,
27 Hazar-Gada, Hesmom, Bete-Palete,
28 Hazar-Sual, Berseba, Biziotia,
29 Baalá, Iim, Ezém,
30 Eltolade, Quesil, Horma,
31 Ziclague, Madmana, Sansana,
32 Lebaote, Silim, Aim e Rimom. Ao todo vinte e nove cidades, mais os povoados vizinhos.
33 As cidades na planície foram Estaol, Zora, Asnate,
34 Zanoa, En-Ganim, Tapua, Enã,
35 Jarmute, Adulã, Socó, Azeca,
36 Saaraim, Aditaim, Gedera e Gederotaim. Ao todo catorze cidades, mais os povoados vizinhos.
37 Também receberam as cidades de Zenã, Hadasa, Migdal-Gade,
38 Dileã, Mispa, Jocteel,
39 Laquis, Boscate, Eglom,
40 Cabom, Laamas, Quitlis,
41 Gederote, Bete-Dagom, Naama e Maquedá. Ao todo dezesseis cidades, mais os povoados vizinhos.
42 As famílias de Judá também receberam Libna, Eter, Asã,
43 Ifta, Asnate, Nezibe,
44 Queila, Aczibe e Maressa. Ao todo nove cidades, mais os povoados vizinhos.
45 Receberam ainda Ecrom com os seus povoados e aldeias
46 e todas as cidades e povoados perto de Asdode, desde Ecrom até o mar Mediterrâneo.
47 Receberam as cidades de Asdode e Gaza, com os seus povoados e aldeias, que iam até o ribeirão na divisa do Egito e até o litoral do mar Mediterrâneo.
48 Na região montanhosa, as cidades de Samir, Jatir, Socó,
49 Daná, Quiriate-Sana (ou Debir),
50 Anabe, Estemoa, Anim,
51 Gosém, Holom e Gilo. Ao todo onze cidades, mais os povoados vizinhos.
52 As famílias de Judá também receberam Arabe, Dumá, Esã,
53 Janim, Bete-Tapua, Afeca,
54 Hunta, Quiriate-Arba (ou Hebrom) e Zior. Ao todo nove cidades, mais os povoados vizinhos.
55 Receberam as cidades de Maom, Carmelo, Zife, Jutá,
56 Jezreel, Jocdeão, Zanoa,
57 Caim, Gibeá e Timna. Ao todo dez cidades, mais os povoados vizinhos.
58 Receberam ainda Halul, Bete-Zur, Gedor,
59 Maarate, Bete-Anote e Eltecom. Ao todo seis cidades, mais os povoados vizinhos.
60 Receberam também Quiriate-Baal (ou Quiriate-Jearim) e Rabá: duas cidades, mais os povoados vizinhos.
61 No deserto, Bete-Arabá, Midim, Secaca,
62 Nibsã, a "Cidade do Sal" e a Fonte de Gedi. Ao todo seis cidades, mais os povoados vizinhos.
63 Mas o povo de Judá não conseguiu expulsar os jebuseus que moravam em Jerusalém; até hoje eles moram ali com o povo de Judá.

Josué – Capítulo 16

1 As terras que foram dadas aos descendentes de José iam desde o rio Jordão, perto da cidade de Jericó, até o deserto. De Jericó elas continuavam pela região montanhosa até a cidade de Betel.
2 De Betel a divisa ia até a cidade de Luz, chegando a Atarote, onde viviam os arquitas.
3 Daí seguia para o oeste, na divisa com os jafletitas, até a região de Bete-Horom-de-Baixo. Então ia até Gezer e terminava no mar Mediterrâneo.
4 As tribos de Manassés e Efraim, descendentes de José, receberam essas terras como sua propriedade.
5 As terras das famílias da tribo de Efraim são citadas em seguida. A sua divisa a leste era a cidade de Atarote-Adar, até Bete-Horom-de-Cima.
6 Dali ia até o mar Mediterrâneo. Micmeta ficava ao norte. A leste a divisa voltava até a cidade de Taanate-Siló e passava além dela, a leste, indo até Janoa.
7 Daí descia até as cidades de Atarote e Naarate. Chegava até Jericó e terminava no rio Jordão.
8 Para o oeste a divisa ia da cidade de Tapua ao riacho de Caná e terminava no mar Mediterrâneo. Estas foram as terras dadas às famílias da tribo de Efraim para serem propriedade delas.
9 A tribo de Efraim também recebeu alguns povoados e aldeias que estavam dentro das terras da tribo de Manassés.
10 Porém os cananeus que viviam em Gezer não foram expulsos. Eles continuam a viver no meio dos efraimitas até hoje, mas são obrigados a trabalhar como escravos.

Josué – Capítulo 17

1 Uma parte da terra foi dada à tribo de Manassés, por ser ele o filho mais velho de José. Maquir, pai de Gileade, era o filho mais velho de Manassés e era soldado. Ele recebeu as regiões de Gileade e de Basã.
2 As outras famílias da tribo de Manassés também receberam terras. Foram as famílias de Abiezer, Heleque, Asriel, Siquém, Héfer e Semida. Estes eram filhos de Manassés, que era filho de José.
3 Zelofeade era filho de Héfer, neto de Gileade, bisneto de Maquir e trineto de Manassés. Zelofeade não tinha filhos; só filhas. Os nomes delas eram Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza.
4 Elas foram falar com o sacerdote Eleazar, com Josué e com os líderes e disseram: - O SENHOR Deus ordenou que Moisés desse não só aos nossos parentes do sexo masculino, mas também a nós uma parte da terra para ser nossa propriedade. E, como SENHOR havia mandado, elas também receberam terras para serem sua propriedade.
5 Assim Manassés recebeu a região de Gileade e Basã, no lado leste do rio Jordão, e recebeu também dez partes no lado oeste.
6 Isso porque tanto as suas filhas como os seus filhos receberam terras. A região de Gileade foi dada aos outros descendentes de Manassés.
7 As terras da tribo de Manassés iam desde as terras da tribo de Aser até a cidade de Micmeta, a leste de Siquém. A divisa dessas terras ia para o sul até onde morava o povo de En-Tapua.
8 A terra de Tapua pertencia à tribo de Manassés, mas a cidade de Tapua, na divisa, era dos descendentes de Efraim.
9 De En-Tapua a divisa descia até o ribeirão de Caná. As cidades ao sul do ribeirão eram da tribo de Efraim, embora estivessem entre as cidades dos descendentes de Manassés. A divisa das terras de Manassés continuava pelo lado norte do ribeirão e terminava no mar Mediterrâneo.
10 A tribo de Efraim ficava no Sul, e a de Manassés, no Norte, indo as suas terras até o mar Mediterrâneo. As terras da tribo de Manassés iam até as de Aser, no Norte, e até as de Issacar, no Leste.
11 Nas terras das tribos de Issacar e de Aser, a cidade de Bete-Sã e os povoados vizinhos eram da tribo de Manassés. Também faziam parte da tribo de Manassés os moradores de Ibleão e as cidades de Dor (no litoral), Endor, Taanaque, Megido e os povoados vizinhos.
12 Mas o povo de Manassés não conseguiu expulsar os moradores dessas cidades, e por isso os cananeus continuaram a morar nelas.
13 E, mesmo quando os israelitas se tornaram fortes, não expulsaram todos os cananeus, mas os obrigaram a trabalhar para eles.
14 As famílias das tribos de José disseram a Josué: - Por que é que você nos deu só uma parte da terra para ser nossa propriedade? Nós somos muitos porque o SENHOR nos tem abençoado.
15 Josué respondeu: - Se vocês são muitos, e a região montanhosa de Efraim é pequena demais para vocês, então tomem uma parte da terra dos perizeus e dos refains, na floresta, e limpem o terreno.
16 Eles disseram: - A região montanhosa não dá para nós. E além disso os cananeus que vivem na planície têm carros de ferro, tanto os que moram na cidade de Bete-Sã e nos povoados vizinhos como os do vale de Jezreel.
17 Então Josué disse aos descendentes de Efraim e de Manassés: - De fato, vocês são muitos e muito fortes. Vocês não terão só uma parte.
18 A região montanhosa será de vocês. Embora seja uma floresta, vocês limparão o terreno e ficarão com ele de ponta a ponta. Pois vocês expulsarão os cananeus, embora eles tenham carros de ferro e sejam fortes.

Josué – Capítulo 18

1 Agora a terra já estava conquistada. Então todo o povo de Israel se reuniu na cidade de Siló, e armaram ali a Tenda Sagrada.
2 Sete tribos ainda não tinham recebido as suas terras.
3 Nessa ocasião Josué disse ao povo de Israel: - Até quando vão ficar esperando para tomar posse da terra que o SENHOR, o Deus dos seus antepassados, deu a vocês?
4 Escolham três homens de cada tribo, e eu os mandarei andar por toda esta terra. Eles farão por escrito uma descrição das terras que gostariam de ter como sua propriedade e depois voltarão para falar comigo.
5 Esses homens dividirão a terra em sete partes. A tribo de Judá ficará nas suas terras, no Sul, e os descendentes de José nas suas, no Norte.
6 Tragam a descrição da terra dividida em sete partes. Então eu farei o sorteio para consultar o SENHOR, nosso Deus, por vocês.
7 Os levitas não receberão, como os outros, uma parte da terra porque a parte deles é servir como sacerdotes de Deus, o SENHOR. As tribos de Gade, de Rúben e de Manassés do Leste já receberam as suas terras a leste do rio Jordão, terras que foram dadas por Moisés, servo do SENHOR.
8 E os homens saíram para fazer a descrição daquela terra, depois de receberem de Josué esta ordem: - Andem por toda esta terra, façam por escrito uma descrição dela e depois voltem para falar comigo. Então, aqui em Siló, eu farei o sorteio para consultar o SENHOR Deus por vocês.
9 Assim os homens foram, andaram por toda aquela terra e fizeram uma descrição dela num livro. Eles a dividiram em sete partes e prepararam uma lista das cidades. Depois voltaram ao acampamento de Siló, onde Josué estava.
10 Então Josué fez o sorteio para consultar o SENHOR por eles e deu a cada tribo do povo de Israel uma parte da terra.
11 As famílias da tribo de Benjamim receberam terras que ficavam entre a tribo de Judá e as tribos de José.
12 No Norte a sua divisa começava no rio Jordão. Daí subia pelo lado norte de Jericó, na direção oeste, seguindo pela região montanhosa até o deserto de Bete-Avém.
13 Então ia para o sul na direção da cidade de Luz, até a subida de Luz (também chamada de Betel). Daí descia para Atarote-Adar, na montanha que fica ao sul de Bete-Horom-de-Baixo.
14 Dali a divisa ia noutra direção e, do lado oeste da montanha que fica em frente de Bete-Horom, virava para o sul, indo até a cidade de Quiriate-Baal (ou Quiriate-Jearim), que é da tribo de Judá. Esta era a divisa a oeste.
15 No Sul a divisa começava na ponta de Quiriate-Jearim e dali ia para o oeste até as fontes de Neftoa.
16 Daí descia até o fim da montanha que está em frente do vale de Ben-Hinom, na ponta norte do vale dos Gigantes. A divisa seguia para o sul pelo vale de Hinom, no sul da subida dos jebuseus, até a fonte de Rogel.
17 Virava para o norte, indo até a fonte de Semes, e daí a Gelilote, do outro lado da subida de Adumim. Então descia até a pedra de Boã (Boã era filho de Rúben),
18 passava ao norte da subida defronte do vale do Jordão e depois descia até o vale.
19 Seguia para o norte da subida de Bete-Hogla e terminava na ponta sul do rio Jordão, isto é, na baía onde este rio desemboca no mar Morto. Esta era a divisa no Sul.
20 O rio Jordão era a divisa a leste. São estas as divisas das terras que as famílias da tribo de Benjamim receberam como sua propriedade.
21 As cidades que pertenciam às famílias da tribo de Benjamim eram Jericó, Bete-Hogla, Emeque-Quesis,
22 Bete-Arabá, Zemaraim, Betel,
23 Avim, Pará, Ofra,
24 Quefar-Amonai, Ofni e Gaba. Ao todo doze cidades, mais os povoados vizinhos.
25 Também eram da tribo de Benjamim as cidades de Gibeão, Ramá, Beerote,
26 Mispa, Cefira, Mosa,
27 Requém, Irpeel, Tarala,
28 Zela, Elefe, Jebus (ou Jerusalém), Gibeá e Quiriate-Jearim. Ao todo catorze cidades, mais os seus povoados. São estas as terras que as famílias da tribo de Benjamim receberam como sua propriedade.

Josué – Capítulo 19

1 A segunda distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Simeão. A sua parte ficava no meio das terras da tribo de Judá.
2 Eram da tribo de Simeão as cidades de Berseba, Seba, Molada,
3 Hazar-Sual, Balá, Ezém,
4 Eltolade, Betul, Horma,
5 Ziclague, Bete-Marcabote, Hazar-Susa,
6 Bete-Lebaote e Saruém. Ao todo treze cidades, mais os povoados vizinhos.
7 Também eram dessa tribo Aim, Rimom, Eter e Asã. Ao todo quatro cidades com os seus povoados.
8 Pertenciam ainda à tribo de Simeão todos os povoados vizinhos dessas cidades até Baalate-Ber, isto é, Ramá do Sul. Estas foram as terras que as famílias da tribo de Simeão receberam como sua propriedade.
9 A parte da tribo de Simeão foi tirada das terras de Judá. As terras dadas a Judá eram grandes demais para essa tribo, de modo que a de Simeão recebeu parte delas.
10 A terceira distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Zebulom. Elas receberam terras que iam até Saride.
11 A sua divisa subia na direção oeste até Marala, passava por Dabasete e chegava ao riacho que fica a leste de Jocneão.
12 Do outro lado de Saride, seguia para o leste até a divisa com Quislote-Tabor, passava por Daberate e, subindo, chegava até Jafia.
13 Continuava na direção leste até Gate-Hefer e Ete-Cazim, virando para o lado de Néia, pelo caminho de Rimom.
14 No Norte a divisa virava para o lado de Hanatom, terminando no vale de Iftael.
15 Das terras de Zebulom também faziam parte Catate, Naalal, Sinrom, Idala e Belém. Ao todo doze cidades, mais os seus povoados.
16 Essas cidades e povoados estavam nas terras que as famílias da tribo de Zebulom receberam como sua propriedade.
17 A quarta distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Issacar.
18 As suas terras incluíam as cidades de Jezreel, Quesulote, Suném,
19 Hafaraim, Seom, Anacarate,
20 Rabite, Quisião, Ebes,
21 Remete, En-Ganim, En-Hada e Bete-Pasês.
22 A divisa passava por Tabor, Saazima e Bete-Semes, terminando no rio Jordão. Faziam parte das terras de Issacar dezesseis cidades, mais os seus povoados.
23 Essas cidades e os seus povoados estavam nas terras que as famílias da tribo de Issacar receberam como sua propriedade.
24 A quinta distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Aser.
25 Essas terras incluíam as cidades de Helcate, Hali, Betém, Acsafe,
26 Alameleque, Amade e Misal. No lado oeste a divisa chegava ao monte Carmelo e Sior-Libnate.
27 Depois virava para o leste até Bete-Dagom, passava por Zebulom e pelo vale de Iftael e ia para o norte até Bete-Emeque e Neiel. Continuava para o norte até as cidades de Cabul,
28 Ebrom, Reobe, Hamom e Caná, chegando até a grande Sidom.
29 A divisa então virava para o lado de Ramá, chegando a Tiro, a cidade cercada de muralhas. Daí virava para o lado de Hosa e terminava no mar Mediterrâneo. Das terras de Aser também faziam parte Maalabe, Aczibe,
30 Umá, Afeca e Reobe. Ao todo vinte e duas cidades, mais os seus povoados.
31 Essas cidades e os seus povoados estavam nas terras que as famílias da tribo de Aser receberam como sua propriedade.
32 A sexta distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Naftali.
33 A sua divisa começava em Helefe, desde o carvalho de Zaananim, e ia de Adami-Nequebe e Jabneel até Lacum, terminando no rio Jordão.
34 A divisa virava para o oeste e ia até Aznote-Tabor; daí seguia até Hucoque, chegando até Zebulom ao sul, até Aser a oeste e até Judá a leste, no rio Jordão.
35 As cidades protegidas por muralhas eram Zidim, Zer, Hamate, Racate, Quinerete,
36 Adamá, Ramá, Hazor,
37 Quedes, Edrei, En-Hazor,
38 Irom, Migdalel, Horém, Bete-Anate e Bete-Semes. Ao todo dezenove cidades, mais os seus povoados.
39 Essas cidades e os seus povoados estavam nas terras que as famílias da tribo de Naftali receberam como sua propriedade.
40 A sétima distribuição de terras foi feita para as famílias da tribo de Dã.
41 As suas terras incluíam as cidades de Zora, Estaol, Ir-Semes,
42 Saalabim, Aijalom, Itla,
43 Elom, Timna, Ecrom,
44 Elteque, Gibetom, Baalate,
45 Jeúde, Benê-Beraque, Gate-Rimom,
46 Me-Jarcom, Racom e as terras que ficam em frente da cidade de Jope.
47 Quando os descendentes de Dã perderam as suas terras, eles foram a Laíe e a atacaram. Tomaram a cidade e mataram os seus moradores. Então tomaram posse da terra e passaram a morar nela. Mudaram o nome da cidade de Lesém para Dã, que era o nome do fundador da tribo.
48 Essas cidades e os seus povoados estavam nas terras que as famílias da tribo de Dã receberam como sua propriedade.
49 Quando os israelitas acabaram de fazer a divisão da terra, deram a Josué, filho de Num, uma parte para ser sua propriedade.
50 Como o SENHOR tinha ordenado, deram a Josué a cidade que ele havia pedido. Essa cidade ficava na região montanhosa de Efraim e se chamava Timnate-Sera. Josué construiu a cidade de novo e passou a morar nela.
51 O sacerdote Eleazar, Josué e os chefes das famílias das tribos de Israel fizeram a divisão da terra. Para fazerem essa divisão, consultaram o SENHOR, por sorteio, na entrada da Tenda Sagrada, em Siló. E assim acabaram de repartir a terra.

Josué – Capítulo 20

1 O SENHOR Deus ordenou a Josué:
2 - Diga ao povo de Israel: "Escolham algumas cidades para fugitivos. Eu falei dessas cidades a vocês por meio de Moisés.
3 A pessoa que, sem querer ou por engano, matar alguém poderá fugir para uma dessas cidades, para escapar do parente da vítima, que está procurando vingança.
4 O fugitivo irá ao lugar de julgamento na entrada da cidade e explicará aos líderes o que aconteceu. Então elas o deixarão ficar na cidade e lhe darão um lugar para morar ali.
5 O povo da cidade não entregará o fugitivo ao parente que está procurando vingança. Eles protegerão o fugitivo porque matou alguém sem querer e não por ódio.
6 O fugitivo ficará na cidade até ser julgado na presença do povo dali e até que morra o Grande Sacerdote que estiver servindo naquele tempo. Aí poderá voltar para a sua cidade, a cidade de onde fugiu."
7 Como cidades para fugitivos escolheram Quedes, na Galiléia, na região montanhosa de Naftali; Siquém, na região montanhosa de Efraim; e Quiriate-Arba (ou Hebrom), na região montanhosa de Judá.
8 A leste do rio Jordão, no planalto a leste de Jericó, no deserto, escolheram Bezer, da tribo de Rúben; Ramote, em Gileade, da tribo de Gade; e Golã, em Basã, da tribo de Manassés.
9 Estas foram as cidades para fugitivos escolhidas para todo o povo de Israel e para todos os estrangeiros que moravam no meio dos israelitas. Qualquer pessoa que, sem querer, matasse alguém podia encontrar proteção nessas cidades. Essa pessoa não podia ser morta pelo parente que procurava vingança. Ela era julgada ali na presença do povo da cidade.

Josué – Capítulo 21

1 Os chefes das famílias dos levitas foram até a cidade de Siló, na terra de Canaã. Ali falaram com o sacerdote Eleazar, com Josué, filho de Num, e com os chefes das famílias de todas as tribos de Israel. Eles disseram: - O SENHOR Deus ordenou, por meio de Moisés, que nos dessem cidades para morar e também pastos ao redor delas para o nosso gado.
3 E os israelitas, obedecendo à ordem de Deus, o SENHOR, deram das suas terras cidades e pastos para os levitas.
4 As famílias dos coatitas foram as primeiras a receber cidades. Os levitas que eram descendentes do sacerdote Arão receberam treze cidades das tribos de Judá, Simeão e Benjamim.
5 Os outros coatitas receberam dez cidades das famílias das tribos de Efraim e de Dã e da metade oeste da tribo de Manassés.
6 Os gersonitas receberam treze cidades das famílias das tribos de Issacar, Aser, Naftali e da metade da tribo de Manassés que estava em Basã, a leste do Jordão.
7 As famílias dos meraritas receberam doze cidades das tribos de Rúben, Gade e Zebulom.
8 O povo de Israel, por meio de sorteio, separou para os levitas essas cidades e os pastos ao redor delas, como o SENHOR havia ordenado por meio de Moisés.
9 São citadas a seguir as cidades das tribos de Judá e de Simeão que foram dadas
10 aos descendentes de Arão que eram do grupo de famílias de Coate, filho de Levi. As terras dos coatitas foram as primeiras a serem sorteadas.
11 Deram a essas famílias a cidade de Quiriate-Arba (Arba foi o pai de Anaque), que é Hebrom, na região montanhosa de Judá, e os pastos ao seu redor.
12 Mas os campos em volta da cidade e os seus povoados tinham sido dados a Calebe, filho de Jefoné, como sua propriedade.
13 Aos descendentes de Arão deram Hebrom com os seus pastos. Esta era uma das cidades para os fugitivos que tivessem matado alguém. Deram também as cidades de Libna,
14 Jatir, Estemoa,
15 Holom, Debir,
16 Aim, Jutá e Bete-Semes, com os seus pastos. Ao todo nove cidades das tribos de Judá e de Simeão.
17 Da tribo de Benjamim deram quatro cidades: Gibeão, Geba,
18 Anatote e Almom.
19 Ao todo foram dadas treze cidades com os seus pastos aos sacerdotes, que eram descendentes de Arão.
20 Para as outras famílias coatitas, que eram levitas, eles deram algumas cidades da tribo de Efraim.
21 Essas famílias receberam Siquém e os seus pastos na região montanhosa de Efraim. Siquém era uma das cidades para os fugitivos que tivessem matado alguém. Os coatitas receberam também Gezer,
22 Quibzaim e Bete-Horom, com os seus pastos. Ao todo quatro cidades.
23 Da tribo de Dã eles receberam quatro cidades: Elteque, Gibetom,
24 Aijalom e Gate-Rimom, com os seus pastos.
25 Da metade oeste da tribo de Manassés eles receberam duas cidades: Taanaque e Gate-Rimom, com os seus pastos.
26 Essas famílias coatitas receberam ao todo dez cidades com os seus pastos.
27 Os gersonitas, que eram outra família de levitas, receberam da metade leste da tribo de Manassés a cidade de Golã, em Basã, com os seus pastos. Esta era uma das cidades para os fugitivos que tivessem matado alguém. Os gersonitas receberam também a cidade de Beesterá com os seus pastos.
28 Da tribo de Issacar eles receberam quatro cidades: Quisião, Daberate,
29 Jarmute e En-Ganim, com os seus pastos.
30 Da tribo de Aser eles receberam quatro cidades: Misal, Abdom,
31 Helcate e Reobe, com os seus pastos.
32 Da tribo de Naftali receberam a cidade de Quedes, na Galiléia, com os seus pastos. Quedes era uma cidade para os fugitivos que tivessem matado alguém. Os gersonitas receberam também Hamote-Dor e Cartã, com os seus pastos. Ao todo três cidades.
33 As várias famílias dos gersonitas receberam ao todo treze cidades com os seus pastos.
34 Os outros levitas, isto é, as famílias meraritas, receberam da tribo de Zebulom quatro cidades: Jocneão, Cartá,
35 Dimna e Naalal, com os seus pastos.
36 Da tribo de Rúben eles receberam quatro cidades: Bezer, Jasa,
37 Quedemote e Mefaate, com os seus pastos.
38 Da tribo de Gade eles receberam Ramote, em Gileade, com os seus pastos. Ramote era uma das cidades para os fugitivos que tivessem matado alguém. Os meraritas receberam também Maanaim,
39 Hesbom e Jazer, com os seus pastos. Ao todo quatro cidades.
40 Esses levitas, isto é, as várias famílias meraritas, receberam doze cidades ao todo.
41 Das terras dos israelitas foram dadas aos levitas, ao todo, quarenta e oito cidades com os seus pastos.
42 Cada uma dessas cidades tinha pastos ao seu redor.
43 Assim o SENHOR Deus deu aos israelitas toda a terra que havia prometido aos seus antepassados. E, quando tomaram posse da terra, eles passaram a morar nela.
44 O SENHOR lhes deu paz com os povos vizinhos, conforme havia prometido aos seus antepassados. Nenhum dos inimigos conseguiu resistir, pois o SENHOR deu ao povo de Israel a vitória sobre eles.
45 O SENHOR cumpriu todas as boas promessas que havia feito ao povo de Israel.

Josué – Capítulo 22

1 Então Josué reuniu o povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste
2 e disse: - Vocês têm feito tudo o que Moisés, servo do SENHOR, mandou e têm obedecido a todas as minhas ordens também.
3 Durante todo esse tempo, até hoje, vocês não abandonaram os seus irmãos israelitas. Vocês têm obedecido com cuidado aos mandamentos do SENHOR.
4 Agora o SENHOR, o Deus de vocês, deu aos seus irmãos israelitas a paz, como havia prometido. Voltem, pois, para a terra que vocês conquistaram do outro lado do rio Jordão, a terra que Moisés, servo do SENHOR, lhes deu.
5 Obedeçam com muito cuidado ao mandamento e à lei que Moisés, servo do SENHOR, lhes deu. Amem o SENHOR, o Deus de vocês, façam a vontade dele, obedeçam aos seus mandamentos, fiquem ligados com ele e o sirvam com todo o coração e com toda a alma.
6 Aí Josué os abençoou e se despediu deles. E eles voltaram para casa.
7 Moisés tinha dado terras a leste do rio Jordão, em Basã, a uma das metades da tribo de Manassés. Mas para a outra metade Josué tinha dado terras a oeste do rio, junto com as outras tribos. Quando Josué se despediu deles, abençoou-os
8 e disse: - Vocês estão voltando para casa muito ricos, com muito gado, prata, ouro, bronze, ferro e grande quantidade de roupas. Repartam com os seus irmãos israelitas aquilo que vocês tomaram dos inimigos.
9 Então o povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste voltou para casa. Eles deixaram os outros israelitas em Siló, na terra de Canaã, e foram para Gileade, a terra deles, que haviam conquistado conforme o SENHOR tinha ordenado por meio de Moisés.
10 Quando chegaram a Gelilote, do lado oeste do rio Jordão, as duas tribos e meia construíram ali um altar grande, que podia ser visto de longe.
11 Os israelitas das outras tribos ouviram falar disso e comentavam: - Escutem! O povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste construiu um altar em Gelilote, do nosso lado do rio Jordão!
12 Quando o povo de Israel ouviu isso, todos se reuniram em Siló para fazer guerra contra eles.
13 Então o povo de Israel enviou Finéias, filho do sacerdote Eleazar, à terra de Gileade, para falar com o povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste.
14 Junto com Finéias foram dez líderes, um de cada uma das tribos de Israel.
15 Eles foram até a terra de Gileade para falar com o povo de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste. Eles disseram:
16 - Todo o povo de Deus reunido mandou dizer isto: "Por que vocês fizeram essa traição contra o Deus de Israel? Por que se revoltaram contra o SENHOR, construindo vocês mesmos esse altar? Será que não estão mais seguindo o SENHOR?
17 Vocês não lembram do pecado cometido em Peor, quando o SENHOR castigou o seu povo? Nós ainda estamos sofrendo por causa disso. Será que aquele pecado não bastava?
18 Será que agora vão deixar de seguir o SENHOR? Se hoje vocês se revoltarem contra o SENHOR, amanhã ele ficará irado com todo o povo de Israel.
19 Agora, se acham que a terra de vocês é impura, então passem para cá, para a terra de Deus, o SENHOR, onde está a Tenda Sagrada em que ele mora. Peçam um pedaço de terra aqui do nosso lado. Porém não se revoltem contra o SENHOR nem contra nós, construindo vocês mesmos outro altar além do altar do SENHOR, nosso Deus.
20 Lembrem que Acã, filho de Zera, não quis obedecer ao mandamento a respeito das coisas que deviam ser destruídas, e todo o povo de Israel foi castigado por causa disso. E Acã não foi o único que morreu por causa do seu pecado."
21 Então o povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste respondeu aos chefes das famílias de Israel:
22 - Deus é o Poderoso! Ele é o SENHOR! Deus é o Poderoso! Ele é o SENHOR! Ele sabe por que fizemos isso, e fiquem sabendo vocês também. Se nós nos revoltamos e se não fomos fiéis ao SENHOR, não nos deixem continuar a viver.
23 Nós não construímos o nosso altar para oferecer sacrifícios a serem completamente queimados, nem para colocar sobre ele ofertas de cereais ou ofertas de paz. Que o SENHOR mesmo nos castigue se construímos este altar para desobedecer a ele!
24 Pelo contrário, fizemos isso porque ficamos com medo de que um dia os descendentes de vocês venham a dizer aos nossos: "Que ligação vocês têm com o SENHOR, o Deus de Israel?
25 O SENHOR pôs o rio Jordão como divisa entre nós e vocês, tribos de Rúben e de Gade. Vocês não têm nada a ver com Deus, o SENHOR." E assim os descendentes de vocês poderiam fazer com que os nossos descendentes deixassem de adorar o SENHOR.
26 Por isso o altar que construímos não foi para apresentar ofertas a serem completamente queimadas, nem para oferecer sacrifícios.
27 Pelo contrário, queríamos que fosse um sinal para nós, e para vocês, e para os nossos descendentes depois de nós. Seria um sinal para adorarmos o SENHOR com as nossas ofertas a serem completamente queimadas, com sacrifícios de animais e com ofertas de paz. Isso foi feito para evitar que um dia os seus descendentes venham a dizer aos nossos: "Vocês não têm nenhuma ligação com o SENHOR."
28 Nós pensamos que, se um dia isso acontecer, os nossos descendentes poderão dizer: "Vejam! Os nossos antepassados fizeram um altar igual ao altar de Deus, o SENHOR. Ele não foi construído a fim de apresentarmos ofertas a serem completamente queimadas nem sacrifícios de animais, mas a fim de ser um sinal para nós e para vocês."
29 Nunca tivemos a intenção de nos revoltar contra o SENHOR, nem pensamos em deixar de segui-lo. Nós não iríamos construir um altar para apresentar ofertas a serem completamente queimadas ou ofertas de cereais, nem para oferecer sacrifícios de animais. Nunca faríamos outro altar além do altar do SENHOR, nosso Deus, que fica em frente da Tenda onde ele mora.
30 O sacerdote Finéias, os líderes do povo e os chefes das famílias de Israel que estavam com ele ouviram o que disse o povo das tribos de Rúben, de Gade e de Manassés do Leste e ficaram satisfeitos.
31 E Finéias, filho do sacerdote Eleazar, disse ao povo de Rúben, de Gade e de Manassés: - Agora sabemos que o SENHOR está entre nós, pois vocês não se revoltaram contra ele. Vocês salvaram o povo de Israel do castigo do SENHOR.
32 Então Finéias e os líderes deixaram a gente de Rúben e de Gade na região de Gileade, voltaram para a terra de Canaã e contaram tudo ao povo de Israel.
33 O que disseram agradou aos israelitas. Então eles louvaram a Deus e não pensaram mais em fazer guerra, nem em destruir a terra onde a gente de Rúben e de Gade estava morando.
34 E a gente das tribos de Rúben e de Gade chamou o altar de "Testemunha" porque disseram: "É uma testemunha entre nós de que o SENHOR é Deus."

Josué – Capítulo 23

1 O SENHOR Deus deixou que o povo de Israel vivesse em paz com os inimigos ao seu redor. Passou muito tempo, e Josué ficou bem velho.
2 Ele chamou todo o povo de Israel, os conselheiros, os líderes, os juízes e os oficiais e disse: - Eu já estou velho.
3 Vocês viram tudo o que o SENHOR, nosso Deus, fez com todas essas nações por causa de vocês. O SENHOR tem lutado a favor de vocês.
4 Escutem! Eu distribuí entre as tribos, para serem propriedade delas, as terras das nações que ainda não foram conquistadas. Assim também distribuí as terras das nações que já foram vencidas, desde o rio Jordão, a leste, até o mar Mediterrâneo, a oeste.
5 O SENHOR, nosso Deus, fará com que essas nações fujam de vocês e as expulsará para longe. Vocês tomarão posse das terras dessas nações, como o SENHOR, nosso Deus, prometeu.
6 Por isso se esforcem para obedecer fielmente a tudo o que está escrito no Livro da Lei de Moisés. Não desprezem nenhuma parte desta Lei
7 para que assim não se misturem com esses povos que ainda vivem entre vocês. Também não falem os nomes dos seus deuses, nem jurem por eles; não os adorem, nem se curvem diante deles.
8 Fiquem ligados a Deus, o SENHOR, como vocês têm ficado até agora.
9 O SENHOR expulsou povos grandes e fortes para longe, e até agora ninguém conseguiu resistir a vocês.
10 Um só israelita pode fazer fugirem mil inimigos porque o SENHOR, nosso Deus, está lutando por vocês, como prometeu.
11 Por isso amem somente o SENHOR, nosso Deus.
12 Mas, se vocês não forem fiéis a ele, e fizerem amizade com os povos que ainda estão aí, e casarem com essa gente,
13 podem ficar certos de que ele não expulsará mais esses povos do meio de vocês. Pelo contrário, eles se tornarão perigosos para vocês, como se fossem precipícios, armadilhas, chicotes nas costas ou espinhos nos olhos. E isso continuará até que vocês desapareçam desta boa terra que o SENHOR, nosso Deus, lhes deu.
14 - Agora o dia da minha morte está perto. Todos vocês sabem, no seu coração e no seu íntimo, que o SENHOR, nosso Deus, lhes deu todas as coisas boas que havia prometido. Ele cumpriu tudo; não falhou em nada.
15 Sim, o SENHOR, nosso Deus, fez com que acontecessem todas as coisas boas que lhes tinha prometido. Mas, se vocês adorarem outros deuses e se curvarem diante deles, então ele ficará irado e castigará vocês. Porque, se vocês fizerem isso, quebrarão a aliança que o SENHOR Deus mandou que cumprissem. E logo não ficará nenhum de vocês nesta boa terra que ele lhes deu.

Josué – Capítulo 24

1 Depois Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel. Chamou os conselheiros, os líderes, os juízes e os oficiais de Israel, e eles se apresentaram diante de Deus.
2 Então Josué disse a todo o povo: - O SENHOR, o Deus de Israel, diz isto: "Há muito tempo, os antepassados de vocês viviam no outro lado do rio Eufrates e adoravam outros deuses. Tera, um desses antepassados, era pai de Abraão e de Naor.
3 Porém eu tirei Abraão da terra que está do outro lado do Eufrates e fiz com que ele andasse por toda a terra de Canaã. Eu lhe dei muitos descendentes: a Abraão eu dei Isaque
4 e a Isaque dei Jacó e Esaú. A Esaú eu dei, para ser sua propriedade, a região montanhosa de Seir; porém Jacó e os seus filhos desceram até o Egito.
5 Depois enviei Moisés e Arão e fiz uma grande destruição no Egito. Nessa ocasião tirei vocês de lá.
6 Fiz com que os seus antepassados saíssem do Egito, e eles chegaram até o mar Vermelho. Mas os egípcios os perseguiram até o mar, com carros de guerra e cavaleiros.
7 Então os israelitas me pediram socorro, e eu fiz com que uma escuridão os escondesse dos egípcios. E mandei que o mar caísse em cima dos egípcios e os cobrisse. Vocês viram o que eu fiz com o Egito. Depois vocês viveram no deserto por muito tempo.
8 - "Então eu os levei para a terra dos amorreus que moravam a leste do rio Jordão. Os amorreus os atacaram, mas eu dei a vitória a vocês. Vocês tomaram posse da terra deles, e eu os destruí diante de vocês.
9 Aí o rei de Moabe, Balaque, filho de Zipor, fez guerra contra Israel. Balaque mandou buscar Balaão, filho de Beor, e pediu que ele amaldiçoasse vocês.
10 Mas eu não quis ouvir Balaão, e assim ele os abençoou, e eu os salvei das mãos de Balaque.
11 Vocês atravessaram o rio Jordão e chegaram até a cidade de Jericó. Os homens de Jericó lutaram contra vocês, e depois também os amorreus, os perizeus, os cananeus, os heteus, os girgaseus, os heveus e os jebuseus. Eu fiz com que vocês vencessem a todos.
12 Antes de vocês chegarem, expulsei os dois reis amorreus, fazendo com que eles fugissem apavorados. Não foi nem pelas espadas nem pelos arcos e flechas de vocês que eles foram expulsos.
13 Eu dei a vocês uma terra em que vocês nunca haviam trabalhado e cidades que não haviam construído. E vocês estão vivendo nessas cidades e comendo uvas e azeitonas de parreiras e oliveiras que não plantaram."
14 Josué terminou, dizendo: - Portanto, agora temam a Deus, o SENHOR. Sejam seus servos sinceros e fiéis. Esqueçam os deuses que os seus antepassados adoravam na Mesopotâmia e no Egito e sirvam o SENHOR.
15 Mas, se vocês não querem ser servos do SENHOR, decidam hoje a quem vão servir. Resolvam se vão servir os deuses que os seus antepassados adoravam na terra da Mesopotâmia ou os deuses dos amorreus, na terra de quem vocês estão morando agora. Porém eu e a minha família serviremos a Deus, o SENHOR.
16 O povo respondeu: - Nunca poderíamos pensar em abandonar o SENHOR para servir outros deuses!
17 Foi o SENHOR, nosso Deus, quem tirou a nós e aos nossos pais da escravidão na terra do Egito. E vimos as grandes coisas que ele fez. Ele nos guardou pelos caminhos por onde andamos e no meio dos países por onde passamos.
18 Conforme íamos avançando, o SENHOR ia expulsando todos aqueles povos e até os amorreus que moravam nesta terra. Portanto, nós também serviremos o SENHOR, pois ele é o nosso Deus.
19 Josué disse ao povo: - Vocês não podem servir o SENHOR, pois ele é Deus Santo e não tolera aqueles que adoram outros deuses. Ele não perdoará os pecados e as maldades de vocês.
20 Se abandonarem a Deus, o SENHOR, e adorarem deuses estrangeiros, ele se voltará contra vocês e os castigará. Ele os destruirá, embora antes tenha sido bom para vocês.
21 O povo respondeu: - Que isso não aconteça! O que nós queremos é servir a Deus, o SENHOR.
22 Então Josué disse: - Vocês mesmos são testemunhas de que escolheram servir o SENHOR. - Sim, somos testemunhas! - responderam eles.
23 E Josué continuou: - Então joguem fora os deuses estrangeiros que estão com vocês e prometam que serão fiéis ao SENHOR, o Deus de Israel.
24 O povo disse a Josué: - Serviremos o SENHOR, nosso Deus, e obedeceremos aos seus mandamentos.
25 Assim naquele dia Josué fez um acordo para o povo e ali em Siquém lhes deu leis e regulamentos.
26 Josué os escreveu no Livro da Lei de Deus. Em seguida pegou uma grande pedra e a colocou ali debaixo da árvore sagrada, no lugar onde adoravam a Deus, o SENHOR.
27 E disse a todo o povo: - Olhem para esta pedra! Ela será nossa testemunha. Ela ouviu todas as palavras que o SENHOR nos tem falado. E também será testemunha contra vocês, para evitar que abandonem ao seu Deus.
28 Então Josué mandou o povo embora, cada um para a sua propriedade.
29 Depois disso, com a idade de cento e dez anos, morreu Josué, filho de Num e servo do SENHOR.
30 Ele foi sepultado na sua propriedade, em Timnate-Sera, na região montanhosa de Efraim, no lado norte do monte Gaás.
31 O povo de Israel serviu a Deus, o SENHOR, enquanto Josué viveu. E também depois da sua morte, enquanto viveram os líderes que sabiam de tudo o que Deus havia feito pelo povo de Israel.
32 O corpo de José, que os israelitas tinham trazido do Egito, foi sepultado em Siquém, no pedaço de terra que Jacó havia comprado dos filhos de Hamor, pai de Siquém, por cem barras de prata. Os descendentes de José receberam essa terra como herança.
33 Eleazar, filho de Arão, também morreu e foi sepultado em Gibeá, na região montanhosa de Efraim. Essa cidade tinha sido dada ao seu filho Finéias.

Juízes – Capítulo 1

1 Depois que Josué morreu, o povo de Israel perguntou a Deus, o SENHOR: - Qual das nossas tribos vai ser a primeira a atacar os cananeus?
2 O SENHOR respondeu: - O povo de Judá vai primeiro porque eu lhe dei a terra.
3 Então o povo de Judá disse ao povo de Simeão: - Vamos juntos à terra que nos foi dada e lutemos contra os cananeus. Depois iremos juntos à terra que for dada a vocês. Assim as tribos de Simeão
4 e de Judá foram guerrear juntas. E o SENHOR Deus lhes deu a vitória sobre os cananeus e os perizeus, e eles mataram dez mil homens em Bezeque.
5 Nesse lugar encontraram Adoni-Bezeque e lutaram contra ele. E eles derrotaram os cananeus e os perizeus.
6 Adoni-Bezeque fugiu, mas eles o perseguiram e prenderam. E cortaram os polegares das suas mãos e os dedões dos seus pés.
7 Então Adoni-Bezeque disse: - Eu mandei cortar os polegares das mãos e os dedões dos pés de setenta reis, e eles apanhavam migalhas debaixo da minha mesa. Agora Deus fez comigo o mesmo que eu fiz com eles. Então levaram Adoni-Bezeque para a cidade de Jerusalém, e ele morreu ali.
8 Os homens de Judá atacaram Jerusalém e a conquistaram. Mataram os seus moradores e puseram fogo na cidade.
9 Depois foram lutar contra os cananeus que moravam nas montanhas, no deserto do Sul e nas planícies de Judá.
10 Também atacaram os cananeus que moravam na cidade de Hebrom, que antes era chamada de Quiriate-Arba. E venceram Sesai, Aimã e Talmai, que eram filhos de Anaque.
11 Dali marcharam contra os moradores de Debir, que também era chamada de Quiriate-Sefer.
12 Então Calebe disse: - Eu darei a minha filha Acsa em casamento ao homem que conseguir tomar Quiriate-Sefer.
13 Otoniel conquistou a cidade. Ele era filho de Quenaz, o irmão mais novo de Calebe. Então Calebe lhe deu a sua filha Acsa em casamento.
14 Quando Acsa foi morar com Otoniel, ela insistiu com ele que pedisse ao pai dela algumas terras. Acsa foi para o lugar onde Calebe estava, e, quando ela desceu do jumento, o seu pai perguntou: - O que é que você quer?
15 - Eu quero um presente! - respondeu ela. - Já que o senhor me deu uma terra seca, me dê também algumas fontes de água. Então Calebe lhe deu as fontes que ficavam nas terras altas e nas baixas.
16 Os descendentes do sogro de Moisés, que era queneu, saíram com o povo de Judá e foram de Jericó, a cidade das palmeiras, para o deserto de Judá, que fica ao sul de Arade. E ali viveram com os amalequitas.
17 O povo de Judá e o de Simeão se juntaram e atacaram os cananeus da cidade de Zefate. Em nome de Deus, eles destruíram completamente a cidade e mudaram o seu nome para Horma.
18 Eles não tomaram Gaza, Asquelom e Ecrom e os seus territórios vizinhos.
19 O SENHOR Deus ajudou o povo de Judá, e eles conquistaram a região das montanhas. Mas não puderam expulsar os moradores do litoral porque estes tinham carros de ferro.
20 Como Moisés havia mandado, a cidade de Hebrom foi dada a Calebe. E ele pôs para fora dali os três filhos de Anaque.
21 Mas o povo da tribo de Benjamim não expulsou os jebuseus que moravam na cidade de Jerusalém. E os jebuseus dali vivem com o povo de Benjamim até hoje.
22 O povo das tribos de José, isto é, Efraim e Manassés, também saiu. Eles atacaram a cidade de Betel, que antigamente era chamada de Luz. E o SENHOR os ajudou. Eles mandaram espiões à cidade;
24 estes viram um homem que ia saindo e lhe disseram: - Como podemos entrar na cidade? Diga, e não mataremos você.
25 Então ele mostrou a entrada. Eles entraram e mataram todos os moradores da cidade, menos aquele homem e toda a sua família.
26 Então ele foi para a terra dos heteus, construiu ali uma cidade e lhe deu o nome de Luz. E esse é o seu nome até hoje.
27 A tribo de Manassés não expulsou o povo que morava nas cidades de Bete-Sã, Taanaque, Dor, Ibleão, Megido e nos seus povoados. Os cananeus continuaram a viver nelas.
28 Quando os israelitas ficaram mais fortes, obrigaram os cananeus a trabalhar para eles, mas não expulsaram todos.
29 A tribo de Efraim não expulsou os cananeus que moravam na cidade de Gezer, e assim os cananeus ficaram vivendo ali com eles.
30 A tribo de Zebulom não expulsou o povo que vivia nas cidades de Quitrom e Naalol. Os cananeus viveram com eles, mas eram obrigados a trabalhar para eles.
31 A tribo de Aser não expulsou o povo que vivia nas cidades de Aco, Sidom, Alabe, Aczibe, Helba, Afeca e Reobe.
32 O povo de Aser viveu com os cananeus que moravam ali, pois eles não tinham sido expulsos.
33 A tribo de Naftali não expulsou o povo que morava nas cidades de Bete-Semes e Bete-Anate. Os cananeus viveram com o povo de Naftali, mas eram obrigados a trabalhar para eles.
34 Os amorreus forçaram a tribo de Dã a se retirar para as montanhas e não os deixavam descer ao vale.
35 Os amorreus ficaram vivendo nas montanhas de Heres, em Aijalom e em Saalabim, mas o povo da tribo de José os dominou e os forçou a trabalhar para eles.
36 As terras dos amorreus começavam na subida do Escorpião e em Sela e iam na direção norte.

Juízes – Capítulo 2

1 O Anjo do SENHOR foi de Gilgal a Boquim e disse aos israelitas: - Eu tirei vocês da terra do Egito e os trouxe à terra que havia prometido aos seus pais. Eu disse: "Nunca quebrarei a aliança que fiz com vocês.
2 Não façam nenhum acordo com os moradores desta terra. Pelo contrário, derrubem os altares deles." Mas vocês não fizeram o que eu disse. Em vez disso, vejam o que fizeram!
3 Agora eu digo que não tirarei este povo do caminho de vocês. Eles serão seus inimigos, e os deuses deles vão ser tentações para vocês.
4 Quando o Anjo terminou de falar, todo o povo de Israel começou a chorar.
5 Por isso aquele lugar é chamado de Boquim. E ali eles ofereceram sacrifícios a Deus, o SENHOR.
6 Josué mandou embora todo o povo de Israel, e cada homem foi tomar conta do seu pedaço de terra.
7 O povo de Israel serviu a Deus, o SENHOR, enquanto Josué viveu. Depois que ele morreu, eles ainda continuaram a servir o SENHOR enquanto viveram os líderes que tinham visto tudo o que o SENHOR havia feito por Israel.
8 Josué, filho de Num, servo do SENHOR, morreu com a idade de cento e dez anos.
9 Ele foi sepultado no seu próprio pedaço de terra, em Timnate-Heres, na região montanhosa de Efraim, ao norte do monte Gaás.
10 Todas as pessoas daquela geração também morreram e os seus filhos esqueceram o SENHOR e as coisas que ele havia feito pelo povo de Israel.
11 Então o povo de Israel pecou contra Deus, o SENHOR, adorando os deuses dos cananeus.
12 Eles deixaram de adorar o SENHOR, o Deus dos seus antepassados, que os havia tirado do Egito. Começaram a seguir outros deuses, os deuses dos povos que viviam ao seu redor. Eles adoraram esses deuses e assim fizeram o SENHOR ficar muito irado.
13 Abandonaram a Deus, o SENHOR, e adoraram Baal e Astarote.
14 O SENHOR ficou muito irado com o povo de Israel e deixou que eles fossem atacados e roubados por povos vizinhos. Ele entregou os israelitas nas mãos dos inimigos que viviam ao redor, e por isso eles não puderam mais resistir.
15 Sempre que saíam para lutar, o SENHOR ficava contra eles, como tinha dito. Assim eles ficaram numa situação muito difícil.
16 Então o SENHOR Deus deu ao povo de Israel líderes fortes, chamados juízes, que os salvaram dos que os atacavam e roubavam.
17 Mas eles não deram atenção a esses líderes. Continuaram a desprezar a Deus e a adorar outros deuses. Os pais deles haviam obedecido aos mandamentos do SENHOR, mas eles não obedeceram.
18 O SENHOR lhes dava um líder e o ajudava. Enquanto esse líder vivia, o SENHOR salvava o povo dos seus inimigos. Ele tinha pena dos israelitas porque eles sofriam na escravidão.
19 Mas, quando o líder morria, eles voltavam a viver como antes e se tornavam ainda piores do que os seus pais. Iam atrás de outros deuses, e os serviam, e adoravam. Teimavam em continuar nos seus maus caminhos.
20 Por isso o SENHOR Deus ficou muito irado com o povo de Israel e disse: - Esta nação quebrou a aliança que eu mandei que os seus antepassados guardassem. E, porque eles não me têm obedecido,
21 não expulsarei mais desta terra nenhuma das nações que Josué deixou quando morreu.
22 Assim verei se os israelitas seguirão fielmente os meus caminhos, como os seus antepassados seguiram.
23 Assim o SENHOR não expulsou logo da terra as nações que ele não tinha entregado a Josué, mas deixou que ficassem ali.

Juízes – Capítulo 3

1 O SENHOR Deus deixou alguns povos na terra para pôr à prova os israelitas que não haviam tomado parte nas guerras de Canaã.
2 Ele fez isso somente para ensinar todos os israelitas a guerrear, especialmente aqueles que nunca haviam estado numa batalha.
3 Os povos que ficaram na terra foram: os moradores das cinco cidades dos filisteus, todos os cananeus, os sidônios e os heveus que viviam nos montes Líbanos, desde o monte Baal-Hermom até a subida de Hamate.
4 Eles ficaram para pôr à prova o povo de Israel a fim de que o SENHOR visse se eles iam ou não obedecer aos mandamentos que lhes tinha dado por meio de Moisés.
5 Assim o povo de Israel ficou morando no meio dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos perizeus, dos heveus e dos jebuseus.
6 E os israelitas casaram com essa gente e adoraram os seus deuses.
7 O povo de Israel esqueceu o SENHOR, seu Deus. Pecou contra ele e adorou os deuses dos cananeus e os postes-ídolos.
8 Por isso o SENHOR ficou muito irado com Israel e deixou que Cuchã-Risataim, rei da Mesopotâmia, os conquistasse. E o povo de Israel foi dominado por ele durante oito anos.
9 Então os israelitas pediram socorro ao SENHOR, e ele mandou um homem para libertá-los. Esse homem foi Otoniel, filho de Quenaz, o irmão mais novo de Calebe.
10 Ele foi guiado pelo Espírito de Deus, o SENHOR, e se tornou o líder de Israel. Otoniel foi para a guerra, e o SENHOR fez com que ele vencesse o rei da Mesopotâmia.
11 Depois disso Otoniel ainda viveu quarenta anos, e durante todo esse tempo a terra de Israel ficou em paz.
12 Depois da morte de Otoniel, o povo de Israel pecou outra vez contra Deus, o SENHOR. Por causa disso o SENHOR fez com que Eglom, rei de Moabe, ficasse mais forte do que eles.
13 Eglom se juntou com os amonitas e os amalequitas, e eles atacaram Israel e tomaram Jericó, a cidade das palmeiras.
14 O povo de Israel foi dominado por Eglom durante dezoito anos.
15 Então os israelitas pediram outra vez socorro ao SENHOR, e ele mandou outro homem para libertá-los. Foi Eúde, filho de Gera, da tribo de Benjamim. Eúde era canhoto. O povo de Israel mandou-o levar o pagamento dos impostos para Eglom, rei de Moabe.
16 Então Eúde fez um grande punhal, de mais ou menos meio metro de comprimento. Ele amarrou o punhal debaixo da roupa, do lado direito,
17 e foi levar os impostos a Eglom, que era muito gordo.
18 Depois de entregá-los, Eúde mandou embora os carregadores.
19 Mas ele voltou do lugar onde estavam as imagens de pedra, perto de Gilgal, e disse ao rei: - Ó rei, tenho uma informação secreta para lhe dar. Então o rei ordenou que todos os outros saíssem da sala. E todos saíram.
20 O rei estava sentado na sua sala de verão, no terraço. Eúde chegou perto dele e disse: - Tenho um recado de Deus para o senhor. O rei se levantou.
21 Então Eúde, com a mão esquerda, tirou o punhal que estava no seu lado direito e o enterrou na barriga de Eglom.
22 O punhal entrou até o cabo, e a gordura o cobriu porque Eúde não o tirou da barriga do rei. E a ponta do punhal apareceu entre as suas pernas.
23 Em seguida Eúde trancou as portas, saiu pela janela
24 e foi embora. Aí os empregados chegaram e viram que as portas estavam trancadas. Então pensaram que o rei tinha ido ao banheiro.
25 Esperaram muito tempo, mas, como ele não abria a porta, pegaram a chave e a abriram. E o rei estava morto, caído no chão.
26 Enquanto eles estavam esperando, Eúde fugiu. Passou pelas imagens de pedra e foi para Seirá.
27 Quando chegou lá, nas montanhas de Efraim, ele tocou uma corneta de chifre de carneiro para chamar os homens de Israel para a luta. Ele os guiou montanha abaixo,
28 dizendo: - Sigam-me. O SENHOR Deus deu a vocês a vitória sobre os inimigos, os moabitas. Então os israelitas o seguiram e tomaram o lugar onde os moabitas costumavam atravessar o rio Jordão. E não deixaram ninguém atravessar.
29 Nessa batalha eles mataram mais ou menos dez mil soldados moabitas, todos fortes e valentes. E nem um escapou.
30 Assim os israelitas derrotaram Moabe naquele dia. E houve paz na terra de Israel durante oitenta anos.
31 O líder seguinte foi Sangar, filho de Anate. Ele matou seiscentos filisteus com um ferrão de tocar bois. E assim ele também libertou o povo de Israel.

Juízes – Capítulo 5

1 Naquele dia Débora e Baraque, filho de Abinoão, cantaram assim:
2 Louvem a Deus, o SENHOR! Os israelitas resolveram lutar, e o povo se apresentou alegremente!
3 Ouçam, reis! Prestem atenção, governadores! Eu tocarei música e cantarei ao SENHOR, o Deus de Israel!
4 Ó SENHOR Deus, quando saíste das montanhas de Seir, quando vieste da região de Edom, a terra tremeu, e as chuvas caíram do céu. Sim, caiu muita água das nuvens.
5 As montanhas tremeram diante do SENHOR, o Deus do monte Sinai, diante do SENHOR, o Deus de Israel.
6 Nos dias de Sangar, filho de Anate, nos dias de Jael, as estradas estavam desertas, e os viajantes usavam os desvios.
7 Nas cidades de Israel não havia ninguém; elas ficaram vazias até que você, Débora, veio, para ser mãe de Israel.
8 Os israelitas escolheram novos deuses, e então houve guerra no país. E dos quarenta mil homens de Israel nenhum carregava escudo ou lança!
9 O meu coração está com os comandantes de Israel, com o povo que se ofereceu alegremente. Louvem a Deus, o SENHOR!
10 Falem disso, vocês que montam jumentos brancos, sentados nas suas selas, e os que viajam a pé.
11 Escutem! A multidão barulhenta em volta dos poços está falando das vitórias do SENHOR, das vitórias do povo de Israel! Então o povo do SENHOR desceu para as suas cidades.
12 Levante-se, Débora, levante-se! Levante-se! Cante uma canção! Levante-se! Marche, Baraque, filho de Abinoão, e leve presos os que o prenderam!
13 Então os que tinham fé foram para onde estavam os seus chefes, e o povo de Deus, o SENHOR, pronto para lutar, foi encontrar-se com Baraque.
14 Eles saíram de Efraim e foram para o vale, atrás da tribo de Benjamim e do seu povo. De Maquir desceram os comandantes, e de Zebulom vieram os oficiais.
15 Os chefes de Issacar foram com Débora. Sim, a tribo de Issacar foi, e Baraque também. Eles o seguiram até o vale. Mas a tribo de Rúben estava dividida; eles discutiram e não foram.
16 Por que resolveram ficar lá com as ovelhas? Será que foi para ouvir os pastores chamarem o rebanho? Sim, a tribo de Rúben estava dividida; eles discutiram e não foram.
17 A tribo de Gade ficou a leste do rio Jordão, e a tribo de Dã, nas pastagens. A tribo de Aser parou perto do mar e ficou na beira das praias.
18 Mas o povo de Zebulom e de Naftali arriscou a sua vida no campo de batalha.
19 Os reis vieram e lutaram em Taanaque, perto do riacho de Megido. Os reis de Canaã lutaram, mas não tomaram dos inimigos nenhuma prata.
20 Até as estrelas lutaram: enquanto caminhavam pelo céu, elas lutaram contra Sísera.
21 Os inimigos foram arrastados por uma enchente do rio Quisom, o velho rio Quisom. Eu marcharei, marcharei com firmeza!
22 Então os cavalos galoparam e galoparam, socando a terra com os seus cascos.
23 "Amaldiçoem a cidade de Meroz", diz o Anjo do SENHOR; "amaldiçoem, amaldiçoem os seus moradores, pois eles não vieram ajudar o SENHOR, não vieram como soldados para lutar por ele."
24 A mais feliz das mulheres é Jael, a mulher de Héber, o queneu. Ela é a mais feliz das mulheres que vivem em barracas.
25 Sísera pediu água, porém ela lhe deu leite; trouxe nata para ele numa linda taça.
26 Pegou a estaca com uma das mãos e a marreta com a outra. Deu um golpe em Sísera e esmagou a sua cabeça; furou e quebrou a sua cabeça em pedaços.
27 Ele caiu de joelhos, tombou e ficou estendido a seus pés. A seus pés ele caiu de joelhos e tombou; ele caiu morto no chão.
28 A mãe de Sísera olhou pela janela da sua casa; olhou bem, pela grade da janela, e disse: "Por que o seu carro demora tanto para chegar? Por que os seus cavalos andam tão devagar?"
29 As suas acompanhantes mais sábias respondiam, e ela repetia para si mesma:
30 "Eles devem estar dividindo as coisas que tomaram: uma ou duas moças para cada soldado, roupas luxuosas para Sísera e panos bordados para o pescoço da rainha."
31 Assim, ó SENHOR Deus, morram todos os teus inimigos, porém que os teus amigos brilhem como a forte luz do sol nascente! E houve paz no país durante quarenta anos.

Juízes – Capítulo 6

1 O povo de Israel pecou contra Deus, o SENHOR, e por isso ele deixou que o povo de Midiã os dominasse durante sete anos.
2 Os israelitas se escondiam dos midianitas em cavernas e em outros lugares seguros nas montanhas porque os midianitas eram mais fortes do que eles.
3 Todas as vezes que os israelitas semeavam, os midianitas vinham com os amalequitas e os povos do deserto e os atacavam.
4 Acampavam na terra e destruíam as suas colheitas até o sul, perto de Gaza. Não deixavam nada para os israelitas viverem - nem ao menos uma ovelha, uma vaca ou um jumento.
5 Chegavam com o seu gado e as suas barracas e eram tão numerosos como gafanhotos. Eles e os seus camelos eram tantos, que nem dava para contar. Vinham para destruir a terra,
6 e o povo de Israel não podia com eles. Então os israelitas pediram socorro a Deus, o SENHOR.
7 Quando eles oraram ao SENHOR por causa dos midianitas,
8 ele mandou um profeta, que lhes disse: - Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: "Eu tirei vocês da escravidão do Egito.
9 Eu os livrei dos egípcios e dos que lutaram contra vocês aqui, nesta terra. Expulsei os seus inimigos e dei a vocês a terra deles.
10 Eu disse que sou o SENHOR, o Deus de vocês, e que vocês não deviam adorar os deuses dos amorreus, que viviam nesta terra. Mas vocês não quiseram me ouvir."
11 Então o Anjo do SENHOR veio e sentou-se debaixo de um carvalho que havia perto do povoado de Ofra. Esse carvalho pertencia a Joás, que era da família de Abiezer. O seu filho, Gideão, estava malhando trigo no tanque de pisar uvas, escondido, para que os midianitas não o encontrassem.
12 Então o Anjo do SENHOR apareceu a ele e disse: - Você é corajoso, e o SENHOR está com você!
13 Gideão respondeu: - Se o SENHOR Deus está com o nosso povo, por que está acontecendo tudo isso com a gente? Onde estão aquelas coisas maravilhosas que os nossos antepassados nos contaram que o SENHOR costumava fazer quando nos trouxe do Egito? Ele nos abandonou e nos entregou aos midianitas.
14 Então o SENHOR Deus ordenou a Gideão: - Vá com toda a sua força e livre o povo de Israel dos midianitas. Sou eu quem está mandando que você vá.
15 Gideão respondeu: - Senhor, como posso libertar Israel? A minha família é a mais pobre da tribo de Manassés, e eu sou a pessoa menos importante da minha família.
16 Mas o SENHOR disse: - Você pode fazer isso porque eu o ajudarei. Você esmagará todos os midianitas como se eles fossem um só homem.
17 Gideão respondeu: - Se tu estás contente comigo, então dá-me uma prova de que és tu mesmo que estás falando.
18 E, por favor, não vás embora até que eu te traga uma oferta. - Eu ficarei aqui até você voltar! - disse Deus.
19 Então Gideão entrou, cozinhou um cabrito e fez pão sem fermento com mais ou menos dez quilos de farinha. Pôs a comida numa cesta e pôs o caldo numa panela. Levou tudo e entregou ao Anjo do SENHOR, que estava debaixo do carvalho.
20 Então o Anjo ordenou: - Ponha a carne e o pão nesta pedra e derrame o caldo em cima. Gideão fez o que ele mandou.
21 Em seguida o Anjo estendeu o bastão que tinha na mão e tocou com a sua ponta a carne e o pão. Então saiu fogo da pedra e queimou a carne e o pão. E o Anjo desapareceu.
22 Aí Gideão compreendeu que era mesmo o Anjo do SENHOR que ele tinha visto. E disse, apavorado: - Ai de mim, SENHOR, meu Deus! Eu vi o Anjo do SENHOR face a face!
23 Mas o SENHOR respondeu: - Não fique com medo. Tudo está bem. Você não morrerá.
24 Gideão construiu ali um altar para Deus, o SENHOR, e o chamou de "O SENHOR é paz". E até hoje esse altar está em Ofra, cidade que pertence às famílias de Abiezer.
25 Naquela noite o SENHOR disse a Gideão: - Leve o touro que pertence a seu pai e outro touro de sete anos e derrube o altar do deus Baal que é do seu pai e também o Poste-ídolo que está ao seu lado.
26 Nesse lugar alto e seguro, faça para o SENHOR, seu Deus, um altar de pedras bem arrumadas. Depois pegue o segundo touro e a madeira do poste arrancado e queime tudo no altar como sacrifício.
27 Gideão levou dez dos seus empregados e fez o que o SENHOR tinha dito. Porém, como estava com medo da sua família e do povo da cidade, em vez de fazer isso de dia, fez de noite.
28 De madrugada, quando os homens da cidade se levantaram, acharam o altar de Baal e o Poste-ídolo derrubados e o segundo touro queimado no altar que tinha sido construído ali.
29 E perguntavam: - Quem será que fez isso? Procuraram saber e descobriram que tinha sido Gideão, filho de Joás.
30 Então disseram a Joás: - Traga o seu filho aqui para ser morto porque ele derrubou o altar de Baal e o Poste-ídolo.
31 Mas Joás disse a todos os que estavam ali reunidos contra ele: - Vocês estão defendendo Baal? Quem o defender será morto antes do amanhecer. Se Baal é deus, que ele mesmo se defenda. O altar dele é que foi derrubado.
32 Daquele dia em diante, Gideão passou a ser chamado de Jerubaal, pois Joás tinha dito: "Que Baal mesmo se defenda. O altar dele é que foi derrubado."
33 Então todos os midianitas, os amalequitas e os povos do deserto se juntaram, e atravessaram o rio Jordão, e acamparam no vale de Jezreel.
34 E o Espírito do SENHOR dominou Gideão. Ele tocou uma corneta feita de chifre de carneiro, e os homens do grupo de famílias de Abiezer foram juntar-se a ele.
35 Gideão enviou também mensageiros para chamar os homens das tribos de Manassés, de Aser, de Zebulom e de Naftali. E eles também foram se juntar a ele.
36 Então Gideão disse: - Ó Deus, tu disseste que queres me usar para libertar o povo de Israel.
37 Pois bem. Vou pôr um pouco de lã no lugar onde malhamos o trigo. Se de manhã o orvalho tiver molhado somente a lã, e o chão em volta dela estiver seco, então poderei ficar certo de que tu realmente me usarás para libertar Israel.
38 O que ele disse aconteceu. Na manhã seguinte Gideão se levantou, espremeu a lã, e dela saiu água que deu para encher uma tigela.
39 Então ele pediu a Deus: - Não fiques zangado comigo. Mas deixa que eu fale só mais uma vez. Deixa, por favor, que eu faça mais uma prova com a lã. Que desta vez a lã fique seca, e que haja orvalho somente no chão em volta dela!
40 E Deus fez isso naquela noite. A lã ficou seca, e o chão em volta ficou coberto de orvalho.

Juízes – Capítulo 7

1 Jerubaal, isto é, Gideão, e todos os homens que estavam com ele se levantaram de madrugada e foram acampar perto da fonte de Harode. O acampamento dos midianitas ficava no vale, no lado norte, perto do monte Moré.
2 O SENHOR Deus disse a Gideão: - Você tem gente demais, e por isso não posso deixar que vocês derrotem os midianitas. Se eu deixasse, vocês poderiam pensar que venceram sem a minha ajuda.
3 Anuncie ao povo o seguinte: "Quem estiver com medo, que saia do monte Gilboa e volte para casa." Gideão anunciou, e vinte e dois mil homens voltaram. Mas dez mil ficaram.
4 E o SENHOR disse a Gideão: - Ainda é gente demais. Leve todos até as águas, e ali eu separarei os que irão com você. Se eu disser que um homem deve ir com você, ele irá. Se disser que outro não deve ir, ele não irá.
5 Aí Gideão fez com que os homens descessem até as águas. E o SENHOR Deus lhe disse: - Todos os homens que lamberem a água com a língua, como fazem os cachorros, devem ser separados dos que se ajoelharem para beber.
6 Trezentos homens juntaram água nas mãos e lamberam. Todos os outros se ajoelharam para beber.
7 Aí o SENHOR disse a Gideão: - Com estes trezentos homens que lamberam a água, eu libertarei vocês e lhes darei a vitória sobre os midianitas. Diga aos outros que voltem para casa.
8 Então Gideão mandou todos os outros israelitas para casa, menos aqueles trezentos. Mas estes ficaram com toda a comida e todas as cornetas. O acampamento dos midianitas estava abaixo deles, no vale.
9 Naquela noite o SENHOR Deus disse a Gideão: - Levante-se e ataque o acampamento dos midianitas. Eu já dei a vitória a você.
10 Mas, se você estiver com medo de atacar, desça até o acampamento deles. Leve junto Purá, o seu ajudante.
11 Você vai ouvir o que eles estão dizendo e então terá coragem para atacar o acampamento. Gideão e Purá desceram até bem perto do acampamento inimigo.
12 Os midianitas, os amalequitas e os povos do deserto estavam espalhados no vale, como uma nuvem de gafanhotos. Eles e os seus camelos eram tantos como os grãos de areia da praia do mar.
13 Quando Gideão chegou, ouviu um homem contando o seu sonho a um amigo. Ele dizia: - Eu sonhei que um pão de cevada rolou para dentro do nosso acampamento. Veio e bateu numa barraca. Ela caiu, virou no avesso e ficou estendida no chão.
14 O amigo respondeu: - É a espada de Gideão, o israelita, o filho de Joás! Isso quer dizer que Deus entregou a ele o nosso povo e todo o nosso exército!
15 Quando Gideão ouviu esse sonho e entendeu o que ele queria dizer, ajoelhou-se e adorou a Deus. Então voltou para o acampamento israelita e disse: - Levantem-se! O SENHOR Deus entregou o exército dos midianitas nas mãos de vocês!
16 Gideão separou os trezentos em três grupos e deu a cada homem uma corneta de chifre de carneiro e um jarro com uma tocha dentro.
17 E disse: - Olhem para mim! E, quando eu chegar perto do acampamento inimigo, façam o que eu fizer.
18 Quando eu e o meu grupo tocarmos as cornetas, então vocês, que estarão cercando o acampamento, toquem as cornetas e gritem: "Pelo SENHOR e por Gideão!"
19 Um pouco antes da meia-noite, na hora de ser trocada a guarda, Gideão e os seus cem homens chegaram bem perto do acampamento. Então tocaram as cornetas e quebraram os jarros que levavam.
20 Os três grupos tocaram as cornetas e quebraram os jarros. Eles seguravam a tocha na mão esquerda e a corneta na direita e gritavam: "Uma espada pelo SENHOR e por Gideão!"
21 E cada um ficou parado no seu lugar em volta do acampamento. Então todo o exército inimigo fugiu, gritando.
22 Enquanto os trezentos homens tocavam as cornetas, o SENHOR Deus fez com que os homens do acampamento atacassem uns aos outros com as suas espadas. Eles fugiram na direção de Zererá e foram a Bete-Sita e até a divisa de Abel-Meolá, perto de Tabate.
23 Então os homens das tribos de Naftali, de Aser e das duas metades da tribo de Manassés foram chamados e perseguiram os midianitas.
24 Gideão enviou mensageiros para dizerem a todos os que moravam na região montanhosa de Efraim: - Desçam e lutem contra os midianitas. Defendam o rio Jordão e os seus riachos até Bete-Bara e não deixem os midianitas atravessarem. Então os homens de Efraim foram e defenderam o rio Jordão e os seus riachos até Bete-Bara.
25 Eles prenderam Orebe e Zeebe, os dois chefes midianitas. Mataram Orebe na pedra de Orebe e mataram Zeebe no seu tanque de pisar uvas. Continuaram a perseguir os midianitas e levaram a cabeça de Orebe e a de Zeebe para Gideão, que estava a leste do rio Jordão.

Juízes – Capítulo 8

1 Os homens da tribo de Efraim disseram a Gideão: - Por que você não nos chamou quando foi lutar contra os midianitas? Por que fez isso com a gente? E tiveram uma discussão muito forte com Gideão.
2 Mas ele lhes disse: - O que eu fiz com os midianitas não é nada comparado com o que vocês fizeram. Até aquilo que o menor dos homens de Efraim fez tem mais valor do que aquilo que todos os homens do grupo de famílias de Abiezer fizeram.
3 Deus entregou Orebe e Zeebe, os chefes midianitas, a vocês. Que foi que eu fiz, que possa ser comparado com isso? Quando Gideão disse isso, os homens de Efraim ficaram menos zangados.
4 Gideão e os seus trezentos homens foram até o rio Jordão e o atravessaram. Eles estavam muito cansados, mas continuaram a perseguir o inimigo.
5 Então Gideão fez aos homens da cidade de Sucote o seguinte pedido: - Estou perseguindo os chefes midianitas Zeba e Salmuna, e os meus homens estão muito cansados. Por favor, dêem comida para eles.
6 Mas os chefes de Sucote responderam: - Por que devemos dar comida para o seu exército? Você ainda não prendeu Zeba e Salmuna!
7 Aí Gideão disse: - Está bem. Mas, quando o SENHOR me entregar Zeba e Salmuna, eu rasgarei a carne de vocês com os espinhos das plantas do deserto.
8 Gideão foi a Penuel e fez o mesmo pedido aos homens dali. Mas os homens de Penuel lhe deram a mesma resposta que os homens de Sucote tinham dado.
9 Aí Gideão disse: - Quando eu voltar são e salvo, derrubarei esta torre!
10 Zeba e Salmuna estavam em Carcor com seu exército. De todo o exército dos povos do deserto, restavam apenas quinze mil homens. Cento e vinte mil tinham sido mortos.
11 Gideão foi pelo caminho que rodeava o deserto, a leste de Noba e Jogbeá, e atacou de surpresa o exército inimigo.
12 Zeba e Salmuna, os dois chefes midianitas, fugiram. Mas ele os perseguiu e os prendeu. E o exército inteiro foi derrotado.
13 Gideão, filho de Joás, voltou da batalha pela subida de Heres.
14 Prendeu um moço de Sucote e lhe fez perguntas. Então o rapaz escreveu para Gideão os nomes dos setenta e sete chefes e líderes de Sucote.
15 Aí Gideão foi falar com os homens de Sucote e disse: - Vocês lembram de quando me desprezaram? Vocês disseram que não iam dar comida para o meu exército cansado porque eu ainda não tinha prendido Zeba e Salmuna. Muito bem, aqui estão eles!
16 Então pegou espinhos das plantas do deserto e com eles castigou os chefes de Sucote.
17 Também derrubou a torre de Penuel e matou os homens daquela cidade.
18 Aí perguntou a Zeba e Salmuna: - Com quem se pareciam os homens que vocês mataram em Tabor? E eles responderam: - Pareciam com você. Todos tinham jeito de príncipe.
19 Gideão disse: - Eles eram meus irmãos, filhos da minha mãe. Juro pelo SENHOR Deus que, se vocês não os tivessem matado, eu também não mataria vocês.
20 E disse a Jéter, o seu filho mais velho: - Levante-se e mate-os. Mas o rapaz não tirou a sua espada. Ele estava com medo, pois ainda era muito novo.
21 Então Zeba e Salmuna disseram a Gideão: - Venha você mesmo nos matar porque para isso é preciso ter coragem de homem. Aí Gideão matou Zeba e Salmuna e pegou os enfeites em forma de meia-lua que estavam no pescoço dos seus camelos.
22 Os homens de Israel disseram a Gideão: - Você nos salvou dos midianitas. Portanto, seja nosso governador. E, depois de você, o seu filho e o seu neto.
23 Gideão respondeu: - Eu não serei governador de vocês, e o meu filho também não. O SENHOR Deus é quem será o governador de vocês.
24 E continuou: - Mas vou fazer um pedido: cada um me dê um dos brincos que tirou dos vencidos. Os midianitas usavam argolas de ouro nas orelhas porque eram gente do deserto.
25 Os homens de Gideão responderam: - Nós os daremos com prazer a você. Então estenderam uma capa, e cada um pôs nela os brincos que tinha tomado dos midianitas.
26 Os brincos de ouro que Gideão pediu pesaram quase trinta quilos. Isso fora os enfeites, os colares e as roupas de púrpura que os chefes de Midiã usavam. E sem contar também os enfeites que estavam no pescoço dos seus camelos.
27 Com o ouro Gideão fez um ídolo e o colocou em Ofra, a sua cidade. Então todos os israelitas abandonaram a Deus e iam lá para adorar o ídolo. E isso foi uma armadilha para Gideão e a sua gente.
28 Os midianitas foram derrotados pelos israelitas e por muito tempo deixaram de ser uma ameaça para eles. E a terra ficou em paz durante quarenta anos enquanto Gideão viveu.
29 Gideão voltou e ficou morando na sua própria casa.
30 Ele foi pai de setenta filhos, pois tinha muitas mulheres.
31 Ele também teve uma concubina em Siquém, e ela lhe deu um filho. Gideão pôs nele o nome de Abimeleque.
32 Gideão, filho de Joás, morreu bem velho e foi sepultado no túmulo de Joás, o seu pai, em Ofra, a cidade do grupo de famílias de Abiezer.
33 Depois que Gideão morreu, o povo de Israel abandonou a Deus novamente e adorou os deuses dos cananeus. Eles adotaram Baal-Berite como o seu deus.
34 Não serviram por muito tempo ao SENHOR Deus, que os havia livrado de todos os inimigos que viviam ao redor deles.
35 E também não foram agradecidos à família de Gideão por tudo de bom que ele havia feito para o povo de Israel.

Juízes – Capítulo 9

1 Abimeleque, filho de Gideão, foi à cidade de Siquém, onde viviam todos os parentes da sua mãe. Ele pediu
2 que eles perguntassem aos homens de Siquém: - O que é que vocês preferem: ser governados pelos setenta filhos de Gideão ou por um só homem? Lembrem que Abimeleque é do mesmo sangue de vocês.
3 Então os parentes da sua mãe falaram sobre isso com os homens de Siquém, e eles resolveram seguir Abimeleque porque era parente deles.
4 Deram a ele oitocentos gramas de prata tirados do templo de Baal-Berite. Com essa prata Abimeleque contratou alguns homens ordinários para o seguirem.
5 Abimeleque foi para a casa do seu pai em Ofra e ali, em cima de uma só pedra, ele matou os seus setenta irmãos, os filhos de Gideão. Mas Jotão, o filho mais moço, se escondeu e por isso não foi assassinado.
6 Então todos os homens de Siquém e de Bete-Milo se reuniram na árvore sagrada de Siquém e ali fizeram de Abimeleque o seu rei.
7 Quando Jotão soube disso, subiu até o alto do monte Gerizim e gritou para eles: - Homens de Siquém, me escutem, e Deus escutará vocês!
8 Aí Jotão disse: - Uma vez as árvores resolveram procurar um rei para elas. Então disseram à oliveira: "Seja o nosso rei."
9 E a oliveira respondeu: "Para governar vocês, eu teria de parar de dar o meu azeite, usado para honrar os deuses e os seres humanos."
10 - Aí as árvores pediram à figueira: "Venha ser o nosso rei."
11 Mas a figueira respondeu: "Para governar vocês, eu teria de parar de dar os meus figos tão doces."
12 - Então as árvores disseram à parreira: "Venha ser o nosso rei."
13 Mas a parreira respondeu: "Para governar vocês, eu teria de parar de dar o meu vinho, que alegra os deuses e os seres humanos."
14 - Aí todas as árvores pediram ao espinheiro: "Venha ser o nosso rei."
15 E o espinheiro respondeu: "Se vocês querem mesmo me fazer o seu rei, venham e fiquem debaixo da minha sombra. Se vocês não fizerem isso, sairá fogo do espinheiro e queimará os cedros do Líbano."
16 E Jotão continuou: - Será que vocês foram sinceros e honestos quando fizeram de Abimeleque um rei? E será que vocês trataram Gideão e a sua família com decência e de acordo com o que ele merecia?
17 Lembrem que o meu pai lutou por vocês. Ele arriscou a vida para salvá-los dos midianitas.
18 Mas hoje vocês estão contra a família do meu pai. Vocês mataram os seus setenta filhos em cima de uma só pedra! E depois fizeram do seu filho Abimeleque, que é filho de uma escrava, o rei de Siquém. Fizeram isso somente porque ele é parente de vocês.
19 Agora, se o que vocês fizeram hoje com Gideão e a sua família foi sincero e honesto, então sejam felizes com Abimeleque, e que ele seja feliz com vocês!
20 Mas, se não, que de Abimeleque saia fogo e queime os homens de Siquém e de Bete-Milo! E que saia fogo dos homens de Siquém e de Bete-Milo e queime Abimeleque!
21 Aí Jotão fugiu e foi viver em Beer porque estava com medo do seu irmão Abimeleque.
22 Abimeleque governou o povo de Israel durante três anos.
23 Então Deus fez com que Abimeleque e os homens de Siquém se odiassem. E eles se revoltaram contra Abimeleque.
24 Isso aconteceu para que Abimeleque e os homens de Siquém, que o haviam ajudado a matar os setenta filhos de Gideão, pagassem pelo seu crime.
25 Os moradores de Siquém puseram homens escondidos no alto das montanhas para matar Abimeleque. Eles assaltavam todos os que passavam por aquele caminho. E Abimeleque soube disso.
26 Gaal, filho de Ebede, foi com os seus irmãos para Siquém, e os homens dali confiaram nele.
27 Eles foram até as suas plantações, apanharam uvas e prepararam vinho. Então fizeram uma festa. Depois entraram no templo do seu deus, comeram, beberam e amaldiçoaram Abimeleque.
28 Aí Gaal disse: - Por que estamos sendo dominados por Abimeleque? Que tipo de homens somos nós, os homens de Siquém? E quem é ele? É o filho de Gideão. No entanto, Zebul recebe ordens dele. Por que devemos ser dominados por ele? Sejam fiéis ao seu antepassado Hamor, pai de Siquém.
29 Ah! Se eu fosse o líder deste povo! Expulsaria Abimeleque e diria: "Já que o seu exército é tão grande, então saia e lute!"
30 Zebul, o governador da cidade, ficou com muita raiva quando soube o que Gaal tinha dito.
31 E mandou mensageiros a Abimeleque, que estava em Arumá, para dizerem a ele: - Gaal, filho de Ebede, e os seus irmãos vieram a Siquém e estão atiçando o povo da cidade contra você.
32 Por isso faça o seguinte: durante a noite você e os seus homens saiam e se escondam nos campos.
33 Amanhã levantem-se ao nascer do sol e ataquem de surpresa a cidade. E, quando Gaal e os seus homens saírem para lutar, ataquem com tudo o que vocês tiverem!
34 Então Abimeleque e todos os seus homens saíram durante a noite e se esconderam fora de Siquém, divididos em quatro grupos.
35 Gaal se levantou e foi para o portão da cidade. Aí Abimeleque e os seus homens saíram de onde estavam escondidos.
36 Quando Gaal os viu, disse a Zebul: - Veja! Vem gente descendo do alto das montanhas! Mas Zebul respondeu: - Não são homens. São as sombras das montanhas.
37 Porém Gaal disse: - Veja! Vem gente descendo bem na nossa frente, e um grupo vem vindo da árvore sagrada.
38 Então Zebul disse: - Onde foi parar toda a sua conversa? Não foi você quem perguntou por que devíamos servir Abimeleque? Pois são estes os homens de quem você estava caçoando. Saia agora e lute contra eles.
39 Aí Gaal saiu na frente dos homens de Siquém e lutou contra Abimeleque.
40 Abimeleque o atacou, e Gaal fugiu. Muitos homens caíram feridos, até perto do portão da cidade.
41 Então Abimeleque voltou para Arumá, e Zebul foi até Siquém e expulsou de lá Gaal e os seus irmãos.
42 No dia seguinte o povo de Siquém saiu para os campos. E Abimeleque ficou sabendo disso.
43 Então ele dividiu os seus homens em três grupos e os deixou escondidos no campo, esperando. Quando Abimeleque viu o povo saindo da cidade, saiu de onde estava escondido e os matou.
44 Abimeleque e o seu grupo atacaram de surpresa e tomaram conta do portão da cidade. Os outros dois grupos atacaram o povo que estava nos campos e mataram todos.
45 Abimeleque combateu os homens da cidade o dia todo. Tomou a cidade e matou os seus moradores. Então destruiu a cidade e espalhou sal no chão.
46 Quando os chefes de Torre de Siquém souberam disso, foram todos para a fortaleza do templo de Baal-Berite para ficar em segurança.
47 Mas Abimeleque soube que eles estavam reunidos lá.
48 Aí subiu o monte Salmom com os seus homens. Pegou um machado, cortou um galho de árvore e o pôs no ombro. Disse aos homens para fazerem depressa a mesma coisa.
49 E cada um deles cortou um galho de árvore. Depois eles seguiram Abimeleque e fizeram uma pilha de galhos encostados na fortaleza. Em seguida puseram fogo nos galhos e queimaram a fortaleza com toda a gente dentro. Assim morreram todos os moradores de Torre de Siquém, mais ou menos mil homens e mulheres.
50 Depois Abimeleque foi a Tebes, cercou a cidade e a conquistou.
51 Em Tebes havia uma forte torre. Todos os homens e mulheres e os líderes da cidade correram e entraram nela. Fecharam as portas e foram para o terraço.
52 Abimeleque avançou, atacou a torre e chegou até a porta, para pôr fogo nela.
53 Mas uma mulher jogou uma pedra de moinho na cabeça dele e quebrou o seu crânio.
54 Aí ele chamou depressa o moço que carregava as suas armas e disse: - Tire a sua espada e me mate. Não quero que digam que fui morto por uma mulher. Então o rapaz tirou a espada e o matou.
55 Quando os israelitas viram que Abimeleque estava morto, voltaram todos para casa.
56 E assim Deus castigou Abimeleque pelo crime que havia cometido contra o seu pai - o crime de matar os seus setenta irmãos.
57 E, como castigo pela maldade dos homens de Siquém, Deus fez com que eles sofressem. E assim aconteceu o que Jotão, filho de Gideão, tinha dito que ia acontecer quando os amaldiçoou.

Juízes – Capítulo 10

1 Depois de Abimeleque, Tolá, filho de Puá e neto de Dodo, veio libertar o povo de Israel. Ele era da tribo de Issacar e morava na cidade de Samir, na região montanhosa de Efraim.
2 Tolá foi líder de Israel durante vinte e três anos. Depois morreu e foi sepultado em Samir.
3 Em seguida apareceu Jair, da terra de Gileade. Jair foi líder de Israel durante vinte e dois anos.
4 Ele tinha trinta filhos, que montavam trinta jumentos. Os seus filhos tinham trinta cidades na região de Gileade. Elas são chamadas até hoje de "cidades de Jair".
5 Jair morreu e foi sepultado em Camom.
6 E mais uma vez os israelitas pecaram contra Deus, o SENHOR. Adoraram o deus Baal de várias cidades, a deusa Astarote e também os deuses da Síria, de Sidom, de Moabe, de Amom e dos filisteus. Eles abandonaram o SENHOR e deixaram de adorá-lo.
7 Então ele ficou muito irado com os israelitas e deixou que sofressem nas mãos dos filisteus e dos amonitas.
8 Naquele mesmo ano eles derrotaram os israelitas e os escravizaram. Durante dezoito anos eles escravizaram todos os israelitas que viviam em Gileade, a leste do rio Jordão, na terra dos amorreus.
9 Os amonitas também atravessaram o rio Jordão para lutar contra as tribos de Judá, de Benjamim e de Efraim. E assim Israel passava por uma grande aflição.
10 Então os israelitas pediram socorro a Deus, o SENHOR, orando assim: - Nosso Deus, nós pecamos contra ti porque te deixamos e adoramos os deuses dos cananeus.
11 E o SENHOR respondeu: - No passado os egípcios, os amorreus, os amonitas, os filisteus,
12 os sidônios, os amalequitas e os maonitas escravizaram vocês, e vocês me pediram socorro. E eu os salvei deles.
13 Mas assim mesmo vocês me abandonaram e adoraram outros deuses. Por isso eu não vou mais ajudá-los.
14 Agora peçam socorro aos deuses que vocês escolheram. Que eles os ajudem quando vocês estiverem em dificuldades!
15 Mas o povo de Israel respondeu: - De fato, nós pecamos. Faze de nós o que quiseres. Mas salva-nos hoje, por favor.
16 Então eles jogaram fora os seus deuses estrangeiros e adoraram a Deus, o SENHOR. E ele teve pena deles por causa da situação difícil em que estavam.
17 Então o exército amonita veio e acampou em Mispa.
18 E os chefes e o povo de Gileade combinaram que o homem que comandasse os israelitas na luta contra os amonitas seria o chefe dos moradores de Gileade.

Juízes – Capítulo 11

1 Jefté, da região de Gileade, era um soldado valente. O seu pai se chamava Gileade, e a sua mãe era uma prostituta.
2 A esposa de Gileade também teve filhos. Quando cresceram, eles expulsaram Jefté, dizendo: - Você não vai herdar nada do nosso pai porque é filho de outra mulher.
3 Jefté fugiu dos seus irmãos e foi morar na terra de Tobe. Lá alguns homens ordinários se juntaram a ele, e andavam juntos.
4 Algum tempo depois os amonitas foram guerrear contra o povo de Israel.
5 Quando isso aconteceu, os chefes de Gileade foram buscar Jefté na terra de Tobe
6 e disseram: - Venha com a gente e seja o nosso chefe na guerra contra os amonitas.
7 Jefté respondeu: - Eu sei que vocês me odeiam; e odeiam tanto, que me fizeram sair da casa do meu pai. Como é que vocês vêm me pedir ajuda, agora que estão em dificuldade?
8 - Nós viemos falar com você porque queremos que comande todo o povo de Gileade na luta contra os amonitas! - responderam eles.
9 Jefté disse: - Se me levarem de volta para casa a fim de lutar contra os amonitas, e se o SENHOR Deus me der a vitória, eu serei o governador de vocês. Está certo?
10 Eles responderam: - Sim. Nós faremos como você diz. O SENHOR é a nossa testemunha.
11 Aí Jefté foi com os chefes de Gileade, e o povo o colocou como governador e chefe. E em Mispa, na presença do SENHOR, Jefté fez o povo jurar que faria tudo o que havia sido dito.
12 Então Jefté enviou mensageiros ao rei dos amonitas. Os mensageiros disseram: - O que é que vocês têm contra mim? Por que invadiram o meu país?
13 O rei dos amonitas respondeu: - Quando os israelitas saíram do Egito, tomaram a minha terra, desde o rio Arnom até os rios Jaboque e Jordão. Agora, sem luta, vocês devem devolver a minha terra.
14 Jefté mandou outros mensageiros ao rei dos amonitas
15 com a seguinte resposta: - O povo de Israel não tomou a terra de Moabe nem a terra de Amom.
16 Quando os israelitas saíram do Egito, foram pelo deserto até o golfo de Ácaba e daí até Cades.
17 Eles mandaram mensageiros ao rei dos edomitas, pedindo licença para passar pelas suas terras, mas ele não deixou. Então os israelitas pediram a mesma coisa ao rei de Moabe, porém ele também não deixou. Por isso os israelitas ficaram em Cades.
18 - Eles foram pelo deserto. Rodearam a terra dos edomitas e dos moabitas e chegaram até a parte leste de Moabe, no outro lado do rio Arnom. Acamparam ali, mas não atravessaram o rio porque estava na fronteira de Moabe.
19 Aí os israelitas mandaram mensageiros a Seom, o rei amorreu de Hesbom, e pediram licença para atravessar aquele país a fim de poderem chegar à sua terra.
20 Mas Seom não deixou. Levou todo o seu exército, acampou em Jasa e atacou o povo de Israel.
21 Mas o SENHOR, o Deus de Israel, fez com que os israelitas derrotassem Seom e todos os seus homens. E assim os israelitas conquistaram toda a terra que era dos amorreus.
22 Tomaram toda a terra dos amorreus: desde o rio Arnom, ao Sul, até o rio Jaboque, ao Norte; e, desde o deserto, a Leste, até o rio Jordão, a Oeste.
23 Assim, foi o SENHOR, o Deus de Israel, quem expulsou os amorreus para o seu povo, os israelitas.
24 E agora vocês querem tentar tomar a terra de volta? Podem ficar com tudo o que Quemos, o deus de vocês, lhes deu. Mas nós vamos ficar com tudo o que o SENHOR, nosso Deus, conquistou para nós.
25 Você pensa que é melhor do que Balaque, filho de Zipor, que era rei de Moabe? Será que alguma vez ele desafiou Israel? Quando foi que ele guerreou contra nós?
26 Durante trezentos anos o povo de Israel morou em Hesbom e Aroer. Morou também nas cidades vizinhas e em todas as outras cidades das margens do rio Arnom. Por que foi que vocês não tomaram essas cidades de volta durante todo esse tempo?
27 Não! Eu não fiz nada de errado contra vocês. Vocês é que fazem mal, querendo lutar contra mim. O SENHOR é o juiz. Ele decidirá hoje entre os israelitas e os amonitas.
28 Mas o rei dos amonitas não quis ouvir a mensagem que Jefté havia mandado.
29 Então o Espírito do SENHOR dominou Jefté, e ele atravessou Gileade e Manassés e voltou para Mispa, em Gileade. Dali foi para Amom
30 e prometeu ao SENHOR o seguinte: - Se fizeres com que eu vença os amonitas,
31 eu queimarei em sacrifício aquele que sair primeiro da minha casa para me encontrar quando eu voltar da guerra. Eu o oferecerei em sacrifício a ti.
32 Então Jefté atravessou o rio para lutar contra os amonitas, e o SENHOR lhe deu a vitória.
33 Ele derrotou os amonitas desde Aroer até perto de Minite - vinte cidades ao todo - e continuou até Abel-Queramim. Houve uma grande matança, e os israelitas derrotaram os amonitas.
34 Quando Jefté voltou para a sua casa, em Mispa, a sua filha saiu ao seu encontro, dançando e tocando pandeiro. Era filha única; ele não tinha mais nenhuma filha ou filho.
35 Quando Jefté a viu, ficou desesperado, rasgou as suas roupas e disse: - Ah! Minha filha! Você está partindo o meu coração! Por que tem de ser você quem me vai fazer sofrer? Eu fiz uma promessa a Deus, o SENHOR, e não posso voltar atrás.
36 Ela respondeu: - Se o senhor fez uma promessa ao SENHOR Deus, faça de mim o que prometeu. Pois o SENHOR Deus deixou que o senhor se vingasse dos nossos inimigos, os amonitas.
37 E continuou: - Só peço uma coisa: deixe que eu vá com as minhas amigas pelos montes e chore durante dois meses porque nunca chegarei a ser mãe.
38 E o pai deixou que ela fosse por dois meses. Então ela e as suas amigas saíram pelas montanhas, chorando porque ela nunca chegaria a ser mãe.
39 Depois dos dois meses, ela voltou para o pai. E ele fez o que havia prometido a Deus. Assim ela morreu virgem. Daí veio o costume de as mulheres israelitas
40 saírem durante quatro dias, todos os anos, para chorar pela filha de Jefté, o gileadita.

Juízes – Capítulo 12

1 Os homens da tribo de Efraim se reuniram para lutar. Eles atravessaram o rio Jordão para o lado de Zafom e disseram a Jefté: - Por que é que você saiu para combater os amonitas e não nos chamou para irmos também? Por causa disso nós vamos queimar a sua casa com você dentro!
2 Mas Jefté respondeu: - Eu e o meu povo tínhamos uma briga séria com os amonitas. Chamei vocês, mas vocês não me livraram deles.
3 Quando vi que vocês não iam me ajudar, arrisquei a vida e fui combater contra eles. E o SENHOR Deus me deu a vitória. Então por que é que vocês vêm agora lutar contra mim?
4 Aí Jefté juntou todos os homens de Gileade. Eles guerrearam contra os homens de Efraim e os derrotaram. Fizeram isso porque os efraimitas tinham dito: "Vocês, gileaditas que moram nas terras de Efraim e de Manassés, são desertores de Efraim."
5 Para não deixar que os efraimitas passassem, os gileaditas tomaram os lugares onde o rio Jordão podia ser atravessado. Quando algum efraimita que estava tentando escapar pedia para atravessar o rio, os homens de Gileade perguntavam: - Você é efraimita? Se ele respondia que não,
6 eles o mandavam dizer a palavra "Chibolete". Mas, se ele dizia "Sibolete" porque não podia falar direito a palavra, então o agarravam e matavam ali mesmo, na beira do rio Jordão. Naquela ocasião foram mortos quarenta e dois mil efraimitas.
7 Jefté, o gileadita, governou Israel durante seis anos. Então morreu e foi sepultado na sua cidade natal, em Gileade.
8 Depois de Jefté, Ibsã, da cidade de Belém, governou o povo de Israel.
9 Ele tinha trinta filhos e trinta filhas. Deixou que as trinta filhas casassem com rapazes de fora do seu grupo de famílias e trouxe trinta moças de fora para casarem com os seus filhos. Ibsã governou Israel sete anos.
10 Então morreu e foi sepultado em Belém.
11 Depois de Ibsã, Elom, que era da tribo de Zebulom, governou Israel dez anos.
12 Então morreu e foi sepultado em Aijalom, na terra de Zebulom.
13 Depois de Elom, Abdom governou o povo de Israel. Ele era filho de Hilel, da cidade de Piratom.
14 Abdom tinha quarenta filhos e trinta netos, que montavam setenta jumentos. Ele governou Israel oito anos.
15 Então morreu e foi sepultado em Piratom, que fica na terra de Efraim, na região montanhosa dos amalequitas.

Juízes – Capítulo 13

1 Os israelitas pecaram outra vez contra Deus, o SENHOR, e por isso ele deixou que sofressem quarenta anos nas mãos dos filisteus.
2 Havia um homem chamado Manoá, que era da cidade de Zora e pertencia à tribo de Dã. A sua mulher não podia ter filhos.
3 O Anjo do SENHOR apareceu a ela e disse: - Você não podia ter filhos e por isso nunca foi mãe. Mas agora você ficará grávida e terá um filho.
4 Não tome vinho nem cerveja e não coma nenhuma comida proibida
5 porque você ficará grávida e dará à luz um filho. Não corte nunca o cabelo dele, pois ele será consagrado a Deus como nazireu desde o dia do seu nascimento. Ele vai começar a livrar o povo de Israel do poder dos filisteus.
6 Então a mulher procurou o marido e disse: - Um homem de Deus falou comigo. Ele parecia um anjo de Deus, e isso me deixou apavorada. Eu não perguntei de onde ele vinha, e ele não me disse como se chamava.
7 Mas prometeu que eu ficarei grávida e que terei um filho. E mandou que eu não beba vinho nem cerveja e não coma nenhuma comida proibida, pois o menino será dedicado a Deus como nazireu por toda a vida.
8 Então Manoá orou ao SENHOR, dizendo: - Ó meu Deus, peço que mandes de volta o homem de Deus que enviaste, para ele nos dizer o que devemos fazer com o menino quando nascer.
9 Deus fez o que Manoá pediu: o Anjo apareceu de novo à sua mulher quando ela estava sentada no campo. E o marido não estava por perto.
10 Então ela correu depressa para o lugar onde ele estava e disse: - O homem que falou comigo outro dia apareceu novamente.
11 Manoá se levantou e seguiu a mulher. Foi até onde estava o homem e perguntou: - Você é o homem que falou com a minha mulher? - Sim! - respondeu ele.
12 Então Manoá disse: - Quando acontecer o que você falou, como é que o menino deverá agir? O que deverá fazer?
13 O Anjo do SENHOR respondeu: - A sua mulher deve fazer tudo o que eu já disse a ela.
14 Não vai comer nada que seja feito de uvas. Não vai tomar nem vinho nem cerveja e não vai comer nenhuma comida proibida. Ela deve fazer tudo o que eu disse.
15 Manoá não sabia que aquele era o Anjo do SENHOR. E disse: - Por favor, não vá embora ainda. Espere, que nós vamos cozinhar um cabrito para você. - Se eu ficar, não comerei a sua comida! - respondeu o Anjo. - Mas, se você quiser prepará-la, então queime-a como oferta ao SENHOR.
17 Manoá disse: - Qual é o seu nome? Nós precisamos saber para poder prestar-lhe uma homenagem quando acontecer aquilo que você disse.
18 - Por que você quer saber o meu nome? - perguntou o Anjo. - O meu nome é um mistério.
19 Então Manoá pegou o cabrito e cereais e os ofereceu numa pedra ao SENHOR, o Deus dos mistérios.
20 Enquanto as chamas subiam do altar, Manoá e a sua mulher viram o Anjo do SENHOR subir para o céu, no meio das chamas. Aí se ajoelharam e encostaram o rosto no chão.
21 Manoá e a sua mulher nunca mais viram o Anjo. E Manoá compreendeu que aquele homem era o Anjo do SENHOR.
22 Então disse à mulher: - Nós vamos morrer porque vimos Deus!
23 Porém ela respondeu: - Se o SENHOR nos quisesse matar, não teria aceitado nossas ofertas. Ele não nos teria mostrado tudo isso, nem falado todas essas coisas.
24 A mulher de Manoá deu à luz um filho e pôs nele o nome de Sansão. O menino cresceu, e o SENHOR o abençoou.
25 Sansão estava no campo de Dã, entre Zora e Estaol, quando começou a sentir que o Espírito do SENHOR o dirigia.

Juízes – Capítulo 14

1 Sansão desceu até a cidade de Timna e ali viu uma moça filistéia.
2 Voltou para casa e disse ao seu pai e à sua mãe: - Eu vi em Timna uma jovem filistéia. Peçam essa moça para mim porque eu quero casar com ela.
3 Mas o seu pai e a sua mãe responderam: - Por que é que você foi procurar mulher no meio dos filisteus, aquela gente que não pratica a circuncisão? Será que você não podia achar mulher no meio dos nossos parentes ou entre o nosso povo? Mas Sansão disse ao seu pai: - É aquela a moça que eu quero. É dela que eu gosto.
4 O seu pai e a sua mãe não sabiam que era o SENHOR Deus que estava orientando Sansão para fazer aquilo. Deus estava procurando uma oportunidade para atacar os filisteus, que naquele tempo dominavam o povo de Israel.
5 Sansão desceu com os seus pais até a cidade de Timna. Quando estavam passando pelas plantações de uvas de Timna, um leão novo veio rugindo para cima dele.
6 Mas o Espírito do SENHOR fez com que Sansão ficasse forte. Com as suas próprias mãos, Sansão despedaçou o leão, como se fosse um cabrito. Porém não contou nem ao seu pai nem à sua mãe o que havia feito.
7 Então ele foi conversar com a moça e gostou dela.
8 Poucos dias depois Sansão voltou lá para casar com ela. Saiu da estrada para dar uma olhada no leão que havia matado. E ficou espantado ao ver um enxame de abelhas e mel dentro do corpo do animal morto.
9 Então tirou mel com as mãos e saiu comendo. Foi até onde estavam o seu pai e a sua mãe e lhes deu um pouco. E eles comeram. Porém Sansão não lhes contou que havia tirado o mel do corpo do leão.
10 O pai de Sansão foi à casa da moça, e Sansão deu um banquete ali, como era o costume dos moços.
11 Quando os filisteus o viram, trouxeram trinta rapazes para festejar com ele.
12 E Sansão lhes disse: - Eu tenho uma adivinhação para vocês. Aposto trinta túnicas de linho puro e trinta roupas finas que, antes de se passarem os sete dias da festa de casamento, vocês não me darão a resposta. Eles responderam: - Diga qual é a adivinhação.
14 Sansão disse: "Do que come saiu comida, e do forte saiu doçura." Três dias depois eles ainda não haviam encontrado a resposta para a adivinhação.
15 No quarto dia disseram à mulher de Sansão: - Dê um jeito de fazer o seu marido dar a resposta da adivinhação. Se você não fizer isso, nós vamos pôr fogo na casa do seu pai e vamos queimar você junto. Vocês só nos convidaram para poder nos roubar, não foi?
16 Aí a mulher de Sansão lhe disse, chorando: - Você não me ama! Você me odeia! Você deu uma adivinhação aos meus amigos e não me contou a resposta! - Eu não contei nem para o meu pai nem para a minha mãe! - respondeu ele. - Por que acha que eu iria contar para você?
17 Então ela chorou durante os outros dias da festa. No sétimo dia, como a mulher não parava de insistir, ele disse a resposta. E ela contou aos seus amigos.
18 Assim, no sétimo dia, antes de anoitecer, os homens da cidade disseram a Sansão: "Que coisa é mais doce do que o mel? E o que é mais forte do que o leão?" Sansão respondeu: - Se vocês não tivessem conversado com a minha mulher, não saberiam agora a resposta.
19 Então o Espírito do SENHOR fez com que Sansão ficasse forte, e ele desceu até Asquelom e ali matou trinta homens. Tirou as roupas finas que eles vestiam e as deu aos rapazes que tinham respondido à adivinhação. Depois voltou para a casa do seu pai, furioso com o que havia acontecido.
20 E a mulher de Sansão foi dada ao homem que tinha sido o seu padrinho de casamento.

Juízes – Capítulo 15

1 Algum tempo depois, durante a colheita do trigo, Sansão foi visitar a sua mulher e levou para ela um cabrito. E disse ao pai dela: - Quero entrar no quarto da minha mulher. Mas o pai não deixou
2 e respondeu: - Eu pensei que você a odiava, e por isso a dei em casamento ao seu amigo. Mas a irmã menor é ainda mais bonita. Se você quiser, pode ficar com ela.
3 Sansão disse: - Desta vez eu não sou responsável pelo que fizer com os filisteus.
4 Então caçou trezentas raposas, amarrou-as duas a duas pelos rabos e prendeu em cada par de rabos uma tocha.
5 Pôs fogo nas tochas e soltou as raposas nas plantações de trigo dos filisteus. E o fogo queimou não só o trigo que já havia sido colhido, mas também o que ainda estava nas plantações. Também os bosques de oliveiras foram queimados.
6 E os filisteus perguntaram: - Quem foi que fez isso? E ficaram sabendo que Sansão tinha feito aquilo porque o seu sogro havia tomado a mulher dele e dado ao seu amigo. Então os filisteus foram e queimaram viva a mulher de Sansão e a família dela.
7 Aí Sansão disse: - Então é assim que vocês fazem? Pois eu juro que não descansarei até que paguem por isso!
8 E atacou furiosamente, matando muitos deles. Depois saiu de lá e foi para a caverna da rocha de Etã.
9 Os filisteus foram, acamparam em Judá e atacaram a cidade de Leí.
10 Os homens de Judá perguntaram aos filisteus: - Por que foi que vocês nos atacaram? E eles responderam: - Viemos até aqui para prender Sansão e fazer com ele o mesmo que ele fez com a gente.
11 Então três mil homens de Judá foram falar com Sansão na caverna da rocha de Etã. E disseram: - Você não sabe que os filisteus mandam em nós? Por que você foi fazer aquilo? - Eu fiz com eles o que eles fizeram comigo! - respondeu Sansão.
12 - Nós viemos até aqui para amarrar e entregar você aos filisteus! - disseram eles. Sansão respondeu: - Prometam que vocês não me matarão.
13 - Prometemos! - disseram eles. - Nós vamos somente amarrar você e entregar aos filisteus. Não vamos matá-lo. Então o amarraram com duas cordas novas e o fizeram sair da caverna.
14 Quando Sansão chegou a Leí, os filisteus, gritando, vieram encontrá-lo. Mas o Espírito do SENHOR fez com que Sansão ficasse forte. E ele arrebentou as cordas que amarravam os seus braços e as suas mãos, como se fossem fios de linha queimados.
15 Encontrou por ali uma queixada de jumento que ainda não estava seca. Pegou a queixada e com ela matou mil homens.
16 Aí começou a cantar assim: "Com a queixada de um jumento, matei mil homens. Com a queixada de um jumento, fiz montões e montões de corpos."
17 Depois jogou fora a queixada. E aquele lugar foi chamado de "monte da Queixada".
18 Sansão ficou com muita sede e fez esta oração a Deus, o SENHOR: - Tu me deste esta grande vitória. Será que agora vais deixar que eu morra de sede e caia nas mãos desta gente que não pratica a circuncisão?
19 Então, na cidade de Leí, Deus abriu um buraco, e dele saiu água. Sansão bebeu daquela água e sentiu-se bem melhor. Aquela fonte foi chamada de En-Hacoré e existe até hoje.
20 Sansão governou o povo de Israel vinte anos, na época em que os filisteus dominavam aquela terra.

Juízes – Capítulo 16

1 Dali Sansão foi até a cidade de Gaza. Lá viu uma prostituta e teve relações com ela.
2 O povo de Gaza soube que Sansão estava lá. Então eles cercaram o lugar e ficaram a noite toda esperando Sansão no portão da cidade. Ficaram em silêncio, pensando: - Vamos esperar o amanhecer. Então nós o matamos.
3 Mas Sansão ficou deitado somente até a meia-noite. Depois se levantou e arrancou o portão da cidade, com os batentes e as trancas. Pôs tudo nos ombros e carregou para o alto do monte que está em frente da cidade de Hebrom.
4 Depois disso Sansão se apaixonou por uma mulher chamada Dalila, que morava no vale de Soreque.
5 Então os governadores das cinco cidades dos filisteus foram falar com ela. Eles disseram assim: - Dê um jeito de Sansão contar a você por que ele é tão forte e como é que o poderemos dominar, amarrar e deixar sem defesa. Se você fizer isso, cada um de nós lhe dará mil e cem barras de prata.
6 Então Dalila pediu a Sansão: - Por favor, me conte o segredo da sua força. Se alguém quiser amarrar você e deixar sem defesa, o que é que ele deve fazer?
7 Sansão respondeu: - Se me amarrarem com sete cordas de arco, novas, que ainda não secaram, eu ficarei fraco e serei como qualquer um.
8 Aí os governadores dos filisteus trouxeram para Dalila sete cordas de arco, novas, que ainda não estavam secas, e ela amarrou Sansão.
9 Dalila havia deixado alguns homens escondidos, esperando no outro quarto. Então gritou: - Sansão! Os filisteus estão chegando! E ele arrebentou as cordas de arco, como se fossem fios de linha queimada. Assim eles continuaram sem saber qual era o segredo da força de Sansão.
10 Então Dalila lhe disse: - Até agora você mentiu e caçoou de mim. Por favor, me diga como é que alguém pode amarrar você.
11 Sansão respondeu: - Se me amarrarem com cordas novas, que nunca foram usadas, ficarei fraco e serei como qualquer um.
12 Aí Dalila pegou cordas novas e amarrou os braços dele. Depois gritou: - Sansão! Os filisteus estão chegando! Os homens estavam novamente escondidos, esperando no outro quarto. Mas Sansão arrebentou as cordas como se fossem fios de linha.
13 E Dalila disse: - Você continua mentindo e caçoando de mim. Diga como é que alguém pode amarrar você. Ele respondeu: - Se você tecer num tear as sete tranças do meu cabelo e prendê-las com um prego grande de madeira, eu ficarei fraco e serei como qualquer um.
14 Então Dalila fez com que Sansão dormisse. Quando ele adormeceu, ela pegou e teceu as sete tranças dele num tear e prendeu-as com um prego grande de madeira. Depois gritou: - Sansão! Os filisteus estão chegando! Mas ele se levantou, arrancou o prego e tirou o cabelo do tear.
15 Então ela disse: - Por que você diz que me ama se isso não é verdade? Você me fez de boba três vezes e até agora não me contou por que é tão forte.
16 E ela continuou a perguntar isso todos os dias. Sansão ficou tão cansado com a insistência dela, que já não agüentava mais.
17 E acabou lhe contando a verdade: - O meu cabelo nunca foi cortado! - disse ele. - Eu fui dedicado a Deus como nazireu desde que nasci. Se o meu cabelo for cortado, perderei a minha força, ficarei fraco e serei como qualquer um.
18 Quando Dalila percebeu que ele tinha dito a verdade, mandou o seguinte recado aos governadores filisteus: - Voltem de novo. Agora ele me disse a verdade. Então eles vieram e trouxeram o dinheiro.
19 Ela fez com que Sansão dormisse no seu colo. Em seguida chamou um homem, e ele cortou as sete tranças de Sansão. Aí Dalila começou a provocá-lo, mas ele havia perdido a sua força.
20 Ela gritou: - Sansão! Os filisteus estão chegando! Ele se levantou e pensou: "Eu me livrarei como sempre." Sansão não sabia que o SENHOR o havia abandonado.
21 Os filisteus o pegaram e furaram os seus olhos. Então o levaram para Gaza e o prenderam com correntes de bronze. E o puseram para trabalhar na prisão, virando um moinho.
22 Mas o seu cabelo começou a crescer de novo.
23 Os governadores filisteus se reuniram para fazer uma festa e oferecer um grande sacrifício ao seu deus Dagom. Eles cantavam: "O nosso deus entregou o nosso inimigo Sansão nas nossas mãos!"
24 E o povo, quando viu Sansão, cantou louvores ao deus Dagom, assim: "O nosso deus entregou nas nossas mãos o inimigo que destruía a nossa terra e matava muitos dos nossos."
25 E, no meio daquela alegria, disseram: - Chamem Sansão, para ele nos divertir. Trouxeram Sansão para fora da cadeia e se divertiram à custa dele. Depois o colocaram entre as colunas do templo.
26 Então Sansão pediu ao rapaz que o guiava pela mão: - Deixe-me tocar nas colunas que sustentam o templo para que eu possa me encostar nelas.
27 O templo estava cheio de homens e mulheres. Os cinco governadores filisteus estavam lá. Havia no terraço mais ou menos três mil homens e mulheres olhando para Sansão e se divertindo à custa dele.
28 E Sansão orou ao SENHOR, dizendo: - Ó Senhor, meu Deus, peço que lembres de mim. Por favor, dá-me força só mais esta vez. Deixa que eu, de uma só vez, me vingue dos filisteus, por terem furado os meus olhos.
29 Então agarrou as duas colunas do meio, que sustentavam o templo. Com a mão direita numa coluna e a esquerda na outra, jogou todo o seu peso contra elas
30 e gritou: - Que eu morra com os filisteus! Em seguida deu um empurrão com toda a força, e o templo caiu sobre os governadores e todas as outras pessoas. E assim Sansão matou mais gente na sua morte do que durante a sua vida.
31 Os irmãos de Sansão e toda a sua família foram buscar o seu corpo. Eles o levaram e sepultaram entre Zora e Estaol, no túmulo de Manoá, o seu pai. Sansão havia governado o povo de Israel durante vinte anos.

Juízes – Capítulo 17

1 Havia um homem chamado Mica, que morava na região montanhosa de Efraim.
2 Ele disse à sua mãe: - Quando roubaram aquelas suas mil e cem barras de prata, a senhora amaldiçoou o ladrão. Eu ouvi a senhora fazer isso. Sabe de uma coisa? A prata está comigo. Fui eu que roubei. A sua mãe disse: - Que o SENHOR abençoe você, meu filho!
3 Então ele devolveu à sua mãe as mil e cem barras de prata. E ela disse: - Meu filho, para tirar a maldição de cima de você, vou dar esta prata como oferta ao SENHOR. Ela será usada para fazer um ídolo de madeira, folheado a prata. Por isso eu devolvo agora esta prata a você.
4 Mas o filho tornou a devolver a prata à sua mãe. Então ela pegou duzentas barras de prata e entregou a um ourives. Ele fez um ídolo de madeira e o folheou com a prata. E o ídolo foi colocado na casa de Mica.
5 Mica fez uma capela. Ele fez outros ídolos e também uma roupa de sacerdote. Separou um dos seus filhos para ser o seu sacerdote.
6 Naquele tempo não havia rei em Israel, e cada um fazia o que bem queria.
7 Um rapaz estava passando uns tempos na cidade de Belém de Judá. Ele era levita.
8 Esse moço saiu de Belém, procurando um lugar para morar. E, viajando pela região montanhosa de Efraim, chegou à casa de Mica.
9 E Mica lhe perguntou: - De onde você vem? E o moço respondeu: - Eu sou levita, de Belém, da região de Judá, e estou procurando um lugar para morar.
10 - Fique comigo - disse Mica - e seja o meu conselheiro e sacerdote. Eu lhe darei dez barras de prata por ano, roupa e comida.
11 Então o jovem levita concordou em ficar com Mica e ficou sendo como um filho para ele.
12 Assim Mica o escolheu para ser o seu sacerdote, e o rapaz ficou morando na sua casa.
13 E Mica disse: - Eu sei que agora o SENHOR Deus fará com que tudo corra bem para mim, pois tenho um levita como sacerdote.

Juízes – Capítulo 18

1 Naquele tempo não havia rei em Israel. E a tribo de Dã estava procurando uma terra para morar, terra que fosse só deles. Isso porque até aquela ocasião eles não tinham recebido a parte da terra que devia ser deles, embora as outras tribos de Israel já tivessem recebido a sua parte.
2 Então o povo de Dã escolheu cinco homens de valor entre todas as famílias da tribo. Eles foram mandados das cidades de Zora e Estaol para espiar e conhecer a terra. Foram para a região montanhosa de Efraim e ficaram na casa de Mica.
3 Enquanto estavam lá, perceberam, pelo jeito de o jovem levita falar, que ele não era dali. Então chegaram perto dele e perguntaram: - O que é que você está fazendo aqui? Quem trouxe você para cá?
4 Ele respondeu: - Eu fiz um trato com Mica. Ele me paga para ser sacerdote dele.
5 Aí disseram ao moço: - Então pergunte a Deus se nós seremos bem sucedidos na nossa viagem.
6 O sacerdote respondeu: - Não se preocupem. O SENHOR Deus estará com vocês nesta viagem.
7 Então os cinco homens saíram dali e foram para a cidade de Laís. Chegando lá, viram que o povo daquele lugar vivia em segurança, como os sidônios. Eram pacíficos e calmos e não tinham brigas com ninguém. Eles tinham tudo o que precisavam. Moravam longe dos sidônios e viviam afastados dos outros povos.
8 Quando os cinco homens voltaram para Zora e Estaol, a sua gente perguntou o que eles haviam descoberto.
9 E eles responderam: - Vamos atacar! Nós vimos a terra, e ela é muito boa! Não fiquem aí parados! Vão depressa e tomem a terra!
10 Lá vocês vão ver que o povo não desconfia de nada. A terra deles é grande e tem tudo o que é preciso. E Deus a está dando a vocês.
11 Então seiscentos homens da tribo de Dã saíram de Zora e Estaol, prontos para a luta.
12 Subiram e acamparam a oeste da cidade de Quiriate-Jearim, na região de Judá. É por isso que aquele lugar é chamado até hoje de "Campo de Dã".
13 Dali foram para a região montanhosa de Efraim e chegaram à casa de Mica.
14 Aqueles cinco homens que haviam ido espiar a terra ao redor de Laís disseram aos seus companheiros: - Vocês sabiam que numa dessas casas há um ídolo de madeira folheado a prata? Há também outros ídolos e uma roupa de sacerdote. O que vocês acham que devemos fazer?
15 Então eles entraram na casa de Mica, onde morava o jovem levita, e o cumprimentaram.
16 Enquanto isso, os seiscentos soldados da tribo de Dã estavam esperando no portão, prontos para combater.
17 Os cinco espiões entraram na casa, pegaram o ídolo de madeira folheado a prata, os outros ídolos e a roupa de sacerdote. O sacerdote tinha ficado no portão com os seiscentos soldados armados.
18 Quando os homens entraram na casa de Mica e pegaram os objetos sagrados, o sacerdote perguntou: - O que vocês estão fazendo?
19 Eles responderam: - Fique quieto. Não diga nada. Venha com a gente e seja o nosso sacerdote e conselheiro. Você não gostaria de ser o sacerdote de uma tribo inteira, em vez de ser sacerdote de apenas uma família?
20 O sacerdote ficou muito contente, pegou os objetos sagrados e foi com os espiões e os soldados.
21 Eles deram meia-volta, puseram na frente as crianças, o gado e os seus bens e partiram.
22 Já estavam longe quando os vizinhos de Mica, que haviam sido chamados para lutar, alcançaram os homens da tribo de Dã.
23 Estes, ao ouvirem os gritos dos que vinham atrás deles, deram meia-volta e perguntaram a Mica: - O que é que há? Para que toda essa gente?
24 Ele respondeu: - Vocês ainda me perguntam o que é que há? Vocês me tomaram os deuses que eu fiz e o meu sacerdote e foram embora! O que foi que sobrou para mim?
25 Os homens de Dã disseram: - É melhor você não falar mais nada porque estes homens podem ficar zangados e acabar atacando vocês. Nesse caso você e toda a sua família morreriam.
26 Depois de dizerem isso, os homens de Dã partiram. Mica viu que eles eram mais fortes; então voltou para casa.
27 Os homens da tribo de Dã levaram as coisas que Mica havia feito e também o sacerdote dele. Aí foram e atacaram Laís, aquela cidade de povo pacífico e calmo. Mataram os seus moradores e queimaram a cidade.
28 Não havia ninguém para salvar aquela gente, pois Laís ficava longe de Sidom, e eles não tinham contato com outros povos. A cidade ficava no vale, perto de Bete-Reobe. A tribo de Dã construiu de novo Laís e ficou morando ali.
29 Deram à cidade o nome de Dã porque assim se chamava o fundador da tribo, que era filho de Jacó.
30 E os homens de Dã levantaram o ídolo para adorá-lo. Jônatas, filho de Gérson e neto de Moisés, foi sacerdote da tribo de Dã. Ele e os seus descendentes foram sacerdotes da tribo de Dã até que o povo foi levado como prisioneiro para fora da sua terra.
31 E o ídolo feito por Mica ficou com eles durante todo o tempo em que a casa de Deus esteve em Siló.

Juízes – Capítulo 19

1 Naqueles dias em que Israel não tinha rei, um levita foi morar bem longe, na região montanhosa de Efraim. Ele arranjou uma jovem de Belém de Judá para ser a sua concubina.
2 Porém ela brigou com ele e voltou para a casa do seu pai, em Belém. E ficou lá durante quatro meses.
3 Então o homem resolveu ir a Belém atrás dela, para tentar convencê-la a voltar. Ele foi com o seu empregado e levou dois jumentos. E a moça o recebeu na casa do seu pai. Quando o pai da moça viu o levita, recebeu-o com alegria
4 e insistiu para que ficasse na sua casa. E ele ficou ali três dias. Assim o casal tomou as suas refeições e passou as noites ali.
5 No quarto dia eles se levantaram cedo e se aprontaram para ir embora. Mas o pai da moça disse ao levita: - Coma alguma coisa antes de ir e assim você se sentirá melhor. Você pode ir mais tarde.
6 Então os dois homens se sentaram, e comeram, e beberam juntos. Aí o pai da moça disse: - Por favor, fique mais uma noite e divirta-se.
7 O homem se levantou para sair, mas o pai da moça insistiu muito que ele ficasse. E assim o levita passou outra noite ali.
8 No quinto dia, bem cedo, ele se levantou para ir, mas o pai da moça pediu: - Por favor, coma alguma coisa. Espere até mais tarde. E os dois homens comeram juntos.
9 Quando o homem, a moça e o empregado iam saindo, o pai disse: - Olhe! Agora já é quase noite. É melhor você ficar para passar a noite aqui. Logo vai ficar escuro. Fique aqui e divirta-se. Amanhã você poderá se levantar cedo e viajar de volta para casa.
10 Mas o levita não quis passar lá mais outra noite e partiu de viagem com a sua concubina, levando dois jumentos arreados. Já era quase noite quando chegaram perto da cidade de Jebus, isto é, Jerusalém. Então o empregado disse ao patrão: - Por que não paramos e passamos a noite nesta cidade dos jebuseus?
12 Mas o patrão respondeu: - Não vamos parar numa cidade onde o povo não é israelita. Vamos continuar até Gibeá.
13 É melhor a gente andar mais um pouco e passar a noite em Gibeá ou Ramá.
14 Então passaram pela cidade de Jebus e continuaram a viagem. O sol já se havia escondido quando eles chegaram a Gibeá, cidade da tribo de Benjamim.
15 Aí saíram da estrada para passar a noite na cidade. O levita chegou e se sentou na praça. Mas ninguém o convidou para dormir na sua casa.
16 E aconteceu que passou por ali um velho que estava voltando do seu trabalho na roça. Ele era da região montanhosa de Efraim, mas estava morando em Gibeá. O povo dali era da tribo de Benjamim.
17 O velho viu o viajante na praça e perguntou: - De onde você é? Para onde vai?
18 O levita respondeu: - Eu estou viajando de Belém de Judá para bem longe, para a região montanhosa de Efraim, onde moro. Fui a Belém e agora estou voltando para casa, mas ninguém me ofereceu hospedagem para esta noite.
19 Nós temos alimento e palha para os jumentos, e pão e vinho para mim, para a minha concubina e para o meu empregado. Temos tudo o que precisamos.
20 O velho disse: - Venham comigo; vocês serão bem recebidos na minha casa. Eu cuidarei de vocês. Por favor, não passem a noite na praça.
21 Então ele os levou para a sua casa e deu de comer aos jumentos. Os seus hóspedes lavaram os pés, comeram e beberam.
22 Enquanto eles conversavam alegremente, alguns homens imorais daquela cidade cercaram a casa e começaram a bater na porta. E disseram ao velho: - Traga para fora o homem que está na sua casa! Nós queremos ter relações com ele.
23 Aí o velho saiu e disse: - Não, meus amigos! Por favor, não façam essa coisa tão má e tão imoral! Este homem é meu hóspede.
24 Olhem! Estão aqui a minha filha virgem e a concubina dele. Eu vou pôr as duas para fora, e vocês poderão fazer com elas o que quiserem. Mas não façam essa coisa horrível com este homem!
25 Mas eles não quiseram ouvi-lo. Então o levita pegou a sua concubina, a pôs para fora e a entregou a eles. E eles a forçaram, e abusaram dela a noite toda, e só a deixaram de manhã.
26 Ao amanhecer a mulher veio e caiu na frente da casa onde o seu marido estava. E ficou ali até clarear o dia.
27 De manhã o marido se levantou para continuar a viagem. Quando abriu a porta, achou a sua concubina caída em frente da casa, com as mãos na soleira da porta.
28 Aí lhe disse: - Levante-se! Vamos embora! Porém não teve resposta. Então pôs o corpo dela atravessado sobre o jumento e seguiu viagem para casa.
29 Quando chegou lá, entrou, pegou uma faca e cortou o corpo da concubina em doze pedaços. Depois mandou um pedaço para cada uma das doze tribos de Israel.
30 E todos os que viam isso diziam: - Nunca vimos uma coisa assim! Nunca houve uma coisa igual a essa, desde o tempo em que os israelitas saíram do Egito! Pensem! O que vamos fazer agora?

Juízes – Capítulo 21

1 O povo de Israel havia feito em Mispa este juramento a Deus: - Nenhum de nós deixará que um homem da tribo de Benjamim case com uma das nossas filhas.
2 O povo foi a Betel e ficou ali na presença de Deus até a tarde. Eles choraram amargamente, em voz alta,
3 dizendo: - Ó SENHOR, Deus de Israel, por que aconteceu isso? Por que está faltando uma das nossas tribos?
4 O povo se levantou bem cedo na manhã seguinte e construiu ali um altar. Apresentaram ofertas que foram completamente queimadas e sacrifícios de paz.
5 E perguntaram: - De todas as tribos de Israel, quem foi que não subiu para aquela reunião na presença do SENHOR Deus, em Mispa? Eles tinham feito um juramento muito sério: quem faltasse à reunião em Mispa seria morto.
6 O povo de Israel teve muita pena dos seus irmãos da tribo de Benjamim e disse: - Hoje Israel perdeu uma das suas tribos.
7 O que faremos para arranjar esposas para os que ficaram? Pois juramos ao SENHOR que não daríamos a eles nenhuma das nossas filhas.
8 Então perguntaram: - De todas as tribos de Israel, quem não compareceu diante do SENHOR em Mispa? E ficaram sabendo que, de Jabes-Gileade, ninguém havia tomado parte na reunião.
9 Quando fizeram a chamada do povo, ninguém de Jabes-Gileade estava lá.
10 Então todos concordaram em mandar para lá doze mil homens, dos mais corajosos, com estas ordens: - Vão e matem os moradores de Jabes-Gileade, tanto homens como mulheres e crianças.
11 Façam isto: matem todos os homens e todas as mulheres que não forem virgens.
12 E eles encontraram quatrocentas virgens em Jabes-Gileade e as levaram ao acampamento de Siló, que fica na terra de Canaã.
13 Então todos concordaram em mandar mensageiros aos benjamitas, na rocha de Rimom, para fazer uma proposta de paz.
14 Aí os benjamitas voltaram e receberam aquelas quatrocentas moças de Jabes-Gileade. Porém não havia moças em número suficiente para todos.
15 Então o povo ficou com pena dos benjamitas, pois pela vontade do SENHOR estava faltando uma das tribos de Israel.
16 Aí os chefes do povo de Israel disseram: - Não há mais mulheres na tribo de Benjamim. O que vamos fazer para arranjar esposas para os que ficaram?
17 O povo de Israel não deve perder uma das suas doze tribos. Temos de achar um jeito de a tribo de Benjamim não acabar.
18 Porém não podemos deixar que eles casem com as nossas filhas. Eles falavam isso porque o povo de Israel havia amaldiçoado quem deixasse um benjamita casar com a sua filha.
19 Então disseram: - A festa anual do SENHOR, na cidade de Siló, está perto. (Siló fica ao norte de Betel, ao sul de Lebona e a leste da estrada que vai de Betel a Siquém.)
20 E os chefes do povo de Israel disseram aos benjamitas: - Vão, escondam-se nas plantações de uvas
21 e fiquem vigiando. Durante a festa, quando as moças de Siló saírem dançando, vocês também saiam das plantações de uvas. E cada um agarre uma das moças e leve embora para a terra de Benjamim.
22 Assim, quando os pais ou irmãos delas vierem se queixar, nós poderemos dizer: "Por favor, deixem que elas fiquem, pois na batalha contra Jabes-Gileade não conseguimos mulheres para todos os benjamitas. E vocês não serão culpados de quebrarem a promessa, pois não deram as suas filhas a eles: elas foram roubadas."
23 E assim fizeram os benjamitas. Cada um deles escolheu uma esposa entre as moças que estavam dançando e a levou embora. Então voltaram para a sua terra, construíram de novo as suas cidades e ficaram morando ali.
24 Enquanto isso, os outros israelitas saíram, e cada um voltou para a sua tribo, a sua família e as suas terras.
25 Naquele tempo não havia rei em Israel, e cada um fazia o que bem queria.

Rute – Capítulo 1

1 No tempo em que Israel era governado por juízes, houve uma grande fome naquele país. Por isso um homem de Belém, cidade da região de Judá, foi com a sua mulher e os seus dois filhos morar por algum tempo num país chamado Moabe.
2 O nome desse homem era Elimeleque, e o da sua mulher, Noemi. Os dois filhos se chamavam Malom e Quiliom. Essa família era de Efrata, um povoado que ficava perto de Belém de Judá. Eles foram para Moabe e ficaram morando ali.
3 Algum tempo depois, Elimeleque morreu, e Noemi ficou com os dois filhos,
4 que casaram com moças moabitas. O nome de uma delas era Orfa, e o da outra, Rute. Quando já fazia quase dez anos que estavam morando ali,
5 Malom e Quiliom também morreram. E Noemi ficou só, sem os filhos e sem o marido.
6 Um dia Noemi soube que o SENHOR tinha ajudado o seu povo, dando-lhe boas colheitas. Então ela se aprontou para sair de Moabe com as suas noras.
7 Elas saíram a fim de voltar para Judá, mas no caminho
8 Noemi disse às noras: - Voltem para casa e fiquem com as suas mães. Que o SENHOR seja bom para vocês, assim como vocês foram boas para mim e para os falecidos!
9 O SENHOR permita que vocês casem de novo e cada uma tenha o seu lar! Então Noemi se despediu das suas noras com um beijo. Porém elas começaram a chorar alto
10 e disseram: - Não! Nós não voltaremos. Nós iremos com a senhora e ficaremos com o seu povo.
11 Mas Noemi respondeu: - Voltem, minhas filhas. Por que querem ir comigo? Vocês acham que eu ainda poderei ter filhos para casarem com vocês?
12 Voltem para casa porque já estou muito velha para casar de novo. Pois, ainda que eu tivesse esperança de casar outra vez ou mesmo que casasse esta noite e chegasse a ter filhos,
13 será que vocês iriam esperar até que eles crescessem para vocês casarem com eles? É claro que não, minhas filhas! O SENHOR está contra mim, e isso me deixa muito triste, pois vocês também estão sofrendo.
14 Aí elas começaram a chorar alto outra vez. Então Orfa se despediu da sua sogra com um beijo e voltou para o seu povo. Mas Rute ficou.
15 - Veja! - disse Noemi. - A sua cunhada voltou para o seu povo e para os seus deuses. Volte você também para casa com ela.
16 Porém Rute respondeu: - Não me proíba de ir com a senhora, nem me peça para abandoná-la! Onde a senhora for, eu irei; e onde morar, eu também morarei. O seu povo será o meu povo, e o seu Deus será o meu Deus.
17 Onde a senhora morrer, eu morrerei também e ali serei sepultada. Que o SENHOR me castigue se qualquer coisa, a não ser a morte, me separar da senhora!
18 Como Noemi viu que Rute estava mesmo resolvida a ir com ela, não disse mais nada.
19 E elas continuaram a viagem até Belém. Quando chegaram lá, toda a cidade ficou agitada por causa delas. E as mulheres perguntavam: - Esta é a Noemi?
20 Porém ela respondia: - Não me chamem de Noemi, a Feliz. Chamem de Mara, a Amargurada, porque o Deus Todo-Poderoso me deu muita amargura.
21 Quando saí daqui, eu tinha tudo, mas o SENHOR me fez voltar sem nada. Então, por que me chamar de Feliz, se o Deus Todo-Poderoso me fez sofrer e me deu tanta aflição?
22 E foi assim que Noemi voltou de Moabe, com Rute, a sua nora moabita. Elas chegaram a Belém quando a colheita de cevada estava começando.

Rute – Capítulo 2

1 Noemi tinha um parente chamado Boaz, que era um homem rico e muito importante. Ele era da família de Elimeleque, o marido de Noemi.
2 Um dia Rute disse a Noemi: - Deixe que eu vá até as plantações para catar as espigas que ficam caídas no chão. Talvez algum trabalhador me deixe ir atrás dele, catando as espigas que forem caindo. - Vá, minha filha! - respondeu Noemi.
3 Então Rute foi ao campo e andava atrás dos trabalhadores, catando as espigas que caíam. E por acaso ela entrou numa plantação que era de Boaz, um parente de Elimeleque.
4 Nisso Boaz chegou de Belém e disse aos trabalhadores: - Que o SENHOR esteja com vocês! - Que o SENHOR o abençoe! - responderam eles.
5 Aí Boaz perguntou ao chefe dos trabalhadores: - Quem é aquela moça ali?
6 Ele respondeu: - É a moabita que veio de Moabe com Noemi.
7 Ela me pediu que a deixasse ir atrás dos trabalhadores, catando as espigas que fossem caindo. E assim ela está trabalhando desde cedo até agora e só parou um pouco para descansar debaixo do abrigo.
8 Então Boaz disse a Rute: - Escute, minha filha. Não vá catar espigas em nenhuma outra plantação. Fique aqui e trabalhe perto das minhas empregadas.
9 Preste atenção e fique com elas no campo onde vão cortar espigas. Eu dei ordem aos empregados para não mexerem com você. Quando ficar com sede, beba da água que os empregados tirarem para beber.
10 Aí Rute ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e disse: - Por que é que o senhor reparou em mim e é tão bom para mim, que sou estrangeira?
11 Boaz respondeu: - Eu ouvi falar de tudo o que você fez pela sua sogra desde que o seu marido morreu. E sei que você deixou o seu pai, a sua mãe e a sua pátria e veio viver entre gente que não conhecia.
12 Que o SENHOR a recompense por tudo o que você fez. Que o SENHOR, o Deus de Israel, cuja proteção você veio procurar, lhe dê uma grande recompensa.
13 Rute disse a Boaz: - O senhor está sendo muito bom para mim. O senhor me dá ânimo, falando comigo com tanta bondade, pois eu mereço menos do que uma das suas empregadas.
14 Na hora do almoço, Boaz disse a Rute: - Venha aqui, pegue um pedaço de pão e molhe no vinho. Então ela sentou-se ao lado dos trabalhadores, e Boaz lhe deu cevada torrada. Ela comeu até ficar satisfeita, e ainda sobrou.
15 Quando Rute se levantou para ir de novo catar espigas, Boaz ordenou aos empregados: - Deixem que ela apanhe espigas até no meio dos feixes e não a aborreçam.
16 Tirem também algumas espigas dos feixes e deixem cair para que ela possa apanhar. E não briguem com ela.
17 E assim Rute catou espigas no campo até de tarde. Depois debulhou os grãos das espigas que havia apanhado, e estes pesaram quase vinte e cinco quilos.
18 Pegou a cevada, voltou para a cidade e mostrou à sua sogra o quanto havia catado. Também lhe deu a comida que tinha sobrado do almoço.
19 Então Noemi perguntou: - Onde é que você foi catar espigas hoje? Onde foi que você trabalhou? Que Deus abençoe o homem que se interessou por você! Aí Rute contou a Noemi que havia trabalhado na plantação de um homem chamado Boaz.
20 E Noemi disse: - Que o SENHOR abençoe Boaz, que sempre tem sido bom, tanto para os que estão vivos como para os que já morreram! Noemi continuou: - Esse homem é nosso parente chegado e um dos responsáveis por nós.
21 Então Rute disse: - Além de tudo isso, ele disse que eu posso continuar trabalhando com os seus empregados até acabar a colheita.
22 Noemi respondeu: - É bom que você vá com as empregadas dele, minha filha. Pois, se fosse trabalhar na plantação de outro homem, você poderia ser humilhada.
23 Assim Rute trabalhou com as empregadas de Boaz e catou espigas até terminar a colheita da cevada e do trigo. E continuou morando com a sua sogra.

Rute – Capítulo 3

1 Um dia Noemi disse a Rute: - Minha filha, preciso arranjar um marido para você, a fim de que você tenha um lar.
2 Você lembra que Boaz, o homem que a deixou trabalhar com as suas empregadas, é um dos nossos parentes? Pois bem! Esta noite ele vai debulhar a cevada.
3 Faça o seguinte: lave-se, ponha perfume e vista o seu melhor vestido. Depois vá até o lugar onde Boaz está trabalhando, mas não o deixe saber que você está ali, até que ele acabe de comer e de beber.
4 Quando Boaz for dormir, olhe bem onde ele vai se deitar. Então vá, levante a coberta dos pés dele e deite-se ali. Ele dirá o que você deve fazer.
5 Rute respondeu: - Vou fazer tudo o que a senhora disse.
6 Ela foi ao lugar onde debulhavam as espigas e fez tudo o que a sua sogra havia mandado.
7 Quando Boaz acabou de comer e de beber, ficou um pouco alegre e foi dormir perto de um monte de cevada. Então Rute veio de mansinho, levantou a coberta dos pés dele e se deitou ali.
8 No meio da noite ele acordou de repente, sentou-se e ficou muito admirado de encontrar uma mulher deitada perto dos seus pés.
9 Ele perguntou: - Quem é você? - Eu sou Rute, a sua empregada! - respondeu ela. - O senhor é nosso parente chegado e por isso tem o dever de me proteger.
10 Boaz respondeu: - Que o SENHOR a abençoe, minha filha! Você está mostrando maior lealdade à família do seu sogro naquilo que está fazendo agora do que naquilo que fez pela sua sogra. Pois você não foi procurar um homem mais moço, fosse rico ou fosse pobre.
11 Agora, minha filha, não tenha medo. Na cidade toda gente sabe que você é uma mulher direita. Vou fazer tudo o que me pede.
12 De fato, sou seu parente chegado e sou responsável por você. Mas acontece que há um homem que também é seu parente e até mais chegado do que eu.
13 Fique aqui o resto da noite, e de manhã nós veremos se ele quer ser responsável por você. Se ele quiser, muito bem; mas, se não quiser, prometo por Deus, o SENHOR, que ficarei com essa responsabilidade. Agora deite-se e durma de novo.
14 Então Rute passou o resto da noite deitada aos pés dele. Enquanto ainda estava escuro, ela se levantou para não ser vista, pois Boaz não queria que ninguém soubesse que uma mulher havia ido lá.
15 Então Boaz disse: - Tire a sua capa e estenda no chão. Ela estendeu, e ele despejou na capa uns vinte quilos de cevada e a ajudou a pôr no ombro. Aí Rute voltou para a cidade.
16 Quando ela chegou a casa, a sua sogra perguntou: - Como foram as coisas, minha filha? Rute contou tudo o que Boaz tinha feito por ela. E disse ainda:
17 - Ele também me deu toda esta cevada e disse: "Não volte para casa sem levar alguma coisa para a sua sogra."
18 Então Noemi disse: - Agora, minha filha, tenha paciência e espere para ver o que vai acontecer. Pois Boaz não vai descansar enquanto não resolver esse assunto, ainda hoje.

1 Samuel – Capítulo 4

1 Naqueles dias o povo de Israel foi lutar contra os filisteus. Os israelitas acamparam em Ebenézer, e os filisteus, em Afeca.
2 Os filisteus se aprontaram e entraram na luta. Eles venceram os israelitas, matando no campo de batalha mais ou menos quatro mil soldados.
3 Quando aqueles que tinham escapado voltaram ao acampamento, os líderes do povo de Israel disseram: - Por que é que o SENHOR Deus deixou que os filisteus nos vencessem hoje? Vamos trazer de Siló para cá a arca da aliança, para que assim o SENHOR esteja no meio de nós e nos salve dos nossos inimigos.
4 Então mandaram mensageiros a Siló para trazerem a arca da aliança do SENHOR Todo-Poderoso, que se assenta no seu trono entre os querubins. E Hofni e Finéias, os dois filhos de Eli, vieram junto com a arca.
5 Quando a arca chegou, os israelitas gritaram tão alto, que a terra tremeu.
6 Os filisteus ouviram os gritos e disseram: - Escutem esses gritos no acampamento dos hebreus. O que será que aconteceu? Quando souberam que a arca da aliança do SENHOR havia chegado ao acampamento hebreu,
7 os filisteus ficaram com medo e disseram: - Um deus chegou ao acampamento dos israelitas! Ai de nós! Nunca aconteceu uma coisa assim!
8 Ai de nós! Quem poderá nos salvar destes poderosos deuses? São os deuses que atacaram os egípcios com todo tipo de pragas, no deserto.
9 Sejam corajosos, filisteus! Lutem como homens ou seremos escravos dos hebreus, como eles já foram nossos escravos. Lutem como homens!
10 Assim os filisteus lutaram. Os israelitas foram vencidos e fugiram correndo para as suas casas. E houve uma grande matança: trinta mil israelitas foram mortos.
11 Então os filisteus tomaram a arca de Deus, e Hofni e Finéias, os filhos de Eli, foram mortos.
12 Um homem da tribo de Benjamim correu desde o campo de batalha até Siló e chegou lá no mesmo dia. Para mostrar a sua tristeza, ele havia rasgado as suas roupas e posto terra na cabeça.
13 Eli estava sentado numa cadeira, perto da estrada, esperando. Ele estava muito preocupado com a arca da aliança. Quando o homem deu a notícia, toda a gente da cidade ficou apavorada e começou a chorar alto.
14 Eli ouviu os gritos e perguntou: - Que barulho é esse? Então o homem correu para contar as notícias a Eli.
15 Eli estava com noventa e oito anos e completamente cego.
16 O homem disse: - Eu fugi da batalha e hoje mesmo vim correndo de lá até aqui. - O que aconteceu, meu filho? - perguntou Eli.
17 - O povo de Israel fugiu dos filisteus! - respondeu o mensageiro. - Foi uma terrível derrota para nós. Além de tudo, os seus filhos Hofni e Finéias foram mortos, e os filisteus tomaram a arca da aliança.
18 Quando ouviu falar na arca, Eli caiu da cadeira para trás, perto do portão da cidade. Ele estava muito velho e gordo. Por isso, quando caiu, quebrou o pescoço e morreu. Eli foi o líder do povo de Israel quarenta anos.
19 A nora de Eli, a mulher de Finéias, estava grávida e já quase na época de ter a criança. Quando ela soube que a arca de Deus havia sido tomada e que o seu sogro e o seu marido tinham morrido, começou a ter as dores de parto e deu à luz.
20 Ela estava morrendo, mas as mulheres que a ajudavam disseram: - Tenha coragem! Você ganhou um filho. Ela não se interessou e não respondeu.
21 Mas deu ao menino o nome de Icabô, explicando: "A glória saiu de Israel." Disse isso, falando da tomada da arca de Deus e da morte do seu sogro e do seu marido.
22 Ela disse: - A glória saiu de Israel, pois a arca de Deus foi tomada pelos nossos inimigos.

1 Samuel – Capítulo 6

1 Já fazia sete meses que a arca da aliança estava na terra dos filisteus.
2 Aí eles chamaram os seus sacerdotes e os seus mágicos e perguntaram: - Que faremos com a arca do SENHOR? Se a mandarmos de volta, o que devemos enviar junto com ela?
3 Eles responderam: - Se vocês mandarem de volta a arca do Deus de Israel, não a enviem sem uma oferta. Mandem junto uma oferta para pagar pelo pecado de vocês. Assim vocês serão curados e saberão por que motivo ele continuou a castigá-los.
4 - Que oferta devemos mandar? - perguntaram os filisteus. Os sacerdotes e os mágicos responderam: - Mandem cinco tumores feitos de ouro e cinco ratos também de ouro, de acordo com o número dos governadores filisteus. Pois os cinco governadores foram atingidos pela mesma praga que caiu sobre vocês.
5 Façam imitações dos tumores e dos ratos que estão destruindo a nossa terra e dêem como presente em homenagem ao Deus de Israel. Assim ele talvez pare de castigar vocês, os seus deuses e a sua terra.
6 Por que razão vocês seriam tão teimosos quanto o rei do Egito e os egípcios? Não esqueçam que Deus zombou deles até que eles deixaram os israelitas saírem do Egito.
7 Façam o seguinte: arranjem duas vacas que ainda não puxaram carroça e amarrem as duas a uma carroça nova. Depois toquem os bezerros delas para o curral.
8 Então peguem a arca do SENHOR Deus e a coloquem na carroça. Ponham também numa caixa, ao lado da arca, as imitações de ouro que vocês vão mandar ao Deus de Israel como ofertas para pagamento pelos seus pecados. Aí toquem as vacas para a frente e deixem que elas vão para onde quiserem.
9 E prestem atenção. Se a carroça for na direção da cidade de Bete-Semes, isso quer dizer que foi o Deus dos israelitas que nos mandou este grande mal. Mas, se isso não acontecer, então quer dizer que não foi ele quem mandou esta praga, e sim que ela veio por acaso.
10 E os filisteus fizeram o que os seus sacerdotes e mágicos haviam dito: pegaram duas vacas e as amarraram à carroça e prenderam os bezerros no curral.
11 Depois puseram a arca do SENHOR Deus na carroça, junto com a caixa onde estavam os ratos e os tumores de ouro.
12 Então as vacas foram diretamente para a cidade de Bete-Semes, andando e mugindo, sem se desviar do caminho. E os cinco governadores filisteus as seguiram até a divisa de Bete-Semes.
13 O povo de Bete-Semes estava colhendo trigo no vale. De repente, eles olharam e viram a arca da aliança e ficaram muito alegres.
14 A carroça puxada pelas vacas chegou até a plantação de Josué, de Bete-Semes, e parou perto de uma grande pedra. Então os moradores dali cortaram em pedaços a carroça de madeira, mataram as vacas e as queimaram em sacrifício a Deus, o SENHOR.
15 Os levitas pegaram a arca do SENHOR e a caixa com as imitações de ouro e puseram em cima da grande pedra. Naquele dia o povo de Bete-Semes apresentou ao SENHOR ofertas que foram completamente queimadas e também sacrifícios de animais.
16 Os cinco governadores filisteus viram isso e no mesmo dia voltaram para Ecrom.
17 Os filisteus mandaram a Deus, o SENHOR, os cinco tumores de ouro como oferta em pagamento pelos seus pecados - um por cidade: Asdode, Gaza, Asquelom, Gate e Ecrom.
18 Mandaram também cinco ratos de ouro, de acordo com o número das cidades governadas pelos cinco governadores filisteus, isto é, as cinco cidades protegidas por muralhas e os povoados que ficavam ao seu redor. Na plantação de Josué, que era natural de Bete-Semes, a arca de Deus foi colocada em cima de uma grande pedra, e essa pedra ainda está ali como prova do que aconteceu.
19 Setenta homens de Bete-Semes olharam para dentro da arca da aliança, e por isso o SENHOR os matou. E o povo chorou por causa dessa grande matança que Deus fez entre eles.
20 Então os moradores de Bete-Semes disseram: - Quem pode ficar diante do SENHOR, esse Deus tão santo? Para onde mandaremos a sua arca a fim de que ele fique longe de nós?
21 Aí enviaram mensageiros para dizerem ao povo da cidade de Jearim: - Os filisteus devolveram a arca da aliança do SENHOR. Desçam até aqui e levem a arca.

1 Samuel – Capítulo 7

1 Então os homens da cidade de Jearim foram até lá e levaram a arca do SENHOR. Eles a colocaram na casa de Abinadabe, que ficava num morro. E escolheram e separaram o seu filho Eleazar para tomar conta dela.
2 A arca da aliança ficou na cidade de Jearim bastante tempo, isto é, mais ou menos vinte anos. Durante esse tempo todos os israelitas oravam a Deus, o SENHOR, pedindo ajuda.
3 Samuel disse ao povo de Israel: - Se vocês querem com todo o coração voltar a Deus, o SENHOR, joguem fora todos os deuses estrangeiros e as imagens da deusa Astarote. Dediquem-se completamente ao SENHOR e adorem somente a ele. E ele livrará vocês do poder dos filisteus.
4 Aí os israelitas jogaram fora as suas várias imagens de Baal e também as de Astarote e adoraram somente a Deus, o SENHOR.
5 Então Samuel mandou que todos os israelitas se reunissem em Mispa. E prometeu que ali oraria por eles ao SENHOR.
6 Assim todos eles se reuniram em Mispa. Tiraram água e a derramaram em oferta ao SENHOR, jejuaram o dia todo e disseram: - Nós pecamos contra Deus, o SENHOR. E ali em Mispa Samuel julgava e governava o povo de Israel.
7 Quando os filisteus souberam que os israelitas haviam se reunido em Mispa, os cinco governadores filisteus saíram com os seus homens para atacá-los. Os israelitas souberam disso e ficaram com medo.
8 E disseram a Samuel: - Não pare de orar ao SENHOR, nosso Deus, pedindo que ele nos livre do domínio dos filisteus.
9 Então Samuel matou um carneirinho e queimou todo ele como sacrifício a Deus, o SENHOR. Pediu que o SENHOR ajudasse o povo de Israel, e ele respondeu à sua oração.
10 Enquanto Samuel estava oferecendo o sacrifício, os filisteus avançaram contra os israelitas. Mas o SENHOR os atacou com fortes trovoadas. Então eles ficaram em completa confusão e fugiram.
11 Os israelitas saíram de Mispa e perseguiram os filisteus até Bete-Car, matando-os pelo caminho.
12 Aí Samuel pegou uma pedra, pôs entre Mispa e Sem e disse: - Até aqui o SENHOR Deus nos ajudou. Por isso deu a ela o nome de Ebenézer.
13 Assim os filisteus foram derrotados, e o SENHOR Deus não deixou que eles invadissem a terra de Israel enquanto Samuel viveu.
14 Todas as cidades que os filisteus haviam tomado, desde Ecrom até Gate, foram devolvidas ao povo de Israel. Dessa maneira os israelitas receberam de volta toda a sua terra. E também houve paz entre os israelitas e os amorreus.
15 Até o fim da sua vida Samuel foi chefe e juiz do povo de Israel.
16 Todos os anos ele ia a Betel, Gilgal e Mispa e nesses lugares resolvia as questões que o povo lhe apresentava.
17 Depois voltava para a sua casa na cidade de Ramá, onde também era juiz. E em Ramá Samuel construiu um altar para Deus, o SENHOR.

1 Samuel – Capítulo 8

1 Quando Samuel ficou velho, pôs os seus filhos como juízes de Israel.
2 O seu filho mais velho se chamava Joel, e o mais novo, Abias. Eles eram juízes na cidade de Berseba.
3 Porém não seguiram o exemplo do pai. Estavam interessados somente em ganhar dinheiro, aceitavam dinheiro por fora e não decidiam os casos com justiça.
4 Então todos os líderes de Israel se reuniram e foram falar com Samuel, em Ramá.
5 Eles disseram: - Olhe! Você já está ficando velho, e os seus filhos não seguem o seu exemplo. Por isso, queremos que nos arranje um rei para nos governar, como acontece em outros países.
6 Samuel não gostou do pedido deles. Então orou a Deus, o SENHOR,
7 e ele respondeu assim: - Atenda o pedido do povo. Não é só você que eles rejeitaram; eles rejeitaram a mim como Rei.
8 Desde que eu os trouxe do Egito, eles sempre me têm abandonado e têm adorado outros deuses. Agora estão fazendo com você o que sempre fizeram comigo.
9 Portanto, atenda o pedido deles. Mas avise essa gente, explicando com toda a clareza como o rei vai tratá-los.
10 Então Samuel explicou ao povo tudo o que o SENHOR lhe tinha dito.
11 Ele disse: - O rei os tratará assim: tomará os filhos de vocês para serem soldados; porá alguns para servirem nos seus carros de guerra, outros na cavalaria e outros para correrem adiante dos carros.
12 Colocará alguns deles como oficiais encarregados de mil soldados, e outros encarregados de cinqüenta. Os seus filhos terão de cultivar as terras dele, fazer as suas colheitas e fabricar as suas armas e equipamentos para os seus carros de guerra.
13 As filhas de vocês terão de preparar os perfumes do rei e trabalhar como suas cozinheiras e padeiras.
14 Ele tomará de vocês os melhores campos, plantações de uvas, bosques de oliveiras e dará tudo aos seus funcionários.
15 Ficará com a décima parte dos cereais e das uvas, para dar aos funcionários da corte e aos outros funcionários.
16 Tomará também os empregados de vocês, o melhor gado e os melhores jumentos, para trabalharem para ele.
17 E ficará com a décima parte dos rebanhos de vocês. E vocês serão seus escravos.
18 Quando isso acontecer, vocês chorarão amargamente por causa do rei que escolheram, porém o SENHOR Deus não ouvirá as suas queixas.
19 Mas o povo não se importou com o aviso de Samuel. Pelo contrário, eles disseram: - Não adianta. Nós queremos um rei.
20 Queremos ser como as outras nações: queremos ter um rei para nos governar, para nos dirigir na guerra e lutar em nossas batalhas.
21 Samuel ouviu o que eles disseram e então foi e contou tudo a Deus, o SENHOR.
22 Ele respondeu: - Faça o que eles querem. Dê a eles um rei. Aí Samuel pediu a todos os homens de Israel que voltassem para casa.

1 Samuel – Capítulo 9

1 Havia um homem chamado Quis, que era da tribo de Benjamim. Ele era filho de Abiel, neto de Zeror, bisneto de Becorate e trineto de Afias. Quis era rico e importante.
2 Tinha um filho jovem e bonito, chamado Saul. Não havia ninguém mais bonito do que ele entre todos os israelitas. Além disso era mais alto do que todos. Quando estava no meio do povo, ele aparecia dos ombros para cima.
3 E aconteceu que algumas jumentas que pertenciam a Quis, o pai de Saul, se perderam. Então ele disse a Saul: - Filho, leve com você um dos nossos empregados e vá procurar as jumentas.
4 Eles foram por toda a região montanhosa de Efraim e pela terra de Salisa, porém não acharam as jumentas. Então procuraram na terra de Saalim, porém elas não estavam lá. Aí procuraram no território da tribo de Benjamim, mas também não as encontraram.
5 Quando entraram na terra de Zufe, Saul disse ao empregado: - Vamos voltar para casa; se não, em vez de se preocupar com as jumentas, o meu pai vai acabar se preocupando com a gente.
6 O empregado respondeu: - Espere. Nesta cidade mora um homem santo que é muito respeitado porque tudo o que ele diz acontece. Vamos falar com ele. Talvez ele possa nos dizer onde podemos encontrar as jumentas.
7 Saul perguntou: - Se formos lá, o que vamos levar para ele? Não há comida nas nossas sacolas, e não temos nada para lhe dar. Ou será que temos?
8 O empregado respondeu: - Tenho uma pequena quantia de prata que posso dar a ele para que nos conte onde poderemos achar as jumentas.
9 - É uma boa idéia! - respondeu Saul. - Vamos. Então eles foram à cidade onde o homem santo morava. Quando estavam subindo o morro para chegar à cidade, encontraram algumas moças que estavam saindo para tirar água. Eles perguntaram: - O vidente está na cidade? (Antigamente, quando alguém queria fazer uma pergunta a Deus, costumava dizer: "Vamos falar com o vidente." Porque naquele tempo os profetas eram chamados de videntes.)
12 - Ele está, sim! - responderam elas. - Olhem! Ali vai ele, ali na frente. Andem depressa. Ele está entrando na cidade porque o povo vai oferecer hoje um sacrifício no altar do monte.
13 Assim que entrarem na cidade, vocês o encontrarão antes que ele suba o monte para comer. O povo não começa a comer antes que ele chegue lá, pois primeiro ele tem de abençoar o sacrifício. Só depois é que os convidados podem comer. Subam lá agora e logo vocês o encontrarão.
14 Então eles foram até a cidade. Quando iam entrando, viram Samuel, que saía para subir até o lugar de adoração.
15 Um dia antes de Saul chegar, o SENHOR Deus tinha dito a Samuel:
16 - Amanhã, a esta hora, eu vou enviar a você um homem da tribo de Benjamim. Você o ungirá para ser o governador do meu povo de Israel. Ele libertará o povo do domínio dos filisteus. Eu tenho visto o sofrimento do meu povo e ouvido os seus pedidos de ajuda.
17 Quando Samuel viu Saul, o SENHOR lhe disse: - Este é o homem de quem lhe falei. Ele governará o meu povo.
18 Saul foi encontrar-se com Samuel, perto do portão, e perguntou: - Por favor, onde mora o vidente?
19 Samuel respondeu: - Eu sou o vidente. Vá adiante de mim até o lugar de adoração. Vocês dois vão jantar comigo hoje. Amanhã cedo eu responderei a todas as suas perguntas, e então vocês poderão ir embora.
20 E não se preocupe com as jumentas que se perderam há três dias, pois elas já foram encontradas. Afinal, quem é que o povo de Israel está querendo? Eles querem é você - você e a família do seu pai.
21 Saul respondeu: - Eu sou da tribo de Benjamim, a menor de Israel, e a minha família é a menos importante da tribo. Então por que o senhor está falando comigo desse jeito?
22 Aí Samuel levou Saul e o seu empregado para o salão de festas e pediu que os dois sentassem à cabeceira da mesa. Ao redor dessa mesa estavam sentados mais ou menos trinta convidados.
23 E Samuel disse ao cozinheiro: - Traga aquele pedaço de carne que eu lhe entreguei e pedi para deixar reservado.
24 O cozinheiro pegou o melhor pedaço da perna e o pôs na frente de Saul. Samuel disse: - Olhe! Aqui está o pedaço que foi reservado para você. Coma-o, pois foi guardado para você comer nesta ocasião em que convidei o povo. E assim, naquele dia, Saul jantou com Samuel.
25 Depois os dois desceram do lugar de adoração para a cidade. Aí arrumaram uma cama para Saul no terraço,
26 e ele dormiu ali. De madrugada Samuel foi ao terraço e chamou Saul, dizendo: -- Levante-se, que está na hora de ir. Eu vou acompanhar você um pouco. Saul levantou-se e saiu junto com Samuel para a rua.
27 Quando chegaram à saída da cidade, Samuel disse a Saul: - Diga ao seu empregado que vá na frente e você espere aqui um instante. O empregado foi, e Samuel disse a Saul: - Eu tenho um recado de Deus para você.

1 Samuel – Capítulo 10

1 Samuel tinha levado consigo um frasco de azeite. Ele derramou o azeite na cabeça de Saul, beijou-o e disse: - O SENHOR Deus está ungindo você como o chefe do seu povo, o povo de Israel. Você o governará e o livrará de todos os seus inimigos. Esta é a prova de que Deus o escolheu para ser o chefe do seu povo:
2 Hoje, quando você for embora, encontrará dois homens perto do túmulo de Raquel, em Zelza, no território da tribo de Benjamim. Eles vão contar a você que já foram achadas as jumentas que estavam perdidas. Contarão também que agora o seu pai não está mais preocupado com elas e sim com você; e que ele está dizendo: "Que posso fazer para encontrar meu filho?"
3 - Você deve seguir até chegar à árvore sagrada que fica em Tabor. Ali você vai encontrar três homens que estarão indo a Betel, para lá oferecerem sacrifício a Deus. Um deles estará carregando três cabritos; o outro, três pães; e o terceiro, um odre de vinho.
4 Eles vão cumprimentar você e vão lhe oferecer dois pães. E você deve aceitar.
5 Em seguida você irá para o monte de Deus, em Gibeá, onde há um acampamento dos filisteus. Na entrada da cidade vai encontrar um grupo de profetas descendo o morro, vindos do altar. Eles estarão tocando harpas, tambores, flautas e liras. E estarão profetizando.
6 Então o Espírito do SENHOR dominará você, e você vai agir como um profeta junto com eles e ficará uma pessoa diferente.
7 Quando isso acontecer, faça tudo o que tiver de fazer, pois Deus estará com você.
8 Vá na minha frente para Gilgal. Eu me encontrarei com você lá e oferecerei sacrifícios que serão completamente queimados e ofertas de paz. Espere lá sete dias até que eu chegue e diga o que você deve fazer.
9 Deus mudou o coração de Saul no momento em que ele se despediu de Samuel. E naquele dia aconteceu tudo o que Samuel tinha dito.
10 Quando Saul e o seu empregado chegaram a Gibeá, um grupo de profetas o encontrou. O Espírito de Deus tomou conta de Saul, e ele se juntou a eles, agindo como um profeta.
11 Algumas pessoas que o conheciam viram isso e perguntavam: - O que aconteceu com o filho de Quis? Será que Saul virou profeta?
12 Um homem que morava ali perguntou: - E os outros? Será que os pais deles são profetas? Foi assim que surgiu o seguinte ditado: "Será que Saul também virou profeta?"
13 Quando Saul acabou de profetizar, foi para o altar, no monte.
14 O tio de Saul perguntou a ele e ao seu empregado: - Onde foi que vocês estiveram? - Estávamos procurando as jumentas! - respondeu Saul. - E, como não as encontramos, fomos falar com Samuel.
15 - E o que foi que ele disse? - perguntou o tio.
16 - Ele nos disse que os animais já haviam sido encontrados! - respondeu Saul. Porém não contou ao tio o que Samuel tinha dito a respeito de ele se tornar rei.
17 Samuel chamou todo o povo para uma reunião religiosa em Mispa
18 e disse: - O SENHOR, o Deus de Israel, diz: "Eu tirei vocês do Egito e os livrei dos egípcios e de todos os outros povos que os maltratavam.
19 Eu sou o Deus de vocês, o único que os livra de todos os seus problemas e dificuldades, mas hoje vocês me rejeitaram e pediram que eu lhes desse um rei. Muito bem, então reúnam-se na minha presença, separados por tribos e por grupos de famílias."
20 Samuel mandou que todas as tribos viessem para perto dele, e o sorteio indicou a tribo de Benjamim.
21 Então Samuel mandou que as famílias da tribo de Benjamim avançassem, e a família de Matri foi indicada. Aí os homens da família de Matri avançaram, e Saul, filho de Quis, foi indicado. Eles o procuraram, porém não puderam achá-lo.
22 Então perguntaram a Deus, o SENHOR: - Ainda há mais alguém? - Há, e ele está escondido no meio da bagagem! - respondeu o SENHOR.
23 Então eles correram e trouxeram Saul. E ele era o mais alto de todos, aparecendo dos ombros para cima no meio do povo.
24 Samuel disse ao povo: - Aqui está o homem que o SENHOR Deus escolheu! Não há ninguém igual a ele entre nós. E todo o povo gritou: - Viva o rei!
25 Samuel explicou ao povo os direitos e deveres de um rei e os escreveu num livro, que foi colocado na presença de Deus, o SENHOR. Aí mandou todos para casa.
26 Saul também voltou para a sua casa em Gibeá. Alguns homens corajosos, que no seu coração sentiram a orientação de Deus, foram com Saul.
27 Mas algumas pessoas de mau caráter disseram: - Como é que este homem vai poder nos salvar? E desprezaram Saul e não lhe deram presentes.

1 Samuel – Capítulo 13

1 Saul tinha ... anos de idade quando se tornou rei e governou o povo de Israel dois anos.
2 Ele escolheu três mil israelitas e mandou todos os outros de volta para casa. Dois mil estavam na cidade de Micmás e na região montanhosa de Betel. Mil homens ficaram com o seu filho Jônatas, na cidade de Gibeá, no território da tribo de Benjamim.
3 Jônatas matou o comandante filisteu, em Geba, e os filisteus ficaram sabendo disso. Aí Saul mandou mensageiros para tocarem corneta por todo o país, chamando os hebreus para a guerra.
4 E todo o povo ouviu esta mensagem: "Saul matou o comandante dos filisteus, e agora eles estão com ódio dos israelitas." Então o povo respondeu ao chamado e foi juntar-se a Saul, em Gilgal.
5 Os filisteus se reuniram para lutar contra os israelitas. Eles tinham trinta mil carros de guerra, seis mil cavaleiros e tantos soldados quantos os grãos de areia da praia do mar. Foram até Micmás, a leste da cidade de Bete-Avém, e acamparam ali.
6 Os israelitas perceberam que estavam sem saída e numa situação muito difícil. Alguns se esconderam em cavernas e em buracos, e outros, entre rochas, em covas e em poços.
7 Outros ainda atravessaram o rio Jordão e foram para as terras de Gade e de Gileade. Saul havia ficado em Gilgal, e o povo dali estava apavorado.
8 Seguindo as instruções de Samuel, Saul esperou sete dias, mas Samuel não foi até lá. E o povo começou a abandonar Saul e sair dali.
9 Então Saul lhes disse: - Tragam os animais para o sacrifício que é completamente queimado e para as ofertas de paz. Ele ofereceu o sacrifício,
10 e, quando estava terminando, Samuel chegou. Saul foi ao encontro dele, para o cumprimentar,
11 mas Samuel disse: - O que foi que você fez? Saul respondeu: - Eu percebi que o povo estava me abandonando e indo embora. Você também não veio como havia prometido, e os filisteus já estavam reunidos em Micmás.
12 Aí eu pensei: "Os filisteus vão descer a Gilgal para me atacar, e eu ainda não tentei conseguir a ajuda de Deus, o SENHOR." Então achei que tinha de oferecer o sacrifício.
13 - O que você fez foi uma loucura! - respondeu Samuel. - Você não obedeceu à ordem do SENHOR, nosso Deus. Se tivesse obedecido, ele teria deixado que você e os seus descendentes governassem o povo de Israel para sempre.
14 Mas agora você não continuará a governar. Você desobedeceu ao SENHOR, e por isso ele vai encontrar um homem do tipo que ele quer e o fará chefe deste povo.
15 Aí Samuel saiu de Gilgal e foi embora. Saul, acompanhado pelo resto do povo, também deixou Gilgal e foi para junto dos seus soldados, em Gibeá, no território da tribo de Benjamim. Então ele fez uma contagem dos seus soldados: eram mais ou menos seiscentos homens.
16 Saul, o seu filho Jônatas e os seus homens ficaram em Geba, no território de Benjamim. Os filisteus estavam acampados em Micmás.
17 Os soldados filisteus saíram para patrulhar em três grupos: um grupo foi na direção de Ofra, na terra de Sual,
18 o outro seguiu rumo a Bete-Horom, e o terceiro, na direção do monte de onde se avista o vale de Zeboim e o deserto.
19 Os filisteus haviam proibido os hebreus de fazerem espadas e lanças. Por isso, não havia nenhum ferreiro na terra de Israel.
20 Assim, quando os arados, as enxadas, os machados e as foices dos israelitas precisavam ser amolados, eles os levavam aos filisteus.
21 Estes cobravam caro dos israelitas para afiar machados e ferrões de tocar bois e mais caro ainda para afiar arados e enxadas.
22 Por isso, no dia da batalha, nenhum soldado israelita tinha nem espada nem lança; só Saul e o seu filho Jônatas é que tinham.
23 Os filisteus mandaram um grupo de soldados para defender o desfiladeiro de Micmás.

1 Samuel – Capítulo 14

1 Um dia Jônatas disse ao rapaz que carregava as suas armas: - Vamos até o acampamento filisteu, que está no outro lado do desfiladeiro. Mas Jônatas não contou ao pai o que ia fazer.
2 Saul estava em Migrom, perto de Gibeá, acampado debaixo de um pé de romã. Com ele estavam mais ou menos seiscentos homens.
3 O sacerdote que usava o manto sacerdotal era Aías, filho de Aitube e sobrinho de Icabô. (Icabô era filho de Finéias e neto de Eli, que havia sido sacerdote do SENHOR Deus em Siló.) Os homens não sabiam que Jônatas havia saído do acampamento.
4 No desfiladeiro que Jônatas tinha de atravessar para chegar ao acampamento dos filisteus, havia duas grandes pedras, uma de cada lado da passagem. Uma era chamada de Bosês, e a outra, de Senê.
5 Uma estava no lado norte do desfiladeiro, de frente para Micmás, e a outra, no lado sul, de frente para Geba.
6 Jônatas disse ao rapaz que o acompanhava: - Vamos até o acampamento desses filisteus pagãos. Pode ser que o SENHOR nos ajude. E, se ele nos ajudar, nada poderá impedi-lo de nos dar a vitória, ainda que sejamos poucos.
7 O rapaz respondeu: - Faça o que achar melhor! Eu estou com o senhor.
8 - Muito bem! - respondeu Jônatas. - Vamos até lá e deixemos que aqueles homens nos vejam.
9 Se eles disserem para ficarmos parados até que cheguem perto de nós, nós obedeceremos.
10 Mas, se disserem para irmos até o lugar onde eles estão, nós iremos, pois isso será o sinal de que o SENHOR Deus nos deu a vitória.
11 Aí os dois deixaram que os filisteus os vissem. E estes disseram: - Vejam! Alguns hebreus estão saindo das tocas onde estavam escondidos.
12 Então os soldados filisteus chamaram Jônatas e o rapaz: - Subam até aqui! Queremos mostrar uma coisa a vocês. Jônatas disse ao rapaz: - Siga-me, pois o SENHOR Deus deu ao povo de Israel a vitória sobre os filisteus.
13 Ele subiu engatinhando, e o rapaz o seguiu. Jônatas ia atacando e derrubando os filisteus, e o rapaz os ia matando.
14 Nesse primeiro ataque eles mataram cerca de vinte homens, em uma área de mais ou menos mil e duzentos metros quadrados.
15 Todos os filisteus que estavam no acampamento ficaram apavorados. Os patrulheiros e os soldados do acampamento tremeram de medo. A terra também tremeu, e houve uma grande confusão.
16 Os espiões de Saul que estavam em Gibeá, no território da tribo de Benjamim, viram que os filisteus estavam tontos, correndo para cá e para lá.
17 Então Saul disse aos seus oficiais: - Contem os nossos soldados e vejam quem está faltando. Eles contaram e descobriram que estavam faltando Jônatas e o rapaz que carregava as suas armas.
18 Aí Saul disse a Aías, o sacerdote: - Traga aqui a arca da aliança. Ele disse isso porque naquele tempo a arca ia na frente do povo de Israel.
19 Enquanto Saul falava com o sacerdote, a confusão no acampamento filisteu aumentava cada vez mais. Então Saul disse ao sacerdote: - Você não precisa mais consultar o SENHOR.
20 Aí ele e os seus homens entraram na batalha contra os filisteus. Estes, em completa confusão, estavam lutando uns contra os outros.
21 Os hebreus que haviam passado para o lado dos filisteus e tinham ido para o acampamento com eles mudaram de lado outra vez e se juntaram com Saul e Jônatas.
22 Os israelitas que estavam escondidos nas montanhas de Efraim também souberam que os filisteus estavam fugindo. Eles se reuniram e atacaram os filisteus,
23 lutando todo o caminho até além de Bete-Avém. E o SENHOR Deus deu naquele dia a vitória ao povo de Israel.
24 Naquele dia os israelitas estavam fracos de fome porque Saul havia feito este juramento: "Quem comer qualquer coisa hoje, antes de eu me vingar dos meus inimigos, será amaldiçoado." Por isso, ninguém tinha comido nada o dia inteiro.
25 Todos eles chegaram a um bosque e ali acharam mel por toda parte.
26 As árvores estavam cheias de mel, mas ninguém comeu nada porque eles estavam com medo do juramento de Saul.
27 Mas Jônatas não tinha ouvido o seu pai dar a ordem ao povo. Por isso, estendeu o bastão que tinha na mão, molhou a ponta num favo e comeu um pouco de mel. E logo se sentiu melhor.
28 Mas um dos homens disse: - Todos estão fracos de fome porque o seu pai nos ameaçou, dizendo: "Quem comer qualquer coisa hoje será amaldiçoado!"
29 Então Jônatas respondeu: - O meu pai fez uma coisa terrível com o nosso povo. Vejam como estou me sentindo melhor depois de comer um pouco deste mel!
30 Teria sido bem melhor se hoje o nosso povo tivesse comido o alimento que tomou do inimigo quando o derrotou. Imaginem quantos filisteus mais eles teriam matado!
31 Naquele dia os israelitas derrotaram os filisteus, lutando desde Micmás até Aijalom. A essa altura os israelitas estavam muito fracos de fome.
32 Por isso, avançaram sobre o que haviam tirado dos inimigos, isto é, as ovelhas, as vacas e os bezerros, e os mataram ali mesmo e comeram a carne com o sangue.
33 Aí alguém foi dizer a Saul: - Olhe! O povo está pecando contra Deus, comendo carne sem primeiro deixar escorrer o sangue. Saul gritou: - Isso é traição! Rolem aqui para mim uma pedra grande.
34 E ordenou ainda: - Vão para o meio do povo e digam a eles que tragam aqui o seu gado e as suas ovelhas. E que os matem e os comam aqui. E que não pequem contra Deus, comendo carne com sangue. Por isso, naquela noite, todos trouxeram o seu gado e o mataram ali.
35 E Saul construiu um altar para o SENHOR Deus, e esse foi o primeiro que ele construiu.
36 Aí Saul disse aos seus soldados: - Vamos descer de noite e atacar os filisteus. Até o amanhecer nós tomaremos tudo o que eles têm e não deixaremos nenhum filisteu vivo. Eles responderam: - Faça o que achar melhor. Mas o sacerdote disse: - Primeiro vamos consultar a Deus.
37 Aí Saul perguntou a Deus: - Devo atacar os filisteus? Tu darás a vitória ao povo de Israel? Mas naquele dia Deus não respondeu nada.
38 Então Saul disse aos oficiais: - Venham aqui e descubram que pecado foi cometido hoje.
39 Eu prometo pelo SENHOR, o Deus vivo, o Salvador de Israel, que, mesmo que o culpado seja o meu filho Jônatas, eu o matarei. Mas ninguém respondeu nada.
40 Então Saul ordenou: - Fiquem todos de um lado. Eu e o meu filho Jônatas ficaremos do outro. - Faça o que achar melhor! - responderam eles.
41 Então Saul disse ao SENHOR, o Deus de Israel: - Ó Deus, por que não me respondeste hoje? Ó SENHOR, Deus de Israel, responde por meio do sorteio. Se a culpa for minha ou de Jônatas, responde pela pedra marcada Urim; mas, se a culpa for de Israel, o teu povo, responde pela pedra marcada Tumim. E a resposta indicou Jônatas e Saul e não os soldados.
42 Então Saul disse: - Façam o sorteio para saber se a culpa é minha ou do meu filho Jônatas. E Jônatas foi indicado.
43 Então Saul perguntou: - O que foi que você fez? - Eu comi um pouco de mel que tirei com a ponta do bastão que eu tinha na mão! - respondeu Jônatas. - E estou aqui, pronto para morrer.
44 - Que Deus me mate se você não for morto! - disse Saul.
45 Mas os soldados responderam: - Isso, nunca! Jônatas, que deu esta grande vitória ao povo de Israel, não deve morrer. Nós prometemos pelo SENHOR, o Deus vivo, que ele não vai perder nem um fio de cabelo. O que ele fez hoje foi conseguido com a ajuda de Deus. E assim os soldados salvaram Jônatas da morte.
46 Saul parou de perseguir os filisteus, e eles voltaram para a sua terra.
47 Depois que se tornou o rei de Israel, Saul lutou contra todos os povos vizinhos que eram seus inimigos: os povos de Moabe, de Amom e de Edom, os reis de Zoba e os filisteus. E em toda parte em que lutava era vitorioso.
48 Saul lutou corajosamente e venceu os amalequitas. E defendeu o povo de Israel de todos os ataques.
49 Saul tinha três filhos homens: Jônatas, Isvi e Malquisua. A sua filha mais velha chamava-se Merabe, e a mais nova, Mical.
50 A sua mulher chamava-se Ainoã e era filha de Aimaás. O comandante do exército de Saul era o seu primo Abner, filho de seu tio Ner.
51 Quis, o pai de Saul, e Ner, o pai de Abner, eram filhos de Abiel.
52 Durante toda a sua vida Saul lutou ferozmente contra os filisteus. E, sempre que encontrava um homem forte e valente, ele o alistava no seu exército.

1 Samuel – Capítulo 16

1 O SENHOR Deus disse a Samuel: - Até quando você vai continuar a ter pena de Saul? Eu não quero mais que ele seja rei de Israel. Encha um chifre com azeite e leve com você. Depois vá a Belém, até a casa de um homem chamado Jessé, pois eu escolhi um dos filhos dele para ser rei.
2 - Como posso fazer isso? - respondeu Samuel. - Se Saul souber disso, ele me mata! O SENHOR Deus respondeu: - Leve um bezerro e diga que você foi lá para oferecer um sacrifício ao SENHOR.
3 Convide Jessé para o sacrifício, e depois eu lhe digo o que fazer. Você ungirá como rei aquele que eu indicar.
4 Samuel fez o que o SENHOR Deus havia mandado e foi a Belém. Quando chegou lá, os líderes da cidade foram tremendo encontrá-lo e perguntaram: - A sua visita é de paz?
5 - Sim! - respondeu ele. - Eu vim oferecer um sacrifício a Deus. Purifiquem-se e venham comigo. Ele mandou que Jessé e os seus filhos se purificassem e os convidou para o sacrifício.
6 Quando eles chegaram, Samuel viu Eliabe, um dos filhos de Jessé, e pensou: - Este homem que está aqui na presença de Deus, o SENHOR, certamente é aquele que o SENHOR escolheu.
7 Mas o SENHOR disse: - Não se impressione com a aparência nem com a altura deste homem. Eu o rejeitei porque não julgo como as pessoas julgam. Elas olham para a aparência, mas eu vejo o coração.
8 Então Jessé chamou o seu filho Abinadabe e o levou a Samuel. Mas Samuel disse: - Este também não foi escolhido pelo SENHOR.
9 Aí Jessé trouxe o seu filho Siméia. E Samuel disse: - O SENHOR Deus também não escolheu este.
10 Assim Jessé apresentou a Samuel sete dos seus filhos. E Samuel disse: - O SENHOR Deus não escolheu nenhum destes.
11 E perguntou a Jessé: - Você não tem mais nenhum filho? Jessé respondeu: - Tenho mais um, o caçula, mas ele está fora, tomando conta das ovelhas. - Então mande chamá-lo! - disse Samuel. - Nós não vamos oferecer o sacrifício enquanto ele não vier.
12 Aí Jessé mandou buscá-lo. Era um belo rapaz, saudável e de olhos brilhantes. E o SENHOR disse a Samuel: - É este mesmo. Unja-o.
13 Samuel pegou o chifre cheio de azeite e ungiu Davi na frente dos seus irmãos. E o Espírito do SENHOR dominou Davi e daquele dia em diante ficou com ele. E Samuel voltou para Ramá.
14 O Espírito do SENHOR saiu de Saul, e um espírito mau, mandado por Deus, começou a atormentá-lo.
15 Então os empregados de Saul lhe disseram: - Sabemos que um espírito mau mandado por Deus está atormentando o senhor.
16 Mande, e nós iremos procurar um homem que saiba tocar lira. Assim, quando o espírito mau vier sobre o senhor, o homem tocará a lira, e o senhor ficará bom de novo.
17 E Saul ordenou: - Procurem um homem que toque bem lira e o tragam aqui.
18 Um dos empregados respondeu: - Jessé, da cidade de Belém, tem um filho que é bom músico. Ele também é valente, bom soldado, fala bem, tem boa aparência, e o SENHOR Deus está com ele.
19 Aí Saul enviou mensageiros com este recado para Jessé: - Mande-me o seu filho Davi, aquele que toma conta das ovelhas.
20 Então Jessé mandou Davi a Saul, e Davi levou de presente um odre cheio de vinho, um cabrito e um jumento carregado de pão.
21 Davi foi e ficou trabalhando para Saul. Este gostou muito de Davi e o escolheu para carregar as suas armas.
22 E mandou a seguinte mensagem a Jessé: - Eu gostei de Davi. Deixe que ele fique aqui a meu serviço.
23 Daí em diante, toda vez que o espírito mau mandado por Deus vinha sobre Saul, Davi pegava a sua lira e tocava. O espírito mau saía de Saul, e ele se sentia melhor e ficava bom novamente.

1 Samuel – Capítulo 17

1 Os filisteus se reuniram para lutar em Socó, uma cidade de Judá. Acamparam num lugar chamado "Fronteira Sangrenta", entre Socó e Azeca.
2 Saul e os israelitas se juntaram, acamparam no vale do Carvalho e se prepararam para lutar contra os filisteus.
3 Os filisteus pararam no monte que ficava de um lado do vale, e os israelitas ficaram no monte do outro lado.
4 Um homem chamado Golias, da cidade de Gate, saiu do acampamento filisteu para desafiar os israelitas. Ele tinha quase três metros de altura
5 e usava um capacete de bronze e uma armadura também de bronze, que pesava uns sessenta quilos.
6 As pernas estavam protegidas por caneleiras de bronze, e ele carregava nos ombros um dardo, também de bronze.
7 A lança dele era enorme, muito grossa e pesada; a ponta era de ferro e pesava mais ou menos sete quilos. Na frente dele ia um soldado carregando o seu escudo.
8 Golias veio, parou e gritou para os israelitas: - Por que é que vocês estão aí, em posição de combate? Eu sou filisteu, e vocês são escravos de Saul! Escolham um dos seus homens para lutar comigo.
9 Se ele vencer e me matar, nós seremos escravos de vocês; mas, se eu vencer e matá-lo, vocês serão nossos escravos.
10 Eu desafio agora o exército israelita. Mandem alguém para lutar comigo!
11 Quando Saul e os seus soldados ouviram isso, ficaram apavorados.
12 Davi era filho de Jessé, do povoado de Efrata, que ficava perto de Belém de Judá. Jessé tinha oito filhos. No tempo em que Saul era rei, Jessé já estava bem idoso.
13 Os seus três filhos mais velhos tinham ido com Saul para a guerra. O primeiro se chamava Eliabe, o segundo, Abinadabe, e o terceiro, Siméia.
14 Davi era o filho mais novo. Enquanto os seus três irmãos mais velhos ficavam com Saul,
15 Davi ia ao acampamento de Saul e voltava a Belém para tomar conta das ovelhas do seu pai.
16 Durante quarenta dias Golias desafiou os israelitas todas as manhãs e todas as tardes.
17 Um dia Jessé disse a Davi: - Pegue dez quilos de trigo torrado e estes dez pães e vá depressa levar para os seus irmãos no acampamento.
18 Leve também estes dez queijos ao comandante. Veja como os seus irmãos estão passando e traga uma prova de que você os viu e de que eles estão bem.
19 Os seus irmãos, o rei Saul e todos os outros soldados israelitas estão no vale do Carvalho, lutando contra os filisteus.
20 Na manhã seguinte Davi se levantou cedo, deixou alguém encarregado das ovelhas, pegou os mantimentos e foi, como Jessé havia mandado. Ele chegou ao acampamento justamente na hora em que os israelitas, soltando o seu grito de guerra, estavam saindo a fim de se alinhar para a batalha.
21 O exército dos filisteus e o exército dos israelitas tomaram posição de combate, um de frente para o outro.
22 Davi deixou as coisas com o oficial encarregado da bagagem e correu para a frente de batalha. Chegou perto dos seus irmãos e perguntou se estavam bem.
23 Enquanto Davi estava falando com eles, Golias avançou e desafiou os israelitas, como já havia feito antes. E Davi escutou.
24 Quando os israelitas viram Golias, fugiram apavorados.
25 Eles diziam: - Olhem para ele! Escutem o seu desafio! Quem matar esse filisteu receberá uma grande recompensa: o rei lhe dará muitas riquezas, lhe dará sua filha em casamento, e a família do seu pai nunca mais vai ter de pagar nenhum imposto.
26 Então Davi perguntou aos soldados que estavam perto dele: - O que ganhará o homem que matar esse filisteu e livrar Israel desta vergonha? Afinal de contas, quem é esse filisteu pagão para desafiar o exército do Deus vivo?
27 Aí eles lhe contaram o que ganharia quem matasse Golias.
28 Eliabe, o irmão mais velho de Davi, ouviu-o conversando com os soldados. Então ficou zangado e disse: - O que é que você está fazendo aqui? Quem é que está tomando conta das suas ovelhas no deserto? Seu convencido! Você veio aqui só para ver a batalha!
29 - O que foi que eu fiz agora? - perguntou Davi. - Será que não posso nem fazer uma pergunta?
30 Então Davi fez a mesma pergunta a outro soldado. E ouviu a mesma resposta.
31 Alguns soldados ouviram o que Davi tinha dito e contaram a Saul. Então ele mandou chamar Davi.
32 Davi chegou e disse a Saul: - Meu senhor, ninguém deve ficar com medo desse filisteu! Eu vou lutar contra ele.
33 Mas Saul respondeu: - Você não pode lutar contra esse filisteu. Você não passa de um rapazinho, e ele tem sido soldado a vida inteira!
34 - Meu senhor, - disse Davi - eu tomo conta das ovelhas do meu pai. Quando um leão ou um urso carrega uma ovelha,
35 eu vou atrás dele, ataco e tomo a ovelha. Se o leão ou o urso me ataca, eu o agarro pelo pescoço e o golpeio até matá-lo.
36 Tenho matado leões e ursos e vou fazer o mesmo com esse filisteu pagão, que desafiou o exército do Deus vivo.
37 O SENHOR Deus me salvou dos leões e dos ursos e me salvará também desse filisteu. - Pois bem! - respondeu Saul. - Vá, e que o SENHOR Deus esteja com você!
38 Então deu a sua própria armadura para Davi usar. Pôs um capacete de bronze na cabeça dele e lhe deu uma couraça para vestir.
39 Davi prendeu a espada de Saul num cinto sobre a armadura e tentou andar. Mas não conseguiu porque não estava acostumado a usar essas coisas. Aí disse a Saul: - Não consigo andar com tudo isto, pois não estou acostumado. Então Davi tirou tudo.
40 Pegou o seu bastão, escolheu cinco pedras lisas no ribeirão e pôs na sua sacola. Pegou também a sua funda e saiu para enfrentar Golias.
41 Golias, o filisteu, começou a caminhar na direção de Davi. O ajudante que carregava as suas armas ia na frente. Quando chegou perto de Davi,
42 Golias olhou bem para ele e começou a caçoar porque Davi não passava de um rapaz bonito e de boa aparência.
43 Aí disse a Davi: - Para que é esse bastão? Você pensa que eu sou algum cachorro? Em seguida rogou a maldição dos seus deuses sobre Davi
44 e o desafiou, dizendo: - Venha, que eu darei o seu corpo para as aves e os animais comerem.
45 Davi respondeu: - Você vem contra mim com espada, lança e dardo. Mas eu vou contra você em nome do SENHOR Todo-Poderoso, o Deus dos exércitos israelitas, que você desafiou.
46 Hoje mesmo o SENHOR Deus entregará você nas minhas mãos; eu o vencerei e cortarei a sua cabeça. E darei os corpos dos soldados filisteus para as aves e os animais comerem. Então o mundo inteiro saberá que o povo de Israel tem um Deus,
47 e todos aqui verão que ele não precisa de espadas ou de lanças para salvar o seu povo. Ele é vitorioso na batalha e entregará todos vocês nas nossas mãos.
48 Então Golias começou novamente a caminhar na direção de Davi, e Davi correu rápido na direção da linha de batalha dos filisteus, para lutar contra ele.
49 Enfiou a mão na sua sacola, pegou uma pedra e com a funda a atirou em Golias. A pedra entrou na testa de Golias, e ele caiu de cara no chão.
50 Então Davi correu, ficou de pé sobre Golias, tirou a espada dele da bainha e o matou, cortando com ela a cabeça dele. E assim Davi venceu Golias e o matou apenas com uma pedra. Quando os filisteus viram que o seu herói estava morto, fugiram.
52 Aí os soldados de Israel e de Judá correram atrás deles, gritando, e os perseguiram até a cidade de Gate e até os portões de Ecrom. Os filisteus caíram feridos pela estrada de Saaraim, até Gate e Ecrom.
53 Os israelitas voltaram da perseguição aos filisteus e levaram as coisas do acampamento deles.
54 Davi pegou a cabeça de Golias e a levou para Jerusalém. Porém as armas de Golias ele guardou na sua própria barraca.
55 Quando Saul viu Davi saindo para lutar com Golias, perguntou a Abner, o comandante do seu exército: - Abner, quem é aquele rapaz? - Meu senhor, juro pela sua vida que não sei! - respondeu Abner.
56 - Então vá e procure saber! - disse Saul.
57 Assim, quando Davi voltou para o acampamento, depois de matar Golias, Abner o levou a Saul. Davi ainda estava carregando a cabeça de Golias.
58 Saul perguntou: - Rapaz, quem é você? - Sou filho do seu criado Jessé, da cidade de Belém! - respondeu Davi.

1 Samuel – Capítulo 18

1 Saul e Davi terminaram a sua conversa. Jônatas, filho de Saul, começou a sentir uma profunda amizade por Davi e veio a amá-lo como a si mesmo.
2 Daquele dia em diante Saul levou Davi para a sua casa e não deixou que voltasse para a casa do seu pai.
3 Jônatas e Davi fizeram um juramento de amizade, pois Jônatas tinha grande amor por Davi.
4 Ele tirou a capa que estava usando e a deu a Davi. Deu também a sua túnica militar, a espada, o arco e o cinto.
5 Davi saiu-se bem em todos os lugares aonde Saul o enviou. Então Saul o promoveu a comandante do seu exército. E isso agradou a todo o exército, inclusive aos outros oficiais.
6 Quando os soldados estavam voltando para casa depois de Davi ter matado Golias, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram para encontrar o rei Saul. Elas cantavam canções alegres, dançavam e tocavam pandeiro e lira.
7 Alegravam-se e cantavam assim: "Saul matou mil; Davi matou dez mil!"
8 E Saul não gostou disso. Ficou muito zangado e disse: - Para mim as mulheres deram mil, mas para Davi deram dez mil. A única coisa que está faltando agora é ele ser rei!
9 E desse dia em diante Saul começou a ter ciúme de Davi e a desconfiar dele.
10 No dia seguinte, um espírito mau mandado por Deus dominou Saul, e ele começou a agir como louco dentro de casa. Davi estava tocando lira, como fazia todos os dias, e Saul estava segurando uma lança.
11 Então Saul pensou assim: - Vou espetar Davi na parede. E atirou a lança contra ele, duas vezes. Porém nas duas vezes Davi se desviou.
12 O SENHOR estava com Davi e havia abandonado Saul; por isso, Saul tinha medo de Davi.
13 Então Saul o afastou de si, pondo-o como oficial comandante de mil homens. Davi comandava os seus soldados na batalha,
14 e tudo o que fazia dava certo, pois o SENHOR estava com ele.
15 Saul viu o sucesso de Davi e ficou ainda com mais medo dele.
16 Mas em Israel e em Judá todos amavam Davi porque ele era um líder corajoso.
17 Então Saul disse a Davi: - Aqui está Merabe, a minha filha mais velha. Eu a darei em casamento a você, com a condição de que você me sirva como soldado valente e fiel e lute nas batalhas de Deus, o SENHOR. Saul pensava que desta maneira os filisteus matariam Davi e assim não teria ele mesmo de fazer isso.
18 Davi respondeu: - Quem sou eu, e quem é a minha família em Israel para que eu seja genro do rei?
19 Mas, quando chegou a época de Merabe ser dada em casamento a Davi, ela foi dada a um homem chamado Adriel, da cidade de Meolá.
20 Porém Mical, a outra filha de Saul, apaixonou-se por Davi. E, quando Saul soube disso, ficou contente.
21 Ele pensou: - Vou dar Mical em casamento a Davi, e ela servirá como uma armadilha para que ele seja morto pelos filisteus. Então, pela segunda vez, Saul disse a Davi: - Você será meu genro.
22 Ele mandou que os seus oficiais conversassem em particular com Davi e dissessem a ele: - O rei e todos os oficiais gostam de você. Esta é uma boa ocasião para você casar com a filha dele.
23 Então eles falaram com Davi, e ele respondeu: - Ser genro do rei é uma honra grande demais para uma pessoa pobre e sem valor como eu.
24 Os oficiais contaram a Saul o que Davi tinha dito,
25 e ele ordenou que dissessem o seguinte a Davi: - Tudo o que o rei quer de você em pagamento pela noiva são os prepúcios de cem filisteus mortos, como vingança contra os inimigos dele. Saul tinha planejado isso porque assim Davi seria morto pelos filisteus.
26 Os oficiais contaram a Davi o que Saul tinha dito, e ele ficou entusiasmado com a idéia de ser genro do rei. Antes do dia marcado para o casamento,
27 Davi e os seus soldados foram e mataram duzentos filisteus. Aí Davi levou ao rei os prepúcios dos filisteus mortos e os contou na presença dele, para que assim se tornasse seu genro. Então Saul deu a sua filha Mical em casamento a Davi.
28 Saul viu e reconheceu que o SENHOR estava com Davi e que a sua filha Mical o amava.
29 Por isso, ficou com mais medo ainda de Davi e pelo resto da sua vida foi seu inimigo.
30 Todas as vezes que os exércitos filisteus saíam para lutar, Davi conseguia mais vitórias do que todos os outros oficiais de Saul e assim ficou muito famoso.

1 Samuel – Capítulo 19

1 Saul contou ao seu filho Jônatas e a todos os seus oficiais que ele planejava matar Davi. Mas Jônatas era muito amigo de Davi
2 e por isso lhe disse: -O meu pai está planejando matar você. Amanhã cedo, tenha cuidado. Esconda-se em algum lugar secreto e fique lá.
3 Eu vou esperar pelo meu pai no campo em que você estiver escondido e vou falar com ele a seu respeito. Se descobrir alguma coisa, eu aviso você.
4 Então Jônatas elogiou Davi para Saul e disse: - Meu pai, não faça nenhum mal ao seu servidor Davi, pois ele nunca lhe fez nenhum mal. Pelo contrário, tudo o que ele tem feito tem ajudado bastante o senhor.
5 Ele arriscou a própria vida quando matou Golias, e por meio dele o SENHOR Deus conquistou uma grande vitória para Israel. O senhor mesmo viu isso e ficou contente. Então, por que o senhor, meu pai, faria mal a um homem inocente, matando Davi sem nenhuma razão?
6 Saul atendeu o pedido de Jônatas e jurou em nome do SENHOR, o Deus vivo, que Davi não seria morto.
7 Então Jônatas chamou Davi e lhe contou tudo. Aí o levou a Saul, e Davi continuou a servir o rei como antes.
8 E novamente houve guerra contra os filisteus. Davi os atacou e derrotou tão completamente, que eles fugiram.
9 Um dia um espírito mau mandado pelo SENHOR dominou Saul. Ele estava sentado em casa, com a lança na mão, e Davi estava ali tocando lira.
10 Saul tentou espetar Davi na parede com a sua lança, mas ele se desviou, e a lança ficou fincada na parede. Então Davi correu e escapou.
11 Naquela mesma noite Saul mandou alguns homens vigiarem a casa de Davi, para o matarem na manhã seguinte. Mical, a mulher de Davi, o avisou: - Se você não fugir esta noite, amanhã estará morto.
12 Aí ela desceu Davi por uma janela, e ele correu e escapou.
13 Então Mical pegou o ídolo protetor do lar e o deitou na cama. Pôs uma almofada feita de pêlo de cabra na cabeça dele e o cobriu.
14 Quando os homens de Saul foram pegar Davi, Mical disse que ele estava doente.
15 Mas Saul mandou que voltassem lá e que eles mesmos vissem Davi. - Tragam Davi aqui na sua cama, e eu o matarei! - disse Saul.
16 Eles entraram e acharam o ídolo do lar na cama e a almofada de pêlo de cabra na cabeça dele.
17 Então Saul perguntou a Mical: - Por que você me enganou assim e deixou o meu inimigo escapar? Ela respondeu: - Ele disse que me mataria se eu não o ajudasse a fugir.
18 Davi escapou, foi para Ramá e contou a Samuel tudo o que Saul tinha feito contra ele. Depois ele e Samuel foram para a casa dos profetas e ficaram lá.
19 Saul ficou sabendo que Davi estava na casa dos profetas, em Ramá,
20 e mandou alguns homens lá para prendê-lo. Quando eles chegaram, viram um grupo de profetas profetizando, e Samuel era o líder. Então o Espírito de Deus dominou os homens de Saul, e eles também começaram a profetizar.
21 Quando Saul soube disso, mandou mais mensageiros, e eles também começaram a profetizar. Então mandou mensageiros pela terceira vez, e aconteceu a mesma coisa.
22 Aí o próprio Saul foi a Ramá. Quando chegou a um poço grande na cidade de Seco, perguntou onde estavam Samuel e Davi, e lhe disseram que eles estavam na casa dos profetas.
23 Enquanto Saul estava indo para lá, o Espírito de Deus o dominou também, e ele foi profetizando por todo o caminho, até chegar à casa dos profetas.
24 Lá, tirou a roupa e profetizou na presença de Samuel. E ficou deitado no chão, nu, o dia inteiro e a noite inteira. E foi assim que surgiu o seguinte ditado: "Será que Saul também virou profeta?"

1 Samuel – Capítulo 20

1 Então Davi fugiu da casa dos profetas, em Ramá, foi até o lugar onde Jônatas estava e disse: - O que foi que eu fiz? Qual foi o meu crime? Que mal fiz eu ao seu pai, para ele querer me matar?
2 Jônatas respondeu: - Que Deus não permita que você morra! O meu pai me conta tudo o que faz, seja importante ou não. Ele não esconderia isso de mim. Isso não é bem assim!
3 Mas Davi respondeu: - O seu pai sabe muito bem o quanto você gosta de mim. Por isso, resolveu não deixar que você fique sabendo dos planos dele, para você não sofrer muito. Eu juro pela sua vida e pela vida de Deus, o SENHOR, que estou bem perto da morte!
4 - O que você quer que eu faça? - perguntou Jônatas.
5 Davi respondeu: - Amanhã é a Festa da Lua Nova, e eu deveria ir sem falta ao jantar do rei. Mas, se você deixar, eu irei me esconder no campo até depois de amanhã à noite.
6 Se o seu pai notar que eu não estou à mesa, diga que eu pedi a você para me deixar ir com urgência a Belém, pois está na época de toda a minha família oferecer lá o sacrifício anual.
7 Se ele disser: "Está bem", eu estarei salvo. Mas, se ele ficar com raiva, então você ficará sabendo que ele está com más intenções.
8 Peço que você me faça este favor e cumpra assim a promessa sagrada que me fez. Porém, se eu sou culpado, mate-me você mesmo! Por que deixar o seu pai fazer isso?
9 - Nem pense numa coisa dessas! - respondeu Jônatas. - Se eu soubesse que o meu pai estava mesmo resolvido a acabar com você, acha que eu não o avisaria?
10 Então Davi perguntou: - E, se o seu pai responder com raiva, quem vai me avisar?
11 Jônatas respondeu: - Venha comigo, vamos até o campo. Eles foram,
12 e Jônatas disse a Davi: - Que o SENHOR, o Deus de Israel, seja nossa testemunha. Amanhã e depois de amanhã, a esta hora, eu vou fazer algumas perguntas ao meu pai. Se a intenção dele para com você for boa, eu lhe mandarei dizer.
13 Mas, se ele tiver a intenção de fazer alguma coisa contra você, que o SENHOR Deus me mate se eu não enviar uma mensagem a você e não deixá-lo ir embora são e salvo! Que o SENHOR esteja com você, assim como esteve com o meu pai!
14 E agora, se eu continuar vivo, cumpra a sua promessa sagrada e seja fiel a mim. Mas, se eu morrer,
15 trate sempre a minha família com bondade. E, quando o SENHOR destruir completamente todos os nossos inimigos,
16 que nós não quebremos a promessa que fizemos um ao outro. Se você a quebrar, Deus o castigará.
17 Novamente Jônatas fez um juramento de amizade a Davi, pois ele amava Davi como a si mesmo.
18 E disse a Davi: - Amanhã é a Festa da Lua Nova, e, se você não estiver lá, a sua falta será notada.
19 Depois de amanhã a sua falta será notada ainda mais. Assim vá para o lugar onde você se escondeu da outra vez e fique atrás do monte de pedras que há ali.
20 Então eu atirarei três flechas, como se o monte de pedras fosse um alvo.
21 Aí direi ao meu empregado para ir buscá-las. Se eu disser a ele: "Olhe, as flechas estão para cá de você, pegue-as" - isso quer dizer que tudo está bem, e você pode sair. Eu juro por Deus, o SENHOR, que nesse caso você não estará em perigo.
22 Mas, se disser a ele: "As flechas estão mais para lá de você" - então fuja, pois o SENHOR estará mandando que você vá.
23 Quanto à promessa que fizemos um ao outro, o SENHOR Deus nos ajudará a cumpri-la para sempre.
24 Então Davi se escondeu no campo. O rei Saul chegou para a Festa da Lua Nova
25 e sentou-se para comer no lugar de costume, perto da parede. Abner sentou-se ao lado de Saul, e Jônatas, na sua frente. Mas o lugar de Davi ficou vazio.
26 Naquele dia Saul não disse nada porque pensou: "Deve ter acontecido alguma coisa com ele, e de certo ele não passou pela cerimônia de purificação."
27 No dia seguinte, o segundo dia da Festa da Lua Nova, o lugar de Davi continuava desocupado. Aí Saul perguntou a Jônatas: - Por que Davi não veio comer nem ontem nem hoje?
28 Jônatas respondeu: - Ele me pediu licença para ir a Belém.
29 Ele me disse: "Deixe-me ir a Belém porque a minha família está lá fazendo a festa do sacrifício, e o meu irmão mandou que eu também fosse. Se você é meu amigo, deixe que eu vá ver os meus parentes." E Jônatas continuou: - É por isso que ele não está no seu lugar, à mesa.
30 Então Saul ficou muito zangado com Jônatas e disse: - Seu filho de uma mulher à-toa! Agora eu sei que você passou para o lado de Davi, trazendo desonra para você e para a sua mãe!
31 Enquanto Davi for vivo, você não será rei deste país. Vá agora e traga-o aqui porque é preciso que ele morra!
32 - Por que é que ele deve morrer? - perguntou Jônatas. - O que foi que ele fez?
33 Então Saul atirou a sua lança contra Jônatas para matá-lo. E assim Jônatas compreendeu que o seu pai estava mesmo resolvido a matar Davi.
34 Jônatas levantou-se furioso da mesa e não comeu nada naquele dia, o segundo dia da Festa da Lua Nova. Ele estava muito sentido porque Saul tinha insultado Davi.
35 Na manhã seguinte ele foi ao campo a fim de encontrar Davi, como tinham combinado. Levou consigo um rapazinho
36 e disse: - Corra e vá buscar as flechas que eu atirar. O rapaz correu, e Jônatas atirou uma flecha que passou além dele.
37 Quando o rapaz chegou ao lugar onde a flecha tinha caído, Jônatas gritou: - A flecha caiu mais para lá de você!
38 Não fique aí parado! Ande logo! O rapaz pegou as flechas e voltou para perto do seu patrão,
39 não sabendo o que queria dizer tudo aquilo - somente Jônatas e Davi sabiam.
40 Aí Jônatas entregou as suas armas ao rapaz e mandou que as levasse de volta para a cidade.
41 Depois que o rapaz foi embora, Davi saiu de trás do monte de pedras, jogou-se no chão e encostou o rosto na terra três vezes. Então eles se beijaram chorando. E a tristeza de Davi era maior do que a de Jônatas.
42 Aí Jônatas disse a Davi: - Deus esteja com você! O SENHOR Deus fará com que você, e eu, e os seus descendentes, e os meus cumpramos sempre a promessa sagrada que nós fizemos um ao outro. Então Davi partiu, e Jônatas voltou para a cidade.

1 Samuel – Capítulo 23

1 Davi soube que os filisteus estavam atacando a cidade de Queila e roubando o trigo que havia sido colhido há pouco.
2 Então perguntou a Deus, o SENHOR: - Devo ir e atacar os filisteus? - Sim! - respondeu o SENHOR. - Ataque-os e salve a cidade de Queila.
3 Mas os homens de Davi disseram: - Nós já estamos com medo de ficar aqui em Judá. Quanto mais de ir a Queila para atacar o exército dos filisteus!
4 Então Davi consultou novamente a Deus, o SENHOR, e ele respondeu: - Vá a Queila e ataque porque eu lhe darei a vitória sobre os filisteus.
5 Então Davi e os seus homens foram a Queila e atacaram os filisteus. Mataram muitos deles e tomaram os seus rebanhos. E assim Davi salvou os moradores de Queila.
6 Na ocasião em que Abiatar, filho de Aimeleque, escapou e foi se juntar a Davi em Queila, ele levou o manto sacerdotal.
7 Quando Saul foi avisado de que Davi tinha ido para Queila, disse: - Deus entregou Davi nas minhas mãos. Ele foi para uma cidade cercada de muralhas, com portões reforçados, e assim caiu numa armadilha.
8 Então Saul chamou todos os soldados para a batalha a fim de marchar contra Queila e cercar Davi e os seus homens.
9 Quando Davi soube que Saul estava planejando atacá-lo, disse ao sacerdote Abiatar: - Traga aqui o manto sacerdotal para que possamos consultar a Deus.
10 Então Davi disse: - Ó SENHOR, Deus de Israel, eu, o teu servo Davi, soube que Saul está planejando vir a Queila para destruí-la por minha causa.
11 Será que os moradores de Queila vão me entregar nas mãos de Saul? Será que Saul virá mesmo, como ouvi dizer? Ó SENHOR, Deus de Israel, peço-te que me respondas! - Saul virá! - respondeu o SENHOR.
12 - E será que os moradores de Queila vão entregar a mim e também os meus homens a Saul? - perguntou Davi. - Sim, vão! - respondeu o SENHOR.
13 Então Davi e os seus homens - mais ou menos seiscentos - saíram imediatamente de Queila e seguiram sem rumo certo. Quando Saul ficou sabendo que Davi tinha fugido de Queila, abandonou o seu plano.
14 Davi se escondeu nas fortalezas da região deserta e montanhosa que fica perto de Zife. Saul continuava a procurá-lo todos os dias, mas Deus não entregou Davi a ele.
15 E Davi estava com medo porque Saul tinha saído para matá-lo. Davi passou a viver em Horesa, no deserto que fica perto de Zife.
16 Jônatas foi encontrar-se com ele ali e lhe deu coragem para confiar na proteção de Deus.
17 Jônatas disse: - Não tenha medo. Saul, o meu pai, não conseguirá causar-lhe nenhum mal. Você será o rei de Israel, e eu ocuparei o segundo lugar no seu governo. E o meu pai sabe muito bem disso.
18 E ali, na presença de Deus, o SENHOR, os dois renovaram a sua promessa de amizade. Davi ficou em Horesa, e Jônatas voltou para casa.
19 Algumas pessoas de Zife foram a Gibeá e disseram a Saul: - Davi está escondido na nossa terra, em Horesa, no monte Haquila, ao sul de Jesimom.
20 Nós sabemos que o senhor quer muito prendê-lo. Venha com a gente, que nós lhe entregaremos Davi.
21 Saul respondeu: - Que o SENHOR abençoe vocês por serem tão bondosos comigo!
22 Vão e se informem novamente. Descubram com certeza onde Davi está e quem o viu ali. Dizem que ele é muito esperto.
23 Descubram exatamente os lugares onde ele se esconde e voltem aqui sem falta. Então irei com vocês e, se ele estiver lá, eu o pegarei ainda que tenha de procurar em toda a terra de Judá.
24 Então eles voltaram para Zife, adiante de Saul. Davi e os seus homens estavam no deserto de Maom, num vale seco ao sul de Jesimom.
25 Saul e os seus soldados foram procurar Davi. Mas Davi ficou sabendo e foi para uma passagem nas rochas do deserto de Maom e ficou ali. Quando Saul soube disso, foi atrás de Davi.
26 Saul e os seus soldados estavam de um lado do monte, e Davi e os seus, do outro. Estes fugiram depressa para escapar de Saul e dos seus soldados, que os estavam cercando para prendê-los.
27 Mas justamente nesse momento um mensageiro chegou e disse a Saul: - Volte imediatamente! Os filisteus estão invadindo o país!
28 Então Saul parou de perseguir Davi e foi lutar contra os filisteus. É por isso que aquele lugar é chamado de "Rocha da Separação".
29 Davi saiu e foi para os lugares protegidos da região da fonte de Gedi.

1 Samuel – Capítulo 24

1 Quando Saul voltou da luta contra os filisteus, soube que Davi estava na região deserta que fica perto da fonte de Gedi.
2 Então escolheu três mil dos melhores soldados de Israel e foi com eles procurar Davi e os seus homens a leste das Rochas dos Cabritos Selvagens.
3 Saul chegou a uma caverna junto de alguns currais de ovelhas, perto da estrada, e entrou ali para satisfazer as suas necessidades. Aconteceu que Davi e os seus homens estavam escondidos mais no fundo da caverna.
4 Então eles disseram a Davi: - Esta é a sua oportunidade! O SENHOR Deus disse que lhe entregaria o seu inimigo e que você poderia fazer com ele o que quisesse. Então Davi se arrastou de mansinho até onde estava Saul e cortou um pedaço da capa dele, sem que ele percebesse.
5 Mas aí a consciência de Davi começou a doer porque ele havia cortado um pedaço da roupa de Saul.
6 Então disse aos seus homens: - O SENHOR Deus me livre de fazer algum mal ao meu senhor, que ele escolheu como rei! Eu não devo atacá-lo de jeito nenhum porque ele é o rei escolhido pelo SENHOR.
7 Assim Davi convenceu os seus homens de que eles não deviam atacar Saul. Então Saul levantou-se, saiu da caverna e seguiu o seu caminho.
8 Davi saiu atrás dele e gritou: - Rei Saul! Ele virou-se, e Davi, em sinal de respeito, se ajoelhou e encostou o rosto no chão.
9 Então disse: - Por que é que o senhor dá atenção às pessoas que dizem que eu quero prejudicá-lo?
10 O senhor pode ver por si mesmo que hoje na caverna o SENHOR Deus o entregou a mim. Alguns me disseram que o matasse, mas eu não quis fazer isso. E disse que não levantaria um dedo contra o senhor, pois o SENHOR o escolheu para ser rei.
11 Veja, meu pai, veja o pedaço da sua capa que está na minha mão! Eu cortei o pano, mas não matei o senhor. Isso prova que eu não penso em me revoltar contra o senhor, nem em fazer-lhe nenhum mal. Eu sabia muito bem que o senhor está procurando me matar, mas mesmo assim eu não o ataquei!
12 Que o SENHOR julgue qual de nós dois está errado! E que ele castigue o senhor pelo que fez contra mim, pois eu não vou atacá-lo de jeito nenhum!
13 Como diz o velho ditado: "O mal vem dos maus." Mas eu não lhe farei nenhum mal.
14 Vejam o que o rei de Israel está tentando matar! Vejam só o que ele está caçando: um cachorro morto, uma pulga!
15 O SENHOR Deus vai julgar e decidir qual de nós dois está errado. Que ele me julgue, me defenda e me livre do senhor!
16 Quando Davi acabou de falar, Saul disse: - É você mesmo, meu filho Davi? E Saul começou a chorar.
17 Então disse a Davi: - Você está certo, e eu estou errado. Você tem sido muito bom para mim enquanto que eu lhe tenho feito muito mal.
18 Hoje você mostrou o quanto é bom para mim, pois não me matou, embora o SENHOR me tivesse entregado a você.
19 Será que alguém, depois de pegar o seu inimigo, o deixa ir embora são e salvo? Que o SENHOR o abençoe pelo que você fez por mim hoje!
20 Agora estou certo de que você será rei de Israel e de que durante o seu governo o reino continuará firme.
21 Mas jure em nome do SENHOR que você não acabará com os meus descendentes, e assim o meu nome e o nome da minha família não serão esquecidos.
22 E Davi jurou. Então Saul foi para casa, e Davi e os seus homens voltaram para a fortaleza.

1 Samuel – Capítulo 25

1 Samuel morreu, e todos os israelitas se juntaram e choraram a morte dele. Então o sepultaram na sua casa, em Ramá. Depois disso Davi saiu e foi para o deserto de Parã.
2 Havia um descendente de Calebe, chamado Nabal, da cidade de Maom, que ganhava a vida na cidade de Carmelo. Ele era muito rico. Tinha três mil ovelhas e mil cabras. A sua mulher se chamava Abigail. Ela era bonita e inteligente, mas ele era mau e grosseiro. Nabal estava em Carmelo, cortando a lã das suas ovelhas.
3
4 Davi estava no deserto e soube disso.
5 Então enviou dez rapazes a Carmelo, com ordem de encontrarem Nabal e o cumprimentarem em nome dele.
6 Mandou que dissessem o seguinte: "Meu caro amigo, Davi lhe manda saudações, desejando tudo de bom para o senhor, a sua família e tudo o que é seu.
7 Ele soube que o senhor está cortando a lã das suas ovelhas e mandou lhe contar que os seus pastores estiveram com a gente, e nós não lhes fizemos nenhum mal. Durante o tempo em que estiveram em Carmelo, não roubamos nada do que era deles.
8 Pergunte, e eles lhe contarão. Davi pede para o senhor nos receber com amizade porque viemos aqui num dia de festa. Assim, por favor, dê o que puder a nós, os seus criados, e ao seu querido amigo Davi."
9 Os homens de Davi foram e deram o recado a Nabal, em nome de Davi. Então ficaram esperando,
10 e Nabal respondeu: - Davi? Filho de Jessé? Quem é ele? Nunca ouvi falar nele! Hoje em dia há muitos escravos que fogem dos seus donos!
11 O meu pão, a minha água e os animais que matei para dar aos meus empregados eu não darei a homens que eu nem sei de onde vieram!
12 Os homens de Davi voltaram e contaram o que Nabal tinha dito.
13 Então Davi disse: - Ponham as suas espadas nos cintos! E todos obedeceram. Davi também pegou a sua espada e saiu com mais ou menos quatrocentos dos seus homens enquanto duzentos ficaram atrás com a bagagem.
14 Um dos empregados de Nabal disse a Abigail, a mulher de Nabal: - A senhora soube? Davi enviou do deserto uns mensageiros com saudações para o nosso patrão, mas ele os tratou mal.
15 No entanto, eles têm sido muito bons para a gente: nunca nos incomodaram e, durante todo o tempo em que estivemos com eles nos campos, eles não roubaram nada que era nosso.
16 Eles nos protegeram dia e noite todo o tempo em que estivemos com eles tomando conta dos nossos rebanhos.
17 Pense nisso e resolva o que fazer. Isso poderá vir a ser um desastre para o nosso patrão e toda a sua família. Ele é tão mau, que ninguém pode falar com ele.
18 Então Abigail pegou depressa duzentos pães, dois odres cheios de vinho, cinco ovelhas assadas, uns dezessete quilos de trigo torrado, cem cachos de passas e duzentas pastas de figos secos e pôs tudo sobre jumentos.
19 Então disse aos empregados: - Vão na frente, que eu vou atrás. Porém não contou nada ao seu marido.
20 Abigail ia montada no seu jumento e, de repente, numa curva, na descida, encontrou Davi e os seus homens, que vinham na sua direção.
21 Davi tinha pensado assim: "De que me adiantou proteger a propriedade desse homem aqui no deserto? Nós não roubamos nada que era dele, e é assim que ele me paga a ajuda que lhe dei?
22 Que Deus me castigue se eu não matar até o último daqueles homens antes do amanhecer!"
23 Quando Abigail viu Davi, desmontou depressa, ajoelhou-se diante dele e encostou o rosto no chão,
24 aos seus pés, dizendo: - Por favor, senhor! Escute-me! Eu sou a culpada!
25 Por favor, não dê atenção a Nabal, pois ele não vale nada! Ele é exatamente o que seu nome quer dizer: um tolo! Eu mesma não vi os rapazes que o senhor mandou.
26 Foi o SENHOR Deus quem impediu que o senhor se vingasse e matasse os seus inimigos. Agora eu juro, pela sua vida e pela vida do SENHOR, que todos os seus inimigos e todos os que querem prejudicá-lo serão castigados como Nabal.
27 Senhor, faça o favor de aceitar este presente que eu lhe trouxe e o entregue aos seus homens.
28 Perdoe, por favor, qualquer coisa errada que eu tenha feito. O SENHOR Deus fará com que o senhor seja rei e também os seus descendentes, pois o senhor está combatendo o combate dele e o senhor não vai fazer nenhum mal enquanto viver.
29 Se alguém o atacar e tentar matá-lo, o SENHOR, seu Deus, o protegerá como um homem que guarda um tesouro precioso. Mas ele vai jogar longe os seus inimigos, como um homem que atira pedras com a sua funda.
30 O SENHOR Deus cumprirá todas as coisas boas que lhe prometeu e o fará rei de Israel.
31 E, quando isso acontecer, o senhor não terá motivo para se arrepender, ou sentir remorso por haver matado sem razão, ou por ter se vingado por si mesmo. E, quando o SENHOR Deus o abençoar, não esqueça de mim.
32 Davi respondeu: - Louvado seja o SENHOR, o Deus de Israel, que mandou você hoje para me encontrar!
33 Graças ao que você fez hoje e ao seu juízo, eu deixei de cometer um crime de morte e fui impedido de me vingar por mim mesmo.
34 Que o SENHOR Deus me livre de fazer algum mal a você! Eu juro pelo SENHOR, o Deus de Israel, o Deus vivo, que, se você não tivesse se apressado e não tivesse vindo me encontrar, amanhã cedo todos os homens de Nabal estariam mortos, até os meninos!
35 Então Davi aceitou o que ela havia trazido e disse: - Volte para casa e não se preocupe. Eu farei o que você quiser.
36 Abigail voltou para o seu marido Nabal, que estava em casa, festejando como um rei. Ele estava bêbado e alegre. Então ela não lhe contou nada. Na manhã seguinte,
37 quando ele não estava mais bêbado, ela lhe contou tudo. Aí ele teve um ataque e ficou completamente paralisado.
38 Uns dez dias depois, a ira de Deus feriu Nabal, e ele morreu.
39 Quando Davi soube que Nabal havia morrido, disse: - Louvem a Deus, o SENHOR! Ele me vingou de Nabal, que me insultou. E assim livrou este seu servo de fazer o mal. O SENHOR castigou Nabal por sua maldade. Então Davi mandou a Abigail uma proposta de casamento.
40 Os empregados dele foram até Carmelo e disseram: - Davi nos mandou buscá-la para que a senhora seja sua esposa.
41 Então Abigail ajoelhou-se, encostou o rosto no chão e disse: - Eu sou escrava de Davi e estou pronta para lavar os pés dos empregados dele.
42 Aí ela se levantou depressa e montou o seu jumento. E, acompanhada por suas cinco empregadas, partiu na companhia dos empregados de Davi e se tornou esposa dele.
43 Davi tinha casado com Ainoã, de Jezreel, e agora Abigail também se tornou sua esposa.
44 Nesse meio tempo Saul tinha dado a sua filha Mical, que tinha sido esposa de Davi, a Palti, filho de Laís, da cidade de Galim.

1 Samuel – Capítulo 26

1 Alguns moradores de Zife foram a Gibeá e contaram a Saul que Davi estava escondido no monte Haquila, em frente de Jesimom.
2 Então Saul partiu imediatamente para o deserto de Zife com três mil dos melhores soldados de Israel a fim de procurar Davi.
3 Eles acamparam no monte Haquila, em frente de Jesimom. Davi estava no deserto e ouviu dizer que Saul tinha vindo atrás dele.
4 Aí enviou alguns espiões e ficou sabendo que Saul, de fato, estava ali.
5 Imediatamente foi até lá e encontrou o lugar onde dormiam Saul e Abner, filho de Ner, comandante do seu exército. Saul dormia dentro do acampamento, e os seus soldados acampavam em volta dele.
6 Então Davi perguntou ao heteu Aimeleque e a Abisai, cuja mãe era Zeruia e cujo irmão era Joabe: - Quem de vocês vai comigo ao acampamento de Saul? - Eu vou! - respondeu Abisai.
7 Assim, naquela noite, Davi e Abisai entraram no acampamento de Saul. E o encontraram dormindo no centro do acampamento, com a sua lança fincada no chão, perto da sua cabeça. Abner e os soldados dormiam em volta de Saul.
8 Então Abisai disse a Davi: - Esta noite Deus colocou o seu inimigo nas suas mãos. Agora deixe que eu atravesse Saul com a lança dele e o espete no chão com um só golpe. Não precisarei dar dois golpes!
9 Mas Davi respondeu: - Não o mate, pois o SENHOR Deus castigará quem levantar a mão para matar o rei que ele escolheu.
10 Tão certo como o SENHOR Deus está vivo, assim ele mesmo matará Saul, seja quando chegar o seu dia de morrer, seja numa batalha!
11 O SENHOR me livre de levantar a mão contra quem ele escolheu como rei! Vamos pegar o jarro de água e a lança dele e vamos embora.
12 Então Davi pegou a lança e o jarro de água que estavam ao lado da cabeça de Saul e foi embora com Abisai. Ninguém os viu, nem soube o que havia acontecido. E ninguém acordou. Todos estavam dormindo profundamente porque o SENHOR tinha feito com que todos eles caíssem num sono profundo.
13 Aí Davi passou para o outro lado do vale, foi até o alto do monte, a uma boa distância deles,
14 e gritou para Abner e para os soldados de Saul: - Abner, você está me ouvindo? - Quem é que está gritando para o rei? - perguntou Abner.
15 Davi respondeu: - Você é homem ou não é? Você não é o melhor soldado de Israel? Então por que não protegeu o seu chefe, o rei? Agora mesmo alguém entrou no acampamento para matar o rei, o seu chefe.
16 Você falhou, Abner! Eu juro pelo SENHOR, o Deus vivo, que vocês todos morrerão, pois não protegeram o seu chefe, que o SENHOR Deus fez rei. Escutem! Onde está a lança do rei? Onde está o jarro de água que estava ao lado da cabeça dele?
17 Saul reconheceu a voz de Davi e perguntou: - Davi, é você, meu filho? - Sim, senhor! - respondeu Davi.
18 - Por que é que o senhor continua a perseguir este seu criado? O que foi que eu fiz? Qual foi o crime que cometi?
19 Ó rei, escute o que eu tenho a dizer. Se foi Deus que fez o senhor se virar contra mim, ele mudará de idéia se lhe for feita uma oferta. Mas, se foram certas pessoas que fizeram isso, que a maldição de Deus caia sobre elas! Pois me expulsaram da terra do SENHOR Deus para uma terra onde posso adorar somente deuses estrangeiros.
20 Não me deixe ser morto em terra estrangeira, longe do SENHOR Deus! Por que o rei de Israel viria aqui? Para procurar uma pulga como eu? Por que me caçaria como se eu fosse um pássaro selvagem?
21 Saul respondeu: - Eu errei. Volte, meu filho Davi! Nunca mais eu lhe farei nenhum mal, pois esta noite você respeitou a minha vida. Tenho sido um louco e cometi um grande erro!
22 Então Davi disse: - Aqui está a sua lança, senhor. Que um dos seus homens venha buscá-la!
23 O SENHOR Deus recompensa aqueles que são fiéis e corretos. Hoje ele colocou o senhor nas minhas mãos, mas eu não levantei a mão para matar aquele que Deus escolheu como rei.
24 Assim como eu hoje respeitei a sua vida, que o SENHOR faça o mesmo comigo e me livre de todas as dificuldades!
25 E Saul respondeu a Davi: - Deus o abençoe, meu filho! Tudo o que você fizer dará certo! Então Davi foi embora, e Saul voltou para casa.

1 Samuel – Capítulo 28

1 Algum tempo depois os filisteus reuniram as suas tropas para lutar contra Israel. Então Aquis disse a Davi: - Fique sabendo que você e os seus homens vão lutar ao meu lado.
2 - Claro que sim! - respondeu Davi. - Estou aqui para ajudar; você vai ver o que eu sou capaz de fazer. - Está bem! - disse Aquis. - Você vai ser o meu guarda pessoal por toda a vida.
3 Samuel havia morrido, e todos os israelitas haviam chorado a morte dele e o haviam sepultado na cidade de Ramá, onde ele tinha nascido. Saul tinha expulsado de Israel todos os médiuns e adivinhos.
4 Os soldados filisteus se reuniram e acamparam perto da cidade de Suném. Saul reuniu os israelitas e acampou no monte Gilboa.
5 Quando Saul viu o exército dos filisteus, ficou apavorado
6 e perguntou a Deus, o SENHOR, o que devia fazer. Mas o SENHOR não respondeu nem por sonhos, nem pelo Urim, nem através dos profetas.
7 Então Saul ordenou aos seus oficiais: - Procurem uma mulher que seja médium, e eu irei consultá-la. - Em Endor há uma médium! - responderam eles.
8 Então Saul se disfarçou, vestindo roupas diferentes. E, quando escureceu, foi com dois dos seus homens falar com a tal mulher. Ele disse: - Consulte para mim os espíritos e me diga o que vai acontecer. Eu vou dizer o nome de um homem, e você vai mandar subir o espírito dele.
9 A mulher respondeu: - Com certeza você sabe o que o rei Saul fez: ele expulsou de Israel os adivinhos e os médiuns. Então por que é que você está tentando me pegar numa armadilha para que eu seja morta?
10 Aí Saul jurou em nome de Deus, o SENHOR: - Pelo SENHOR, o Deus vivo, eu prometo que você não será castigada por fazer isso.
11 Então a mulher perguntou: - Quem é que você quer que eu faça subir? - Samuel! - respondeu ele.
12 Quando a mulher viu Samuel, deu um grito e disse a Saul: - Por que o senhor me enganou? O senhor é o rei Saul!
13 - Não tenha medo! - respondeu o rei. - O que é que você está vendo? - Estou vendo um espírito subindo da terra! - disse ela.
14 - Como é o jeito dele? - perguntou Saul. - É um velho que está subindo! - respondeu ela. - Ele está todo enrolado numa capa. Aí Saul entendeu que era Samuel: ajoelhou-se e encostou o rosto no chão, em sinal de respeito.
15 Então Samuel disse a Saul: - Por que é que você foi me incomodar? Por que me fez voltar? Saul respondeu: - É que estou numa grande dificuldade! Os filisteus estão em guerra contra mim, e Deus me abandonou. Ele não me responde mais nem por profetas nem por meio de sonhos. Foi por isso que chamei o senhor para me dizer o que devo fazer.
16 Samuel disse: - Por que é que você me chamou, agora que o SENHOR Deus o abandonou e se tornou seu inimigo?
17 O SENHOR fez com você o que ele, por meio de mim, prometeu que ia fazer: ele tirou o reino de você e o deu a outra pessoa, isto é, a Davi.
18 Você desobedeceu às ordens do SENHOR e não destruiu completamente os amalequitas e tudo o que eles tinham. É por isso que o SENHOR está fazendo isso com você agora.
19 Ele vai entregar você e o povo de Israel aos filisteus. Amanhã você e os seus filhos vão estar junto comigo. E o SENHOR também vai entregar o exército de Israel aos filisteus.
20 No mesmo instante Saul caiu no chão, de comprido, apavorado com o que Samuel tinha dito. Ele estava fraco porque não tinha comido nada todo aquele dia e toda aquela noite.
21 A mulher chegou perto dele e, vendo que ele estava apavorado, disse: - Eu arrisquei a minha vida fazendo o que o senhor me pediu.
22 Agora, por favor, faça o que estou pedindo: deixe que eu lhe traga um pouco de comida. Coma alguma coisa para ficar forte e poder viajar.
23 Saul recusou e disse que não ia comer nada. Mas os seus oficiais também insistiram para que comesse. Finalmente ele concordou. Levantou-se do chão e sentou-se na cama.
24 Então a mulher matou depressa um bezerro que estava sendo engordado. Pegou também um pouco de farinha de trigo, amassou e assou alguns pães sem fermento.
25 Aí colocou a comida diante de Saul e dos seus oficiais, e eles comeram. E naquela mesma noite foram embora.

1 Samuel – Capítulo 29

1 Os filisteus reuniram todas as suas tropas em Afeca. Enquanto isso, os israelitas acamparam perto da fonte que fica no vale de Jezreel.
2 Os cinco governadores filisteus marcharam para lá com as suas tropas divididas em grupos de cem e de mil soldados. Davi e os seus homens marchavam atrás com Aquis.
3 Então os comandantes filisteus perguntaram: - O que é que estes hebreus estão fazendo aqui? Aquis respondeu: - Este é Davi, um oficial de Saul, o rei de Israel. Ele está comigo já faz algum tempo, desde que se revoltou contra Saul. E, desde o dia em que chegou, não o vi fazer nada de errado.
4 Mas os comandantes filisteus ficaram muito zangados com Aquis e disseram: - Mande esse homem de volta para a cidade que você lhe deu. Não deixe que ele entre na batalha conosco; ele é capaz de virar contra nós durante a luta. Pois a melhor maneira de ele conseguir a boa vontade do seu patrão seria matar os nossos homens.
5 Além disso, este é Davi, a respeito de quem as mulheres cantavam enquanto dançavam: "Saul matou mil; Davi matou dez mil!"
6 Então Aquis chamou Davi e disse: - Juro pelo SENHOR, o Deus vivo, que você tem sido fiel a mim e eu ficaria muito contente se você lutasse ao meu lado nesta batalha. Não encontrei nada de errado em você, desde o dia em que chegou até hoje. Mas os outros governadores não gostam de você.
7 Portanto, volte para casa em paz e não faça nada que possa desagradar a esses governadores.
8 Davi respondeu: - O que foi que eu fiz de errado? Você não encontrou em mim nenhuma falta desde o dia em que comecei a trabalhar para você. Então por que não posso ir com você, que é o meu patrão e o meu rei, para lutar contra os seus inimigos?
9 Aquis respondeu: - Eu sei disso e o considero tão fiel quanto um anjo de Deus. Mas os comandantes disseram que você não pode ir lutar conosco.
10 Portanto, amanhã de manhã, você e os outros que abandonaram Saul e passaram para o meu lado, levantem-se bem cedo e vão embora logo que amanhecer.
11 Assim, no dia seguinte, Davi e os seus homens se levantaram de madrugada a fim de voltar para a Filistéia. E os filisteus subiram para Jezreel.

1 Samuel – Capítulo 31

1 Os filisteus lutaram contra os israelitas no monte Gilboa. Muitos israelitas foram mortos ali, e o resto fugiu.
2 Os filisteus cercaram Saul e os seus filhos e mataram Jônatas, Abinadabe e Malquisua, os filhos de Saul.
3 A luta estava feroz em volta de Saul. Ele foi atingido por flechas inimigas e ficou muito ferido.
4 Então disse ao rapaz que carregava as suas armas: - Tire a sua espada e me mate para que esses filisteus pagãos não caçoem de mim e me matem. Mas o rapaz estava muito apavorado e não quis fazer isso. Então Saul pegou a sua própria espada e se jogou sobre ela.
5 Quando viu que Saul estava morto, o rapaz também se jogou sobre a sua própria espada e morreu junto com ele.
6 E assim morreram naquele dia Saul, os seus três filhos, o rapaz e todos os soldados de Saul.
7 Quando os israelitas que moravam no outro lado do vale de Jezreel e a leste do rio Jordão viram que o exército israelita havia fugido e que Saul e os seus filhos tinham sido mortos, abandonaram as suas cidades e fugiram. Então os filisteus foram e ocuparam aquelas cidades.
8 Um dia depois da batalha, quando os filisteus voltaram lá para tirar dos mortos as coisas de valor, acharam os corpos de Saul e dos seus três filhos caídos no monte Gilboa.
9 Então cortaram a cabeça de Saul e tiraram a sua armadura. Depois mandaram mensageiros com elas para a sua terra, para darem as boas notícias aos seus ídolos e ao povo.
10 Eles puseram as armas de Saul no templo da deusa Astarote e pregaram o corpo dele na muralha da cidade de Bete-Sã.
11 Quando o povo de Jabes, na região de Gileade, soube do que os filisteus haviam feito com Saul,
12 os seus moradores mais corajosos saíram e marcharam a noite inteira, até chegarem a Bete-Sã. Tiraram da muralha os corpos de Saul e dos seus três filhos, levaram de volta para Jabes e ali os queimaram.
13 Então pegaram os ossos e sepultaram na cidade, debaixo de uma árvore de tâmaras. E jejuaram sete dias.

2 Samuel – Capítulo 1

1 Depois da morte de Saul, Davi voltou da sua vitória sobre os amalequitas e ficou dois dias na cidade de Ziclague.
2 No dia seguinte chegou um moço que vinha do acampamento de Saul. Para mostrar a sua tristeza, ele havia rasgado as suas roupas e posto terra na cabeça. O moço foi até o lugar onde Davi estava, ajoelhou-se e encostou o rosto no chão em sinal de respeito.
3 Davi lhe perguntou: - De onde você está vindo? - Eu fugi do acampamento israelita! - respondeu ele.
4 - Conte o que foi que aconteceu! - disse Davi. - O nosso exército fugiu da batalha, e muitos dos nossos homens foram mortos! - disse o moço. - Saul e o seu filho Jônatas também morreram.
5 - Como é que você sabe que Saul e Jônatas estão mortos? - perguntou Davi.
6 E o moço respondeu assim: - Acontece que eu cheguei, por acaso, ao monte Gilboa e vi Saul apoiado na sua lança. Os carros e os cavaleiros inimigos chegavam cada vez mais perto dele.
7 Então ele se virou, me viu e me chamou. E eu respondi: "Aqui estou, senhor!"
8 Saul perguntou quem eu era, e eu respondi que era amalequita.
9 Aí ele disse: "Fui ferido gravemente e estou morrendo. Venha aqui e me mate."
10 Então eu subi até o lugar onde ele estava e o matei porque eu sabia que, logo que caísse no chão, ele morreria. Aí tirei a coroa da cabeça dele e a pulseira do seu braço e trouxe para o senhor.
11 Então Davi rasgou as suas roupas em sinal de tristeza, e todos os seus soldados fizeram o mesmo.
12 Choraram, se lamentaram e jejuaram até a tarde por Saul, por Jônatas e por Israel, o povo de Deus, o SENHOR, pois muitos deles tinham sido mortos na batalha.
13 Aí Davi perguntou ao moço que tinha trazido as notícias: - De onde você é? - Eu sou amalequita, mas estou morando aqui na sua terra! - respondeu ele.
14 - Como é que você se atreveu a matar o rei escolhido por Deus, o SENHOR? - perguntou Davi.
15 Então chamou um dos seus homens e ordenou: - Mate-o! O homem atacou o amalequita e o matou.
16 E Davi disse ao amalequita: - O culpado disso foi você mesmo. Você se condenou quando confessou que havia matado o rei escolhido pelo SENHOR.
17 Davi cantou esta lamentação por Saul e por seu filho Jônatas
18 e ordenou que fosse ensinada ao povo de Judá. (Esta lamentação está escrita no |iLivro do Justo.)
19 Os nossos líderes estão mortos nos montes de Israel! Caíram os nossos soldados mais valentes!
20 Não contem isso na cidade de Gate nem nas ruas de Asquelom, para que as mulheres dos filisteus não se alegrem, nem pulem de contentamento as filhas dos pagãos.
21 Não caia chuva nem orvalho nos montes de Gilboa, e que os seus campos não produzam mais nada. Pois ali os escudos dos guerreiros valentes estão cobertos de pó, e o escudo de Saul perdeu o seu brilho.
22 O arco de Jônatas era mortal, e a espada de Saul nunca falhava para derrubar os poderosos e matar os inimigos.
23 Saul e Jônatas, tão queridos e maravilhosos; juntos na vida, juntos na morte! Eram mais rápidos do que as águias e mais fortes do que os leões!
24 Mulheres de Israel, chorem por Saul! Ele vestia vocês com vestidos de fina lã vermelha e as enfeitava com jóias de ouro.
25 Os soldados mais valentes caíram e foram mortos na batalha. Jônatas está morto nas montanhas.
26 Eu choro por você, meu irmão Jônatas; como eu o estimava! Como era maravilhoso o seu amor para mim, melhor ainda do que o amor das mulheres.
27 Os soldados mais valentes caíram, e as suas armas não têm mais utilidade.

2 Samuel – Capítulo 2

1 Depois disso Davi perguntou a Deus, o SENHOR: - Devo ir e governar alguma das cidades de Judá? - Sim! - o SENHOR respondeu. - Qual delas? - perguntou ele. - Hebrom! - foi a resposta.
2 Então Davi foi para Hebrom, levando consigo as suas duas esposas. Uma era Ainoã, da cidade de Jezreel, e a outra era Abigail, viúva de Nabal, da cidade de Carmelo.