Diga, pois, Israel: A sua benignidade dura para sempre. - SALMOS 118:2

Aborto: quem morre na gestação pode ressuscitar?

Publicado em: 26/09/2012  |   5:34
Compartilhe:

Uruguai aprovou por 50 votos a favor e 49 contra um projeto de lei que descriminaliza o aborto até a 12ª semana de gestação. Apesar de ser considerado crime, no Uruguai são feitos por ano mais de 60 mil abortos. Em novembro de 2008 foi aprovada uma lei parecida, mas que não entrou em vigor devido ao veto do então presidente, o oncologista Tabaré Vázquez. Agora, o projeto pode ser ratificado pelo Senado, aprovado sem dificuldades. Será que o presidente José Mujica sancionará o projeto? É provável que sim.

É crime

Você concorda com essa prática?

A lei foi aprovada após um longo debate de quase 14 horas. O tema ainda divide os políticos uruguaios. O deputado governista Darío Pérez argumentou contra a descriminalização e se retirarou do plenário.  Afirmou entre lágrimas que não podia acompanhar a votação porque ainda lembrava da dor que significou a perda de seu filho quando sua mulher abortou de forma espontânea quando estava no quarto mês de gravidez. A mulher uruguaia que desejar abortar deverá ir a um médico e expressar seu desejo para o profissional, após, terá cinco dias para refletir. Se prosseguir, o aborto será realizado de forma imediata.

Este é um bom momento para pensarmos na possibilidade da ressurreição de crianças que morreram no parto.

Não temos como afirmar nos mínimos detalhes como será a ressurreição das crianças, em especial este caso (crianças que morreram durante o parto). Há assuntos dos quais as Escrituras não fornecem muita luz, pois Deus sabe o momento certo em que irá revelar determinadas questões ao ser humano, mas é bem provável que sim. Há lindas declarações da profetisa Ellen G. White sobre a salvação das crianças:

“Havemos de ver de novo nossos filhos. Havemos de encontrar-nos com eles e reconhecê-los nas cortes celestes. Ponde vossa confiança no Senhor e não temais.” (Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 259).

Sua opinião

Sofrimento: você aprova isso?

“Os justos vivos são transformados num momento, num abrir e fechar de olhos”. À voz de Deus foram eles glorificados; agora tornam-se imortais, e os santos ressuscitados, são arrebatados para encontrar com seu Senhor nos ares. Os anjos “ajuntarão os Seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus”. Criancinhas são levadas pelos santos anjos aos braços de suas mães. Amigos há muito separados pela morte, reúnem-se, para nunca mais se separarem, e com cânticos de alegria ascendem juntamente para a cidade de Deus (O Grande Conflito, p. 645).

Confiemos em Deus e no Seu amor, pois Ele fará o que for melhor para nós. Aceitemos a Jesus como nosso salvador a fim de irmos para o céu juntamente com os mortos ressuscitados, por ocasião da segunda vinda:

“Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor” (1 Ts 4.13-17).

“De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6.40).

“E serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te, a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos” (Lc 14.14).

 “Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias, depois, os que são de Cristo, na sua vinda” (1 Co 15.23).

As declarações de Ellen White nos livros Mensagens Escolhidas, vol. 2, p. 259 e 260 (tópico “As Crianças na Ressurreição”); ibid., vol. 3, p. 313-316 (capítulo “Perguntas a Respeito dos Salvos”); e Eventos Finais, p. 253 e 254 (tópico “A Salvação de Criancinhas e de Imbecis”) revelam pelo menos três conceitos fundamentais sobre a salvação de crianças que morreram em tenra idade. Um deles é que os filhos de pais crentes serão salvos, pois a fé dos pais é extensiva aos filhos que ainda não atingiram a idade da razão. É-nos assegurado que “a fé dos pais que creem protege os filhos, como sucedeu quando Deus enviou Seus juízos sobre os primogênitos dos egípcios” (Mensagens Escolhidas, vol. 3, p. 314). Os pais crentes podem ter a certeza de que esses pequeninos lhes serão devolvidos na gloriosa manhã da ressurreição. “Ao surgirem os pequenos, imortais, de seu leito poento, imediatamente seguirão caminho, voando, para os braços maternos. Reencontrar-se-ão, para nunca mais se separarem” (Ibid., vol. 2, p. 260).

Outro conceito fundamental é que no Céu estarão também criancinhas cujos pais não serão salvos, e que elas serão cuidadas pelos próprios anjos até atingirem a estatura necessária para se manterem sozinhas. Ellen White declara que “ muitos dos pequeninos, porém, não terão mãe ali. Em vão nos pomos à escuta do arrebatador cântico de triunfo por parte da mãe. Os anjos acolherão os pequeninos sem mãe e os condizirão para junto da árvore da vida” (Ibid.). Em contraste com a fé dos pais crentes que é extensiva aos filhos em tenra idade, não existe qualquer possibilidade de os pais incrédulos protegerem seus filhos desta forma. A salvação de tais crianças é, por conseguinte, um ato exclusivo da graça de Deus, a respeito do qual não é apropriado conjecturar.

Um terceiro conceito fundamental é que “não podemos dizer se todos os filhos de pais descrentes serão salvos, porque Deus não tornou conhecido o Seu propósito a respeito desse assunto” (Ibid., vol. 3, p. 315). Ellen White esclarece também que, por ocasião da primeira ressurreição, “todos saem do túmulo com a mesma estatura que tinham quando ali entraram”, e que, durante o milênio, “os remidos crescerão até à estatura completa da raça em sua glória primitiva” (O Grande Conflito, p. 644 e 645).

Como, então, Ellen White pôde ver, em sua primeira visão, a presença de crianças ainda na nova Terra (ver Primeiros Escritos, p. 19)? É provável que as cenas dessa visão tenham sido descritas tematicamente em Primeiros Escritos, sem a mesma precisão cronológica que caracteriza o conteúdo de O Grande Conflito. Portanto, entre os salvos estarão os filhos que morreram em tenra idade cujos pais se salvarão, bem como outras criancinhas cujos pais se perderão. Durante o milênio essas crianças, juntamente com os demais remidos, crescerão até atingirem a estatura original da raça humana.

Creia nisso. Seja feliz!

J.Washington
Alberto Timm
Leandro Quadros

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 respostas para “Aborto: quem morre na gestação pode ressuscitar?”

  1. Eu nao concordo com o aborto eu sofro muito so de pensar em uma coisadesas e muito triste isso

  2. Renata disse:

    “Um deles é que os filhos de pais crentes serão salvos, pois a fé dos pais é extensiva aos filhos que ainda não…”

    Que absurdo! Todas os seres humanos incapazes de raciocinar, de crer em Cristo como único e suficiente salvador, serão salvos, ou seja, todas as crianças até a idade da inocência, independe de quem sejam filhos. A bíblia deve ser a única fonte de conhecimento da vontade de Deus e não ellen white idolatrada.

Leia a Biblia

Fale Conosco

Envie suas sugestões ou solicite informações